Técnicas de entrevista



Baixar 38,03 Kb.
Encontro19.08.2017
Tamanho38,03 Kb.



Técnicas de entrevista
Pedro Celso Campos (*)

1. Definições

Luiz Beltrão (A imprensa informativa; São Paulo, Folco Masucci) define a entrevista como "a técnica de obter matérias de interesse jornalístico por meio de perguntas e respostas". A entrevista é um dos instrumentos de pesquisa do repórter. Com os dados nela obtidos ele pode montar uma reportagem de texto corrido, em que as declarações são citadas entre aspas, ou pode montar um texto tipo perguntas e respostas, também chamado "pingue-pongue".

Segundo Luiz Amaral (Técnicas de jornal e periódico; Rio, Tempo Brasileiro, 1987) podem-se distinguir dois tipos de entrevista: a de informação ou opinião (quando entrevistamos uma autoridade, um líder ou um especialista) e a de perfil (quando entrevistamos uma personalidade para mostrar como ela vive, e não apenas para revelar opiniões ou para dar informações. Em ambos os casos há interesse do leitor, e o jornalista será sempre um intermediário representando seu leitor (ou receptor) diante do entrevistado. Na primeira situação, quando se trata de divulgar informações e opiniões, mesmo para produzir uma simples nota, é conveniente e necessário o jornalista repercutir o material com outras fontes envolvidas com o fato, checando a informação.

Fábio Altman (A arte da entrevista: uma antologia de 1823 aos nossos dias; São Paulo, Scritta, 1995) diz que "a entrevista é a essência do jornalismo". Segundo Altman, "a entrevista transforma o cidadão comum em líder, dono da palavra, professor, uma pessoa incomum".

Em Técnicas de codificação em jornalismo-redação, captação e edição do jornal diário; São Paulo, Ática, 1991, Mário Erbolato conta que as origens da entrevista remontam a 1836, quando James Gordon Bennet fez perguntas a Rosina Townsend, proprietária de um prostíbulo de Nova York no qual ocorrera um assassinato classificado, então, como "sensacional".

Segundo Juarez Bahia ( "Jornal, História e Técnica – História da Imprensa Brasileira". São Paulo: Ática, 1990 ) um dos requisitos mais importantes, na entrevista, é a autenticidade, isto é, que as declarações atribuídas ao entrevistado possam ser facilmente provadas.

Carlos Tramontina ( "Entrevista". Rio: Globo, 1996 ) lembra que todo entrevistador faz a mesma coisa: perguntas. Mas cada um desenvolve um estilo próprio, prepara-se de maneira diferente e usa de variadas estratégias para conseguir boas respostas. Afinal, não há boa entrevista sem bom entrevistador.

Voltando a Fábio Altman: "Perguntas frouxas e equivocadas pressupõem respostas do mesmo teor. A inteligência das questões e a descoberta do mote correto podem transformar conversas aparentemente inócuas em grandes depoimentos." Pode-se dar como exemplo a série de encontros informais entre o ex-presidente Figueiredo e o repórter Orlando Brito em caminhadas pela Praia de Copacabana ou a fita de vídeo que ele concordou em gravar num fim de festa, em 1997, onde fez revelações sobre as entranhas do poder militar. Em agosto de 1994, com o microfone aberto e a imagem fora do ar, Carlos Monforte, da TV Globo, transmitiu ao país confidências escabrosas do então ministro Rubens Ricupero. (Todos se lembram: "O que é bom a gente mostra, o que é ruim a gente esconde").

Para o professor José Salomão David Amorin, da UnB, "no Brasil as orientações para uma boa entrevista, em certos cursos de jornalismo, têm sido reduzidas a conselhos gagás do tipo quando for entrevistar um sujeito telefone para saber se ele está em casa; quando ele atender ao telefone diga-lhe bom dia; não compareça a uma entrevista sem gravata..."

Edgar Morin (A entrevista nas ciências sociais, no rádio e na televisão; Cadernos de Jornalismo e Comunicação, 11, Rio de Janeiro, 1968) define a entrevista como "uma comunicação pessoal, realizada com objetivo de informação". O professor Mário Erbolato lembra que "a entrevista é um gênero jornalístico que requer técnica e capacidade profissional. Se não for bem conduzida, redundará em fracasso". Segundo Alexandre Garcia, citado no livro de Tramontina, quem mais perde com o fracasso de uma entrevista é o entrevistador, porque no dia seguinte ele vai fazer a mesma coisa, enquanto o entrevistado sai de cena.

"Entrevistar não é somente fazer uma pergunta, esperar uma resposta e juntar à resposta outra pergunta. É um exercício profissional trabalhoso e ingrato. Quase sempre quanto maior é o interesse do jornal em conseguir a entrevista, menor o do entrevistado em concedê-la, e vice-versa. Na medida em que cresce o interesse do jornal, crescem também os problemas do entrevistador", garante Luiz Amaral (Jornalismo – Matéria de primeira página; Rio, Tempo Brasileiro, 1997), citando, em seguida, Joseph Folliet (Tu seras journaliste; Lyon, Chronique Sociale de France, 1961): Esse gênero exige muita intuição, delicadeza, perfeito conhecimento do assunto, do entrevistado, de sua vida e de sua obra, uma grande probidade – um exterior, enfim, que inspire confiança e incite à confidência.

Na opinião do professor de Jornalismo da Federal de Santa Catarina Nilson Lage (A reportagem – teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística; São Paulo, Record, 2001), a palavra entrevista é ambígua. Ela tanto significa o diálogo com a fonte, como a matéria publicada.



2. Estratégias

Grandes entrevistadores adquirem técnicas que transformam o jogo de perguntas e respostas numa espécie de xadrez, conseguindo arrancar declarações que o entrevistado não pretendia fazer. Mas não basta ter experiência. É preciso trabalhar duro antes da entrevista, pesquisando tudo sobre os temas a serem tratados e sobre o entrevistado.

Depois de bem preparado (de preferência um dia antes), o entrevistador deve fazer um roteiro com começo, meio e fim. O objetivo não é bitolar e restringir o desempenho do entrevistador, mas ser uma base referencial para evitar "brancos" e atropelos.

É importante que o entrevistador seja o condutor da entrevista. Mas só estará no comando se estiver bem-informado e bem preparado. "É estimulante para o entrevistado, nos momentos em que a fala se interrompe, perceber que o entrevistador está compreendendo o enunciado... se o entrevistado declarou que a economia vai bem, uma observação óbvia, tal como ‘o senhor é então otimista quanto aos acontecimentos do futuro próximo’ vale não por seu conteúdo, mas pela demonstração de interesse e entendimento. Dependendo, no entanto, das circunstâncias, pode ser conveniente apresentar um dado de contestação, no momento adequado, para obter maior espontaneidade, expansão ou aprofundamento", ensina o professor Lage.

O ideal é que a entrevista flua espontaneamente, cada resposta permitindo o "encaixe" da pergunta seguinte. Afirma Carlos Tramontina que "a estratégia mais produtiva é aquela baseada na informação: jamais um entrevistado experiente conseguirá fugir das perguntas ou esconder os fatos se diante dele estiver sentado um entrevistador cheio de informações".

Exemplo: em fevereiro de 1969, ao entrevistar o temível general Vo Nguyen Giap, em Hanói, sobre a guerra que ele comandava no Vietnã do Norte contra os americanos e os sul-vietnamitas, entre o final dos anos 60 e inícios dos anos 70, a jornalista italiana Oriana Falacci, trabalhando para o jornal L'Europeo, levou o líder vietnamita a revelar, com franqueza inédita, tudo o que pensava sobre seus inimigos americanos, conforme conta Fábio Altman (obra citada). Bem preparada para a entrevista, Oriana teve o cuidado de levar ao tenso ambiente do seu interlocutor duas companheiras que faziam as anotações enquanto ela enfrentava o olhar fixo do general. Nesses casos é impossível ao repórter anotar e dialogar ao mesmo tempo.

Foi nesse clima que a jornalista italiana ousou contradizer o entrevistado, classificando de derrota do Vietnã do Norte a Ofensiva do Tet. Segundo ela contou depois, o general se levantou nervoso, caminhou ao redor da mesa e, com braços estendidos, exclamou: "Diga isto à Frente de Libertação." Oriana respondeu: "Primeiro estou perguntando ao senhor, general."

É prática usual entre entrevistadores mais experientes usar a estratégia de começar a entrevista com atitudes ou comentários bem-humorados para deixar o interlocutor à vontade, referindo-se a um jogo importante ou a algo curioso e de conhecimento comum. Em 27 de junho de 1989, ao entrevistar o deputado Ulisses Guimarães, Jô Soares pediu ao garçom que lhe servisse uma dose de Poire (licor de pêra), bebida preferida do Sr. Diretas e de seus colaboradores mais próximos. No dia seguinte, ao entrevistar outro candidato à Presidência da República, Jô chamou a atenção para o sapato Vulcabrás 752 que Paulo Maluf usava e do qual era garoto-propaganda.

Carlos Tramontina diz que "constrangimentos entre quem pergunta e quem responde fazem parte da atividade da imprensa. Geralmente os homens públicos, que têm mais experiência no contato com a mídia, não se surpreendem". Esse tipo de entrevista é definida como "confronto" por Nilson Lage: "É a entrevista em que o repórter assume o papel de inquisidor, despejando sobre o entrevistado acusações e contra-argumentando, eventualmente com veemência, com base em algum dossiê ou conjunto acusatório. O repórter atua, então, como promotor em um julgamento informal. A tática é comum em jornalismo panfletário, quando se pretende ‘ouvir o outro lado’ sem lhe dar, na verdade, condições razoáveis de expor seus pontos de vista." O autor reconhece que muitas vezes esse tipo de entrevista pode se transformar num espetáculo de constrangimento, principalmente quando transmitida ao vivo, no rádio ou na televisão.

Para Alexandre Garcia, "a pergunta embaraçosa pode ter duas conseqüências: desmontar o entrevistado a ponto de ele contar tudo o que sabe, ou irritá-lo a ponto de passar a responder tudo com monossílabos", matando a entrevista. Alexandre recomenda que o repórter estude o perfil psicológico do entrevistado para saber se deve conduzir a entrevista "batendo ou assoprando". Ele também ensina a preparar emboscadas para o entrevistado: você faz uma pergunta sabendo de antemão qual será a resposta, porque ela é óbvia, previsível, ou porque já foi dada antes. Logo em seguida faz a pergunta-chave da entrevista.

É uma estratégia que se aplica melhor às entrevistas longas.

Às vezes é o caso de entrar direto no assunto, como fizeram os repórteres de Veja ao entrevistar Pedro Collor a quem a mãe, Leda, vivia pedindo que fosse ao médico examinar a cabeça. Naquela entrevista, segundo os repórteres, a primeira pergunta foi: "O senhor se considera louco?" É um modo de balizar o terreno para que o leitor saiba com quem está falando. Se Pedro Collor admitisse problemas mentais suas declarações não teriam a mesma força. Morreu tempos depois com um tumor na cabeça...

Em determinados casos, o experiente Alexandre Garcia usa outra estratégia que exige muito domínio da situação: – Eu me finjo de bobo, que não sei das coisas, para que o entrevistado se sinta mais forte, superior a mim e seguro de si. Nessa situação ele fica mais à vontade, revela mais coisas e abre a guarda. É aí que eu entro. Alexandre diz que age assim porque, na sua opinião, o entrevistado tem medo do jornalista, pois uma entrevista publicada pode gerar muitas conseqüências.

A história está cheia de exemplos sobre a força que uma entrevista tem em certas circunstâncias. A entrevista de Getúlio Vargas a Samuel Wainer na estância gaúcha do ex-presidente, publicada por O Jornal, do Rio de Janeiro, em 3/3/1949, abriu caminho para a volta do ditador ao poder. A já citada entrevista de Pedro Collor provocou o impeachment de Fernando Collor e o desbaratamento do Esquema PC. As entrevistas em off conseguidas por Carl Bernstein e Bob Woodward, no caso Watergate, levaram à renúncia o homem mais poderoso do mundo, o presidente dos EUA Richard Nixon. Costuma-se datar o início da revolução sexual feminina, no Brasil, a partir da entrevista que Leila Diniz deu ao Pasquim, em 21-26/11/1969, ao chegar dos EUA.



3. Cuidados

Alguns cuidados ajudam o entrevistador a evitar problemas na hora de transformar a entrevista em notícia. Uma precaução é sustentar o diálogo com o entrevistado tratando-o do modo mais coloquial, seja pelo primeiro nome ou pelo cargo, conforme as circunstâncias: soaria ridículo tratar um cantor popular ou um ator de "Senhor": Sr. Chico Buarque, Sr. Caetano Veloso, Sr. Roberto Carlos, Sra. Carla Peres... Nos diálogos com um deputado, um ministro, um senador, usa-se o nome do cargo. Em coletivas ou locais solenes, chama-se o presidente da República de "Sr. presidente".

É preciso desenvolver, também, uma técnica pessoal para observar se o entrevistado está mentindo. A este respeito, conta Luiz Amaral que depois de entrevistar milhares de homens e mulheres sobre casos sexológicos, o Dr. Alfred Kinsey respondeu, certa vez, ao lhe indagarem se ele sabia até que ponto eram verdadeiras ou não as confissões que lhe eram feitas: ‘É muito simples. Eu as encaro de frente. Inclino-me para diante. Faço as perguntas rapidamente, uma depois da outra. Não as perco de vista. Naturalmente, se vacilam posso saber que estão mentindo’".

Em casos de entrevistas ao vivo pode acontecer o acidente do "dar um branco", mesmo quando se entrevistam pessoas que o país inteiro conhece. Nunca é demais ter o nome do entrevistado bem à mostra, além do seu cargo exato.

Conta-se que até o experiente Boris Casoy já sofreu com isso porque o editor se esqueceu (ou achou que nem precisava ) de colocar no script do apresentador o nome do entrevistado daquela noite, no SBT. E na hora de apresentar o entrevistado, entre uma matéria e outra, Boris começou: "Estamos aqui com um grande nome da Música Popular Brasileira, um homem extremamente conhecido de vocês, que agora está atuando na política... vereador em Salvador... um compositor maravilhoso... um compositor de mão-cheia..." A apresentação não acabava mais porque Boris não conseguia lembrar-se do nome de Gilberto Gil sentado à sua frente, saindo-se com esta: "Ele dispensa apresentações."

"Mais do que em qualquer outro veículo, a entrevista televisiva devassa a intimidade do entrevistado, a partir de dados como sua roupa, seus gestos, seu olhar, a expressão facial e o ambiente. A produção, nos talk shows televisivos, é geralmente mais cuidada e o entrevistador, violando um dos preceitos básicos da entrevista jornalística, pode tornar-se a estrela do programa, com todo prejuízo que isso traz para a informação – não necessariamente para o espetáculo", observa Nilson Lage. Para o rádio, ele recomenda um tom mais coloquial.

É importante, ainda, entender por que as pessoas geralmente gostam de dar entrevistas. Não é apenas porque precisam se comunicar, mas por vaidade, na avaliação de Boris Casoy. Por isto ele acha que um elogio inicial "lubrifica" e a pessoa acaba liberando as portas de sua intimidade, permitindo que o entrevistador chegue à caixa-preta. Para Joelmir Beting (também citado no livro de Tramontina), as pessoas dão entrevistas porque têm informações, idéias ou propostas importantes. Outros, por interesses pessoais ou financeiros. Querem mostrar a empresa, a associação, o sindicato ou o órgão de governo. Mas Joelmir também não se esquece da vaidade: "O pior é que muitos não estão preparados e acabam falando o que não devem, vendo publicado o que não gostariam."

Exemplo foi a entrevista do ex-ministro da Aeronáutica tenente-brigadeiro Walter Werner Brauer, que enviou carta à Veja de 10/1/2000 desmentindo referências elogiosas a Hitler contidas na entrevista à repórter Sandra Brasil na edição anterior. Joelmir conta, com orgulho, que não é amigo de nenhum ministro ou qualquer outra autoridade do governo. Faz questão de não dever favores porque quer se manter livre e independente em seu trabalho.



4. Gravar ou anotar

Cada repórter desenvolve um método pessoal de documentar a entrevista. Alguns preferem confiar na memória, o que é perigoso quando a declaração envolve números ou nomes de difícil entendimento. Outros preferem anotar, porém em alguns casos é difícil sustentar um diálogo e anotar ao mesmo tempo, como já foi visto na técnica usada por Oriana Fallaci ao entrevistar o general Giap. O mais garantido é gravar. Mas até isto pode dar problemas, porque o gravador pode falhar e surpreender o repórter na fatídica hora do fechamento do jornal. O recomendável é, além, de gravar, reconstituir a entrevista com base em palavras-chave que o repórter anota, indicando os temas principais na seqüência em que ocorreram. Isso geralmente basta para, passado um período curto de tempo, reproduzir com fidelidade discursos não muito extensos ou complicados (Lage, 2001) Também há entrevistados que se intimidam com o gravador ligado, temendo falar alguma bobagem e não poder voltar atrás ou com receio de que a gravação se torne um documento de uso futuro.

Cada caso é um caso.

Boris Casoy, por exemplo, no depoimento a Tramontina (obra citada) conta que, quando trabalhava em jornal impresso, preferia gravar a entrevista com dois gravadores por via das dúvidas. Também há diferentes modos de veicular a entrevista. Ela pode servir apenas como banco de dados para reforçar uma reportagem; as citações podem ser colocadas entre aspas ao longo do texto corrido ou também se pode usar o já referido formato de perguntas e respostas, tal como foi gravada a entrevista.

Nos casos de denúncias, este último é o melhor sistema porque não deixa margem a dúvidas sobre a interpretação do repórter. Foi o que aconteceu com o "grampo do BNDES" em 1999. A Folha de S.Paulo soltou o conteúdo das fitas aos poucos, reproduzindo na íntegra os diálogos que comprometeram ministros e autoridades do governo FHC com favorecimentos na privatização da telefonia no país.

Boris Casoy ensina que o entrevistador não deve ter vergonha de perguntar tudo o que precisa saber, senão fará um texto falho, incompleto. "O bom profissional é aquele que consegue transmitir ao leitor, num texto sintético e conciso, todos os conceitos, com precisão", diz.



5. Direitos do entrevistado

Além das técnicas de entrevista, o jornalista também deve levar em conta os direitos do entrevistado. Segundo Caio Túlio Costa (O relógio de Pascal – A experiência do primeiro ombudsman da imprensa brasileira; São Paulo, Siciliano, 1991), nos EUA as vítimas de entrevistas deturpadas ou fraudadas podem recorrer ao Centro Nacional das Vitimas, com sede em Forth Worth, no Texas, que defende os seguintes direitos dos entrevistados:



1. De dizer não a um pedido de entrevista. 2. De escolher um porta-voz ou um advogado da sua preferência. 3. De escolher a hora e o local para entrevistas. 4. De requisitar um repórter de sua escolha. 5. De recusar entrevista a um repórter específico, mesmo que você tenha prometido entrevistas a outros repórteres. 6. De dizer não a uma entrevista mesmo que você tenha dito anteriormente que daria entrevistas. 7. De excluir crianças de entrevistas. 8. De não responder perguntas que julgue desconfortáveis ou inapropriadas. 9. De saber com antecedência quais direções a história vai tomar. 10. De pedir para rever suas declarações antes da publicação. 11. De recusar coletivas de imprensa e falar com cada repórter por vez. 12. De pedir retratação quando informações imprecisas forem reportadas. 13. De pedir que fotografias ou imagens ofensivas sejam omitidas na publicação ou não levadas ao ar. 14. De dar entrevistas na televisão mostrando apenas a silhueta ou solicitar que sua foto não seja publicada. 15. De se recusar a responder perguntas de repórteres durante julgamentos. 16. De processar um jornalista. 17. De sofrer na privacidade. 18. De ser tratado com dignidade e respeito pelos meios de comunicação".

Caio Túlio comenta que "tudo isto tem muito a ver com o que os americanos chamam de fair play, o jogo limpo, a transparência do jornalista com seu entrevistado e seus leitores".



(*) Professor de Jornalismo da Unesp-Bauru

Fonte: Observatório da Imprensa



©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal