Workshop Salas de Inclusão nos Museus: Acesso ao Deficiente Visual



Baixar 84,7 Kb.
Encontro26.01.2018
Tamanho84,7 Kb.



Bibliografia



Criação e Gerenciamento de Projetos Culturais Acessíveis

ACESSIBILIDAD PARA PERSONAS COM CEGUERA Y DEFICIENCIA VISUAL. Primera edición. ONCE: Madrid, 2003.
AUSTRALIAN MUSEUM AND THE NATIONAL MUSEUM OF AUSTRALIA. Many Voices Making Choices: Museum audience with disabilities. Sydney, 2005. 70 p.
AXEL, Elizabeth Salzhauer e LEVENT, Nina Sobol. Art Beyond Sight: A Resource Guide to Art, Creativity, and Visual Impairment. Art Education for the Blind Inc. e American Foundation for the Blind Press. Nova Iorque, 2003.
CANO, Begoña Consuegra. El acesso al patrimônio histórico de las persona ciegas y deficiente visuales. ONCE, 1ª edição: Madrid, 2002.

CARLETTO, Ana Claudia e CAMBIAGHI, Silvana. Desenho Universal: um conceito para todos. Instituto Mara Gabrilli: São Paulo, 2008.

FUNDAÇÃO PREFEITO FARIA LIMA – CEPAM. Unidade de Políticas Públicas – UPP. Município acessível ao cidadão, coordenado por Adriana Romeiro de Almeida Prado. São Paulo, 2001. 276p.

FERRARI, Aída Lúcia; CAMPOS, Elisa. De que cor é o vento?: Subsídios para ações educativo-culturais com deficientes visuais em museus. Prefeitura de Belo Horizonte, 2001. 47p.

FOUNDATION DE FRANCE - ICOM, MINISTERIO DE CULTURA y ONCE. Museus Abiertos a Todos los Sentidos: acoger mejor a las personas minusvalidas. Trad. Carmen Pérez Andrés e Antonia Ramos Fuentes. ONCE. Salamanca, 1994. 273p.

AMERICAN ASSOCIATION OF MUSEUMS. Execellence and Equity: Education and the Public Dimension of Museums. AAM. Baltimore, 1998. 27p.

IPHAN. Instrução Normativa nº 1. 2003 (www.iphan.gov.br)

GORBEÑA, Susana; MADRIAGA, Aurora; RODRÍGUEZ, Mercedes. Protocolo de evaluación de las condiciones de inclusión em equipamentos de ocio. Documentos de Estudios de Ocio, núm.22. Bilbao: Universidad de Deusto – Instituto de Estudios de Ocio, 2002.

GROFF, Gerda. What museum guides need to know. 2ª ed. - New York: American Foundation for the Blind, 1990.

LUSSEYRAN, Jacques. Memórias de Vida e Luz, São Paulo, Editora Antroposófica


MAJEWSKI, Janice. Part of your general public is disabled. 2ª ed. Washington: Smithsonian Institution, 1993.
MARTINS, Patrícia Isabel Roque. A Inclusão Pela Arte: museus e públicos com deficiência visual. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Belas Artes, Universidade de Lisboa, 2008.
MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. O Toque Revelador: a poética das formas. São Paulo, 1999. 38p. il.

MUSEU DA INDÚSTRIA COMÉRCIO E TÉCNOLOGIA - CENTRO SOCIAL MARIO FRANÇA DE AZEVEDO. Percepção e Criação. São Paulo, 1980.


NOWILL, Dorina. .... E eu venci assim mesmo. 1ª ed., São Paulo: Totalidade, 1996.
SARRAF, Viviane Panelli. A Inclusão dos Deficientes Visuais em Museus: uma análise realizada com base em avaliações sobre acessibilidade. 95 p. il., 1 anexo. Monografia de Especialização - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, 2004.
SARRAF, Viviane Panelli. Reabilitação do Museu: políticas de inclusão cultural por meio da acessibilidade. 2008, 180 fls. Il. Dissertação de Mestrado – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2007. (Disponível em- www.museuacessivel.incubadora.fapesp.br.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão./ Construindo uma sociedade para todos. 2ª ed., Rio de Janeiro : WVA, 1997.
SHAPIRO, Joseph P. No pity: people with disabilities forging a new civil rights movement. Three Rivers Press: New York, 1993.
TOJAL, Amanda Pinto da Fonseca. Museu de Arte e Público Especial .1999. 191p.,il., 2 anexos. Dissertação de Mestrado - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 1999.
TOJAL, Amanda Pinto da Fonseca. Políticas Públicas Culturais de Inclusão de Públicos Especiais em Museus, 2007. 322 fls.il, 1 CD-ROM. Tese de Doutorado – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2007.


              1. Artigos em PDF


A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde . Farias, N. & Buchalla, C.M. Ver. Brás. Epidemiol. 8(2): 187-93, 2005.
NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Segunda edição 31.05.2004 Número de referência - ABNT NBR 9050:2004. 97 páginas.


Informações consultadas na Internet:
Instrução Normativa nº 1. 2003. Disponível em: www.iphan.gov.br>. Acesso em 04/ 2006

Censo, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br > . Acesso 05/ 2006.


Código de ética do ICOM – International Council of Museums. Disponível em: <http://www.icom.org.br>. Acesso 08/2006.
Declaração de Direitos Humanos. Disponível em: <www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php>. Acesso em 05/2006.
Documentos, conceitos e notícias sobre questões ligadas a deficiência. Disponível em: <http://www.saci.org.br>. Acesso em 12/07/2007.
NBR 9050 – Norma Brasileira de Acessibilidade. Disponível em

< http://www.acessibilidade.org.br>. Acesso 05/ 2006.
Relato da Palestra “Comunidade e Acessibilidade”, proferida por Toby Jackson, curador educativo da Tate Modern, ocorrida no Ciclo de Palestras Educação e Arte: uma experiência da Tate Modern, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, no ano de 2005. Texto completo disponível em: <http://forumpermanente.incubadora.fapesp.br/portal/.event_pres/jornadas/educ_toby/documentacao/comun_acessib/?searchterm=toby%20jackson>. Acesso 03/2008.
Rede Saci – Informações gerais sobre Deficiência e Inclusão Social. Disponível em:

<www.saci.org.br>. Acesso em 12/06/2007.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal