Um paíS, um género: a itália e o realismo



Baixar 305,24 Kb.
Página2/4
Encontro03.05.2017
Tamanho305,24 Kb.
1   2   3   4

MANDINGO

Mandingo de Richard Fleischer

com James Mason, Perry King, Susan George, Brenda Sykes, Ken Norton

Estados Unidos, 1975 - 128 min / legendado electronicamente em português

Na altura da sua estreia choveram acusações de racismo sobre esta obra “sulista” de Richard Fleischer. A acção decorre numa plantação do Sul, em 1840, no meio de um crescente descontentamento entre os escravos, que acabarão por se revoltar face à prepotência do filho do proprietário, que mata a mulher que o enganara com um negro e o filho que nasceu da relação, e castra o escravo. Um filme considerado como a desmistificação de GONE WITH THE WIND. Para alguns um “filme abominável”; para outros uma das obras-primas de Fleischer.



Sex. [22] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

Ter. [26] 22:00 - Sala Luís de Pina

TOUGH ENOUGH

O Mais Duro do Texas de Richard Fleischer

com Dennis Quaid, Carlene Watkins, Stan Shaw, Pam Grier

Estados Unidos, 1983 - 107 min / legendado electronicamente em português

Apesar do seu fracasso comercial, TOUGH ENOUGH foi um dos filmes favoritos de Richard Fleischer, que foi chamado a realizá-lo para substituir o director original. Fleischer reescreveu o argumento e deu-lhe um tom de comédia de aventuras. É a história de um cantor folk que entra num concurso de luta para financiar a sua carreira de cantor.



Sex. [22] 19:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

RED SONJA

Kalidor, a Lenda do Talismã

de Richard Fleischer

com Arnold Schwarzenegger, Brigitte Nielsen, Sandahl Bergman, Paul Smith

Estados Unidos, 1985 - 89 min / legendado em português

Segundo filme de Fleischer com o “senhor músculo”, Arnold Schwarzenegger. Como o anterior, CONAN THE DESTROYER, é uma aventura de “espada e feitiçaria”, com o novo herói, Kalidor, aliado a uma soberba e indomável guerreira, Red Sonja, na luta desta contra a rainha que mandara matar a sua família.



Sex. [22] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

Qua. [27] 22:00 - Sala Luís de Pina

AMITYVILLE

Amityville de Richard Fleischer

com Tony Roberts, Tess Harper, Robert Joy, Candy Clark

Estados Unidos, 1983 - 93 min / legendado electronicamente em português

Terceiro filme de uma série popular de terror, no subgénero “casa maldita”. Após uma sessão “espírita” em que é desmascarada uma fraude, um jornalista resolve comprar a célebre casa “assombrada” de Amityville. Mas irá verificar que havia algo de mais inquietante e ameaçador. Segunda experiência (depois de ARENA), de Fleischer nas três dimensões. A ver em projecção unidimensional.



Ter. [26] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

Qui. [28] 19:30 - Sala Luís de Pina

MILLION DOLLAR MYSTERY de Richard Fleischer

com Eddie Deezen, Wendy Sherman, Rick Overton, Mona Lyden

Estados Unidos, 1987 - 95 min / legendado em português

Um trabalhador do governo informa que foram roubados 4 milhões de dólares por um grupo líbio, mas morre antes de encontrar todas as provas. Começa então uma corrida louca atrás do dinheiro. Penúltimo filme de Fleischer, inédito entre nós.




RAINER W. FASSBINDER - O AMOR É MAIS FRIO do QUE A MORTE

Em Colaboração com a Fundação Fassbinder (Berlim) e com o Goethe Institut (Lisboa)

Retrospectiva integral (fim da primeira parte)
Chegamos ao fim da primeira parte desta retrospectiva monumental e integral da obra de Rainer W. Fassbinder, cuja conclusão será apresentada em Outubro e Novembro. Seguindo a divisão da obra de Fassbinder em capítulos, tal como é proposta no livro de Christian Braad Thomsen cuja tradução publicamos à guisa de catálogo, apresentaremos filmes que ilustram os seguintes capítulos: “Séries Televisivas”, “Filmes de Mulheres”, “Filmes em Vídeo”, “Exigir sem Amar” e “Perda de Identidade”. Uma característica importante do conjunto de filmes de Fassbinder apresentados em Junho (completados por alguns clássicos de Hollywood, de Cukor e Sirk) é que ilustra a enorme variedade formal da sua obra. Alguns destes filmes ilustram de modo directo a sua relação com o teatro, que sempre foi fortíssima: DAS KAFFEHAUS (único espectáculo da sua troupe a ter sido preservado em filme ou vídeo), BREMER FREIHEIT e NORA HELMER, que transpõem para a televisão montagens cénicas de Fassbinder. Outros fazem parte dos seus filmes mais conhecidos, como O DIREITO DO MAIS FORTE À LIBERDADE, O MEDO COME A ALMA e MUTTER KÜSTERS FAHRT ZUM HIMMEL. Outros ainda são raríssimos, como a mini-série de ficção científica WELT AM DRAHT e o paródico programa de televisão WIE EIN VOGEL AUF DEM DRAHT. Poderemos verificar deste modo que, além de ser um dos grandes narradores e dramaturgos do cinema contemporâneo, Fassbinder era um mestre das formas cinematográficas, mesmo depois de abandonar o cinema “vanguardista” dos seus começos.

Todos os filmes serão apresentados uma só vez (à excepção de MARTHA, já apresentado em Abril, na sessão inaugural do Ciclo, e agora retomado no capítulo “Filmes de Mulheres”, segundo a divisão da obra de Fasssbinder adoptada na programação).



Séries Televisivas / 2

Sex. [01] 19:30 - Sala Luís de Pina

WELT AM DRAHT

O Mundo num Arame” de Rainer W. Fassbinder



1º episódio

com Klaus Löwitsch, Adrian Hoven, Mascha Rabven, Ivan Desny

Alemanha, 1973 - 91 min / legendado electronicamente em português

Baseado num romance de Daniel F. Galouye, WELT AM DRAHT é um filme de ficção científica em duas partes, realizado para a televisão. Uma equipa de cientistas criou um modelo que permite simular o modo como a sociedade se desenvolverá no futuro: os seus membros são bonecos vivos, inspirados em pessoas reais. O chefe da equipa de cientistas, assustado com o que fizera, suicida-se e o seu assistente começa a investigar o caso.


Séries Televisivas / 2

Sex. [01] 22:00 - Sala Luís de Pina

WELT AM DRAHT

O Mundo num Arame” de Rainer W. Fassbinder



2º episódio

com Klaus Löwitsch, Mascha Rabven

Alemanha, 1973 - 106 min / legendado electronicamente em português

Na segunda parte de WELT AM DRAHT, o assistente do chefe da equipa de cientistas foge e acabará vencido. Christian Braad Thomsen observou que este filme não deixa de ser fiel ao universo de Fassbinder. “O estilo de representação por ele favorecido nunca pareceu tão “natural” como nesta série, na qual os actores devem exibir a tal “artificialidade” que o público de cinema normal tantas vezes reprovava nos filmes dele. Neste contexto de ficção científica, os actores de Fassbinder, com os seus movimentos ligeiramente robóticos, os seus olhares fixos e uma forma de falar própria de um locutor televisivo em horas extraordinárias, parecem quase naturais.”


Filmes de Mulheres”

Seg: [04] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

ANGST ESSEN SEELE AUF

O Medo Come a Alma de Rainer W. Fassbinder

com Brigitte Mira, El Hedi Ben Salem, Barbara Valentin, Irm Hermann

Alemanha, 1973 - 93 min / legendado em português

História da ligação entre uma mulher de limpeza alemã de meia-idade e um imigrante árabe mais novo do que ela, ANGST ESSEN SEELE AUF é um remake peculiar de ALL THAT HEAVEN ALLOWS, de Douglas Sirk, feito com imagens simples e estilizadas, sem evocar o contexto visual altamente artificial do cinema americano, contrariamente a um filme como MARTHA. Fassbinder fez um filme profundamente crítico, porém sem escolher os alvos tradicionais da esquerda, como a polícia e o senhorio, por exemplo, e acentuando as responsabilidades do indivíduo. “Com esta atitude, Fassbinder entrou em conflito com as classes médias conservadoras e, também, com os filhos neo-estalinistas dos movimentos estudantis”, como observou Christian Braad Thomsen.


Filmes de Mulheres”

Ter. [05] 19:30 - Sala Luís de Pina

ALL THAT HEAVEN ALLOWS

O Que O Céu Permite de Douglas Sirk

com Jane Wyman, Rock Hudson, Agnes Moorehead, Conrad Nagel

Estados Unidos, 1955 - 89 min / legendado electronicamente em português

Um dos grandes filmes de Douglas Sirk neste período, ALL THAT HEAVEN ALLOWS é um objecto do mais extremo artifício, mas é-o de modo consciente e assumido. Jane Wyman é uma viúva, ainda jovem, numa pequena cidade da Nova Inglaterra e Rock Hudson, um jardineiro cerca de quinze anos mais novo, torna-se seu amante. Apesar da oposição dos filhos da viúva e dos habitantes da cidade, o amor acaba por triunfar, num irónico happy end. Em 2002, Todd Haynes fez um remake deste filme, FAR FROM HEAVEN/LONGE DO PARAÍSO, substituindo os clichés dos anos 50 pelos do ano 2000, mas sem a ironia de Sirk em relação ao que mostra. Muito antes disso, em 1973, Fassbinder fizera um remake peculiar deste filme de Sirk, ANGST ESSEN SEELE AUF/O MEDO COME A ALMA (“Nos filmes de Douglas Sirk as mulheres pensam. Isto é algo que jamais notei no trabalho de outros realizadores”).


Filmes de Mulheres”

Qua. [06] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

FONTANE EFFI BRIEST

Amor e Preconceito de Rainer W. Fassbinder

com Hanna Schygulla, Wolfgang Schenck, Karlheinz Böhm, Ulli Lomel

Alemanha, 1974 - 100 min / legendado electronicamente em português

Um dos projectos mais acarinhados de Fassbinder, esta adaptação do romance de Theodor Fontane foi o seu maior êxito de público na Alemanha e tem um longo subtítulo: “Ou os muitos que fazem uma ideia das suas possibilidades e necessidades, porém, aceitam através das suas acções a ordem dominante, ajudando, dessa forma, a sustentá-la e a fortalecê-la”. Pelo facto de Fassbinder ter trabalhado na adaptação do romance de modo ininterrupto entre 1969 e 1974, alguns críticos são de opinião que FONTANE EFFI BRIEST influenciou todos os filmes que Fassbinder realizara até então e todos os que faria depois. Trata-se de um dos seus filmes mais complexos, do ponto de vista formal, com um trabalho peculiar sobre a língua alemã.


Filmes de Mulheres”

Sex. [08] 22:00 - Sala Luís de Pina

MARTHA

Martha de Rainer W. Fassbinder

com Margit Carstensen, Karlheinz Böhm

Alemanha, 1973 - 116 minutos / legendado electronicamente em português

Apresentado uma vez na televisão em 1974 e só distribuído vinte anos depois, MARTHA é um dos pontos culminantes da obra de Fassbinder. É o primeiro filme em que se manifesta a sua admiração pelo cinema de Douglas Sirk e nele a perfeição de uma mise en scène clássica é posta ao serviço do seu mundo pessoal. E neste mundo o masoquismo tem um papel central. Fassbinder leva este tema a extremos em MARTHA, história da “educação” de uma mulher pelo marido, história da aceitação da opressão como uma necessidade. Numa perversão suplementar, Fassbinder dá o papel do marido a Karlheinz Böham, que, para as plateias alemãs, ainda evocava os açucarados filmes dos anos 50 sobre a imperatriz Sissi, em que fazia o papel do jovem Francisco José e para outras plateias era o alucinado “voyeur” de PEEPING TOM, de Michael Powell.


Filmes de Mulheres”

Seg. [11] 22:00 - Sala Luís de Pina

GASLIGHT

Meia Luz de George Cukor

com Ingrid Bergman, Charles Boyer, Joseph Cotten, Angela Lansbury, Dame May Whitty

Estados Unidos, 1944 - 114 min / legendado em português

Adaptação de uma famosa peça de ambiente vitoriano de Patrick Hamilton, que é também uma nova versão de um filme britânico de Thorold Dickinson. Ingrid Bergman conquistou o seu primeiro oscar no papel de uma jovem traumatizada por um assassinato que presenciou na infância e que acaba por desposar o perverso criminoso que procura levá-la à loucura. GASLIGHT foi um dos pontos de partida de MARTHA, de Fassbinder, com o tema da dominação perversa e da manipulação da mulher pelo marido. Por isso é apresentado neste Ciclo.


Filmes em Vídeo

Ter. [12] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

DAS KAFFEHAUS

O Café” de Rainer W. Fassbinder



com Margit Carstensen, Ingrid Caven, Hanna Schygulla, Kurt Raab

Alemanha, 1970 - 105 min / legendado electronicamente em português

Primeiro trabalho em vídeo de Fassbinder, feito muito antes da era do vídeo caseiro, DAS KAFFEHAUS é a única produção do “antiteatro” de Fassbinder preservada em filme ou vídeo (a preto e branco). Trata-se de uma adaptação de La Bottega del Caffè, de Goldoni. Porém, a peça original sofreu tantas alterações que pode-se dizer que se trata praticamente de outra peça. A acção tem lugar num café em Veneza, durante o Carnaval. Fassbinder filmou-a num cenário único, com todos os actores presentes em palco durante todo o tempo, mesmo quando as suas personagens não estão em cena. A peça é inteiramente filmada em planos-sequência e, embora haja movimentos de câmara, não há cortes no interior das cenas.


Filmes em Vídeo

Qui. [14] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

BREMER FREIHEIT

Liberdade em Bremen” de Rainer W. Fassbinder



com Margit Carstensen, Ulli Lomel, Wolfgang Schenck

Alemanha, 1972 - 87 min / legendado em espanhol

Se DAS KAFFEHAUS é um registo feito em palco, BREMER FREIHEIT é a transposição, filmada a cor para a televisão, da encenação de uma peça de Fassbinder, situada no século XIX e encenada em 1971, sobre uma mulher que envenenou várias pessoas que a impediam de ser feliz. “Na produção em vídeo, o aspecto visual é de uma beleza esmagadora. A acção decorre num palco quase vazio, contendo apenas os adereços indispensáveis: um toucador com espelho, um aparador e algumas cadeiras” (Christian Braad Thomsen).



Filmes em Vídeo

Sex. [15] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

NORA HELMER de Rainer W. Fassbinder

com Margit Carstensen, Joachim Hansen, Barbara Valentin

Alemanha, 1973 - 101 min / legendado em francês

NORA HELMER é uma versão para a televisão, feita em vídeo, da Casa da Boneca, de Ibsen, de quem Fassbinder montaria em palco neste mesmo ano Hedda Gabler. Fassbinder fez diversas “abreviações” ao texto e por isso alterou o título da peça, dando à sua montagem o nome da personagem principal: a sua Nora Helmer nada tem de uma “boneca”, nem de uma representante das lutas de emancipação feminina. É uma mulher fria e gananciosa, que não deixa o marido, como na peça, mas fica com ele, uma vez estabelecida uma nova relação de forças. Magnífico desempenho de Margit Carstensen, uma das actrizes predilectas de Fassbinder. A abrir a sessão a ante-estreia de A CURA de José Barahona (Ver entrada em “Ante-Estreia”).


Filmes em Vídeo

Seg. [18] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

WIE EIN VOGEL AUF DEM DRAHT

Como um Pássaro num Fio” de Rainer W. Fassbinder



com Brigitte Mira, Evelyn Künekke, Kurt Raab

Alemanha, 1974 - 44 min / legendado electronicamente em português

A abundância da obra de Fassbinder resultou numa grande variedade de formas. WIE EIN VOGEL AUF DEM DRAHT é um programa de televisão realizado com Brigitte Mira, a protagonista de O Medo Come a Alma e Mutter Küsters Fahrt zum Himmel. Brigitte Mira fora anteriormente artista de cabaret e neste programa canta canções dos anos 40 e 50, intercaladas com momentos de conversa. O título é copiado da canção de Leonard Cohen Bird on the Wire, um dos cantores favoritos de Fassbinder, com a qual o programa termina. Os cenários são variados, com réplicas irónicas de uma sala de estar e um ginásio, em homenagem a GENTLEMEN PREFER BLONDES de Howard Hawks.


Exigir sem Amar

Ter. [19] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

FAUSTRECHT DER FREIHEIT

O Direito do Mais Forte à Liberdade de Rainer W. Fassbinder

com Rainer W. Fassbinder, Peter Chatel, Ulla Jacobsen, Karlheinz Böhm

Alemanha, 1974 - 118 min / legendado em português

Um dos filmes mais célebres de Fassbinder, que também desempenha o papel principal. O DIREITO DO MAIS FORTE À LIBERDADE foi um dos filmes que Fasssbinder fez a seguir à descoberta do cinema de Douglas Sirk, cujo universo cinematográfico transpõe de modo muito particular. O tema do filme é, mais uma vez a manipulação dos sentimentos: um proletário, que ganha na lotaria, torna-se amante de um burguês cujos negócios não correm bem. O filme começa como um sonho e acaba em pesadelo: depois de explorado até ao último tostão, o proletário é abandonado, num desenlace nada feliz.


Exigir sem Amar

Qua. [20] 22:00 - Sala Luís de Pina

WRITTEN ON THE WIND

Escrito no Vento de Douglas Sirk

com Rock Hudson, Lauren Bacall, Robert Stack, Dorothy Malone

Estados Unidos, 1956 - 92 min / legendado em espanhol

Uma das grandes obras-primas de Sirk no seu período final, este é o mais delirante e apocalíptico filme de toda a obra do realizador. O delírio manifesta-se a nível da trama narrativa (os protagonistas são dois irmãos texanos de uma família de milionários, ele bêbedo e impotente, ela ninfomaníaca, contrapostos a um par de “bonzinhos”) e da realização. Cores anti-naturalistas e cenários super-dimensionados banham esta história em que a ironia de Sirk em relação à cultura americana (“os americanos não vivem, imitam a vida”) se manifesta na sua forma mais cáustica. Fassbinder descobriu a obra de Sirk em 1971, o que transformou a sua maneira de fazer cinema. E foi a propósito de WRITTEN ON THE WIND que escreveu. “Os filmes de Douglas Sirk libertam a cabeça”.


Exigir sem Amar

Qui. [21] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

ANGST VON DER ANGST

Medo do Medo” de Rainer W. Fassbinder



com Margit Carstensen, Ulrich Faulhaber, Constanz Haas

Alemanha, 1975 - 88 min / legendado em inglês

Produzido pela televisão, Angst von der Angst é um “filme de mulheres”, mais precisamente sobre uma mulher insatisfeita com a vida, com diversas alusões ao melodrama de Hollywood, nomeadamente o uso da música. Mas como a angústia da protagonista tem causas mentais e não concretas, ela não se consegue libertar. Na opinião de Christian Braad Thomsen, “Angst von der Angst pode quase ser visto como a versão social- -realista de Martha, o que significa, inversamente, que Martha também pode ser interpretado como o pesadelo de Margot”, a protagonista de Angst von der Angst.




Exigir sem Amar

Seg. [25] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

MUTTER KÜSTERS FAHRT ZUM HIMMEL

A Mãe Küsters Vai Para o Céu” de Rainer W. Fassbinder



com Brigitte Mira, Ingrid Caven, Karlheinz Böhm, Margit Carstensen

Alemanha, 1975 - 120 min / legendado em francês

Este é o primeiro dos dois filmes (o outro é A TERCEIRA GERAÇÃO) em que Fassbinder aborda directamente o tema do terrorismo político na Europa contemporânea, que na sua opinião “deriva menos de posições políticas claras do que de frustrações privadas. Não só era um produto da sociedade que combatia, como acabava por fortalecê-la” como assinalou Christian Braad Thomsen. MUTTER KÜSTERS FAHRT ZUM HIMMEL é a história de uma senhora já de alguma idade, mãe de um operário que teve um acesso de loucura e matou o patrão. Depois de ser explorada pele imprensa de escândalos, será induzida por militantes de extrema-esquerda a cometer um acto terrorista.


Perda de Identidade

Qui. [28] 19:00 - Sala Dr. Félix Ribeiro

SATANSBRATEN

O Assado de Satanás” de Rainer W. Fassbinder



com Kurt Raab, Margit Carstensen, Michael Octave

Alemanha, 1976 - 112 min / legendado inglês

SATANSBRATEN é uma divertida sátira sobre um escritor “em crise de inspiração”, às voltas com as amantes, a mulher e um irmão semi-idiota. Em Maio de 68, fora aclamado como “o poeta da revolução”, mas agora, com muito esforço consegue escrever um poema que é igual, palavra por palavra, a um poema de Stefan George. Fassbinder trata esta dura história de exploração e perda de identidade num tom quase burlesco, com situações caricatas e um desempenho deliberadamente exagerado dos actores.




FILMES INFAMES

Há muitas razões, justas ou injustas, para que um filme adquira má fama. Pode ter sido um grande “flop”, e isso, sobretudo no caso americano (que o digam Peter Bogdanovich ou Michael Cimino), é algo que se paga caro e em prestações para o resto da vida. Pode ter suscitado um grande escândalo na época de estreia, normalmente por razões que têm a ver ou com sexo ou com religião – o SALÒ de Pasolini ou o CHANT D’AMOUR de Genet são bons exemplos de casos desses, em que mesmo quando a espuma se dissipa permanece um odor a transgressão que contribui para a sua aura mal-afamada. Pode ser um filme cuja discussão não se atenue, e que seja tão lembrado pela sua importância histórica como pela exposição de valores político-sociais incorrectos – THE BIRTH OF A NATION de Griffith será o mais clássico destes casos. Pode ser um filme que, independentemente dos méritos estéticos ou formais que lhe queiramos reconhecer, esteja marcado “a fogo”, quando não totalmente impregnado pelo contexto e pelas intenções que o viram nascer - os filmes nazis, o de Riefenstahl ou, sobretudo, o de Veit Harlan (talvez o mais infame de todos os filmes), entram nesta categoria.

Nuns casos a má fama é injusta, e muito devedora de factores circunstanciais. Noutros, é justíssima. Este Ciclo, que continua em Julho, não é para recuperar, relativizar ou desmascarar coisa alguma. É para ver alguns dos mais infames filmes da história do cinema, e confrontá-los com a reputação que os precede. Para que não se julgue só por ouvir dizer.
Sex. [01] 21:30 - Sala Dr. Félix Ribeiro

JE VOUS SALUE MARIE

Eu vos Saúdo Maria de Jean-Luc Godard

com Myriem Roussel, Thierry Rode, Juliette Binoche

França, 1984 - 107 min / legendado em português

Uma recriação contemporânea da história da natividade, ou uma maneira alusiva de filmar a relação entre o mundo moderno e o sagrado. JE VOUS SALUE MARIE provocou mais “escândalo” que o resto da obra de Godard toda junta, mas o seu propósito era tudo menos blasfemo: uma espécie de ensaio sobre a possibilidade de reconhecimento de uma dimensão sagrada da existência humana num mundo que aparentemente voltou costas a essa dimensão.


Seg. [04] 19:30 - Sala Luís de Pina

TRIUMPH DES WILLENS

O Triunfo da Vontade” de Leni Riefenstahl



Alemanha, 1934 - 115 min / legendado em português

Filme-ícone do nazismo, e filme que consolidou os ícones do nazismo: TRIUMPH DES WILLENS é a mais famigerada realização de Leni Riefenstahl, numa recriação, sob a forma de registo, dos apoteóticos comícios de Nuremberg do Partido Nacional-Socialista. Realizado por encomenda directa de Hitler, TRIUMPH DES WILLENS é, no fundo, a derradeira peça do gigantesco “filme” por ele encenado para a ocasião, com as suas monumentais coreografias destinadas a “expôr” a ordem, a “sacralizar” a entrega espiritual das massas ao nazismo, e a atribuir a Hitler uma aura sobre-humana. Em simultâneo, genialidade e abjecção.



1   2   3   4


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal