Sugestões de pauta para cobertura da infância e adolescência na cidade de São Paulo



Baixar 167,67 Kb.
Página1/3
Encontro29.05.2017
Tamanho167,67 Kb.
  1   2   3




Sugestões de pauta para cobertura da infância e adolescência na cidade de São Paulo

  1. Atenção pré-natal

Nas consultas do pré-natal são feitos vários exames e vacinas e é fornecido o cartão da gestante.

8,6

As gestantes têm acesso a acompanhamento pré-natal, com consultas regulares desde os meses iniciais da gravidez.

8,2

O atendimento pré-natal informa sobre a importância da boa alimentação e sobre riscos do cigarro, do álcool, das drogas e do HIV/aids.

7,9

Ao saírem da maternidade os bebês desta comunidade já têm certidão de nascimento.

7,8

Consulta às Lideranças

Os cuidados com a gestante e com o bebê são o item que recebe melhor avaliação dos entrevistados em toda a consulta com as lideranças. O que está funcionando nos programas governamentais de atenção a este público na cidade de São Paulo? Qual o impacto do Programa Mãe Paulistana para este nível de satisfação? O que deu certo nessas iniciativas que pode servir de exemplo para outras políticas públicas? Mesmo com os resultados positivos, ainda há uma grande disparidade entre as diferentes subprefeituras da cidade, na garantia do direito ao mínimo de 7 consultas pré-natal. O que está sendo feito para reduzir esta desigualdade?

As lideranças comunitárias também informam que as gestantes ainda têm dificuldade de encontrar vaga nas maternidades no momento do parto. O que a prefeitura e o governo do Estado tem feito para melhorar este serviço?

Que papel os empregadores têm desempenhado para garantir que as gestantes possam fazer consultas pré-natal e amamentar pelo menos durante os seis primeiros meses de vida do bebê?



Sugestões de fontes:

Secretaria Municipal de Saúde: 3397-2368/2369

Secretaria Estadual de Saúde: 3066-8701

Pastoral da Criança: (41)2105-0244

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo: (CREMESP): 3017-9364

Fonte da comunidade: Maria Domingas Xavier, Cantinho do Céu: 5931.2407



2.       Família

As famílias são visitadas por agentes de saúde e da assistência social pelo menos uma vez por mês.

5,3

As famílias recebem orientação sobre como cuidar dos bebês e crianças pequenas, incluindo a prevenção de acidentes em casa.

4,6

As relações familiares são boas, oferecendo um ambiente adequado para as crianças se desenvolverem.

3,9

Existêm na comunidade programas que ajudam pais e mães de crianças entre 0 e 6 anos na geração de renda e obtenção de empregos.

3,6

As famílias têm têmpo e disponibilidade para cuidar bem de suas crianças.

3,2

Consulta às Lideranças

A família é o espaço privilegiado para assegurar que cada criança tenha um bom começo de vida e se desenvolva plenamente. Por isso, é preciso investir no fortalecimento das competências desses familiares, para que possam cuidar melhor de seus meninos e meninas. A consulta às lideranças mostra que este investimento ainda é frágil. Falta informação e preparação das famílias para criar um ambiente saudável e acolhedor para suas crianças e condições econômicas para assegurar-lhes uma vida mais estável.


Que iniciativas estão sendo desenvolvidas na cidade para fortalecer as competências das famílias? Por que elas ainda não são suficientes? Como estão os programas de transferência de renda desenvolvidos pelo poder público? Que alternativas as famílias encontram para gerar renda? Que alternativas existem para garantir que seus filhos sejam bem cuidados quando estão ausentes (vizinho, creches informais, irmãos mais velhos)?
Sugestões de fontes:

UNICEF: 3728-5707

Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social: 3291-9758

Secretaria Municipal de Saúde: 3397-2368/2369

Pastoral da Criança: (41)2105-0244

Secretaria Municipal do Trabalho: 3224-6055

Fonte na comunidade: Maria Domingas Xavier, Cantinho do Céu, Grajaú: 5931.2407


3. Espaços de lazer para as crianças pequenas


ONGs e outras associações oferecem espaços e orientação para brincadeiras e atividades próprias para crianças até 6 anos.

4,2

Aqui na comunidade existem espaços e atividades para que as crianças pequenas possam brincar.

3,3

Consulta às Lideranças

Muitas das comunidades populares em São Paulo se formaram em áreas invadidas, à beira de marginais e represas. Nesses locais, faltam espaços para que as crianças pequenas possam brincar, atividade fundamental para o seu desenvolvimento. Brincando a criança aprende a conviver melhor com os outros, conhecer e controlar melhor seu corpo, exercitar a criatividade. Na falta de espaços adequados, que alternativas crianças e famílias têm encontrado? Como está o Programa de Ludicidade da Prefeitura de São Paulo? Como os CEUS lidam com a demanda? Que outros espaços da cidade, fora das comunidades, estão disponíveis para essas crianças? Que papel a televisão ocupa no dia-a-dia dessas crianças pequenas? Quais os planos das próprias comunidades para suprir as necessidades de espaços de lazer para suas crianças?



Sugestões de fontes:

Associação Brasileira de Brinquedotecas: (11)5533.1513

Aliança pela Infância: (11) 5853.8082

Instituto Alana (mídia, criança e consumo): (11) 34721831

Fonte na comunidade: Patrícia Maria Lino Pinheiro, Cachoeirinha: 7270.9757 / 3224.8312
4. Meio-Ambiente


Os moradores da comunidade cuidam do meio-ambiente e se organizam para cobrar ações para melhorá-lo.

3,0

Consulta às Lideranças

O ar que respiro na comunidade onde moro é limpo.

3,7

Consulta às Crianças e aos Adolescentes

Aprendi na escola sobre a importância de cuidar e respeitar a natureza.

7,5

Consulta às Crianças e aos Adolescentes

O cuidado com o meio-ambiente ainda aparece como um desafio na opinião das lideranças das comunidades. Segundo elas, os próprios moradores não cuidam do seu entorno ou se organizam para melhorá-lo, embora haja a percepção de que a falta de cuidados com o meio-ambiente gera problemas de saúde e compromete o bem-estar. Crianças e adolescentes percebem a poluição atmosférica da cidade como um problema. Por outro lado, a escola parece ser uma boa aliada para mudar essa situação, uma vez que as crianças e os adolescentes reconhecem nela um espaço onde aprendem a cuidar e respeitar a natureza. Que impactos a falta de cuidados com o ambiente gera na própria comunidade e na cidade? Houve alguma mudança de atitude após as últimas enchentes? Para os mais jovens, o aprendizado gerado nas escolas tem promovido mudança de atitude? Como educar os moradores? Como o poder público pode contribuir com a solução de problemas como o lixo e a falta de estrutura urbana que comprometem o bem-estar e a saúde dos meninos e meninas que vivem nessas comunidades?


Sugestões de fontes:

Secretaria Municipal do Meio-Ambiente: 3396-3078

Secretaria Municipal de Educação: 3396-0355/0354/0353

Fonte na comunidade: Firmina, São Miguel: 8376 1687



5. Vagas em creches, pré-escolas e escolas


As crianças têm vagas em creches, em locais e horários adequados às necessidades de suas mães

3,4

Existem vagas para todos os adolescentes em escolas próximas e nos horários preferidos

3,4

Existe transporte gratuito para todas as crianças e adolescentes que precisam dele para ir para escola

3,1

Consulta às Lideranças

Estou matriculado e frequento a escola

9,4

Posso estudar em escolas perto da minha casa e no horário que eu prefiro

4,9

Consulta às Crianças e aos Adolescentes

Entre as crianças e os adolescentes, a questão da matrícula e frequência na escola recebe a melhor avaliação. No entanto, a disponibilidade de vagas em creches em locais e horários adequados às necessidades das mães e em escolas próximas à casa dos adolescentes recebem algumas das piores avaliações. Segundo levantamento do Movimento Nossa São Paulo, a questão é preocupante em toda a cidade, mas há grande disparidade entre as diferentes regiões, especialmente na garantia do acesso à creche, por exemplo. Como está a Prefeitura de São Paulo no cumprimento de seu compromisso público de atender toda a demanda de creche e pré-escola até 2012? Pelo ritmo de implementação, será possível cumprir a meta?


As lideranças também dão a pior nota no quesito educação à existência de transporte gratuito para meninos e meninas que precisam dele para ir à escola. Como os adolescentes fazem para chegar à escola? Os estudantes estão informados sobre os prerrequisitos para a garantia do direito ao transporte gratuito para a frequência às aulas? Que impacto a distância têm na disposição dos alunos irem às aulas? Qual o impacto da dificuldade de se locomover até a escola no abandono escolar?
Sugestões de fontes:

Secretaria Municipal de Educação: 3396-0355/0354/0353

Secretaria Municipal de Transporte: 3396-6899/7880

Ação Educativa: 3151-2333 ramal 160

Todos pela Educação: 3266-5477 ramal 229

Movimento Creche para Todos: 3151-2333 ramal 162/146

GT Educação do Movimento Nossa São Paulo: 3151-2333 ramal 130
5. Infraestrutura das escolas


As escolas são bem conservadas, limpas e seguras.

4,1

Consulta às Lideranças

Minha sala de aula é espaçosa, ventilada e bem iluminada.

5,4

Os banheiros da escola são limpos e as crianças podem usá-los sem problemas.

4,3

Consulta às Crianças e aos Adolescentes
Tanto os adultos entrevistados quanto as crianças e os adolescentes identificam problemas nas escolas que revelam a fragilidade da infraestrutura disponível e afetam seu aprendizado. Questões básicas como a limpeza, a existência de salas de aula espaçosas e arejadas recebem críticas dos dois públicos. Por que esses problemas acontecem? Como os alunos estão sendo educados pelos professores e pelas famílias para cuidar do espaço que ocupam? Como vencer o desafio de manter os banheiros limpos? O número de funcionários responsáveis pela manutenção e a higiene das escolas é adequado à população escolar?
Sugestões de fontes:

Secretaria Municipal de Educação: 3396-0355/0354/0353



Ação Educativa: 3151-2333 ramal 160
6. Ambiente escolar


O(a) diretor(a) da escola é um(a) bom(a) profissional e mantém um bom relacionamento com professores, alunos e pais.

5,6

As crianças gostam de freqüentar a escola e estão envolvidas com as atividades oferecidas.

4,5

O relacionamento entre professores e alunos é amigável e respeitoso.

4,1

As opiniões e sugestões dos alunos são consideradas pelos professores e/ou pela direção da escola.

3,8

O ambiente escolar promove a inclusão, é saudável, afetuoso e livre de preconceitos e de violência.

3,5

Consulta às Lideranças

Eu me sinto seguro na escola.

6,9

Minhas idéias são ouvidas pelos professores da escola.

5,6

Na escola têm adultos com quem posso conversar sobre meus problemas e sentimentos.

4,9

Consulta às Crianças e aos Adolescentes
Escolas deveriam ser ambientes agradáveis, em que os estudantes encontrassem um porto seguro, construíssem relações de confiança e tivessem prazer em frequentar. Crianças e adolescentes sentem-se razoavelmente seguros nas escolas (embora este apareça em 5º lugar entre as melhores notas), mas dizem não encontrar nelas adultos de confiança com quem possam conversar sobre questões mais pessoais.
As lideranças das comunidades reconhecem parcialmente o diretor como um profissional com quem professores, alunos e pais se relacionam bem. No entanto, atribuem notas baixas quando perguntados sobre questões relativas à relação entre mestres e estudantes e ao ambiente escolar como um todo. Por que a situação encontra-se assim? Que investimentos vêm sendo feito para mudar essa realidade? Qual o impacto de um ambiente pouco acolhedor no desempenho escolar? Qual o diferencial das escolas que conseguem manter um ambiente mais respeitoso e receptivo entre diretores, professores, alunos e familiares?
Sugestões de fontes:

Secretaria Municipal de Educação: 3396-0355/0354/0353

Ação Educativa: 3151-2333 ramal 160
7. Atividades complementares à escola


Existem espaços e condições que possibilitam a participação dos adolescentes em atividades esportivas e culturais na comunidade.

4,5



  1   2   3


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal