Transformar o mesmo para word



Baixar 142,72 Kb.
Encontro23.06.2017
Tamanho142,72 Kb.



ENSAIO SOBRE O MANEJO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E EM CANOAS/RIO GRANDE DO SUL: CONSIDERAÇÕES GERAIS
Prof. MS. Nelci Maria Richter Giacomini

Centro Universitário La Salle (UNILASALLE)

nelcig@uol.com.br

Prof. Dr. Judite Sanson de Bem,

Centro Universitário La Salle (UNILASALLE)

jsanson@terra.com.br

Werner Baingo ( UNILASALLE)

wernerbaingo@ig.com.br


Resumo

O Brasil vem sofrendo transformações ambientais decorrentes do crescimento populacional, industrial, aumento da oferta de bens de consumo descartáveis, gerando o lixo e resíduos industriais, que demandam, crescentemente, maiores áreas destinada à sua disposição final. Observa-se, que na sua maioria, as mesmas são inadequadas a esse fim, gerando transtornos e problemas de saúde pública, como a contaminação do solo, do ar, dos rios e dos lençóis freáticos, além do surgimento de um número significativo de catadores que sobrevivem do lixo. Utilizando-se de dados secundários, o objetivo deste trabalho é apresentar uma síntese dos dados da Pesquisa realizada pelo Sistema Nacional de Informações Sanitárias sobre produção, coleta e os diferentes tipos de unidades de processamento de resíduos sólidos no Brasil e a produção de lixo em Canoas. Conclui-se que municípios com menor porte populacional têm uma coleta mais abrangente, pois menor é a produção de lixo/kg/hab/dia, sendo o município responsável pela coleta. Tem crescido a presença de coletores porta-a porta, sendo a reciclagem de papel e papelão resultante a mais importante. A produção de lixo orgânico tem aumentado em Canoas assim como no Brasil, e percebe-se um maior incentivo do poder público para com a coleta e encaminhamento para a reciclagem destes resíduos.


Palavras-chave: Resíduos Sólidos Urbanos, Brasil, Canoas
Área temática: j. Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Prof. Dr. Judite Sanson de Bem, Centro Universitário La Salle (UNILASALLE); jsanson@terra.com.br. Rua Giordano Bruno, 231/21 Porto Alegre; CEP: 90420-150; RS

Prof. MS. Nelci Maria Richter Giacomini, Centro Universitário La Salle (UNILASALLE); nelcig@uol.com.br. Rua Icaraí, 144 Porto Alegre; CEP: 90810-000; RS

Acad. C. Econômicas - Werner Baingo, Centro Universitário La Salle ( UNILASALLE);



wernerbaingo@ig.com.br.


1. Introdução
A produção de resíduos sólidos cresce em todo mundo em função do aumento populacional, sendo que sua composição é influenciada por diferentes fatores, tais como: condições socioeconômicas, políticas, climáticas, hábitos e costumes da população, acesso a tecnologias diferenciadas, variações sazonais, entre outros.

As formas adotadas em todo mundo para destinar os diversos tipos de resíduos sólidos com critérios sanitários e ambientais, são as seguintes: incineração, reciclagem, incorporação, cooprosessamento, compostagem e aterros sanitários.

Comparando-se a composição do lixo em cidades brasileiras de portes diferentes, a porção orgânica do lixo está na faixa de 60% e as demais frações de recicláveis estão acima de 20%.

Aproximadamente 55% dos resíduos gerados no país são destinados aos vazadouros a céu aberto (lixões) e 22% aos aterros controlados. Essas formas de disposição dos detritos contribuem de alguma maneira para o agravamento das condições de vida da população. Do total do lixo, 13% são encaminhados aos aterros sanitários.

No entanto tem crescido a participação de resíduos que são destinados ao processamento seletivo, seja na forma porta-a-porta ou através da coleta, por caminhões e a entrega em locais para a separação, geralmente galpões de cooperativas, e sua posterior transformação em produtos como papel-reciclado.

Canoas, município da Região Metropolitana de Porto Alegre, apresenta uma situação semelhante ao Brasil, no que diz respeito à coleta e destino dos resíduos sólidos.

Objetivo deste trabalho é apresentar algumas considerações sobre o sistema de coleta e destino dos resíduos sólidos para o Brasil e Canoas, no ano de 2007.
2. A importância econômica do lixo

De acordo com o cientista francês Lavoisier, do século XVIII: “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”.

Lixo é tudo aquilo que sobra de uma atividade. Pode ser resultado de atividades realizadas nas residências (varrição, restos de comida, de embalagens), nas comunidades, nas empresas (papeis, copos descartáveis, guimbas de cigarro, folhas e galhos) ou em processos industriais (borrachas, papel, papelão, madeiras, sucatas, cabos elétricos, entre outros), restos de construções civis, etc.

De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas NBR 10004:2004, o resíduo sólido é definido nos estados sólido, semi-sólidos, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços de varrição. Alguns resíduos sólidos que muitas vezes são considerados como inúteis, indesejáveis ou descartáveis, quando manejados podem ser reutilizados no processo de reciclagem, retornando ao estado de matéria-prima ou utilizado em co-processamento, sendo utilizados na queima para obtenção de energia ou na obtenção de outros subprodutos.

O lixo orgânico pode ser seletivizado e usado como adubo (a partir da compostagem) ou utilizado para a produção de certos combustíveis como biogás a partir da biogasificação.

O aproveitamento de restos de comida (cascas de frutas e verduras, folhas, talo, etc) também pode ser utilizado para a fertilização do solo, num processo conhecido como compostagem.

A maior parte do lixo doméstico vai para o aterro sanitário, resultando em fermentação e na geração de dois subprodutos: o chorume1 e o gás metano. O chorume pode vazar do aterro e contaminar lençóis freáticos.

Para Pontes e Cardoso (2010) de acordo com a fonte geradora, as características básicas dos resíduos sólidos se diferenciam, podendo ser classificados como:

Domiciliar: Resíduos gerados em domicílios residenciais;

Comercial: Resíduos gerados em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços. Possuem composição variável de acordo com o tipo de atividade desenvolvida pela unidade geradora. Os resíduos oriundos de bares, restaurantes e similares são mais ricos em matéria orgânica (proveniente das sobras de alimentos), enquanto aqueles oriundos de estabelecimentos de prestação de serviços são mais ricos em material reciclável.

Industrial: Resíduos cuja composição básica depende da atividade desenvolvida pela indústria.

Entende-se por gerenciamento de resíduos consiste um conjunto articulado de ações normativas, operacionais, financeiras e de planejamento que uma administração (gestor) desenvolve (com base em critérios sanitários, ambientais, e econômicos), para coletar, segregar, tratar e dispor ou destinar os resíduos em locais preparados e ambientalmente corretos. Entre as formas de gerenciamento de resíduos, tem-se a coleta seletiva de materiais recicláveis. A reciclagem é considerada como um conjunto de técnicas que tem por finalidade aproveitar os detritos e reutilizá-los. Resulta de atividades, pelas quais materiais que foram descartados como lixo, ou estão no lixo, são desviados, coletados, separados e processados para serem usados como matéria-prima na elaboração de novos produtos. Estes materiais descartados como lixo eram considerados sem valor econômico, entretanto na condição de insumo ou matéria prima passam a ter valor de mercado, isto é, valor econômico.

O termo foi, originalmente utilizado, para indicar o reaproveitamento (ou a reutilização) de um polímero no mesmo processo em que, por alguma razão, foi rejeitado.  

A reciclagem é um processo cuja função prioritária é promover a recuperação de materiais tidos como resíduos sólidos, transformando-os em matérias primas a serem utilizados em processos de reprocessamento.

O ciclo descarte, recuperação e processamento secundário ou reprocessamento de material reciclável, é também denominado “reciclagem”. Para Calderoni apud Baptista, (2001), este termo pode ser estendido como um processo através do qual qualquer produto ou material, que tenha servido para os propósitos originais a qual foi concebido, pode ser considerado como uma matéria prima secundária para a produção de novos produtos e, portanto passível de ser separado do lixo e reintroduzido num novo processo produtivo igual ou semelhante ao anterior.

3. A coleta regular de resíduos sólidos domiciliares e públicos – RDO e RPU no Brasil
De acordo com pesquisa realizada pelo SNIS, em 2007, os municípios foram classificados em faixas de acordo com o tamanho da população.

Coleta regular de resíduos sólidos é o conjunto de procedimentos referentes ao recolhimento de resíduos de origem domiciliar ou comercial (RDO) com características domiciliares, que são previamente acondicionados e oferecidos à coleta pública pelo usuário, e resíduos de origem publica (RPU), ou seja, provenientes da limpeza de logradouros.

De acordo com informações do SNIS, na amostra do ano de 2007 o atendimento da população por serviços de coleta regular apresentava razoável cobertura, com a média da amostra chegando a 98,8%.

A freqüência de coleta que predomina era de duas ou três vezes semanais (67,4%) com uma considerável taxa de população atendida com coleta diária (30,2%) e uma taxa residual de população atendida com coleta de freqüência semanal (2,4%).



O agrupamento segundo o porte dos municípios indicava uma queda da coleta semanal com o crescimento do porte populacional do município. Na coleta com freqüência de duas ou três vezes por semana percebe-se uma situação mediana, com pouca variação nas faixas 1, 2, 3 e 5. Nas faixas 4 e 6 verifica-se significativos acréscimos de população atendida, chegando a atingir, na última, mais de 90%.( Tabela 1)
Tabela 1 - Média dos percentuais de população urbana atendida com coleta de RDO, por tipo de frequência da coleta, segundo porte dos municípios Brasil, 2007


Faixa Populacional

Quantidade de Municípios

População Urbana Atendida (*)

Frequência da Coleta de RDO







Habitantes

Diária (%)

2 a 3 vezes na semana (%)

1 vez na semana (%)




1

79

1.366.352

47

44,7

8,3

2

70

3.879.429

36,3

54,2

9,5

3

71

10.890.278

42,5

53,8

3,6

4

70

30.902.964

27,3

69

3,7

5

12

21.253.159

43,8

56,1

0,1

6

2

16.979.990

7,8

92,2

0

Total

304

85.272.172

30,2

67,4

2,4

Fonte: SNIS, 2009
(*) Nos municípios em que a população atendida foi informada como sendo superior à população urbana existente, adotou-se o valor dessa última.

Em 288 municípios observou-se que a execução da coleta de resíduos sólidos domésticos e públicos é realizada, por empresas de modo exclusivo (49,7%), seguida da atuação exclusiva da prefeitura (31,3%) e pelo trabalho conjunto da prefeitura e empresas (19,1%).

O cálculo da Massa coletada (RDO+RPU) per capita em relação à população urbana – apresentou valores médios que vão de 0,71Kg/hab./dia (faixa 2) a 1,17 Kg/hab./dia ( faixa 6).

A massa coletada (RDO) per capita em relação à população atendida com o serviço de coleta, apresenta uma faixa que vai de 0,53 Kg/hab./dia, na faixa 1, a 0,83 Kg/hab./dia, na faixa 6, com tendência de crescimento gradual segundo cresce o tamanho do município, como aponta a Tabela 2.


4. Coleta seletiva de resíduos sólidos e triagem de materiais recicláveis
É o conjunto de procedimentos referente ao recolhimento diferenciado de resíduos recicláveis (papéis, plásticos, metais, vidros, etc.) e até de resíduos orgânicos compostáveis, desde que tenham sido previamente separados dos demais resíduos considerados não reaproveitáveis, nos próprios locais em que tenha ocorrido sua geração. (SNIS, 2009)

Tabela 2 - Massa coletada (RDO) per capita em relação à população atendida com o serviço de coleta, segundo porte dos municípios Brasil, 2007


Faixa Populacional

Quantidade de Municípios

Massa de RDO coletada per capita







Mínimo (kg/hab./dia)

Máximo (kg/hab./dia)

Médio (kg/hab./dia)




1

46

0,14

1,09

0,53

2

35

0,23

1,03

0,57

3

29

0,23

0,97

0,62

4

35

0,38

0,98

0,69

5

11

0,61

0,89

0,74

6

2

0,8

0,85

0,83

Total

158

0,14

1,09

0,73

Fonte: SNIS, 2009

A coleta seletiva era praticada em 56,9% dos municípios da pesquisa do SNIS, no ano de 2007, sendo observado o crescimento da proporção dos que fazem coleta seletiva segundo cresce o porte do município.

A forma predominante de realização da coleta seletiva é porta-a-porta, com 90,6%.

Verifica-se a alta taxa de uso da coleta porta-a-porta que já inicia na faixa 1 com mais de 90%. De outro lado tem-se a coleta em postos de entrega voluntária que nasce mais tímida nas primeiras faixas, mas cresce rapidamente com o porte.

Na faixa 5, onde concentram-se municípios de grande porte, o uso de postos de entrega voluntária não só é expressivo, como tem uma taxa bem próxima da modalidade porta-a-porta.isto pode expressar a grande quantidade de lixo gerado pelas grandes cidades, como a profissionalização que esta atividade vem gerando, sendo uma importante fonte de renda para uma parte da população que não consegue se inserir no mercado de trabalho

Observando-se os dados de quais os agentes que realizam essa coleta seletiva, constata-se a importância das associações ou cooperativas de catadores que tem apoio da prefeitura, com participação quase tão intensa quanto à da própria prefeitura. Também vale notar a presença das associações sem parceria da prefeitura, que tem uma significativa participação de 10% na atuação porta-a-porta.

Destacam-se, em quantidade, os papéis e os plásticos, 77,1% do total de materiais recuperados. Individualmente, há uma predominância do conjunto papéis e papelões (50, 7%) o dobro do percentual de plásticos (26,4%). Os metais e vidros somam 18,5%, e os demais (4,4%) relativo aos outros materiais não especificados. Proporcionalmente, a faixa 6, com dois municípios é responsável pela maior massa de materiais recuperada.

Avaliando-se a quantidade de materiais recicláveis recuperados em relação aos habitantes urbanos dos municípios da amostra (per capita) vê-se pela Tabela 3, para qualquer dos materiais, uma queda significativa da quantidade/ per capita segundo cresce o porte do município. Isto pode refletir a utilização mais intensa deste processo por camadas mais pobres da população que vive em locais ou municípios menores.



Tabela 3 - Massa per capita de materiais recicláveis recuperados (exceto matéria orgânica e rejeitos) em relação à população urbana, por tipo de material, segundo o porte dos municípios Brasil, 2007

Faixa Populacional

Quantidade de Municípios

Quantidade de materiais recuperados

Papeis e papelões (t/ano)

Plásticos (t/ano)

Metais (t/ano)

Vidros (t/ano)

Outros Materiais (t/ano)

1

24

6,0

4,8

3,0

1,7

0,6

2

28

3,0

2,8

3,4

1,1

0,6

3

29

1,8

0,9

0,9

0,4

0,5

4

44

4,4

2,1

0,8

0,3

0,3

5

7

1,8

1,1

0,4

0,3

0,1

6

2

0,8

0,4

0,1

0,2

0,0

Total

134,0

2,5

1,3

0,6

0,3

0,2

Fonte: SNIS, 2009

5. Unidades de processamento
Unidade de processamento de resíduos sólidos é toda e qualquer instalação − dotada ou não de equipamentos eletromecânicos − em que quaisquer tipos de resíduos sólidos urbanos sejam submetidos a alguma modalidade de processamento.

Assim, enquadram-se nessa designação os lixões, aterros controlados, aterro sanitário, vala específica para resíduos de saúde, aterro industrial, unidade de triagem, unidade de compostagem, incinerador, unidade de tratamento por microondas ou autoclave, unidade de manejo de podas, unidade de transbordo, área de reciclagem de resíduos da construção civil, aterro de resíduos da construção civil, área de transbordo e triagem de resíduos da construção civil. (SNIS, 2009)

Os serviços de manejo de resíduos sólidos urbanos, com exceção de situações de consórcios, são de competência municipal. Já as unidades de processamento podem atender a mais de um município, assim como pode um município não ter nenhuma unidade de processamento ou mesmo exportar resíduos para mais de uma unidade, situadas em municípios vizinhos ou não.
6. Estudo de caso do Município de Canoas – Rio Grande do Sul

O município de Canoas está situado na região metropolitana de Porto Alegre constituída por 31 Municípios, a 13,5 km de distância, e com uma área de 131 km². Segundo o IBGE (2009) a indústria representa, aproximadamente, 60% do VAB do município, acima da média do Estado, que é de 40,3%. Os principais produtos da pauta exportadora canoense são: máquinas agrícolas, autopeças e motores, combustíveis para embarcações, óleo diesel, transformadores e aparelhos de ar condicionado.

A população estimada de Canoas para o ano de 2010 é de 353 mil habitantes, com uma densidade demográfica de 2.703 hab/km².

Os dados do município de Canoas/RS (SNIS, 2009) para o ano de 2007, primeiro ano da participação do município nesta amostra - registram uma população de 326 mil habitantes.



6.1 Dados sobre o volume, receita e despesa dos resíduos sólidos no município de Canoas.

A prestação dos serviços públicos de limpeza (coleta, varrição e manejo de resíduos domiciliares, urbanos e de saúde-hospitalares) é feita por empresas contratadas pela prefeitura de Canoas/RS. O número de trabalhadores do setor privado envolvidos no manejo de RSU é de 374 pessoas, sendo 24 funcionários públicos.

A cobrança dos serviços regulares de coleta dos resíduos domiciliares é feita através do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).

A tabela 4 descreve as despesas, em 2007, do município de Canoas com os agentes privados e empresas contratadas para o serviço de limpeza. O total das despesas foi de R$ 15 milhões, representando 3,4% das despesas correntes totais do município2. Dentro destas despesas estão: a locação de veículos e equipamentos afins, o serviço de varrição de vias e logradouros públicos, e por último, a execução de serviço de coleta diferenciada de resíduos da saúde (RSS), estes últimos encaminhados à central de resíduos de tratamento do serviço de saúde em São Leopoldo. O serviço público não recolhe os resíduos da construção civil ou entulhos (RCD). Este trabalho é realizado por empresas especializadas denominadas “caçambeiros”.


Tabela 4 – Despesas por área em relação ao total das despesas da prefeitura de Canoas/RS, em R$ e %

Despesas (por área e Total Prefeitura)

Valor (R$)

%

Despesa com agentes privados para execução do serviço de coleta de RDO e RPU

6.043.692,00

1,4

Despesa com empresas contratadas para coleta de RSS

422.217,00

0,1

Despesa com empresas contratadas para o serviço de varrição

804.158,00

0,2

Despesa com agentes privados executores dos demais serviços de manejo de RSU

7.686.247,00

1,7

Despesa corrente total da prefeitura (exceto despesas de capitais)

446.011.455,00

100,0

Fonte: SNIS, 2009

A tabela 5 resume a receita arrecadada, em 2007, por meio de cobranças de taxas, tarifas e outras formas, vinculadas à prestação de serviços de manejo de RSU. Não houve uma significativa diferença entre a receita orçada e arrecadada para com os serviços de manejo de RSU.



Tabela 5 – Receita e despesa no manejo de RSU, Canoas/RS, 2007

Receita orçada e arrecadada e despesa com manejo de RSU - Canoas/RS, 2007

Valor

%

Receita orçada com serviços de manejo de RSU

R$ 4.788.000

31,8

Receita arrecadada com serviços de manejo de RSU

R$ 4.638.510

30,8

Despesa com agentes privados executores de serviços de manejo de rsu*

R$ 15.061.315

100,0

Fonte: SNIS, 2009

* Representa o valor das despesas dos agentes públicos realizadas com agentes privados contratados exclusivamente para execução de um ou mais serviços de manejo de RSU ou para locação de mão-de-obra e veículos destinados a estes serviços.
O volume recolhido de resíduos públicos (domiciliares e urbanos) no ano de 2007 em Canoas/RS foi de 81.300 toneladas, sendo que o resíduo domiciliar representou 93,4% do total da coleta e 6,6% provindos de resíduos públicos, conforme mostrado na figura 1.


Figura 1 - Quantidade de RDO e RPU em toneladas, Canoas/RS, 2007

Fonte: SNIS, 2009

A taxa de cobertura dos serviços de coleta dos resíduos domiciliares foi de 99,86% em 2007. Esse atendimento realizou-se em 70% dos domicílios, de duas a três vezes na semana, sendo que 30% dos domicílios foram atendidos pelo menos uma vez na semana 2.


6.2 O Sistema de coleta seletiva em Canoas-RS
Os resíduos sólidos obtidos por meio da coleta seletiva em Canoas/RS foram de 2172 toneladas em 2007. Segundo os dados da SNIS a quantidade anual de materiais recicláveis recuperados (exceto matéria orgânica e rejeitos) coletados de forma seletiva ou não, decorrente da ação dos agentes executores, ou seja, Prefeitura, empresas contratadas por ela, associações de catadores e outros agentes, não incluindo, entretanto, quantidades recuperadas por catadores autônomos não-organizados nem quantidades recuperadas por intermediários privados (“sucateiros”) foi de 1082 toneladas em 2007.


Figura 2 - População atendida com coleta de RDO, por tipo de freqüência da coleta Canoas/Rio Grande do Sul, 2007

Fonte: SNIS, 2009

Além do poder público efetivar a coleta seletiva de resíduos sólidos, as associações executam este trabalho na forma de coleta porta-a-porta.

O município conta, atualmente, com 04 associações de recicladores, conforme (quadro 1).


ASSOCIAÇÃO

BAIRRO

ARLAS -  Associação de Reciclagem Amigas Solidárias do bairro Guajuviras no município de Canoas

 Guajuviras

ACCMC - Associação de Carroceiros e Catadores de Materiais de Canoas

Mathias Velho

AFREMAG - Associação de Triagem e Reciclagem Mato Grande

Mato Grande

Renascer - Associação de Reciclagem Renascer

Guajurivas (próximo ao aterro sanitário)

Quadro 1- Associações de Recicladores em Canoas, 2009

Fonte: http://www.vivacanoas.com.br/noticias/visualizar.asp?cod=16418
6. Considerações finais
Os resíduos sólidos urbanos são fontes de matérias-primas e recursos econômicos, no entanto são responsáveis pela poluição do ar, da água, do solo e visual e pelas doenças transmitidas por vetores (ratos, baratas, pernilongos e moscas).

No Brasil, o poder público municipal é o principal responsável pela coleta, reciclagem, beneficiamento e disposição dos resíduos sólidos (urbanos domiciliares e industriais).

Entre as principais características da cobertura da coleta de resíduos sólidos urbanos tem-se:

- A cobertura média era superior a 90% da população urbana em 2007;

- Em média 64,7% dos municípios coletavam entre duas ou três vezes por semana;

- Essa massa coletada corresponde um valor per capita de RDO e RPU de 0,97 Kg/habitante urbano/dia.

Quanto ao tratamento dos resíduos sólidos urbanos:

- Dos resíduos coletados, a maior parte era disposta, no ano de 2007, em aterros sanitários, aterros controlados ou lixões.

Quanto à coleta seletiva e triagem de materiais recicláveis:

- Predomina a coleta seletiva de resíduos sólidos sob a forma porta-a-porta, também para Canoas;

- Além dessa há a coleta seletiva não formal realizada por catadores, presentes na grande maioria dos municípios brasileiros, entre eles Canoas no RS;

- Na maior parte dos municípios em que atuam catadores existem organizações na forma de cooperativas e associações. Canoas conta com 04 cooperativas, distribuídas nos diferentes bairros;

- A triagem de materiais recicláveis recupera, sobretudo: papel e papelão, plásticos, metais, vidros, entre outros. Canoas não dispõe de dados organizados e disponíveis sobre a quantidade e qualidade do lixo reciclado. O tema carece de estatísticas organizadas e centralizadas para políticas públicas.

Desta forma, Canoas, o segundo município na geração de renda do Estado do Rio Grande do Sul, enfrenta diversos problemas derivados da geração dos resíduos, sejam de natureza domiciliar, industrial, hospitalar, construção civil, entre outros.

Seu crescimento populacional é uma conseqüência do dinamismo de seu parque industrial, tendo se tornado um pólo de atração. Esta conjunção de fatores (população e economia) gera, anualmente, uma grande oferta de resíduos que devem ser dispostos ou reciclados. Além disso, há o problema de que o atual aterro existente na cidade tem mais pouco tempo de vida útil, o que demanda a implantação de outro e, por sua vez, a disponibilização de área e recursos.

Neste sentido, nos últimos anos o município tem incentivado a coleta e reciclagem coletiva, mediante as Associações/Cooperativas.

Isto posto, considerando a dimensão do país e os problemas gerados internamente aos diferentes municípios, independente do porte, o poder público deveria investir mais em campanhas de educação ambiental, pois estas poderiam resultar: na redução do desperdício, menor necessidade de locais para a disposição destes resíduos, melhor taxa de recuperação do que é gerado, por parte da população, e menores despesas por parte do setor público para esta rubrica.

Todos os agentes econômicos, governo, consumidores e empresas deveriam estar conscientes da sua responsabilidade, necessidade da sustentabilidade ambiental e de ações no sentido melhorar a qualificação das condições de vida



REFERÊNCIAS

AZEVEDO, J. ; NASCIMENTO, L. C. A.; MENDES, O. F. Panorama dos problemas gerados, pelos resíduos sólidos urbanos no Brasil. Disponível em: http://elprofe.iespana.es/elprofe/docs/resbras.pdf . Acesso em 20/02/2010


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, ABNT– NBR – 10.004: Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, Brasil, Número de Referência ABNT-NBR 10004:2004. 71p
BAPTISTA, F.R.M. Caracterização física do lixo urbano de Vitória - E.S – em função da classe social geradora. Dissertação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2001.
CALDERONI SEBATAI. Os Bilhões Perdidos no Lixo. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 1997.
CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas

públicas. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2002.
CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 5 DE AGOSTO DE 1993. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res93/res0593.html Acessado em>: 10/02/2010

CONCEIÇÃO, M. M. Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade. 2.ed.

Campinas: Átomo, 2005.
FIGUEIREDO, P.J.M. A Sociedade do lixo: resíduos, a questão energética e a crise

ambiental. 2.ed. Piracicaba: Unimep, 1995.


INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Cidades. IBGE, Disponível em: . Acesso em: 03/04/2009.
LIMA, L.M.Q. Tratamento de lixo. 2. ed. São Paulo: Hemus, 1991.
MACHADO, Bruna Andrade (UNESP) ET al. A importância social e econômica da

implementação de cooperativas de materiais recicláveis. In: XXVI ENEGEP – Fortaleza CE, Brasil, 09 a 11 de Outubro de 2006. Anais... Fortaleza: ENGEP, 2006. ABEPRO 9
MIRANDA, Luciana Leite de. O que é Lixo. São Paulo: Brasiliense, 1995.
MOTA, J.A. Economia ambiental: a nova fronteira da ciência econômica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
PONTES, J. R. M. ; CARDOSO, P. A. . Usina de Reciclagem e Compostagem de Lixo em Vila Velha: Viabilidade Econômica e a Incorporação de Benefícios Sociais e Ambientais. In: ENEGEP, 2006, Fortaleza. XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 2006. Disponível em: www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2006_TR520346_8490.pdf.

Acessado em 10 mar. 2010.


SEIFFERT, M. E. B. ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental: implantação objetiva e econômica. São Paulo: Atlas, 2005.
SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Diagnóstico da gestão e manejo de resíduos sólidos urbanos 2007. Brasília: MCIDADES. SNSA: IPEA, 2009. 262p Disponível em: http://www.snis.gov.br. Acessado em: 12 de dez. 2009.
VIVA CANOAS. Comunidade dos Recicladores de Canoas recebe equipamentos para apoiar as quatro associações da cidade. Disponível em: http://www.vivacanoas.com.br/noticias/visualizar.asp?cod=16418 Acessado em: 10 mar. 2010


1 Chama-se de chorume o percolado do lixo, ou seja, a água de drenagem da massa de lixo, ocasionada pela putrefação da matéria orgânica e lavagem pela água da chuva.


2 Exceto despesas de capitais




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal