Trabalho Acadêmico



Baixar 412,59 Kb.
Encontro26.10.2017
Tamanho412,59 Kb.



INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA

Professor:

Humberto Tommasi

tommasi@tommasi.adv.br

www.tommasi.adv.br

www.ineja.com.br

  • ADVOGADO Graduado pela PUC-PR – Pontifícia Universidade Católica do Paraná



  • Especialista em Direito Previdenciário pela UNICURITIBA – Centro Universitário Curitiba



  • Sócio-Diretor do INEJA – Instituto Nacional de Ensino Jurídico Avançado

2011

MATERIAL DE APOIO PREPARADO PARA AS AULAS MINISTRADAS NO PROGRAMA SABER DIREITO DA TV JUSTIÇA

SUMÁRIO

1. INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA.............................................................3

1.1. Introdução ..........................................................................................3

1.2. Breve Histórico da Previdência Social................................................3

1.3. A Previdência Social Como Direito Fundamental...............................4

1.4. Estrutura da Seguridade Social no Brasil...........................................9

1.5. Há Déficit na Previdência Social?......................................................11

1.6. Alguns números da Previdência Social no Brasil..............................17

2. QUALIDADE DE SEGURADO.............................................................21

2.1. Introdução..........................................................................................21

2.2. O Início da Proteção Previdenciária..................................................22

2.3. Manutenção e Perda da Qualidade de Segurado.............................28

2.4. Conceito de Dependente...................................................................38

2.5. Perda da Qualidade de Dependente.................................................40

2.6. Reaquisição da Qualidade de Segurado...........................................45

2.7. Benefícios que Independem da Qualidade de Segurado..................49

2.8. Entendimentos Avançados................................................................54

3. DESAPOSENTAÇÃO..........................................................................60

3.1. Introdução.........................................................................................60

3.2. Competência para Ajuizamento da Demanda de Desaposentação..61

3.3. Fundamentos da Desaposentação...................................................63



4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...................................................70

1. INCLUSÃO PREVIDENCIÁRIA

1.1. Introdução

O que é inclusão previdenciária? Trata-se, em verdade, de um fim, de uma finalidade a ser alcançada pelo Estado, que deve trazer para o seio da Previdência Social toda a população economicamente ativa do Brasil e boa parte daqueles que não exercem nenhuma atividade de vinculação obrigatória.

Diminuir a informalidade e erradicar a falta de alguma proteção previdenciária deve nortear a Administração Pública e toda a Sociedade, com o objetivo de que, no futuro, não existam brasileiros sem cobertura previdenciária.

Estas ações vão garantir, não somente a saúde financeira da Previdência Social, mas uma arrecadação muito maior de tributos, maior geração de emprego e renda, melhores condições de trabalho, mais investimentos para o país, menos gastos com assistência social e, por fim, condições de vida mais digna para a população brasileira.

A falta de conhecimento da população sobre o que é Previdência Social e sobre quais são seus direitos previdenciários, leva a um descrédito infundado do Sistema, que acaba por repudiar os trabalhadores, ao invés de atraí-los para a proteção previdenciária.

Cabe principalmente ao Governo Federal, mas também aos Governos Estaduais e Municipais e indiretamente à toda Sociedade, adotar medidas de esclarecimento e incentivo à inclusão previdenciária, buscando atingir toda a população economicamente ativa do país.



1.2. Breve Histórico da Previdência Social

Vem da pré-história a preocupação do Homem em poupar alguma coisa para o futuro, de se precaver contra as intempéries, de se prover para períodos de dificuldades e de se prevenir contra ataques e acidentes.

Por isso é que Bertrand Russel escreveu: “... quando um homem primitivo, nas brumas da pré-história, guardou um naco de carne para o dia seguinte depois de saciar a fome, aí estava nascendo a previdência.”

Logicamente que o que fazia o homem primitivo não era “previdência social”, mas uma simples forma de proteção individual, de racionalização da comida, para que houvesse algo para mastigar no dia seguinte sem necessidade de nova caçada. A Previdência Social como a conhecemos hoje é muito maior do que isso e tem status de direito fundamental.

No mundo, adota-se como tendo sido o início da Previdência Social as leis alemãs de 1883, de Otto Von Bismarck, isto porque foi a primeira vez que o Estado assumiu a responsabilidade pela proteção previdenciária.

No Brasil, convencionou-se que a Lei Eloy Chaves, Decreto nº 4.682 de 24/01/1923, que criou as Caixas de Aposentadorias e Pensões (CAP) para os trabalhadores empregados das empresas ferroviárias é o marco inicial da Previdência Social, o que faz com que nosso sistema de previdência já tenha 88 anos.

Vale lembrar também que o Instituto nacional do Seguro Social – INSS, atual órgão gestor do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, foi criado pelo Decreto no 99.350, de 27/061990, mediante a fusão do IAPAS com o INPS e que as atuais leis de custeio e de benefícios do RGPS são, respectivamente, as Leis nº 8.212 e 8.213, ambas de 24/07/1991, as quais, aliadas a Constituição Federal de 1988, formam o principal arcabouço legal para seu entendimento.

1.3. A Previdência Social Como Direito Fundamental

Já é passado o tempo em que se discutia se a previdência social é ou não um direito fundamental, hoje em dia os maiores e melhores doutrinadores, assim como a absoluta maioria da jurisprudência entendem os direitos sociais como direitos fundamentais, portanto, previdência social é um direito social fundamental.

Previdência Social é, então, basicamente, um seguro, um seguro social, que tem como características ser contributivo, compulsório, financiado pelos empregados, empregadores e por toda a sociedade e destinado aos trabalhadores e seus dependentes.

Com o correr dos anos, diante da nova visão sobre o Homem como ser social e destinatário das políticas públicas e não como instrumento destas e da consolidação do princípio da dignidade da pessoa humana como valor supremo nas Constituições, a Previdência Social alcançou o status de Direito Fundamental.

Com a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948, a Previdência Social alcançou o patamar mais alto na História até então, sendo considerada como Direito Fundamental. Veja-se seu artigo XXV. 1:

“1. Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.

2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.”

Na mesma esteira, na Constituição Federal de 1988, no Título II, Dos Direitos e Garantias Fundamentais, passou a figurar a Previdência Social como Direito Social Fundamental, protegido pelo status de “cláusula pétrea”, o que impede a apreciação ou deliberação de qualquer emenda tendente a modificá-lo ou aboli-lo.

Neste viés, os direitos sociais encontram-se topograficamente localizados na Constituição Federal de 1988, como direitos fundamentais (art. 6º, da CF/88), o que implica dizer que toda a interpretação, toda a hermenêutica afeta aos direitos fundamentais, deve tocar também os direitos sociais e, por conseguinte, também os direitos previdenciários, mas não de forma superficial ou assessória, mas de forma integral e principal.

Nos dizeres de Marcus Orione Gonçalves CORREIA e Marisa Ferreira dos SANTOS1:


“... o posicionamento dos direitos sociais como direitos fundamentais significa que toda metodologia de interpretação aplicável aos direitos fundamentais historicamente deve se colocar à disposição de um sistema de segurança social. Não basta mais acreditar que apenas os direitos e garantias individuais são fundamentais.”
Portanto, ter como ponto de partida na interpretação dos direitos sociais e previdenciários todas as técnicas de hermenêutica atinentes aos direitos fundamentais e como norte a realização e concretização constitucionais é medida que se impõe a qualquer operador do direito.

Mas qual deve então ser considerada a melhor técnica de interpretação para que a realização constitucional não se torne utópica, evitando que o texto constitucional seja considerado apenas um documento de “belas e boas” intenções políticas.

A resposta encontra-se no núcleo fundamental da constituição, no seu cerne, na sua essência, na sua razão de ser, no seu conteúdo mínimo, traduzido na observância inafastável do princípio da dignidade da pessoa humana.

Para tanto, é importante saber esmiuçar o que se entende por dignidade da pessoa humana, refutando, primeiramente, qualquer argumento que pretenda considerá-lo norma aberta, sem conteúdo objetivo ou com significado vago, para somente então utilizar toda a carga axiológica do princípio, todo o seu significado, tudo o que representa, no deslinde de casos concretos.

Logo, por dignidade da pessoa humana, entende-se o espaço de integridade moral a ser assegurado a todas as pessoas por sua só existência no mundo. È um respeito à criação, independente da crença que se professe quanto à sua origem. A dignidade relaciona-se tanto com a liberdade e valores do espírito como com as condições materiais de subsistência.

O desrespeito a este princípio marcou de vergonha alguns capítulos do século que se encerrou e a luta por sua afirmação será um símbolo do novo milênio. Ele representa a superação da intolerância, da discriminação, da exclusão social, da violência, da incapacidade de aceitar o outro, o diferente, na plenitude de sua liberdade de ser, pensar e criar.

Dignidade da pessoa humana expressa um conjunto de valores civilizatórios incorporados ao patrimônio da humanidade. O conteúdo jurídico do princípio vem associado aos direitos fundamentais, envolvendo aspectos dos direitos individuais, políticos e sociais.

Seu núcleo material elementar é composto do “mínimo existencial”, locução que identifica o conjunto de bens e utilidades básicas para a subsistência física e indispensável ao desfrute da própria liberdade. Aquém daquele patamar, ainda quando haja sobrevivência, não há dignidade.

O elenco de prestações que compõe o mínimo existencial comporta variações conforme a visão subjetiva de quem o elabore, mas parece haver razoável consenso de que inclui: “renda mínima, saúde básica e educação fundamental”.2

Por fim, resta acrescentar que mesmo o conceito e o entendimento sobre a dignidade da pessoa humana, sofrem suas mutações ao longo da história. Como bem lembra Marcus Orione Gonçalves CORREIA e Marisa Ferreira dos SANTOS3:


“A dignidade humana de 1988, certamente, não é mais a dignidade humana de 2005, como não será a de 2015. O conceito de dignidade humana do texto constitucional, postulado basilar da formação de um sistema de interpretação, deve ser sempre reavaliado. Trata-se de uma dignidade revista à luz de uma Constituição real e não meramente formal.”
Perceber, entender e avaliar estas mudanças é trabalho para o interprete, que deve saber posicionar-se diante da nova realidade social, propiciando a efetivação do princípio da dignidade da pessoa humana e a realização constitucional.

Com este raciocínio, tem-se que todas as regras e princípios atinentes à proteção social e previdenciária devem primar pela defesa do princípio da dignidade da pessoa humana, atendendo ao seu conteúdo axiológico e a outros princípios e regras que estão no ordenamento jurídico pátrio, como normas válidas, cogentes e de observância inafastável, como é o caso do art. XXV, da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, já citado linhas acima.

Referido artigo, ainda que conste da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, não pode ser considerado apenas como um fim a ser alcançado pelo Estado, quando for possível, sem que haja força cogente ou pelo menos sanção à políticas que atrasem, dificultem ou contrariem referidas determinações, pena de se relegar a inocuidade um texto carregado de objetivos humanos.

De qualquer sorte, da interpretação do princípio da dignidade da pessoa humana e destes textos legais, extraem-se inúmeras conseqüências e possibilidades que podem e devem influenciar toda a atuação política e privada no sentido de garantir uma eficaz e digna proteção social e previdenciária, cabendo aos operadores do direito a nobre tarefa de lutar por uma virada paradigmática no atual contexto das proteções sociais e das prestações do Regime Geral de Previdência Social.

Em suma, toda a carga axiológica que traz o princípio da dignidade da pessoa humana e todas as determinações constantes em textos constitucionais, infraconstitucionais e outros recepcionados por nosso ordenamento jurídico, não podem ser vistas como fins a serem alcançados pelo Estado, sem implicações por descumprimento e sem prazo para tanto.

A proteção social completa, ainda que possa estar no texto constitucional classificada como normas programáticas não pode ser esquecida ou deixada de lado, pois no atual grau de evolução jurídica que se encontra o país, até mesmo as normas constitucionais programáticas não são mais vistas como meros conselhos, exortações sem força vinculante, simples orientações morais, sugestões éticas e tarefas realizáveis ao alvedrio de seus destinatários, em especial o legislador infraconstitucional e os Poderes Públicos, mas como normas verdadeiramente vinculativas, de observância cogente e realização imediata.

Até mesmo porque, não existe discricionariedade do legislador ou dos Poderes Públicos no que concerne à observância das normas constitucionais programáticas e ao momento de sua realização, mas somente no que atine à forma de concretização destas normas, não sendo permitido aos seus destinatários, valerem-se de questões de conveniência e oportunidade na aplicação destas normas, mas só na forma de aplicá-las.

Por estas razões, não se pode permitir que as proteções sociais e previdenciárias sejam relegadas a segundo plano, uma vez que comportam a mesma força normativa de garantias e direitos individuais como a liberdade.

Diante deste contexto, o Governo deveria fazer um esforço gigante para buscar a inclusão previdenciária de um número cada vez maior de brasileiros, o que, infelizmente, não acontece, prejudicando sobremaneira o Brasil como um todo, pois como já dissemos, o sucesso na inclusão previdenciária trará para o país não só uma maior arrecadação previdenciária, mas também, permitirá a construção de uma sociedade mais justa, com menor desigualdade social e mais dignidade para os que dela mais necessitam.

Para remediar esta situação e tornar realmente eficaz a inclusão previdenciária no Brasil, não existe segredo ou fórmula mágica, a saída é o conhecimento. Viver na ignorância é que afasta as pessoas da proteção previdenciária, arruína famílias inteiras, destrói lares e lança nas garras da assistência social um número expressivo de cidadãos que facilmente teriam garantidos seus direitos previdenciários caso tivessem um mínimo de conhecimento sobre como estes funcionam, como podem ser reivindicados e quais as vantagens de se manter filiado à Previdência Social.



1.4. Estrutura da Seguridade Social no Brasil

No Brasil, a seguridade social foi pensada para abranger as ações destinadas a criar, promover e manter a previdência social, a assistência social e a saúde.

A saúde e a assistência social são destinadas a todas as pessoas, bastando para usufruí-las, em alguns casos, apenas cumprir uma determinada condição sócio econômica, independentemente de qualquer contra prestação do beneficiário.

Já a Previdência Social é um sistema contributivo e depende do pagamento de contribuições para que se faça jus às suas prestações.

O artigo 194 da CF/88 determina que a seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

O parágrafo único do mesmo artigo, traz os princípios norteadores da seguridade social, sendo estes:

Art. 194. (...) Parágrafo único. Compete ao Poder Público, nos termos da lei, organizar a seguridade social, com base nos seguintes objetivos:

I - universalidade da cobertura e do atendimento;

II - uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais;

III - seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços;

IV - irredutibilidade do valor dos benefícios;

V - eqüidade na forma de participação no custeio;

VI - diversidade da base de financiamento;

VII - caráter democrático e descentralizado da administração, mediante gestão quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998).”

Como o foco aqui é a Previdência Social, vamos detalhar um pouco mais a estrutura da Previdência no Brasil hoje:

Existem basicamente quatro Regimes de Previdência no Brasil, sendo estes, o Regime Geral de Previdência Social – RGPS, destinado à iniciativa privada e àquelas pessoas que não estão vinculadas obrigatoriamente a algum sistema de previdência; o Regime Próprio de Previdência Social – RPPS, que protege os servidores públicos Federais, Estaduais e Municipais; o RPSM destinado aos militares e o Regime de Previdência Complementar – RPC.

No Brasil, a Previdência Social foi pensada não como um sistema de capitalização, como aqueles utilizados pelos bancos e instituições financeiras, onde o segurado, ou um conjunto destes, contribui para formar um fundo com lastro suficiente para cobrir as necessidades previdenciárias de seus integrantes, mas sim como um sistema de repartição, onde todos contribuem para um fundo comum, fazendo jus aos benefícios mediante o atendimento dos requisitos previstos nas normas previdenciárias. É o que se chama de pacto de gerações, baseado na solidariedade, onde os trabalhadores da ativa contribuem para financiar quem está na inatividade, esperando que, quando cheguem à inatividade, tenham mais trabalhadores na ativa financiando suas aposentadorias.

Este é um sistema que funciona perfeitamente enquanto a relação entre ativos e inativos é mantida em, pelo menos, 4 ativos para 1 inativo. No início do sistema previdenciário do Brasil, a relação entre ativos e inativos era muito alta, mais de 10 ativos para cada inativo, hoje, no entanto, estamos chegando perto de um empate, cada ativo “sustenta” um inativo, o que obviamente cria grandes problemas de ordem atuarial para o sistema, mas não justifica políticas perniciosas de redução de benefícios, aumento de tributos ou exigências mais rigorosas para a concessão de benefícios, mas sim, maior empenho e eficiência na inclusão previdenciária, sem olvidar, obviamente, das naturais e constantes mudanças exigidas pelo sistema.

1.5. Há Déficit na Previdência Social?

Não existe déficit na Previdência Social. Em verdade, os números são maquiados para gerarem o déficit anunciado pelo Governo Federal. O que ocorre é que, como dito, a Previdência Social faz parte da Seguridade Social e os recursos destinados a ela provêm de muitas fontes e não somente das contribuições previdenciárias diretas. Por exemplo, parte da arrecadação com concursos de prognóstico e parte da renda dos clubes com a venda de ingressos para as partidas de futebol devem ser revertidas para a arrecadação da Seguridade Social, além da COFINS, CPMF (quando existia) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

O artigo 195 da CF/88, define as fontes de receitas da seguridade social:

Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:



I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

b) a receita ou o faturamento; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

c) o lucro; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que trata o art. 201; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

III - sobre a receita de concursos de prognósticos.

IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos, não integrando o orçamento da União.

§ 2º - A proposta de orçamento da seguridade social será elaborada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela saúde, previdência social e assistência social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias, assegurada a cada área a gestão de seus recursos.

§ 3º - A pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

§ 4º - A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I.

§ 5º - Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total.

§ 6º - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b".

§ 7º - São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei.

§ 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais e o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges, que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes, contribuirão para a seguridade social mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado da comercialização da produção e farão jus aos benefícios nos termos da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 9º As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste artigo poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-deobra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005)

§ 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos para o sistema único de saúde e ações de assistência social da União para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos Estados para os Municípios, observada a respectiva contrapartida de recursos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 11. É vedada a concessão de remissão ou anistia das contribuições sociais de que tratam os incisos I, a, e II deste artigo, para débitos em montante superior ao fixado em lei complementar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998)

§ 12. A lei definirá os setores de atividade econômica para os quais as contribuições incidentes na forma dos incisos I, b; e IV do caput, serão não-cumulativas. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 13. Aplica-se o disposto no § 12 inclusive na hipótese de substituição gradual, total ou parcial, da contribuição incidente na forma do inciso I, a, pela incidente sobre a receita ou o faturamento. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)”

Sem qualquer análise de números, basta invocar a DRU para percebermos que não há déficit na Previdência Social, pois se assim fosse, seria a mesma situação de uma pessoa já devedora oferecendo empréstimo para outra, ou seja, uma pessoa que já tem suas contas no vermelho empresta dinheiro para outra. Isso não faz sentido e só acontece porque existem recursos suficientes na Previdência Social.

DRU – Desvinculação da Receita da União. Artigo 76 do ADCT.

Art. 76. É desvinculado de órgão, fundo ou despesa, até 31 de dezembro de 2011, 20% (vinte por cento) da arrecadação da União de impostos, contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico, já instituídos ou que vierem a ser criados até a referida data, seus adicionais e respectivos acréscimos legais. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 56, de 2007)



§ 1º O disposto no caput deste artigo não reduzirá a base de cálculo das transferências a Estados, Distrito Federal e Municípios na forma dos arts. 153, § 5º; 157, I; 158, I e II; e 159, I, a e b; e II, da Constituição, bem como a base de cálculo das destinações a que se refere o art. 159, I, c, da Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

§ 2o Excetua-se da desvinculação de que trata o caput deste artigo a arrecadação da contribuição social do salário-educação a que se refere o art. 212, § 5o, da Constituição.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 27, de 2000)

§ 3º Para efeito do cálculo dos recursos para manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição, o percentual referido no caput deste artigo será de 12,5 % (doze inteiros e cinco décimos por cento) no exercício de 2009, 5% (cinco por cento) no exercício de 2010, e nulo no exercício de 2011. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009)

Somente para lembrarmos, podemos dizer que Contribuição Social é uma espécie de tributo com finalidade constitucionalmente definida, a saber, intervenção no domínio econômico, interesse de categorias profissionais ou econômicas e seguridade social.

Portanto, de tudo o que a Previdência Social arrecada, 20% é destacado e redirecionado para pagamento de outras contas do Governo Federal, tais como folha de pagamento e infra estrutura, quando deveria ficar com a própria previdência, que não é deficitária.

E pior, fontes seguras afirmam que o Governo vem, sistematicamente, desviando mais dos que os já generosos 20% legalmente permitidos pela DRU, em um verdadeiro assalto aos cofres da seguridade social, conforme se observa pela seguinte notícia:

Em informação divulgada pela ANFIP, os auditores afirmam que, no ano de 2004, o governo ultrapassou o limite legal de 20%, aplicados sobre receitas de contribuições (DRU), que são livres para utilização em qualquer despesa. “A ANFIP afirma que R$ 17,63 bilhões de recursos desvinculados da seguridade social estão acima dos 20% permitidos pela DRU, ou seja, além de desviar o que a lei permite, o governo Lula foi além. Com base em informações extraídas do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira), do fluxo de caixa do INSS e do Tesouro Nacional, os fiscais da Previdência concluíram que o governo federal ultrapassou o limite legal da DRU... Os auditores da Previdência destacam que essa não foi uma peculiaridade de 2004. Entre 2000 e 2004, foram utilizados R$ 165 bilhões da seguridade social para contribuir com o superávit primário. Desse montante, R$ 76,84 bilhões teriam excedido o limite permitido para desvinculação das contribuições” (Folha de S. Paulo, 11/4/05).”

Ao contrário do que normalmente é divulgado pelo Governo Federal, sem qualquer análise crítica, a previdência social e a seguridade social não são deficitárias. Uma melhor saúde financeira não depende de corte de benefícios, restrições de direitos ou de maior tributação, mas sim, da inclusão previdenciária de todos os trabalhadores que vivem na informalidade, sem proteção previdenciária.

Para ilustrar melhor o que estamos dizendo, observem-se os seguintes números: De janeiro a abril de 2011 – de acordo com dados extraídos do Boletim Estatístico da Previdência Social4 – o INSS arrecadou R$ 114.176.639.000,00 (cento e catorze bilhões cento e setenta e seis milhões e seiscentos e trinta e nove mil reais). Do valor total arrecadado, R$ 81.018.166.896.000,00 (oitenta e um bilhões dezoito milhões cento e sessenta e seis mil e oitocentos e noventa e seis reais) derivam de contribuições de empresas, contribuintes individuais e outras fontes, 17,03% a mais do que o arrecadado no mesmo período do ano de 2010.

Em contrapartida, de janeiro a abril de 2011, foram gastos com benefícios previdenciários do RGPS o total de R$ 86.662.279.000,00 (oitenta e seis bilhões seiscentos e sessenta e dois milhões e duzentos e setenta e nove mil reais). Considerando o valor total arrecadado, o INSS obteve um superávit de R$ 27.514.360,00 (vinte e sete bilhões quinhentos e catorze milhões e trezentos e sessenta mil reais)5.

As fontes totais de receita do RGPS decorrem de: Empresas (e entidades equiparadas); Contribuinte individual (incluindo o segurado facultativo); Débito administrativo; Devolução de benefício; Patrimônio; Dívida ativa; Acréscimos legais; Outras receitas; Receita ignorada6. Dessas fontes, apenas explicitar-se-á, aqui, as pagas pelas empresas e entidades equiparadas e dos contribuintes individuais, pois são dessas duas que derivam as chamadas contribuições sociais.

Das empresas (ou entidades equiparadas), em abril de 2011, o INSS arrecadou R$ 17.490.593.585.000,00 (dezessete bilhões quatrocentos e noventa milhões quinhentos e noventa e três mil reais). Com relação aos contribuintes individuais (incluindo os segurados facultativos), a arrecadação, no mesmo mês, foi de R$ 656.512.615,00 (seiscentos e cinqüenta e seis milhões quinhentos e doze mil e seiscentos e quinze reais). A arrecadação dos dois juntos equivale a 90,44% da arrecadação total do mês de abril de 2011, que foi de R$ 20.064.245.148.000,00 (vinte bilhões sessenta e quatro milhões duzentos e quarenta e cinco mil e cento e quarenta e oito reais).



1.6. Alguns números da Previdência Social no Brasil

A Previdência Social é uma gigante no Brasil, sustenta milhões de pessoas e fomenta a economia da maioria dos municípios do país por meio da receita proveniente de seus aposentados e beneficiários.

A população brasileira, em agosto de 20107, estava em 190.755.799 (cento e noventa milhões, setecentos e cinqüenta e cinco mil e setecentos e noventa e nove) de habitantes. Segundo dados da Previdência Social8, em 2009, 101.110.213 (cento e um milhões, cento e dez mil e duzentos e treze) das pessoas eram economicamente ativas e 61.696.613 (sessenta e um milhões, seiscentos e noventa e seis mil e seiscentos e treze) das pessoas não eram economicamente ativas.

Em 20099, 78,1 milhões das pessoas economicamente ativas estavam ocupadas; destas, 3,1 milhões eram contribuintes urbanos do RGPS e 370,9 mil eram contribuintes rurais (os chamados segurados especiais). Já 2,3 milhões das pessoas ocupadas não contribuíam para a Previdência Social; destas, 56,9 mil eram beneficiárias do INSS; o restante estava na informalidade, e, portanto, encontravam-se socialmente desprotegidas pela Previdência Social. Portanto, 64,9% de pessoas ocupadas estavam socialmente protegidas e 35,1% não tinham sobre elas o manto da proteção previdenciária (O que representa cerca de 27 milhões de brasileiros e brasileiras).



Segundo dados obtidos ao Anuário Estatístico da Previdência Social de 2009, os benefícios ativos da Previdência Social, “correspondem aos que efetivamente geram pagamentos mensais ao beneficiário e, em conjunto com os suspensos, compõem o estoque de benefícios do sistema previdenciário. Um benefício é incorporado ao cadastro logo após ser concedido, o que implica pagamentos mensais até que cesse o direito ao seu recebimento, exceto no caso de suspensão temporária (por motivo de decisão judicial ou auditoria, por exemplo). Nesse caso, o benefício deverá, em um momento posterior, retornar à condição de ativo ou vir a ser cessado.

São apresentadas distribuições por grupos de espécies, clientela, sexo e idade do beneficiário, idade na DIB e Unidades da Federação. São também mostradas informações sobre as aposentadorias por tempo de contribuição do segurado. O período de referência corresponde ao mês de dezembro de cada ano. As tabelas de seção apresentam informações agregadas, enquanto nas tabelas de capítulo as informações são detalhadas por grupos de espécies.

Os dados de quantidade não incluem as pensões alimentícias, porém incluem os desdobramentos de pensões por morte. As informações de valor correspondem à Mensalidade Reajustada (valor MR). Nas tabelas de distribuição etária, a idade do beneficiário é calculada com base na posição do mês de dezembro de cada ano. Já nas distribuições de idade na DIB, a idade considerada é a que o beneficiário tinha na data de concessão do benefício.

Em dezembro de 2009, a Previdência Social mantinha cerca de 27 milhões de benefícios ativos em cadastro, dos quais 84,0% eram previdenciários, 2,9% acidentários e 13,1% assistenciais. Cerca de 69,7% desses benefícios pertenciam à clientela urbana e 30,3% à clientela rural. Comparado com 2008, o estoque de benefícios aumentou 3,3%, sendo que os previdenciários aumentaram 3,2%, os assistenciais cresceram 5,5% e os acidentários diminuíram 2,4%. As espécies que apresentaram maior participação na quantidade total de benefícios ativos foram todas previdenciárias: aposentadoria por idade (29,3%), pensão por morte (24,1%) e aposentadoria por tempo de contribuição (15,8%).

O valor dos benefícios ativos atingiu R$ 17,2 bilhões em dezembro de 2009, o que correspondeu a um aumento de 12,2%, com relação a dezembro do ano anterior. Cerca de 78,4% do valor dos benefícios ativos era da clientela urbana e 21,6% da clientela rural. As espécies que apresentaram maior participação em termos de valor foram a aposentadoria por tempo de contribuição, a aposentadoria por idade previdenciária e a pensão por morte previdenciária com, respectivamente, 29,5%, 22,4% e 20,9% do total.

O valor médio dos benefícios ativos em dezembro de 2009 foi de R$ 641,95 (Em 03/2011 este valor foi de R$ 765,66, ao passo que o teto é de R$ 3.689,66), o que correspondeu a um aumento de 8,6% em relação ao ano anterior. O valor médio dos benefícios urbanos era 57,8% mais elevado que os benefícios rurais (R$ 722,19 e R$ 457,57, respectivamente). Os benefícios do sexo masculino representaram 52,1% da quantidade e 61,0% do valor total, o que fez com que o valor médio dos benefícios masculinos fosse 43,5% maior do que o feminino, respectivamente R$ 782,20 e R$ 544,97. Cerca de 68,7% dos benefícios ativos no cadastro eram devidos a beneficiários com mais de 60 anos de idade, porém, quando se considerou a distribuição dos benefícios segundo a idade na DIB, esta participação foi de apenas 41,6%.” (Grifou-se)
Tabela correspondente abaixo:

Outros dados importantes de serem registrados dizem respeito ao FPM (Fundo de Participação destinado ao tesouro do Município) que serve de objeto de estudo para comparação com os benefícios previdenciários, pois ambos advêm de recursos providos pela União e têm influência sobre a economia dos municípios, tornando-se assim elementos equiparáveis para análise.

Segundo dados do próprio INSS, dos 5564 municípios brasileiros, mais de 60% (sessenta por cento) têm na Previdência Social, um valor de receita maior do que o FPM, o que mostra que os recursos destinados a pagamentos de benefícios previdenciários representam o motor destas economias e colocam a previdência social como a maior distribuidora de renda do país.

Outro dado estatístico muito interessante mostra que um benefício previdenciário sustenta, em média 2,5 pessoas, o que evidencia a máxima sempre sustentada pela ANFIP, no sentido de que a Previdência Social é hoje, efetivamente, o único sistema de distribuição de renda que funciona no Brasil, além de um poderoso instrumento de fortalecimento da nossa economia interna, responsável por gerar empregos e renda. Mais do que uma mera constatação, trata-se da confirmação da importância de fortalecer cada vez mais a Previdência Social, em vez de enfraquecê-la ou privatizá-la, como querem aqueles que teimam em permanecer alheios aos anseios da população.

Deixo, por fim, a reflexão: A quem interessa alardear o falso déficit da Previdência Social? Será que grandes instituições financeiras não estariam interessadas em criar uma situação onde todos acabem acreditando que a única saída para a previdência é a privatização?

2. QUALIDADE DE SEGURADO
2.1. Introdução

A pertinência do tema se mostra evidente no dia a dia da atuação jurisdicional, para todos os operadores do direito e principalmente para todos os trabalhadores brasileiros, sendo de suma importância ter bem definidos os contornos e as possibilidades que se desdobram quando o assunto é manutenção e perda da qualidade de segurado.

Seja por ignorância ou por simples desconhecimento de leis e, portanto dos direitos que são garantidos aos segurados do Regime Geral de Previdência Social, milhares vêem sua única possibilidade de conseguir mínimas condições econômicas e, portanto, dignidade, barrada pela falta ou perda da qualidade de segurado.

Entender um pouco melhor este instituto jurídico e conhecer os meios de aplicá-lo na defesa dos interesses do segurado e de seus dependentes, visando a garantia de direitos humanos fundamentais, é o cerne destas aulas.

Para tanto vamos estudar a legislação previdenciária, mais especificamente a Lei nº 8.213/91, passando também pela análise de dispositivos da Constituição Federal de 1988, da Lei nº 8.212/91, do Decreto 3.048/99.

A apresentação de farta jurisprudência também se mostra essencial para o aproveitamento prático destas aulas pelos operadores do direito e pelo cidadão comum, que terão uma noção básica de como os Tribunais Superiores e as Turmas Recursais têm se posicionado a respeito da qualidade de segurado, suas possibilidades e nuances.

Decisões avançadas, reveladoras da evolução e importância que o tema vem ganhando junto aos Magistrados têm se mostrado de fundamental importância na garantia de dignidade aos segurados do RGPS e seus dependentes.

2.2. O Início da Proteção Previdenciária

Neste tópico, são necessárias algumas considerações distintivas entre filiação e inscrição na Previdência Social.

Com o exercício de uma atividade remunerada de vinculação obrigatória à Previdência Social, nasce a filiação ao Regime Geral de Previdência Social - RGPS, não sendo necessário qualquer ato formal para sua efetivação.

A inscrição, por seu turno, constitui-se em ato formal pelo qual o segurado é cadastrado no Regime Geral de Previdência Social, dependendo da informação e confirmação de dados pessoais, além de gerar para o segurado um número de identificação perante a Previdência Social, que em muitos casos é o próprio número do PIS - Programa de Integração Social e em outros o NIT ou Número de Identificação do Trabalhador, com o qual é possível acessar e consultar os dados cadastrais do segurado, tanto pela Internet como nas Agências da Previdência Social - APS.

Assim, o simples fato de estar exercendo atividade remunerada de vinculação obrigatória, já importa em filiação ao Regime Geral de Previdência Social, para todas as categorias de segurados obrigatórios previstas no art. 11 da Lei nº 8.213/91.

Já no caso do segurado facultativo, previsto na Lei de Benefício da Previdência Social no art. 13, a filiação necessita de inscrição no Sistema e pagamento da primeira contribuição sem atraso, como prevê o art. 27, II, da Lei nº 8.213/91.

Neste aspecto, vale lembrar que para efeitos de cômputo da carência para a obtenção de benefícios do RGPS, os segurados empregados e trabalhadores avulsos, referidos no art. 11, I e VI, da Lei nº 8.213/91, contam como termo “a quo” a data de sua filiação ao Regime Geral, na forma prevista no art. 27, I, da Lei nº 8.213/91.

Já para os segurados empregados domésticos, contribuintes individuais, especiais e facultativos, referidos, respectivamente nos incisos II, V e VII, do art 11 e no art. 13, todos da Lei nº 8.213/91, o termo inicial da contagem da carência se dá com o recolhimento, sem atraso, da primeira contribuição aos cofres da Previdência Social, como determina o art. 27, II, do mesmo diploma legal.

Neste ponto, valem algumas considerações sobre a regra do art. 27, II, da Lei nº 8.213/91, mais especificamente no que atine ao segurado empregado doméstico.

Antes, porém, observe-se que este dispositivo legal, a exceção do empregado doméstico, somente desvinculou o início da carência à filiação ao Regime Geral, quando a categoria de segurado de que se faz referência ou é obrigada por si mesma a verter as contribuições previdenciárias ou está desobrigada de fazê-lo.

Explicitando melhor, tanto o contribuinte individual como o facultativo, devem, pessoalmente, recolher aos cofres previdenciários o montante das contribuições devidas, segundo a base de cálculo escolhida pelo facultativo, entre os limites mínimo e máximo estipulados pela Previdência Social (atualmente entre R$ 545,00 e R$ 3.689,66) ou, no caso dos contribuintes individuais, referente aos rendimentos auferidos no mês de competência (salário de contribuição), observados os limites mínimo e máximo.

No tocante aos contribuintes individuais, vale ressalvar que nos casos de segurados prestadores de serviços para pessoas jurídicas, a própria empresa tomadora dos serviços estará obrigada a descontar os valores das contribuições previdenciária e repassá-las aos cofres públicos, a contar de 1º de abril de 2003, por força da MP nº 83, arts. 4º e 5º, de 12/12/2002 (DOU 13/12/2002), convertida na Lei nº 10.666, de 08/05/2003 (DOU 09/05/2003).

De outra banda, o segurado especial não é obrigado a recolher contribuições previdenciárias, bastando apenas comprovar o efetivo exercício de atividade rural em regime de economia familiar, salvo se quiser obter um benefício maior do que o salário mínimo, hipótese em que, por si mesmo, terá que recolher as contribuições previdenciárias.

Desta forma, não faz sentido incluir os empregados domésticos nesta regra, pois estes não são obrigados a recolher pessoalmente as contribuições previdenciárias, quem tem de fazê-lo é o empregador doméstico, que deve descontar uma alíquota variável entre 8% e 11% do empregado (Art. 20 da Lei nº 8.212/91), dependendo do valor do salário de contribuição, acrescer mais 12% referente à parte patronal e efetuar o recolhimento das contribuições.

Felizmente, a jurisprudência dos Tribunais pátrios tem mitigado a exigência do art. 27, II, da Lei nº 8.213/91, considerando como carência inclusive aquele período em que o trabalhador doméstico esteve exercendo suas atividades normalmente, mas, por omissão do empregador, não teve suas contribuições previdenciárias devidamente recolhidas10.

A doutrina especializada também se posiciona no mesmo sentido:


“Não nos escapa o tratamento equivocado conferido ao empregado doméstico, trabalhador que não é responsável pelo recolhimento das contribuições, que muitas vezes sequer tem carteira assinada, e que, pela letra fria da lei, caso sofresse alguma contingência social, por não ter principiado o recolhimento das contribuições, não conseguiria comprovar a carência.”11
Desta forma, tem-se o início da proteção previdenciária para os segurados do Regime Geral de Previdência Social – RGPS, com as observações e ressalvas acima elencadas.

Por fim, pertinentes são algumas considerações sobre os limites de idade para ingresso no Regime Geral de Previdência Social.

A idade mínima para ingresso no Sistema de Previdência Social, tanto para trabalhadores urbanos como para rurais, tem seu escopo legal na Constituição Federal.

Assim, até 28/02/1967, a idade mínima era de 14 anos. Entre 01/03/1967 e 04/10/1988, 12 anos de idade. A partir da atual constituição (05/10/1988), até 15/12/1998, 14 anos de idade, sendo permitida a filiação de menor aprendiz a partir dos 12 anos (art. 7º, XXXIII, da CF/88, redação original). Finalmente, a partir de 16/12/1998, a idade mínima de filiação passou a ser de 16 anos, permitindo-se o ingresso a partir dos 14 anos para o aprendiz (art. 7º, XXXIII, da CF/88, com redação dada pela EC nº 20/98).

É bom lembrar que para o reconhecimento e cômputo do trabalho rural, em regime de economia familiar, a jurisprudência tem aceitado a contagem do tempo trabalhado a partir do doze anos de idade12, com decisão inclusive do Supremo Tribunal Federal – STF sobre o assunto.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal negou provimento, em decisão unânime, a Agravo de Instrumento (AI 529694) interposto pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). Com o julgamento, foi mantido acórdão do Superior Tribunal de Justiça - STJ que decidiu, para fins previdenciários, que o exercício da atividade empregatícia rural por menor de 14 anos deve ser considerado como tempo de serviço.

O INSS interpôs Recurso Extraordinário sob o argumento de que o STJ teria afastado a aplicação do artigo 11, inciso VII, da Lei nº 8.213/91, ao reconhecer a contagem do tempo de serviço prestado por menor de 14 anos. O dispositivo exclui menores nessa faixa etária da classificação como segurado especial, não reconhecendo direitos previdenciários.

O instituto sustentou ofensa ao artigo 97 da Constituição Federal, bem como ao artigo 5°, XXXVI. Afirmou que o exercício de trabalho rural, em regime de economia familiar, por filhos de produtor rural, somente foi reconhecido como trabalho após a publicação da Lei 8.213/91. "Antes dessa lei, os filhos de produtores rurais não eram considerados segurados, mesmo que eventualmente ajudassem no trabalho, a não ser que tivessem contribuído como autônomos", afirmou a Autarquia Previdenciária.

Como o STJ não permitiu a remessa do Recurso Extraordinário ao Supremo, o INSS interpôs Agravo de Instrumento, a fim de revogar o despacho do STJ e submeter o caso a apreciação do Supremo Tribunal Federal.

O Ministro Gilmar Mendes, relator do agravo, entendeu que não houve violação ao artigo 97, da Constituição Federal, pois o STJ não declarou a inconstitucionalidade do artigo 11, inciso VII, da Lei 8.213/91. O relator ressaltou que a decisão do STJ está de acordo com a jurisprudência do STF, que afasta a incidência do artigo 97, da CF/88.

Gilmar Mendes afirmou, ainda, que os efeitos jurídicos relevantes da relação de trabalho, mesmo que nula, devem ser interpretados em favor do beneficiário. Assim, o relator negou provimento ao Agravo, sendo acompanhado pelos demais ministros da Turma.

Em relação à idade máxima para filiação ou Regime Geral de Previdência Social, até a edição das Leis nº 8.212 e 8.213, em 24 de julho de 1991, a idade limite era de 60 anos, após, foi extinto este limite e hoje é possível vincular-se ao RGPS em qualquer idade.

No que toca aos dependentes, antes da publicação da Lei nº 10.403, de 08/01/2002 (DOU 09/01/2002), sua inscrição era feita pelo próprio segurado, que apresentava os documentos necessários à qualificação dos dependentes diretamente à Previdência Social.

Após a vigência da referida Lei, em 09/01/2002, a inscrição dos dependentes passou a ser feita apenas no momento do requerimento dos benefícios a que tiverem direito e pelo próprio beneficiário, mediante a apresentação dos documentos constantes no art. 22 do Decreto 3.048/99.



2.3. Manutenção e Perda da Qualidade de Segurado

A manutenção da qualidade de segurado da Previdência Social está prevista no artigo 15 da Lei nº 8.213/91.

Enquanto estiverem contribuindo para a Previdência Social, tanto os segurados obrigatórios como os facultativos têm mantidos todos os seus direitos perante o Regime Geral de Previdência Social e, por conseguinte, seus dependentes também terão assegurados todos os direitos inerentes a esta qualidade.

Importante antes de esmiuçar os contornos legais e jurisprudenciais sobre a manutenção da qualidade de segurado é deixar bem claro que existe uma sutil diferença entre período de graça e qualidade de segurado, a qual nem sempre é observada e que em muitas situações pode ser decisiva para o deslinde de casos concretos.

Por período de graça, entenda-se como sendo apenas os prazos estipulados no art. 15 da Lei nº 8.213/91, os quais podem ser de 03, 06, 12, 24 ou 36 meses, concedidos aos segurados da Previdência Social após a cessação das contribuições ou término do exercício de atividade remunerada de vinculação obrigatória, para que possam retomar as contribuições ou atividades laborativas sem prejuízo de qualquer ordem no tocante aos direitos perante a Previdência Social.

Por seu turno, a qualidade de segurado é adquirida com o início do exercício de atividade de vinculação obrigatória ou com o recolhimento de contribuições para o caso de segurado facultativo e se estende para além do período de graça, caracterizando-se como o lapso temporal em que o segurado mantém todos os seus direitos perante a Previdência Social, ainda que não esteja no interregno temporal correspondente ao período de graça.

Em suma, no tocante ao termo final ou data fatal do período de graça e da qualidade de segurado, tal diferença está incerta no §4º, do art. 15, da Lei nº 8.213/91 e será visto com mais vagar a seguir.

Se o segurado passa a receber qualquer benefício da Previdência Social, mantém a qualidade de segurado, sem limite de prazo, conforme dispõe o artigo 15, I, da Lei nº 8.213/91.

Neste ponto, vale dizer que apensar de o texto legal ser absolutamente claro e inequívoco, pois não faz nenhuma distinção ou exceção e tão pouco deixa dúvida sobre sua abrangência, existem julgados entendendo que a percepção do benefício de auxílio acidente, não enseja a manutenção da qualidade de segurado, sob o argumento de que, por não ser este um benefício substitutivo da renda do trabalhador, mas indenizatório, em virtude de uma redução na capacidade laborativa para o trabalho que habitualmente exercia, não haveria direito em manter a qualidade de segurado visando a percepção futura de outro benefício da Previdência Social. Neste sentido:
“TURMA RECURSAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA. PROCESSO nº 2005.72.95.003140-2 – RECURSO CONTRA SENTENÇA Relator: Juiz Federal João Batista Lazzari Recorrente: Pedro Hinckel Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. EMENTA. PREVIDENCIÁRIO. JEF. PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO. PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO SUPLEMENTAR POR ACIDENTE DO TRABALHO. PEDIDO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO-DOENÇA. IMPROCEDÊNCIA. I – O recebimento de auxílio suplementar por acidente do trabalho não mantém a qualidade de segurado, por não ser substitutivo do salário de contribuição, haja vista seu caráter indenizatório pela redução da força produtiva. II – Acórdão que nega provimento ao Recurso Inominado para manter a sentença que julgou improcedente o pedido de concessão de auxílio-doença, tendo em vista a perda da qualidade de segurado, não obstante a percepção de auxílio suplementar por acidente do trabalho. ACÓRDÃO. Acordam os Juízes da Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Santa Catarina, à unanimidade, nos termos do art. 46 da Lei nº. 9.099/95 c/c o art. 1º da Lei nº. 10.259/01, em negar provimento ao recurso e confirmar a sentença por seus próprios fundamentos. Acordam, ainda, à unanimidade, em condenar a parte Recorrente ao pagamento de honorários advocatícios (art. 55 da Lei nº. 9.099/95 c/c o art. 1º da Lei nº. 10.259/01), fixados em R$ 520,00 (quinhentos e vinte reais), sobrestada a sua execução até a modificação favorável de sua situação econômica. Sala de Sessões da Turma Recursal. Florianópolis (SC), 20 de abril de 2005. João Batista Lazzari Juiz Federal.” (Grifou-se)
Em sentido contrário, a Instrução Normativa INSS/DC Nº 118, de 14 de abril de 2005 – DOU de 18/4/2005, em seu artigo 11, I, assegura que é mantida a qualidade de segurado, sem limite de prazo para quem está em gozo de benefício, inclusive durante o período de percepção do auxílio-acidente ou de auxílio suplementar.

Lembremos o artigo 31 da Lei nº 8.213/91, o qual assegura que o valor mensal do auxílio acidente integra o salário de contribuição, para fins de cálculo do salário de benefício de qualquer aposentadoria, observado, no que couber, o disposto no artigo 29 e no artigo 86, §5º, da Lei nº 8.213/91.

Por outro lado, o artigo 28, §9º, “a”, da Lei nº 8.212/91 – Lei de Custeio da Previdência Social, estabelece que não integra o salário de contribuição para os fins desta Lei, os benefícios da previdência social, nos termos e limites legais, salvo o salário maternidade.

Desta forma, existe uma flagrante divergência de entendimento entre uma parte da jurisprudência e a interpretação dada pelo INSS no tocante à manutenção da qualidade de segurado para aquele que recebe o benefício de auxílio acidente.

Outra contradição aparentemente existente, no tocante à inclusão do montante recebido a título de auxílio acidente no valor do salário de contribuição, em verdade não existe, pois para a Lei nº 8.213/91 (Lei de Benefícios), o auxílio acidente integra o salário de contribuição apenas para efeito de cálculo do benefício enquanto que, para os efeitos da Lei nº 8.212/91 (Lei de Custeio), nem o auxílio-doença e nem qualquer outro benefício da Previdência Social, exceto o salário maternidade, integram o salário de contribuição para efeitos de cálculo das contribuições previdenciárias devidas.

Isto tudo, força da Lei nº 9.528, de 10/12/1997, que alterou a redação original do artigo 86 da Lei nº 8.213/91, passando a determinar que o auxílio acidente a ser pago apenas até a data de início de qualquer aposentadoria, integra o salário de contribuição para cálculo da Renda Mensal Inicial – RMI, o que não acontecia anteriormente, quando o auxílio acidente era vitalício, acumulável com qualquer outro benefício.

Sem embargo, não foge aos olhos, que a leitura pura e simples do art. 15, I, da Lei nº 8.213/91, faz crer que o recebimento de auxílio acidente também faz manter a qualidade de segurado para seu beneficiário.

Portanto, para evitar a perda da qualidade de segurado, na prática é bom observar a possibilidade de que a partir da data de início do recebimento do auxílio acidente (dia imediatamente posterior à cessação do auxílio doença), inicia-se a contagem do período de graça, devendo o segurado retornar ao trabalho ou pelo menos contribuir como facultativo se quiser manter todos os seus direitos perante a Previdência Social, evitando a discussão ainda não pacificada trazida linhas acima.

O inciso II, do artigo 15, da Lei nº 8.213/91, prevê um período de graça de pelo menos 12 meses após a cessação das contribuições, para aquele segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração.

Neste ínterim, vale uma observação sobre as expressas disposições legais do inciso II, da referida Lei.

Segundo uma interpretação literal e inversa do texto legal, a manutenção da qualidade de segurado se perpetua mesmo sem o recolhimento das contribuições devidas, bastando para tanto que o segurado continue exercendo qualquer atividade de vinculação obrigatória à Previdência Social.

Esta interpretação é possível porque o dispositivo legal acima citado prevê que apenas aquele segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela Previdência Social estará sujeito a um período de graça de 12 meses e à perda da qualidade de segurado após o prazo do art. 15, §4º, da Lei nº 8.213/91.

Logo, mesmo sem contribuição, basta estar exercendo atividade de vinculação obrigatória à Previdência Social para manter a qualidade de segurado, situação que não se vislumbra apenas para a categoria de segurado facultativo, já que para este tipo de filiado, verter as correspondentes contribuições ao Sistema Previdenciário é condição sine qua non para a garantia dos direitos.

É claro que, para não ocorrerem distorções interpretativas prejudiciais à Previdência Social e, conseqüentemente aos cofres públicos e à toda sociedade em última análise, tendo em conta que o Regime Geral de Previdência Social se baseia em um sistema contributivo e solidário, o aproveitamento do período em que o segurado continuou exercendo atividade de vinculação obrigatória à Previdência Social, mas sem contribuição pode e deve ser computado, força de todos os princípios norteadores da hermenêutica constitucional afeta aos direitos fundamentais, porém, o recolhimento das contribuições em atraso deve ser levada em conta no momento da concessão do benefício e exigida para a manutenção da saúde financeira do Sistema.

Para tanto, é perfeitamente possível se pensar em uma solução “Salomonica”, cobrando as contribuições em atraso, a partir do término do período de graça, descontando-se um percentual de, no máximo 30% do benefício concedido, atendendo tanto aos interesses da Previdência Social, que terá computadas as contribuições devidas e não paga em dia, como aos dos segurados ou dependentes, que terão uma fonte de renda garantida, a qual, em muitos casos, é o único alicerce de uma família inteira, situação muito comum no Brasil de hoje.

Esta providência estaria em completa harmonia com os princípios constitucionais e com a dignidade da pessoa humana, sendo perfeitamente viável e operacionalizável, bastando, para tanto, apenas vontade política.

Comungando de entendimento bem próximo, Marcelo Leonardo TAVARES assim ensina:
“Vimos que a filiação do segurado obrigatório decorre do mero exercício da atividade laboral, independentemente de inscrição e contribuição; enquanto, para o segurado facultativo, ela depende da inscrição e do pagamento da primeira contribuição. Sendo assim, mantêm os segurados obrigatórios a qualidade de filiados, ordinariamente, com a continuidade do trabalho; já o segurado facultativo, se estiver regularizado com as contribuições. Afirma-se, portanto, que se o segurado obrigatório trabalhar em qualquer atividade laboral prevista e acolhida pelo RGPS, manterá a qualidade de filiado indefinidamente, mesmo se não estiver inscrito ou contribuindo (por esse motivo, permite-se o reconhecimento retroativo de filiação, com o pagamento das contribuições em atraso, a qualquer tempo). O mesmo não se dá para o facultativo, que tem a manutenção ordinária da qualidade de segurado vinculada ao regular pagamento da contribuição.”13
Continuando com os dispositivos legais que prevêem a manutenção da qualidade de segurado, o inciso III, do artigo 15, da Lei nº 8.213/91, estabelece um período de graça de até 12 meses após cessar a segregação os segurados acometidos de doenças de segregação compulsória.

Neste caso, a opção do legislador foi de destacar uma situação rara e que necessita de atenção especial, pois impor a segregação do enfermo, somente se justifica em casos de patologias que impliquem risco à saúde pública. Nestas situações, a Lei determina que somente após a cessação da segregação comece a correr o prazo de cobertura da Previdência Social (período de graça), sendo que, na prática, estes 12 meses somente terão início após o término do recebimento de um benefício previdenciário de prestação continuada, geralmente o de auxílio doença.

Também para o segurado recluso, a Lei estabeleceu um período de graça de 12 meses após o livramento, sendo certo que o lapso temporal somente começa a fluir após estar o segurado gozando de sua plena liberdade, independente do fato de seus dependentes estarem ou não recebendo o benefício de auxílio reclusão, previsto no art. 80 da Lei nº 8.213/91, pois este somente será concedido quando os dependentes do segurado forem considerados pessoas de baixa renda, nos termos do artigo 13 da Emenda Constitucional nº 20 de 15/12/1998, o que para muitos, não é medida de justiça, mas não cabe aqui desenvolver esta tese.

Ainda sobre o recluso, caso este fuja da prisão, reinicia a contagem do período de graça, mas caso haja trabalho no interregno temporal da fuga, este será computado para efeitos de perda ou não da qualidade de segurado, nos termos do artigo, 17, §3º, do Decreto Lei nº 3.048/99.

Para aqueles que são convocados ou se oferecem voluntariamente para prestar o Serviço Militar, o inciso V, do artigo 15, da Lei nº 8.213/91, contempla um prazo diminuto de 03 (três) meses de período de graça após o encerramento dos trabalhos militares ou da “baixa”, para que o segurado mantenha seu vínculo com a Previdência Social.

Ressalte-se aqui que a Lei quis abarcar aquele que já era segurado da Previdência Social antes de prestar o serviço militar e não aqueles que não mantinham este vínculo antes de ingressarem nas Forças Armadas, ainda que o tempo de serviço militar seja computado para aposentadoria, permanecendo suspenso o contrato de trabalho do segurado empregado enquanto durar a obrigatoriedade do serviço militar, nos termos do art. 472 da CLT e Lei º 4.375/64, com redação dada pela Lei nº 4.754/65.

Também é bom destacar que transcorrido o prazo do serviço militar obrigatório, caso o indivíduo permaneça nas Forças Armadas, esta atividade se torna voluntária e o vínculo com a Previdência cai na regra geral, ou seja, permanece por um período de graça de 12 meses, independente do Regime Próprio dos Militares.

Já para o segurado facultativo, a cessação das contribuições ao Regime Geral, permite um período de graça de apenas 06 (seis) meses, a teor do que reza o artigo 15, inciso VI, da Lei nº 8.213/91.

No §1º do art. 15 da Lei nº 8.213/91, o legislador trouxe um benefício aos segurados da Previdência Social que já tenham vertido mais de 120 contribuições aos cofres públicos, concedendo-lhes mais 12 meses de período de graça, além dos outros 12 já estipulados no inciso II, do mesmo artigo.

Observe-se, no entanto, que este dispositivo legal concede a benesse de estender o período de graça por até 24 meses, tão somente para aqueles segurados que verteram mais de 120 contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado, o que não parece justo, pois não pode haver diferenças e tratamentos desiguais para aquele empregado que trabalha por dez anos ininterruptos e vem a ficar desempregado e aquele que trabalha por cinco anos, deixa de exercer atividade remunerada, perde a qualidade de segurado, reingressa no sistema e após outros cinco anos, deixa novamente de trabalhar e tem, por isso, seu período de graça restrito à metade daquele concedido para o primeiro trabalhador.

De qualquer sorte, a regra está posta e cabe ao intérprete final (juiz), dizer o direito de cada segurado no caso concreto e a cada advogado, pedir bem, defendendo a justiça antes da Lei.

Seja como for, a jurisprudência tem tendido a prorrogar o período de graça somente se as 120 (cento e vinte) contribuições foram vertidas sem perda da qualidade de segurado. Veja-se:


“TRF3 - PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL. PENSÃO POR MORTE. LEI 8.213/91, ART. 74. QUALIDADE DE SEGURADO. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA. TERMO INICIAL.

I - A dependência econômica do cônjuge e dos filhos menores de 21 anos não emancipados é presumida (Lei 8.213/91, art. 16, § 4º).

II - Mantém a qualidade de segurado por 24 meses após o rompimento do vínculo empregatício o segurado que recolher 120 contribuições, desde que sem interrupção que acarrete a sua perda.

III - Relativamente aos menores, o termo inicial do benefício é a data do óbito, nos termos dos artigos 74, I, e 79 da Lei 8.213/91.

IV - Quanto ao cônjuge supérstite, o benefício é devido a contar da citação, quando da constituição em mora da autarquia previdenciária (Lei 8.213/91, art. 74, II).

V - Remessa oficial parcialmente provida.

(Remessa Ex Officio nº 729689/SP (2001.03.99.043865-1), 10ª Turma do TRF da 3ª Região, Rel. Juiz Castro Guerra. j. 17.08.2004, unânime, DJU 13.09.2004).” (Grifou-se)
Também no §2º, do art. 15 da Lei nº 8.213/91, o legislador ventilou uma possibilidade de aumento do período de graça, concedendo um acréscimo de mais doze meses nos prazos estipulados no inciso II e no §1º, visando proteger aqueles trabalhadores desempregados que comprovem esta situação mediante registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e da Previdência Social, hoje, Ministério do Trabalho e Emprego.

Assim, a Lei protege o segurado empregado com um período de graça mais elástico visando manter no seio da Previdência Social o maior número possível de trabalhadores.

Contudo, a exigência de registro da condição de desempregado no Ministério do Trabalho e Emprego, tem sido mitigada pela jurisprudência dos Tribunais Superiores, que consideram a falta de anotação de contrato de trabalho na Carteira Profissional – CTPS, prova suficiente da condição de desempregado do segurado, não sendo necessário registro formal desta condição no Ministério do Trabalho e Emprego14.

Reiteradas decisão neste sentido, deram ensejo à edição da Súmula nº 27 da Turma Nacional de Uniformização de Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais, a qual garante que “A ausência de registro em órgão do Ministério do Trabalho não impede a comprovação do desemprego por outros meios admitidos em Direito”.



A mais nova interpretação em relação a esta Súmula, alterou o entendimento jurisprudencial até então vigente, passando a exigir prova da condição de desemprego, tanto para o segurado empregado, como para o contribuinte individual, impondo a necessidade de comprovação do desemprego involuntário para permitir a prorrogação do período de graça, tendo como exemplo o seguinte julgado da TNU: (PEDILEF 2008.38.00.719115-6)

Por seu turno, no §3º, do art. 15, da Lei nº 8.213/91, o legislador tratou de frisar que durante os prazos estipulados neste artigo, o segurado mantém todos os seus direitos perante a Previdência Social, o que significa dizer que se for acometido por alguns dos riscos sociais cobertos pela Previdência Social e preencher os requisitos para concessão do benefício, não haverá a extinção deste direito, nos termos do art. 102, da mesma Lei de Benefícios da Previdência Social.

Por fim, o §4º, do artigo 15 da Lei nº 8.213/91, estipula a data exata em que o segurado efetivamente perde sua qualidade de segurado e, daí em diante, a princípio, não terá mais direito a nenhum benefício previdenciário, salvo naquelas situações em que a perda da qualidade de segurado pode ser relevada e que serão analisadas em tópico próprio.

Referido dispositivo estipula que a perda da qualidade de segurado ocorrerá exatamente no dia seguinte ao do término do prazo fixado no Plano de Custeio da Seguridade Social (Lei nº 8.212/91) para recolhimento da contribuição referente ao mês de competência imediatamente posterior ao do final dos prazos para manutenção da qualidade de segurado, fixados no artigo 15 da Lei nº 8.213/91, seus incisos e parágrafos.

Isto significa dizer que, em verdade, o segurado não fica apenas 3, 6, 12, 24 ou 36 meses coberto pela Previdência Social quando deixa de contribuir, mas tem ainda, na prática, mais um mês e meio de prazo em que ainda estará gozando da qualidade de segurado, mesmo que o período de graça já tenha se esvaído, mantendo, portanto, todos os seus direitos previdenciários, assegurando, também o direito de seus dependentes.

Exemplificando, caso um segurado cumpra os requisitos para obter dois anos de período de graça segundo as regras estipuladas no art. 15 da Lei nº 8.213/91, e este tiver seu termo final no mês de maio, somente perdera realmente a qualidade de segurado no dia 16 do mês de julho, pois este é o dia imediatamente posterior ao prazo previsto na Lei de Custeio da Previdência Social para o recolhimento das contribuições do contribuinte individual e facultativo, conforme artigo 30, II, da Lei nº 8.212/91, referente ao mês seguinte ao término dos prazos previstos no artigo 15, seus incisos e parágrafos.

Elucidando a questão por meio de entendimentos jurisprudenciais, colaciona-se o seguinte aresto:
“TRF4 - PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO POR MORTE. MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO DO DE CUJUS. PRORROGAÇÃO. TRABALHO AUTÔNOMO COMPROVADO. FILIAÇÃO OBRIGATÓRIA. DEPENDÊNCIA ECONÔMICA PRESUMIDA. CONSECTÁRIOS LEGAIS.

1. Comprovado o recolhimento de mais de 120 contribuições mensais, sem interrupção que acarrete perda da qualidade de segurado, e permanecendo este desempregado no período subseqüente ao exercício da última atividade filiada ao RGPS, aquela qualidade é mantida nos 36 meses posteriores e só é perdida no dia seguinte ao término do prazo fixado para o recolhimento da contribuição referente ao mês imediatamente posterior ao término daquele espaço temporal (inciso II e §§ 1º, 2º e 4º do artigo 15 da Lei nº 8.213/91).

2. A filiação à previdência social decorre automaticamente do exercício de atividade remunerada para os segurados obrigatórios.

3. A dependência econômica da esposa é presumida (art. 16, inciso I e § 4º e art. 74 da Lei nº 8.213/91).

4. A correção monetária deverá ser calculada de acordo com as variações do IGP-DI (Lei nº 9.711/98).

5. Juros de mora fixados em 1% ao mês, a contar da citação (EREsp 207992/CE, STJ, 3ª Seção, Rel. Min. Jorge Scartezzini, DJU, Seção I, de 04.02.2002, p. 287).

6. Honorários advocatícios arbitrados em 10% sobre o valor da condenação, nela compreendidas as parcelas vencidas até a data da prolação do acórdão (EREsp nº 202291/SP, STJ, 3ª Seção, Rel. Min. Hamilton Carvalhido, DJU, Seção I, de 11.09.2000, p. 220).

7. Apelação provida.

(Apelação Cível nº 585970/PR (200304010311064), 6ª Turma do TRF da 4ª Região, Rel. Juiz Nylson Paim de Abreu. j. 26.05.2004, unânime, DJU 07.07.2004).” (Grifou-se)
Portanto, da forma acima descrita, está prevista a manutenção da qualidade de segurado na Lei de Benefícios da Previdência Social, valendo apenas resumir as possibilidades de prazos para o período de graça, que podem ser de 03, 06, 12, 24 ou 36 meses, cumpridos os requisitos do artigo 15 da Lei nº 8.213/91, com as ressalvas observadas e peculiaridades da cada situação.


2.4. Conceito de Dependente

O conceito de dependência para fins previdenciários deve, como todos os outros conceitos previdenciários, ser primeiro buscado e inicialmente construído a partir de uma análise constitucional.

Neste sentido, ao buscarmos os alicerces constitucionais para o conceito de dependência no direito previdenciário, encontramos as disposições do artigo 201, V, da CF/88, o qual determina que a previdência social seja organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, assegurando pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes, observada ainda a garantia de, ao menos, um salário mínimo de benefício.

Note-se que o legislador constitucional utilizou da locução “e” e não “ou”, para determinar aquelas pessoas que terão direito à pensão pela morte do segurado.

Logo, a intenção foi garantir a subsistência não só do cônjuge ou companheiro (a) do segurado (a) falecido (a), mas também de todos os seus dependentes, sendo irrelevante o grau de parentesco.

Nem se diga que, em virtude do “caput” do artigo 201 ter deixado ao legislador infraconstitucional a incumbência de regulamentar pormenorizadamente as disposições do texto Maior, que não é possível extrair da palavra dependente, uma etimologia máxima e harmônica com o princípio da dignidade da pessoa humana, pois parece claro que seu significado abrange todos aqueles que dependiam economicamente do segurado, não sendo razoável defender a exclusão de qualquer dependente, sob o argumento de que existe uma classe mais favorecida, pena de se estar ferindo o princípio da igualdade e até mesmo o do não retrocesso social, sem falar no flagrante aviltamento do princípio da dignidade da pessoa humana.

Contudo, não é com base neste raciocínio que foi redigido o artigo 16 da Lei nº 8.213/91, o qual definiu quem será considerado dependente no Regime Geral de Previdência Social e neste passo, separou-os em categorias, umas com mais e outras com menos direitos, limitando ainda, somente aos parentes do segurado a qualidade de dependente previdenciário.

Injustiças saltam aos olhos quando se utilizam as determinações do artigo 16 da Lei nº 8.213/91 para o deslinde de situações concretas, como no caso de um jovem segurado que sustente, por muitos anos seguidos, a mãe idosa e sem condições de exercer qualquer atividade remunerada que lhe garanta o sustento e, apenas um mês após seu casamento, também com uma jovem mulher, capaz de trabalhar e se sustentar sozinha, vem a falecer, ocorrendo imediatamente a reversão da pensão diretamente à esposa, deixando a mãe, verdadeira dependente do segurado, desamparada e, por vezes até mesmo na mais absoluta miséria.

A proteção destas situações foi o verdadeiro norte do artigo 201, V, da CF/88 e não a exclusão sem sentido ou o favorecimento sem causa, em verdadeira deturpação da realidade, como ocorreu quando da regulamentação infraconstitucional.

Comungando deste entendimento, um dos expoentes do Direito Social no Brasil defende a inconstitucionalidade do artigo 16 da Lei nº 8.213/91 e brilhantemente tece as seguintes considerações sobre o tema:


“Em relação à enumeração dos dependentes do segurado, na forma do art. 16 da Lei nº 8.213/91, há uma primeira questão a ser respondida: há um conceito constitucional de dependentes ou a lei pode enumerá-los?

Note-se que o art. 201, V, da Constituição assegura pensão por morte do segurado, homem ou mulher, ao cônjuge ou companheiro e dependentes, observado o disposto no § 2º (garantia de renda mensal não inferior ao salário mínimo). A Constituição não remeteu à legislação infraconstitucional a fixação do rol de dependentes. Se concluirmos que a expressão dependentes, na Constituição, é abrangente de todas as pessoas cuja sobrevivência com dignidade era provida pelos ganhos do segurado falecido, afasta-se a rigidez da enumeração contida no art. 16 referido.

Se admitirmos que a enumeração do art. 16 é taxativa, ainda resta uma segunda questão: os dependentes podem ser agrupados em classes, que são excluídas pela existência de dependentes da classe antecedente? A pergunta é pertinente porque, em termos de proteção social de seguridade, não faz sentido, por exemplo, que pais (segunda classe) dependentes de seus filhos fiquem sem cobertura previdenciária porque existem dependentes da primeira classe.

Talvez exista, então, fundamento constitucional para reconhecer a condição de dependente do avô em relação ao neto falecido, bem como de outras pessoas que dependam do segurado e não constem do rol ou, constando, não possam ser excluídas em razão de seu agrupamento em classes. Ficam afastados, assim, critérios meramente subjetivos e causadores de desigualdades.”15



2.5. Perda da Qualidade de Dependente

Com as considerações feitas no tópico anterior, passemos a uma análise mais fria do texto legal.

Os dependentes dos segurados do Regime Geral de Previdência Social se encontram elencados no artigo 16 da Lei nº 8.213/91 e estão divididos em três classes, a saber: o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido na primeira classe16; os pais na segunda classe e o irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido na terceira classe.

A existência de dependentes em uma classe exclui do direito às prestações os dependentes das classes seguintes e a dependência daqueles referidos na primeira classe é presumida, enquanto a dependência daqueles da segunda e terceira classes deve ser comprovada.

A qualidade de dependente de um segurado da Previdência Social se extingue, para o cônjuge, companheiro ou companheira, com a separação judicial ou divórcio, desde que não tenha sido previsto o pagamento de pensão alimentícia; com a certidão de anulação de casamento; com a certidão de óbito do dependente ou por meio de sentença judicial transitada em julgado, a teor do que dispõe o art. 17, §2º, da Lei nº 8.213/91.

Para o filho que seja capaz, a qualidade de dependente se extingue com a maioridade, a qual para efeitos previdenciários se dá aos 21 anos de idade, não sendo afetada esta disposição pela norma contida no Código Civil, onde a maioridade, para todos os efeitos é alcançada aos 18 anos de idade, pois mesmo que o Diploma Civil seja Lei mais recente, não atinge a Lei Previdenciária por ser esta específica, portanto, prevalente.

Já para o filho maior e inválido, a perda da qualidade de dependente se dará caso fique comprovado o restabelecimento da capacidade, o que pode ser feito por perícia médica ou com o óbito.

No tocante aos genitores, a perda da qualidade de dependente somente se dará com o óbito.

Para o irmão dependente, a situação é a mesma dos filhos, uma vez que somente perdem a qualidade de dependentes caso atinjam a maioridade, sejam emancipados ou após a maioridade tenham a capacidade restabelecida e, em qualquer caso, com o óbito.

Vale dizer que a perda da qualidade de dependente para aqueles da segunda e terceira classes, pode também se dar caso seja verificado que o dependente não mais necessita dos rendimentos do instituidor para sobreviver.

Contudo, na prática é muito difícil que um dependente de uma dessas classes perca o benefício por esta razão, pois demanda fiscalização do INSS, que não dispõe nem de recursos e nem de material humano para se deter regularmente na reavaliação de cada um dos benefícios concedidos para dependentes das classes dois e três.

Situação interessante se dá no caso de comoriência, quando há o falecimento do segurado e de um dependente. Caso ficar comprovado que o segurado e um dependente da primeira classe faleceram exatamente ao mesmo tempo, passa-se a pensão para os segurados da segunda ou terceira classe, nesta ordem.

Contudo, caso se verifique que o dependente da primeira classe faleceu depois do segurado, mesmo que segundos após, o benefício de pensão por morte não será pago a nenhum dependente da segunda ou terceira classe, uma vez que com a morte do segurado, o direito de receber pensão passou automática e imediatamente ao segurado da primeira classe e não se transmite, de forma alguma, para outros dependentes (não há pensão de pensão), ocorrendo, portanto, a extinção do benefício antes mesmo de sua concessão a algum beneficiário.

Outra situação interessante, diz respeito ao cônjuge, separado de fato ou de direito ou divorciado, sem percepção de pensão alimentícia.

A princípio seguindo-se a letra fria da Lei, a falta de pensão alimentícia no caso de separação, não daria direito ao recebimento de pensão por morte, a teor do artigo 17, da Lei nº 8.213/91.

Nada obstante, em outros momentos, a própria legislação previdenciária permite entendimento diverso e a doutrina e jurisprudência têm se inclinado para o mesmo raciocínio.

Veja-se inicialmente, que o art. 76, §2º, da Lei nº 8.213/91, assegura que o cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato que recebia pensão de alimentos concorrerá em igualdade de condições com os dependentes referidos no inciso I do artigo 16 desta Lei.

Da leitura do §2º deste artigo, depreende-se que o cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato, que recebia alimentos concorrerá com os demais dependentes do art. 16, I, da Lei nº 8.213/91 em igualdade de condições, mas nada faz crer que o cônjuge que não recebia alimentos não terá direito à pensão. O que quer significar, isto sim, que o cônjuge divorciado beneficiado com alimentos presume-se dependente, enquanto o cônjuge que não recebe alimentos deverá comprovar a dependência, conforme art. 16, § 4º, da Lei nº 8.213/91.

Tanto é assim, que o Regulamento de Benefícios da previdência Social, Decreto nº 3.048/99, no art. 17, I, dispõe que o divórcio implica perda da qualidade de dependente enquanto não lhe for assegurada a prestação de alimentos. Admitindo, assim, diretamente, a possibilidade de prova da dependência econômica ou necessidade posterior, com a finalidade de obtenção de um benefício de pensão por morte.

Ademais, é cediço que o fundamento elementar da pensão alimentícia e, de conseqüência, do benefício de pensão por morte junto ao INSS é a necessidade presente e não remota e que os alimentos são irrenunciáveis.

Logo, é perfeitamente plausível que uma pessoa, à época da separação, não necessite da prestação alimentícia, e que mais tarde venha a necessitar. Como é notório, alterada a situação fática de modo a configurar-se a necessidade, fica autorizada a prestação ulterior de alimentos.

Por isso, o mesmo raciocínio da prestação de alimentos, vale para a prestação previdenciária de pensão por morte, uma vez que ambos (pensão alimentícia e pensão por morte) têm o mesmo fundamento, sendo o que se depreende da leitura conjunta do art. 76, § 2º, da Lei nº 8.213/91 e do art. 17, I, do Decreto nº 3.048/99.

È neste sentido que se inclina a doutrina mais abalizada. Veja-se:
“O cônjuge divorciado, separado judicialmente, ou apenas separado de fato, que recebia pensão de alimentos terá direito à pensão por morte em igualdade de condições com os demais dependentes, não havendo direito adquirido a perceber pensão previdenciária igual ao percentual da pensão alimentícia concedida judicialmente, ou objeto de homologação pelo Juiz de Família, como ocorria no direito anterior (Decreto n.º 83.080/79, arts. 69 e 127). Comprovado que o cônjuge divorciado ou separado judicialmente necessita de prestação alimentícia, faz ele jus à pensão previdenciária em razão de seu caráter assistencial, de manutenção. A dispensa convencionada na separação não pode ser interpretada como renúncia à prestação alimentar, que é irrenunciável (Súmula n.º 379 do STF).”17
No entanto, mesmo tendo ela dispensado pensão alimentícia, bastará que comprove ulterior necessidade econômica para fazer jus ao benefício (nesse sentido: STJ, REsp n.º 177350/SP, 6ª T., Rel. Min. Vicente Leal, DJU de 15/05/2000, p. 209).”18
Corroborando este raciocínio, a jurisprudência sobre o assunto não deixa dúvidas sobre qual é o entendimento prevalente.19

Por fim, vale citar a situação do menor sob guarda, cuja previsão de dependente previdenciário do segurado foi retirada do texto legal por meio da Lei nº 9.528, de 10/12/1997, resultado da conversão da Medida Provisória nº 1.596-14, de 10/11/1997.

A discussão encontra bons fundamentos na doutrina e jurisprudência tanto para o deferimento como para o indeferimento do benefício de pensão por morte ao menor sob guarda.

O STJ tem decisões no seguinte sentido:


“Seguridade Social. Previdenciário. Menor sob guarda. Lei nº 8.213/91, art. 16, §2º. Equiparação à filho. Fins previdenciários. Exclusão pela Lei 9.528/97 do rol de dependência. Proteção ao menor. ECA, art. 33, §3º. Guarda e dependência econômica comprovada. Benefício. Concessão. Possibilidade. Precedentes do STJ. A redação anterior do §2º do art. 16, da Lei 8.213/91 equiparava o menor sob guarda judicial ao filho para efeito de dependência perante o Regime Geral de Previdência Social. No entanto, a Lei 9.528/97 modificou o referido dispositivo legal, excluindo do rol do art. 16 e parágrafos esse tipo de dependente. Todavia, a questão merece ser analisada à luz da legislação de proteção ao menor. Neste contexto, a Lei 8.069/90 – Estatuto da Criança e do Adolescente – prevê, em seu art. 33, §3º, que ‘a guarda confere à criança ou adolescente a condição de dependente, para todos os fins e efeitos de direito, inclusive previdenciário’. Desta forma, restando comprovada a guarda deve ser garantido o benefício para quem dependia economicamente do instituidor, como ocorre na hipótese dos autos. Precedentes do STJ.” (STJ, 5ª T. – AgRg no Rec. Esp. 727.716 – CE – Rel.: Min. Gilson Dipp – J. em 19/04/2005 – DJ 16/05/2005)”
Em sentido contrário, o Juiz Federal Marcelo Leonardo TAVARES entende que:
“Dúvida ainda pode surgir do exame do art. 33, §3º, do estatuto da Criança e do adolescente, quando dispõe que a guarda confere à criança ou adolescente a condição de dependente, para todos os fins e efeitos de direito, inclusive previdenciários. A norma prevista pela Lei nº 9.032/95 é a especial (e também mais recente) e, no caso, é a que se aplica, para não estender aos menores sob guarda a mesma posição que os equiparados à filho em relação ao Regime Geral de Previdência Social. A regra genérica do ECA prevalece, contudo, perante os demais sistemas de previdência.”20
A questão está em aberto e somente o tempo poderá mostrar o posicionamento que irá prevalecer.

2.6. Reaquisição da Qualidade de Segurado

Até a edição da Medida Provisória nº 242, de 24/03/2005 (DO 28/03/2005), dispunha o artigo 24, parágrafo único da Lei nº 8.213/91, que havendo perda da qualidade de segurado, as contribuições anteriores a essa data só serão computadas para efeito de carência depois que o segurado contar, a partir da nova filiação à Previdência Social, com, no mínimo, 1/3 do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência definida para o benefício a ser requerido.

Com a publicação desta Medida Provisória, o parágrafo único do artigo 24 da Lei nº 8.213/91 foi revogado, o que implica em dizer que, uma vez perdida a qualidade de segurado, para fazer jus a qualquer benefício previdenciário o segurado terá que cumprir novamente, se acaso já tivesse cumprido antes, a carência referente ao respectivo benefício que pretende.

Contudo, em 16/05/2005 (D.O.U. de 17.5.2005), por meio de Ato do Presidente da Mesa do Congresso Nacional, Senador Renan Calheiros, ficou determinado que a Medida Provisória nº 242, de 24 de março de 2005, teria sua vigência prorrogada pelo período de sessenta dias, a partir de 27 de maio de 2005, tendo em vista que sua votação não tinha sido encerrada nas duas Casas do Congresso Nacional.

Nada obstante, antes de findo os sessenta dias previstos, em 20 de julho de 2005 (D.O.U. de 21.7.2005) por meio do Ato Declaratório do Presidente do Senado Federal, Senador Renan Calheiros, o Plenário da Casa rejeitou os pressupostos constitucionais de relevância e urgência da Medida Provisória nº 242, de 24 de março de 2005, e determinou o seu arquivamento.

Desta forma, referida medida provisória, que tanta polêmica causou nos meios acadêmicos e na sociedade em geral foi retirada do mundo jurídico, restando ficar atento aos benefícios concedidos ou indeferidos nesta época, visando corrigir qualquer equivoco cometido pela Autarquia Previdenciária com base na malfadada medida provisória, a qual, como bem se observa pela exposição de motivos da MP 24221, realmente não cumpria os requisitos de relevância e urgência afetos às Medidas Provisórias, como exige expressa disposição Constitucional.

Como se não bastasse, outros aspectos desta malfadada Medida Provisória 242, são de duvidosa constitucionalidade, o que causou grande burburinho no meio jurídico, em virtude da flagrante injustiça cometida com a determinação de limitação do valor do auxílio doença e da aposentadoria por invalidez à última remuneração do trabalhador, mas esta não é uma discussão que tem foro neste trabalho.

Retomada então a vigência do art. 24, parágrafo único da Lei nº 8.213/91, a determinação nele contida não importa de forma alguma em dizer que, acaso um segurado, homem, tenha perdido a qualidade de segurado quando contava com 34 anos de contribuição e queira obter uma aposentadoria integral, terá que contribuir, após o reingresso ao sistema, por uma carência de 15 anos (regra permanente), ou pelo número de contribuições respectivos da tabela transitória do artigo 142 da Lei nº 8.213/91 (regra transitória), o que não teria lógica, uma vez que a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 201, §7º, I, garante a aposentadoria ao homem que completar 35 anos de contribuição e à mulher que contar com 30 anos de contribuição.

No entanto, para os benefícios de auxílio doença e aposentadoria por invalidez, não sendo a incapacidade, decorrente de uma das situações que isenta o segurado do cumprimento da carência (Artigo 26 da Lei nº 8.213/91), uma vez perdida a qualidade de segurado, após o cumprimento da carência, o reingresso no sistema exigirá o recolhimento de 4 (quatro) contribuições, exatamente 1/3 da carência (12 contribuições), para que se tenha como cumprida novamente a carência e se possa buscar os benefícios por incapacidade acima citados.

2.7. Benefícios que Independem da Qualidade de Segurado

Em 09/05/2003 foi publicada a Lei nº 10.666, de 08/05/2003, resultado da conversão da Medida Provisória nº 83, de 12/12/2002 (DOU 13/12/2002), a qual em seu art. 3º, assegurou a concessão de aposentadorias especiais, por idade e por tempo de contribuição, sem a necessidade de comprovação da qualidade de segurado no momento do requerimento administrativo ou mesmo na data em que foram implementados os requisitos, em consonância à jurisprudência que já estava firmada nos Tribunais Superiores neste mesmo sentido22.

Para as aposentadorias por idade, não há necessidade, portanto, de que no momento em que o indivíduo atinja 65 anos se homem ou 60 anos se mulher, mantenha a qualidade de segurado, bastando apenas que já tenha cumprido a carência estipulada.

Neste aspecto, vale lembrar que, caso o segurado tenha se filiado à Previdência Social depois de 25/07/1991, data de publicação da Lei nº 8.213/91, de 24/07/1991, a carência que terá de cumprir será aquela da regra permanente, ou seja, 15 anos.

Mas se, no entanto, a filiação à Previdência Social se deu em data anterior à vigência da Lei nº 8.213/91, a carência será aquela da tabela transitória do artigo 142, da Lei nº 8.213/91, a qual permanecerá em vigor até 2011, quando então, todos os segurados que completarem os requisitos daquela data em diante, terão de cumprir a carência de 180 contribuições.

Vale lembrar que esta filiação anterior à Lei nº 8.213/91, não depende necessariamente de contribuição, pois o vínculo previdenciário pode se dar por meio da Previdência Social Rural, onde o trabalhador, provando que exerceu suas atividades em regime de economia familiar, terá direito de usar este tempo para todos os efeitos, exceto para carência, nos termos do artigo 55, §2º, da Lei nº 8.213/91.

Neste viés, é pertinente tecer algumas considerações sobre os períodos de carência estipulados no art. 142, da Lei nº 8.213/91, no que toca ao momento de preenchimento dos requisitos, pois este dispositivo legal assegura a aplicação da tabela transitória na data em que foram cumpridos todos os requisitos para obtenção do benefício.

Assim, por exemplo, caso um segurado, homem, complete 65 anos de idade em 2001, já tendo filiação à Previdência Social antes de 24/07/1991, necessitará, segundo a tabela transitória, de 120 contribuições (10 anos) para efeitos de carência.

Portanto, se na data em que este segurado completar 65 anos de idade, já tiver vertido 120 contribuições à Previdência Social, estará aposentado. Por outro lado, caso este mesmo segurado tenha completado 65 anos de idade em 2001, mas quando ainda só tinha vertido 100 contribuições aos cofres previdenciários, a questão que se põe é se teria direito adquirido à carência de 120 contribuições, necessitando apenas de mais 20, ou teria que contribuir por mais 80 meses, para alcançar as contribuições necessárias à carência da regra permanente?

A celeuma se resolve em uma questão de direito adquirido, onde deve ser levada em conta uma interpretação constitucional, voltada à garantia dos direitos fundamentais e à segurança jurídica, permitindo que o segurado complete o requisito da carência mesmo após o cumprimento do requisito etário.

Neste sentido, o próprio texto legal foi alterado, garantindo expressamente o direito de ter a carência exigida correspondente àquela do ano em que implementou as condições, merecendo salutar manifestação da doutrina:
“A alteração do texto pela Lei nº 9.032/95 foi oportuna ao modificar o fator determinante para o enquadramento na tabela, que deixou de ser o ano da entrada do requerimento, como previsto na redação originária, para ser o ano do implemento das condições, em respeito à regra constitucional de preservação do direito adquirido.”23
Logo, concluí-se pela garantia do direito ao cumprimento da carência estipulada no artigo 142 da Lei nº 8.213/91, referente à data em que o segurado implementou o requisito etário, no caso de aposentadoria por idade urbana, na esteira do que vem decidindo o Superior Tribunal de Justiça.
“Seguridade Social. Previdenciário. Aposentadoria por idade. Trabalhador urbano. Perda da qualidade de segurado. Implementação Simultânea. Prescindibilidade. Verificação dos requisitos necessários. Idade mínima e recolhimento das contribuições devidas. Precedentes do STJ. Lei nº 8.213/91, arts. 25, 48, 102, § 1º e 142. A aposentadoria por idade, consoante os termos do art. 48 da Lei 8.213/91, é devida ao segurado que, cumprida a carência exigida nesta lei, completar 65 anos de idade se homem, ou, 60, se mulher. O art. 25 da Lei 8.213/91 estipula a carência de 180 (cento e oitenta) meses de contribuição para obtenção da aposentadoria por idade para o trabalhador urbano. O art. 142 da Lei 8.213/91, por sua vez, estabelece regra transitória de cumprimento do período de carência, restrito aos segurados urbanos inscritos na Previdência Social até 24 de julho de 1991, data da vigência da Lei, conforme tabela inserta no referido dispositivo. A perda da qualidade de segurado, após o atendimento aos requisitos da idade mínima e do recolhimento das contribuições previdenciárias devidas, não impede a concessão da aposentadoria por idade. Precedentes. Ademais, os requisitos exigidos pela legislação previdenciária não precisam ser preenchidos simultaneamente, no caso de aposentadoria por idade. Precedentes. Interpretação do art. 102, § 1º, da Lei 8.213/91.” (STJ, 5ª T. – AgRg no Rec. Esp. 698.009 – PR – Rel.: Min. Gilson Dipp – J. em 19/04/2005 – DJ 16/05/2005)” (Grifou-se)
Outro é, no entanto, o entendimento quando se trata da aposentadoria rural por idade, prevista no artigo 39 da Lei nº 8.213/91, caso em que o segurado especial deve cumprir a carência e estar efetivamente trabalhando na lavoura quando preencher o requisito etário, 60 anos de idade para o homem e 55 para a mulher.

A bem da verdade, a redação do art. 39, I, exige a comprovação do efetivo trabalho na lavoura, em regime de economia familiar, pelo tempo correspondente à carência, em data imediatamente anterior ao requerimento administrativo, o que foi modificado pelo entendimento jurisprudencial, que em homenagem ao direito adquirido, exige o cumprimento da carência em data anterior ao preenchimento do requisito etário, mas não abre mão, pelo menos na maior parte dos julgados desta comprovação. Neste sentido:


“Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Santa Catarina Processo nº. 2004.95.007682-0 – RECURSO CONTRA SENTENÇA Relator: Juiz João Batista Lazzari. Recorrente:Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. Recorrida: Lúcia Pianezer. VOTO. O INSS recorre da sentença que concedeu aposentadoria por idade rural à Autora, nascida em 25.12.1935 (fl.11), alegando que não houve cumprimento da carência, uma vez que o exercício da atividade rural foi prestada somente até o ano de 1988. No presente caso, a questão nuclear reside em aferir se há direito adquirido à aposentadoria por idade rural, nos termos da legislação de regência. Anteriormente à Lei nº. 8.213/91, vigorava a Lei Complementar nº. 11/1971, com as modificações da Lei Complementar nº. 16/1973, que estabelecia não ser devida aposentadoria a mais de um componente da unidade familiar, cabendo apenas o benefício ao respectivo chefe ou arrimo, que tiver completado 65 (sessenta e cinco) anos de idade. De regra, a aposentadoria rural por idade, no regime precedente à Lei nº. 8.213/1991, somente era devida ao homem, e, excepcionalmente, à mulher, desde que estivesse na condição de chefe ou arrimo de família. De acordo com o início da prova material produzida, constata-se que a parte autora exerceu atividade rural entre os anos de 1956 a 1988, no entanto a partir do ano de 1980 o cônjuge da Autora, Arlindo Pianezer, passou a exercer a atividade urbana, tendo inclusive aposentado-se por idade nesta condição em 18.02.1997 (MPAS/INSS Sistema Único de Benefício – Dataprev). Diante do exercício da atividade urbana pelo cônjuge da Autora, seria necessária para a efetiva demonstração do exercício da atividade rural, a comercialização da produção agrícola, bem como sua importância na subsistência familiar (TRSC, Processo nº. 2004.72.95.001362-6. Sessão de 08.07.2004, relatora Juíza Federal Eliana Paggiarin Marinho). Assinalo, que os únicos documentos que comprovam a comercialização são dos anos de 1976 até 1979 e 1983 (fls.18, 21, 23, 27 e 31). Consigno, ainda, que para ter direito ao benefício pretendido, a Autora teria que ter demonstrado o preenchimento das exigências (idade mínima e carência), antes de ter deixado a atividade agrícola, pois a não simultaneidade dos requisitos não é admitida na concessão da aposentadoria por idade rural. Esta é a orientação seguida pela Turma Recursal de Santa Catarina, como pode ser observado do voto da eminente Juíza Eliana Paggiarin Marinho: “(...) Concluindo, se a aposentadoria por idade do artigo 39, I, da Lei nº. 8.213/91, já envolve regras diferenciadas, favoráveis ao segurado especial, descabe a migração de outras normas também diferenciadas, aplicáveis a outros segurados e em outras circunstâncias, para deferir o benefício a trabalhador rural que abandonou o campo muito antes do implemento do requisito etário. (Processo nº. 2004.72.95.001723-1. Sessão de 17.06.2004). Em conclusão, a Autora não havia preenchido os requisitos para a concessão da aposentadoria por idade quando deixou de exercer a atividade rural, em 1988. Da mesma forma, não demonstrou o exercício da atividade no período anterior ao requerimento administrativo (24.05.1999, fl.49), ou, pelo menos, nos 60 meses anteriores a 1991, conforme exigido pelos arts. 142 e 143 da Lei nº. 8.213/91. Sendo assim, a Autora não faz jus à concessão da almejada aposentadoria por idade rural. Em face do exposto, VOTO no sentido de dar provimento ao recurso do INSS. Sem condenação em honorários. Florianópolis, 17 de fevereiro de 2005. João Batista Lazzari Juiz Federal”

2.8. Entendimentos Avançados

A mais abalizada jurisprudência de nossos Tribunais, seja no STJ, seja nas Turmas Recursais dos Estados, têm entendido que, mesmo havendo a perda da qualidade de segurado, caso sobrevenha incapacidade, é possível a concessão de benefícios previdenciários de auxílio doença ou aposentadoria por invalidez, desde que o segurado tenha cumprido a carência exigida para as aposentadorias por idade e tempo de contribuição, qual seja, quinze anos na regra permanente ou menos, conforme tabela do Art. 142 da Lei nº 8.213/91, aplicada para a regra transitória.

Este entendimento usa emprestada a Súmula nº 2 da Turma Regional de Uniformização de Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais da 4ª Região, onde: “Para a concessão da aposentadoria por idade, não é necessário que os requisitos da idade e da carência sejam preenchidos simultaneamente.”

Foi neste sentido que votou a MM. Juíza Relatora Dra. Claudia Cristofani no Recurso nº 2002.70.05.005526-3, Julgado na Turma Recursal do Paraná onde argumentou que:


“... se ao idoso é possível aproveitar carência pretérita para aposentadoria por idade, com lacuna temporal entre a “desfiliação” e o preenchimento do requisito etário, com maior razão deveria o mesmo ocorrer relativamente à invalidez, evento da vida que sempre foi considerado muito mais grave e urgente do que o etário pela legislação previdenciária.”
Assim, em uma interpretação humana, racional e social da legislação previdenciária, garantiu dignidade aos que dela mais necessitam.

Outro caso que chama muito a atenção é o daquele segurado que tendo nascido na zona rural, desde tenra idade inicia a lide na roça, sendo possível computar para efeitos previdenciários o trabalho em regime de economia familiar a partir dos 12 anos de idade, passa décadas de sua vida trabalhando nestas condições e antes de completar 60 anos, quando homem ou 55, quando mulher, deixa a zona rural e passa a residir e trabalhar na zona urbana de uma cidade, mas quando completa o requisito etário para a aposentadoria urbana por idade, 65 anos, quando homem e 60, quando mulher, não tem o número mínimo de contribuições referentes à carências necessária à concessão da aposentadoria, com contagem de tempo rural.

Desta forma, não são poucos os casos em que segurados da Previdência Social se encontram em uma situação limite, no limbo da Lei e à margem de uma proteção mais efetiva, pois contam, por vezes, com 40 ou mais anos de trabalho na lavoura e com oito, nove ou dez anos de contribuição para a Previdência Social Urbana, com mais de 65 anos de idade e sem direito a nenhuma aposentadoria do RGPS.

Fácil se ver que é injusto deixar sem proteção um segurado nestas condições, devendo sim ser-lhe concedido um benefício de aposentadoria, mesmo que ao arrepio da lei, pois se esta é uma situação não contemplada pela legislação, deve o judiciário, utilizando das possibilidades de que dispõe, assegurar dignidade a estes trabalhadores.

Sensível a esta problemática, a Turma Recursal de Santa Catarina tem adotado um entendimento inédito, sem previsão legal, mas que distribui justiça e dignidade, protegendo situações como a acima narrada, desde que o segurado conte com a idade necessária para cumprir o requisito etário da aposentadoria urbana por idade, ou seja, 65 anos para homem, 60 para mulher.

Nestes casos, não se fala em carência, requisito que não faz parte desta construção jurisprudencial e o valor do benefício será sempre de um salário mínimo, concedido a partir da data do ajuizamento da demanda, pois, em verdade, agiu certo o INSS, dentro dos ditames legais, porém, gerando uma injustiça que não cabe à Autarquia Previdenciária sanar.

Aliás, não se pode permitir que a administração pública tenha este grau de discricionariedade, cabendo apenas ao Poder Judiciário, na análise do caso concreto determinar a concessão de benefícios mesmo sem o preenchimento dos requisitos legais, o que, de forma alguma pode ser delegado à administração pública, a qual está adstrita aos limites da lei, seja esta justa ou injusta.

Vale a transcrição de voto que cita o acórdão paradigma:


Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Santa Catarina. Processo nº: 2003.72.02.050326-6 – Recurso contra Sentença. Relator: juiz João Batista Lazzari. recorrente: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. Recorrido: Teresa Bernardi. Relatório. Trata-se de ação previdenciária visando à concessão de aposentadoria por idade, ou alternativamente, por tempo de serviço/contribuição, desde o requerimento administrativo (25.06.2002), com o reconhecimento do labor exercido em atividade rural e o pagamento das parcelas vencidas. o pedido foi julgado procedente para o fim de reconhecer e averbar período de atividade rural, concernente a 01.01.1961 a 23.07.1991. Foi determinada, ainda, a implantação do benefício de aposentadoria por tempo de serviço integral e o pagamento das parcelas vencidas. O INSS apresentou recurso. a parte autora deixou de contra- razoar. voto - da preliminar de ilegitimidade ativa da parte - não há que se falar em ilegitimidade ativa da parte, pois embora a autora tenha deixado de exercer o labor rural em regime de economia familiar, persiste o direito de ver reconhecido esse período, ainda que seja com intuito de somar ao tempo de labor urbano para fim de concessão de benefício junto ao RGPS. - Da preliminar de impossibilidade jurídica do pedido - Afasto, também, a preliminar de impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que há previsão legal para o pedido de concessão de benefício de aposentadoria por idade ou por tempo de serviço/contribuição. Se a autora possui ou não as condições para o recebimento do referido benefício, é matéria do mérito da controvérsia - Da carência assiste razão ao INSS com relação à falta de carência da autora para a concessão do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, uma vez que contribuiu por apenas 6 anos e 1 mês no período de 06/1996 a 06/2002. Assim, tenho que a autora não tem direito à concessão do benefício de aposentadoria por tempo de serviço/contribuição na data do requerimento administrativo (25.06.2002). Também não tem a autora direito à aposentadoria por idade rural, uma vez que embora tenha comprovado o labor rural de 1961 a 1991, ela completou 55 anos de idade em 1996, quando já residia na cidade, tendo perdido a qualidade de segurada especial. No entanto, nos termos do precedente desta turma recursal, no processo de n.º 2004.72.95.000558-7, de relatoria da Juíza Federal Eliana Paggiarin Marinho, sessão de 15.04.2004, tem a autora direito à aposentadoria por idade urbana. seguem os fundamentos do julgado referido, que adoto como razões de decidir:
Situações como esta ocorrem com relativa freqüência em processos que tramitam perante os Juizados Especiais Federais. Não são poucos os casos de pessoas que se dedicam ao trabalho rural em regime de economia familiar desde pequenos, porém abandonam a lavoura antes de completar 55/60 anos de idade (requisito para a aposentadoria por idade do segurado especial). A partir daí passam a exercer atividade urbana, porém quando completam o requisito etário geral 60/65 anos sequer estão próximos de cumprir a carência em número de contribuições mensais, exigida para a aposentadoria por idade (comum/urbana).
A circunstância merece atenção especial do Judiciário, por questão de justiça. Não é razoável obrigar tais pessoas a permanecer contribuindo por longos anos após o implemento do requisito etário comum (60/65 anos), se na prática somado o tempo de serviço rural com o urbano atingem muito mais que 180 meses de trabalho/contribuição.
Vejo da seguinte maneira a situação: o legislador estabeleceu regras especiais em favor do segurado especial, permitindo sua aposentadoria com idade reduzida e considerando o próprio tempo de trabalho como carência. Como se tratava de um favor, estipulou o benefício no valor mínimo. A regra geral, de sua vez, não engessou o valor da renda mensal (que pode superar 1 salário mínimo), porém exigiu idade mais elevada e carência em número de contribuições mensais.
Pelo artigo 6º da Lei nº 9.099/95, aplicado subsidiariamente no âmbito dos JEFs, o juiz deve aplicar em cada caso a decisão mais justa e equânime, atendendo aos fins sociais da lei e às exigências do bem comum.
No caso dos autos, o mais razoável é reconhecer que tendo a Autora completado 60 anos do ano de 2001, adquiriu o direito à aposentadoria por idade (comum/urbana), embora em valor igual a um salário mínimo, restrição imposta devido à ausência do preenchimento integral do requisito carência (em número de contribuições mensais), porém considerada o atendimento de tal requisito se somado o tempo de serviço rural. Como se trata de solução excepcional dada pelo Judiciário, a aposentadoria tem início a contar do ajuizamento da ação, e não da DER. Ante o exposto, VOTO, no sentido de dar parcial provimento ao recurso, reduzindo a condenação imputada ao INSS, para condená-lo a conceder à Autora a aposentadoria por idade, na condição de segurada urbana, no valor de um salário mínimo, desde 03.02.2003 (data do ajuizamento da ação), bem como pagar a ela as parcelas vencidas, acrescidas de correção monetária desde a data em que deveriam ter sido creditadas até o efetivo pagamento e juros de mora de 1% ao mês, a contar da citação, consoante o enunciado da Súmula nº. 02 desta Turma Recursal. Com o retorno dos autos à origem deverá ser elaborada a conta das parcelas vencidas. Condeno o INSS ao pagamento de honorários advocatícios (art. 55 da Lei nº. 9.099/95 c/c o art. 1º da Lei nº. 10.259/01), fixados em 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, assim considerado o montante das parcelas vencidas até a data da prolação da sentença (Súmula nº 111 do STJ). Sala de Sessões da Turma Recursal. Florianópolis, 05 de agosto de 2004. João Batista Lazzari - Juiz Federal - A C O R D A M os Juízes da Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Santa Catarina, por maioria, em dar parcial provimento ao Recurso do INSS, nos termos do voto do Relator, vencida a Juíza Marina Vasques Duarte, que dava integral provimento ao recurso. Sala de Sessões da Turma Recursal. Florianópolis, 05 de agosto de 2004.”
Uma outra situação não contemplada pela legislação previdenciária, mas surpreendentemente amparada pela revogada Instrução Normativa nº 118/2005, hoje substituída pela Instrução Normativa INSS nº 11, de 20 de setembro de 2006 (DOU 21/09/2006), diz respeito ao falecimento do segurado após a perda da qualidade de segurado e a possibilidade de seus dependentes requererem o benefício de pensão por morte.

Neste contexto, o art. 281 da IN nº 11/2006, não traz grandes novidades, uma vez que permite a concessão do benefício caso o segurado já tenha implementado todos os requisitos para obtenção de uma aposentadoria até a data do óbito ou, fique reconhecido o direito, dentro do período de graça à aposentadoria por invalidez, a qual deverá ser verificada por meio de parecer médico-pericial do INSS com base em atestados ou relatórios médicos, exames complementares, prontuários ou outros documentos equivalentes, referentes ao ex-segurado, que confirmem a existência de incapacidade permanente até a data do óbito.

A novidade está no art. 282, o qual garante a concessão de pensão por morte nos casos em que haja débito decorrente do exercício de atividade do segurado contribuinte individual, desde que comprovada a manutenção da qualidade de segurado perante o RGPS, mesmo na hipótese de o segurado não ter providenciado, em vida, inscrição da atividade de contribuinte individual que vinha exercendo, sendo que a verificação da manutenção da qualidade de segurado dependerá da existência de filiação e inscrição anteriores junto à Previdência Social, seja como empregado, inclusive doméstico, trabalhador avulso, contribuinte individual ou facultativo; haja regularização espontânea da inscrição e das contribuições decorrentes da comprovação da atividade de contribuinte individual, observado o disposto no § 3º do art. 55 da Lei nº 8.213/91 e não tenha decorrido o prazo de manutenção da qualidade de segurado entre as eventuais atividades acima mencionadas e a atividade de contribuinte individual comprovada pelos dependentes.

Admitir-se-á ainda a regularização espontânea do débito por parte dos dependentes, desde que exista inscrição e contribuições regulares, efetivadas pelo segurado, com paralisação dos recolhimentos por período superior aos prazos estabelecidos para manutenção da qualidade de segurado ou exista apenas inscrição formalizada pelo segurado, sem o recolhimento da primeira contribuição.

Desta forma, se a própria administração pública ventila esta possibilidade, muito mais ao Poder Judiciário cabe defendê-la e assegurá-la, garantindo o recebimento de pensão por morte aos dependentes de segurado falecido após a perda da qualidade de segurado, não tendo este, antes do óbito, direito adquirido a qualquer benefício previdenciário, mas tendo ficado comprovado que houve o efetivo exercício de uma atividade de vinculação obrigatória à Previdência Social, mesmo que para tanto seja necessário determinar o recolhimento em atraso das contribuições, o que muito bem pode ser feito descontando-se do valor do benefício, um percentual a título de regularização de contribuições em atraso, até o final pagamento do débito contributivo do extinto.

Nesta mesma linha de raciocínio, brilhante trabalho foi elaborado pelo professor Marcos de Queiroz Ramalho, o qual desenvolve em seu livro intitulado “A Pensão por Morte no Regime Geral da Previdência Social”24, a tese que, em síntese, defende a possibilidade de concessão de pensão por morte a dependentes do segurado que na data do óbito estava em débito com a Previdência Social, exercendo atividade de vinculação obrigatória, mas sem contribuir por período que possa inclusive gerar a perda da qualidade de segurado.

Em suas próprias palavras, “Essa linha de pensamento decorre do fato que se a pessoa falecida era segurado obrigatório e exercia a atividade, mesmo estando em débito com o fisco federal, não impediria os dependentes de obter a pensão previdenciária.”25

Como bem assevera referido doutrinador, esta tese começa a ganhar espaço no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, como pode ser visto pelo aresto a seguir colacionado.


Previdenciário. Pensão por morte do esposo. Honorários. Juros de mora. Custas. 1. Decorre a filiação automaticamente do exercício da atividade de taxista, desempenhada pelo falecido, que assim caracterizava-se como segurado obrigatório da previdência social, gerando a conseqüente filiação o direito de sua esposa à pensão, independente do recolhimento de contribuições post mortem. 2. A pensão é devida desde a data do requerimento administrativo a teor do que dispõe o art. 74, II, da Lei n. 8.213/91. (...)” TRF 4ª R. – Ap. Cível nº 381.636 – Processo nº 2000.04.01.137738-0, UF: RS, 6ª T. – DJU 03/09/2003, p. 622 – Rel. Des. Federal Néfi Cordeiro.
Em última análise, se a Lei nº 8.213/91 não reclama carência para a concessão das pensões por morte, mas tão somente filiação, não há que se falar em perda da qualidade de segurado caso o indivíduo que esteja exercendo atividade de vinculação obrigatória não esteja pagando as contribuições, mesmo que inadimplente esteja a mais tempo do que o período de graça previsto em lei.

Situação diversa se dá com o segurado facultativo, que em virtude de sua opção por se vincular ao Sistema Previdenciário, deve ter ao menos uma contribuição vertida dentro do período de graça para que seus dependentes façam jus à pensão por morte.



3. DESAPOSENTAÇÃO
3.1. Introdução

Aqueles segurados que, mesmo após a concessão de suas aposentadorias, continuaram trabalhando e vertendo contribuições ao RGPS, podem buscar, hoje em dia, a concessão de novo benefício mais benéfico, existindo legítimo interesse em buscar a tutela jurisdicional, mesmo sem prévio requerimento administrativo, pois é notório que o Instituto de Previdência não acata a tese da desaposentação, até mesmo porque, não prevista em lei, o que impede qualquer tipo de providência por parte do INSS neste sentido, uma vez que, como administração pública, está adstrito aos limites da lei.

Inicialmente é válido ter em mente as razões do surgimento da DESAPOSENTAÇÃO, o que explica a busca pelo desenvolvimento desta tese e seu objetivo primordial: Justiça Social.

A Lei nº 8.213/91, em sua redação original, previa o pagamento de pecúlio ao segurado que voltasse a exercer atividade laborativa vinculada ao RGPS, conforme estabelecia os artigos 81 e seguintes.

Este benefício não foi uma novidade da atual Lei de Benefícios da Previdência Social, pois já era previsto na LOPS, Lei nº 3.807/60 e nos artigos 91 a 95 do Decreto 83.080/79.

Desta forma, os segurados da Previdência Social sentiam-se como que, justiçados, uma vez que recebiam de volta os valores pagos a título de contribuições previdenciárias após a aposentadoria.

Além disso, poderiam ainda usufruir do auxílio-acidente, da reabilitação profissional e da transformação da aposentadoria em aposentadoria acidentária.

Nas palavras da ilustre advogada Adriane Bramante de Castro Ladenthin26, “... estabelecia-se nova filiação junto ao RGPS quando o trabalhador voltava a exercer atividade laboral após a aposentadoria, distinta da anterior, que proporcionou a inatividade, sendo-lhe permitido obter cumulativamente os benefícios de auxílio-acidente, reabilitação profissional e a transformação da aposentadoria em acidentária.”


Logo, alguma vantagem existia, alguma compensação se concretizava com o pagamento de contribuições após a aposentadoria, situação que acabou por ser extinta, proporcionando o surgimento da DESAPOSENTAÇÃO, como bem explica a advogada citada27:
Ocorre que, com o advento da Lei 8.870/94 e Lei 9.129/95, houve a extinção do pecúlio previdenciário, revogando os artigos 81/85 da Lei 8.213/91 (RGPS) e adicionando o parágrafo 4º ao art. 12 da Lei 8.212/91 (plano de custeio da seguridade social) explicitando a cobrança da contribuição anteriormente prevista genericamente na mesma lei.

Isso significou a extinção de um benefício previdenciário que garantia ao segurado o retorno de suas contribuições compulsoriamente vertidas ao sistema, bem como a exigibilidade de continuar realizando estas contribuições, mesmo aposentado, sem qualquer contrapartida.

Foi neste momento que a desaposentação começou a se desenvolver, pois seria a única possibilidade de corrigir uma distorção criada com a extinção do pecúlio e a compulsória contribuição após a aposentação.”

3.2. Competência para Ajuizamento da demanda de Desaposentação

Como a principal questão envolvendo a desaposentação é a necessidade ou não de devolução dos valores recebidos pelo segurado aposentado, sendo, comumente, o empecilho mais citado pela Autarquia Previdenciária, o valor das causas envolve montante muito superior a sessenta salários mínimos, uma vez que deve representar todas as prestações recebidas pelo segurado na aposentadoria, vale dizer, tudo o que foi pago pelo INSS está em discussão, o que leva a questão a ser julgada fora dos Juizados Especiais Federais, que, conforme precedente abaixo, já vêm decidindo, ex officio, por sua incompetência para apreciar e julgar tais demandas.


Processo nº 2007.72.55.000056-3. Vistos, etc. A C O R D A M os Juízes da Segunda Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Santa Catarina, à unanimidade, no julgamento do recurso nos termos do voto do relator. Sala de Sessões da Turma Recursal. Florianópolis (SC), 26 de abril de 2007. Fernando Zandoná. Juiz Federal. VOTO Recorre o INSS da sentença que julgou parcialmente procedente o pedido de “desaposentação” e determinou a concessão imediata de novo benefício. Da incompetência absoluta da JEF. Em que pese não ter sido argüida em sede de preliminar, deve ser reconhecida ex officio a incompetência absoluta dos Juizados Especiais em razão do real valor da causa. Em processos que versam sobre pedido de “desaposentação” e a concessão de novo benefício, uma das principais discussões é a respeito da necessidade de devolução dos valores já recebidos pelo segurado. No caso em análise, um dos tópicos do recurso apresentado pelo INSS é justamente a necessidade do recorrido “devolver todos os valores recebidos decorrentes da aposentadoria que quer ver cancelada”. Assim, dentre outras questões, também deve ser dirimido no presente feito se o recorrido deve ou não devolver os valores percebidos desde a DER [26.02.1997, RMI de R$ 614,45 – CCON6]. Portanto, se acolhida a pretensão do INSS, o recorrido terá que devolver valor muito superior a 60 SM. De outro lado, se for acolhida a pretensão do recorrido estaremos, em verdade, diante de um provimento jurisdicional que declara a inexistência de um débito superior a 60 SM. Destarte, por qualquer ângulo que se analise a presente demanda, resta cristalino que o montante econômico controvertido supera, em muito, o valor de alçada dos JEFs. Outrossim, dúvida não há de que estamos diante de matéria cujo julgamento é da competência de uma das Varas Federais de Blumenau. Neste contexto, por se tratar de matéria de ordem pública, deve ser reconhecida ex officio a incompetência absoluta do JEF e, por conseguinte, anulados todos os atos decisórios, inclusive a sentença, com fulcro no art. 113, § 3º, e 245, parágrafo único, ambos do CPC. Em face do exposto, VOTO no sentido de: (a) reconhecer ex officio a incompetência absoluta da 2ª Vara do JEF Cível e Previdenciário de Blumenau em razão do valor controvertido ser superior a 60 SM; (b) anular todos os atos decisórios, inclusive a sentença, nos termos do art. 113, § 3º, do CPC; e (c) julgar exinto o feito, sem julgamento de mérito, em face da impossibilidade de declinar processo ajuizado no e-proc para uma das Varas Federais de Blumenau. Sem condenação em honorários. É o voto. Florianópolis (SC), 26 de abril de 2007. Fernando Zandoná. Juiz Federal. Relator.” (Grifou-se)
Desta forma, as demandas devem ser julgadas na Justiça Federal comum e não nos Juizados Especiais Federais.

3.3. Fundamentos da Desaposentação

Os fundamentos para a DESAPOSENTAÇÃO encontram-se estampados na mais abalizada doutrina sobre o tema, tendo adquirido recentemente contornos mais definidos em razão de posicionamentos jurisprudências do STJ que corroboram a tese em análise.


Em suma, os argumentos daqueles que pretendem ver fulminada a tese da desaposentação, destacam os seguintes aspectos sobre o tema: Direito ou não do segurado à renúncia; reversibilidade dos benefícios previdenciários; falta de fundamentação legal; devolução dos valores já recebidos pelo segurado e desequilíbrio financeiro e atuarial.
No entanto, nenhum destes argumentos é suficientemente contundente para impedir o direito vindicado.
Socorremo-nos das lições de um dos maiores especialistas no assunto, autor de densa obra sobre o tema, Prof. Dr. Fábio Zambitte Ibrahim, para quem nenhum dos argumentos levantados pela Autarquia Previdenciária é relevante para impedir o sucesso da desaposentação.
Iniciando pela possibilidade de renúncia, já se consolidou na jurisprudência o entendimento de que a renúncia à aposentadoria não implica em renúncia ao próprio tempo de serviço que serviu de base para a concessão do benefício, pois se trata de direito incorporado ao patrimônio do trabalhador, que dele pode usufruir dentro dos limites legais. Desta forma, é perfeitamente válida a renúncia à aposentadoria, visto que se trata de um direito patrimonial de caráter disponível, inexistindo qualquer lei que vede o ato praticado pelo titular do direito, se não contraria qualquer interesse público. Logo, não pode a Autarquia Previdenciária opor-se a renúncia pretendendo compelir o segurado a continuar aposentado, o que não faz o menor sentido.
Para ilustrar este posicionamento, colaciona-se o seguinte Acórdão:
Acórdão Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - Processo: 2008.71.05.001952-4 UF: RS Data da Decisão: 23/02/2010 Orgão Julgador: TURMA SUPLEMENTAR. Fonte D.E. 08/03/2010 Relator EDUARDO TONETTO PICARELLI Decisão Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Turma Suplementar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por unanimidade, dar provimento à apelação, nos termos do relatório, votos e notas taquigráficas que ficam fazendo parte integrante do presente julgado. Ementa. PREVIDENCIÁRIO. DESAPOSENTAÇÃO. JUBILAMENTO EM REGIME PRÓPRIO. DESNECESSIDADE DE DEVOLUÇÃO DE VALORES RECEBIDOS. COMPENSAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS PREVIDENCIÁRIOS. SUCUMBÊNCIA. 1. É perfeitamente válida a renúncia à aposentadoria, visto que se trata de um direito patrimonial de caráter disponível, inexistindo qualquer lei que vede o ato praticado pelo titular do direito. 2. A instituição previdenciária não pode se contrapor à renúncia para compelir o segurado a continuar aposentado, visto que carece de interesse. 3. Quando a desaposentação ocorre para que seja possível futura jubilação em regime de previdência distinto do geral, a renúncia à aposentadoria se opera sem a necessidade de devolução dos valores percebidos a título de amparo no regime geral, mormente tendo em vista a edição da Lei 9.796/99, regulamentada pelo Decreto n.º 3.112/99, que disciplinou a compensação entre os sistemas previdenciários. 4. Quanto à verba advocatícia, estabeleço que o INSS pagará o montante de R$ 510,00, de acordo com a MP 474, de 23 de dezembro de 2009. 5. O INSS está isento do seu pagamento quando litiga na Justiça Federal, consoante o preceituado no inciso I do art. 4º da Lei 9.289/96.”

Desta forma, admitindo-se a renúncia, o conseqüente lógico é a possibilidade de reversibilidade do ato jurídico concessório dos benefícios previdenciários.


Quanto à suposta necessidade de previsão legal para deferimento da desaposentação, é importante lembrar que muito embora à Administração Pública somente seja possível fazer-se o que a lei autoriza, ao administrado, tudo é possível, desde que não vedado pela lei.
Nas palavras do mestre Ibrahim28 “O Princípio da Legalidade, na mesma medida em que consiste em uma prerrogativa do Poder Público, impondo os ditames legais aos administrados, igualmente traduz-se em evidente restrição, pois a Administração Pública somente poderá impor as restrições que estejam efetivamente previstas em lei. (...) A vedação no sentido da impossibilidade da desaposentação é que deveria constar de lei. A sua autorização é presumida, desde que não sejam violados outros preceitos legais ou constitucionais. No caso, não se vislumbra qualquer empecilho expresso no ordenamento jurídico pátrio.”
Desta forma, mais um argumento da Autarquia cai por terra.
No que toca à viabilidade atuarial da desaposentação, basta dizer que, com a aposentadoria, presume-se que o Sistema Previdenciário apenas fará desembolsos frente ao beneficiário, sem qualquer recebimento, posto que já feito no passado, segundo regras previamente estudadas e estipuladas, que garantem o equilíbrio financeiro e atuarial dos cofres previdenciários.
No entanto, com o retorno do aposentado ao trabalho, novos aportes financeiros serão realizados, aportes estes inesperados, imprevistos, que vão gerar um excedente atuarial.
Logo, a pretensão do segurado aposentado que continua trabalhando e vertendo contribuições, de obter um benefício melhor com o cômputo dos aportes realizados após o jubilamento em nada afetam o equilíbrio financeiro e atuarial, mas ao contrário, representa apenas o exercício de um direito adquirido por meio de novas contribuições, o que em última análise garante Justiça Social.
Por fim, no que concerne à necessidade de devolução dos valores recebidos, novamente nos valemos das lições do Prof. Dr. Fábio Zambitte Ibrahim, que explica29:
No primeiro caso, ou seja, da desaposentação no mesmo regime, não há de se falar em restituição de valores percebidos, pois o benefício de aposentadoria, quando originariamente concedido, tinha o intuito de permanecer no restante da vida do segurado. Se este deixa de receber as prestações vindouras, estaria, em verdade, favorecendo o regime previdenciário.

Naturalmente, como visa benefício posterior, somente agregará ao cálculo o tempo de contribuição obtido a posteriori, sem invalidar o passado. A desaposentação não se confunde com a anulação do ato concessivo do benefício, por isso não há que se falar em efeito retroativo do mesmo, cabendo tão-somente sua eficácia ex nunc. A exigência da restituição de valores recebidos dentro do mesmo regime previdenciário implica obrigação desarrazoada, pois se assemelha ao tratamento dado em caso de ilegalidade na obtenção da prestação previdenciária.”
Percebe-se com isto, que doutrina e jurisprudência desenvolveram uma argamassa firme e convincente para concatenar idéias, regras e princípios, afim de possibilitar a construção de precedentes homogêneos e seguros do STJ a respeito do tema. À propósito, observe-se o Acórdão a seguir colacionado onde se percebe claramente o acolhimento da tese ora proposta e os precedentes jurisprudenciais sobre o tema, destacando-se principalmente a desnecessidade de devolução de valores.
REsp 1208590 Relator(a) Ministro HONILDO AMARAL DE MELLO CASTRO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/AP) Data da Publicação 19/10/2010 Decisão RECURSO ESPECIAL Nº 1.208.590 - RS (2010/0150869-0) RELATOR: MINISTRO HONILDO AMARAL DE MELLO CASTRO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/AP) RECORRENTE : JUAREZ ANTÔNIO VAZ ADVOGADO: DAISSON SILVA PORTANOVA E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL – INSS ADVOGADO: PROCURADORIA-GERAL FEDERAL – PGF PREVIDENCIÁRIO. RECURSO ESPECIAL. RENÚNCIA À APOSENTADORIA. DEVOLUÇÃO DOS VALORES RECEBIDOS. NÃO-OBRIGATORIEDADE. RECURSO ESPECIAL PROVIDO. 1. É firme no âmbito desta Corte Superior de Justiça o entendimento no sentido de que a renúncia à aposentadoria, para fins de concessão de novo benefício, seja no mesmo regime ou em regime diverso, não implica em devolução dos valores percebidos, pois, enquanto esteve aposentado, o segurado fez jus aos seus proventos. 2. Recurso Especial provido. DECISÃO Trata-se de recurso especial interposto por JUAREZ ANTÔNIO VAZ, com fundamento nas alínea "c" do permissivo constitucional, em face de acórdão proferido pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, que restou ementado: "PREVIDENCIÁRIO. DESAPOSENTAÇÃO PARA RECEBIMENTO DE NOVA APOSENTADORIA. POSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE NORMA IMPEDITIVA. NECESSIDADE DE DEVOLUÇÃO DO MONTANTE RECEBIDO NA VIGÊNCIA DO BENEFÍCIO ANTERIOR. 1. Tratando-se a aposentadoria de um direito patrimonial, de caráter disponível, é passível de renúncia. 2. Pretendendo o segurado renunciar à aposentadoria por tempo de serviço para postular novo jubilamento, com a contagem do tempo de serviço em que esteve exercendo atividade vinculada ao RGPS e concomitantemente à percepção dos proventos de aposentadoria, os valores recebidos da autarquia previdenciária a título de amparo deverão ser integralmente restituídos. Precedente da Terceira Seção desta Corte. 4. O art. 181-B do Dec. n. 3.048/99, acrescentado pelo Decreto n.º 3.265/99, que previu a irrenunciabilidade e a irreversibilidade das aposentadorias por idade, tempo de contribuição/serviço e especial, como norma regulamentadora que é, acabou por extrapolar os limites a que está sujeita, porquanto somente a lei pode criar, modificar ou restringir direitos (inciso II do art. 5º da CRFB)." Nas razões do apelo nobre, aponta o Recorrente, divergência jurisprudencial do acórdão recorrido com julgado desta Corte Superior. Sustenta, em síntese, a possibilidade de renúncia ao benefício e a concessão de nova aposentadoria, independente da restituição dos valores recebidos. Sem contra-razões e admitido o recurso na origem, subiram os autos à apreciação desta Corte. É o breve relatório. DECIDO. Assiste razão o recorrente. De fato, merece reforma o acórdão recorrido, tendo em vista ser firme no âmbito desta Corte Superior de Justiça o entendimento no sentido de que a renúncia à aposentadoria, para fins de concessão de novo benefício, seja no mesmo regime ou em regime diverso, não implica em devolução dos valores percebidos, pois, enquanto esteve aposentado, o segurado fez jus aos seus proventos. A propósito: "PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA NO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. DIREITO DE RENÚNCIA. CABIMENTO. POSSIBILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE CERTIDÃO DE TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO PARA NOVA APOSENTADORIA EM REGIME DIVERSO. NÃO-OBRIGATORIEDADE DE DEVOLUÇÃO DE VALORES RECEBIDOS. EFEITOS EX TUNC DA RENÚNCIA À APOSENTADORIA. JURISPRUDÊNCIA DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. 1. A renúncia à aposentadoria é perfeitamente possível, por ser ela um direito patrimonial disponível. Sendo assim, se o segurado pode renunciar à aposentadoria, no caso de ser indevida a acumulação, inexiste fundamento jurídico para o indeferimento da renúncia quando ela constituir uma própria liberalidade do aposentado. Nesta hipótese, revela-se cabível a contagem do respectivo tempo de serviço para a obtenção de nova aposentadoria, ainda que por outro regime de previdência. Caso contrário, o tempo trabalhado não seria computado em nenhum dos regimes, o que constituiria uma flagrante injustiça aos direitos do trabalhador. 2. O ato de renunciar ao benefício, conforme também já decidido por esta Corte, tem efeitos ex tunc e não implica a obrigação de devolução das parcelas recebidas, pois, enquanto esteve aposentado, o segurado fez jus aos seus proventos. Inexistindo a aludida inativação onerosa aos cofres públicos e estando a decisão monocrática devidamente fundamentada na jurisprudência desta Corte, o improvimento do recurso é de rigor. 3. Agravo regimental improvido." (AgRg no REsp 328.101/SC, 6.ª Turma, Rel.ª Min.ª MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, DJ de 20/10/2008.) "PREVIDENCIÁRIO. MUDANÇA DE REGIME PREVIDENCIÁRIO. RENÚNCIA À APOSENTADORIA ANTERIOR COM O APROVEITAMENTO DO RESPECTIVO TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO. POSSIBILIDADE. DIREITO DISPONÍVEL. DEVOLUÇÃO DOS VALORES PAGOS. NÃO-OBRIGATORIEDADE. RECURSO IMPROVIDO. 1. Tratando-se de direito disponível, cabível a renúncia à aposentadoria sob regime geral para ingresso em outro estatutário. 2. "O ato de renunciar a aposentadoria tem efeito ex nunc e não gera o dever de devolver valores, pois, enquanto perdurou a aposentadoria pelo regime geral, os pagamentos, de natureza alimentar, eram indiscutivelmente devidos" (REsp 692.928/DF, Rel. Min. NILSON NAVES, DJ de 5/9/05). 3. Recurso especial improvido." (REsp 663.336/MG, 5.ª Turma, Rel. Min. ARNALDO ESTEVES LIMA, DJ de 07/02/2008.) Ex positis, amparado no art. 557, § 1º-A, do CPC, DOU PROVIMENTO AO RECURSO ESPECIAL para, reformando o v. acórdão, conforme fundamentação retro, determinar a não-devolução dos valores recebidos pela Recorrente. Publique-se. Intimem-se. Brasília (DF), 11 de outubro de 2010. MINISTRO HONILDO AMARAL DE MELLO CASTRO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/AP) Relator.”
Diante do que foi exposto, não existem fundamentos plausíveis para negar a desaposentação, devendo-se permitir que os aposentados obtenham um melhor benefício de aposentadoria por meio da DESAPOSENTAÇÃO, o que lhes garantirá mais qualidade de vida, dignidade e justiça social.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARROSO, Luís Roberto. Fundamentos Teóricos e Filosóficos do Novo Direito Constitucional Brasileiro – pós-modernidade, teoria crítica e pós-positivismo. In Revista da Academia Brasileira de Direito Constitucional, vol. 1, n.º 1, ano 2001, Curitiba
CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista. Manual de Direito Previdenciário. 4ª ed., São Paulo: Editora LTR, julho/2003
CORREIA, Marcus Orione Gonçalves e SANTOS, Marisa Ferreira dos. Em busca do conceito constitucional de dependência. In Boletim de Direito Previdenciário. Ano 2, nº 16, junho/2005. Juruá Editora, Curitiba
GONÇALVES NETO, Laerte Vieira. Manual Prático do Regime Geral da Previdência Social (À luz da jurisprudência). Uberlândia/MG: Rápida Editora, agosto/2001
IBRAHIM, Fábio Zambite, Desaposentação – O Caminho Para Uma Melhor Aposentadoria – 2ª ed. Niterói/RJ: Impetus, 2007
RAMALHO, Marcos de Queiroz. A Pensão por Morte no Regime Geral da Previdência Social. Editora LTR. São Paulo, maio/2006.
ROCHA, Daniel Machado da e JUNIOR, José Paulo Baltazar. Comentários à Lei de Benefícios da Previdência Social. Segunda edição, revista e atualizada. Editora Livraria do Advogado. Porto Alegre, 2002
TAVARES, Marcelo Leonardo. Direito Previdenciário. 5ª ed., Editora Lúmen Júris. Rio de Janeiro, 2003
VIANNA, Cláudia Salles Vilela. Previdência Social: custeio e benefícios. São Paulo, Editora LTR, abril/2005.








1


 Correia, Marcus Orione Gonçalves e Santos, Marisa Ferreira dos. Em busca do conceito constitucional de dependência. In Boletim de Direito Previdenciário. Ano 2, nº 16, junho/2005. Juruá Editora, Curitiba, p. 17.

2


 BARROSO, Luís Roberto. Fundamentos Teóricos e Filosóficos do Novo Direito Constitucional Brasileiro – pós-modernidade, teoria crítica e pós-positivismo. In Revista da Academia Brasileira de Direito Constitucional, vol. 1, n.º 1, ano 2001, Curitiba, p. 50/51.


3 Correia, Marcus Orione Gonçalves e Santos, Marisa Ferreira dos. Em busca do conceito constitucional de dependência. In Boletim de Direito Previdenciário. Ano 2, nº 16, junho/2005. Juruá Editora, Curitiba, p. 14.

4 MPAS. Boletim Estatístico da Previdência Social. v. 16, n° 04. Abril de 2011. p. 4. Disponível em: . Acesso em 16 de junho de 2011.

5 Não estão incluídos os benefícios assistenciais e outras despesas. Incluindo-as, o INSS gastou R$ 107.696.256.000,00. Ainda assim, houve superávit, no acumulado de abril de 2011, de R$ 6.480.383.000,00 (seis bilhões quatrocentos e oitenta e três milhões e trezentos e oitenta e três mil reais).

6 MPAS. Boletim Estatístico da Previdência Social. v. 16, n° 04. Abril de 2011. p. 4. Disponível em: . Acesso em 16 de junho de 2011. p. 47.

7 IBGE. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2011. p. 31. Disponível em: . Acesso em 16 de junho de 2011.

8 Consideram-se como população economicamente ativa as pessoas com 10 anos ou mais de idade, no ano de 2009. MPAS. Boletim Estatístico da Previdência Social. v. 16, n° 04. Abril de 2011. p. 4. Disponível em: . Acesso em 16 de junho de 2011.

9 Todos os dados relacionados no presente tópico foram retirados da mesma fonte. Consideram-se como população ocupada as pessoas entre 16 e 59 anos, no ano de 2009. Obs.: O número demonstrado não inclui os contribuintes dos regimes próprios (servidores e militares). MPAS. Proteção Previdenciária: Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD 2009. Brasília, maio de 2011. p. 4. Disponível em: . Acesso em 16 de junho de 2011.

10 AgRg no RESP 331748 / SP ; AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL 2001/0093876-8 Relator(a) Ministro FELIX FISCHER (1109) Órgão Julgador T5 - QUINTA TURMA Data do Julgamento 28/10/2003 Data da Publicação/Fonte DJ 09.12.2003 p. 310 Ementa AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. EMPREGADA DOMÉSTICA. CARÊNCIA. COMPROVAÇÃO. I - A legislação atribuiu exclusivamente ao empregador doméstico, e não ao empregado, a responsabilidade quanto ao recolhimento das contribuições previdenciárias (ex vi do art. 30, inciso V, da Lei nº 8.212/91). II - A alegada falta de comprovação do efetivo recolhimento não permite, como conseqüência lógica, a inferência de não cumprimento da carência exigida. Agravo regimental desprovido. Acórdão Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental. Os Srs. Ministros Gilson Dipp, Jorge Scartezzini, Laurita Vaz e José Arnaldo da Fonseca votaram com o Sr. Ministro Relator.
Processo RESP 272648 / SP ; RECURSO ESPECIAL 2000/0082242-6 Relator(a) Ministro EDSON VIDIGAL (1074) Órgão Julgador T5 - QUINTA TURMA Data do Julgamento 24/10/2000 Data da Publicação/Fonte DJ 04.12.2000 p. 98 RST vol. 140 p. 68 Ementa PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR IDADE. EMPREGADA DOMÉSTICA. CARÊNCIA. COMPROVAÇÃO. RECURSO ESPECIAL. 1. O recolhimento da contribuição devida pela empregado doméstica é responsabilidade do empregador, cabendo ao INSS fiscalizar e exigir o cumprimento de tal obrigação. 2. Preenchidos os seus demais requisitos, não se indefere pedido de aposentadoria por idade quando, exclusivamente, não comprovado o efetivo recolhimento das contribuições previdenciárias devidas (Lei 8213/91, art. 36). 3. Recurso Especial conhecido mas não provido. Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, conhecer do Recurso, mas negar-lhe provimento. Votaram com o Relator, os Srs. Ministros José Arnaldo, Felix Fischer, Gilson Dipp e Jorge Scartezzini.
“PREVIDENCIÁRIO. CORREÇÃO MONETÁRIA DAS PARCELAS PAGAS COM ATRASO NA VIA ADMINISTRATIVA. APOSENTADORIA POR IDADE. CARÊNCIA. EMPREGADA DOMÉSTICA. RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES. (...) 3. Para a verificação do período de carência, deve ser considerado o ano em que a segurada implementou as contribuições necessárias à obtenção da aposentadoria por idade. 4. Satisfaz a carência exigida a empregada doméstica com contratos de trabalho regularmente anotados na carteira profissional, ainda que não tenham sido recolhidas todas as contribuições previdenciárias, cuja responsabilidade pelo desconto e recolhimento é do empregador doméstico, incumbindo à fiscalização previdenciária exigir do devedor o cumprimento da obrigação legal.” (AC nº 98.0401051141-7/RS, TRF 4ª R., Rel Juiz Wellington Mendes de Almeida (convocado), 6ª T, um., DJU 18/11/1998, p. 774)


11 Rocha, Daniel Machado da e Junior, José Paulo Baltazar. Comentários à Lei de Benefícios da Previdência Social. Segunda edição, revista e atualizada. Editora Livraria do Advogado. Porto Alegre, 2002, p. 104.


12 “PREVIDENCIÁRIO – COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES PARA FINS DE RECÁLCULO DA RMI – DOCUMENTOS EM NOME DE TERCEIROS – IDADE MÍNIMA – 1. Comprovado por meio de início razoável de prova material, complementada por prova testemunhal idônea, o efetivo exercício de atividades agrícolas em regime de economia familiar no período pleiteado, tem o segurado direito a ver tal lapso temporal computado para fins de recálculo da RMI de seu benefício. 2. A jurisprudência tem reconhecido a possibilidade de que a comprovação de tempo rural se faça por meio de documento expedido em nome de terceiro (cônjuge e pai, por exemplo). 3. A proibição do trabalho aos menores de catorze anos foi estabelecida pela Constituição em benefício do menor e não em seu prejuízo. 4. Demonstrado efetivo trabalho – não mera colaboração ou auxílio –, com os caracteres efetivos dessa relação, terá o menor de qualquer idade direito aos efeitos trabalhistas e previdenciários decorrentes. (TRF 4ª R. – AC 2000.71.12.001051-7 – RS – 5ª T. – Rel. Des. Fed. Néfi Cordeiro – DJU 12.11.2003 – p. 557)”
“APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO PROPORCIONAL – LABOR RURAL EM REGIME DE ECONOMIA FAMILIAR – RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES – DESNECESSIDADE – ATIVIDADE ESPECIAL – LEGISLAÇÃO APLICÁVEL – HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS E PERICIAIS – REDUÇÃO – 1. A contagem do tempo de atividade rural, em regime de economia familiar, deve ser extraída do conjunto probatório, não podendo o regulamento impor restrições à prova que não estejam previstas em Lei. 2. A atividade rural, independentemente do recolhimento das contribuições previdenciárias, pode ser computada a partir dos 12 anos de idade. 3. A Lei nº 8.213/91 assegurou a todo os membros do grupo familiar a condição de segurado especial e não apenas ao arrimo de família (art. 11, inc. VII). 4. O reconhecimento da atividade rural, em regime de economia familiar, no período anterior à Lei nº 8.213/91, independe do recolhimento das contribuições previdenciárias, salvo para contagem do tempo de serviço em outro regime previdenciário. 5. A Lei vigente por ocasião do exercício da atividade é que deve ser observada para efeitos de conversão do tempo de serviço especial para comum, mesmo que ainda não exista o direito adquirido à aposentadoria. 6. Os honorários periciais devidos pelo INSS devem ser fixados de acordo com a complexidade do trabalho. 7. Quando sucumbente o INSS, são devidos honorários advocatícios de 10% (dez por cento) sobre o montante das parcelas vencidas até a data da sentença. (TRF 4ª R. – AC 2000.04.01.102654-6 – RS – 5ª T. – Rel. Juiz Carlos Cervi – DJU 11.06.2003 – p. 664)”
“PREVIDENCIÁRIO – AÇÃO DECLARATÓRIA – COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS – PROVA MATERIAL. NÃO-CONTRIBUINTE – IDADE MÍNIMA – 1. Atividade rural em regime de economia familiar pode ser comprovada por prova testemunhal corroborada por um início de prova material. 2. Dispensa do trabalhador rural em regime de economia familiar de comprovar o recolhimento de contribuições à Previdência Social (art. 55, § 2º LBPS). 3. A idade mínima, para fins de caracterização do trabalho em regime de economia familiar, é 12 anos. Precedente da Terceira Seção desta Corte. (TRF 4ª R. – AC 2001.04.01.001449-8 – RS – 5ª T. – Rel. Des. Fed. Paulo Afonso Brum Vaz – DJU 18.06.2003 – p. 665/666)”

13 Tavares, Marcelo Leonardo. Direito Previdenciário. 5ª ed., Editora Lúmen Júris. Rio de Janeiro, 2003, p. 75.

14 “Acordão Origem: TRF - PRIMEIRA REGIÃO Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL – 38000183032 Processo: 199938000183032 UF: MG Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA Data da decisão: 03/06/2003 Documento: TRF100150084 Fonte DJ DATA: 16/06/2003 PAGINA: 43 Relator(a) DESEMBARGADOR FEDERAL EUSTAQUIO SILVEIRA Decisão A Turma, por unanimidade, não conheceu da apelação e deu parcial provimento à remessa oficial. Ementa PREVIDENCIÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO. INEXISTÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS PROCURADORES DO INSS. INTIMAÇÃO PELA PUBLICAÇÃO NA IMPRENSA. APELAÇÃO INTEMPESTIVA. PENSÃO POR MORTE. AMPLIAÇÃO DO PERÍODO DE GRAÇA. ART. 15, §§ 1º E 2º, DA LEI 8.213/91. PROVA DO DESEMPREGO. ANOTAÇÃO NA CTPS. SUFICIÊNCIA DE PROVA. CONCESSÃO DO BENEFÍCIO AOS DEPENDENTES. HONORÁRIOS. CORREÇÃO MONETÁRIA. 1. O prazo para interposição de recurso começa a fluir da data da publicação da sentença, por não gozar, a autarquia, do benefício da intimação pessoal. Precedentes. 2. A pensão por morte é devida ao conjunto dos dependentes do segurado que falecer, aposentado ou não, a contar da data do óbito ou da decisão judicial, no caso de morte presumida. 3. Embora a legislação previdenciária exija, para que seja ampliado o período de graça, nos termos do art. 15, § 2º, da Lei nº 8.213/91, que seja o segurado-desempregado inscrito em cadastro no Ministério do Trabalho e da Previdência Social, há de se entender que as disposições presentes na legislação específica de algum benefício, dirige-se à autoridade administrativa e nunca ao Poder Judiciário. 4. Em matéria de valor das provas, prepondera o sistema da persuasão racional do magistrado, ínsito no art. 131 do CPC, só podendo sofrer exceções que estejam previstas na lei. Desde que o juiz atenda aos fatos e às circunstâncias constantes dos autos (quod non est in actis non est in mundo) e indique os motivos que lhe formaram o convencimento, a sua liberdade na valorização da prova não pode ser coarctada. 5. Se a prova dos autos demonstra que na data do óbito estava o de cujus desempregado, é de se reconhecer prorrogada a qualidade de segurado, surgindo, assim, o direito à pensão por morte, de acordo com a legislação vigente (AC 2000.71.00002591-8/RS. Rel. Desembargador Federal A.A. Ramos de Oliveira. Quinta Turma. DJ de 31/10/2001, p. 1.283, TRF da 4ª Região). 6. A correção monetária, por se tratar de mera recomposição do valor da moeda, em face da inflação ocorrida no período, deve ela incidir, nos termos da Lei nº 6.899/81 (Súmula 148 do STJ). Portanto, as parcelas devidas devem ser corrigidas a partir do ajuizamento da ação (§2º, art. 1º, da Lei nº 6.899/81). 7. Acerca dos honorários advocatícios, a singeleza da causa reclama honorários de advogado no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor das prestações vencidas até a prolação da sentença, de acordo com o art. 20 do CPC e Súmula 111 do STJ. 8. Apelação não conhecida. 9. Remessa oficial parcialmente provida. Data Publicação 16/06/2003.”
“Acordão Origem: TRIBUNAL - QUARTA REGIÃO Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL – 478155 Processo: 200072020018028 UF: SC Órgão Julgador: QUINTA TURMA Data da decisão: 04/06/2003 Documento: TRF400089183 Fonte DJU DATA:20/08/2003 PÁGINA: 756 DJU DATA:20/08/2003 Relator(a) JUIZ PAULO AFONSO BRUM VAZ Decisão A TURMA, POR UNANIMIDADE, DEU PROVIMENTO À REMESSA OFICIAL. Ementa PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. QUALIDADE DE SEGURADO. DESEMPREGADO. REGISTRO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO. DESNECESSIDADE.LAUDO JUDICIAL. INCAPACIDADE DEFINITIVA. SEQÜELAS DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL GRAVE. - É inexigível, para efeito de ampliação do período de graça (art. 15, § 2º, da LB), que o segurado comprove nos autos que a sua condição de desempregado está registrada no Ministério do Trabalho, bastando apenas a apresentação da CTPS. Precedentes. - Tendo a perícia constatado a incapacidade do segurado, portador de "seqüelas de acidente vascular cerebral grave", sem chance de reabilitação para o trabalho, deve-lhe ser concedido o benefício de aposentadoria por invalidez. Data Publicação 20/08/2003”


15 Correia, Marcus Orione Gonçalves e Santos, Marisa Ferreira dos. Em busca do conceito constitucional de dependência. In Boletim de Direito Previdenciário. Ano 2, nº 16, junho/2005, Juruá Editora, Curitiba, p. 21.


16 Atualmente, os homossexuais também são incluídos nesta classe, havendo, inclusive, determinação constante no art. 30, da IN 118/2005, nos seguintes termos: “Art. 30. O companheiro ou a companheira homossexual de segurado inscrito no RGPS passa a integrar o rol dos dependentes e, desde que comprovada a vida em comum e a dependência econômica, concorrem, para fins de pensão por morte e de auxílio-reclusão, com os dependentes preferenciais de que trata o inciso I do art. 16 da Lei nº 8.213, de 1991, para óbitos ocorridos a partir de 5 de abril de 1991, ou seja, mesmo tendo ocorrido anteriormente à data da decisão judicial proferida na Ação Civil Pública nº 2000.71.00.009347-0.”



17 CASTRO, Carlos Alberto Pereira de; LAZZARI, João Batista. Manual de Direito Previdenciário. 4ª ed., São Paulo: Editora LTr, julho/2003, p. 533.


18 GONÇALVES NETO, Laerte Vieira. Manual Prático do Regime Geral da Previdência Social (À luz da jurisprudência). Uberlândia/MG: Rápida Editora, agosto/2001, p. 74.


19 “Origem: TRIBUNAL - QUARTA REGIÃO Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL
Processo: 94.04.04855-0 UF: RS Orgão Julgador: QUINTA TURMA Data da Decisão: 14/03/1996 Documento: TRF400037331 Fonte DJ DATA:03/04/1996 PÁGINA: 21458 Relator JUIZ AMIR SARTI Decisão UNÂNIME. Ementa PENSÃO POR MORTE. MULHER DESQUITADA. NECESSIDADE ECONÔMICA. A mulher que dispensou, no acordo de desquite, a prestação de alimentos, conserva, não obstante, o direito à pensão decorrente do óbito do marido, desde que comprovada a necessidade do benefício (SUM-64, TFR).”
“A dispensa de alimentos quando da separação judicial não impede a percepção do benefício de pensão por morte quando comprovada sua necessidade. (AC nº 97.04.71246-4/RS, TRF 4ª Região, Rel. Juiz Carlos Sobrinho , 6ª T., um., 12/05/98).”
“PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO POR MORTE. CÔNJUGE SEPARADO JUDICIALMENTE SEM ALIMENTOS. PROVA DA NECESSIDADE. SÚMULAS 64 – TFR E 379 – STF. O cônjuge separado judicialmente sem alimentos, uma vez comprovada a necessidade, faz jus à pensão por morte do ex-marido. (REsp. n.º 195.919 – SP, Relator: Min. Gilson Dipp, 5ª T., un., DJ nº 36-E, 21/02/2000, p.155).”
“PENSÃO POR MORTE – PROVA DE DEPENDÊNCIA ECONÔMICA – ESPOSA SEPARADA JUDICIALMENTE SEM PENSÃO ALIMENTÍCIA – CERCEAMENTO DE DEFESA – RECURSO ADESIVO – 1. O cônjuge separado judicialmente que renunciou à pensão alimentícia, fará jus à pensão por morte do marido se comprovar que deste dependia para prover a própria subsistência. 2. A apelante, por ser separada judicialmente do segurado falecido, sem pensão alimentícia, deve comprovar sua dependência econômica do segurado, mesmo parcial, configurando-se cerceamento de defesa a não oitiva das testemunhas arroladas tempestivamente pela autora. 3. Preliminar acolhida. Sentença anulada. Recurso adesivo da autarquia prejudicado. (TRF 3ª R. – AC 429301 – (98.03.061403-7) – SP – 1ª T. – Rel. Des. Fed. Oliveira Lima – DJU 01.08.2000)”


20 Tavares, Marcelo Leonardo. Direito Previdenciário. 5ª ed., Editora Lúmen Júris. Rio de Janeiro, 2003, p. 61.



21 Presidência da Casa Civil – Subchefia para assuntos jurídicos. E.M. no 07 – MPS Em 23 de março de 2005. Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Submeto à elevada apreciação de Vossa Excelência anteprojeto de medida provisória que promove alterações na Lei no 8.213, de 14 de julho de 1991, que "dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências". A Emenda Constitucional no 20, de 15 de dezembro de 1998, expressou a vontade de regulamentar, mediante lei ordinária, alteração do cálculo do benefício, suprimindo assim o texto constitucional referente a média dos 36 últimos salários-de-contribuição que eram então considerados para o cálculo do benefício. A Lei no 9.876, de 26 de novembro de 1999, implementou nova regra ampliando gradualmente a base de cálculo dos benefícios que passou a corresponder aos maiores salários-de-contribuição correspondentes a oitenta por cento de todo o período contributivo do segurado. Além disso, foi introduzido o fator previdenciário, que consiste em uma equação que considera o tempo de contribuição, a alíquota e a expectativa de vida do segurado no momento da aposentadoria. Diante da impossibilidade de efetuar levantamento das remunerações de toda a vida contributiva do segurado, tendo em vista dificuldades como insuficiência de dados e variações da moeda, o Decreto no 3.048, de 6 de maio de 1999, alterado pelo Decreto no 3.265, de 29 de novembro de 1999 (art. 188-A), dispõe que o período base de cálculo - PBC passa a ser considerado a partir de julho de 1994, mês em que o Real foi implementado como moeda. No caso das aposentadorias por tempo de contribuição, a aplicação do fator previdenciário permite que o valor do benefício guarde correspondência com o tempo de contribuição, o valor da contribuição e o tempo de recebimento do benefício, que corresponde à expectativa de sobrevida do segurado no momento da aposentadoria. Portanto, aqueles que contribuem por mais tempo terão benefício maior, assim como os segurados que se aposentam com idade elevada terão aposentadoria maior, visto que receberão benefício por tempo menor, considerando-se que para calcular a aposentadoria pelo fator previdenciário, são usadas como base o número de anos que a pessoa contribuiu para o INSS e sua expectativa de sobrevida após a aposentadoria. No entanto, não se aplica aos benefícios por incapacidade o fator previdenciário, pois os mesmos têm como característica percentual fixo e caráter temporário. Verifica-se, por outro lado, que a Lei no 9.876, de 1999, ao desestimular a concessão de aposentadorias, em face da inclusão do fator previdenciário, teve como conseqüência um aumento de requerimento de benefícios por incapacidade. Prova disto é o aumento na quantidade de requerimentos observado, sendo que, se no período de 1993 a 1999 a média de requerimento era de 400.000 ano, a partir de 2000 essa média vem aumentando consideravelmente, chegando em 2004 com 1.700.000 requerimentos/ano. Além da não aplicação do fator previdenciário, a fixação do PBC a partir de julho de 1994, no caso dos benefícios por incapacidade, dificulta a agilidade no reconhecimento inicial do direito. Considerando que a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e de Informações da Previdência Social - GFIP foi implementada em janeiro de 1999, a migração de períodos extemporâneos requer tratamento específico, tais como realização de pesquisas externas, comprovação da atividade, etc. Tratando-se, no caso de auxílio-doença, de benefício temporário, não se justifica a dificuldade do segurado em comprovar um período que, ademais, não altera o direito ao benefício, visto que a carência necessária para a concessão é de doze meses. Portanto, propomos que o PBC considere o período de trinta e seis meses de contribuição, simplificando a apuração da renda mensal de benefício, que corresponde, na forma do art. 61 da Lei no 8.213, de 1991, a noventa e um por cento do salário de benefício.

Simulando o cálculo de renda mensal inicial - RMI, no caso de um segurado que tenha contribuído o valor correspondente ao teto máximo em todo o período contributivo, observamos que a renda do benefício é superior ao salário do segurado empregado. Portanto, em muitos casos o segurado não prioriza o retorno ao trabalho, uma vez que é mais vantajoso permanecer em gozo de benefício. Considerando que a maior demanda de requerimentos refere-se a benefícios por incapacidade, é evidente que a alteração do PBC vai acarretar uma diminuição imediata nos custos da Instituição. Além desse aspecto, a fixação do PBC em trinta e seis meses vai facilitar para o segurado o requerimento do benefício e agilizar ainda mais a concessão dos benefícios via Internet, uma vez que o período a ser considerado no PBC estará abrangido pela GFIP e conseqüentemente, haverá maior consistência nos dados do Cadastro Nacional de Informações Sociais - CNIS para o período e maior confiabilidade nos dados. Uma inovação advinda da Lei no 8.213, de 1991, ainda, foi a constante no parágrafo único do art. 24 que passou a considerar, para fins de carência, o período anterior à perda da qualidade de segurado desde que contasse – a partir da nova filiação – com, no mínimo, um terço do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência definida para o benefício a ser requerido. Tal dispositivo legal tinha a pretensão de beneficiar o cidadão que, contribuindo regularmente para o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, vinha a perder este vínculo por um lapso de tempo que acarretasse a perda da qualidade de segurado – o chamado período de graça. O tempo relativo ao chamado período de graça, por sua vez, varia em função do número de contribuições vertidas ao INSS. O segurado com até 120 contribuições tem 12 meses de período de graça. Aquele que conta com mais de 120 contribuições, tem 24 meses de período de graça. Em ambos os casos, o período pode ser dilatado por mais 12 meses para o segurado desempregado, desde que comprove esta condição por meio de registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e Emprego. Vencido o período de graça, o cidadão perde a condição de segurado da Previdência Social e deixa de ter direito a qualquer benefício previdenciário. Assim, quando retorna à atividade abrangida pelo RGPS, basta fazer um novo grupo de contribuições igual a um terço da carência exigida por determinado benefício, a contar da nova filiação, para valer-se de todo o período contributivo anterior à perda da qualidade de segurado. Todavia, a aplicabilidade deste dispositivo legal perdeu a razão de ser desde 8 de maio de 2003 para os benefícios que exijam período contributivo maior, como é o caso das aposentadorias por tempo de contribuição, especial e idade. Trata-se de dispositivo legal introduzido pelo art. 3o da Lei no 10.666, de 2003, que aboliu o quesito qualidade de segurado como uma das exigências para reconhecimento do direito a estas três modalidades de benefício. Não há sentido, portanto, em manter-se a exigência, atualmente fixada no parágrafo único do art. 24 da Lei no 8.213, de 1991, de que, havendo perda da qualidade de segurado, as contribuições anteriores a essa perda só possam ser computadas para efeito de carência depois que o segurado contar, a partir da nova filiação à Previdência Social, com no mínimo um terço do número de contribuições exigidas para a carência do benefício a ser requerido. Com relação ao auxílio-doença, entretanto, o dispositivo legal não teve a mesma sorte, visto que sua aplicabilidade fragiliza sobremaneira o trabalho médico-pericial, propiciando ações oportunistas. Para o reconhecimento do direito a esta modalidade de benefício, além dos quesitos carência e qualidade de segurado, é exigida a caracterização da incapacidade laborativa através do exame médico-pericial. A caracterização da incapacidade laborativa, por sua vez, depende da análise de ocorrência de situação de doença e de incapacidade. A medicina não é uma ciência exata e por mais avançada que esteja, tem dificuldade em caracterizar, com precisão, a data de início de algumas doenças e, até mesmo, a partir de quando tais doenças incapacitam para o trabalho. Trata-se da fixação da Data do Início da Doença – DID e Data do Início da Incapacidade – DII. Considerando o dispositivo legal que trata do um terço da carência, o médico perito se vê em situação ainda mais delicada, pois terá muitas vezes de precisar se o início da incapacidade laborativa recai a contar do segundo dia do quarto mês do novo vínculo sujeito ao RGPS. A legislação atual acoberta o direito a qualquer cidadão que fique sem contribuir para o RGPS por mais de 10 ou 20 anos e que retornando a contribuir para o sistema faça um grupo de apenas 4 contribuições, bastando que a DII seja fixada a contar do segundo dia do quarto mês desta nova vinculação. Além disso, a legislação prevê os mesmos critérios para a manutenção da qualidade de segurado mencionada no subitem anterior. Assim, o segurado que perde seu vínculo com a Previdência Social tem 12, 24 ou até 36 meses para requerer um auxílio-doença e caso seja caracterizada a DII neste lapso de tempo o direito ao benefício será reconhecido. Cabe ressaltar que o inciso II do artigo 26 da Lei no 8.213, de 1991 prevê a isenção de carência somente para concessão dos benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa, e de doença profissional ou do trabalho, bem como, nos casos de segurado que, após filiar-se ao RGPS, seja acometido de uma das afecções e doenças especificadas em lista elaborada pelos Ministérios da Previdência Social e do Trabalho e Emprego. Vê-se então que, como regra geral, o segurado precisa cumprir carência e ser acometido da doença após filiar-se. Está correto. A seqüência obrigatória é filiar-se, para então adoecer e finalmente tornar-se incapaz antes de completar a carência, nos casos do inciso II do art. 26. Nos demais casos, o direito será devido se o segurado adoecer, filiar-se, completar a carência e só então tornar-se incapaz. Todavia, o disposto no art. 59, em seu parágrafo único, assim redigido, é incoerente com aquela disposição: "Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos. Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão." Assim, torna-se necessário compatibilizar os dispositivos, dando ao art.

59, parágrafo único, redação adequada que reconheça o direito após cumprida a carência, igualando, assim, as situações. De outro lado, a referida Lei estabelece o princípio da decadência, excetuando a comprovação de má-fé, o que gerou interpretações jurídicas e administrativas quanto a impossibilidade de revisão de atos administrativos que não se enquadram especificamente nesta situação. A exemplo, podemos identificar: A acumulação de benefícios incompatíveis sempre foi tratada pelo INSS como situação contrária à lei, sendo o benefício incompatível cessado a qualquer época, sempre que identificado pelos sistemas de benefícios ou por ação administrativa, de acordo com as situações prescritas nos arts. 149, 150 e 211 do Decreto no 83.080, de 24 de janeiro de 1979. Embora exista o impedimento legal para o recebimento conjunto de benefícios com espécies incompatíveis, é de ressaltar que no ano de 2003 a Diretoria de Benefícios do INSS realizou estudo e identificou mais de 26 mil benefícios que se encontram na situação de acumulação indevida, de que trata o art. 124 da Lei no 8.213, de 1991, onerando os Cofres da União, em mais de R$ 20 milhões mensais. Permanecendo esses benefícios em manutenção por mais um, cinco ou dez anos, respectivamente, os cofres da União serão onerados em cerca de R$ 266 milhões, R$ 1,329 bilhão e R$ 2,658 bilhões, respectivamente. Justifica-se a edição da medida provisória na forma ora proposta em face da necessidade de que, prontamente, sejam asseguradas à Previdência Social condições para implementar as medidas de racionalização na concessão de benefícios e combater as fraudes e irregularidades apontadas, mas também para permitir que se possa assegurar a quem de direito a garantia do acesso aos benefícios, por meio da equalização de regras e procedimentos que requerem base legal. Estas, Excelentíssimo Senhor Presidente, são as razões que nos levam a submeter à consideração de Vossa Excelência o presente proposta de Medida Provisória. Respeitosamente, ROMERO JUCÁ Ministro de Estado da Previdência Social (in www. planalto.gov.br).




22


 “Origem: STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Classe: RESP - RECURSO SPECIAL – 267507 Processo: 200000717657 UF: SP Órgão Julgador: QUINTA TURMA Data da decisão: 17/10/2000 Documento: STJ000376026 Fonte DJ DATA:13/11/2000 PÁGINA:155 Relator(a) JORGE SCARTEZZINI Decisão Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Srs. Ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça em, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, conhecer do recurso e dar-lhe parcial provimento. Votaram com o Sr. Ministro Relator os Srs. Ministros, FELIX FISCHER, JOSÉ ARNALDO e GILSON DIPP. Ausente, justificadamente, o Ministro EDSON VIDIGAL. Ementa PREVIDENCIÁRIO - APOSENTADORIA POR IDADE - TRABALHADOR URBANO - DECRETO 89.312/84 - PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO - INEXISTÊNCIA. - O benefício previdenciário de Aposentadoria por Idade a Trabalhador Urbano reclama duas condições: a implementação da idade exigida na lei e o recolhimento pela segurada das contribuições previdenciárias exigidas, ainda que sem simultaneidade. - A perda da qualidade de segurado não pressupõe perecimento do direito à aposentadoria por idade. Recurso conhecido e provido. “
“Origem: STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Classe: RESP - RECURSO ESPECIAL – 239001 Processo: 199901050030 UF: RS Órgão Julgador: QUINTA TURMA. Data da decisão: 19/04/2001 Documento: STJ000393445 Fonte DJ DATA:18/06/2001 PÁGINA:164 Relator(a) JORGE SCARTEZZINI Decisão Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Srs. Ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça em, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, conhecer do recurso e dar-lhe provimento, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator, com quem votaram os Srs. Ministros EDSON VIDIGAL, JOSÉ ARNALDO DA FONSECA, FELIX FISCHER e GILSON DIPP. Ementa PREVIDENCIÁRIO – RECURSO ESPECIAL – APOSENTADORIA POR IDADE – ATIVIDADE URBANA – PREENCHIMENTO DO PERÍODO DE CARÊNCIA – INEXISTENTE A PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADA – ART. 102 DA LEI 8.213/91. - Vertidas as contribuições previdenciárias em sua totalidade e aceitas pelo INSS, não há que se falar em descumprimento do período de carência. - A perda da qualidade de segurada não prejudica a concessão do benefício previdenciário de aposentadoria por idade. - Precedentes . - Recurso conhecido e provido.”

“Origem: STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Classe: AGRESP - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL – 489406 Processo: 200300052698 UF: RS Órgão Julgador: QUINTA TURMA Data da decisão: 11/03/2003 Documento: STJ000478455 Fonte DJ DATA:31/03/2003 PÁGINA:274 Relator(a) GILSON DIPP Decisão Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental. Os Srs. Ministros Jorge Scartezzini, Laurita Vaz e Felix Fischer votaram com o Sr. Ministro-Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro José Arnaldo da Fonseca. Ementa PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR IDADE. PERDA DA QUALIDADE DE SEGURADO. PRESCINDIBILIDADE. VERIFICAÇÃO DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS. IDADE MÍNIMA E RECOLHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS. AGRAVO INTERNO DESPROVIDO. I- A perda da qualidade de segurado, após o atendimento aos requisitos da idade mínima e do recolhimento das contribuições previdenciárias devidas, não impede a concessão da aposentadoria por idade. Precedentes. II- Os requisitos exigidos pela legislação previdenciária não precisam ser preenchidos, simultaneamente, no caso de aposentadoria por idade. Sobre o tema, cumpre relembrar. que o caráter social da norma previdenciária requer interpretação finalística, ou seja, em conformidade com os seus objetivos. III- Agravo interno desprovido. “





23


 Rocha, Daniel Machado da e Junior, José Paulo Baltazar. Comentários à Lei de Benefícios da Previdência Social. Segunda edição, revista e atualizada. Editora Livraria do Advogado. Porto Alegre, 2002, p. 368.

24 Ramalho, Marcos de Queiroz. A Pensão por Morte no Regime Geral da Previdência Social. Editora LTR. São Paulo, 2006.


25 Idem, ibidem, p. 72.

26


 Previdência Social: aspectos controversos. Carlos Luiz Strapazzon, Melissa Folmann, Roberto Di Benedetto (orgs.). Curitiba: Juruá, 2009, p. 11.

27 Idem, Ibidem, p. 11.


28 Ibrahim, Fábio Zambitte. Desaposentação. 3º Ed., Niterói, RJ, Impetus, 2009, p. 71.

29 Idem Ibidem. P. 66.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal