Título do resumo



Baixar 121,55 Kb.
Encontro12.09.2017
Tamanho121,55 Kb.




A ESTRUTURAÇÃO DO CAMPO RELIGIOSO BUDISTA JAPONÊS EM LONDRINA-PR (1950-2014)
Leonardo Henrique Luiz (Bolsista UEL)

Richard Gonçalves André, email: richard_historia@hotmail.com


Universidade Estadual de Londrina/ Departamento de História/ CLCH
Área e sub-área do conhecimento: História/ História Regional do Brasil
Palavras-chave: Budismo; Londrina; Campo.
Resumo
O Budismo japonês está presente no Brasil de forma não-institucionalizada desde o começo do século XX com a chegada dos primeiros imigrantes vindos do Japão, mas é só a partir dos anos 1950 que se pode perceber o fenômeno de institucionalização dos templos budistas situados em diferentes localidades do país. Nesse sentido, o presente texto objetiva sugerir uma proposta de análise desse processo histórico, tendo como objeto central de estudo o Templo Honpa Hongwanji (pertencente ao Budismo da Nova Escola da Terra Pura – Jodo Shinshu) na cidade de Londrina, situada no norte do Paraná, entre os anos de sua construção em 1950 até 2014. Do ponto de vista metodológico, foram feitas observações participantes no referido templo, entrevistas com o monge budista responsável, além da análise de materiais usados para proselitismo religioso e documentos que atestam a presença do templo em Londrina. Quanto à fundamentação teórica, propomos problematizar a construção e a permanência do templo utilizando o conceito de campo religioso, segundo a elaboração do sociólogo francês Pierre Bourdieu. Sustentaremos que o processo de estruturação do campo budista faz parte da criação de redes de sociabilidades entre os nikkeis.
Introdução
O presente texto objetiva analisar o processo de estruturação do Templo Honpa Hongwanji (pertencente ao Budismo da Nova Escola da Terra Pura – Jodo Shinshu) na cidade de Londrina, situada no norte do Paraná, entre os anos de sua construção em 1950 até 2014.

Apesar de ser considerado um recorte de estudo local, a análise do processo de estruturação do Budismo japonês em Londrina permite observar como uma religião de paradigma bramânico-hindu1 interage com diferentes campos religiosos, desenvolvendo estratégias de proselitismo para perpetuar-se na sociedade brasileira, que possui padrões culturais distintos do país de origem. Além disso, é possível identificar como a construção do templo não se trata de um fenômeno isolado, mas sim parte de uma complexa rede de relacionamentos dentro da comunidade japonesa que envolve os anseios de reproduzir no Brasil os modelos estruturais do Japão pré-migratório e perpetuar a niponicidade2 entre os nisseis (segunda geração) e as gerações posteriores. Deve-se ter em vista, por fim, que atualmente o estado do Paraná detém uma grande quantidade de nikkeis, sendo no norte do estado onde se concentra a maior parte desses indivíduos. Essa conjuntura possibilita a constituição do templo nos anos 1950 como elemento marcadamente étnico ainda atualmente agrupando diversas manifestações culturais dos nikkeis3, para além das práticas de cunho religioso.

Entendemos que o campo budista não constitui um campo fechado, pois tem dialogado com os fenômenos históricos envolvendo os japoneses e descendentes na cidade de Londrina (negociando o espaço de atuação). Portanto, se encontra em processo de estruturação até o presente momento atuando como estrutura estruturante, isto é, gerando práticas sociais que são objetivamente regulares, sem, entretanto, ser necessariamente fruto da obediência, mas sim coletivamente adaptadas e inscritas nos corpos, estando desta forma em um constante trabalho de estratégias adaptadas e renovação (BOURDIEU, 2005; ORTIZ, 2003).
Metodologia
No processo de levantamento das fontes optou-se por se utilizar variados materiais que ofereçam indícios para compreender a institucionalização do Nishi Honganji, buscando dimensionar o fenômeno dentro do recorte temporal (1950 - 2014). Por ser uma religião de paradigma bramânico-hindu e com características étnicas, portanto, minoritária em âmbito nacional, as fontes são difíceis de serem encontradas e revelam mais ou menos o mesmo padrão discursivo. Os principais documentos são artigos de jornais ou revistas que marcadamente enfatizam os mesmos aspectos do templo, ou seja, como possuidor das características tradicionais das “Igrejas japonesas”, dando destaque para o “exotismo” encontrado no pátio e interior do templo.

Foram realizadas observações participantes no ritual mortuário denominado Bon-Odori (16 e 17 ago. 2014) assim como uma entrevista com o monge responsável pelo templo Nishi Honganji, que assinou o termo permitindo o uso da entrevista para fins científicos. Analisamos também o jornal produzido pelo templo e o site nacional da Escola de Terra Pura.


Resultados e Discussão
É no contexto do processo de enraizamento da comunidade nikkei que podemos notar a formação de estruturas organizacionais tendo como analogia os modelos sociais existentes no Japão, dentre os quais a construção de templos para a realização dos cultos.

Segundo Maesima, em 1950 o deslocamento da fronteira do café para o Norte paranaense possibilita uma relativa estabilidade dos grupos sociais para a institucionalização do templo budista e outras formas de sociabilidade entre nikkeis (MAESIMA, p.134). Deve-se ter em vista também o término da Segunda Guerra Mundial e do chamado Período Vargas, governo marcado pela busca da construção do nacionalismo brasileiro, limitando, portanto, as práticas não nacionais, dentre as quais a religião dos imigrantes (ANDRÉ, 2011). Essa conjuntura sociopolítica são as condições objetivas que marcam a institucionalização do Budismo em Londrina.

O templo Nishi Honganji existe há 64 anos, e segundo o monge responsável, conta com aproximadamente 300 membros participantes das atividades (ANDRÉ, 2014). Por intermédio das observações participantes realizadas em 2014 desses adeptos, percebemos que a maioria era nikkei (LUIZ, 2014), além disso, o uso do japonês nos cultos e nas conversas é predominante. O historiador Frank Usarski (2002, p.16 e 17) argumenta que o Budismo de imigração vê o templo não apenas como lugar de ritos, mas também um espaço para atividades sociais.

Decorrente dessa característica étnica e das barreiras linguísticas, com o natural envelhecimento dos adeptos e a pouca adesão de novos fiéis, cria-se um cenário de crise que ameaça a existência do Budismo no futuro próximo. É nesse sentido que o campo religioso se constitui como estrutura estruturante. Para reverter essa situação, a Terra Pura necessita da utilização de diversos meios de proselitismo religioso buscando angariar membros para fora da comunidade de nikkeis, principalmente visando o público jovem.


Conclusões
É a característica étnica que dificulta a Terra Pura de alcançar grandes quantidades de adeptos, transcendendo a esfera do grupo local, mesmo adotando diversas estratégias de proselitismo. Além disso, é preciso indicar que mesmo na sociedade japonesa o Budismo foi relegado a funções mortuárias, sendo muitas vezes identificado com o culto dos ancestrais, não preenchendo as necessidades espirituais da população (GONCALVES, 1971, p. 66). Essa conjuntura cria lacunas impossibilitando o desenvolvimento de uma religião de tipo universal, configurando em desvantagem na disputa por fiéis com outros campos religiosos. No Brasil, a disputa se torna mais acirrada pela forte presença do Cristianismo mesmo entre os descendentes. Tendo isso em vista, os templos e grupos informais elaboram reflexões diante da “crise” da falta de adeptos, sob o risco de em alguns anos o número de praticantes reduzir ainda mais.
Referências

ANDRÉ, Richard Gonçalves. Entrevista com Genyû Katata. 2014. Acervo pessoal.


______. Religião e silêncio: representações e práticas mortuárias entre nikkeis em Assaí por meio de túmulos (1932 – 1950). 2011. Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual Paulista, Assis.
BOURDIEU, Pierre. Gênese e estrutura do campo religioso. In: A economia das trocas simbólicas. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005. p. 27-78.
GONÇALVES, Ricardo Mário. A religião no Japão na época da emigração para o Brasil e suas repercussões em nosso país. In: O japonês em São Paulo e no Brasil. São Paulo: Centro de Estudos Nipo-Brasileiros, 1971, p. 58-73.
LUIZ, Leonardo H.. Caderno de campo. 2014. Acervo pessoal.
MAESIMA, Cacilda. Japoneses, multietnicidade e conflito na fronteira: Londrina, 1930/1958. 2012. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.
MAEYAMA, Takashi. O antepassado, o imperador e o imigrante: religião e identificação de grupo dos japoneses no Brasil rural (1908-1950). In: SAITO, Hiroshi; MAEYAMA, T. (Orgs.). Assimilação e integração dos japoneses no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1973a. p. 414-447.
ORTIZ, Renato. Introdução: A Procura de Uma Sociologia da Prática. In: A Sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d'Água, 2003. p.7-30.
USARSKI, Frank. O Budismo no Brasil: um resumo sistemático. In: USARSKI, F. (Org.). O Budismo no Brasil. São Paulo: Editora Lorosae, 2002, p. 9-33.

1 É um termo genérico, empregado aqui em alusão às características comuns ao conjunto de crenças que constitui as bases religiosas na Índia do século VI e V A.C. Ao empregar esse termo, levamos em consideração também a dinâmica de reapropriação e ressignificação do fenômeno religioso, na medida em que mesmo o budismo japonês do século XIII possui conexões com a tradição bramânico-hindu.

2 Entendida como as práticas comuns no Japão, como a língua, religiosidade, enfim o que define o ser japonês (MAEYAMA, 1973a). É necessário destacar que termos como “niponicidade”, “ser japonês”, cultura pré migratória são generalizações, pois abrangem aspectos seletivos da sociedade japonesa.

3 Japoneses ou descendentes nascidos fora do Japão que emigraram para a América.


: eventos -> eaic -> eaic2015 -> artigos
eaic -> Estudo da adsorção de Atrazina empregando carvão ativado produzido a partir da pirólise de palha de milho
eaic -> Proposta de Indicador de desenvolvimento: uma aplicação para o Oeste do Paraná
eaic -> Perfil de adolescentes de escolas de ensino médio no município de Cascavel-pr
eaic -> O que é ficcional? uma análise sobre a arte de narrar observada nas personagens Šahrãzãd e Odisseu
eaic -> A integral de Riemann-Stieltjes
eaic -> *Título do resumo
artigos -> Título do resumo
artigos -> Título do resumo
artigos -> TransformaçÕes no processo composicional de ennio morricone em um estudo de análise de duas músicas para trilha sonora
artigos -> Teatro como possibilidade pedagógica e consciência crítica na busca da transformaçÃo social / chance as theater educational and critical consciousness in search of social transformation




©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal