Universidade federal do pampa unipampa



Baixar 1,04 Mb.
Página7/15
Encontro26.05.2017
Tamanho1,04 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   15




LABORATÓRIO PARA O ENSINO MÉDIO (BA000785) - 60h

Ementa: Discussão do currículo e de metodologias para o ensino de Matemática em nível médio. Construção e análise de materiais didático-pedagógicos para o ensino de matemática no Ensino Médio. Leitura e discussão de textos, capítulos de livros e/ou artigos que se referem à Educação Matemática neste nível de ensino, dando ênfase às questões étnicas, raciais, de gênero e sexualidade, ambientais e referentes aos direitos humanos.

Objetivos: Capacitar o acadêmico para o exercício do magistério como professor de matemática do Ensino Médio e instrumentalizá-lo para a prática do Estágio Supervisionado, por meio da identificação dos conteúdos propostos para estas séries. Analisar diferentes encaminhamentos metodológicos adequados para o ensino e aprendizagem da matemática nesse nível. Conhecer a metodologia de projetos como forma de proporcionar aos alunos do Ensino Médio reflexões e discussões sobre questões étnicas, raciais, de gênero e sexualidade, ambientais e referentes aos direitos humanos.

Referências Bibliográficas

BÁSICA:

BRASIL. PCN Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Disponível em: . Acesso em 14/08/2006.

BROUGERE, G. Jogo e Educação. Ed. ARTMED.

BÚRIGO, R. Integração entre educação matemática e educação ambiental: uma proposição no contexto da gestão do conhecimento. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2012.

LIMA, E. L. Matemática e ensino. Rio de Janeiro: IMPA.

MOREIRA, M. A. ; SILVEIRA, F. L. Instrumento de pesquisa em ensino e aprendizagem. Ed. EDIPUCRS.

PONTE J. P, BROCADO, J; OLIVEIRA, H. Investigações matemática em sala de aula. Ed. Autêntica.

TENREIRO-VIEIRA, C.; VIEIRA, R. Promover o pensamento crítico dos alunos. Ed. Porto.


COMPLEMENTAR:

BONGIOVANNI, V. Utilizando resultado de pesquisa sobre o processo de ensino e aprendizagem de Geometria. São Paulo: Proem Editora, 2006.

CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa: 1978.

LIMA, E. L. et al. A matemática do ensino médio. 1999. v 1, 2 e 3.

BOLEMA. Boletim de Educação Matemática – Boletim do grupo de estudos e pesquisas em Educação Matemática. http://www.rc.unesp.br/igce/matematica/bolema/

EMP. Educação Matemática Pesquisa. http://www.pucsp.br/pos/edmat/revista.html

EMR. Educação Matemática em Revista. http://www.sbem.com.br/index.php?op=EMR

GEPEM. Boletim do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática. http://www.gepem.ufrrj.br/

SOUZA, M. C. R. F.; FONSECA, M. C. F. R. Relações de Gênero, Educação Matemática e discurso - enunciados sobre mulheres, homens e matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

VALERO, P. Investigación en educación matemática, currículo Escolar y constitución de la subjetividad. In: Congresso Iberoamericano de Educação Matemática, 7, 2013, Montevideo. Anais...Montevideo: Clolégio Seminário, 2013.

ZETETIKÉ. http://www.cempem.fae.unicamp.br/zetetike.htm




POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO BRASILEIRO (BA013608) - 60h

Ementa: Estudo analítico das políticas educacionais no contexto das políticas públicas brasileiras, considerando as peculiaridades locais e nacionais, os contextos internacionais e as perspectivas e tendências contemporâneas das políticas expressas nas reformas educacionais do Brasil, na legislação de ensino e nos projetos educacionais.

Objetivos: Analisar as políticas educacionais nacionais atuais, os contextos políticos em que são produzidas, seus efeitos sociais e as transformações provocadas nas práticas institucionais e humanas.

Referências Bibliográficas:

BÁSICA:

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 23 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 1996.

_______. Lei n°. 10.172, de 09 de Janeiro de 2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2001.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, MEC/CNE, 2001. 144

______. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação. Razões, Princípios e Programas. Brasília, DF, MEC, 2007.

DIAS, R. E. ; LOPES, A. C. Competências na formação de professores no Brasil: o que (não) há de novo. Educação & Sociedade. V.24, n.85, Campinas, p. 1.155-1.177, dez/ 2003.

FREITAS, H. C. L. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 28, n. 100, p. 1.203-1.230, out/ 2007.

FREITAS, H. C. L. A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da Educação Básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 20, n. 68, dez/1999.

FREITAS, L. C. Eliminação adiada: o ocaso das classes populares no interior da escola e a ocultação da (má) qualidade do ensino. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 28, n. especial, p. 965-987, out/ 2007.

FREITAS, L. C. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 92, p. 911-933, out/2005.

LIBANEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F.; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 9º Ed. São Paulo, Cortez, 2010.

MAUÉS, O. C. Reformas internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 89-117, mar/2003.

Secretaria Estadual do RS. Proposta Pedagógica para o Ensino Médio Politécnico e Educação Profissional Integrada ao Ensino Médio. 2011-2014.

VOSS, D. M. da S. O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE): contextos e discursos. In: GARCIA, M. M. A.; TURA, M. L. R. (orgs.). Políticas, currículo e trabalho docente. Cadernos de Educação. Ano 20, n. 38. Faculdade de Educação, UFPel, Pelotas: RS, p. 43-67, jan/abr. 2011.

WEBER, Silke. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 24, n. 85, p. 1125-1154, dezembro 2003.

COMPLEMENTAR:

BALL, Stephen. What is policy? Texts, trajectories and toolboxes. In:____ Education reform; a critical and post-structural approach. Buckingham/Philadelphia, Open University Press, 1994, p.14-20.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade: para uma teoria geral de política. 9º Ed. São Paulo, Paz e Terra, 2001.

BURBULES, N. e TORRES, C. A . Globalização e educação: perpectivas críticas. Ed. Artmed, 2004.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Curso em Collége de France (1975-1976). São Paulo, Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Curso em Collége de France (1978-1979). São Paulo, Martins Fontes, 2008.

FERNANDES, R. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007.

GHIRALDELLI JUNIOR, P. Filosofia e história da educação brasileira: da colônia ao governo Lula. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2009.





QUARTO SEMESTRE


PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA (BA011012)- 60h

Ementa: Estatística Descritiva. Introdução à Probabilidade. Variáveis Aleatórias. Amostragem e Estimação. Testes de Hipóteses. Correlação e Regressão.

Objetivos: Reconhecer os principais modelos probabilísticos para utilizá-los em situações reais, bem como selecionar amostras, fazer sua apresentação tabular e gráfica, calcular medidas descritivas e estimar parâmetros.

Referências Bibliográficas:

BÁSICA:

BUSSAB, W. O.; MORETTIN, P. A. Estatística Básica. São Paulo: Saraiva, 2010.

MANN, P. S. Introdução à Estatística. Tradução Eduardo Benedito Curtolo, Teresa C. P. de Souza. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

MONTGOMERY, D. C. et al. Estatística Aplicada e Probabilidade para Engenheiros. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

MOORE, D. A estatística básica e sua prática. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 9. ed. Rio de Janeiro. LTC, 2005.



COMPLEMENTAR:

BARBETTA, P. A. et al. Estatística para Cursos de Engenharia e Informática. São Paulo: Atlas, 2008.

BARRY R. J. Probabilidade: um curso em nível intermediário, 2008 .

CRESPO, A. A. Estatística fácil. São Paulo: Saraiva, 2002.

HINES, W. et al. Probabilidade e Estatística na Engenharia. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

LEVINE, D. Estatística-Teoria e Aplicações: usando Microsoft Excel em Português. 3ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

JULIANELLI, J.R. et al. Curso de Análise Combinatória e Probabilidade: aprendendo com a resolução de problemas. 2009. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2009.

SPIEGEL, M. R. Probabilidade e Estatística. McGraw-Hill. 1978.






ÁLGEBRA II (BA000786) - 60h

Ementa: Grupos. Anéis. Anéis de polinômios. Domínios.

Objetivos: Estudar as estruturas algébricas de grupos e anéis, identificando suas propriedades e relações.

Referências Bibliográficas:

BÁSICA:

DOMINGUES, H. H.; IEZZI, G. Álgebra moderna. 5ª ed., São Paulo: Atual, 2003.

GARCIA, A.; LEQUAIN, Y. Elementos de álgebra. Rio de Janeiro: IMPA, 2008.

GONÇALVES, A. Introdução à álgebra. 5ª ed., Rio de Janeiro: IMPA, 2008.



COMPLEMENTAR:

ALENCAR FILHO, E. Elementos de álgebra abstrata. São Paulo: Nobel, 1980.

HEFEZ, A. Curso de álgebra. Rio de Janeiro: IMPA, 1993. Vol. 1.

HEFEZ, A. Curso de álgebra. Rio de Janeiro: IMPA, 1993. Vol. II.

JACOBSON, N. Basic Algebra. São Francisco: W. H. Freeman, 1985. Vol.1.

JACOBSON, N. Basic Algebra. São Francisco: W. H. Freeman, 1985. Vol.2.






CÁLCULO III (BA011019)- 60h

Ementa: Funções de várias variáveis reais. Derivação parcial. Gradiente e derivadas direcionais. Derivação Implícita. Integrais duplas e triplas. Sistemas de coordenadas cilíndricas e esféricas. Jacobiano. Mudança de variável. Funções vetoriais. Integrais curvilíneas. Operadores divergente e rotacional. Integrais de superfície. Teoremas de Gauss, Green e Stokes.

Objetivos: Compreender os conceitos de limite, derivada e integral para funções de várias variáveis. Compreender os conceitos de funções vetoriais e os teoremas da Gauss, Green e Stokes.

Referências Bibliográficas:

BÁSICA:

ANTON, H. Cálculo: um novo horizonte. 6ª ed., Porto Alegre: Bookmann, 2000. Vol. 2.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. 5ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 1997. Vol. 4.

LEITHOLD, L. O cálculo com geometria analítica. 3ª ed. São Paulo: Harbra, 1994. V. 2.

STEWART, J. Cálculo. 5ª ed., São Paulo: Thomson Learning, 2006. Vol. 2.

COMPLEMENTAR:

EDWARDS, C. H., PENNEY, D. E. Cálculo com geometria analítica. v. 2

FLEMMING, D. M.; GONÇALVES, M. B. Cálculo A. 6ª ed., São Paulo : Makron, 2006.

LARSON, R. E. et al. Cálculo com aplicações. 4ª ed., Rio de Janeiro: LTC, 1998.

SIMMONS, G. F. Cálculo com geometria analítica. São Paulo: Pearson Makron Books, 1987. Vol. 2.

SWOKOWSKI, E. W. Cálculo com geometria analítica. 2ª ed., São Paulo: Makron, 1994. Vol. 2.

KAPLAN, W. Cálculo Avançado. Edgard Blucher, 1972. Vol. 2.



1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   15


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal