Tabela VI. 1 Reavaliação da pa no início de tratamento



Baixar 35,79 Kb.
Encontro17.02.2019
Tamanho35,79 Kb.


VI. Acompanhamento do Indivíduo Hipertenso
Os intervalos entre as consultas logo após o início do tratamento são variáveis, de acordo com os níveis pressóricos, co-morbidades e sintomas. A tabela abaixo sugere um cronograma para a reavaliação no início do tratamento, devendo o mesmo ser flexibilizado de acordo com a disponibilidade do indivíduo e da UBS.
Tabela VI.1 Reavaliação da PA no início de tratamento

Sugestão para prazo para reavaliação da pressão arterial no início do tratamento


Pressão arterial inicial (mmHg)

Prazo máximo de avaliação

Sistólica

Diastólica

120 – 139

80 - 89

1 ano

140 – 159

90 - 99

2 meses

160 – 179

100 - 109

1 mês

180 - 210

110 - 120

1 semana

> ou = 210

> ou = 120

No mesmo dia

Após atingido o alvo da PA ou estabilizado o controle, os retornos devem ser agendados geralmente com intervalos de 3 a 6 meses, devendo-se individualizar o acompanhamento em função do risco cardiovascular e da adesão do paciente. Sendo assim, pacientes de baixo risco e com boa adesão podem ser revistos com prazo maior, alternando-se consultas médicas, avaliações de enfermagem e ações coletivas, enquanto que pacientes de risco moderado a elevado e com dificuldade para adesão devem ser reavaliados em prazo menor. A tabela VI.2 é uma proposta da SMSA/BH para seguimento do hipertenso.


Tabela VI.2. Rotina de acompanhamento do hipertenso na UBS




Risco Baixo

Risco Moderado

Risco Alto

Visitas domiciliares da ACS

1/mês

1/mês

1/mês

Ações coletivas

2 ciclos/ano

2 ciclos/ano

2 ciclos/ano

Consultas de enfermagem

1/ano

1/ano

2/ano

Consultas médicas

1/ano

2/ano

3/ano


O modelo acima servirá de base para o indicador de acompanhamento dos indivíduos hipertensos no Gestão Saúde em Rede, através do registro das consultas médicas e de enfermagem realizadas para cada hipertenso cadastrado. Cada ESF deverá monitorar periodicamente seus indicadores, fazendo assim uma auto-avaliação do seu trabalho e possibilitando planejamento para buscar as metas propostas. Da mesma forma, propõe-se que o nível central e/ou Distrital da SMSA/BH, acompanhe esses indicadores, buscando identificar ESFs e/ou UBSs que necessitem de auxílio e/ou intervenções para otimizar seu trabalho, assim como encontrar ESFs que possam servir de modelo ou referência para as demais.

Em relação aos exames complementares do hipertenso, não há uma regra específica quanto à sua periodicidade, devendo o acompanhamento ser individualizado, de acordo com as co-morbidades, lesões de órgãos alvo e fatores de risco associados. Nos casos de hipertensos bem controlados e sem co-morbidades (p.ex. diabetes ou dislipidemia), sugere-se que os exames laboratoriais citados no capítulo V sejam realizados pelo menos anualmente.


A interface com a Atenção Secundária
Durante o período de seguimento do hipertenso, podem surgir demandas que levem a necessidade de interconsulta com a Cardiologia, sendo as principais:

  • Refratariedade ao tratamento otimizado

  • Suspeita de HA secundária

  • HA em crianças e adolescentes

  • Gestantes hipertensas

  • Associação com cardiopatias (coronariopatia, insuficiência cardíaca, miocardiopatias...)




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal