Tese de Doutorado



Baixar 0,56 Mb.
Página3/3
Encontro19.12.2017
Tamanho0,56 Mb.
1   2   3

3 MÉTODO
É o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo. O método pode ser qualitativo, quantitativo ou misto.

Sugere-se apresentar no início da discussão do método o desenho de pesquisa realizado pelo autor, com breve exposição das etapas realizadas.



Exemplo 1: Tese apresentada por Henrique (2009)

Este capítulo apresenta a metodologia empregada no estudo empírico que investigou os Valores Pessoais - Métodos qualitativo e quantitativo.



Quadro 2 – Desenho de Pesquisa do Estudo 1 – Valores Ipsativos




MÉTODO DO ESTUDO 1 – VALORES IPSATIVOS




ETAPA EXPLORATÓRIA

ETAPA DESCRITIVA

FASES

Determinação da técnica

Geração dos Indicadores

- Medição e Escalonamento

- Elaboração do questionário

- Definição do Plano Amostral

- Coleta de dados

- Preparação dos dados

Análise dos Dados

PROCEDIMENTOS

Levantamento de dados secundários
- Definição das escalas de Valores Pessoais, Atitude e Fases da Lealdade.

Observação:

Fontes de dados
- EnANPADs e EMAs (1997 a 2006); Blackwell Synergy,Elsevier Science Direct, Ebsco, Emerald Insight, Infotrac College, Proquest, Scopus, Thompson Gale, Wilson Web e Google Scholar.

Análise de conteúdo
- ValoresPessoais:

Rokeach Value Survey (RVS);
- Atitude Escala de Heerden e Puth (1995); e
- Fases da Lealdade:

escalas de Harris e Goode (2004) para as fases cognitiva e ação; Pedersen e Nysveen (2001) para a fase afetiva; e McMullan e Gilmore (2003) para a fase conativa.


Observação:

Processo de tradução e tradução reversa (Gunther, 1981).
- Montagem dos questionários.

Medição e Escalonamento

- Medição: Escala ordinal (Valores), intervalar (Atitude e Fases da Lealdade), nominal e ordinal (dados demográficos).

- Escalonamento: Escala de diferencial semântico (Atitude e Fases da Lealdade).
Elaboração do questionário

- Estágios sugeridos por Churchill e Yacobucci (2005) e Malhotra (2001).


Definição do Plano Amostral

- Clientes bancários (mínimo seis meses de relacionamento).

- Amostragem não-probabilística (tipo bola de neve).

- Mín. 610 questionários válidos.


Coleta de dados

- entre 01.08 e 30.11.2007.

- 1200 questionários respondidos, sendo 910 válidos.
Preparação dos dados

- Avaliação dos Dados Ausentes

- Valores Fora dos Limites

- Transformação da Escala

- Identificação de Outliers

- Teste de Normalidade



Análises Univariadas

- Frequências (caracterização demográfica, tempo relacionamento com bancos e importância dos valores).

- Medidas de Tendência Central (Média e Desvios).
Análise Bivariada

- Teste de Mann-Whitney


Análise Multivariada

- Análise Fatorial:

a) Teste de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO)

b) Teste de Bartlett

c) Componentes Principais com rotação Varimax

d) Análise de Eigenvalues



e) Teste Alfa de Cronbach
- Definição dos Fatores para o Estudo 2 – Valores Normativos.


Fonte: Elaborado pelo autor
Exemplo 2: Dissertação apresentada por Dolci (2009) – Cópia

No método também devem ser apresentadas as técnicas utilizadas na pesquisa; deve ser relatado como foi feita a seleção da amostra; também deve ser indicado como o(s) instrumento(s) de pesquisa utilizado(s) foi(ram) construído(s) e validado(s).


4 CONTEXTO DA PESQUISA (Opcional)

Este bloco em geral está presente no início do Capítulo de Análise e Resultados, quando trata-se de uma Dissertação. No caso de Projeto de Pesquisa, no Capítulo Metodologia, pois trata-se do “Caso” em que está se buscando as informações ou selecionando respondentes.

É o registro do ambiente onde ocorreu a pesquisa empírica. Dados sobre instituições e organizações que foram “foco” da pesquisa, tais como, localização, número de funcionários, faturamento, etc. Informações que posicionam o leitor a respeito do local onde ocorreu a coleta de dados.
Exemplo: Dissertação apresentada por Henrique (2001)

A pesquisa que serve de base para esta dissertação teve como fonte para coleta de informações clientes do Banco do Brasil. O Banco é uma empresa com, aproximadamente, 70 mil funcionários e 12 mil estagiários. Está presente com a maior rede de atendimento do país. Possui 7.254 pontos de atendimento, distribuídos em 2.574 cidades, além de estar presente em 23 países, com 34 dependências. Possui uma base de clientes superior a 11,7 milhões, entre pessoas físicas e jurídicas. No primeiro semestre do ano 2.000, sua base cresceu em 800 mil novos clientes pessoa-física, totalizando 10,9 milhões (Banco do Brasil, 2.000).

O Banco do Brasil é a maior instituição financeira do Brasil e da América Latina, com R$ 126 bilhões de ativos (Banco do Brasil, 1999). É o primeiro no Brasil, conforme Quadro 08.

Quadro 1 – Ranking bancário de acordo com o volume total de ativos


Brasileiro

Mundial

Banco



95°

Banco do Brasil



99°

Banco Bradesco



108°

Banco Itaú



141°

Unibanco – União dos bancos Brasileiros



154°

Banco do Estado de São Paulo (BANESPA)



323°

Banco Mercantil Finasa



412°

Banco Meridional



467°

Banco Safra



513°

Banco Nordeste do Brasil

10°

682°

Banco Boavista InterAtlântico

11°

693°

Banco do Estado do Rio Grande do Sul

Fonte: Revista The Banker (2000, p. 214).
5 ANÁLISE DOS DADOS
Este capítulo destina-se ao relato da análise dos dados obtidos na pesquisa e apresentados no capítulo anterior.

As análises devem esclarecer os diversos aspectos sobre o banco de dados, tais como distribuição, variabilidade e/ou comportamento.



ATENÇÃO:

Opcionalmente, a critério do autor e do seu orientador, os Capítulos Análise dos Dados e Resultados da Pesquisa podem ser apresentados conjuntamente em um único capítulo. Nesse caso, o título do capítulo deve deixar claro que ele se refere à apresentação das análises (ou discussão) dos dados dos resultados.

Exemplo de título: Análise dos Dados e Resultados da Pesquisa

5 RESULTADOS
Este capítulo destina-se a apresentar os resultados obtidos a partir da aplicação do instrumento de coleta de dados.

A descrição dos resultados deve ser apresentada de forma clara, objetiva e direta, por meio de, e/ou ser acompanhada por ilustrações (quadros, tabelas, gráficos, etc.).


ATENÇÃO:

Opcionalmente, a critério do autor e do seu orientador, os Capítulos Análise dos Dados e Resultados da Pesquisa podem ser apresentados conjuntamente em um único capítulo. Nesse caso, o título do capítulo deve deixar claro que ele se refere à apresentação das análises (ou discussão) dos dados dos resultados.

Exemplo de título: Análise dos Dados e Resultados da Pesquisa
7 CONCLUSÃO
Parte final do trabalho, na qual o autor apresenta a(s) conclusão(ões) correspondente(s) ao(s) objetivo(s) ou hipótese(s) pretendidos. A apresentação das conclusões deve ser feita de forma direta, clara e objetiva, se explanações longas ou argumentações fora do contexto. Não é recomendado apresentar citações bibliográficas para fundamentar o tema. Apenas as que contribuem para reforçar os resultados encontrados.

É o capítulo que o autor apresenta as contribuições gerenciais, que possibilitam o desenvolvimento das organizações, e as acadêmicas, para o aprimoramento da ciência na área do conhecimento do estudo.

Fica a critério do autor apresentar os desdobramentos relativos à importância, síntese, projeção, repercussão, encaminhamentos sobre os resultados identificados, etc.

Neste capítulo também devem ser apresentadas as limitações do estudo e as sugestões para pesquisas futuras.


Exemplos: Tese apresentada por Henrique (2009)

Ao abordar as relações existentes entre os constructos valores pessoais, atitude e fases da lealdade, elaborando e estudando empiricamente quatro modelos teóricos junto a clientes de instituições bancárias brasileiras, essa tese procurou preencher uma importante lacuna dentro da literatura de Marketing. Para tanto, foram realizados dois estudos empíricos: o primeiro investigou os Valores Pessoais pelo método Ipsativo (Ordenamento), e o segundo avaliou os Valores Pessoais pelo método Normativo (Rating). Os resultados desse trabalho ampliam a fronteira do conhecimento na disciplina de Marketing, contribuindo de maneira relevante para a Teoria dos Valores Humanos e para a área do Comportamento do Consumidor, além fornecer subsídios às empresas para a confecção de estratégias de relacionamento com clientes, uma vez que os resultados permitem entender a influência dos valores pessoais na lealdade do consumidor.

(...)

7.1 CONTRIBUIÇÕES ACADÊMICAS


Essa pesquisa amplia a fronteira do conhecimento sobre os constructos valores pessoais, atitude e lealdade do consumidor na disciplina de Marketing. Vários autores (ex. England, 1967; Henry, 1976; Rokeach, 1981; Bardi e Schwartz, 2003) comprovaram que os valores pessoais influenciam o comportamento humano; outros (ex. Jayawardhena, 2004) encontraram que as atitudes exercem funções mediadoras entre os valores e o comportamento das pessoas; e Marandi, Little e Sekhon (2006) apresentaram a função mediadora da atitude na relação valores pessoais-lealdade. Não havia, até então, registros de investigações empíricas sobre a relação existente entre os valores pessoais, a atitude e as fases da lealdade propostas por Oliver (1997). Desta forma, os resultados obtidos nesse estudo contribuem de maneira relevante na ampliação de teorias que tratam de valores pessoais, atitude e lealdade do consumidor.

(...)


7.2 CONTRIBUIÇÕES GERENCIAIS
Os bancos, como quaisquer outras empresas do segmento de serviços (hotéis, empresas aéreas, de telefonia e internet, entre outras), necessitam estar atentos aos fatores que interferem no relacionamento com seus clientes. Especificamente no setor bancário, o fortalecimento de empresas internacionais, a modernização dos estabelecimentos de vendas, a rapidez no surgimento de novos produtos e serviços, a alteração no padrão de compras e a diversificação na utilização de mídias de comunicação dificultam, cada vez mais, a diferenciação em relação à concorrência. Assim, com os resultados identificados nesse estudo, os bancos poderão traçar ações estratégicas que visem à permanência e à ampliação de suas bases de clientes, garantindo-lhes, consequentemente, mais lucros.

Com os resultados é possível, por exemplo:


a) Desenvolver Campanhas Publicitárias e Montar Propagandas:

(i) coerentes com os valores pessoais

Os bancos poderão veicular em suas campanhas publicitárias os valores mais importantes identificados pelos clientes: Segurança da Família, Auto respeito e Felicidade. Caberá às agências de propaganda aproximar, em peças publicitárias, esses valores aos valores da organização, enfatizando que ambos (cliente-banco) possuem os mesmos valores ou, ainda, demonstrar que o banco tem condições atender aos valores pessoais de seus clientes por meio de seus produtos e serviços.

(...)

7.3 LIMITAÇÕES DA PESQUISA


Nessa seção são discutidas algumas limitações do trabalho. Três limitações relevantes foram observadas nesse estudo.

A primeira refere-se ao tipo de amostragem, que não foi probabilística. Por questões de recursos, optou-se pela técnica de amostragem tipo bola-de-neve. Porém, essa técnica evidencia “características demográficas e psicográficas mais semelhantes às pessoas que as referem, do que poderia ocorrer ao acaso” (MALHOTRA, 2001, p. 308). Logo, mesmo tendo as duas pesquisas um tamanho amostral grande (mais de 900 respondentes em cada uma), deve-se ter cautela quanto às inferências e projeções dos resultados sobre a população-alvo.

A segunda refere-se aos índices de ajustes dos modelos estruturais avaliados, que foram considerados de aceitação periférica quando comparados aos dos índices tidos como aceitáveis para uma Modelagem de Equações Estruturais (MEE). Entretanto, os índices obtidos foram melhores do que os encontrados por Brei e Liberalli (2004), que avaliaram o uso de MEE em Marketing no Brasil, entre os anos de 1994 e 2003.

A terceira refere-se ao coeficiente de determinação (R²), que teve valor baixo nos constructos que sofreram impacto do constructo Valores Pessoais.

(...)

7.4 PROPOSIÇÃO PARA ESTUDOS FUTUROS


Quanto à proposição para trabalhos futuros, sugere-se:
1. Realizar trabalhos que foquem na moderação das variáveis demográficas de gênero e renda em relações que envolvam a lealdade do consumidor. Tal sugestão se deve ao fato de os resultados desse estudo, quanto ao gênero, irem ao encontro dos trabalhos de Homburg e Giering (2001) e Mittal e Kamakura (2001), mas divergirem dos estudos de Evanschitzky e Wunderlich (2006) e Ndubisi (2006) e, quanto à renda, terem confirmado, em parte, o trabalho de Evanschitzky e Wunderlich (2006), mas divergirem do estudo de Homburg e Giering (2001).

(...)


REFERÊNCIAS (Obrigatório)
Norma14724:2011, Item 4.2.3.1: não se utiliza mais o termo Bibliográficas, apenas Referências.

Conjunto de informações apresentadas de forma a permitir a identificação dos documentos citados pelo autor. As referências devem ser feitas para todos os documentos citados, sendo que todas que estiverem no texto devem estar nessa seção e, se estiverem nas referências, devem estar no texto.



As referências são listadas em ordem alfabética de sobrenome de autor ou pelo título (quando a obra não possui autoria). Quando o nome do autor for repetido em diferentes trabalhos, as referências devem ser organizadas em ordem cronológica decrescente e o nome do autor pode ser substituído por um traço (equivalente a seis espaços) e ponto final.

Exemplo: Tese apresentada por Henrique (2009)
REFERÊNCIAS
BAGOZZI, Richard P. Marketing as an Organized Behavioral System of Exchange. Journal of Marketing, v. 38, n. 4, p. 77-81, 1974.
BARDI, A.; SCHWARTZ, Shalom H. Values and behavior: Strength and structure of relations. Journal of Personality and Social Psychology, v. 29, n. 10, p. 1207-1220, 2003.
BERGER, Paul D.; NASR, I. Nada. Customer Lifetime Value: Marketing Models and Applications. Journal of Interactive Marketing, v. 12, n. 1, p. 17-30, 1998.
BREI, Vinícius Andrade; LIBERALI, Guilherme. O Uso de Modelagem em Equações Estruturais na Área de Marketing no Brasil. In: Anais do 28º EnANPAD. Curitiba (PR), 2004.
CHURCHILL JR., Gilbert A.; IACOBUCCI, Dawn. Marketing Research: Methodological Foundations. 9. ed. South-Western: Thomson, 2005.
CLAWSON, C. Joseph; VINSON, Donald E. Human values: A historical and interdisciplinary analysis. Advances in Consumer Research, v. 5, n. 1, p. 396-402, 1978.
DOLCI, Pietro Cunha. Uso da Gestão do Portifólio de TI no processo de gerenciamento e justificativa dos investimentos em Tecnologia da Informação. 2009. 200 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
DWYER, Robert F.; SCHURR, Paul H.; OH, Sejo. Developing Buyer-Seller Relationships. Journal of Marketing, v.51, n.2, p.11-27, 1987.
ELIZUR, Dov; SAGIE, Abraham. Facets of Personal Values: A Structural Analysis of Life and Work Values. Applied Psychology: An International Review, v. 48, n. 1, p. 73-87, 1999.
ENGLAND, George W. Personal Value Systems of American Managers. Academy of Management Journal, v. 10, p.53-68, 1967.
EVANSCHITZKY, Heiner; WUNDERLICH, Maren. An Examination of Moderator Effects in the Four-Stage Loyalty Model. Journal of Service Research, v. 8, n. 4, p. 330-345, 2006.
GRÖNROOS, Christian. From marketing mix to relationship marketing: Towards a paradigm shift in marketing. Periodical Management Decision, v. 32, n. 2, p. 4-21, 1994.
HARRIS, Lloyd C.; GOODE, Mark M. H. The four levels of loyalty and the pivotal role of trust: a study of online service dynamics. Journal of Retailing, v. 80, n. 2, p. 139-158, 2004.
HEERDEN, Cornelius H. Van; PUTH, Gustav. Factors that determine the corporate image of South African banking institutions: an exploratory investigation. International Journal of Bank Marketing, v. 13, n. 3, p. 12-17, 1995.
HENRIQUE, Jorge Luiz. Dos Valores Pessoais às Fases da Lealdade. 2009. 289 f. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
______. Satisfação do Usuário com as Tecnologias da Informação nos Serviços Bancários. 2001. 128 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.
HENRY, Walter A. Cultural Values Do Correlate with Consumer Behavior. Journal of Marketing Research, v. 13, n. 2, p. 121-127, 1976.
HOMBURG, Christian; GIERING, Annette. Personal Characteristics as Moderators of the Relationship Between Customer Satisfaction and Loyalty – An Empirical Analysis. Psychology & Marketing, v. 18, n. 1, p. 43-66, 2001.
HOWCROFT, Barry; HAMILTON, Robert; HEWER, Paul. Consumer attitude and the usage and adoption of home-based banking in the United Kingdom. International Journal of Bank Marketing, v. 20, n. 3, p. 111-121, 2002.
JAYAWARDHENA, Chanaka. Personal values' influence on e-shopping attitude and behaviour. Internet Research, v. 14, n. 2, p. 127-138, 2004.
KABANOFF, Boris; DALY, Joseph P. Values Espoused by Australian and US Organizations. Applied Psychology: An International Review, v. 49, n. 2, p. 284-314, 2000.
KUMAR V.; SHAH, Denish. Building and sustaining profitable customer loyalty for the 21st century. Journal of Retailing, v. 80, n. 4, p. 317-330, 2004.
LENARTOWICZ, Tomasz; JOHNSON, James P. Comparing Mangerial Values in Twelve Latin American Countries: An Exploratory Study. Management International Review, v. 42, n. 3, 2002.
______; ______. A cross-national assessment of the values of Latin America managers: contrasting hues or shades of gray. Journal of International Business Studies, v. 34, n. 3, p. 266-381, 2003.

MADRIGAL, Robert. Personal Values, Traveler Personality Type, and Leisure Travel Style. Journal of Leisure Research, v. 27, n. 2, p. 125-142, 1995.


MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.
MARANDI, Ebi; LITTLE, Ed; SEKHON, Yasmin. The Impact of Personal Values on

Perception of Service Provider Empathy and Customer Loyalty. The Business Review, Cambridge, v. 5, n. 2, p. 339-343, 2006.


MATTOS, A. M.; FRAGA, T. M. A.; SILVEIRA, J. I.; EVELIN, S. C. Aplicação das normas da ABNT para apresentação de trabalhos acadêmicos na Escola de Administração: atualizada às normas vigentes até maio de 2013. Porto Alegre: 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 fev 2016.
MCMULLAN, Rosalind; GILMORE, Audrey. The conceptual development of customer loyalty measurement: A proposed scale. Journal of Targeting, Measurement and Analysis for Marketing, v. 11, n. 3, p. 230-243, 2003.
MEGLINO, Bruce M.; RAVLIN, Elizabeth C. Individual Values in Organizations: Concepts, Controversies, and Research. Journal of Management, v. 24, n. 3, p. 351-389, 1998.
MITTAL, Vikas; KAMAKURA, Wagner. Satisfaction, Repurchase Intent, and Repurchase Behavior: Investigating the Moderating Effect of Customer Characteristics. Journal of Marketing Research, v. 38, n. 1, p. 131-142, 2001.
NDUBISI, Oly Nelson. Effect of gender on customer loyalty: a relationship marketing approach. Marketing Intelligence & Planning, v. 24, n. 1, p. 48-61, 2006.
OLIVER, Richard L. Satisfaction: a behavioral perspective on the consumer. 1. ed. New York: Irwin McGraw-Hill, 1997.
PEDERSEN, Per P.; NYSVEEN, Herbjorn. Shopbot banking: An exploratory study of customer loyalty effects. The International Journal of Bank Marketing, v. 19, n. 4-5, p. 146-155, 2001.
REICHHELD, Frederick; TEAL, Thomas. The loyalty effect: The hidden force behind growth, profits and lasting value. Boston, MA: Harvard Business School Press, 1996.
ROKEACH, Milton. A Theory of Organization and Change Within Value-Attitude Systems. Journal of Social Issues, v. 24, n. 1, p. 13-33, 1968.
______. The Nature of Human Values. New York: Free Press, 1973.
______. Crenças, Atitudes e Valores: uma teoria de organização e mudança. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. Interciência, 1981.
RUNDLE-THIELE, Sharyn; MACKAY, Marisa Maio. Assessing the performance of brand loyalty measures. Journal of Services Marketing, v. 15, n. 6/7, p. 529-546, 2001.
SCHWARTZ, Shalom H.; BILSKY, Wolfgang. Toward a universal psychological structure of human values. Journal of Personality and Social Psychology, v. 53, n. 3, p. 550-562, 1987.
______; ______. Toward a theory of universal content and struture of values: Extensions and cross-cultural replications. Journal of Personality and Social Psychology, v.58, n.5, p. 878-891, 1990.
VOERHOEF, Peter C.; LANGERAK, Fred. Eleven Misconceptions about Customer Relationship Management, Business Strategy Review, v. 13, n. 4, p. 70-76, 2002.
WU, Shwu-Ing. The relationship between consumer characteristics and attitude toward online shopping. Marketing intelligence & Planning, v. 21, n. 1, p. 37-44, 2003.
ZEITHAML, Valerie A. Consumer Perceptions of Price, Quality, and Value: a means-end model and synthesis of evidence. Journal of Marketing, v. 52, n. 3, p. 2-22, 1988.
Glossário (opcional)
Lista de palavras com sentido pouco conhecido, de uso restrito ou de duplo sentido. Devem ser apresentadas em ordem alfabética, com seus respectivos significados.

Apêndice(s) (opcional)
Consiste em um texto ou documento elaborado pelo autor para complementar sua argumentação.

O(s) apêndice(s) são identificados por letras maiúsculas consecutivas (A, B, C, ...), travessão e pelos respectivos títulos. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas dobradas, na identificação dos apêndices, quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.



Exemplo:
APÊNDICE A – Questionário

Anexo(s) (opcional)
Consiste em um material suplementar ao texto; deve ser colocado após o apêndice. Esses documentos não são essenciais para o entendimento do trabalho.

Podem ser formados por um conjunto de tabelas detalhadas, textos, questionários, notas técnicas sobre os métodos, cópias de documentos externos ao texto, figuras e outros materiais ilustrativos.

Cada anexo deve ser identificado por meio de letras maiúsculas consecutivas (A, B, C,..), travessão e o respectivo título. As páginas são enumeradas consecutivamente ao texto.

Exemplo: Tese apresentada por Henrique (2009)
ANEXO A – Relação de Trabalhos Acadêmicos Brasileiros sobre Valores Pessoais, Atitude e Lealdade

Quadro 17 – Trabalhos Brasileiros sobre Valores Pessoais3


Origem / Ano

Autores

EnANPAD, 2001

Leão e Mello




EnANPAD, 2002

Leão e Mello

Menck

EnANPAD, 2003

Leão e Souza Neto




EnANPAD, 2005

Jeunon

Kny, Senna, Barata, Cesar, Côrrea, Goulart e Koehler



Kaminski e Prado

Leão e Mello

Porto e Torres


EnANPAD, 2006

Freitas Jr. e Marchetti

Leão e Mello

Porto e Porto


Silveira, Keiserman, Castilhos e Gavronski

EnANPAD, 2007

Añaña, Merino e Nique

Flores Neto e Silveira

Giraldi e Ikeda


Pimenta, Vilas Boas, Melo, Nunes e Boaventura

Vilas Boas



EMA, 2006

Leão e Mello

Vilas Boas, Sette, Brito e Abreu

EMA, 2008

Alves, Rego, Machado e Oliveira

Henrique, Monteiro e Matos

Leão e Mello


Merino e Petroll

Pimenta e Vilas Boas



Ribas e Lima

Fonte: Elaborado pelo autor

Índice(s) (opcional)
Lista de palavras ou frases, ordenadas alfabeticamente, que remete às informações contidas no texto.



1 Relation of Consumer’s Buying Habits to Marketing Methods. Harvard Business Review, v. 1, p. 282-289, 1923.

2 COPELAND, M. T. Relation of Consumer’s Buying Habits to Marketing Methods. Harvard Business Review, v. 1, p. 282-289, 1923.

3 Nos EnANPADs de 1998, 1999, 2000 e 2004 e no EMA de 2004 não foram apresentados trabalhos sobre Valores Pessoais.


1   2   3


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal