Universidade do Estado do Rio de Janeiro – uerj



Baixar 45,45 Kb.
Encontro19.04.2018
Tamanho45,45 Kb.


Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ

Instituto de Medicina Social

Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva

DEPARTAMENTO: PIS

Professores: Sergio Carrara; Horacio Sívori

Professora convidada: Vanessa Leite

ANO:

2018

CÓDIGO:




SEMESTRE:

1

CARGA HORÁRIA / CRÉDITOS:

45 h / 3 créditos

INÍCIO (dia/mês):

14/03/2018

DIA DA SEMANA/HORÁRIO

Quartas-feiras, 14 a 17 h.

TÉRMINO (dia/mês):

27/06/2018

DISCIPLINA

Tópicos Especiais em Ciências Humanas e Saúde I

Gênero e sexualidade: controvérsias públicas, backlash e pânicos morais

EMENTA:

No Brasil e América Latina, as iniciativas de “cidadanização” no plano do gênero e da sexualidade têm sido, nos últimos anos, alvo de repetidos ataques, frutos da resistência permanente de atores religiosos e seculares, que vêm se (re)articulando com notável sucesso em termos de visibilidade pública e capacidade organizativa. A militância contra a democratização da sexualidade ampliou sua base e aperfeiçoou suas formas de incidência e representação pública, renovando controvérsias e disputas em torno da regulação da sexualidade, do gênero e da autonomia corporal. São efeitos dessa atuação novas e renovadas controvérsias que avivam as dicotomias clássicas da secularização: religião versus estado e ciência versus religião, bem como o reforço de novas antinomias entre sujeitos. Esta disciplina propõe explorar a complexa configuração desse campo de forças e desenvolver ferramentas analíticas que permitam abordar o atualmente chamado "giro conservador" e seu impacto na política sexual, bem como, nessa seara, nas definições e valores associados ao bem-estar e à vida. Será discutida a literatura brasileira e internacional de diferentes disciplinas que têm se debruçado sobre esse processo e seus aspectos jurídico-políticos, religiosos e científicos.

PROGRAMA E BIBLIOGRAFIA


Aula 1 – 14/03 Apresentação

Parte 1- Secularismo e secularização: governo e separação de esferas

Aula 2 – 21/03
CANNELL, Fenella. The Anthropology of Secularism. Annual Review of Anthropology, 2010 (39), pp. 85-100.
GIUMBELLI, Emerson. Símbolos religiosos em controvérsia. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2014. Capítulo 10.
PIERUCCI, Antônio Flávio. Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. Revista brasileira de Ciências Sociais, V. 13 n. 37, 1998.

Aula 3 – 28/03
ASAD Talal. Formations of the Secular: Christianity, Islam, Modernity. Stanford, CA: Stanford Univ. Press, 2003.
TAYLOR, Charles. Uma era secular. Rio Grande do Sul: Editora Unisinos, 2010.

Aula 4 – 04/04
CASANOVA José. Public Religions in the Modern World. Chicago: Chicago Univ. Press, 1994. Capítulos 5 e 6.


Parte 2- Gênero e sexualidade: controvérsias públicas, backlash e pânicos morais

Aula 5 – 11/04
COHEN, Stanley. Folk Devils and Moral Panics: The creation of the Mods and Rockers. London, MacGibbon & Kee, 1972.

Aula 06 – 18/04
GIUMBELLI, Emerson. 2002. O fim da religião: dilemas da liberdade religiosa no Brasil e na França. São Paulo: Attar Editorial. 
MONTERO, Paula. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião e Sociedade 32 (1), 2012.

Aula 7 – 25/04
FALUDI Susan. Backlash: The Undeclared War Against American Women. New York: Crown, 199.

Aula 8 – 02/05
RUBIN, Gayle. Thinking Sex. In: ABELOVE, Henry et alii. The Lesbian and Gay Studies Reader. London/New York, Routledge, 1992.
WEEKS, Jeffrey. Coming out: homosexual politics in Britain, from the Nineteenth Century to the present. London, Quartet, 1977.


Aula 9 – 09/05
ABU-LUGHOD, Lila. As mulheres muçulmanas precisam realmente de salvação? Reflexões antropológicas sobre o relativismo cultural e seus outros. Estudos feministas. Florianópolis, 20(2), 2012, pp. 451-470.
FASSIN, Eric. A Double-Edged Sword Sexual Democracy, Gender Norms and Racialized Rhetoric. In BUTLER, Judith; WEED, Elizabeth (Orgs.). The Question of Gender: Joan W. Scott's Critical Feminism. Bloomington: Indiana University Press, 2011, 143–158
MAHMOOD, Saba. Feminist Theory, Embodiment, and the Docile Agent: Some Reflections on the Egyptian Islamic Revival. Cultural Anthropology 16(2), 2001, American Anthropological Association, pp. 202-236.


Parte 3 - Caso 1: A “ideologia de gênero”

Aula 10 – 16/05
ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, Campinas, nº 50, 2017.
VAGGIONE, Juan Marco. La Iglesia Católica frente a la política sexual: la configuración de una ciudadanía religiosa. Cadernos Pagu, Campinas, nº 50, 2017.

Aula 11 – 23/05
CORNEJO-VALLE, Mónica; PICHARDO, J. Ignacio. La “ideología de género” frente a los derechos sexuales y reproductivos. El escenario español. Cadernos Pagu, Campinas, nº 50, 2017.
JUNQUEIRA, Rogério. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula R. C.; MAGALHÃES, JOANALIRA C. (orgs.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande, RS, Ed. da FURG, 2017, pp.25-52.
KUHAR, Roman; PATERNOTTE, David (Orgs.). Anti-Gender Campaigns in Europe. Mobilizing against Equality. Brussels: Rowan & Littlefield, 2017.

Aula 12 – 30/05
AMAYA, José Fernando Serrano. La tormenta perfecta: Ideología de género y articulación de públicos. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 27, p. 149-171, Dez. 2017.
VIVEROS, Mara; RONDON, Manuel Alejandro Rodríguez. Hacer y deshacer la ideología de género. Sexualidad, Salud y Sociedad, Rio de Janeiro, n. 27, p. 118-127, Dez. 2017.

Aula 13 – 06/06
BROWN, Wendy. American Nightmare: Neoliberalism, Neoconservatism, and De-Democratization. Political Theory. Vol. 34, No. 6 (Dec,2006), pp. 690-714.
MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Direito & Práxis, vol. 7, no 15, Rio de Janeiro, 2016, pp.590-621.


Parte 4 - Caso 2: “cura gay”

Aula 14 – 13/06
NATIVIDADE, Marcelo. Homossexualidade, Gênero e Cura em perspectivas pastorais evangélicas. RBCS: Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 61, p.115-132, jun. 2006.
NATIVIDADE, Marcelo & OLIVEIRA, Leandro. As novas guerras sexuais: diferença, poder religioso e identidades LGBT no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2013. Capítulo 3.

Aula 15 – 20/06
FRY, Peter; CARRARA, Sérgio. "Se oriente, rapaz!": onde ficam os antropólogos em relação a pastores, geneticistas e tantos "outros" nas controvérsias sobre as "causas" da homossexualidade? Revista de Antropologia, São Paulo, v. 59, n. 01, p.258-280, mar. 2016.
MACEDO, Cleber; SÍVORI, Horacio. A “cura gay” e o campo evangélico no Brasil: panorama de uma década. In OLIVEIRA, Leandro de; NATIVIDADE, Marcelo (Orgs.) A Reinvenção da Família: pertencimentos, fronteiras e transformações. Rio de Janeiro: Mar de Ideias. No prelo.


Aula 16 – 27/06 Encerramento

Bibliografia complementar:
BESSONE, Pablo Gudiño. Activismo católico antiabortista en Argentina: performances, discursos y prácticas. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro, n. 26, p. 38-67, Aug. 2017
CARRARA, Sérgio. Moralidades, racionalidades e políticas sexuais no brasil contemporâneo. Mana. 21(2): 323-345, 2015.
CORRÊA, Sonia; Petchesky, Rosalind; Parker, Richard. Sexuality, Health and Human Rights. New York, Routledge, 2008.
CASANOVA José. Secularization revisited: a reply to Talal Asad. In Powers of the Secular Modern, ed. D. SCOTT, C. HIRSCHKIND, pp. 12–30. Stanford, CA: Stanford Univ. Press, 2006.
GIUMBELLI, Emerson. A presença do religioso no espaço público: modalidades no Brasil. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, 28 (2), 2008, pp. 80-101.
LEITE, Vanessa. “Impróprio para menores”? Adolescentes e diversidade sexual e de gênero nas políticas públicas brasileiras contemporâneas. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva), Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2014.
MISKOLCI, Richard & CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado – Volume 32, Número 3, Setembro/Dezembro 2017.
NATIVIDADE, Marcelo. Deus me aceita como eu sou? A disputa sobre o significado da homossexualidade entre evangélicos no Brasil. 2008. 341 f. Tese (Doutorado) - Curso de Sociologia e Antropologia, Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
RONDON, Manuel Alejandro Rodríguez. La ideología de género como exceso: Pánico moral y decisión ética en la política colombiana. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro, n. 27, p. 128-148, Dec. 2017.
SERRA, Cristiana de Assis. "Viemos para comungar": estratégias de permanência na Igreja desenvolvidas por grupos de "católicos LGBT" brasileiros e suas implicações. 2017. 187 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
VAGGIONE, Juan Marco. La “cultura de la vida”. Desplazamientos estratégicos del activismo católico conservador frente a los derechos sexuales y reproductivos.
VAGGIONE, Juan Marco. Reactive politicization and religious issidence: the political mutations of the religious. Social Theory and Practice, 2005. Vol. 31, n. 2, pp 233-255.


TIPO DE AVALIAÇÃO: Resenha; trabalho final; Apresentação em seminário e participação nas discussões.







©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal