Vestibular: resumos professor: walter tadeu



Baixar 242,74 Kb.
Encontro06.03.2018
Tamanho242,74 Kb.




VESTIBULAR: RESUMOS
PROFESSOR: WALTER TADEU
MATEMÁTICA I






DIVISIBILIDADE

Múltiplos e Divisores: Dados dois inteiros a e b (pertencentes ao conjunto Z), sendo b ≠ 0, existe um único par de números inteiros (q; r) tal que a = b.q + r e 0 ≤ r < |b|. Dizemos que q é o quociente e r o resto da divisão de a (dividendo) por b (divisor).
Exemplo. 35 ÷ 4 = 8, resto 3. Logo, 35 = 4 x 8 + 3.
OBS 1: Repare que o resto não pode ser negativo. Assim, caso a divisão envolva os números negativos, é preciso cuidado na determinação dos restos.
Exemplos. a) – 35 ÷ 4 = – 9, resto 1. b) – 35 ÷ – 4 = 9, resto 1. c) 35 ÷ – 4 = – 8, resto 3.
– 35 = (4).(– 9) + 1. – 35 = (– 4).( 9) + 1. 35 = (– 4).(– 8) + 3.
0 ≤ 1 < |4| 0 ≤ 1 < |4| 0 ≤ 3 < |4|
OBS 2: Caso o resto da divisão dos inteiros a por b seja nulo (zero), a divisão é chamada exata e dizemos:
i) a é múltiplo de b ou a é divisível por b;
ii) b divide a ou b é fator de a.
Critérios de divisibilidade: São regras que nos permitem reconhecer, sem efetuar a divisão, se um número é divisível por outro. E se não o for, determinar o resto. A seguir, serão apresentados alguns.
i) Um número inteiro é divisível por 2, se for par (o algarismo da unidade simples for 0, 2, 4, 6 ou 8). Se um número não é par, ele é chamado ímpar. O resto na divisão por de um número ímpar é 1.
ii) Um número inteiro é divisível por 3, se a soma dos valores absolutos dos algarismos desse número for um múltiplo de 3.
Exemplo. 3 216 é múltiplo de 3, pois 3 + 2 + 1 + 6 = 12 (múltiplo de 3).
O resto da divisão será o resto da divisão da soma dos algarismos por 3.
Exemplo. 3 218 não é múltiplo de 3, pois 3 + 2 + 1 + 8 = 14. Como 14 ÷ 3 = 4, resto 2, o resto da divisão do número 3 216 por 3 será 2.
iii) Um número inteiro é divisível por 4, se os algarismos das dezenas e unidades simples forem zeros ou formarem um número múltiplo de 4.
Exemplos. a) 2 300 é divisível por 4. b) 2 332 é divisível por 4.
O resto da divisão será o resto da divisão do número formado pelos algarismos das unidades e dezenas simples por 4. No caso do número 3 241, o resto na divisão por 4 será o resto de 41 por 4. Isto é, resto 1.
iv) Um número inteiro é divisível por 5, se o algarismo da unidade simples é zero ou cinco. Caso contrário, determinamos o resto da divisão observando o algarismo da unidade simples. Se for menor que 5 será o resto, se for maior que 5, basta subtrair 5 desse algarismo.
Exemplos. a) 473 deixa resto 3 na divisão por 5. b) 476 deixa resto 6 – 5 = 1 na divisão por 5.
v) Um número inteiro é divisível por 6, se for divisível, simultaneamente, por dois e três.
Exemplo. O número 456 é par e a soma dos algarismos é 4 + 5 + 6 = 15. Logo, múltiplo de 6.
Para encontrar o resto, devemos dividir por 6 a soma do último algarismo da unidade simples com o quádruplo da soma dos demais algarismos, aproveitando o resto.
Exemplo. O resto da divisão de 7 358 por 6, será o resto de 8 + 4.(7 + 3 + 5) = 68 por 6. Logo, resto 2.
OBS: Devido a complexidade na regra da obtenção do resto, efetuar a divisão pode ser mais prática.
vi) Um número inteiro é divisível por 7 nos casos.
1º) Possuindo menos de quatro algarismos, a soma do algarismos da unidade simples, com o triplo do algarismo da dezena simples e o dobro do algarismo da centena simples for múltiplo de 7.

Exemplo.
O número 147 é múltiplo de 7, pois 7 + 3 x 4 + 2 x 1 = 21;

2º) Possuindo mais de três algarismos, a diferença entre a soma das classes ímpares com a soma das classes pares for um múltiplo de 7.


Exemplo.

O número 149 905 é múltiplo de 7, pois 905 – 149 = 756 e 6 + 3 x 5 + 2 x 7 = 35.


O resto da divisão será o resto da diferença entre a soma das classes ímpares e soma das classes pares por 7. Se a diferença for negativa, adicionamos 7 ao valor.
Exemplos.
a) Seja o número 84.325.436.397. A diferença (397 + 325) – (436 + 84) = 202. E (202 ÷ 7) deixa resto 6.
b) Seja o número 235.478.126. A diferença (126 + 235) – (478) = – 117. E (– 117 ÷ 7) deixa resto – 5. Adicionando 7, temos que o resto de 235.478.126 na divisão por 7 é (– 5 + 7) = 2.
OBS: Devido a complexidade na regra da obtenção do resto, efetuar a divisão pode ser mais prática.
vii) Um número inteiro é divisível por 8, se os algarismos das centenas, dezenas e unidades simples forem zeros ou formarem um número múltiplo de 8.
Exemplos. a) 31 000 é divisível por 8. b) 2 816 é divisível por 4.
O resto será o mesmo resto da divisão do número formado pelos três algarismos por 8.
viii) Um número inteiro é divisível por 9, se a soma dos valores absolutos dos algarismos desse número for um múltiplo de 9. O procedimento tem analogia com a regra de divisibilidade por 3.
ix) Um número inteiro é divisível por 10, se o algarismo da unidade simples é zero. Caso contrário, determinamos o resto da divisão será o algarismo da unidade simples.
x) Um número inteiro é divisível por 11, se a diferença entre a soma dos algarismos de ordem ímpar com a soma dos algarismos de ordem par for múltiplo de 11.
Exemplo. No número 7 128, temos: (8 + 1) – (7 + 2) = 0. E zero é múltiplo de 11.
O resto será o mesmo da divisão pela diferença encontrada por 11. Se a diferença for negativa, adicionamos 11 ao valor.
Números primos e números compostos: Quando dividimos um inteiro a, não nulo, os inteiros 1, –1, a, – a, são divisores de a. Se a ≠ 1 e a ≠ 1 e os únicos divisores de a são 1, –1, a, – a, dizemos que a é um número primo. Se a possui outros divisores, então a é chamado de composto.
OBS: Os números 1 e – 1 não são primos nem compostos.
Decomposição em Fatores Primos. Decompor um número em fatores primos ou fatorar é escrevê-lo sob a forma de produtos de potências de números primos distintos.

Exemplo. Vejamos agora um número maior. Decompor 360 em fatores primos.

Podemos escrever 360 = 2 x 2 x 2 x 3 x 3 x 5 = 23 x 32 x 5.
Quantidade de divisores positivos de um número. A partir da decomposição em fatores primos na forma de potência, podemos calcular a quantidade de divisores do número multiplicando os expoentes obtidos acrescentados de uma unidade. No caso do 360 = 23 x 32 x 51 , temos:
#D(360) = (3 + 1) x (2 + 1) x (1 + 1) = 4 x 3 x 2 = 24 divisores.
Quantidade de divisores ímpares positivos de um número. Devemos multiplicar apenas os expoentes das bases ímpares acrescentados de uma unidade. No caso de 360 = 23 x 32 x 51, temos:
#D(360) ímpares= (2 + 1) x (1 + 1) = 3 x 2 = 6 divisores.
Quantidade de divisores pares positivos de um número. Devemos multiplicar o expoente do fator 2 pelos demais expoentes acrescentados de uma unidade. No caso de 360 = 23 x 32 x 51, temos:
#D(360) ímpares= 3 x (2 + 1) x (1 + 1) = 3 x 3 x 2 = 18 divisores.
OBS: Outra forma é subtrair o total de divisores pelo número de divisores ímpares: 24 – 6 = 18.

Para encontrar todos os divisores positivos de um número utilizamos o procedimento a seguir.



Os divisores de 360 são: ± 1, ± 2, ± 3, ± 4, ± 5, ± 6, ± 8, ± 9, ± 10, ± 12, ± 15, ± 18, ± 20, ± 24, ± 30, ± 36,

± 40, ± 45, ± 60, ± 72, ± 90, ± 120, ± 180, ± 360.


Máximo Divisor Comum (MDC): Dados dois ou mais inteiros não nulos denominamos máximo divisor comum destes números ao maior inteiro que é divisor simultaneamente de todos os números dados. O MDC é o maior elemento da interseção dos conjuntos dos divisores positivos dos números dados.
Mínimo Múltiplo Comum (MMC): Dados dois ou mais inteiros não nulos denominamos mínimo múltiplo comum destes números ao menor inteiro que é divisor simultaneamente de todos os números dados. O MMC é o menor elemento da interseção dos conjuntos dos divisores positivos dos números dados.
Um procedimento prático para encontrar o MMC e o MDC entre dois ou mais números consiste na decomposição simultânea (ao mesmo tempo). Veja.
Exemplo. Encontrar o MMC e o MDC entre 90 e 60. Faremos a decomposição em fatores primos dos números ao mesmo tempo. Caso não seja possível dividir algum número pelo mesmo divisor primo, ele será repetido nessa linha.

OBSERVAÇÕES:
1) Dois números são primos entre si quando o único divisor comum entre eles é a unidade.
2) O MDC entre dois números primos entre si é 1.O MMC é o produto deles.
3) O MDC entre dois números múltiplos é o menor deles e o MMC é o maior deles.
4) Quando multiplicamos ou dividimos dois ou mais números por um mesmo número diferente de zero, o MDC e o MMC entre eles fica multiplicado ou dividido por esse mesmo número.
Exemplo. MDC(20,30) = 10 e MMC(20,30) = 60.

- Multiplicando os números por 3, temos: MDC(60,90) = 30 e MMC(60,90) = 180.


- Dividindo os números por 2, temos: MDC(10,15) = 5 e MMC(10,15) = 30.
5) Os quocientes de dois ou mais números pelo MDC entre eles são sempre números primos entre si.
Exemplo. MDC(40,16) = 8. Temos: 40 ÷ 8 = 5 e 16 ÷ 8 = 2. Os resultados 5 e 2 são primos entre si.
6) O quociente da soma de dois números pelo MDC entre eles é sempre igual à soma de dois números primos entre si. Assim, se multiplicarmos tais números primos entre si pelo MDC dos números, encontraremos os valores desses números.
Exemplo. A soma de dois números é 175 e o MDC entre eles é 25. Calcule os números.

Dividindo, temos 175 ÷ 25 = 7. Estamos procurando dois números primos entre si com soma 7. Temos os casos: 1 e 6, 2 e 5, 3 e 4. Há, portanto três possíveis valores para os números:


- 1 x 25 + 6 x 25 = 25 + 150 = 175. Os números podem ser 25 e 150;

- 2 x 25 + 5 x 25 = 50 + 125 = 175. Os números podem ser 50 e 125;



- 3 x 25 + 4 x 25 = 75 + 100 = 175. Os números podem ser 75 e 100;





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal