Uma nova etimologia dum verbo



Baixar 99,16 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho99,16 Kb.

Estudos de Glotologia indo-europêa

UMA NOVA ETIMOLOGIA DUM VERBO



No nosso anterior artigo tratámos de estabelecer a pos­sibilidade semântica da relacionação do verbo haver com o verbo ser. Neste, investigaremos se o caso é foneticamente possível. A semelhança de formas como bhavãmi, habeo, ha-ben, parecem autorizar-nos a aproximá-las, se bem que não

seja legítimo, como já o dissemos ao terminar o último arti­go, fazer corresponder um bh inicial, indo-europeu, a um h inicial latino ou germânico. Não que essa mudança fosse impossível. E' certo que Bopp a admitia (1), dizendo: "algu­mas vezes o h é o destroço duma letra aspirada (excepto de g)” exemplificando com mi-hi, que se pode comparar à forma plena bhyam, etc.; e que, identicamente, Schleicher (2) também a aceitava, embora a julgasse muito rara, dando como exemplos, além dos dados por Bopp, mais o da pala­vra horda; mas os trabalhos mais recentes dos filólogos teem posto em dúvida a legitimidade dos exemplos dados pelos dois ilustres mestres. Não intervirá essa transformação discutível, em todo o caso raríssima, na nossa hipótese. De

(1) Bopp — Grammaire Comparée des Langues Indo-Europeennes. tr.
de Bréàl, Paris, 1866. Vol. 1.°, pag. 66.

(2) Augusto Scheeicher—Compendium der vergleichenden Gramrfiatik
der Indogermanischen Sprachen — Weimar, 1862, pag. 250.

330


resto, certos factos que vamos sucintamente enumerar pare­cem mesmo rejeitar essa transformação e indicar outra mais verosimil.

Quanto a nós, os verbos habeo, haben, etc., provêem da raiz bhew- | bhu —, mais um prevérbio, como veremos.

E' bem sabido que, frequentemente, o verbo ser acom­panhado duma partícula designando uma circunstância de lugar, toma a significação de haver, verbo impessoal. Já fa­lamos do inglês there to be, a que se poderia acrescentar construção análoga em anglo-saxão com her (l); recordemos também o italiano que, acompanhando o verbo ser com ci ou vi, forma o verbo impessoal, ex. ci sono, vi sono, ha; e o facto de a partícula y, em russo, que se pode traduzir por "chez”, junto ao verbo ser, dar-lhe o sentido de "haver”. (2)

Êste estado, em línguas de grupos diferentes postula uma identidade de tendências, uma comunidade de origem, a ideia, enfim, de que na lingua primitiva assim se formaria o verbo haver, pela adição ao verbo "ser”, de qualquer partícula representando lugar.

Explicar-se-hiam então os factos a que aludimos no
nosso anterior artigo, quando dizíamos: "o verbo "ser”,
indo-europeu, entre outros sentidos, tinha o de "ser” e
de "haver”. Compreendemos assim porque o verbo tinha
os dois sentidos. Era a designação de lugar, como se infere
dos exemplos citados, que daria ao verbo substantivo indo-
europeu o significado de "haver”. Se assim não fosse, esses
casos modernos de
there to be, etc., ficariam absolutamente
incompreensíveis. Compreende-se assim também que a
acção analógica levasse o francês a criar a sua locução y
avoir, etc.

Se a nossa hipótese é justa, cumpre-nos procurar qual a partícula que, adjunta a * bhew-bhu * daria a chave das diversas formas que o verbo " haver” toma no latim, no germânico e mesmo no grego.

(1) Henry Sweet — An Anglo-Saxon Primer, Oxford. 1905. pag. 79 e 95.

(2) Fuchs Nouvelle grammaire russe, 4,a ed. 1905, pag. 50.

331


Uma se nos afigura nas condições semânticas e fonéti­cas de, unida a "bhewa — dar uma forma capaz de explicar os verbos em questão. Queremo-nos referir ao prevérbio *e, o, significando "perto”, "tendência para” que "só se encontra, como preposição viva, no indo-iraniano, sob a forma de a (longo), (1)

Em grego essa preposição aparece-nos algumas vezes sob a forma de e, p. ex. em e-thélo, (2)

Na língua dos Vedas, esse a (já vimos que e, o, em indo-iraniano toma a forma de a) liga-se frequentemente a verbos, tomando o sentido de "near”, "towards”, "hither”
"upon” (3) etc. Também no velho persa "onde a soldadura do prevérbio e do verbo é completa”, (4) lá aparece entre os poucos prevérbios conhecidos, com a significação de "vers”.

Temos pois um antiquíssimo prevérbio envolvendo ideia de lugar e que, ligado a *bhew- (a sua junção a *bhewd- e es — é tão frequente em indo-iraniano, que muitas vezes o prevérbio aparece só, ficando o verbo subentendido) daria na língua comum *obhew- *ebhw- e qualquer destas for­mas seria, quanto a nós, o étimo dos verbos que vimos estu­dando.

Os verbos derivados das raízes bhu e es — sempre ma­nifestaram uma grande tendência para formarem compostos. A'lem dos exemplos que a todos ocorrem, recordemos a riqueza de compostos nas línguas eslavas (5) e célticas; (6) assim a nossa hipótese de que a *bhew- se aglutinasse um prevérbio é, supomos, extremamente provável.

Admitindo-se este primeiro ponto, poderemos explicar foneticamente a evolução de *obhew- para as várias formas habeo, haban, agan, etc.

Em primeiro lugar estudemos a oclusiva aspirada bh

(J) K. Brugmann — Abrégé de Grammaire comparée des Langues Índo-Européennes, tr. fr. 1905 — pag. 491.

(2) K. Brugmann — Id. ibid.

(3) A. A. Macdonell — Vedic Grammar, Strassburg, 1910, pag. 419.

(4) A. Meillet — Grammaire du Vieux Perse, Paris, 1915, pag. 131.

(5) Berneker — Slavisches Etymologisches Wõrterbuch—Heidelberg,
Erster Band, 1908-1913, pag. 265, D3-114.

(6) Pedersen —Vergleichende Grammatik der Keltischen Sprachen,
Zweiter Band, Goettingen,, 1913, pag. 441.

32

332



medial, Qual a sua correspondência, em latim e em germâ­nico? Em ambos os grupos é b (1) a respectiva correspon­dência.

E assim vê-se que um dos obstáculos que se apresenta­vam à relacionação do haban germânico com o habeo latino, é completamente removido. Com respeito ao h inicial de habeo e de haban, notemos a sua pouca consistência em la­tim, que permitiu as contrações de "de-híbeo”, "prae-hibeo” em "debeo” e ''praebeo”, e as formas em médio inglês que toma hauen—aue, aueth, etc, (2) o que pareceria indicar o ser o h espúrio, ou então simplesmente analógico, influen­ciado, para o germânico p. ex., pelo verbo semelhante heben, angl. sax. hebban, etc. (3).

No entanto, para a frequência do h nos nossos verbos, uma causa importante poderia intervir—falamos duma metá-tese de aspiração, consistindo, neste caso, na deslocação da aspiração da sonora aspirada média para a inicial. E', com efeito, conhecido o facto de certos sons passarem .a aspira­dos por influência duma aspirada próxima, e até a passa­gem da aspiração para a posição inicial (4).

Deixando, por agora, a correspondência vocálica, pas­semos a examinar se havia possibilidade de juntar ao grupo que estudamos de verbos significando haver, os de idêntica significação, mas foneticamente muito dissemelhantes, que são os verbos ang. sax. ãgan, v. a. alemão eigan got. aigan, isl eiga, etc., e, verosimilmente, o grego écho.

A permuta de labiais com guturais é matéria já muito conhecida e discutida e tem servido até para sobre ela se arquitectarem teorias filosóficas acerca da origem da lingua­gem. André Lefèvre, por exemplo, no seu belo livro «Les Races et les Langues», assim se refere a essa permuta:

«Vê-se bem, em rigor, que houve luta entre a tendência gutural e a emissão labial... esta conclusão será mais ne-

(1) A. Meillet — Introduction a 1'Etude Comparatif des Langues Indo-Européenes 4.e ed. Paris. 1915. pág. 67.

(2) Mayhew and Skeat — A Concise Dicíionary of Middle English, from A. D. 1150 to 1580 — Oxford, 1888 s. v. Hauen.

(3) acerca da etimologia destes verbos, v. Skeat — A Concise Etymo-logical Dictionary of the English Language—Oxford, 1911, s. v. Heave.



(4) Brugmann—op. cit. pág. 208 e 260.

333


cessaria ainda se aproximarmos as diversas formas de cinco, as palavras boi, bos, bous, gans, kuh, cow, etc.” (l)

O próprio verbo "haver” nas línguas romanas nos vai mostrar essa alternância de labiais e guturais, que também, como veremos, nos parece ter-se dado nos verbos de tipo haban e de tipo agan—.

Já em português nos aparecem formas do conjuntivo como haja—, etc., (que, segundo Meyer-Lubke, parecem derivar-se antes de haya do que de habea—), (2) e no velho galego, na "Estoria troyãa” ocorre ajo, no pres. do indi­cativo (3).

No provençal, porém, a alternância é mais evidente. O verbo aver tem aí formas curiosas, como p. ex.: perfeito, aic, agui (aigui) agaert, etc; o condicional — agra agras, etc.; part: agut (avut). A perífrase forma-se com o mesmo verbo, como ai agut, avia agut. (4) No francês antigo vemos também augrent, (6) etc., mas no italiano e seus dialectos, são nume­rosíssimas as formas em gutural. «Aggio, ainda conhecido pelos mais antigos escritores, diz Meyer-Lubke, cedeu o lu­gar à forma ho, tirada de hai, ha, e imitada de sto, stai, sta; Os factos são mais complicados nos dialectos. Em primeiro lugar conservou-se em Tarento aggti, na Córsega accu, akku em Ajáccio, agyu em Modica, etc., e remata que não se pode dizer com certeza se estas formas provêem de ha-beo se de hayo. (6) No entanto, parece-nos que o grande Mestre se inclina para a última, em vista da sua opinião que expusemos a propósito do português (e do espanhol). E sendo assim, devemos convir que o y de hayo deveria ser fortemente guturalizado, e talvez, até, dialectalmente, gutural pura, em vista da sua ulterior evolução.

O que se deu no domínio latino dever-se hia ter dado no germânico, onde a tendência para a guturalização é for-

(1) André Lefèvre — Les Races et les Langues, Paris, 1893, pag. 10.
(2)
Meyer-Lubke — Grammaire des Langues Romanes, tr. pr. 2.° vol. pág. 305.

(3) J. Cornu—Grammatik der Portugiesischen Sprache — 1906-pág. 1025.

(4) Diez—Grammaires des Langes Romanes, tr. fr. 1874, vol. II, pág. 184. V. Raynouard — Lexique Roraan ou Dictionnaire de la Langue des Troubadours, 1844, vol. O pág. lx — lxi.

(5) Diez, op. cit. id, pág. 210.

(6) Meyer-Lubke, op. cit. id, pág. 302.

.334


temente acentuada, a tal ponto que palavras como gaine <vagina* gâter < vastare etc., no francês, se explicam por influência germânica (l) e, sendo assim, os verbos do tipo teutónico habe — facilmente se converteriam nos de tipo aigan — como ang. sax. ãgan, velho alto alemão eigan, got. aigan, isl. eiga, etc.

O que pela semântica se poderia suspeitar, pois que os verbos deste último tipo significam semelhantemente aos do primeiro «ter», «possuir» e têem do .mesmo modo funções de verbos auxiliares, começa a ser, pois, confirmado foneti­camente, pela fácil substituição das labiais pelas guturais.

Mas a perda do h inicial, que aparece nos verbos do primeiro tipo? Na nossa hipótese de que a aparição do h fôsse devida a uma metátese de aspiração, muito facilmente se explicaria a sua queda, ou mesmo a não existência do h nas formas do tipo aigan-, visto como as transformações da aspirada, em gutural, não daria margem a qualquer desloca­mento de aspiração.

Mas, fenómenos de analogia, que exporemos, motivariam fortemente a forma tomada pelos verbos desta série, bem como até a transformação da labial em gutural.



É conveniente porém, que desde já nos refiramos ao verbo écho que bem poderia ter nas suas formas primitivas espírito áspero, dada a aspirada que contém.

A idea de relacionar écho com aigan, etc., não é nova. Já se encontra no glossário que acompanha a tradução de Ulfilas. (3) No artigo anterior já dissemos quais as opiniões dos filólogos acerca da origem deste verbo, e salientamos que Bopp admitia a possibilidade das suas formas provirem de duas raízes diferentes. Bem sabemos que não é essa a dou­trina corrente entre os filólogos posteriores a Bopp.

No entanto o peso duma opinião do genial filólogo é considerável, tanto mais que ele encarou também a possibili­dade de todas as formas derivarem duma só raiz. Ora, no caso de admitirmos, como Bopp, duas raízes diferentes na formação desse verbo, proporíamos que uma delas fosse a base que, quanto a nós, deu habeo, haban, agan, etc..

(1) Brunot — Précis de Grammaire Historique dê-la Langue française,
1899, pág. 76.

(2) Ulfilas — Veteris et Novi testamenti versionis gothieae frag­menta quae supersunt, cum Glossariis et Grammatica linguae Gothicae. Ed Gabelanty et Loebe — Lipsiae, 1843 - 46, y. 2.°, s. v. aigan.

335


E a nossa argumentação seria que a raiz bhu, alêm de dar -----, sem prevérbio, teria com o preverbio * o, e, dado
uma forma com gutural écho, dando-se uma passagem do ph em ch idêntica, por exemplo, à que se deu nas palavras échis e óphis. (1)

Temos até aqui justificado as variações consonânticas, reservando-nos para maior desenvolvimento se acaso este en­saio suscitar polémica.



Resta-nos, contudo, mostrar a plausibilidade das mutações vocálicas, de que temos feito abstracção, por necessidade de método. Serão elas tratadas no próximo artigo assim como nele também diremos qual a causa poderosa e necessária que motivou um grande número das evoluções propostas, tor­nando a nossa hipótese extremamente verosímil.

Matozinhos, 28 de Junho de 1921.



josé teixeira rego.

(1) Menge — Griechsch — Deutsches Schulworterbuch — s. v. Échis. V. também — A. Lefèvre — Les Races et les Langues, 1898, pag. 278.

NOTA — Além dos erros tipográficos apontados na respectiva secção do número transacto, o nosso 1.° artigo contêm muitos outros, alguns dos quais graves. Como brevemente publicaremos em livro estes e outros en-saio de filologia, para aí reservamos a sua correcção.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal