“sonhar é ter um grande ideal na inglória lida: tão grande que não cabe inteiro nesta vida, tão puro que não vive em plagas deste mundo”



Baixar 6,24 Kb.
Encontro12.09.2017
Tamanho6,24 Kb.

O Sr. Deputado Takayama (PMDB –PR) pronuncia o seguinte discurso: “sonhar é ter um grande ideal na inglória lida: tão grande que não cabe inteiro nesta vida, tão puro que não vive em plagas deste mundo”. Sr. Presidente, Sras. Deputadas e Srs. Deputados, nesta semana a poesia brasileira amanheceu mais pobre. Ela perde um pouco da sua beleza. Faleceu neste último sábado, em Curitiba, a escritora e poetisa Helena Kolody, aos 91 anos de idade, e os versos que introduziram este pronunciamento fazem parte da sua obra “Sonhar”, de 1941.

Gostaria que o Brasil conhecesse essa figura do meu Paraná, que acrescentou riqueza à poesia e à literatura brasileira, e que a homenagem ficasse gravada no anais desta casa, para que a história poética registre alguém que tanto contribuiu para a grandeza literária.

Respeitada como uma das vozes mais eminentes da História da Literatura do Paraná, e considerada um ícone da cultura paranaense, Helena Kolody destacou-se por ter-se dedicado à arte de escrever de forma sucinta e singela sobre sentimentos ao mesmo tempo preciosos e corriqueiros da vida. A escritora deixa como legado vários livros de poemas, de versos simples, mas de profundo significado.

Hábil com as palavras, Helena tinha uma desenvoltura natural para os haicais e tankas – pequenos poemas cuja forma tem origem na poesia japonesa. Helena foi vanguardista por ter escrito haicais quando ninguém no Paraná o fazia.

A escritora optou pela síntese, pelo poema curto, que é a identidade mais evidente do tecido literário do Paraná. Com um olhar perspicaz para as coisas pequenas do cotidiano, ela conseguia flagrar e captar ângulos capazes de revelar um novo mundo e tocar profundamente as pessoas.

Algumas obras de Helena foram marcantes, e bem procuradas, como Era Espacial, Trilha Sonora, Antologia Poética e Infinito Presente.

Integrava a Academia Paranaense de Letras, da qual, desde 1991, ocupava a cadeira de número 28.

A escritora paranaense, nascida na pequena cidade de Cruz Machado, no sul do estado, deixa como lembrança sua personalidade doce e de bem com a vida, sempre disposta a ajudar a quem mais necessitava. Assim, ao longo de seus 91 anos conquistou uma legião de admiradores de todas as idades.



Deixo aqui, então, essa sincera homenagem à poesia brasileira através desse discurso lembrando Helena Kolody, escritora, poetisa e grande figura humana que tanto contribuiu para a cultura paranaense e, conseqüentemente, para a cultura brasileira, encerrando com seus próprios versos da obra denominada Apelo, de 1941: “E seja uma luz no mundo, um instrumento de paz e fraternidade. Ensina-me, Senhor, a palavra exata, a grande palavra reveladora e fecunda, que devo clamar, clamar e clamar, para acordar nos que adormeceram a consciência do seu destino maior.”



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal