Xadrez treino técnico para competiçÃo apostila 6 Prof. Francisco Teodorico



Baixar 125,68 Kb.
Encontro27.09.2018
Tamanho125,68 Kb.

XADREZ - TREINO TÉCNICO PARA COMPETIÇÃO

Apostila 6 - Prof. Francisco Teodorico

______________________________________________________________________________





Onde os Reis se encontram

academiadexadrez@bol.com.br

www.geocities.com/academiadexadrez
TREINO TÉCNICO PARA COMPETIÇÃO

Apostila 14

Prof. Francisco Teodorico Pires de Souza

OS CAMPEONATOS DO MUNDO

XIII CAMPEONATO MUNDIAL DE XADREZ
Capablanca x Alekhine, 1927

Quando Capablanca conquistou o Título, parecia não existir no mundo alguém capaz de derrotar-lhe. Esta impressão se confirmou no ano seguinte, ao vencer o Torneio de Londres, 1922, de forma impressionante, sem derrotas.


Neste Torneio começou a rivalidade com Alekhine, que terminou em 2° lugar, também invicto, mas com 1,5 pontos a menos. Até esta data entre os dois existia boa amizade, pois durante o Torneio de San Petesburgo, 1914, ambos analisaram juntos variantes para usar no mesmo.
A rivalidade não foi causada pelo resultado do Torneio, mas pelas cláusulas para disputar o Campeonato Mundial, que foram praticamente ditadas por Capablanca e aceitas por Alekhine, Bogoljubow e Vidmar. Os pontos principais diziam que o encontro seria ganho pelo primeiro que vencesse 6 partidas, sem contar os empates. O prêmio seria de US$ 10.000, dos quais o Campeão receberia US$ 2.000, enquanto o vencedor do match receberia US$ 4.800 e o vencido US$ 3.200. Naturalmente os gastos de viagem e alojamento não estavam incluídos nos US$ 10.000 e quem deveria procurar o patrocínio não era o Campeão. As condições eram normais, mesmo com o problema dos US$ 10.000 e demais gastos, pois naqueles tempos o Campeão emitia as leis.
Alejandro Alekhine (Moscou, 1892 - Estoril, 1946) foi o jogador mais tenaz de todos os tempos. Era considerado um jogador completo, veio de uma família aristocrata russa, estudou na Escola Imperial Superior de Leis para Nobres e na Escola Militar de San Petesburgo. Em 1914 gradua-se como advogado e ingressa no Ministério das Relações Exteriores. A Revolução Russa arruinou sua família, e em 1921 muda-se da Rússia para Paris, doutorando-se na Faculdade de Direito, profissão que nunca exerceu por sua dedicação exclusiva ao xadrez.
Alekhine aprendeu a jogar muito jovem e foi um simpatizante do xadrez postal. Até 1912, com exceção de Estocolmo, não havia vencido torneio importante. Seus resultados mais importantes foram:


Estocolmo, 1912

1° lugar

Scheweningen, 1913

1° lugar, superando Janowski, Olland, Yates, etc.

San Petesburgo, 1913

1° lugar, empatado com Nimzowich. O vencedor deste Torneio classificaria-se para a versão 1914. Após 2 partidas para desempatar o 1° posto, cada um deles venceu uma, levando ambos a serem convidados para o ano seguinte.

San Petesburgo, 1914

3° lugar, é considerado revelação, ficando atrás de Lasker e Capablanca.

Mannheim, 1914

1° lugar, Alekhine é declarado campeão após estourar a I Guerra Mundial, que interrompeu o Torneio antes do fim. Alekhine, Janowski, Bogoljubow, etc. foram presos pelos alemães. Alekhine chegou a voltar à Rússia, alistando-se no Corpo de Saúde, onde recebeu diversas honras e feridos no campo de batalha.

Moscou, 1916

1° lugar

Moscou, 1918

1° lugar

Moscou, 1919

1° lugar

Camp. da URSS, 1920

1° lugar. No ano seguinte abandona a Rússia.

Tribergs, 1921

1° lugar

Budapeste, 1921

1° lugar

La Haya, 1921

1° lugar

Pistyan, 1922

2° lugar, empatado com Spielmann. Bogoljubow, seu rival e compatriota, venceu este Torneio

Londres, 1922

2° lugar, vencido por Capablanca.

Hastings, 1922

1° lugar

Viena, 1922

4°/6° lugar.

Margate, 1923

2°/5° lugar.

Carlsbad, 1923

1°/3° lugar.

Portsmouth, 1923

1° lugar.

New York, 1924

3° lugar. Alekhine percebe, após este Torneio, que precisa amadurecer antes de enfrentar Capablanca e continua estudando com afinco. O Torneio foi vencido por Capablanca.

Paris, 1925

1° lugar.

Berna, 1925

1° lugar.

Baden-Baden, 1925

1° lugar. Somente Capablanca e Lasker, dos grandes nomes do xadrez não participaram deste Torneio.

Hastings, 1925-26

1° lugar, com Vidmar.

Summering, 1926

2° lugar, atrás de Spielmann.

Dresde, 1926

2° lugar, com Nimzowich.

Scarborough, 1926

1° lugar.

Buenos Aires, 1926

1° lugar.

Birmingham, 1926

1° lugar.

Ficou estipulado que no Torneio de New York, 1927, o vencedor seria o aspirante ao Título Mundial. Apesar de já ter negociado o match na Argentina, Alekhine participa deste Torneio, que foi disputado em matches de 4 partidas, com Capablanca vencendo todos. A classificação final foi:




1° Capablanca

14,0

2° Alekhine

11,5

3° Nimzowich

10,5

4° Vidmar

10,0

5° Spielmann

8,0

6° Marshall

6,0

Rubinstein injustamente não foi convidado a participar deste Torneio e Bogoljubow também esteve ausente por ter exigido honorários muito altos. Lasker também não foi convidado, dizem que havia o temor, por parte dos organizadores, que vencesse, pois gostariam de um aspirante jovem.


Já Capablanca participou dos seguintes Torneios:


Londres, 1922

1° lugar

New York, 1924

1° lugar

Moscou, 1925

1° lugar

Lake Hopatcong, 1226

1° lugar

Após o Torneio de New York, 1927, Capablanca estava autoconfiante demais (já que havia ganhado uma das 4 partidas do match contra Alekhine) e não se preparou para o combate.


Alekhine, enquanto isto, continua sua preparação, muda-se para a Europa e vence Kecskemet, invicto.
Antes do match, estas eram as opiniões sobre Alekhine:
Alekhine não ganhará uma partida sequer (Spielmann)
O resultado será 6 x 3 a favor de Capablanca (Bogoljubow, sendo que Nimzowich e Maroczy tinham opinião semelhante)
Alekhine pode obter bom resultado contra Capablanca se não jogar em La Habana (Lasker, 1924)
Capablanca venceu Londres, 1922 porque era Campeão Mundial; Lasker, New York, 1924 como se fosse Campeão Mundial; mas Alekhine venceu Baden-Baden como um verdadeiro Campeão Mundial (Tartakower)
Alekhine pode vencer se jogar como em Baden-Baden, 1925 e conseguir dominar os nervos (Reti)
Antes de viajar a Buenos Aires, Alekhine disse: Não sei como poderei vencer 6 partidas de Capablanca, mas também não sei como ele poderá ganhar de mim.

Até aquela data, Alekhine não havia vencido Capablanca em seus 12 confrontos:




San Petesburgo, 1913

2 derrotas

San Petesburgo, 1914

2 derrotas

Londres, 1922

1 empate

New York, 1924

2 empates

New York, 1927

1 derrota e 3 empates

Capablanca estava tão confiante que antes do match, participou no Brasil de uma atividade desgastante: uma sessão de simultâneas. Mas o castigo veio, e na 34ª partida do match, após 2ª suspensão, Capablanca envia uma carta ao adversário felicitando-o pela vitória, sem, contudo apresentar-se no salão de jogo nem assistir o banquete em que Alekhine foi proclamado Campeão Mundial.


A inimizade mútua perdurou até a morte. Alekhine sempre encontrava pretextos para evitar o match revanche contra Capablanca nas suas diversas tentativas. Escolheu como adversários Bogoljubow (2 vezes) e Euwe, convencido que os venceria facilmente.
Será que Capablanca teria vencido a revanche? Jamais saberemos, pois se bem que o cubano foi um jogador genial, esta foi a melhor fase de Alekhine.
Após Buenos Aires, encontraram-se nos seguintes Torneios:


Nottinghan, 1936

Capablanca vence não somente Alekhine como também o Torneio.

A.V.R.O. , 1938

(Holanda)



Empatam no 1° turno (oferecido por Capablanca por intermédio do árbitro) e Alekhine vence no 2° turno.

Torneio das Nações, 1939 (Buenos Aires)

Última vez que se encontram, porém sem se enfrentarem. Capablanca obtém a melhor pontuação do 1° tabuleiro, e enquanto o público o aclamava, Alekhine com clara demonstração de desagrado, abandona a sala.

Ao estourar a II Guerra Mundial, tentou-se organizar o match revanche, já que ambos tiveram de permanecer na Argentina. Mas Tartakower avisou: Não percam vocês o tempo. Esse encontro jamais se realizará, pois Capablanca sabe que Alekhine pode voltar a vencê-lo, e Alekhine sabe que ele é o único que pode derrotar-lhe.

Capablanca volta à luta em 1928:


Bad Kissingen, 1928

2° lugar, atrás de Bogoljubow

Berlim, 1928

1° lugar

Budapeste, 1928

1° lugar

Ramsgate, 1929

1° lugar

Budapeste, 1929

1° lugar

Carlsbad, 1929

2° lugar, atrás de Nimzowich e empatado com Spielmann

Barcelona, 1929

1° lugar

Hastings, 1929-30

1° lugar

Hastings, 1930-31

1° lugar

New York, 1931

1° lugar

Em match na Holanda, venceu o futuro Campeão Mundial, Euwe por +2-0=8. Após alguns anos afastado do tabuleiro, reaparece em 1934:




Hastings, 1934-35

4° lugar, superado por Euwe, Flohr e Thomas (empatados em 1° lugar).

Margate, 1935

2° lugar, atrás de Reshevsky

Moscou, 1935

4° lugar, onde voltou a encontrar-se com o velho rival Lasker, que lhe derrotou em uma bela partida.

Moscou, 1936

1° lugar, onde venceu Lasker em uma interessante partida.

Margate, 1936

2° lugar, atrás de Flohr.

Nottinghan, 1936

1° lugar, empatado com Botwinnik. Este Torneio é considerado como um dos mais fortes da história do xadrez.

Suas últimas atuações foram:




Semering-Baden, 1937

3° lugar, com Reshevsky e atrás de Keres e Fine.

A.V.R.O., 1938

7° lugar, atrás de Keres e Fine (empatados em 1° lugar) e de Botwinnik, Euwe, Alekhine e Reshevsky, somente superando Flohr.

Paris, 1938

1° lugar.

Margate, 1939

2° lugar, com Flohr e atrás de Keres.

Torneio das Nações, 1939

(Buenos Aires)

Melhor 1° tabuleiro.

Em 07Mar1942, enquanto presenciava uma partida em que jogavam dois aficionados no Manhattan Chess Club, Capablanca sente-se mal, perde os sentidos, e no dia seguinte, vem a falecer no hospital de New York, vítima de apoplexia. Por triste coincidência do destino ali, no ano anterior, falecera Lasker, seu antigo rival.


Capablanca foi o mais amável, simpático e agradável de todos os Campeões Mundiais. O mundo inteiro o estimava como pessoa e como enxadrista, e além de inesquecíveis partidas nos deixou entre outros, livros deliciosos como: Minha carreira de xadrez, Fundamentos do Xadrez e Últimas Lições.

Capablanca x Alekhine

Buenos Aires, 16Set - 28Nov1927





1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

Alekhine

1

½

0

½

½

½

0

½

½

½

1

Capablanca

0

½

1

½

½

½

1

½

½

½

0







12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

Alekhine

1

½

½

½

½

½

½

½

½

1

½

Capablanca

0

½

½

½

½

½

½

½

½

0

½







23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

Tot

Alekhine

½

½

½

½

½

½

0

½

½

1

½

1

18,5

Capablanca

½

½

½

½

½

½

1

½

½

0

½

0

15,5

Capablanca começou o match de Brancas.




ABERTURAS

Nº DAS PARTIDAS

TOTAL

%

Francesa

1

1

2,94

Ortodoxa

2, 4, 5, 6, 8, 10, 12 a 28, 30, 32, 34

26

76,47

Índia da Dama

3

1

2,94

Cambridge-Springs

7, 9, 11, 29, 31, 33

6

17,65


A SEGUIR:

XIV Campeonato Mundial de Xadrez

Alekhine x Bogoljubow, 1929

FINAIS I

3.10. Finais diversos de Rei e Peões

Diagrama: g4, h5, Rd2 x b4, c5, d4, f7, h6, Rd5



Composição: Kling & Harwitz

1? (1-0)
PLANO

*****

Formar um Peão passado e afastar o Rei negro dos Peões da ala Dama.

PROCEDIMENTO

*****

1 g5! Re5 2 gh6 Rf6

Impedindo o avanço do Peão, mas tornando-se escravo da posição.


3 Rc2! c4 4 Rc1!


Defesa do Rei contra três Peões: Quando os 3 Peões encontram-se numa mesma horizontal, o Rei deve colocar-se na mesma coluna do Peão do meio, afastado dele 2 casas; assim poderá colocar-se diante de qualquer dos Peões que avançar.

4 ... c3

Se 4 ... b3 5 Rb2!

Se 4 ... d3 5 Rd2!

5 Rc2! b3+ 6 Rb3 d3 7 Rc3 d2 8 Rd2 Re6 9 h7 (1-0)
Diagrama: f3, g2, g4, h3, Rh2 x a6, g5, g6, Rb8

Composição: Berger

1? (=)
PLANO

*****

Para evitar a promoção do Peão a somente uma posição de pat.

PROCEDIMENTO

*****

1 f4! a5

Se 1 ... gf4 2 h4 (1-0)



2 fg5! a4 3 Rg3! a3 4 Rh4! a2 5 g3 a1D (=)
Diagrama: b3, c4, c5, e5, h5, Rg6 x a7, b4, c6, c7, Rb7

1? (1-0)
PLANO

*****

As Negras tentarão empatar chegando a uma posição de pat, enquanto o Branco deve sacrificar o Peão promovido para desafogar o Rei inimigo, formando outro Peão passado.

PROCEDIMENTO

*****

1 e6! Ra6 2 e7 Ra5 3 e8C! a6 4 Cd6! cd6 5 cd6 (1-0)

"As peças valem pelo que fazem, não pela sua simples existência no tabuleiro”.

Analise 1 h6.

*****


1 ... Rh6 2 h7 Ra5 3 h8D a6 4 D joga (=)
Diagrama: a2, b3, c2, g4, Rf3 x a5, b4, h6, Rg6

Partida por correspondência

Berger x Bauer, 1889-91

1 ? (1-0)
PLANO

*****

Sacrifício de Peões, forçando um Peão passado.

PROCEDIMENTO

*****

1 c4! bc3 e.p. 2 Re3 Rg5 3 a4!! Rg4 4 b4! ab4 5 Rd3!!

Único. Analise 5 a5.

*****

5 ... b3 6 Rd3 b2 7 Rc2 Rf3 8 a6 Re2 9 a7 b1D+ 10 Rb1 Rd1, e ambos promovem a Dama.

5 ... h5 6 a5 h4 7 a6 h3 8 a7 h2 9 a8D (1-0)

Segue Dh1, ganhando


Diagrama: a4, d4, d5, f4, Ra1 x a5, d6, f5, Ra7

Composição: Lasker & Reichhelm, 1901

1? (1-0) 1 ... ? (=)
a) 1 ?

PLANO

*****

O Rei branco deve penetrar em b5 ou g5. O Rei negro não deve afastar-se mais do que uma coluna do branco para que não se infiltre em uma das casas citadas. Se o Rei branco estiver em c4, o negro em b6, jogando o Negro, perdem, pois ... Ra6 (forçado) permite a entrada pela ala do Rei via g5. Com o Rei branco em d3 e o Rei negro em c7, as Negras, tendo o lance perdem novamente, pois, se ... Rd7 permite ao Branco a entrada via Rc4 e Rb5; e se ... Rb6 o Rei branco penetra via g5. As Brancas, tendo o lance conseguem a última posição, daí o ganho.

PROCEDIMENTO

*****

1 Rb1! Rb7 2 Rc1 Rc7 3 Rd1 Rd7 4 Rc2 Rd8 5 Rc3 Rc7 6 Rd3 (1-0)

As Negras não podem jogar ... Rd7 nem ... Rb6.


b) 1 ... ?

PLANO

*****

Evitar a entrada do Rei inimigo em b5 ou g5. O Rei negro não deve afastar-se mais do que uma coluna do Rei inimigo.

PROCEDIMENTO

*****

1 ... Rb7

Mantendo-se na coluna vizinha do Rei adversário e separado deste por um número ímpar de casas (1, 3, 5), ou seja mantendo uma espécie de oposição distante.


2 Rb1 Ra7! 3 Rb2


Se 3 Rc1 Rb7! (=).

Se 3 Rc2 Rb8! (=).



3 ... Ra8! 4 Rb3 Ra7 5 Rc3 Rb7 6 Rd3 Rc7

O monarca negro está na coluna vizinha à do Rei branco e separado deste por um número ímpar de casas (3), permitindo o empate. Observe que no diagrama inicial, em que as Brancas tinham o lance, neste momento competia às Negras o lance.


7 Re3 Rd7 8 Rf3 Re7 9 Rg3 Rf7 10 Rh3 Rg7


E se 10 ... Rg6?

*****


11 Rh4 (1-0).

11 Rh4 Rg6 (=)
A SEGUIR:

3.10. Finais diversos de Rei e Peões (cont.)

TÁTICA I

7.3. Ataques na Diagonal Aberta
(Falta o Peão f)

O avanço do Peão f abre a diagonal a2-g8 (ou a7-g1). O avanço deste Peão duas casas, quase sempre acompanhado de g6 (ou g3) defendendo o Peão em f5 (ou f4) possibilita a abertura de uma outra diagonal, a1-h8 (ou a8-h1). As peças usadas neste ataque são os Bispos e a Dama.


Diagrama: f4, Rf1, Cg5, Dh2 x g7, h7, Db6, Tc8, Bf6, Rg8

1 ? (1-0)
PLANO

*****

A diagonal a2-g8 está aberta e pode ser acessada pela Dama. Se o Rei estivesse em h8, obstruído por uma peça, o Cavalo entraria em h7 com mate (Philidor).

PROCEDIMENTO

*****

1 Da2+ Rh8


Se 1 ... Rf8 2 Df7++ (1-0).

2 Cf7+ Rg8 3 Ch6+ Rh8 4 Dg8+ Tg8 5 Cf7++ (1-0)
Diagrama: a2, b2, c2, f4, g2, h2, Td1, Te4, Rg1, Dh8 x a7, b7, c7, g7, h7, Ta8, Bc8, Bd6, Rf7, Dh4

Euwe x Reti

1 ... ? (0-1)
As Negras sacrificaram a Torre (que acabou de ser capturada pela Dama) com o objetivo de ganhar tempo.
PLANO

*****

Sacrificar a segunda Torre e aproveitar a diagonal a7-g1 aberta e a bela posição da Dama negra em via de ataque.

PROCEDIMENTO

*****

1 ... Bh3! 2 Da8 Bc5+ 3 Rh1 Bg2+! 4 Rg2 Dg4+ 5 Rf1 Df3+ 6 Re1 Df2++ (0-1)
Diagrama: a2, b3, c4, f2, h2, Bb2, Te1, Tf3, Rg1, Bg2, Ch5 x a5, b6, f6, g7, h7, Cb7, Tb8, Cc5, Tc8, Bf8, Rg8

1 ? (1-0)
PLANO

*****

Explorar a diagonal a2-g8 aberta pelo avanço do Peão f.

PROCEDIMENTO

*****

1 Tf6 (1-0)

E se 1 ... gf6 ?

*****

2 Bd5+ Rh8 3 Bf6+ Bg7 4 Bg7++ (1-0).
Diagrama: g4, h4, Ta1, Ta8, Bg2, Bg3, Rh3 x b6, c7, f5, g6, h7, Tc2, Bc5, Bd7, Tf8, Rg8

1 ? (1-0)
O Negro acabou de jogar ... f5 procurando atacar a posição desfavorável do Rei inimigo.
PLANO

*****

O avanço ... f5? abriu a diagonal a2-g8, que é fatal ao monarca. A Torre negra está cravada, os Bispos brancos em posição de tiro, além dos Peões que podem colaborar no ataque.

PROCEDIMENTO

*****

1 Bd5+ Rg7


Analise 1 ... Rh8.

*****


2 Be5 Tf6 3 Bf6++ (1-0).

2 Be5+ Rh6


Analise 2 ... Tf6.

*****


3 Tg8+ Rh6 4 g5+ Rh5 5 Bf3++ (1-0).

3 g5+ Rh5 4 Bf3++ (1-0)
A SEGUIR:

7.4. Ataques ao Peão h7 (ou h2)

OS GRANDES MESTRES DO TABULEIRO

3.1. Partida nº 1



Londres, 1862

Abertura Giuoco Piano

Dubois x Steinitz
1 e4 e5 2 Cf3 Cc6 3 Bc4 Bc5 4 0-0

É mais conveniente esperar para rocar, reservando a possibilidade do roque grande. A paciência de esperar para rocar não é característica das partidas anteriores à época de Steinitz. Morphy, por exemplo, para facilitar o avanço rápido dos Peões centrais deveria abrir o jogo, e é evidente que para colocar seu Rei em segurança deve rocar o mais cedo possível.



4 ... Cf6 5 d3 d6

O plano de Steinitz contrasta com o de seu adversário, esperando para rocar.



6 Bg5

Era mais prudente jogar 6 Be3



6 ... h6 7 Bh4 g5

Eis as conseqüências do antecipado roque branco e da espera do roque negro. Estes lances que hoje parecem naturais não são encontrados em jogadores como Morphy, por exemplo. Este tipo de ataque (pelo flanco) somente é admissível quando se tem segurada a posição central e pode-se fecha-la rapidamente. Este ataque é típico de Steinitz: centro fechado, seguro e pressão de Peões pelo flanco Rei.



8 Bg3 h5! 9 h4

Analise 9 Cg5

*****

9 ... h4! 10 Cf7 hg3 11 Cd8 Bg4 12 Dd2 Cd4 13 Cc3 Cf3+ 14 gf3 Bf3 (0-1)

O mate é rápido

9 ... Bg4

Observe que se 10 hg5 h4 11 Bh2 Ch7 e as Negras alcançam vantagem posicional. O objetivo branco é abrir o centro através do sacrifício de Peões.



10 c3 Dd7 11 d4 ed4 12 e5 de5 13 Be5 Ce5 14 Ce5 Df5!

O ataque negro é reforçado, vencendo o contra-ataque central branco.



15 Cg4 hg4 16 Bd3 Dd5 17 b4

Com o objetivo de, após 17 ... Bb6, 18 c4 e 19 c5. Steinitz sacrifica o Bispo, prevendo que o ataque na coluna h será decisivo. O eixo da combinação está no lance 22 negro, pois Steinitz, apesar de uma peça a menos, troca as Damas para tirar a casa de escape f2 do Rei branco.



17 ... 0-0-0 18 c4

Relativamente o melhor. Objetiva desviar a Dama negra da grande diagonal branca e da casa f5. Após desviar a ação do inimigo da grande diagonal, poderia o Branco seguir com g3. A importância de f5 será observada no decorrer da partida.



18 ... Dc6 19 bc5 Th4

O que Steinitz ameaça?

*****

20 ... Tdh8 21 f3 g3 22 Bf5+

Com idéia de 23 Bh3.

22 ... De6!

Com mate a seguir.

20 f3 Tdh8 21 fg4 De8

Se 21 ... Cg4? 22 Bf5+



22 De1

Analise 22 Te1.

*****

22 ... Th1+ 23 Rf2 De1+ 24 De1 Cg4+ 25 Re2 Te1+

22 ... De3+ 23 De3 de3 24 g3 Th1+ 25 Rg2 T8h7+ 26 Rf3 Tf1+ 27 Bf1 Tf2+ 28 Re3 Tf1

As peças brancas estão travadas. O final é insustentável. Após poucos lances Steinitz venceu.


A SEGUIR:

3.2. Partida nº 2

Campeonato de Londres, 1863

Gambito Evans

Blackburne x Steinitz

EXERCÍCIOS

Diagrama 14.1



a3, b4, e3, g2, h2, Cc5, Bd3, Te1, Tf1, Df2, Rg1 x a6, b7, d5, g7, h7, Tc6, Bd7, De5, Ce7, Re8, Th8

Olimpíada, 1956

Momo x Mac Govan

1 ? (1-0)
O mestre mongol ganha uma peça, o que lhe dá vantagem decisiva.

PLANO

*****

Atrair o Rei a f8 e dar duplo de Cavalo em d7, ganhando o Bispo.

PROCEDIMENTO

*****

1 Df8+ Tf8 2 Tf8+ Rf8 3 Cd7 (1-0)
Diagrama 14.2

a3, c4, e2, f2, g3, h2, Ta1, Bc1, Cc3, Dd2, Re1, Cf3, Bg2, Th1 x a7, b7, d7, f7, g7, h7, Da5, Ta8, Bc5, Cc6, Bc8, Cf6, Tf8, Rg8

Ostrava, 1923

Euwe x Bogoljubow

1 ... ?
Bogoljubow pode ganhar um Peão. Como?

PLANO

*****

O alvo é o Peão f2, apenas defendido pelo Rei , já que existe a possibilidade de atrair a Dama branca a c3 através do sacrifício de Dama caso o Rei negro tome o Bispo f2 e então dar o duplo de Cavalo à Dama e Rei.

PROCEDIMENTO

*****

1 ... Bf2+ 2 Rf2 Dc3! 3 Dc3 Ce4+
Diagrama 14.3

a2, b2, c3, d4, f3, f5, g2, Dc2, Cf4, Rg4 x a7, b7, c6, d5, f6, g7, De3, Cf1, Rg7

Wittek x Meitner

Viena, 1882

1 ... ?
Meitner pode dar um belo golpe tático nesta posição, como?

PLANO

*****

Dama e Rei brancos estão posicionados a salto de Cavalo. O Cavalo negro domina a casa convergente e3. Logo, havendo uma maneira de ceder a casa e3 para o Cavalo, o golpe será decisivo.

PROCEDIMENTO

*****

1 ... Df4+ 2 Rf4 g5+

O Rei branco é forçado a voltar para g4!



3 Rg4 Ce3+

E as Negras ganham um Cavalo


Diagrama 14.4

a2, a3, c2, d3, g2, Rc1, Td1, Ce6, Df3 x b6, c6, d5, g6, Ta5, Dd7, Bg7, Rh7

Gottschall x N.N.

Halle, 1894

1 ... ?
Nesta posição se o lance pertencesse às Brancas, o que deveriam jogar?

PLANO

*****

Explorar a posição de duplo de Cavalo, pois o Rei e Dama estão em casas que propiciam este golpe tático.

PROCEDIMENTO

*****

1 Df8!!

Ameaçando mate (1 … De6 2 Th1+ Bh6 3 Th6++). Mas e se 1 … Bf8?



PLANO

*****

Idem ao anterior.

PROCEDIMENTO

*****

2 Cf8+ Rg7 3 Cd7, ganhando uma peça.

A partida prosseguiu assim:



1 ... d5 2 Th1+ Th5 3 Th5+ gh5 4 Df5+ Rg8 5 Cg7 Dg7 6 De6+ Df7 7 Dc6

E as Brancas, com dois Peões de vantagem ganharam com facilidade. Neste caso a ameaça do duplo de Cavalo é latente e somente se converte em efetiva se as Negras respondem com 1 ... Bf8.



BIBLIOGRAFIA
· LOS CAMPEONATOS DEL MUNDO - DE STEINITZ A ALEKHINE

Pablo Moran, Ediciones Martinez Roca, S.A., Barcelona - Espanha

Págs. 36-41 e 153-167
· XADREZ BÁSICO

Dr. Orfeu Gilberto D'Agostini, Edições Ouro, São Paulo - Brasil

Págs. 134-137 e 219-221
· LOS GRANDES MAESTROS DEL TABLERO

Ricardo Reti, Club de Ajedrez

Págs. 34-35
· TÁCTICA MODERNA EN AJEDREZ - Tomo I

Ludeck Pachman, Colecion Escaques, Martinez Roca,

Barcelona - Espanha

Pág. 33-34



______________________________________________________________________________________

Página




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal