Universidade da beira interior



Baixar 2,54 Mb.
Página2/23
Encontro27.09.2018
Tamanho2,54 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23

Índice


Resumo 2

Introdução 3

Objectivos 4

Estagiário 4

Escola 5

Metodologias 6

Amostra 6

Planeamento 7

Recursos Humanos 10

Recursos Materiais 11

Dificuldades sentidas 11

Aspectos positivos e negativos 15

Outras actividades 16

Conclusão 17

Recomendações 19

Bibliografia 21

Anexos 22

Resumo

O presente documento surge no âmbito do trabalho desenvolvido, durante o ano lectivo 2009/2010, no estágio pedagógico de ensino e tem como principal objectivo, capacitar e habilitar o aluno para desempenhar funções como Professor de Educação Física nas escolas. O trabalho apresenta uma reflexão contínua em todas as actividades e competências essenciais ao exercício da função a que me proponho. O estágio foi realizado na escola EB 2,3 do Teixoso, contando com o apoio da orientadora de estágio, Ana Paula Carvalho Pereira e Departamento de Ciências do Desporto da Universidade da Beira Interior.



I – Introdução

Na continuação de estudos do ciclo conducente ao grau de Mestre em Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário, surge a proposta de realização do estágio pedagógico num estabelecimento de ensino, onde seja desempenhada a função a que nos propomos através do Mestrado. Prevê uma aproximação à escola, reproduzindo com orientação todas as funções e obrigações de um professor de Educação Física e de um professor dentro de uma comunidade escolar. Desenvolveu-se desde o dia 2 de Setembro de 2009 e prolongou-se por todo o ano lectivo até ao término a 15 de Maio de 2010 de acordo com as orientações para finalizar o dossiê de estágio. O presente documento pretende mostrar o trabalho, competências adquiridas e avaliações desenvolvidas durante o ano lectivo.



II – Objectivos

  1. Estagiário

Os objectivos por mim definidos para a realização do mestrado e do estágio, pretendem no médio prazo habilitar-me para a função de Professor de Educação Física. Quando optei pela inscrição no mestrado foi com esse intuito, ter habilitações para poder integrar uma escola exercendo qualquer função ligada à Educação Física e Desporto Escolar. Com a minha integração no núcleo de estágio da escola do Teixoso, procurei sempre estar presente e ser um agente crítico de todas as actividades que possam ser desenvolvidas nas escolas. Pretendi também dar alguma especificidade à minha formação que era muito geral em Ciências do Desporto. Ganhar competências para a elaboração de planos anuais (anexo pág. 23), trimestrais, de unidades didácticas (exemplo em anexo pág. 26), de leccionação (exemplo em anexo pág. 27) e definir um modelo de avaliação do meu desempenho e dos alunos como relatório de aulas e actividades (anexo pág. 32), avaliação de aulas e unidades didácticas dos alunos (anexo pág. 33). Criar competências que possam ajudar-me futuramente na liderança e gestão de uma aula que pode aplicar-se em qualquer situação desportiva tentando solicitar comportamentos no Homem: “ Por isso o modo como ele (treinador) transmite informações, indica tarefas, supervisiona os praticantes e realiza as suas intervenções, constitui um problema básico do processo ensino-aprendizagem e da formação desportiva das crianças e dos jovens” e mesmo dos adultos. “Para que a intervenção dos agentes desportivos se revista de condições mínimas de sucesso é indispensável considerar alguns aspectos e preocupações de carácter psicopedagógico, quer no que se refere ao processo de liderança quer ao processo de comunicação.” Coelho, Olímpio (2004)

b) Escola

Os objectivos gerais do estágio, apresentados pela orientadora, reflectem-se em quatro áreas gerais de estruturação. A primeira diz respeito à Organização e Gestão do Ensino Aprendizagem; A segunda apresenta-se na Inovação e Investigação pedagógica; A terceira relativa à participação na escola e por fim a relação com a comunidade, definida como área número quatro.

Dentro de cada área de formação existem objectivos específicos para o estagiário:

Na organização e gestão do ensino aprendizagem o aluno perspectiva o espaço da aula, da escola e da comunidade como um campo de intervenção social e de formação da cidadania democrática. Utiliza na actividade profissional saberes da sua especialidade, multidisciplinares, considerando os contextos culturais e sociais dos educandos e da escola. Promove nos seus alunos competências no âmbito curricular, pedagógico e didáctico de Educação Física e Desporto Escolar. Utiliza linguagens e suportes de informação adequados às diferentes situações e utiliza a avaliação, nas suas diversas modalidades, como elemento regulador e promotor da qualidade de ensino, da aprendizagem e da escola.

No item da inovação e investigação pedagógica o estagiário projecta estudos de investigação – acção integrados na escola e respectivos contextos. Organiza o processo de construção de competências sociais e profissionais, na perspectiva do seu desenvolvimento ao longo da vida e da diversidade das realidades nacionais e internacionais.

Área três relativa à participação na escola o estagiário deverá analisar de modo crítico o Projecto Educativo de Escola e os respectivos projectos curriculares. Co-organiza e promove o ensino do desporto escolar e participa em acções de Educação e Promoção de Educação para a Saúde na Escola.

Relação com a comunidade o estagiário, privilegia as interacções com a família para apoiar os projectos de vida e formação dos alunos e valoriza a função social das instituições educativas.

Além destes objectivos existem uns comuns a todas as áreas. A saber, reflexão sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação e em outros recursos do seu desenvolvimento profissional e avaliação dos efeitos das decisões tomadas.



III – Metodologia

  1. Amostra

Ao grupo de estagiários foram atribuídas 2 turmas, uma do 8º ano e outra do 9º ano, que foram distribuídas pelos 4 alunos, dois para cada uma. A turma que me foi atribuída corresponde ao 9º ano turma A.

A turma caracteriza-se por 21 alunos, 11 femininos e 10 masculinos, com idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos. Seis dos alunos da turma são repetentes. Outros dois alunos têm necessidades educativas especiais. O Bruno é considerado disléxico mas está perfeitamente integrado sendo poucas as alterações em relação aos restantes colegas. O outro, João Marcelo pertence à unidade de alunos portadores de deficiência, acompanhando a turma apenas na aula de Educação Física.



  1. Planeamento

Os objectivos do planeamento e a sua competência são desenvolvidos ao longo do ano e respeitar critérios de qualidade e gestão curricular enunciados na literatura científica e pedagógica. Dessa forma o estagiário deve garantir um planeamento do período de avaliação e a sua aplicação ao contexto da turma e aos recursos espaciais e temporais disponíveis. Esta avaliação deverá integrar as primeiras semanas de aula. É fundamental que possa ter alguma informação da turma verificando se existe alunos que vão precisar de mais ou outro acompanhamento.

Elabora planos de turma garantindo que as decisões formam uma unidade pedagógica coerente equilibrando as orientações no programa oficial. Deverá começar por um plano plurianual estabelecido no âmbito do Grupo de Educação Física da escola. O plano de turma deverá ter seguimento nos planos de etapa ou planos de unidade didáctica que facilitem o processo de ensino aprendizagem. É fundamental respeitar a heterogeneidade dos grupos turma. Todos os recursos devem ser mobilizados de acordo com as necessidades da turma e ter em conta a flexibilidade, no seio do grupo, das instalações e material, potencializando as possibilidades formativas que podem ser oferecidas. Planifica as unidades de ensino, as estratégias de actuação e assegura a correcção didáctica da selecção e estruturação dos conteúdos e das actividades de aprendizagem. Deve encontrar coerência entre todos os planos de acordo com os dados da avaliação formativa e sumativa. Manifesta capacidade de planear em grupo, estagiários, grupo de Educação Física e Conselho de Turma antecipando a sua intervenção, promovendo um clima de respeito e inter-ajuda.

Através do suporte anterior o planeamento surgiu na interacção do grupo de estágio respeitando sempre as infra-estruturas disponíveis e material existente. Houve um acordo entre todos na tentativa de nenhum estar condicionado ao material que não é necessário ao exercício da função da sua aula que pode ser orientada em simultâneo com outro professor. No planeamento do grupo de Educação Física para as unidades didácticas existiu uma tentativa de não administrar aulas da mesma modalidade no mesmo horário para que não se corresse riscos de alteração de plano de aula. Ainda que o material fosse suficiente para a orientação da mesma modalidade em simultâneo e em duas turmas distintas, esta poderia compreender limites para o planeamento ou diferenciar o material atribuído a uma ou outra turma.

Seguidamente apresentarei duas preocupações que levaram ao planeamento proposto para a turma do 9ºano. A primeira foi, os dois estagiários docentes da turma, puderem ser titulares nos vários modelos de actividades pertencentes ao programa Nacional de Educação Física. Concretizando, as modalidades denominadas colectivas, foram administradas duas por um aluno e 3 por outro aluno estagiário (andebol, futebol, “Tag” Rugby, basquetebol e voleibol). Nas de confronto directo, um foi responsável pelo Badminton, ficando ao outro atribuído o Ténis. No atletismo foram divididas as modalidades e por fim, em relação à ginástica, um orientou a ginástica de solo e outro a ginástica de aparelhos. Cada um destes modelos tem especificidades próprias e estratégias únicas de desenvolvimento na turma, pelo que a experimentação e sentido crítico das mesmas no estágio pedagógico, possam ser uma mais-valia para o planeamento e avaliação futuras.

A segunda preocupação foi a tentativa de enquadramento destas actividades com a época do ano, considerando temperaturas relacionadas com o risco de lesão. Algumas modalidades como por exemplo a ginástica propiciam a força e intensidades diferentes em que o tempo mais frio, pode não permitir um aquecimento feito nos limites, até mesmo pela pouca disposição dos alunos à modalidade. Assim houve uma tentativa de eliminar estas actividades nos meses de Novembro a Fevereiro. Todas as que teriam que ser realizadas no gimnodesportivo, excluindo a ginástica foram concretizadas neste espaço temporal referido anteriormente. É fundamental que seja aproveitado ao máximo os espaços exteriores da escola até para promover a prática de exercício físico ao ar livre.

O início do planeamento com a unidade didáctica de basquetebol também foi escolhido através de alguns parâmetros:

- Modalidade culturalmente conhecida e que pode despertar interesse em todos os alunos;

- Permite o conhecimento da turma e dos seus alunos numa modalidade que à partida não levantasse contestação e que a pré-disposição para a modalidade fosse elevada pela maioria;

- Permite o reconhecimento da turma como um todo e o comportamento desta face a actividades de cooperação e coordenação em equipa que deve ser um dos propósitos fundamentais da disciplina para o cumprimento do objectivo inclusivo a que se propõe a escola.

Por fim atendemos à rotação dos orientadores nas unidades didácticas e tivemos em conta a não repetição do “tipo” de modalidades alternando os colectivos com confronto directo e individuais.

No planeamento de cada unidade didáctica, refiro no meu caso que preparei sempre tendo em conta os critérios para a turma, iniciando com a introdução à modalidade e finalizando com o máximo de conteúdo previsto para a mesma. Durante a mesma poderia realizar alterações porque a turma não conseguiu atingir determinados objectivos. O desenvolvimento cognitivo não deve nunca ser excluído ainda que existam dificuldades no desempenho. (planeamento em anexo pág. 23)


  1. Recursos Humanos

Pessoal não docente

Sector



Pessoal administrativo

8

SASE

2

Cozinheiras

4

Guardas-Nocturnos

3

Auxiliar da Acção Educativa

2º e 3º ciclos

10

Total

27

Pessoal docente

Docentes



Professores do 2º e 3º Ciclos Quadro de Escola

28

Professores do 2º e 3º Ciclos QZP

12

Professores do 2º e 3º Ciclos Contratados

9

O grupo de educação física é composto por quatro professores titulares de turma e quatro professores estagiários.

d) Recursos Materiais

Em termos dos materiais e infra-estruturas a escola, na sua dimensão e densidade populacional está muito bem servida e garante as melhores condições para os alunos. Em qualquer modalidade podemos garantir o material não só necessário mas em óptimo estado para uso dos alunos. Existe também uma grande responsabilização dos professores na manutenção do mesmo e uma gestão de substituição de material bem organizada e com muito sentido de oportunidade na sua aquisição, garantindo o mínimo custo possível. (Inventário em anexo pág. 34)



  1. Dificuldades sentidas

Na análise das dificuldades sentidas apresentarei por período e a evolução que foi sendo efectuada mostra que alguns problemas foram sendo resolvidos com o aumento da experiência e estratégias de implementação de um determinada exercício ou plano de aula, surgindo outros de outra dimensão.

Assim no 1º período os estagiários, não divulgando quais foram, apresentaram algumas dificuldades descritas abaixo.



1º Período

Todos os alunos estagiários já haviam desempenhado por algum tempo funções em clubes desportivos e a sua postura perante a sala de aula era descontraída e pouco autoritária. A aula nunca tomou nenhum rumo de descontrolo mas por vezes alguns alunos perturbavam a acção e correcto desempenho de outros, não sendo por vezes devidamente punidos ou chamados á atenção para esse facto.

Um dos principais problemas diagnosticados por mim foi a de falta de imaginação na preparação das aulas. Penso que o professor avaliou muitas vezes a aula como o treino desportivo mas acho que os comportamentos devem ser diferentes. Os objectivos de uma e outra organização têm diferenças e nem todos os alunos estão da mesma forma dispostos a aprender uma modalidade, pelo que os conteúdos e regras da modalidade devem estar subjacentes mas utilizando mais jogos que não levem sempre a bola ao cesto, por exemplo. A dinâmica de grupo e o trabalho de equipa também são essenciais, ou são até mais importantes que por exemplo, um lançamento ao cesto.

As alterações nas situações de jogo como por exemplo o obrigar a bola a passar por todos os alunos, era visto por muitos como um problema e um desinteresse para o jogo. Podia até não dar resultado mas penso que uma conversa com os alunos sensibilizando-os para esse facto poderia até fazer com que alguns alunos não vissem essa dificuldade como um problema para o jogo. Fazê-los perceber que a aula é para todos e que é importante que todos possam participar, independentemente do resultado final. É importante retirar aos alunos o foco da vitória como objectivo principal. Para as modalidades colectivas devem ser ministradas situações que promovam dinâmica de grupo dentro da turma que possam depois passar para fora da aula de educação física.


Em algumas situações de aula mais individuais, os alunos centravam-se na actuação de cada um, gerando gozo pelos assistentes e desconforto para o praticante. Uma forma de o evitar poderá ser o criar mais estações básicas que não seja necessário a intervenção directa do professor, de forma a desviar a atenção dos alunos e não se foquem no exercício principal que faz parte do objectivo da aula e dessa forma não dar possibilidade para comentar o desempenho dos outros.
Numa das turmas orientadas pelos estagiários em aulas sucessivas houve um enorme tempo de execução e repetição de exercícios, fazendo com que os alunos realizassem correctamente o pedido durante 2, 3 minutos e nos restantes executassem fora dos seus limites e até incentivando os colegas a realizar o exercício de forma adulterada e sem cumprimento do objectivo. Deveria ser dada mais voz de comando e mostrar aos alunos que estavam numa sala de aula. O professor tem ainda muita dificuldade em projectar a voz pelo que é importante recorrer a outros métodos para obter a atenção dos alunos.
Existiu uma dificuldade em sensibilizar os alunos a chegar a horas à aula sem ter que marcar falta. Para que estes nos aceitassem de forma positiva e porque estávamos no inicio, entendíamos que a rigidez dos horários e a marcação de faltas pudesse comprometer um relacionamento positivo. Percebemos também que esse facto é um valor que eles têm que assimilar e que a marcação de uma falta é importante para que eles percebam que os horários têm que ser cumpridos e isso não implica que os professores os queiram prejudicar.
2º Período
Neste trimestre não foram ainda criadas rotinas que nos permitam confirmar quando são as reuniões de departamento e grupo de educação física e muitas vezes somos avisados por outros já perto da reunião. As datas são afixadas mas não consideramos ainda a visualização diária do placar de avisos. São reuniões que podem ser marcadas em qualquer altura mas que são realizadas num espaço temporal específico que os professores mais experientes já têm conhecimento. Outro é em relação às avaliações intercalares e de final de período. Após o segundo trimestre penso que já compreendemos melhor o funcionamento das avaliações e quais são as tarefas específicas de cada disciplina para apresentação em reuniões e para lançamento de notas no executivo. Até aqui fomos sempre esclarecidos pelo orientador de estágio porque não faz parte da nossa rotina essas tarefas e pareceu-me que todos nós, estagiários, passávamos o tempo a perguntar o que é agora e o que se segue e para quando temos que entregar as avaliações e onde. É uma situação normal de quem está a iniciar actividade numa escola mas que apresento ainda como uma dificuldade demonstrada neste período.
3º Período
O presente período revelou-se bastante curto mas com muitas actividades extra aulas relacionadas com o Desporto Escolar, acções de sensibilização e outros. A análise é reflectida mais nestes parâmetros pois as unidades didácticas foram poucas e já não apresentaram grandes problemas de orientação. Até aqui cada um de nós desenvolveu capacidades para orientar uma aula, respeitando as suas prioridades quanto ao planeamento da unidade didáctica e plano de aula. Foi um período também em que os alunos realizaram provas de aferição e existiram substituições e pedidos dos professores para substituírem a aula de educação física, para que pudessem cumprir com o proposto no início do ano. Parece-me uma situação que é comum a outras instituições, retirando a importância, ou negando a Educação Física como disciplina obrigatória e com igual importância na formação do aluno. Terminando, foi um período marcante pelas actividades que são apresentadas abaixo e que têm suporte crítico e sugestivo nos relatórios específicos de cada uma.


f) Aspectos positivos e negativos

Aspectos positivos:

  • Integração dos alunos estagiários nas turmas, grupo, departamento e escola;

  • Organização do trabalho escolar com outros paralelos e criação de rotinas que se relacionam com as possíveis deslocações a fazer para a escola;

  • Interacção contínua com os alunos do ensino especial, compreendendo cada vez mais a escola como instituição inclusiva e capaz de fazer interagir qualquer ser humano;

  • Quantidade e qualidade das vivências no ambiente escolar e externo, através de actividades, que não incluem apenas a leccionação;

  • Integração inicial na turma sem assistência às aulas do orientador que se poderiam tornar uma condicionante.

Aspectos negativos:

  • Falta de contacto com encarregados de educação, que não implica que possa ser um ponto fraco dos estagiários. Simplesmente não tivemos essa vivência talvez porque poderia inclusive não ser pertinente para os pais ou orientador;

  • Falta de reflexões entre os alunos e o departamento de Ciências do Desporto;

  • Falta de interacção entre a orientação escolar e a orientação do departamento;

  • Falta de critérios de avaliação comuns a todos os estagiários.

IV – Outras actividades

No tópico de outras actividades abordarei também o desporto escolar. Ao longo de todo o ano, até ao dia 15 de Maio, contámos com inúmeras actividades relacionadas á educação física, ensino especial, convívios de comunidade escolar, festas de alunos, eventos multidisciplinares, acções de formação e acções de sensibilização. Ao todo foram contabilizadas 18 actividades para além das aulas que nos foram propostas para orientar. Resumidamente, marquei presença em todo o tipo de actividades, seja na parte organizativa, controladora ou participativa que farão parte do meu quotidiano escolar futuro. Ainda existem outras planeadas mas até à presente data, 18 é o número de actividades principais. Seguidamente apresento as diversas actividades referindo o número da página em anexo que contêm o relatório da mesma. No campo do Desporto Escolar integrei todas as realizadas na escola e distritais. A saber, Compal Air escolar e distrital (anexo pág. 53), corta-mato escolar e distrital (anexo pág. 57), Nestum Rugby escolar e distrital (anexo pág. 61) que foi efectuado na escola do Teixoso onde estive incluído na parte da organização e controlo da actividade, mega salto e mega sprint escolar e distrital (anexo pág. 65).

Estive também activamente envolvido na unidade de ensino especial durante todo o ano, participando em todas as actividades realizadas na escola e no desporto escolar para estes alunos (anexo pág. 69). Durante todo o ano acompanhei estes alunos nas mais diversas actividades do desporto escolar, organizei e controlei o evento do Dia Mundial do Portador de Deficiência (anexo pág. 77) na escola e fui requisitado para voltar a pertencer à organização e gestão do 1º Encontro de petanca, que integrará vários alunos do distrito com necessidades educativas especiais. Em outras actividades descrevo a actividade de esqui (anexo pág. 75) realizada na serra, a estafeta contra a pobreza e exclusão social (anexo pág. 73) onde participei na organização e corrida e a Festa de Carnaval da escola (anexo pág. 79).

Estive presente e recebi o certificado de participação na acção de formação de “Tag” Rugby (anexo pág. 80). Em relação às actividades propostas e organizadas pelo grupo de estágio, refiro a acção de sensibilização abordando a temática do Suporte Básico de Vida (anexo pág. 82) para professores e funcionários da escola, o convívio escolar na aldeia de Monsanto (Idanha-a-Nova) (anexo pág. 83) e a Acção de Sensibilização para todos os intervenientes da escola, em especial os alunos, sobre Hábitos de Vida Saudáveis e que integra também o estudo proposto para a disciplina de Seminário II do Departamento de Ciências do Desporto. Ao todo foram dadas 6 acções, relacionadas com os Hábitos dos alunos, em diversas turmas da escola onde foram também convidados a participar todos os professores e funcionários. A todas estas actividades acrescento uma que foi fundamental no meu estágio que foi a possibilidade de ter um horário semanal mais completo (anexo pág. 84), através da substituição de professores titulares com a continuidade do Desporto Escolar e reuniões que permitiu enquadrar os estagiários numa semana de trabalho e conhecer outras dificuldades que poderão surgir futuramente. Desenvolvi também fichas de trabalho que apresento em anexo (pág. 86).



V – Conclusão

Ao longo do ano lectivo o grupo de estágio esteve sujeito às mais diversas virtudes e dificuldades da escola, procurando a orientadora que todos nós participássemos e as vivenciássemos. No documento orientador foi-nos apresentado alguns pontos - chave que cumprimos sem que existisse uma obrigação, mas sim uma vontade em conhecer e integrar o que a escola nos podia oferecer de forma a estarmos preparados e com alguma experiência em actividades que farão parte do nosso quotidiano não só escolar. Outro aspecto positivo foi a rotina que foi criada extra-escola em termos de deslocações e outros trabalhos. Devemos também analisar o mercado actual e perceber que cada vez mais na nossa área não nos poderemos restringir a uma colocação na escola mas sim à criação de disciplina para sermos capazes de enfrentar deslocações longas, conciliação com trabalhos paralelos, desempenhando todos no limite, não da melhor maneira possível mas, da melhor maneira para quem nos contrata e recebe os nossos serviços. A melhor maneira possível pode não dar resposta às exigências quando não se tem o tempo mínimo para o desempenhar.

Outra conclusão muito importante e que vai de encontro ao objectivo da escola é o aquecimento da aula que me parece que muitos professores desprezam ou não consideram com a relevância que acho deve ser tida em conta. Na minha visão e tendo em conta documentos analisados e registados na bibliografia, o aquecimento ou activação inicial é o momento da aula em que se pré-dispõe os alunos para a aula e se consegue através do jogo lúdico contribuir para o parâmetro inclusivo da escola, fazendo interagir todos fora da orientação de uma modalidade onde sobressaem os mais aptos e competentes, delegando jogos e tarefas diferentes que podem fazer aumentar a dinâmica da turma e integrar todos não tendo em conta apenas as suas capacidades motoras.

Terminando sinto-me capaz de integrar qualquer escola e sinto-me preparado a ser um professor de educação física, um dinamizador do desporto escolar, um organizador de eventos directamente ligados aos alunos, comunidade escolar e comunidade onde se insere a escola, e um agente educador multidisciplinar.



VI – Recomendações

Através da análise e avaliação final, na minha visão a melhor forma de capacitar um estagiário é adoptar medidas e estratégias idênticas às realizadas no meu estágio. Nunca observei uma aula do meu orientador e acho extremamente positivo porque o professor estagiário vai certamente estar condicionado à postura e estratégias do orientador. No seu subconsciente estará sempre presente que é o nosso avaliador e vamos procurar fazer uma cópia ainda que não estejamos de acordo. Cada um de nós estagiários pôde adoptar a estratégia que faz parte do esquema mental previamente definido como o melhor para o desempenho das suas funções. No final da aula e sempre que o orientador achasse pertinente, o grupo era reunido e discutido um ou outro ponto, fosse ele marcado negativa ou positivamente. Depois foi atribuído a cada aluno, uma componente do Desporto escolar, ficando a mim destinado, a unidade de alunos com necessidades educativas especiais realizado na quarta-feira de manhã.

Em relação a outras actividades do Desporto Escolar foi uma aposta do nosso orientador que nós pudéssemos estar presentes em todas as actividades na escola e no exterior. Era mesmo tido em conta para a marcação de lugares nas deslocações, todo o grupo de Educação física escolar, incluindo naturalmente o núcleo de estágio. Por fim na componente de Direcção de turma, a primeira análise e caracterização da turma foi realizada pelo núcleo de estágio através da análise de inquéritos respondidos pelos alunos. Sempre nos era comunicado pelo orientador os aspectos relevantes dos encontros com os pais e os comportamentos e atitudes que os alunos iam mostrando durante o ano. Sempre tivemos conhecimento do estado curricular do aluno. Penso que neste aspecto faltou apenas estar presente numa reunião em que todos os pais fossem convocados para perceber a estruturação e ordem de trabalhos que é utilizado pelo orientador. Neste aspecto poderia ser mesmo importante seguir alguns procedimentos do nosso orientador que conta já com muita experiência neste campo. Comento apenas que o grupo de estágio não foi convocado mas podia e deveria tê-lo feito para culminar a sua formação. Em termos de actividades para a comunidade escolar e convívios, não nos foi atribuída nenhuma obrigação mas espontaneamente o grupo quis e proporcionou diversas actividades desse foro. Para terminar a ideia que quis mostrar não é a de o estágio tem de ser assim mas para o grupo de estágio do Teixoso parece-me ter sido a melhor adoptada, tendo em conta o futuro de um professor na escola. Avalio e reforço esta ideia através da minha confiança para o melhor desempenho das funções, pensando ainda ser importante a avaliação de toda a comunidade escolar em relação a cada estagiário, não no sentido daquele que gosta mais ou passou mais tempo mas com critérios que devem ser avaliados pelos alunos em geral, outros professores e conselho executivo. O estágio não é formar professores porreiros para a escola mas é fundamental que exista uma interacção com todos os agentes educativos escolares. Defendo esta ideia não no sentido do orientador obrigar à interacção com os funcionários e outros professores ao ponto final da orientação que visa a integração na escola. Felizmente todo o núcleo é composto por professores dinâmicos e que se integram socialmente de forma natural. Este deve ser um ponto-chave na orientação aquando exista alunos com dificuldade em integrar-se no ambiente escolar. Reafirmo que este não foi um problema identificado em qualquer aluno do núcleo de estágio.

VII – Bibliografia

Pedagogia do Desporto, Contributos para uma compreensão do desporto juvenil, Olímpio Coelho, Livros Horizonte, 2004, 2ª edição.

Documento fornecido pela Prof. Orientadora Ana Paula Carvalho Pereira para o Núcleo de estágio 2009/2010, onde são estabelecidas as principais orientações para a actividade a desenvolver no âmbito do estágio pedagógico.

Em movimento, 3º Ciclo do Ensino Básico 7º/8º/9º anos, Paula Batista, Lúcia Rêgo e Avelino Azevedo, Edições ASA.

Em movimento, Dossiê ProfASA, 3º Ciclo do Ensino Básico 7º/8º/9º anos, Paula Batista, Lúcia Rêgo e Avelino Azevedo, Edições ASA, 2008, 1ª edição.

Projecto Educativo, Transversalidade e Interdisciplinaridade, Agrupamento de Escolas do Teixoso, 2007-2010.



Anexos



Ano Lectivo 2009/2010

Planificação Anual de Educação Física




Data

9º A T

1º Período

17 /09/09

Recep/Apresentação 1

22/09/09 a 24/09/09

-Testes Condição Física 3

29/09/09 a 22/10/09

- Basquetebol 10

27/10/09 a 05/11/09

- Ginástica 6

10/11/09 a 17/11/09

- Atletismo 5

19/11/09 a 10/12/09

- Bandminton 6

15/12/09

Outras Actividades 2




Reservadas 1

Total




34

2º Período

05/01/10 a 26/01/10

- Voleibol 11

28/01/10 a 18/02/10

- Rugby 8

23/02/10 a 02/03/10

- Ginástica 5

04/03/10 a 23/03/10

- Andebol 9

25/03/10

Outras Actividades 1




Reservadas 0

Total




34

3ºPeríodo

13/04/10 a 06/05/10

- Futsal 12

11/05/10 a 18/05/10

- Atletismo 4

20/05/10 a 27/05/10

- Ténis 4

01/06/10 a 08/06/10

- Basebol 4

15/06/10 a 17/06/10

Outras Actividades 4




Reservadas 0

Total




28


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   23


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal