Tradução do Novo Mundo



Baixar 207,88 Kb.
Página1/2
Encontro10.07.2018
Tamanho207,88 Kb.
  1   2

É a “Tradução do Novo Mundo” uma Bíblia Sem Valor?
“....[Essa obra] deve preencher uma genuína necessidade. Essa tradução é fiel sem ser deficiente, espirituosa sem ser vulgar.” – Morton S. Enslin, Journal of Religion.

“.... oportuna, uma obra bem-vinda.... somente aqueles que já tiveram oportunidade de lidar com o intricado texto [bíblico] podem apreciar a habilidade e julgamento do editor.” – James Moffatt, Journal of Biblical Literature.

“Esta obra significa um verdadeiro avanço na erudição americana. Todos os americanos estão endividados com a erudição precisa e paciente desta importante versão.” – Journal of Bible and Religion.

“É um nobre monumento em erudição, e moderna, a mais clara janela pela qual o leitor americano entra na mente daqueles que escreveram os clássicos mais duradouros do mundo, escritos originalmente em hebraico e grego.” – Christian Century.

O objetivo desta tradução é nos dar o significado dos textos originais como eram entendidos pelos seus primeiros leitores e ainda indumentado de um inglês respeitável. Além do mais é um tesouro para o leitor, e especialmente para o estudante da Bíblia.” – Presbyterian Banner.

“A obra é em um inglês puro, bonito, claro, freqüentemente direto, e muito agradável de se ler.” – Christian Evangelist.


Fonte das Citações: University of Chicago
Sabe a qual tradução os elogios acima se referem? Na sua opinião, qual é a possibilidade de tais palavras se referirem à Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas? Se o leitor está à par do assunto, sabe que não existe nenhuma possibilidade disso ter acontecido, pois provavelmente a versão do Novo Mundo (versão oficial das Testemunhas de Jeová) é a tradução mais criticada que existe, por motivos vários. Os comentários acima são apenas alguns dos diversos que foram tecidos por ocasião do lançamento de uma certa tradução da Bíblia nos Estados Unidos.

A elogiadíssima Bíblia em apreço é a An American Translation, de Edgar Johnson Goodspeed, um conhecido erudito americano especializado em língua grega, Ph.D pela Universidade de Chicago, autor de diversas obras de referência. Com esse vasto currículo, e um conhecimento do grego incontestável, observe como o Dr. Goodspeed traduziu certos versículos do Novo Testamento em sua obra:
No princípio a Palavra existia, e a palavra estava com Deus, e a Palavra era divina.” – João 1:1.

E todos os anjos de Deus se inclinem diante dele [de Jesus].” – Hebreus 1:6.

Mas do filho ele diz: ‘Deus é teu trono para todo o sempre!’ ” – Hebreus 1:8.

Eu existia antes de Abraão ter nascido!” – João 8:58.

.... [Cristo] veio fisicamente deles [dos judeus] – Deus que é sobre todos seja abençoado para sempre.” – Romanos 9:5.

Se você é um trinitarista provavelmente seu semblante se contorceu de asco e desprezo pelas versões acima. “Como pode essa tradução receber tamanhos elogios?”, talvez se pergunte. Os versículos que aí estão são algumas das passagens que os trinitaristas geralmente usam para mostrar que Jesus é Deus. Mas se isso for feito na Bíblia de Goodspeed tais versículos não servirão para apoiar os intentos trinitários, mas acabarão por dar suporte à maneira da Tradução do Novo Mundo traduzir certos versos das Escrituras, apesar do Dr. Goodspeed nunca ter sido Testemunha de Jeová e nem ter apoiado os seus credos religiosos.



O Dr. Goodspeed não era um apoiador da Tradução do Novo Mundo. Embora a Torre de Vigia (editora das Testemunhas de Jeová) alegue que recebeu uma carta dele parabenizando a Tradução do Novo Mundo [TNM], sabe-se que ele fez comentários depreciativos sobre a TNM (referente ao AT), e disse que ela não era recomendada para a leitura pública. (Questions For Jehovah's Witnesses Who Love The Truth, Kunkletown, Pennsylvania, W.I. Cetnar, 1983, p. 64). Nem tampouco ele era um apoiador irrestrito do anti-trinitarismo, pois em outras passagens importantes para o credo da Trindade ele traduziu exatamente como os trinitários querem. Se ele quisesse defender a todo custo a não divindade trinitária de Cristo ele poderia facilmente ter encontrado uma maneira de deixar os versículos que apoiam essa idéia em perfeito acordo, assim como faz a TNM.

O exemplo anterior serviu para mostrar que traduzir uma obra a partir de um idioma primitivo é uma tarefa dinâmica e árdua, e que não é tão simples condenar essa ou aquela tradução. Dogmatismo nesse campo também não é adequado. Todas as traduções têm o seu valor, e estão sob aspectos semânticos e morfológicos que devem ser considerados. Não raro existem passagens com várias possibilidades de tradução para o vernáculo, sem que nenhuma delas seja necessariamente errada. Isto é assim especialmente em pontos gramaticais em que os peritos não são unânimes. Há tradutores que fazem uso do contexto para auxiliar em suas decisões, apesar desse método entrar no arriscado campo das interpretações, sobre as quais a formação religiosa do tradutor tem forte influência. Como não é o propósito deste artigo entrar no ambiente da exegese, o aspecto contextual não será aqui analisado profundamente, apenas comentado brevemente. A ênfase será na variabilidade de versões bíblicas confrontadas com a tão má afamada Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas. É certo que a TNM contém erros como toda obra humana, mas será que são justas todas as críticas que são feitas a ela?

Nuanças históricas e sociais exercem o seu papel na nobre tarefa de se traduzir a Bíblia. Todas as versões têm sua história, influências e paradigmas. No caso da TNM existe uma história secreta (hoje não tão secreta assim) que deve ser considerada: a influência de outras traduções vernáculas. Sabe-se que os tradutores da TNM não possuíam conhecimento acadêmico das línguas originais, com exceção de Frederic Franz, ex-presidente da Watchtower. Por esse motivo lançaram mão do trabalho de outros tradutores para concluir a TNM. Compensaram a falta de formação lingüistica com um exaustivo trabalho de garimpagem técnica, que teve como resultado uma tradução repleta de ferramentas de pesquisa não disponíveis nem em versões bem conceituadas nos círculos acadêmicos. Quem quiser pode comprovar essa particularidade por adquirir uma TNM com referências e notas marginais. Em virtude destes recursos, certo periódico descreveu a TNM como “a mais completa versão das Escrituras” já lançada no Brasil. – Revista Veja, de 03 de junho de 1987, p. 64.

Há os que defendem a idéia de que a TNM é uma paráfrase da famosa versão Rei Jaime [King James]. No entanto, comparando o texto hebraico da Bíblia Hebraica Stuttgartensia [BHS], que segundo a Torre de Vigia é o texto-base da TNM, nota-se que a TNM não raro segue a BHS e diverge da King James. Por exemplo, observe o Salmo 58:2 em duas versões:

É verdade que falais o que é correto, ó deuses? Julgais a humanidade imparcialmente?” – An American Translation.

É verdade que opinais com justiça, ó seres divinos? Que julgais retamente os filhos de Adão?” – Bíblia de Jerusalém.

Como o texto acima se refere aos juízes israelitas, outras versões trocam a palavra “deuses”, ou “seres divinos”, por termos tais como “autoridades”, “juízes”, “poderosos”, ou ainda “congregação” como faz a Rei Jaime e a Almeida Revista e Corrigida. No entanto, a Tradução do Novo Mundo verte o Salmo 58:2 da seguinte maneira:

[No vosso] silêncio, podeis realmente falar sobre a própria justiça? Podeis mesmo julgar em retidão, ó filhos dos homens?” – Salmo 58:1 na TNM (a Almeida Melhores Textos e a Tradução Ecumênica da Bíblia também traduzem a conclusão deste versículo de forma semelhante à TNM).



P
* Os outros tradutores foram: George Gangas, Albert D. Schroeder, Milton Henschel e Nathan Knorr.

ercebeu que no lugar de “deuses” a TNM colocou “silêncio”? Isso acontece porque no Salmo 58:2 há uma palavra hebraica () que permite os dois significados, dependendo dos pontos vocálicos associados à ela. (Lembre-se que no hebraico antigo não havia pontos vocálicos). Tanto ela pode ser lida ’elim ( ), que significa “deuses”, como ’elem ( ) que significa “silêncio”. A BHS contém os pontos vocálicos para se ler ’elem (“silêncio”), divergindo da King James. A TNM vocalizou de acordo com a BHS. Isso demonstra que os autores da TNM levaram em consideração o texto hebraico e não seguiram a Rei Tiago [Rei Jaime]. (Embora vocalize elem, a BHS menciona em uma nota a possibilidade de significar eilim. N.H. Snaith, em sua Bíblia Hebraica, também vocaliza a palavra  para ser lida ’elem Hebrew Old Testament [1970], Israel).

Embora não se queira discutir neste artigo qual o significado mais provável da palavra , se é elim ou elem, é bom salientar que a Septuaginta Grega [LXX] a traduziu por “deuses”, e a Vulgata Latina por “poderosos”. Versões que se harmonizam com o Salmo 8:4, 5 (“Vós [juízes] sois deuses....”) A outra possibilidade, porém, do emudecimento dos juízes em prol da justiça, também é aceitável.

Deve-se mencionar também que a versão American Standard Version (revisão da Rei Jaime) optou pela palavra “silêncio” ao traduzir o Salmo 58:2. Se não fosse esse detalhe poder-se-ia dizer com segurança que a TNM não é paráfrase daquela tradução. Sem mencionar o fato da própria Torre de Vigia ser uma das entidades que imprimem e distribuem a American Standard Version [ASV]. Essa familiaridade com a ASV a tornaria a verdadeira candidata de ser o texto-base da TNM. Mesmo considerando dessa forma os problemas ainda persistem, pois a TNM diverge da ASV em vários versículos.

Talvez não seja preciso cotejar as duas versões para se buscar uma comprovação de que a TNM é uma paráfrase. Como a TNM foi lançada em partes no decorrer de vários anos, o mais provável é que os seus autores tenham realmente tentado traduzir por si próprios as Escrituras Sagradas, especialmente o Novo Testamento, que foi escrito em grego – o idioma que Frederic Franz estudou na Faculdade, e que George Gangas falava em sua terra natal, a Grécia – o que não impede que tenham sempre levado em consideração outras versões vernáculas. Sendo correta essa teoria, o resultado, sem dúvida, seria um misto de tradução e paráfrase. Como ninguém viu o desenrolar do trabalho da Comissão Tradutora da TNM, só resta analisar o resultado da obra e comparar com outras versões, para tirar algumas conclusões.



As críticas mais ferrenhas tecidas contra a TNM geralmente se restringem às chamadas passagens cristológicas. Com relação a elas, a Torre de Vigia conseguiu um grande feito: descobriu que praticamente todos esses versículos possuem outras possibilidades aceitáveis de tradução, muitas vezes corroboradas por peritos e obras bem conceituadas do mundo erudito. Por mais que apologistas católicos e protestantes não reconheçam, isso é um fato. Alguns exemplos serão aqui fornecidos.


João 1:1
“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus.” – Versão CNBB.
Embora a frase acima seja a mais comum em edições da Bíblia, segundo várias outras traduções a conclusão “a Palavra era Deus” pode ser traduzida de diversas outras maneiras (como notará, nem todas as traduções abaixo são literais):

  1. The Wiclif Translation (1380), de Jonh Wiclif: “E deus era a palavra.” (OBS.: o primeiro theos desta passagem também foi traduzido em letra minúscula).

  2. The New Testament, In An Improved Version (1808): “E a Palavra era um deus.”

  3. The Monotessaron; or, the Gospel History, According to the Four Evangelists (1829), de John S. Thompson: “E o Logos era um deus.”

  4. The Emphatic Diaglott (1864), de Benjamim Wilson: “E um deus era a Palavra.”

  5. La Sainte Bible, Segond-Oltramare (1879): “E a Palavra era um ser divino.”

  6. O Novo Testamento (1907), de Curt Stage: “O Verbo era próprio do Ser Divino.”

  7. O Novo Testamento (1910), de Rudolf Boehmer: “Estava firmemente ligado com Deus, sim, próprio do Ser Divino.”

  8. The Restored New Testament (1914): “E verdadeiramente o Pensamento divino era o Deus secundário.”

  9. O Novo Testamento de Friedrich Pfaefflin (1919): “E era de peso divino.”

  10. The People's New Covenant (1925): “Originalmente havia a Palavra, ou o DEUS-Idéia existia; e o DEUS-Idéia existia na expiação [?; em inglês é “at-one-ment”] com DEUS; e o DEUS-Idéia era DEUS-manifesto.”

  11. La Bible du Centenaire, Societé Biblique de Paris. (1928): “E a Palavra era um ser divino.”

  12. An American Translation (1935), de J.M.P. Smith e E.J.Goodspeed: “E a Palavra era divina.”

  13. O Novo Testamento - Uma Nova Tradução de Johannes Greber (1937): “E o Verbo era um deus.”

  14. Das Neve Testament (1946), de Ludwig Thimme: “E a Palavra era de espécie divina.”

  15. Os Quatro Evangelhos - Uma Nova tradução de Charles Cutler Torrey (1947): “E o Verbo era deus.”

  16. A New Translation of the Bible (1954), de James Moffatt: “O Logos era divino.”

  17. As Sagradas Escrituras (1951), de Hermann Menge: “E Deus (=do Ser Divino) o Verbo era.”

  18. The Authentic New Testament (1958), de Hugh J. Schonfield: “E o Verbo era divino.”

  19. The New Testament (1958), de James L. Tomanek: “E a Palavra era um deus.”

  20. Wuest Expanded Translation (1961): “A Palavra estava em companheirismo com Deus, O Pai. E a Palavra era como a Sua absoluta deidade [isto é, como a absoluta deidade do Pai].” (Colchetes acrescentados).

  21. A New Translation (1968, 1969), de William Barclay: “A natureza da Palavra era a mesma que a natureza de Deus.”

  22. New English Bible (1970): “O que Deus era a Palavra era.”

  23. The Abbreviated Bible (1971): “– – – ” (Omitida a parte final do versículo).

  24. The Translator New Testament (1973), de W. D. McHardy: “A Palavra estava com Deus e compartilhava sua natureza.”

  25. Das Evangelium Nach Johannes (1975), de Siegfried Schulz: “E um deus (ou: da espécie divina) era a Palavra.”

  26. Das Evangelium Nach Johannes (1978), de Johannes Schneider: “E da sorte semelhante a Deus era o Logos.”

  27. Evangelium Nach Johannes (1979), de Jürgen Becker: “E um deus era o Logos.”

  28. The Sacred Scriptures, Bethel Edition (1981): “A Palavra estava com Yahweh, e a Palavra era Elohim.”

  29. The Unvarnished New Testament (1981): “E Deus era o que a Palavra era.”

  30. The Original New Testament (1985), de Hugh J. Schonfield: “Então a Palavra era divina.”

  31. The Word Made Fresh (1988), de Andy Edington: “– – – ” (Omitida a parte final do versículo).

  32. Revised English Bible (1989): “E o que Deus era a Palavra era.”

  33. Scholars Version (1993): “Era o que Deus era.”

O popular tradutor escocês William Barclay (da citação anterior de nº 21) concluiu com a frase: “A natureza da Palavra era a mesma que a natureza de Deus.” No entanto, numa edição posterior, ele resolveu traduzir esse versículo na forma mais conhecida: “E a Palavra era Deus” (The Gospel of John, Revised Edition, 1975). Sabe-se que Barclay não cria na doutrina da Trindade, mas isso não o impediu de voltar à versão tradicional de João 1:1, nem tampouco fez com que ele evitasse traduzir outros versículos do jeito que querem os trinitaristas.

Referente a João 1:1, Barclay fez o seguinte comentário: “É difícil entendermos essa afirmação, e ela é difícil porque o grego, língua na qual João escreveu, tinha uma maneira diferente de dizer as coisas.... Quando o grego usa um substantivo quase sempre é com o artigo definido ho [“o”]. Quando o grego se refere a Deus ele não diz simplesmente theos [“deus”]; ele diz ho theos [“o deus”]. Então quando o grego não usa o artigo definido junto a um substantivo, o substantivo se torna mais um adjetivo. João não queria dizer que a palavra era ho theos [“o Deus”]; como se dissesse que a palavra fosse idêntica a Deus. Ele disse que a palavra era theos – sem o artigo definido – o que significa que a palavra tinha, por assim dizer, exatamente a mesma característica e qualidade e essência e maneira de ser de Deus. Quando João disse a palavra era Deus ele não estava dizendo que Jesus era idêntico a Deus.... Nesse caso é melhor entendermos com o significado de que Jesus é divino. Vê-lo é o mesmo que ver o que Deus é.” – The Gospel of John, Revised Edition (1975), pp. 39, 74, Westminster John Knox Press.

João 1:1 é certamente um dos mais controversos pontos das Escrituras, ao contrário do que pensam as imutáveis mentes trinitárias não à par dos fatos. Quem afirma categoricamente que a TNM está absolutamente errada neste versículo fecha os olhos à realidade. Note mais comentários que confirmam isso:

“A verdadeira tradução aqui [em João 1:1] provavelmente seja: de Deus. Veja-se Nota Crítica..... [Diz a nota crítica:] Há três motivos diferentes para se crer que ‘de Deus’ seja a tradução correta. Primeiro, os manuscritos, segundo declarados na Nota; segundo, a lógica do argumento; porque, se o evangelista quis dizer ‘era Deus’, não haveria motivo para o versículo seguinte; terceiro, a construção gramatical da sentença: pois não teria ele escrito ‘era Deus’ ho logos én theós, que, de qualquer modo, teria sido mais elegante? Mas se lermos kai theoû-ho lógos, o theoû estará no seu lugar apropriado na sentença. Tenho-me refreado de corrigir o texto nessa passagem por causa do desejo expresso do falecido Bispo Westcott.” – The Patristic Gospels – A English Version of the Holy Gospels, pp. 118, 156; colchetes acrescentados. (Detalhe: o tradutor dessa Bíblia verteu João 1:1 da forma tradicional “o Verbo era Deus”, o que não impediu o seu honesto comentário).

“Um predicativo anartro precedendo ao verbo, tem primariamente sentido qualificativo. Indicam que o logos tem a mesma natureza de theos... A cláusula poderia talvez ser traduzida: ‘o Verbo tinha a mesma natureza de Deus.’” – Philip B. Harner, Journal of Biblical Literature, 1973, pp. 85, 87.

“João 1:1 deve ser rigorosamente traduzido ‘o verbo estava com o Deus [= o Pai], e o verbo era um ser divino’.” – Dictionary of the Bible, de John L. McKenzie, 1965, p. 317.



João 8:58

“Antes que Abraão existisse, eu sou.” – Mateus Hoepers.

“Antes que Abraão fosse, eu sou.” – William Barclay.

“Antes de haver um Abraão eu sou.” – Steven Byington.

OUTRAS VERSÕES:
“Desde antes de Abraão existir, eu tenho existido.” – The New Testament (1869), de G.R. Noyes.

“Eu já existia antes de Abraão nascer!” – Goodspeed Bible (1935).

“Antes de Abraão ter nascido, eu já era aquele que eu sou.” – Das Neue Testament (1965), de Jörg Zink.

“Antes de Abraão nascer, já eu era aquele que sou.” – O Novo Testamento, Interconfessional (1978).

“Eu existo desde antes Abraão existir.” – Vérsion Popular (1983).

“Eu já existia antes de Abraão ter nascido.” – James Moffatt Bible (1994).

“Eu já existia antes de Abraão nascer.” – A Bíblia Viva (1996).

“Antes que Abraão existisse, eu existo.” – Bíblia do Peregrino (1996).

“Eu já existia antes de Abraão ter nascido!” – New Living Translation (1996).

“Eu já era antes de Abraão nascer” – Worldwide English New Testament (2001)

“Eu sou o que sou antes de Abraão existir.” – The Message (2002), de Eugene H. Peterson.
Embora a tradução “eu sou” esteja correta, se vista pelo sentido literal, parece bem evidente que o que Jesus queria dizer era que ele já existia antes de Abraão existir. Todo bom tradutor sabe que o literalismo geralmente não garante uma boa tradução, embora no que diz respeito à Bíblia isto tenha sua utilidade. Mesmo do ponto de vista gramatical, ao converter o texto canônico para o vernáculo, todas as traduções aí citadas estão corretas, mesmo sem traduzir a expressão grega egó emí por “eu sou”. Sobre este ponto em questão, o professor universitário de língua grega, Nicholas Kip, fez o seguinte comentário:
“Em alguns lugares, os trinitaristas manipulam claramente a evidência. O exemplo clássico disto é, acho eu, João 8:58. Ali, Jesus disse: ‘Antes que Abraão existisse eu sou.’ (Almeida) Os trinitaristas pegam este uso de ‘eu sou’, por parte de Jesus aqui, e relacionam-no com a declaração feita por Jeová a Moisés, em Êxodo 3:14 (Al): ‘Eu sou o que sou.’ Visto que tanto Jesus como Jeová usaram a expressão ‘Eu sou’, eles argumentam que isto faz com que Jesus e Jeová sejam uma só pessoa. E o radical grego realmente diz sou no presente, em João 8:58.

“No entanto, até as próprias gramáticas de teologia deles reconhecem que, quando uma expressão aparece no tempo passado na sentença, o verbo no presente pode às vezes ser traduzido como se já tivesse iniciado no passado e prosseguido até o presente. Isto também ocorre no francês e no latim. Por isso, quando a Tradução do Novo Mundo diz ‘eu tenho sido’, em vez de ‘eu sou’, ela está traduzindo corretamente o grego. (João 8:58) Todavia, os trinitaristas agem como se: ‘Não, isso nem mesmo é possível!’ Assim, comecei a notar esta distorção da evidência por parte dos detratores da Sociedade.” – Despertai!, de 22 de março de 1987, p. 14.


Embora o professor Kip tenha se tornado Testemunha de Jeová, no resto do seu relato ele indica que já tinha essa opinião antes de sua conversão. Portanto, sua declaração é significativa neste momento.

Interessante é que a Torre de Vigia na sua The Kingdom Interlinear Translation verte João 8:58 da seguinte forma: “Antes de Abraão tornar-se eu sou.” O que vem a confirmar a declaração do professor Kip.



Atos 20:28

“ [Pastoreai] a Igreja de Deus, que ele adquiriu com seu próprio sangue.” – Versão Pedreira de Castro.

OUTRAS VERSÕES:
“.... que o Senhor comprou com o seu próprio sangue.” – Reina-Valera (1960)

“.... por meio do sangue do seu próprio Filho.” – A Bíblia na Linguagem de Hoje (1973).

“.... pelo sangue de seu próprio Filho.” – A Bíblia Fácil, CBC (1973).

“.... pelo sangue do seu próprio Filho.” – A Bíblia de Jerusalém (1981).

“.... com o sangue de seu Filho.” – Mensagem de Deus (1983).

“.... pelo sangue de seu próprio Filho.” – Novo Testamento de José Raimundo Vidigal (1984).

“.... com o sangue do seu próprio Filho.” – Edição Pastoral (1991).

“.... com o sangue de seu próprio Filho.” – Contemporary English Version (1995).


A Tradução do Novo Mundo verte:


“...com o sangue do seu próprio [Filho].”


  • Comentários de eruditos sobre Atos 20:28:

“De modo algum é impossível que  [hui·oú, “do Filho”] fosse omitido depois de  [tou i··ou, “de seu próprio”] numa transcrição muito antiga, afetando todos os documentos existentes. Por se inserir isso deixa-se a passagem inteira isenta de qualquer tipo de dificuldade.” – The New Testament in the Original Greek (1881), de Westcott e Hort, Vol. 2, Londres, pp. 99, 100, apêndice.


“Antes de abandonarmos  [í·di·os] deve-se dizer algo sobre o uso de  [ho í·di·os] sem um substantivo expresso. Isto ocorre em Jo 111 131, At 423 2423. Nos papiros encontramos o singular usado deste modo como termo de carinho para com parentes chegados.... Em Expos. VI. iii. 277 atrevi-me a citar isso como possível encorajamento aos (inclusive B. Weiss) que traduziriam Atos 2028 por ‘o sangue de alguém que era seu próprio’.” – A Grammar of New Testament Greek (1930), de J. H. Moulton, Vol. 1 (Prolegomena), p. 90.

Romanos 9:5


“São israelitas.... dos quais é Cristo segundo a carne, o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente. Amém.” – Versão Almeida.
OUTRAS VERSÕES:
“...e dos quais, por descendência física, veio o Cristo. Deus, que é sobre todos, seja bendito por todas as eras! Amém.” – The Riverside New Testament (1934).

“...e da sua raça, segundo a carne, é o Cristo. Deus, que é sobre todos, seja bendito para sempre. Amém.” –Revised Standard Version (1952). – Nota: “Ou Cristo, que é Deus sobre todos, bendito para sempre.”

“...e deles, na descendência natural, procedeu o messias. Que Deus, o supremo sobre todos, seja bendito para sempre! Amém – The New English Bible (1961).

“...e Cristo, como ser humano, pertence à sua raça. Que Deus, que governa sobre todos, seja louvado para sempre! Amém.” – Today's English Version (1966).

“...e deles veio o messias (falo de suas origens humanas). Bendito para sempre seja Deus, que é sobre todos! Amém.” – The American Bible (1970).

“...e deles é o Cristo, segundo a carne. O Deus que está acima de tudo seja bendito pelos séculos! Amém.” –Bíblia Vozes (1982).

“...e deles nasceu Cristo segundo a condição humana, que está acima de tudo. Deus seja bendito para sempre. Amém.” – Edição Pastoral (1990).

“Aqueles famosos ancestrais, que também eram ancestrais de Jesus Cristo. Oro que Deus, que governa sobre todos, seja louvado para sempre!” – Contemporary English Version (1995).

“...de sua linhagem segundo a carne descende o Messias. Seja para sempre bendito o Deus que está acima de tudo.” – Bíblia do Peregrino (1996).


  • Nota ao pé de página sobre Romanos 9:5: “Ou ‘Cristo, que é sobre tudo. Seja Deus louvado para sempre!’.” – Nova Versão Internacional.



Filipenses 2:6

“[Mesmo Jesus] sendo em forma de Deus, não considerou ser igual a Deus como uma usurpação.” – versão Alfalit Brasil.

OUTRAS VERSÕES:
“O qual, sendo em forma de Deus, não achou que ter igualdade com Deus fosse algo de que devesse apossar-se.” – The New Testament (1869), de G. R. Noyes.

“Sendo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus como aquilo que devia agarrar-se com força.” – Reina-Valera (1960).

“Ele – realmente de natureza divina! – nunca se fez, com autoconfiança, igual a Deus.” – Das Neue Testament (1965), edição revisada, de Friedrich Pfaefflin.

“Ele, Deus por natureza, não julgou dever a todo custo ostentar a glória divina.” – Bíblia LEB (1965).

“O qual, embora sendo em forma de Deus, não achou que ser igual a Deus fosse algo do que gananciosamente se apoderar.” – La Bibbia Concordata (1968).

“Ele que era de condição divina não reivindicou o direito de ser equiparado a Deus.” – Missionários Capuchinhos (1971).

“Ele sempre teve a mesma natureza de Deus, mas não tentou ser, pela força, igual a Deus.” – A Bíblia na Linguagem de Hoje (1973).

“Tinha toda natureza de Deus, [mas] não considerou a igualdade com Deus algo para se agarrar.” – New International Version (1984).

“O qual, sendo em forma de Deus, não achou que a igualdade com Deus fosse algo do que se apossar.” –The New Jerusalem Bible (1985).

“Ele existia na forma de Deus, [mas] não considerou a igualdade com Deus algo para se agarrar.” – New American Standard Bible (1995).

“Ele era na forma de Deus, mas não contou que a igualdade com Deus fosse algo para se agarrar.” – English Standard Version (2001).

“Apesar dele ter existido na forma de Deus, não considerou a igualdade com Deus algo para se agarrar.” – International Standard Version (2002).


A Tradução do Novo Mundo verteu da seguinte forma:
“O qual, embora existisse em forma de Deus, não deu consideração a uma usurpação, a saber, que devesse ser igual a Deus. ”

Tito 2:13 [= 2 Pedro 1:1]

“Aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus.” – Versão Almeida.

OUTRAS VERSÕES:
“...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus” – The Riverside New Testament (1934).

“...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus” – James Moffatt Bible (1935).

“...do grande Deus e de nosso Salvador, Jesus Cristo.” – La Sainte Bible, de Loius Segond (1957).

“...do grande Deus e de nosso Salvador, Cristo Jesus.” – The New American Bible (1970).

“...do grande Deus e do Salvador Nosso, Jesus Cristo.” – Novo Testamento, de Mateus Hoepers (1978).

“...do nosso grande Deus e do nosso Salvador Jesus Cristo.” – Bíblia do Peregrino (1996).

A Tradução do Novo Mundo verte:

“...do grande Deus e [do] Salvador de nós, Cristo Jesus.”




  • Comentário de um erudito sobre Tito 2:13:

“Do grande Deus e de nosso Salvador, Jesus Cristo . . . é possível no grego  [koi·né] mesmo sem a repetição [do artigo definido].” – An Idiom Book of New Testament Greek (1971), de C. F. D. Moule, Cambridge, Inglaterra, p. 109.




  • Comentário da TNM com referências e notas marginais sobre Tito 2:13:

“Neste lugar encontramos dois substantivos ligados por  (kai, “e”), sendo o primeiro substantivo precedido pelo artigo definido  (tou, “do”) e o segundo substantivo sem o artigo definido. Uma construção similar é encontrada em 2Pe 1:1, 2, onde, no v. 2, se faz uma nítida distinção entre Deus e Jesus. Isto indica que, quando duas pessoas diferentes são ligadas por , se a primeira pessoa for precedida pelo artigo definido, não é necessário repetir o artigo definido antes da segunda pessoa. Exemplos desta construção no texto grego são encontrados em At 13:50; 15:22; Ef 5:5; 2Te 1:12; 1Ti 5:21; 6:13; 2Ti 4:1. Esta construção é também encontrada na LXX. (Veja Pr 24:21 n.)”


O texto de Provérbios mencionado acima diz: “Filho meu, teme a Deus e ao rei.” (Prov. 24:21) Literalmente, a Septuaginta Grega verte “fo·boú ton the·ón, hui·é, kai ba·si·lé·a”, ou seja, “filho, teme a Deus e rei.” Omite-se o artigo antes da segunda pessoa mencionada: o rei. Isso confirma o comentário da TNM de que quando duas pessoas estão ligadas em grego por kai (“e”), o artigo definido pode aparecer somente antes da primeira pessoa. No entanto, ao se traduzir versículos com tal estrutura é necessário adicionar o artigo antes da segunda pessoa, combinado ou não com preposição, para proporcionar inteligibilidade da expressão.

Há vários versículos bíblicos com estrutura semelhante a Tito 2:13. Por exemplo, em Mateus 21:12 encontra-se o seguinte: “Jesus entrou no templo e lançou fora todos os que vendiam e compravam no templo.” Evidentemente, o evangelista estava a falar de duas categorias de pessoas: os que vendem e os que compram. Sendo assim, esse versículo poderia ser traduzido da seguinte maneira: “Jesus entrou no templo e lançou fora todos os que vendiam e os que compravam no templo.”



Hebreus 1:6

“Que todos os anjos de Deus o adorem!” – José Raimundo Vidigal.

“Que todos os anjos de Deus prostrem-se diante dele.” – Tradução Ecumênica da Bíblia.

“E todos os anjos de Deus se inclinem diante dele.” – Goodspeed Bible.


O texto acima se refere a Jesus. Mas, qual das traduções acima é a correta? Os anjos tinham que adorar ou se curvar diante de Jesus? Qualquer pessoa com conhecimento básico de grego coiné sabe que proskinéo, palavra usada neste versículo, pode ser traduzida em qualquer um dos significados acima citados, e que ela significa basicamente prostrar-se. Certo dicionário define proskinéo da seguinte forma:

“Prostrar-se (em sinal de adoração e/ou sujeição): (diante de alguém, algo).” – Dicionário do Grego do Novo Testamento, de Carlos Rusconi, Editora Paulus.

O termo proskinéo significa adoração, homenagem, reverência ou o ato de curvar-se diante de alguém. Portanto, é o tradutor quem determina qual é a melhor acepção. Por exemplo, a Bíblia de Jerusalém traduziu proskinéo, em Mateus 18:26, da seguinte forma: “[Diante do rei] caiu aos seus pés e, prostrado....”, embora tenha vertido “adorar” em Hebreus 1:6, porque o texto se refere a Jesus e não a um rei humano.


  • Nota da Bíblia do Peregrino sobre Hebreus 1:6: “ ‘Adorem’: rendendo homenagem ao soberano.”

A Tradução do Novo Mundo verteu da seguinte forma:

“E todos os anjos de Deus lhe prestem homenagem.”


Hebreus 1:8
“Com referência ao Filho: ‘Deus é o teu trono para todo o sempre.’” – Tradução do Novo Mundo.

“Sobre o Filho porém afirma: o teu trono, ó Deus, permanece para sempre.” – Edição Pastoral.


O apóstolo Paulo está a citar o Salmo 45:7. Note como a própria tradução usada acima (Edição Pastoral) traduz esse Salmo: “Seu trono é de Deus, e permanece para sempre”. Qual seria então a tradução correta? Por que uma mesma passagem é traduzida de duas maneiras diferentes? A tradução correta é “Deus” ou “de Deus”?

Observe como diversas traduções vertem o Salmo 45:7:


“Teu divino trono é para sempre, teu cetro real, um cetro de equidade.” – Tanakh.

“O teu trono é de Deus e para sempre.” – O Salmos (LEB).

“Deus é teu trono para todo o sempre.” – The Bible in Living English.

“Teu trono é de Deus, para sempre e eternamente!” – Bíblia de Jerusalém.

“O teu trono é de Deus e para sempre.” – Mensagem de Deus.

“Teu divino trono dura para todo o sempre.” – Revised Standard Version.

“O que Deus lhe deu vai durar para sempre.” – A Bíblia na Linguagem de Hoje.

“O teu trono é de Deus para sempre e eternamente.” – La Bible de Jerusalém.

“Teu trono é de Deus para todo o sempre.” – The Message (American Bible Society).

“O teu reino, como o trono de Deus, é para sempre! – Missionários Capuchinhos.

Há versões que até omitem as expressões “ó Deus” e “de Deus”:
“O teu trono subsiste no século do século.” – Hebreus 1:8, Pedreira de Castro.

“Teu trono subsistirá para sempre.” – Salmo 45:6, Moffatt.

Observe três notas ao pé de página sobre Salmo 45:7 e Hebreus 1:8:


  • Salmo 45:7: “Ou ‘teu trono é de Deus’.” – American Standard Version.

  • Salmo 45:7: “Ou ‘teu trono é um trono de Deus’, ou ‘teu trono, ó Deus’.” – Revised Standard Version.

  • Salmo 45:7: “Ou ‘teu divino trono’.” – New Living Translation (Tyndale House).

  • Hebreus 1:8: “Ou ‘Deus é teu trono’.” – Revised Standard Version.

Não há motivo para ser dogmático sobre qual é a tradução correta desses versículos. Os autores das notas acima são especialistas nos idiomas originais da Bíblia, e são eles que dizem que há várias possibilidades de tradução igualmente aceitáveis do ponto de vista gramatical.

Esse salmo se dirigia originalmente ao rei de Israel. Como dificilmente o salmista teve a intenção de dizer que o rei fosse Deus, é bem razoável que a tradução correta seja “de Deus”, pois o poder régio do governante judeu provinha de Deus. Talvez seja por esse motivo que a Bíblia na Linguagem de Hoje [BLH] verte: “O que Deus lhe deu vai durar para sempre.” Sendo que uma nota da BLH, sobre o Salmo 45:6, diz: “O reino que Deus lhe deu; ou O teu reino, ó Deus; ou O seu reino divino.”

Mesmo que o salmista estivesse chamando o rei de “deus”, é bom lembrar que o próprio Yahweh aplicou o termo “deus” a diversas outras pessoas, ou autorizou que elas usassem tal termo:



  • Anjo se apresentando como Deus – Êxodo 3:4,5; Atos 7:29,30.

  • Moisés chamado por Yahweh de Deus. – Êxodo 4:16; 7:1.

  • Anjo chamado de Deus – Juízes 13:21,22.

  • Anjos chamados de Deuses – Salmo 8:4,5; Hebreus 2:6,7 (Vide a Septuaginta, e compare com outras traduções).

  • Juízes israelitas chamados por Yahweh de Deuses. – Salmo 58:2; 82:1,6 (Compare com Êxodo 22:9).

  • A casa de Davi chamada de Deus – Zacarias 12:8.

Os versículos aí citados mostram que o nome “Deus” pode ser usado de forma especial e esporádica a pessoas que representam oficialmente o Altíssimo. Esta possibilidade é comentada por vários tradutores:



  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “Este poema nupcial é dedicado ao rei para exaltar suas qualidades físicas, augurar-lhe a vitória no campo de batalha e um reinado de justiça e verdade. Na qualidade de Ungido, é ele o representante do Senhor na terra e, por sua função de exercer e promover a justiça, é intitulado ‘deus’ ”. – Bíblia Vozes.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “Deus, palavra que por vezes é aplicada a homens (cf. Ex. 4:16), parece aqui designar o rei.” – Tradução Ecumênica da Bíblia.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “Vemos no termo ’elohîm um vocativo qualificando o rei; este título protocolar é de fato aplicado ao Messias. (Is. 9,5).” – Bíblia de Jerusalém.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “É duvidoso o sentido da invocação ‘Ó Deus’: ou interrompe o poema com uma elevação a Deus, ou se refere ao próprio rei, a quem chama de ‘divino’.” – Salmos, a Oração do Povo de Deus, de Ivo Storniolo.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “ ‘Ó Deus’: o rei é chamado aqui de Elohim, i.e., Deus, não no sentido politeísta com que os orientais chamavam seus reis, mas enquanto lugar-tenente de Deus, cf. Sl 57 (58), 2; 81 (82), I, 6.” – Bíblia Figueiredo.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 45:7: “ ‘Deus’ é um título protocolar aplicado a muitos personagens bíblicos (Êx. 4,16; 7,1; Êx. 22,6; Sal 82,6).” – Missionários Capuchinhos.

  • Nota ao pé de página sobre Hebreus 1:8: “Fórmula de entronização. Ao rei dirige-se a denominação elohim: deus.” – Tradução Ecumênica da Bíblia.

Observe outros comentários a respeito de passagens que usam a palavra “Deus” se referindo a indivíduos:



  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 58:2 [57:2]: Potentados: liter.: ‘deuses’: como no Sl 81 (82), os juízes e magistrados são chamados deuses, porque exercem na terra um poder divino.” – Bíblia Figueiredo.

  • Nota ao pé de página sobre o Salmo 58:2 [57:2]: “Divinos está [se referindo a].... juízes e príncipes.” – Missionários Capuchinhos.

  • Veja o apêndice no final do artigo que trata sobre o Salmo 58:2.

  • Nota sobre Êxodo 21:6:A presença do tribunal: outros traduzem: ‘à presença de Deus’; segundo a interpretação rabínica, por Deus deve entender-se o tribunal, que se sentava junto à porta da cidade e julgava em nome de Deus.” – Missionários Capuchinhos.

É interessante como tradutores trinitaristas conseguem chegar a conclusões que acabam por minar a crença de que Jesus é o Deus Todo-Poderoso, crença que se baseia no fato de Jesus ter recebido a denominação “Deus” em algumas passagens bíblicas. Ora, não o receberam também diversas outras pessoas? Onde as Escrituras dizem que essa peculiaridade não pode também se aplicar ao Senhor Jesus? – 1 Coríntios 4:6.

Bem, mas saindo do campo da análise lógica, porém, teria a construção gramatical desse versículo espaço para mais de uma possibilidade de tradução? O erudito bíblico B. F. Westcott fez o seguinte comentário sobre essa passagem:

“A LXX. admite dois modos de verter: [ho théos] pode ser considerado um vocativo em ambos os casos (Teu trono, ó Deus,... portanto, ó Deus, Teu Deus...) ou pode ser considerado o sujeito (ou predicado) no primeiro caso (Deus é Teu Trono, ou Teu trono é Deus...) , e um aposto de [ho theós sou] no segundo caso, (Portanto, Deus, o Teu Deus...)... É bem improvável que [Élohím] no original fosse dirigido ao rei. A conclusão a que se chega, pois, é contra a crença de que [ho theós] seja um vocativo na LXX. Assim, de modo geral, parece melhor adotar na primeira oração a tradução: Deus é Teu trono (ou: Teu trono é Deus), isto é, ‘Teu reino funda-se em Deus, a Rocha inabalável’.” – The Epistle to the Hebrews (Londres, 1889), pp. 25, 26.

Portanto, o professor Edgar Goodspeed ao traduzir Hebreus 1:8 tinha razões concretas para escolher a seguinte versão:

Mas do filho ele diz: ‘Deus é teu trono para todo o sempre!’ ”.

O mesmo fizeram os tradutores James Moffatt e Steven Byngton, e os tradutores das versões Revised Standard Version – Westminster Study Bible, e da The Twentieth Century New Testament. Sendo assim, a TNM não está só na sua maneira de verter Hebreus 1:8, e os seus tradutores não podem ser acusados de que não têm base alguma para apoiar sua escolha.



  1   2


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal