Toxicodinâmica



Baixar 120,58 Kb.
Encontro19.01.2019
Tamanho120,58 Kb.

Toxicodinâmica

Medicina Veterinária

Prof. Agueda
Conceitos básicos
A ciência que tem como objeto de estudo o efeito adverso de substâncias químicas sobre os organismos vivos, com a finalidade principal de prevenir o aparecimento deste efeito, ou seja, estabelecer o uso seguro destas substâncias químicas.

      A toxicologia se apoia, então, em 3 elementos básicos:

      1) O agente químico (AQ) capaz de produzir um efeito;

      2) O sistema biológico (SB) com o qual o AQ irá interagir para produzir o efeito;

      3) O efeito resultante que deverá ser adverso para o SB.

      Torna-se necessário, também, a existência de um meio adequado através do qual o SB e o AQ possam interagir.



  • Efeito adverso ou tóxico

      Nos últimos anos tem sido aceito que, efeitos adversos provocados por agentes físicos,  sejam parte, também, da Toxicologia.


  • Toxicologista

      É o profissional treinado ou capacitado a estudar os efeitos nocivos produzidos pelos agentes químicos e avaliar a probabilidade do aparecimento destes efeitos. As tarefas principais do toxicologista são:

      a) Avaliar o risco no uso de substâncias químicas.

      b) Estabelecer os limites de segurança para o uso das mesmas.

      c) Realizar análises toxicológicas que permitam a monitorização e o controle dos limites   de segurança estabelecidos



No âmbito da toxicologia, distinguem-se várias áreas, de acordo com a natureza do agente ou a maneira como este alcança o organismo. Destacam-se entre outras:

Toxicologia Ambiental: que estuda os efeitos nocivos produzidos por substâncias químicas presentes no macro ambiente dos seres vivos.

Toxicologia Ocupacional: que estuda os efeitos nocivos produzidos pelas substâncias químicas presentes no meio ocupacional (micro ambiente) do homem.



Toxicologia de Alimentos: que estuda os efeitos adversos produzidos por agentes químicos presentes nos alimentos. É a área da toxicologia que estabelece as condições nas quais os alimentos podem ser ingeridos sem causar danos à saúde.

Toxicologia de Medicamentos: que estuda os efeitos adversos decorrentes do uso inadequado de medicamentos, da interação medicamentosa ou da susceptibilidade individual.

Toxicologia Social: estuda o efeito nocivo dos agentes químicos usados pelo homem em sua vida de sociedade, seja sob o aspecto individual, social (de relação) ou legal.

Toas estas áreas poderão ser estudadas sob três aspectos distintos: o clínico, o analítico e o experimental.
Agente Tóxico (AT), Xenobiótico, Toxicante

   Qualquer substância química (ou agente físico, para alguns cientistas) que, interagindo com um organismo vivo, é capaz de produzir um efeito tóxico seja este uma alteração funcional ou a morte.

     No entanto, desde a idade média, já se sabe que :Todas as substâncias são venenos, não há uma que não seja. A dose correta é que diferencia um veneno de um remédio ( PARACELSUS-1493-1541).

     Assim,  o conceito de agente tóxico apresentado acima torna-se pouco útil, do ponto de vista prático, posto que, qualquer substância química tem a capacidade potencial de produzir um efeito deletério, se presente em dose ou concentração suficientes.

     Assim, intimamente relacionado com o conceito de agente tóxico, existem dois outros conceitos de extrema importância: o de Toxicidade e o de Risco.
     A maioria das substâncias químicas, consideradas como agentes tóxicos, são substâncias exógenas aos organismos, conhecidas como xenobióticos ( do grego xeno, que significa extranho), que também podem produzir medicamentos.
Classificação dos Agentes Tóxicos
Os AT podem ser classificados de diversas maneiras dependendo dos critérios utilizados. A seguir são apresentadas algumas destas classificações:

Quanto à natureza:


  • naturais (mineral, vegetal, animal).

  • sintéticos

  • Quanto ao órgão ou sistema onde atuam (mais freqüente atualmente)

  • nefrotóxicos

  • neurotóxicos

  • hepatotóxicos

  • genotóxicos entre outros,

Quanto às características físicas:

  • Gases: são fluídos, sem forma, que permanecem no estado gasoso em condições normais de pressão e temperatura.  Ex.: CO, NO e NO2, O3 etc.

  • Vapores: são as formas gasosas de substâncias normalmente sólidas ou líquidas nas condições ambientais.  Ex: vapores resultantes da volatilização de solventes orgânicos como benzeno, tolueno, xileno etc.

  • Partículas ou aerodispersóides: partículas de tamanho microscópico, em estado sólido ou líquido.  Ex: poeiras e fumos; neblinas e névoas.


Toxicidade
É a capacidade inerente a um agente químico, de produzir maior ou menor efeito nocivo sobre os organismos vivos, em condições padronizadas de uso. Uma substância muito tóxica causará dano a um organismo se for administrada em quantidades muito pequenas, enquanto que uma substância de baixa toxicidade somente produzirá efeito quando a quantidade administrada for muito grande.

É necessário selecionar uma manifestação tóxica a ser medida. Os parâmetros geralmente utilizados são a DL50 (dose necessária para matar 50% da população estudada)

A Comunidade Comum Européia, mais recentemente, classificou as substâncias químicas em apenas 3 caregorias, a saber:

Muito Tóxica: substâncias com DL50 para ratos menor do que 25 mg/kg

Tóxicas: substâncias com DL50 para ratos enrte 25 e 200 mg/kg

Nociva: substâncias com DL50 para ratos enrte 200 e 2000 mg/kg
  Estas classificações têm pouca utilidade prática. Elas são qualitativas e servem apenas como orientação, ou algumas vezes, para responder a alguém de outra área, que pergunta: “Esta substância é muito tóxica?” ou ”Quão tóxica é esta substância?
Fatores que influem na Toxicidade


  • Fatores ligados ao agente químico

  • propriedade físico-química (solubilidade, grau de ionização, coeficiente de partição óleo/água, pKa, tamanho molecular, estado físico, etc.);

  • impurezas e contaminantes;

  • fatores envolvidos na formulação (veículo, adjuvantes).

  • Fatores relacionados com o organismo

  • espécie, linhagem, fatores genéticos;

  • fatores imunológicos, estado nutricional, dieta;

  • sexo, estado hormonal, idade, peso corpóreo;

  • estado emocional, estado patológico.

  • Fatores relacionados com a exposição

  • via de introdução;

  • dose ou concentração.

  • Fatores relacionados com o ambiente

  • temperatura, pressão;

  • radiações;

  • outros (luz, umidade, etc.).

  Assim, tão importante como conhecer a Toxicidade dos agentes químicos é saber avaliar o Risco Tóxico de uma substância.


Risco tóxico


  • É a probabilidade de uma substância produzir um efeito adverso, um dano, em condições específicas de uso.

Um problema sério, no entanto, é estabelecer o que é um Risco aceitável no uso de substância química. Esta decisão é bastante complexa e envolve o binômio Risco-Benefício, ou seja, altos riscos podem ser aceitáveis no uso das chamadas Life Saving Drugs, ou seja, os fármacos essenciais à vida e não serem aceitáveis no uso de aditivos de alimentos.

Alguns fatores a serem considerados na determinação de um Risco aceitável são:

  • Necessidade do uso da substância;

  • Disponibilidade e a adequação de outras substâncias alternativas para o uso correspondente;

  • Efeitos sobre a qualidade do ambiente;

  • Considerações sobre o trabalho (no caso dela ser usada no meio ocupacional);

  • Avaliação antecipada de seu uso público (ou seja, o que ela poderá causar sobre a população em geral, onde existe, por exemplo, crianças, velhos, doentes, animais, etc.);

  • Considerações econômicas.


Intoxicação
É um conjunto de efeitos adversos produzidos por um agente químico (ou físico), em decorrência de sua interação com o sistema biológico. É, em outras palavras, o desequilíbrio orgânico ou o estado patológico provocado pela interação entre o agente químico e o organismo, sendo, via de regra, revelados clinicamente por um conjunto de sinais e sintomas tóxicos.

 Logicamente, o efeito tóxico só será produzido, se a interação com o receptor biológico apropriado ocorrer em dose e tempo suficientes para quebrar a homeostasia do organismo.



Existem, então, na grande maioria das vezes, uma série de processos envolvidos, desde o contato do agente tóxico com o organismo, até o aparecimento dos sintomas clínicos que revelam esta interação. Isto permite dividir a intoxicação em 4 fases distintas, a saber:


  • Fase de Exposição: corresponde ao contato do agente tóxico com o organismo.

  • Fase Toxicocinética: consiste no movimento do AT dentro do organismo. É formada pelos processos de Absorção, Distribuição e Eliminação (Bio-transformação e Excreção).

  • Fase Toxicodinâmica: corresponde à ação do AT no organismo.

  • Fase Clínica: corresponde à manifestação clínica dos efeitos resultantes da ação tóxica.


Classificação dos Efeitos Tóxicos


  • Efeitos indesejáveis:

  • Exemplo, na terapêutica, cada droga produz um número de efeitos, mas apenas um está relacionado com o papel terapêutico procurado. Todos os outros efeitos são indesejáveis. No entanto, estes efeitos indesejáveis podem se tornar desejáveis para uma outra indicação terapêutica da droga.


  • Efeitos Adversos ou nocivos:

       Os efeitos adversos são aqueles que:

Ocorrem com uma exposição intermitente ou continuada e que dão lugar à diminuição da capacidade funcional (determinada por parâmetros anatômicos, fisiológicos e bioquímicos ou de comportamento);

São reversíveis durante a exposição ou logo cessada esta, quando tais alterações causam diminuições detectáveis da capacidade do organismo para manter a homeostase; Podem ser causados por fatores químicos, físicos, biológicos ou mecânicos.


  • Efeitos Tóxicos:  

     São os efeitos adversos causados por substâncias químicas e são, na maioria das vezes, dose-dependentes. Todo o efeito tóxico é indesejável e adverso, mas nem todo efeito adverso é tóxico.


  • Reações Idiossincráticas ou Idiossincrasias Químicas      

 São respostas quantitativamente anormais a certos agentes tóxicos provocados, geralmente, por alterações genéticas (a doses baixas ou altas). Exemplo: sensibilidade anormal aos nitritos e outros metemoglobinizantes, devido à deficiência, de origem genética, na NADH-metemoglobina redutase.


  • Reações Alérgicas ou Alergia Química

São reações adversas que ocorrem somente após uma prévia sensibilidade do organismo ao AT, ou a um produto quimicamente semelhante. Na primeira exposição, a substância age como um hapteno e promove a formação dos anticorpos, que em 2 ou 3 semanas estão em concentrações suficientes para produzir reações alérgicas em exposições subsequentes.

Entretanto, como a alergia química é um efeito indesejável e adverso ao organismo, pode ser reconhecido como efeito tóxico.

  • Efeito Imediato, Crônico e retardado

  • Imediatos ou agudos são aqueles que aparecem imediatamente após uma exposição aguda, ou seja, exposição única ou que ocorre, no máximo, em 24 horas.

  • Efeitos crônicos são aqueles resultantes de uma exposição crônica, ou seja, exposição a pequenas doses, durante vários meses ou anos.

  • Efeitos retardados são aqueles que só ocorrem após um período de latência, mesmo quando já não mais existe a exposição. O exemplo mais conhecido é o efeito carcinogênico, sendo que alguns deles podem ter um período de latência entre 20-30 anos.

  • Efeitos Reversíveis e Irreversíveis     

 A manifestação de um ou outro efeito vai depender, via de regra, da capacidade do tecido lesado em se recuperar. Assim, lesões hepáticas são geralmente reversíveis, já que este tecido tem grande capacidade de regeneração, enquanto as lesões no sistema nervoso central (SNC) tendem a ser irreversíveis, uma vez que as células nervosas são pouco renovadas.


  • Efeitos Locais e Sistêmicos     

 O efeito local refere-se àquele que ocorre no local do primeiro contato entre o AT e o organismo. Já o sistêmico exige uma absorção e distribuição da substância, de modo a atingir o sítio de ação, onde se encontra o receptor biológico. Existem substâncias que apresentam os dois tipos de efeitos. (Ex.: benzeno, chumbo tetraetila, etc).

       Algumas vezes uma lesão local intensa pode levar ao aparecimento de um efeito sistêmico. Ex.: queimaduras intensas com ácidos podem levar a uma lesão renal, devido à perda excessiva de líquidos.




  • Efeitos Resultantes da Interação de Agentes Químicos     

 O termo interação entre substâncias químicas é utilizado todas as vezes que uma substância altera o efeito de outra. A interação pode ocorrer durante as fases de exposição, toxicocinética ou toxicodinâmica ,como conseqüência destas interações podem resultar diferentes tipos de efeitos.
Fases da Intoxicação

  • Desde o momento em que o agente químico entra em contato com o agente biológico, até o momento em que a intoxicação é visualizada através dos sinais e sintomas clínicos, ocorrem uma serie de etapas metabólicas que compõem a chamada Fases da Intoxicação que são quatro:

  • Fase de Exposição,

  • Fase Toxicocinética

  • Fase Toxicodinâmica

  • Fase Clínica

      É essencial lembrar que:

  • Mais do que da dose administrada, a resposta é função da concentração do AT que interage com o receptor biológico; e que,

  • a concentração do AT no sítio de ação é dependente das duas primeiras fases da intoxicação.

  •   Exposição é a medida do contato entre o AT e a superfície corpórea do organismo e sua intensidade depende de fatores, tais como:


1 - Via ou local de exposição

  •       As principais vias de exposição, através das quais os AT são introduzidos no organismo são:

  •       - via gastrintestinal (ingestão)

  •       - via pulmonar (inalação)

  •       - via cutânea (contato)

  •       Embora não tão importante para a Toxicologia como estas três, existe também a via parenteral. A via de introdução influi tanto na potência quanto na velocidade de aparecimento do efeito tóxico. A ordem decrescente de eficiência destas vias é: via endovenosa > pulmonar > intraperitoneal > sub-cutânea > intra muscular > intra-dérmica > oral, cutânea.

  •       Estas vias ganham maior ou menor importância, de acordo com a área da Toxicologia em estudo. Assim, a via pulmonar e a cutânea são as mais importantes na Toxicologia Ambiental e Ocupacional, a via gastrointestinal na Toxicologia de Alimentos, de Medicamentos, em casos de suicídios e homicídios, e a via parenteral tem certa importância na Toxicologia Social e de Medicamentos (Farmacotoxicologia).


2 -Duração e freqüência da exposição

      A duração de uma exposição é importante na determinação do efeito tóxico, assim como na intensidade destes. Geralmente a exposição pode ser classificada, quanto à duração em:

      -  exposição aguda: exposição única ou múltipla que ocorra em um período máximo de 24 horas

      - exposição sub-aguda: aquela que ocorre durante algumas semanas (1 mês ou mais)

      - exposição sub-crônica: aquela que ocorre durante alguns meses (geralmente por 3 meses)

      - exposição crônica: ocorre durante toda a vida.

      Quanto à freqüência da exposição observa-se que, geralmente, doses ou concentrações fracionadas podem reduzem o efeito tóxico, caso a duração da exposição não seja aumentada.
Fase  Toxicocinética


  •  Nesta fase tem-se a ação do organismo sobre o agente tóxico, procurando diminuir ou impedir a ação nociva da substância sobre ele. É de grande importância, porque dela resulta a quantidade de AT disponível para reagir com o receptor biológico e, consequentemente, exercer a ação tóxica.

      A fase toxicocinética é constituída dos seguintes processos:

      - absorção

      - distribuição

      - eliminação:  biotransformação e  excreção    


  •   Pode-se notar que nesta fase o agente tóxico deverá se movimentar pelo organismo e para tal terá que, freqüentemente, transpor membranas biológicas. Assim, é muito importante o conhecimento dos fatores que influem no transporte das substâncias químicas pelas membranas.


Absorção

  • É a passagem do AT do meio externo para o meio interno, atravessando membranas biológicas. O meio externo na absorção pode ser o estômago, os alvéolos, o intestino, ou seja, dentro do organismo, mas fora do sangue. Existem três tipos de absorção mais importantes para a Toxicologia.



  • Absorção pelo trato gastrintestinal (TGI) ou Oral

  •       Uma vez no TGI, um agente tóxico poderá sofrer absorção desde a boca até o reto, geralmente pelo processo de difusão passiva. São poucas as substâncias que sofrem a absorção na mucosa bucal, principalmente porque o tempo de contato é pequeno no local. Estudos feitos experimentalmente, no entanto, mostram que cocaína, estricnina, atropina e vários opióides podem sofrer absorção na mucosa bucal.

  •       Não sendo absorvido na mucosa bucal, o AT tenderá a sofrer absorção na parte do TGI onde existir a maior quantidade de sua forma não-ionizada (lipossolúvel). De maneira geral, os ácidos fracos não se ionizam em meio ácido, como o do estômago, sendo assim absorvidos na mucosa gástrica, enquanto as bases fracas por não se ionizarem no pH intestinal, serão absorvidas no local. Exemplo: salicilatos e barbitúricos são absorvidos, principalmente, no estômago e aminopirina, quinina, anilina, serão absorvidos no intestino.

  •       Embora a grande maioria dos AT sofram absorção no TGI por difusão passiva, existem alguns que serão absorvidos por processo especial, mais precisamente por transporte ativo. Exemplo: o chumbo é absorvido por transporte ativo e utiliza o sistema que transporta o cálcio; o tálio é transportado pelo sistema carregador responsável pela absorção de Fe, etc.   

   


  • Fatores que influem na absorção pelo TGI

Além das propriedades físico-químicas dos AT, outros fatores poderão influir na absorção:


  • administração de EDTA: parece que este quelante altera a permeabilidade da membrana, por seqüestrar o cálcio presente na sua estrutura, facilitando assim, de maneira inespecífica, a absorção de ácidos, bases e substâncias neutras. Existe sempre entretanto, no caso da ingestão de minerais, a possibilidade do EDTA quelar o AT, o que resultaria em uma menor absorção do mesmo

  • conteúdo estomacal: a absorção será favorecida se o estômago estiver vazio, devido ao maior contato do AT com a mucosa.

  • secreções gastrintestinais, sua concentração enzimática, e sua acidez: estes sucos digestivos, seja por sua acidez iônica, seja por ação enzimática, podem provocar mudanças na atividade ou na estrutura química do agente, alterando assim a velocidade de absorção. mobilidade intestinal: o aumento da mobilidade intestinal diminuirá o tempo de contato do agente tóxico com a mucosa e, consequentemente, a absorção neste local.

  • efeito de primeira passagem pelo fígado: as substâncias absorvidas no TGI entram na circulação porta e passam pelo fígado, podendo ser biotransformadas de maneira mais ou menos intensa. Através da secreção biliar serão excretadas no intestino, donde serão reabsorvidas ou excretadas pelas fezes. É o também chamado de ciclo entero-hepático. Este efeito pode ser responsável pela menor biodisponibilidade de algumas substâncias, quando estes são administradas por via oral.

  •       Alguns dos fatores que influem na absorção pelo TGI podem variar de  acordo com o sexo e, no sexo feminino, entre as gestantes e não gestantes. Este fato é importante na avaliação da intensidade de absorção de xenobióticos por essa via.

      A pele é formada por duas camadas, a saber: epiderme e derme.



  • Absorção Cutânea

      A pele íntegra é uma barreira efetiva contra a penetração de substâncias químicas exógenas. No entanto, alguns xenobióticos podem sofrer absorção cutânea, dependendo de fatores tais como a anatomia e as propriedades fisiológicas da pele e propriedades físico-químicas dos agentes.

      A epiderme, que é a camada mais externa da pele é constituída por cinco regiões distintas:



Na derme, que é formada por tecido conjuntivo, pode-se observar a presença de vasos sangüíneos, nervos, folículos pilosos, glândulas sebáceas e sudoríparas. Estes três últimos elementos da derme permitem o contato direto com o meio externo, embora não existem dados que demonstrem haver absorção através das glândulas citadas.


  • Fatores que influem na absorção cutânea

      São vários os fatores que podem influir na absorção através da pele. Geralmente eles são agrupados em quatro classes diferentes:

Fatores ligados ao organismo:

    • Superfície corpórea:

    • Volume total de água corpórea: Quanto maior o volume aquoso corpóreo, maior a hidratação da pele e consequentemente, a absorção pela pele. .

    • Abrasão da pele: com a descontinuidade da pele, a penetração torna-se fácil;

    • Fluxo sangüíneo através da peIe: estudos demonstram que, em média, 5% do sangue bombeado pelo coração passa pela pele, em um fluxo em torno de 120 mL/kg/min. Inflamação ou fatores que levam à hiperemia aumentarão a absorção cutânea.

    • Queimaduras químicas e/ou térmicas: apenas as leves ou moderadas, já que as severas destroem totalmente o tecido, formando uma crosta de difícil penetração;

    • Pilosidade: nas áreas em que existem pêlos, a absorção cutânea pode ser 3,5 a 13 vezes maior do que nas regiões glabras;



  • Fatores ligados ao agente químico:


-Volatilidade e viscosidade;

-Grau de ionização;

-Tamanho molecular.


  • Fatores ligados à presença de outras substâncias na pele:

-Vasoconstritores: estes vão reduzir a absorção cutânea, devido à diminuição da circulação sangüínea.

-Veículos: podem auxiliar na absorção, mas não promovem a penetração de substâncias que, normalmente, não seriam absorvidas pela pele íntegra.

-Água: a pele tem normalmente 90 g de água por grama de tecido seco. Isto faz com que a sua permeabilidade seja 10 vezes maior do que  aquela do extrato totalmente seco. (homem).

-Agentes tenso-ativos: os sabões e detergentes são substâncias bastante nocivas para a pele. Eles provocam alteração na permeabilidade cutânea, mesmo quando presentes em pequenas concentrações. Alteram principalmente a absorção de substâncias hidrossolúveis, devido a modificações que provocam na estrutura do filamento de queratina.

-Solventes orgânicos: estes aumentam a absorção cutânea para qualquer tipo de agente químicos, pois removem lípides e lipoproteínas presentes no extrato córneo, tornando-o poroso e menos seletivo. Os solventes mais nocivos são aqueles com características hidro e lipossolúveis. Destaca-se, como um dos mais nocivos, a mistura clorofórmio: metanol (2:1)

Ação dos agentes tóxicos sobre a pele

      


No contato dos agentes químicos com a pele podem ocorrer:

  • Efeito nocivo local sem ocorrer absorção cutânea. Ex.: ácidos e bases fortes.

  • Efeito nocivo local e sistêmico. Ex.: o arsênio, benzeno, etc.

  • Efeito nocivo sistêmico, sem causar danos no local de absorção: é o caso, por exemplo, dos inseticidas carbamatos (exceção feita ao Temik que é um carbamato com potente ação local).




  • Absorção pelo trato pulmonar

  •       A via respiratória é a via de maior importância para Toxicologia Ocupacional. A grande maioria das intoxicações ocupacionais é decorrente da aspiração de substâncias contidas no ar ambiental. A superfície pulmonar total depende de cada espécie. O fluxo sangüíneo contínuo exerce uma ação de dissolução muito boa e muitos agentes químicos podem ser absorvidos rapidamente a partir dos pulmões.  Os agentes passíveis de sofrerem absorção pulmonar são os gases e vapores e os aerodispersóides. Estas substâncias poderão sofrer absorção, tanto nas vias aéreas superiores, quanto nos alvéolos.


Distribuição

  Após a entrada do AT na corrente sangüínea, seja através da absorção ou por administração direta, ele estará disponível para ser distribuído pelo organismo. Normalmente a distribuição ocorre rapidamente e a velocidade e extensão desta dependerá principalmente do:

Fluxo sangüíneo através dos tecidos de um dado órgão;

Facilidade com que o tóxico atravessa a membrana celular e penetra nas células de um tecido.

  

    Alguns agentes tóxicos não atravessam facilmente as membranas celulares e por isto tem uma distribuição restrita enquanto outros, por atravessá-las rapidamente, se distribuem através de todo organismo. Durante a distribuição o agente alcançará o seu sítio alvo, que é o órgão ou tecido onde exercerá sua ação tóxica, mas poderá, também, se ligar a outros constituintes do organismo, concentrando-se em algumas partes do corpo.



  • A distribuição do AT, através do organismo ocorrerá de maneira não uniforme, devido a uma série de fatores que podem ser reunidos em dois grupos:

  • Afinidade por diferentes tecidos

  • Ligação às proteínas plasmáticas e elementos figurados do sangue;

  • Ligação celular, especialmente no fígado e rins;

  • Armazenamento.

  • Presença de membranas

  • Barreira hemato-encefálica

  • “Barreira” placentária


Armazenamento


  • Os agentes tóxicos podem ser armazenados no organismo, especialmente em dois tecidos distintos:

  • Tecido adiposo:

  •       Como a lipossolubilidade é uma característica fundamental para o transporte por membranas, é lógico imaginar que os agentes tóxicos de uma maneira geral poderão se concentrar no tecido adiposo

  • Tecido Ósseo:

  •       Um tecido relativamente inerte como o ósseo pode também servir como local de armazenamento de agentes químicos inorgânicos, tais como flúor, chumbo e estrôncio.

  • Barreira Hematencefálica

     

 A chamada barreira hematencefálica, que protege o cérebro da entrada de substâncias químicas, é um local menos permeável do que a maioria de outras áreas do corpo.

      Existem três razões anatômicas e fisiológicas principais que dificultam a entrada de agentes tóxicos no cérebro, formando a chamada barreira hematencefálica:

- as células endoteliais dos capilares são muito finas com nenhum ou poucos poros entre elas;

- os capilares do sistema nervoso central (SNC) são largamente circundados pelos astrócitos (tecido conectivo glial);

- a concentração protéica no fluído intersticial do SNC é muito menor do que em qualquer outra parte do corpo



  • Barreira” Placentária

      Durante anos, o termo “barreira” placentária demonstrou o conceito que a principal função da placenta era proteger o feto contra a passagem de substâncias nocivas provenientes do organismo materno. Sabe-se hoje que ela possui funções mais importantes, tais como a troca de nutrientes (O2, CO2,etc.). Este material vital necessário para o desenvolvimento do feto é transportado por processo ativo, com gasto de energia. Já a maioria dos xenobióticos que se difundem através da placenta o fazem por difusão passiva. Atualmente sabe-se que a placenta não representa uma barreira protetora efetiva contra a entrada de substâncias estranhas na circulação fetal.

  Anatomicamente a placenta é o resultado de várias camadas celulares interpostas entre a circulação fetal e materna. O número de camadas varia com a espécie e com o período de gestação e isto provavelmente afeta a sua permeabilidade. Na espécie humana ela possui ao todo seis camadas, três de origem materna e três de origem fetal.

      Poderia se pensar que as espécies que apresentam placenta com maior número de camadas são mais protegidas contra agentes tóxicos durante a gestação. Entretanto, a relação entre o número de camadas e a permeabilidade placentária não está suficientemente estudada.
Eliminação
Aceita-se, atualmente, que a eliminação é composta de dois processos distintos: a biotransformação e a excreção.
1 – Biotransformação

      O organismo vivo apresenta mecanismos de defesa, que buscam terminar ou minimizar a ação farmacológica ou tóxica de um fármaco sobre ele, destacando-se o armazenamento, a biotransformação e a excreção.


      A intensidade e duração de uma ação tóxica é determinada, principalmente, pela velocidade de biotransformação do agente no organismo. Segundo alguns autores, se não existisse a biotransformação, o organismo humano levaria cerca de 100 anos para eliminar uma simples dose terapêutica de pentobarbital, que é um fármaco muito lipossolúvel.  Pode-se conceituar Biotransformação como sendo o conjunto de alterações maiores ou menores que um agente químico sofre no organismo, visando aumentar sua polaridade e facilitar sua excreção.
2 - Excreção

      Este processo é, muitas vezes, denominado Eliminação, embora pelo conceito atual a eliminação é também o processo de biotransformação. A excreção pode ser vista como um processo inverso ao da absorção, uma vez que os fatores que influem na entrada do xenobiótico no organismo, podem dificultar a sua saída. Basicamente existem três classes de excreção:



  • eliminação através das secreções, tais como a biliar, sudorípara, lacrimal, gástrica, salivar, láctea.

  • eliminação através das excreções, tais como urina, fezes e catarro.

  • eliminação pelo ar expirado.    




  •   O processo mais importante para a Toxicologia e a excreção urinária.



1 - Excreção Urinária

      Sabe-se que a capacidade de um órgão em realizar uma determinada função está intimamente relacionada com sua anatomia e que os rins possuem um elevado desenvolvimento anatômico, voltado para a excreção de substâncias químicas.

      Os glomérulos renais filtram cerca de 20% do fluxo cardíaco (os rins recebem 25% deste fluxo) e apresentam poros bastantes largos (cerca de 40 Aº enquanto o de outros tecidos medem cerca de 4 Aº). Assim, os glomérulos filtram substâncias lipossolúveis ou hidrossolúveis, ácidas ou básicas, desde que tenham PM menor do que 60.000. A filtração glomerular é um dos principais processos de eliminação renal e está intimamente ligado a um outro processo que é a reabsorção tubular. As substâncias, após serem filtradas pelos glomérulos, podem permanecer no lúmem do túbulo e ser eliminada, ou então podem sofrer reabsorção passiva através da membrana tubular. Isto vai depender de alguns fatores, tais como o coeficiente de partição óleo/água; o pKa da substância e pH do meio. De modo geral, as substâncias de caráter alcalino são eliminadas na urina ácida e as substâncias ácidas na urina alcalina. Isto porque nestas condições as substâncias se ionizarão, tornando-se hidrossolúveis e a urina é, em sua maior parte, formada de água.

 Outro processo de excreção renal é a difusão tubular passiva. Substâncias lipossolúveis, ácidas ou básicas, que estejam presentes nos capilares que circundam os túbulos renais, podem atravessar a membrana por difusão passiva e caírem no lúmem tubular. Dependendo do seu pKa e do pH do meio, elas podem, ou não, se ionizarem e, consequentemente, serem excretadas ou reabsorvidas.

      O terceiro processo de excreção renal é a secreção tubular ativa. Existem dois processos de secreção tubular renal, um para substâncias ácidas e outro para as básicas estando estes sistemas localizados, provavelmente, no túbulo proximal. A secreção tubular tem as características do transporte ativo, ou seja, exige um carregador químico, gasta energia, é um mecanismo competitivo e pode ocorrer contra um gradiente de concentração. Algumas substâncias endógenas, tais como o ácido úrico, são excretadas por este mecanismo e a presença de xenobióticos excretados ativamente, pode interferir com a eliminação de substratos endógenos. A Penicilina é um exemplo de xenobiótico secretado ativamente pelos túbulos. O uso de Probenecid (fármaco excretado pelo mesmo sistema) evita que este antibiótico seja secretado muito rapidamente do organismo. Geralmente, o que ocorre no organismo é uma combinação dos três processos de excreção renal, para permitir uma maior eficácia na eliminação dos xenobióticos.

  


  • Excreção Fecal e Catarral

      Não são processos muito importantes para a Toxicologia. Os AT encontrados nas fezes correspondem à fração ingerida e não absorvida ou então ao AT que sofreu secreção salivar, biliar ou gástrica. As partículas que penetram pelo trato pulmonar podem ser eliminadas pela expectoração no TGI e, se não forem reabsorvidas, serão, também, excretadas pelas fezes.




  • Secreção Biliar

 

     Dentre as secreções orgânicas, a mais significativa para a excreção de xenobióticos é a biliar. O fígado tem uma posição vantajosa na remoção de substâncias exógenas do sangue, principalmente daquelas absorvidas pelo trato gastrintestinal. Isto porque, o sangue proveniente do TGI, através da circulação porta, passa inicialmente pelo fígado, e somente depois  entra na circulação sistêmica. No fígado parte do xenobiótico pode ser biotransformado e os metabólitos ou mesmo o produto inalterado podem ser secretados pela bile no intestino.     



Existem, sabidamente, três sistemas de transporte ativo para a secreção de substâncias orgânicas na bile, a saber, para substâncias ácidas, básicas e neutras. É quase certa a existência de um outro sistema para os metais. Uma vez secretado no intestino, os xenobióticos podem sofrer reabsorção ou excreção pelas fezes. Não se conhece o mecanismo que determina se a excreção será urinária ou biliar.       


  • Esquematicamente temos:


estômago    fígado  circulação sistêmica

              

 intestino          bile
É o chamado ciclo entero hepático e a morfina é um exemplo típico de xenobiótico que apresenta tal ciclo. Ela é conjugada com ácido glicurônico no fígado e o glicuronídeo de morfina é secretado pela bile no intestino. Neste local, pela ação da enzima b-glicuronidase, a morfina é liberada e reabsorvida. O glicoronídeo que não for lisado será excretado pelas fezes.


  • Outras secreções

      A eliminação através da secreção sudorípara já é conhecida há alguns anos. Desde 1911 sabe-se que substâncias tais como iodo, bromo, ácido benzóico, ácido salicílico, chumbo, arsênio, álcool, etc., são excretadas pelo suor. O processo parece ser o de difusão passiva e pode ocorrer dermatites em indivíduos suscetíveis, especialmente quando se promove a sudorese para aumentar a excreção pela pele.

      A secreção salivar é significativa para alguns xenobióticos. Os lipossolúveis podem atingir a saliva por difusão passiva e os não lipossolúveis podem ser eliminados na saliva, em velocidade proporcional ao seu peso molecular, através de filtração. Geralmente as substâncias secretadas com a saliva sofrem reabsorção no TGI.

      Existe um interesse em relação à secreção de xenobióticos no leite, pois este acaba sendo ingerido por recém-nascidos.
Eliminação


  • Excreção pelo ar expirado

   Gases e vapores inalados ou produzidos no organismo são parcialmente eliminados pelo ar expirado. O processo envolvido é a difusão pelas membranas que, para substâncias que não se ligam quimicamente ao sangue, dependerá da solubilidade no sangue e da pressão de vapor.




  • Fatores que influem na velocidade e via de excreção



  • Via de Introdução: a via de introdução influi na velocidade de absorção, de biotransformação e, também, na excreção.

  • Afinidade por elementos do sangue e outros tecidos: geralmente o agente tóxico na sua forma livre está disponível à eliminação.

  • Facilidade de ser biotransformada: com o aumento da polaridade a secreção urinária está facilitada.

  • Freqüência respiratória: em se tratando de excreção pulmonar, uma vez que, aumentando-se a freqüência respiratória, as trocas gasosas ocorrerão mais rapidamente.

     Função renal: sendo a via renal a principal via de excreção dos xenobióticos, quaisquer disfunção destes órgãos interferirá na velocidade e proporção de excreção.
Fase Toxicodinâmica
  Esta é a terceira fase da intoxicação e envolve a ação do agente tóxico sobre o organismo. O AT interage com os receptores biológicos no sítio de ação e desta interação resulta o efeito tóxico. O órgão onde se efetua a interação agente tóxico-receptor (sítio de ação) não é, necessariamente, o órgão onde se manifestará o efeito. Além disto, de um AT apresentar elevadas concentrações em um órgão, não significa obrigatoriamente, que ocorrerá aí uma ação tóxica. Geralmente os AT se concentram no fígado e rins (locais de eliminação) e no tecido adiposo (local de armazenamento), sem que haja uma ação ou efeito tóxico detectável.

      Quando se considera a complexidade dos sistemas biológicos (do ponto de vista químico e biológico), pode-se imaginar o elevado número de mecanismos de ação existentes para os agentes tóxicos. Alguns destes mecanismos, os principais em Toxicologia, são resumidos a seguir:




  • Interferência com o funcionamento de sistemas biológicos



1 - Inibição irreversível de enzimas

  •       O exemplo clássico deste mecanismo são os inseticidas organo-fosforados, que inibem irreversivelmente a acetilcolinesterase (AChE). Estes inseticidas impedem, assim, que a acetilcolina (Ach), um dos mais importantes neurotransmissores do organismo, seja degradada em colina e ácido acético, após transmitir o impulso nervoso através da sinapse. Ocorrerá acúmulo de Ach e, consequentemente, os efeitos tóxicos decorrentes deste acúmulo.


2 – Inibição reversível de enzimas

  •       Geralmente, os AT que atuam através deste mecanismo são anti-metabólitos, ou seja, quimicamente semelhantes ao substrato normal de uma enzima. Assim, o agente tóxico é captado pela enzima, mas não consegue ser transformado por ela, interrompendo assim reações metabólicas essenciais para o organismo. É uma inibição reversível porque o próprio organismo ao final da exposição é capaz de revertê-la, em velocidade não muito lenta. O exemplo clássico é a dos inseticidas carbamatos, que inibem também a AChE só que reversivelmente. Outro exemplo são os antagonistas do ácido fólico (usados no tratamento de tumores malignos e como herbicidas). Estas substâncias inibem enzimas envolvidas na síntese das bases purínicas e pirimidínicas, impedindo, consequentemente, que haja síntese de DNA e proliferação celular. Como estes fármacos não tem ação seletiva, podem causar efeitos tóxicos em uma série de tecidos e órgãos.


3 - Síntese letal

  •       Neste tipo de mecanismo de ação, o agente tóxico é, também, um antimetabólito. Ele é incorporado à enzima e sofre transformações metabólicas entrando em um processo bioquímico, dando como resultado um produto anormal, não funcional e muitas vezes tóxico. Em outras palavras, há a síntese de substâncias que não são farmacologicamente úteis e, dependendo da concentração deste produto anormal, pode haver morte celular, tecidual ou de sistemas biológicos. Tem-se como exemplo, o ácido fluoracético (CH2-F-COOH), usado como rodenticida e que atua no organismo tomando o lugar do ácido acético no ciclo do ácido cítrico. Os processos metabólicos desenvolvem-se até à formação de ácido fluorocítrico (no lugar do ácido cítrico). Este produto anormal vai inibir a aconitase, enzima responsável pela etapa seguinte do ciclo. Assim, há formação de um substrato anormal, tóxico, que impede o desenvolvimento do ciclo do ácido cítrico, indispensável para o suprimento de energia de quase todos os organismos vivos.

4 - Seqüestro de metais essenciais

  •       Vários metais atuam como cofatores em vários sistemas enzimáticos, como por exemplo os citocromos, envolvidos nos processos de oxi-redução. Destacam-se o Fe, Cu, Zn, Mn e Co. Alguns agentes tóxicos podem atuar como quelantes, ou seja, se ligam ou seqüestram os metais, impedindo que eles atuem como cofatores enzimáticos. Desta maneira, o processo biológico, no qual estas enzimas atuam, ficará prejudicado ou mesmo interrompido. É o caso dos ditiocarbomatos. Eles se complexam com metais, formando complexos lipossolúveis e impedindo a ação enzimática. Este é o mecanismo de ação do Antabuse, medicamento usado, por muitos, no tratamento do alcoolismo.



  • Interferência com o transporte de oxigênio

    
   A hemoglobina (Hb), pigmento responsável pelo transporte de O2 dos alvéolos para os tecidos e da retirada de CO2 dos tecidos para os pulmões, é constituída de uma parte protéica (globina) e outra não protéica (heme). No heme tem-se basicamente, uma molécula de Fe2+ ligada a quatro moléculas de protoporfirina. Este complexo ferroprotoporfirínico é o responsável pela coloração vermelha da Hb. Quimicamente o ferro possui 6 valências de coordenações, portanto no heme restam ainda 2 coordenações livres. Uma delas é ligada à globina formando a hemoglobina e a outra (a 6a) é ligada ao O2, dando origem a oxemoglobina (HbO2), que é o pigmento normal do sangue.    

Existem alguns agentes tóxicos que alteram a hemoglobina e, consequentemente, impedem o transporte de oxigênio. São três os pigmentos anormais do sangue, ou seja, formas de Hb que são incapazes de transportar O2.


  •       -Carboxemoglobina (HbCO) que pode ser causada pelo CO, diclorometano, etc)

  •       - Metemoglobina (MeHb) resultante, por exemplo da exposição a  anilina, acetaminofeno, nitritos,etc;

  •       - Sulfemoglobina (SHb), a droga oxidante metaclorpramida é exemplo de um agente sulfemoglobinizante.


Dentro deste grupo de agentes tóxicos, que agem interferindo com o transporte de O2, estão, ainda, os agentes que provocam a lise das hemácias. Com a hemólise, a hemoglobina é extravasada para o meio extracelular, onde é desnaturada. Haverá assim menor quantidade de Hb e logicamente menor transporte de O2 para os tecidos.


  • Interferência com o sistema genético


1- Ação citostática
      Alguns agentes tóxicos impedem a divisão celular e, consequentemente, o crescimento do tecido. Esta ação pode ser desenvolvida através de distintos mecanismos, tais como a inibição enzimática (já estudada) ou o encaixe entre as duplas hélices do DNA. Neste último caso estão as substâncias denominadas de Alquilantes, que ao se intercalarem entre as base de cada hélice, inibem o crescimento celular. São usadas no tratamento do câncer, mas não tem ação seletiva.
2 - Ação mutagênica e carcinogênica



  •       Certas substâncias químicas têm a capacidade de alterarem o código genético, ou seja, de produzirem um erro no código genético. Se esta alteração ocorrer nos genes de células germinativas, ou seja, que serão enviadas à próxima geração (células hereditárias), pode ocorrer um efeito mutagênico. Este efeito possui um período de latência relativamente grande, se manifestando apenas algumas gerações após a ação. Isto porque, geralmente, a mutação ocorre em genes recessivos e só será manifestada se houver o cruzamento com outro gen recessivo que tenha a mesma mutação.

  •       A ação carcinogênica vem sendo mais intensamente estudada nos últimos anos. Nesta ação os xenobióticos provocam alterações cromossômicas que fazem com que as células se reproduzam de maneira acelerada. Esta reprodução incontrolável não produzem células harmônicas e perfeitas. Embora o mecanismo exato de desenvolvimento do câncer não seja totalmente conhecido, aceita-se que esta ação ocorra em duas fases distintas: a conversão neoclássica ou fase de iniciação e o desenvolvimento neoclássico ou promoção. Na fase de iniciação, um xenobiótico ou produto de biotransformação promove a alteração a nível do DNA. Esta lesão origina a chamada célula neoplástica, que através da interferência de outras substâncias químicas e/ou fatores, muitas vezes desconhecidos, sofre processo de crescimento, originando o neoplasma e o câncer instalado.       A teratogênese resulta de uma ação tóxica de xenobióticos sobre o sistema genético de células somáticas do embrião/feto, levando ao desenvolvimento defeituoso ou incompleto da anatomia fetal.

(NOTA: neoplasma: massa ou colônia anormal de células. A neoplasia pode ser benigna (tumor não invasivo) ou maligna).



  • Interferência com as funções gerais das células



1 – Ação anestésica

            Um dentre os vários mecanismos que podem resultar em efeito anestésico, é a interferência com o transporte de oxigênio e nutrientes para as células biológicas. O xenobiótico se acumula na membrana de certas células, impedindo que haja a passagem destes nutrientes. As células mais sensíveis à essa deficiência são as do SNC, por necessitarem de maior quantidade destes compostos essenciais.


2- Interferência com a neurotransmissão

           Vários agentes tóxicos atuam alterando a transmissão neurológica através da interferência com os neurotransmissores envolvidos. esta interferência pode ocorrer a nível pré-sináptico, sináptico e/ou pós-sináptico. Exemplos:



  • bloqueio dos receptores de diferentes sinapses (curare);

  • inibição do metabolismo dos neurotransmissores (praguicidas organofosforados);

  • bloqueio na síntese ou metabolismo de neurotransmissores (mercúrio);

  • inibição da liberação da liberação pré-sináptica dos neurotransmissores (toxina botulínica - Clostridium botulinum);

  • estimulação da liberação de neurotransmissores (anfetamina)

  • bloqueio da recaptura dos neurotransmissores para as células pré-sinápticas (imipramina, anfetamina).




  • Irritação direta dos tecidos

      Os xenobióticos que tem ação irritante direta sobre os tecidos, reagem quimicamente, no local de contato, com componentes destes tecidos. Dependendo da intensidade da ação pode ocorrer irritação, efeitos cáusticos ou necrosantes. Os sistemas mais afetados são pele e mucosas do nariz, boca, olhos, garganta e trato pulmonar. Destaca-se neste grupo, a ação dos gases irritantes (fosgênio, gás mustarda, NO2, Cl) e lacrimogênicos (acroleína, Br, Cl). Outra ação irritante de tecidos é a dermatite química. Os xenobióticos que apresentam esta ação tóxica (substâncias vesicantes como as mustardas nitrogenadas ou agentes queratolíticos como o fenol), lesam a pele e facilitam a penetração subsequente de outras substâncias químicas.



  • Reações de hipersuscetibilidade


Corresponde ao aumento na suscetibilidade do organismo. Aparece após exposição única ou após meses/anos de exposição; os efeitos desta ação diferem essencialmente daqueles provocados pelo xenobiótico originalmente. Os principais tipos de reações de hipersuscetilidade são:
1 - Alergia química (sulfonamidas)

  •       Este tipo de ação tóxica, só é desenvolvida após absorção do xenobiótico pelo organismo e ligação com a proteína formando o antígeno (o agente tóxico funciona como hapteno). Com a formação do antígeno, ocorre, consequentemente, o desenvolvimento de anticorpos e do complexo antígeno/anticorpo. Este complexo se liga às células teciduais ou basófilos circulantes, sensibilizando-as, ou seja desenvolvendo grânulos internos, contendo histamina, bradicinina, etc. Quando ocorre uma segunda exposição do organismo ao mesmo xenobiótico, os anticorpos previamente desenvolvidos promovem a alteração da superfície celular com conseqüente desgranulização celular. Estes grânulos secretam na corrente sangüínea histamina e bradicinina, que são os responsáveis pela sintomatologia alérgica. Esta sintomatolgia é bastante semelhante, independente do tipo de xenobiótico que a desencadeou. Os órgãos mais afetados são pulmões e pele.


2 - Fotoarlegia ( prometazina, sabões, desodorante hexaclorofeno)

  •       As características deste tipo de ação tóxica são bastante semelhantes às da alergia química. A diferença primordial entre os dois é que, na fotoarlegia, o xenobiótico necessita reagir com a luz solar (reação fotoquímica), para formar um produto que funciona como hapteno. Após a sensibilização, sempre que houver exposição ao sol, na presença do xenobiótico, haverá o aparecimento dos sintomas alérgicos. É importante ressaltar que a fotoalergia só aparece após repetidas exposições.


3- Fotossensiblização (agentes branqueadores, furocumarinas)

  •       Estes xenobióticos, quando em contato com a luz solar, formam radicais altamente reativos que produzem lesões na pele, muito semelhante às queimaduras de sol. Esta reação pode aparecer logo na primeira exposição. As lesões resultantes da fotossensibilização podem persistir sempre que houver contato com o sol, mesmo sem nova exposição ao agente químico.


Bibliografia

Esta apostila foi baseada:



  • http://www.farmacia.ufmg.br/lato/APTOXG2006.doc.



  • Amdur, M. O.; Doull, J.; Klaasen, C. D. - Casareth and Doull's Toxicology-The basic science of poison. 4º ed.,New York:Pergamon Press, 1991. 

  • Ariëns, E.J.; Lehmann,P.A.; Simonis,A.M. - Introduccion a la Toxicologia General. Ed. Diana, México, 1978

  • Larini, L. - Toxicologia - 2ª Ed., Editora Manole, 1993.

  • Freddy Hamburguer; John A. Hayes; Edward W. Pelikan - A guide to general Toxicology., Karger Continuing Education series, V.5, 1983

  • Ernest Hoggson & Patricia E. Levi - Introduction to Biochemical Toxicology. 2º ed.  Appleton & Lange Norwalk, Connecticut, 1992

  • FERNÍCOLA,N.A.G.G. - Nociones basicas de Toxicologia, ECO/OPAS, México, 1985

  • OGA, S. (Ed.) - Fundamentos de Toxicologia. Atheneu:São Paulo, 2a. edição, 2003





©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal