Universidade Federal de Santa Catarina



Baixar 218,19 Kb.
Página1/3
Encontro28.05.2017
Tamanho218,19 Kb.
  1   2   3




75

Masculinidades: Uma Revisão Teórica
Miriam Pillar Grossi

2004

Antropologia em Primeira Mão é uma revista seriada editada pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Visa a publicação de artigos, ensaios, notas de pesquisa e resenhas, inéditos ou não, de autoria preferencialmente dos professores e estudantes de pós-graduação do PPGAS.

Universidade Federal de Santa Catarina

Reitor: Rodolfo Pinto da Luz. Diretor do Centro de Filosofia e Ciências Humanas: João Lupi. Chefe do Departamento de Antropologia: Alicia N. González de Castells. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social: Sonia Weidner Maluf. Sub-coordenador: Oscar Calavia Sáez.




Editor responsável


Rafael José de Menezes Bastos

Comissão Editorial do PPGAS


Carmen Sílvia Moraes Rial

Maria Amélia Schmidt Dickie

Oscar Calávia Sáez

Rafael José de Menezes Bastos



Conselho Editorial


Alberto Groisman

Aldo Litaiff

Alicia Castells

Ana Luiza Carvalho da Rocha

Antonella M. Imperatriz Tassinari

Dennis Wayne Werner

Deise Lucy O. Montardo

Esther Jean Langdon

Ilka Boaventura Leite

Maria José Reis

Márnio Teixeira Pinto

Miriam Hartung

Miriam Pillar Grossi

Neusa Bloemer

Silvio Coelho dos Santos

Sônia Weidner Maluf

Theophilos Rifiotis


ISSN 1677-7174


Solicita-se permuta/Exchange Desired


As posições expressas nos textos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores.

Copyright

Todos os direitos reservados. Nenhum extrato desta revista poderá ser reproduzido, armazenado ou transmitido sob qualquer forma ou meio, eletrônico, mecânico, por fotocópia, por gravação ou outro, sem a autorização por escrito da comissão editorial.
No part of this publication may be reproduced, stored in a retrieval system or transmitted in any form or by any means, electronic, mechanical, photocopying, recording or otherwise without the written permission of the publisher.


Toda correspondência deve ser dirigida à

Comissão Editorial do PPGAS

Departamento de Antropologia,

Centro de Filosofia e Humanas – CFH,

Universidade Federal de Santa Catarina,

88040-970, Florianópolis, SC, Brasil

fone: (0.XX.48) 331. 93.64 ou fone/fax (0.XX.48) 331.9714

e-mail: ilha@cfh.ufsc.br

www.antropologia.ufsc.br

Catalogação na Publicação Daurecy Camilo CRB-14/416




Antropologia em primeira mão / Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina. —, n.1 (1995)- .— Florianópolis : UFSC / Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, 1995 -

v. ; 22cm
Irregular

ISSN 1677-7174


1. Antropologia – Periódicos. I. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós Graduação em Antropologia Social.




MASCULINIDADES: UMA REVISÃO TEÓRICA

Miriam Pillar Grossi1




Apresentação

Este texto foi fruto do seminário sobre Masculinidade organizado pelo CENAP em parceria com o FAGES (UFPE) em Recife, no mês de abril de 20012. Este texto foi escrito a partir da transcrição do curso, procedimento que teve vantagens e desvantagens. Entre as vantagens, a de recuperar exemplos que foram dados em sala de aula e que não faziam parte de minhas anotações de aula. Entre as desvantagens, o fato de que muitas passagens não puderam ser transcritas por problemas no entendimento da gravação, o que me levou a deixar alguns pontos abordados em aula de fora do texto final. Também não foi possível recuperar as apresentações e intervenções dos participantes do curso, uma vez que elas não foram transcritas em sua totalidade. Por isto deixei em anexo, no final do texto, meus comentários a estas apresentações, uma vez que as considero como parte do processo conjunto de crescimento intelectual que o curso me proporcionou. Busquei manter um tom oral ao texto, uma vez que o objetivo desta publicação é de relatar o curso e de permitir a outras pessoas que tenham acesso à forma como estas idéias foram desenvolvidas. Busquei seguir aqui as seguintes grandes linhas do curso:




  • 1) O Gênero, a masculinidade e a feminilidade

  • 2) O trabalho como constituinte da identidade masculina

  • 3) Honra e Violência

  • 4) Paternidade

  • 5)Emoções nas relações de gênero e no masculino



1. O Gênero, a masculinidade e a feminilidade
Dentro da vasta tradição dos estudos de gênero, tradição que remonta aos estudos pioneiros da antropologia européia e norte-americana, existem hoje diferentes correntes teóricas estudando o gênero. Estes estudos vêem o gênero não apenas como um objeto de investigação, mas sobretudo como uma categoria de análise que ultrapassa mulheres e homens como objetos de análise. Resumirei aqui os argumentos de duas principais correntes teóricas, argumentos que me parecem essenciais para entender o que estamos estudando neste curso, ou seja, a masculinidade.

Para a corrente pós-estruturalista, o gênero se constitui pela linguagem, por aquilo que muitas autoras identificadas com a corrente pós-estruturalista definem como discurso. Vejamos o que diz uma das importantes teóricas norte americanas, Joan Scott3: “o discurso é um instrumento de orientação do mundo, mesmo se não é anterior à orientação da diferença sexual”. O que ela quer dizer com isso? É uma passagem difícil e complexa, onde ela diz que o discurso é um instrumento de orientação do mundo, ou seja, tudo que vivemos é permeado pela linguagem, por discursos. As pós-estruturalistas pensam que discursos não são apenas palavras, mas linguagem, atos que têm significado. Por exemplo, o vestido que eu escolho para vir aqui hoje é uma linguagem, ou seja, é um discurso, está produzindo significados para mim e para vocês, e é isso que significa discurso. Para estas autoras, o discurso permeia toda a questão do gênero.

Para as teóricas estruturalistas, o gênero implica em alteridade, ou seja, para que exista o masculino é necessário seu oposto, o feminino. O processo de constituição de identidade se dá pelo reconhecimento de que existem pessoas idênticas e diferentes de nós mesmos4. Para esta corrente, o gênero se constrói sobre o corpo biológico, que é sexuado. As estruturalistas pensam que só pode haver dois gêneros, uma vez que eles se constituem cognitivamente sobre o corpo sexuado, que é dual (macho e fêmea). A existência de dois gêneros não exclui a possibilidade de que estes sejam constituídos em vários modelos de feminino e de masculino, modelos que variam histórica e culturalmente mas também que têm diferentes matizes no interior de cada cultura.

Neste ponto, as pós-modernas pensam diferentemente. Para elas o gênero pode ser mutável; elas pensam que existem múltiplos gêneros, e não apenas o masculino e o feminino. Esta corrente tem estudado particularmente os indivíduos que mudaram de sexo, os transgêneros, e tem refletido de forma sistemática sobre a forma como indivíduos não-heterossexuais se vêem no mundo. Para elas, o fato de haver machos e fêmeas biológicos é só uma questão de contingência, contingência que pode ser mudada graças às novas tecnologias médicas que permitem subverter a ordem “natural” deste corpo. Operações de mudança de sexo permitem tirar ou pôr seios, fazer ou tirar um pênis, construir uma vagina, etc. Da mesma forma, operações plásticas e ingestão de hormônios podem criar caracteres sexuados, produzir homens e mulheres, mais ou menos femininos ou masculinos.




É a atividade que faz o masculino?
Uma das principais definições da masculinidade na cultura ocidental para o gênero é que o masculino é ativo. Ser ativo, no senso comum a respeito de gênero, significa ser ativo sexualmente, o que para muitos significa penetrar o corpo da/o outra/o. Num dos modelos tradicionais de gênero no Brasil, estudado por Peter Fry5, homem é aquele que “come”, ou seja, que penetra com seu sexo não apenas mulheres mas também outros homens, feminilizados na categoria “bichas”. Este autor mostra em seu texto que em outros lugares, como na Inglaterra e nos Estados Unidos, não é a atividade sexual que caracteriza a identidade de gênero masculina, mas sim o fato de que a sexualidade seja exercida apenas com parceiras do sexo feminino. Na cultura anglo-saxã, dois homens que praticam relações afetivas e sexuais são considerados homossexuais, enquanto que no Brasil não: um homem que é homem, deve inclusive comer uns “veados”, pois o que o faz ser considerado homem é a posição de atividade sexual, de penetração. Na nossa cultura, a atitude considerada ativa é a penetração sexual. O antropólogo brasileiro Roberto da Matta6 conta uma brincadeira que era feita quando ele era jovem, no interior de Minas Gerais, onde um jovem perguntava para o outro: “Tem pente aí?”, passando a mão nas nádegas do amigo para ver se havia um pente no bolso da calça. A ação que um homem verdadeiro tinha que fazer era dar um salto e não deixar que tocasse nas suas nádegas. A partir deste exemplo, ele reflete sobre o que significa para um homem brasileiro controlar as suas nádegas para não ser penetrado. Porque se o cara deixar que toque ali, já é um indício que ele gosta de ser tocado por outro homem. È incrível como as nádegas no Brasil são poderosas nesse lugar para um homem ser o passivo.

Mas, para a constituição do modelo de masculinidade hegemônica em nossa cultura, atividade não diz respeito apenas à sexualidade; ela é também percebida positivamente como agressividade. Já na constituição da identidade de gênero na infância, observamos como o masculino se constitui pela hiperatividade dos meninos, que se confunde seguidamente com agressividade.

É muito forte esta ligação de atividade com agressividade. Na frente do local onde eu trabalho tem uma escola infantil, e eu fico escutando da minha sala o que acontece no pátio da escola. É impressionante observar como os meninos são vistos como agressivos (e olha que é uma escola infantil; a criança entra ali com 3 meses de idade e sai com 6/7 anos). Parece que se reforça nas práticas cotidianas a crença de que os meninos são hiperativos e, por sua vez, agressivos, batem nas meninas, etc. Isto é um problema na escola infantil; os meninos são vistos como hiperativos, hiperagressivos e parece que este não é um problema das meninas. Evidentemente que as professoras (e os pais) acreditam seriamente que aqueles meninos são hiperativos porque nasceram assim, que isto é uma característica natural (inata) do sexo masculino e não que se trata de um comportamento esperado e estimulado de meninos, que devem deste a tenra infância se comportar como pequenos homens.

Elizabeth Badinter, em seu livro “X, Y: Sobre a Identidade Masculina”7, desenvolve a tese de que o gênero masculino se constitui universalmente por uma necessidade de separação dos meninos da relação com a mãe, que, por sua vez, representa o mundo feminino. Ela dá vários exemplos de rituais de separação do menino da mãe, ou seja, do mundo das mulheres que muitas vezes é o mundo da casa, pois o menino vai ser separado deste feminino para se constituir como masculino. Os rituais servem para ajudar a sociedade a repassar seus valores. Vários antropólogos, como por exemplo Pierre Clastres, Victor Turner, Maurice Godelier, Françoise Héritier e Georges Balandier8, têm se dedicado a descrever estes rituais de iniciação, mostrando como é pela violência e pela separação dos iniciados do mundo onde vivem, que se constrói uma identidade grupal de gênero. Estes antropólogos mostraram como há uma diferença radical entre os rituais de iniciação femininos e masculinos, sendo estes últimos marcados pela violência física e pela inculcação nos meninos da crença de que eles são detentores de segredos que não podem ser revelados às mulheres.

Em geral, nesses rituais de sociedades tribais, os homens mais velhos pegam os meninos e os levam para florestas, onde são feitas inúmeras provas para que os meninos se tornem adultos. Aqui no Brasil, nas tribos indígenas do alto Xingu, onde as mulheres não podem ver as flautas porque as flautas são sagradas, os meninos aprendem, nesses rituais de iniciação, mitos associados a esse poder masculino representado pelo uso das flautas e aprendem a punir, pela violência do estupro, as mulheres que ousarem olhar para estes objetos sagrados. Além de inúmeras situações de violência, há também, nestes rituais, situações que estão diretamente ligadas à sexualidade como constituidora da masculinidade. O sêmen é o fluído corporal que representa simbolicamente a masculinidade, pois só os homens o produzem. Por isto, por exemplo, em alguns grupos, como para os Baruya da Nova Guiné, a masculinidade se constitui também pela ingestão de sêmen de homens mais velhos, pois eles pensam que, bebendo o sêmen, os meninos vão se tornar mais homens por terem incorporado a substância masculina.

O corpo é, portanto, o suporte no qual são produzidas as diferenças simbólicas de gênero. Pierre Clastres mostrou em seu livro “A Sociedade Contra o Estado”9 que a violência corporal nos rituais de iniciação tem o poder de igualar todos os membros da sociedade. No caso dos meninos, os rituais mostram que é necessário marcar no corpo a masculinidade, marca que se faz geralmente com muito sofrimento. Por exemplo, nas culturas islâmica e judaica, existe a circuncisão, que é um corte no pênis, uma forma de imprimir no órgão sexual masculino a marca da cultura. Alguns autores, como Françoise Héritier10, dizem que a circuncisão significa, para algumas culturas africanas, tirar a marca do feminino no corpo do menino, pois para estes grupos aquele pedacinho que se tira do pênis é o resto de feminino no corpo do homem. O ritual inverso para o feminino, nestes grupos africanos, é o corte do clitóris, prática tradicional que tem sido muito combatida pelo movimento feminista na África.

Pelo fato destes rituais masculinos serem sempre marcados por violência corporal, os meninos pegam os hábitos da tribo e têm muito medo. É o medo que há nesses rituais que vai ensinar aos homens o que é ser homem.

Saindo de exemplos tribais e voltando para as sociedades ocidentais, lembremos que também existem inúmeros rituais de iniciação do gênero masculino que se dão pela separação do mundo das mulheres. Daniel Welzer-Lang11 dá inúmeros exemplos de como na França os meninos são iniciados na violência pelos mais velhos. Ele compara as sociedades tribais com as ocidentais no que se refere à violência como constituidora da masculinidade, a partir do que ele chama de “casa dos homens”, lugar que existe no centro das aldeias tribais só freqüentado pelos homens, o qual os meninos começam a freqüentar no decorrer do seu crescimento. Para o autor, as casas dos homens da cultura ocidental são inúmeros lugares onde “se aprende a masculinidade”, como os lugares de práticas de esportes masculinos, pois o esporte é um desses lugares centrais da constituição da masculinidade. A análise de Carmen Rial12 a partir dos exemplos da prática de rugby e de judô no Brasil vai, no entanto, noutro sentido: o de mostrar como é pelo sofrimento corporal que se constitui o jovem desportista; que é pela violência contra si mesmo que se faz a masculinidade.

Quando se pensa em masculinidade e violência hoje no Brasil, é inevitável que não se pense na exclusão social e nos processos de constituição de identidades masculinas. A exclusão social atinge uma parcela significativa de jovens: favelados, desempregados, com pouca educação formal, etc. Esta significativa parcela da população jovem masculina excluída tem no tráfico de drogas e na criminalidade um locus privilegiado de afirmação de identidade masculina, marcada pelo uso da violência. Muitos destes rapazes passam por experiências de reclusão em FEBEMs e prisões, lugares profundamente marcados pelo uso ritual de violência tanto por parte da instituição como por parte dos outros presos. As recentes rebeliões nestas instituições nos revelam a complexidade da situação de exclusão social, ao mesmo tempo que nos mostram que valores tradicionais de masculinidade associados à violência continuam a ser reativados nestas circunstâncias dramáticas. Uma das formas mais humilhantes de violência nas instituições carcerárias é a violência sexual, à qual são submetidos grande parte dos prisioneiros, sobretudo por parte dos outros presos, companheiros de cela. O uso de violência sexual é fundamental no processo ritual de incorporação de um novo preso à instituição, porque ela ensina aos novos a hierarquia da cela através da feminilização que o ato sexual com penetração anal sugere. A violência sexual atinge o sujeito no âmago mais profundo do que ele imagina, do que ele aprendeu, do que ele sabe que é ser homem. Como já vimos no início, um homem de verdade no Brasil tem que controlar as suas nádegas para não ser penetrado, pois a penetração é significante de passividade, portanto de feminilidade. Este processo de feminilização do novo preso pela penetração anal faz com que ele se feminilize também, pois ele é obrigado a assumir tarefas consideradas femininas dentro da cela, como limpar, lavar e cozinhar para os “homens” da cela. Só escapam a esta violência aqueles que se protegem pela uso da violência (ou seja, pela comprovação de sua “macheza”), ou, o que é mais comum hoje nas prisões, pela pertinência a uma organização de presos temida por sua violência contra os parentes fora da prisão.

O modelo de sexualidade predadora masculina é, para Daniel Welzer-Lang, um ponto nodal da constituição do gênero masculino; uma sexualidade que é formada na visão de que as mulheres devem ser consumidas tal como se dá o aprendizado da sexualidade pela pornografia. Em uma recente palestra que eu assisti dele, ele perguntava para os rapazes da platéia quando eles tinham visto pela primeira vez uma foto pornográfica, e ele desenvolveu, a partir dos depoimentos feitos ali, a idéia de que a pornografia é uma coisa que se aprende a ver em grupo. Ele estudou como num grupo de meninos um deles traz escondido uma revistinha, uma playboy, e que compartilha-a com os amigos. Para ele, a pornografia é um aprendizado da sexualidade que se dá coletivamente, que não se faz individualmente. O próprio fato de se tratar de fotos de mulheres, de “mulheres de papel”, as quais se toca pelo papel, permite que o olhar masculino sobre as mulheres as transforme num objeto, que é um papel que se pode consumir.

Inúmeros estudos sobre a sexualidade masculina vêm refletindo sobre a fragilidade do modelo de masculinidade predatória, quando os homens são confrontados ora com situações de impotência, ora com a epidemia da AIDS. É bem verdade que parcela significativa dos estudos sobre o impacto da AIDS na sexualidade masculina no Brasil foram feitos a partir dos homossexuais, grupo inicialmente mais atingido pela epidemia. Hoje, no entanto, com a mudança dos padrões epidemiológicos da doença, são os homens hetero e bi-sexuais os mais atingidos e também aqueles que têm demonstrado maior resistência às campanhas de prevenção.
É pelo corpo que se constrói o feminino?
O gênero se constitui em cada ato da nossa vida, seja no plano das idéias, seja no plano das ações. O tempo inteiro a gente está constituindo o gênero no nosso próprio cotidiano. Falamos em vários rituais de masculinidade e vamos pensar agora nos rituais de construção de feminilidade, que, como já falamos, são menos violentos que os masculinos, pois eles não precisam separar as mulheres do mundo feminino, mas sim reforçar este vínculo pelo aprendizado das regras deste mundo.

Há vários estudos brasileiros sobre este aprendizado do feminino, como o trabalho de Alice Inês Silva sobre o ritual mineiro de coroação de Nossa Senhora, ritual obrigatório até recentemente para a maior parte das meninas que se vestiam de anjo em festas religiosas. Rituais similares vinculados a festas religiosas e/ou populares existem em outras regiões do Brasil, mas ainda não foram suficientemente estudados, como o ritual do début, baile no qual participam jovens de 15 anos de famílias de elite em clubes, na maior parte das cidades brasileiras.

Além destes momentos únicos ritualizados que localizamos como constituidores da feminilidade, podemos pensar em práticas coletivas e regulares às quais as mulheres se dedicam em determinados momentos históricos, e que se tornam, de alguma forma, rituais obrigatórios de constituição e reafirmação de feminilidade. Há algumas décadas, por exemplo, o lugar onde se ia regularmente era o salão de beleza. Uma mulher “normal” ia ao cabeleireiro pelo menos uma vez por semana para passar uma tarde fazendo bobs no cabelo, penteando, fazendo as unhas, se depilando, etc. – atos que poderíamos dizer que constituíam um ritual de feminilidade. Não que não se vá mais ao cabeleireiro; hoje as pessoas vão ao cabeleireiro mais rapidamente do que antigamente, pois as mulheres “não têm mais tempo” de ficar uma tarde no cabeleireiro. O salão de beleza era também um espaço da construção do corpo, construção que naquele momento era muito marcada pelo penteado – lembrem-se dos coques, toucas e cabelos laqueados, processos demoradíssimos de constituição da imagem feminina. A ida ao cabeleireiro e a arrumação das mulheres correspondia de alguma forma a um imaginário de complementaridade feminino/masculino do casal tradicional de classe média, que tinha como ideal que a mulher cuidasse dos filhos e da casa e que o marido fosse o provedor. Neste modelo, quando o marido chegava do trabalho, a casa devia estar arrumada, os filhos de banho tomado, a mulher perfumada esperando o marido para o jantar.

Atualmente, por exemplo, são as academias de ginástica que constituem, para muitas mulheres, um espaço ritualizado da construção do “ser mulher”. Não sei se vocês vão em academias, mas certamente devem conhecer pessoas jovens que freqüentam academias todos os dias, que devem passar ali duas ou três horas por dia malhando e produzindo seu corpo.

Há estudos muito interessantes sobre o culto ao corpo no Brasil, como os trabalhos da equipe de pesquisa de Mirian Goldenberg13 a respeito do que se faz nas academias, do que se conversa ali, o que se fala, o que se produz, o que se diz sobre o corpo. Para estes pesquisadores, o corpo tem um papel crucial na constituição da identidade de gênero contemporânea, sendo um elemento central na constituição do sujeito. Assim como no modelo tradicional era necessário que a mulher se produzisse regularmente no cabeleireiro, hoje a mulher deve se produzir na academia, tal como mostram os exemplos paradigmáticos das modelos, mulheres cobiçadas pelos homens poderosos, como os esportistas. Basta ler uma revista tipo Caras para saber que o tenista Guga só namora modelos ou que Adriane Galisteu passa várias horas por dia malhando para ter o corpo perfeito que conquistou o falecido ídolo da fórmula 1, Ayrton Senna.

A beleza é um dos elementos centrais da constituição da feminilidade no modelo ocidental moderno, pois é ela que permitirá à mulher se sentir desejada pelo homem. A cada momento histórico são constituídos modelos específicos de beleza. Várias historiadoras brasileiras têm estudado as formas como foram se constituindo os modelos ideais de feminilidade que são determinados pela beleza desde o final do século XIX. Os concursos de miss tiveram um papel super importante na constituição do ideal de feminilidade no Brasil dos anos 50/60. Apesar da beleza ser vista como um dom natural, os tratados e conselhos dados às mulheres sugerem que ela deve ser preservada através de muito esforço e auto-controle. Se antes as horas passadas nos salões de beleza bastavam para produzir esta beleza, hoje é necessário um esforço cotidiano em esteiras e aparelhos de musculação, mas também no recurso regular a regimes e cirurgias plásticas, nas quais se acrescenta um pouco de silicone ou se retira através de lipo-aspiração excessos em partes do corpo. Adequar-se aos modelos ideais de gênero implica, necessariamente, na submissão a estes procedimentos que, por sua vez, não devem ser escondidos e sim tornados públicos, tal como ficamos sabendo regularmente nas páginas das revistas.



2.Teorias sobre honra, masculinidade e violência
Na antropologia se tende a pensar que haveria na Europa dois grandes modelos de valores e de ética, que seriam um para o lado do mediterrâneo e outro o modelo da Europa do norte. Ao falar destes dois modelos, sempre lembro do exemplo dado por Eric Wolf14, em seu estudo sobre as sociedades camponesas na Europa, que é a distinção entre modelos espaciais de moradia no sul e no norte da Europa. Na Europa do Norte, onde não há divisão entre as casas, os vizinhos são os maiores aliados, diferentemente do modelo mediterrâneo onde são os parentes os principais aliados e os vizinhos são os inimigos. Um exemplo disto são os bairros e cemitérios norte-americanos que vemos em filmes, onde as casas não têm muros, só jardins que vão de uma casa até a outra, e nos cemitérios americanos só há cruzes num imenso gramado; enquanto que aqui no Brasil o modelo de organização espacial é de casas com muros altos, cacos de vidros em cima dos muros, problemas de violência na vizinhança; nossos cemitérios são segmentados, temos túmulos que atualmente se transformaram em pequenas casinhas. Ou seja, temos dois modelos bastante diferentes: um que parece aberto e outro que parece fechado. Briga de vizinhos – vocês sabem que é um tipo de briga bastante corrente no Brasil – até morte dá e os muros são, de alguma forma, testemunhas vivas nas cidades mediterrâneas dessa necessidade de delimitação da fronteira daquilo que é o doméstico, daquilo que é a casa, o núcleo familiar.

Os sentimentos definidores das relações de gênero no mundo mediterrâneo se dão em torno do complexo moral da honra e da vergonha, sentimentos estudados por vários autores para diferentes regiões do mediterrâneo como a Andaluzia (Pitt-Rivers), Grécia (Campbell), Cabília (Bourdieu), Aurès (Tillion)15.

Inúmeras sociedades se constróem em cima valores de honra. Um dos clássicos da antropologia é o livro de Ruth Benedict, “O crizântemo e a espada”16, no qual ela reflete sobre o valor da honra para os japoneses. Vários autores têm estudado a temática da honra na sociedade brasileira. Para nossa cultura, um homem honrado é aquele que tem uma mulher de respeito, ou seja, uma mulher recatada, controlada, pura, etc. É a mulher quem detém o poder de manter a honra do marido, pois se um homem não tem uma mulher virtuosa ele perde a sua honra.

O que é um homem honrado? Há inúmeros personagens, na nossa literatura, de homens honrados, homens de palavra, homens de caráter, homens íntegros, homens respeitados por seus pares. Na tradição do coronelismo do nordeste, na literatura, nas novelas, etc., é muito presente este modelo do grande proprietário de terras que é um homem honrado e que lava a sua honra com sangue. O que significa lavar a honra com sangue? Se for enganado, se levar gaia, mata a mulher, mata o amante da mulher. Recentemente, num livro que eu fiz lá com a Casa Renascer, “Histórias para Contar”17, onde se trabalhou com processos de crimes do Rio Grande do Norte, era impressionante o número de processos em tramitação nas varas do Rio Grande do Norte de casos de maridos que mataram suas mulheres alegando que estavam lavando a honra e que ganharam só dois anos de prisão com sursis e logo saíram da prisão. Ainda hoje se mata a mulher por honra e a justiça considera o argumento da honra verdadeiro e legítimo, tanto que praticamente absolvem os homens que matam suas mulheres.

Claudia Fonseca tem um texto fundamental para estudar a questão da honra no Brasil, “Cavalo amarrado também pasta”18. A autora usa o modelo teórico sobre a honra mediterrânea, mostrando como ele é muito mais complexo, porque, no modelo tradicional, a mulher traiu e o cara vai lá e mata por motivo de honra. Como a honra masculina depende exclusivamente das mulheres, os homens precisam controlar as mulheres: um pai tem que controlar suas filhas; um marido tem que controlar sua mulher. Claudia vai mostrar que as mulheres também são capazes de manipular a honra dos maridos porque é a mulher que pode pôr a honra do homem em risco. Ela conta das estratégias que as mulheres usam para trair os maridos caso estes não cumpram o papel que é esperado deles, o de provedor. A fofoca, neste caso, é um instrumento poderoso de pôr em dúvida o valor masculino: a honra.

Um ouro modelo de honra diz respeito ao poder econômico que um homem tem para sustentar sua família. O exemplo da fuga estudado por Marineide Silva19 é ilustrativo das estratégias sociais para manter a honra do pai de família. Em Santa Catarina, em camadas populares, é prática corrente que, em vez de se casar na igreja, os jovens fogem – existe aquilo muito relatado na literatura antropológica que é o rapto da noiva. Marineide mostrou, em seu texto, que só quem não sabe oficialmente da fuga da filha é o pai, porque a mãe da noiva sabe com antecedência que eles vão fugir. O rapaz constrói uma casa e um belo dia, depois de um baile, a moça não volta para casa porque vai para a casa do futuro marido, transa com ele e depois o pai fica furioso e obriga a filha a casar no cartório. A autora constatou no seu trabalho, que, no fundo, essa era uma estratégia que beneficiava o pai da noiva, e por quê? Porque, nessa comunidade, uma festa de casamento tem que ser uma festa grande, tem que convidar toda a comunidade e sai bem caro, fora ter que comprar o vestido de noiva, terno, gravata, etc.; ou seja, a fuga resolve a questão da honra. O que parecia desonrar o pai porque ele não controlou sua filha, acaba resultando na manutenção de sua face, uma vez que ele não passa por incapaz de pagar uma grande festa de casamento à filha, e, por extensão, a toda a comunidade pesqueira.

Há inúmeros filmes que tratam da questão da honra e que podem ser usados para esta reflexão. Entre os que mais uso, sugiro “Antes da Chuva”, um filme da Macedônia que fala da vendetta, ou seja, da necessidade de matar para proteger o sangue da família; “Yol”, um filme turco que conta a história de quatro prisioneiros que têm um fim de semana de folga e, ao reencontrarem suas mulheres, precisam agir “segundo a honra”; “Crônica de uma morte anunciada”, filme baseado no romance de Gabriel García Marquez que conta a história de um assassinato pela suspeita de traição da noiva. Como este último, baseado em um romance, está também em filmagem, ambientado no nordeste, um filme do Walter Salles baseado no romance do Ismail Kadaré: “Abril Despedaçado”.
Como vimos, são as mulheres (mãe, filhas, irmãs) as responsáveis pela honra familiar. Cabe portanto aos homens (pai, filhos, irmãos) o controle sobre a virtude feminina. Virtude que é reconhecida publicamente pela categoria respeito. Uma mulher de respeito é, portanto, uma mulher que está adequada aos comportamentos reconhecidos socialmente como femininos. Para as mulheres casadas, ser uma mulher de respeito está associado à capacidade de reprodução e de controle de sua prole. Vários exemplos foram dados no curso sobre a imagem que temos desta mulher de respeito; todos eles remetendo ao modelo de mãe sofrida e digna. Estes exemplos nos remetem à mater dolorosa, um modelo muito poderoso na sociedade cristã que é aquela mãe sacrificada pelos filhos, aquela mulher que morreu de dor no parto, que passa a vida inteira cobrando dos filhos todo o sacrifício que ela fez por eles. Este ideal de comportamento feminino marcado pelo sofrimento materno é conhecido na literatura da área como marianismo20. Num texto clássico, Marit Melhus dá exemplos de como as mulheres mexicanas de um pequeno povoado estudado por ela constróem o seu modelo ideal de respeito e virtude sobre o modelo da Virgem Maria, que, como vocês sabem, era tão pura que nunca teve relações sexuais na sua vida e inclusive engravidou sendo virgem.

Vários autores estudaram as formas que este modelo assume no Brasil, país marcado pela influência de várias levas de imigração mediterrânea (espanhóis, italianos, gregos, libaneses, judeus do Magreb, etc.21). Um dos textos de referência é o de Luiz Tarley de Aragão22 que reflete sobre a contradição emocional que este modelo de mãe venerado pelos filhos – sobretudo pelos filhos homens – traz para as relações de gênero no Brasil. O autor explica esta contradição contando a seguinte história: quando um rapaz, um jovem casadouro, vai procurar uma companheira, uma mulher para acasalar-se, ele vai se guiar pelo desejo sexual; no início do casamento, o amor é marcado pela sexualidade, mas, logo que ocorre a primeira gravidez, esta mulher passa a ocupar simbolicamente outro lugar para este homem. Quando ela se torna mãe, o homem vai deixar de vê-la como uma mulher jovem, desejável, companheira e vai passar a vê-la como uma mulher sagrada, porque ela se tornou mãe como sua própria mãe, que ocupa no seu imaginário um lugar sagrado, intocável23. A mãe deste modelo é assexuada como a Virgem Maria. E o que acontece com este homem? Ele vai se defrontar com sua mulher tornada mãe e para ele isso se torna um problema complexo. Uma das formas que os homens lidam com isso é transformando a mulher, ex-companheira, na “mãezinha”. Não sei se aqui no nordeste é comum, mas lá no sul é muito comum casais com filhos se chamarem de “mãezinha” e “paizinho”. Vocês percebem que as palavras são um canal poderoso para se entender as relações; neste campo a gente tem que ficar muito atento às palavras que são usadas. Quando o casal se trata assim, evidentemente está sendo articulado este modelo que não se trata mais da mulher sexualmente desejada, mas se trata daquela mulher transformada em sagrada, em mãe, com a qual provavelmente não se pode fazer sexo – e é uma das razões que os homens casados alegam ao procurar prostitutas ou prostitutos. Isto é o que se conceitua dentro do campo da honra, de dupla moralidade, ou seja, para um homem é perfeitamente possível ter uma mulher em casa e procurar outras na rua, sem que ele se sinta traindo ninguém. É justamente porque ele “respeita” sua mulher que ele vai procurar na rua outra, a prostituta, que é paga para o sexo. A própria ofensa “filho da p...” ou “filho da mãe” reflete esta dicotomia nos papéis associados ao feminino.

Para o modelo mediterrâneo, é justamente no parto e na dor do parto que a mulher se constrói como mais mulher, e o sofrimento acaba se tornando uma questão central para a construção da feminilidade. Em minhas pesquisas sobre violência contra mulher, tenho percebido que a queixa feminina é muito marcada por esta noção de sofrimento, uma necessidade das mulheres de expressar e envolver outras pessoas no sofrimento – algo muito parecido com o marianismo, esse valor do sofrimento da Virgem Maria –, como aquilo que vai ser um pano de fundo para as nossas relações sociais.

A linguagem atua num plano inconsciente. Os mitos têm o poder de reatualizar valores da cultura que são ensinados em diferentes momentos de nossa vida. Basta eu falar para alguém: “Não coma essa maçã porque tu vais ser amaldiçoado”. Do que eu estou falando? Alguém não pensou em Eva quando eu falei isto? Eu não preciso contar para vocês esta história que todos vocês conhecem, pois ela é nosso mito fundador, a história do início da humanidade, de um momento onde o único casal de humanos que existia vivia próximo de Deus no paraíso. Mas talvez o que não tenha sido contado para vocês é que o mito da criação é um mito que fala da dominação masculina. Em outras culturas existem outros mitos que falam da mesma coisa, que havia um mundo harmônico, onde deuses, homens e mulheres viviam juntos, mas que de repente, por culpa das mulheres, os deuses decidiram separar os dois mundos: o humano e o divino. Adão e Eva viviam num lugar maravilhoso, onde não havia nenhum mal, tinham frutas, tinha alimento à vontade. Todos vocês sabem que é porque Eva comeu a maçã que nós – humanos – fomos expulsos do paraíso e fomos jogados aqui na Terra. Eva é, portanto, a culpada do nosso sofrimento como humanos e o mito, ao contar isto, mostra que as mulheres não são confiáveis, que os homens devem controlá-las, dominá-las.

Este mito é tão forte que outras personagens femininas do Antigo Testamento foram esquecidas em nossa tradição, como é o caso da Lilith, uma figura muito poderosa estudada hoje por algumas teólogas que tentam buscam fazer novas leituras da Bíblia com a finalidade de transformar, no plano do simbólico, as relações de gênero, permitindo que as mulheres possam se espelhar em mitos positivos do poder feminino.

A questão da dominação masculina é uma das questões teóricas chave das reflexões teóricas feministas sobre o gênero. No final da década de 70, havia a opinião geral de que a dominação masculina era universal, ou seja, em todas as culturas do mundo, os homens dominavam as mulheres simbolicamente, politicamente e economicamente.

Algumas teóricas da época sustentavam que, antes do patriarcado, havia um período matriarcal no qual as mulheres mandavam na sociedade. Muitos autores hoje acham que isso é um mito, que não houve nenhuma cultura no mundo em que as mulheres tenham realmente dominado, tal como se pensava lá24. Hoje, a maior parte dos autores concorda com a idéia de que a dominação masculina existe na maior parte das culturas do planeta. Françoise Héritier, ao explicar isto que ela chama de “valência diferencial dos sexos”, diz que a dominação masculina existe por causa do mistério da reprodução humana. Uma mulher pode ter filhos independente da relação estável com um homem, mas um homem, sem uma mulher sob seu controle, não, pois o tempo da reprodução da espécie humana exige alguns anos de intensa relação mãe/filho.

O binômio dominação masculina/submissão feminina tem sofrido uma série de questionamentos quando se estudam relações de gênero. Muitos homens, quando questionados a respeito da dominação masculina, costumam dizer que não têm poder nenhum em casa – o que não deixa de ser verdade quando pensamos nas culturas marcadas por uma forte dicotomia entre casa e rua, privado e público. Como explicaríamos o fato de que em nossa cultura brasileira são as mães que mandam em casa? No modelo familiar mediterrâneo, as mães são poderosíssimas; elas mandam e desmandam nos maridos, elas fazem e bordam em relação aos homens. Este é um dos elementos estruturais de nossa cultura, o fato de há uma divisão de poderes sociais, cabendo aos homens o poder sobre a instância pública e às mulheres o privado.




3. O trabalho e a masculinidade
É com o advento da Revolução Industrial que se consolida, no século XIX, essa separação que seria a política e o trabalho associados ao plano masculino, em oposição ao complementar, que aqui seria o lar, o doméstico, coisas do feminino. A gente sabe que este modelo que vai localizar o homem na rua e a mulher dentro de casa é algo que só vai servir a uma classe social, a burguesia. Isto nunca aconteceu e só existe como modelo ideal para as classes trabalhadoras, porque o século industrial é o século onde mulheres e crianças das classes trabalhadoras trabalham até 16 horas por dia nas fábricas, nas minas – elas até dormiam nas fábricas –, e uma das grandes conquistas do movimento sindical é a redução do tempo de trabalho para 40 horas semanais, que hoje na Europa, por exemplo, já são 35 horas. Então o processo que a gente vai ver é um modelo burguês, que mostra que o homem é um homem de posses, quando a mulher não precisa trabalhar, e o homem que é o provedor, que tem dinheiro e etc.

Nas sociedades tradicionais, o gênero é marcado por tarefas exclusivas de homens e mulheres. Assim, no mundo industrial, os homens estavam ligados à esfera da produção enquanto as mulheres à esfera da reprodução (tanto no que se refere aos filhos, quanto nos trabalhos domésticos necessários à reprodução da força de trabalho). Nas sociedades camponesas, as tarefas são divididas em trabalho de mulher e em trabalho de homem. A divisão sexual do trabalho é transmitida de geração em geração pelo aprendizado dos meninos com os homens e das meninas com as mulheres. Entre os textos clássicos sobre a divisão sexual do trabalho como representação do mundo, lembramos dos trabalhos de Pierre Bourdieu sobre a Cabília e também inúmeros trabalhos brasileiros sobre o mundo camponês, entre eles os de Ellen Woortman e Maria Ignez Paulilo25.

Tradicionalmente na sociedade ocidental, a masculinidade se constituía pelo papel que o trabalho tinha na vida dos homens. O trabalho, fosse ele camponês ou industrial, envolvia o corpo masculino, que se distinguia do feminino pela força física. No final do século XX e início do século XXI, este paradigma do valor do trabalho masculino associado à força vem sendo substituído no mundo do trabalho pelo paradigma da competência, que está associado ao conhecimento de tecnologia, particularmente de informática.

A pesquisa de Juliana Cavilha Mendes26 sobre os militares na terceira idade é ilustrativa a respeito do lugar que o trabalho tem na constituição da identidade masculina tradicional. Os militares são homens poderosos para quem o trabalho, o cargo de autoridade no Exército, marca quem eles são e se reflete em todas as instâncias da vida deles. É em torno do trabalho do militar que se organiza toda a vida familiar.

Vejamos como isto vem ocorrendo no mundo industrial. O que era uma montadora de carros no tempo que o Lula perdeu o seu dedo trabalhando na cadeia de montagem? Era uma máquina mesmo, onde o operário tinha que ter força física para pegar nas peças do carro para montá-lo. Hoje, isso não é mais necessário pois as montadoras usam robôs, comandados por operários extremamente especializados. Recentemente, fiz, com meus alunos, uma visita a uma indústria têxtil em Santa Catarina na qual pudemos observar como estes dois modelos fabris ainda são utilizados. Na parte têxtil antiga, onde trabalham só mulheres com pouquíssima educação formal, o barulho das máquinas é assustador, há muita poeira e graxa pelo chão e todo o trabalho exige muito esforço corporal. Na parte nova da fábrica, é tudo muito limpo, um silêncio total, os operários são jovens, com no mínimo segundo grau, que controlam grandes computadores que produzem o tecido. Muitos autores e as lutas sindicais têm mostrado que este novo modelo de produção industrial se, por um lado, melhora a qualidade de vida do trabalhador, é fonte também de grande desemprego, uma vez que a automatização do mundo fabril obriga a diminuição da força de trabalho assim como exige operários cada vez mais qualificados em termos de educação. Este é, portanto, um dos paradoxos do mundo do trabalho que tem influído diretamente nas identidades contemporâneas, pois neste processo parte significativa dos trabalhadores não-qualificados perdem seus empregos, e, por conseguinte, o lugar tradicional de provedor que é esperado e reconhecido como um dos valores centrais da masculinidade.

A temática do desemprego masculino tem ocupado importante espaço de reflexão atualmente na Europa, não apenas por parte de pesquisadores mas também de artistas e cineastas, como é possível constatar no filme inglês “Ou tudo ou nada”, onde um grupo de operários metalúrgicos desempregados decide criar um grupo de strip-tease masculino como forma de enfrentar o desemprego e a humilhação de serem “sustentados por suas mulheres”.

Há pouquíssimos trabalhos sobre desemprego no Brasil que levem em conta o recorte gênero. Entre eles, destaco alguns recentes trabalhos que vêm sendo desenvolvidos na UFSC. Ari Sartori27, em sua dissertação sobre gênero no mundo sindical, percebeu que o desemprego é um fator de desestabilização da militância sindical de esquerda. Déborah Sayão28, que trabalha com professoras em Santa Catarina, tem observado que há inúmeros casais de classes médias nos quais as mulheres, professoras, estão sustentando a casa, face ao desemprego crescente masculino no setor bancário.

Na divisão sexual do trabalho tradicional, o homem está ligado ao mundo público do trabalho e a mulher ao mundo privado – a casa, o lar, os filhos. Com este modelo ideal, mesmo quando a mulher tem um emprego remunerado, a gestão do mundo doméstico continua sob sua responsabilidade. O que acontece no momento do desemprego masculino em camadas médias? As mulheres, que acreditam no modelo igualitário de relações de gênero, passam a reivindicar que os homens se responsabilizem das tarefas domésticas, com o seguinte argumento: “enquanto eu trabalho o dia inteiro, tu ficas em casa; tu estás desempregado, tu tens de cuidar das coisas de casa como eu sempre fiz quando tu trabalhavas mais do que eu”. O que poderia ser uma equação simples de divisão de tarefas e responsabilidades, acaba tendo um impacto profundo na identidade destes homens, que se sentem, de alguma forma, “feminilizados” ao terem de assumir tarefas domésticas.

A aposentadoria masculina também começa a ser estudada à luz dos estudos de gênero. Uma pesquisa recente de Rita Machado29 nos ajuda a refletir sobre o significado que as mudanças no mundo do trabalho podem ter numa situação particular brasileira: as aposentadorias precoces nas empresas estatais. Sua dissertação trata da aposentadoria precoce de engenheiros de uma grande central elétrica que foram estimulados a se aposentar devido a esse processo de privatização ligado à globalização na qual o Brasil está inserido. A maior parte dessas famílias vivia numa situação em que o homem ganhava super bem pois era um dos empregos mais bem pagos de Florianópolis, o que fazia com que as mulheres não precisassem trabalhar para ajudar no sustento da casa. Ao se aposentarem com menos de 50 anos, estes homens vão para casa e isto provoca muitas crises familiares, pois o salário baixa pela metade, os filhos já cresceram e o homem fica dentro de casa. Casais que eram harmônicos, que nunca brigaram, começam a se separar. Um dos entrevistados é encontrado num supermercado, enchendo sacos e sacos de cebolas e batatas; ela [pesquisadora] pergunta se vai haver uma festa – para quê tanta cebola e tanta batata? –, ele responde que a mulher disse que ele não serve para nada, só para comprar cebolas e batatas, então, quando ele vai ao supermercado, ele só compra cebola e batata. O cara estava louco para sair de casa e nem ir para o supermercado ele podia, por estar atuando naquele espaço de poder feminino. Não é, portanto, falso de pensar que o neo-liberalismo, a globalização e a privatização tenham influência direta na vida privada das pessoas. Como vimos nos exemplos acima, o desemprego do marido vai tocar no cerne das relações de gênero de um casal.

Richard Sennet30, em seu livro, “A Corrosão do Caráter”, reflete sobre o significado do desemprego para altos executivos norte-americanos a partir de alguns exemplos de pesquisa. Ele inicia o livro contando que havia sentado numa viagem de avião ao lado do filho de um informante operário de uma pesquisa que ele fizera 20/30 anos antes. Este filho era um jovem que subiu na vida, um executivo. Na viagem, eles vão conversando e ele vai percebendo que, se por um lado, esse filho fez o que o pai queria, porque estudou e cresceu na vida, por outro lado esse filho não tinha consciência que ao ter um lugar diferente do lugar do pai, ele havia rompido com sua identidade de origem. A partir deste exemplo, ele vai mostrar como hoje, na pós-modernidade, a vida ativa de homens como ele é extremamente fragmentada pois é necessário mudar o tempo todo de emprego e de cidade. O pai do informante passara 30 anos de sua vida dentro de uma fábrica, o filho tinha de mudar de emprego o tempo inteiro. Ele amplia sua reflexão a partir do exemplo que ele encontra inicialmente, por acaso, em um bar de elite de Chicago, com um grupo de engenheiros norte-americanos da IBM. Como sabemos, os bares são lugares masculinos institucionalizados na nossa cultura, lugar onde se consome álcool – uma das características da masculinidade tradicional, segundo Miguel Vale do Almeida31, é a de aprender a beber, a suportar bebida. A partir deste encontro casual, ele passa a acompanhar a trajetória deste grupo de desempregados que têm um salário desemprego e não conseguem outro emprego. A vida destes caras não é como esses desempregados que não tem o que comer. Esses executivos da IBM têm propriedades, têm renda, têm dinheiro aplicado na bolsa, no entanto a vida deles se tornou sem sentido uma vez findo o trabalho. Eles discutiam no bar onde haviam errado, porque a vida deles inteira havia sido entregue para a IBM; eles eram o modelo do empregado ideal.

Eu mesma discutia recentemente com uns colegas de engenharia da UFSC sobre algo que está sendo pouco estudado a respeito da formação das elites masculinas nas universidades, que é a forte possibilidade de desemprego, de homens treinados para tarefas extremamente competentes que vão ficar desligados; isto é, de alguma forma, aquilo que a gente poderia chamar de um dos momentos de ruptura. O indivíduo teve toda sua vida planejada – “eu vou me casar com uma mulher assim, vou ter filhos, ter uma casa, vou ter um emprego, vai estar tudo organizado” – e, de repente, esse engenheiro, executivo, perde seu emprego, ele fica desnorteado, ele não tem mais onde se colocar. Dá para desenvolver muito esta questão do desemprego, e me parece que é central hoje pensar na questão do desemprego com urgência; esta questão é crescente.

A questão da competência também está presente nas empresas paulistas que se informatizaram e onde a mão de obra feminina já ultrapassa a mão de obra masculina nos setores informatizados da indústria. Existem mais mulheres hoje qualificadas em informática e cursos de línguas do que homens, provocando fortes mudanças nas relações de gênero das classes trabalhadoras. Durante muito tempo, os filhos homens de camada populares foram chamados a ajudar em casa desde muito cedo. Nesse meio tempo, por razões de ordem prática, as meninas, em geral, ficam cuidando dos irmãos menores, ao mesmo tempo em que são estimuladas a estudar mais tempo, e, assim, as mulheres no Brasil são mais escolarizadas estatisticamente do que os homens.

Mas, se por um lado, espaços de trabalho masculino começam a ser invadidos por mulheres, outros espaços tradicionalmente femininos, como enfermagem e educação, passam a ser fortemente investidos por homens. Esta mudança nos padrões de emprego são contaminadas também pelo plano do simbólico do gênero. A tese de Alvaro Pereira32 sobre o homem da enfermagem mostra como todos os homens enfermeiros vão se constituindo na idéia de que eles são muito machos. Ele observou que auxiliares de enfermagem carregam macas e ficam naquela parte da emergência onde se faz necessário a força física. Por outro lado, os enfermeiros com curso superior raramente exercem tarefas de cuidado, que são tarefas que caracterizam a profissão. Pode ter mil enfermeiras num hospital, mas se tem um enfermeiro, este um enfermeiro vai ter um lugar de coordenação de chefia.




  1   2   3


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal