Sílvia Aparecida José e Silva (unicamp)



Baixar 242,64 Kb.
Encontro09.09.2017
Tamanho242,64 Kb.

Sílvia Aparecida José e Silva (pós-graduação Unicamp)
Lugares e Caminhos do Romance em Campinas (1870 – 1880)i
Este trabalho é parte de pesquisa sobre os romances em Campinas no final do século XIX. Pretendo verificar quais os títulos circulavam entre a população campineira quando se tratava de leitura de romances, assim como onde se poderia entrar em contato com essas obras, tanto para comprá-las quanto para alugar ou emprestar.

Utilizarei as informações coletadas em duas fontes, o periódico Gazeta de Campinas, empreendimento do bacharel em direito, poeta e jornalista Francisco Quirino dos Santos, e de seu sogro Joaquim Roberto de Azevedo Marques. Era o único jornal a circular em Campinas desde 31 de dezembro de 1869. A princípio era impresso com freqüência bissemanal, a partir de 1876 tornou-se diário. Também consultei os Almanaques campineiros das décadas de 1870 a 1880.

O primeiro dos almanaques foi impresso pela tipografia da Gazeta de Campinas, Almanak de Campinas para 1871. De acordo com matéria veiculada no jornal, em onze de setembro de 1870, a obra é considerada o primeiro livro publicado na cidade. José Maria Lisboa, tipógrafo português, foi o responsável pela organização e publicação do primeiro almanaque.

Segundo o historiador Amaral Lapa em sua obra A cidade, Os cantos e os Antros: Campinas 1850-1900ii, a cidade estava passando por um momento de transição na década de 1870. Campinas estava se tornando burguesa, saindo da condição senhorial anterior.

As marcas entre o que era urbano e rural, naquele momento, ainda não estavam claras. Porém havia atitudes que visavam valorizar seus aspectos citadinos: a pavimentação das ruas, o embelezamento das praças e também, símbolos de progresso cultural, as grandes edificações do teatro e da matriz nova.Isso provocou um aumento de instituições relativas à leitura. Nesse contexto, temos a publicação do jornal e dos almanaques, que nos fornecem indícios da circulação de romances na cidade.

Era o nascimento do complexo capitalista, que teve Campinas a maior capital agrícola da Província.

Emília V. Costaiii, citada por Maria Carolina Bovério Galzerani (1998)iv, diz que os projetos da elite agrícola capitalista não eram uma ocorrência isolada. Encontram-se referências a um comportamento comum às elites urbanas durante o segundo Império:
As novas classes médias urbanas que se constituíram no decorrer do segundo reinado nos principais núcleos urbanos seriam atreladas às oligarquias de cuja patronagem dependiam – o que impôs limites a sua crítica.
Campinas caminhou, juntamente com outras cidades do Brasil, na construção de uma identidade ligada ao progresso e à modernidade, para tal, utilizou alguns dos recursos que, no período, denotavam essa condição: jornal, almanaques, tipografias, livrarias, gabinetes de leitura, bibliotecas, escolas e associações recreativas.

O almanaque era um gênero de produção literária amplamente publicado no Brasil. Esses livros foram bem recebidos pelo público, alcançando grande sucesso. Os almanaques tinham um lugar de destaque naquela época, eram de leitura rápida, possuíam uma linguagem simples, traziam um elevado número de informações: estatísticas, charadas, curiosidades e narrativas curtas, que certamente agradavam o leitor, pois o número de tiragem desses livros era alto.

Os espaços destinados à leitura na cidade de Campinas presentes no “Almanak de Campinase no jornal “Gazeta de Campinas” indicam:


  • Associações culturais:

    • Gabinete de Leitura

    • Arcádia Luso-brasileira

    • Loja Maçônica Independência (Biblioteca)

    • Promotora da Instrução

    • Allemã Instrucção e Leitura (Biblioteca)

  • Escolasv

  • Públicas

    • A cidade possuía cinco escolas - sendo duas para o sexo feminino e três para o masculino.

  • Particulares

    • Havia no município quatro colégios e sete escolas particulares

  • Espaços onde se vendiam diversos produtos inclusive “livros de litteratura

    • Bernard & V. Weill

    • França Camargo & Irmão

  • Livrarias (I)vi

    • Internacional, de Gaspar da Silva, Commercio, 47 A

    • Paraíso terrestre, de Guilherme de Lima, rua Direita, 3 A

    • Joaquim Roberto Alves, Direita, 42

  • Livrarias (II) vii

    • Antonio B. de Castro Mendes, rua Direita n. 18

    • Alfredo Genoud & Comp. (Au Monde Élégant) Rua Direita n. 37

A cidade passava por grandes mudanças, as informações circulavam com maior rapidez, companhias de teatro faziam apresentações com regularidade, as pessoas se aproximavam para trocar idéias e uma vida social nascia, traduzida pelos novos centros de convívio, entre eles as associações literárias e os gabinetes de leitura, além dos clubes de lazer e dos clubes políticos.

Surgiam novas atividades, que eram desempenhadas por uma classe social emergente. Muitos bacharéis de direito não se limitavam a atuar em escritórios. Muitos se transferiam para o interior da Província e participavam da vida pública, da burocracia, do jornalismo local. Estes profissionais envolviam-se com freqüência com as associações culturais, entre elas, os Gabinetes de Leitura. A cultura laica ganhava espaço nos núcleos urbanos por meio dessas associações, marcando uma nova forma de pensar, pois a igreja até então exercia uma forte influência sobre a cultura letrada do país.

No atual estágio da pesquisa, são poucas as informações sobre alguns desses espaços culturais. Os dados encontrados referem-se basicamente a composição de sua diretoria, seus sócios, às vezes, sua localização e estrutura de funcionamento.

Consta, nas informações do Almanak de Campinas, que a Loja Maçônica Independência e a Alemã Instrução e Leitura possuem bibliotecas. Porém não foram encontradas listas de livros ou de sócios até o presente momento da pesquisa.

Seguem alguns anúncios veiculados na época:


Allemã Instrucção e Leituraviii

Presidente

Francisco Krug, rua das Campinas Velhas

Secretário

M. Harbeck

Caixa


Jacob Bolliger

Esta sociedade conta com 75 sócios e sustenta uma escola freqüentada por 50

alumnos. Tem uma biblioteca de 600 volumes. O cemitério dos protestantes

pertence-lhes assim como a administração do mesmo: neste cemitério dá-se não

somente sepultura aos protestantes como a todos aquelles a quem ella for negada

nos cemitérios catholicos, sem differença de religião.


Neste anúncio há diversas informações: a quantidade de sócios e de alunos da instituição, o registro do número de livros presentes na biblioteca, além de informações de ordem prática relativas à questão do enterro de pessoas de outras religiões. Não é possível determinar o local dessa instituição ou o acervo da referida biblioteca. Espera-se localizar, no decorrer da pesquisa, essas informações.

Quanto à instituição Promotora da Instrução tem-se:



Promotora da Instruçãoix

Presidente

Dr. Francisco Quirino dos Santos, rua Regente Feijó, 13



Secretários

1º João Braz da Silveira Caldeira, Largo da matriz Nova, 3

2º Francisco Glycerio Cerqueira Leite, rua do Rosário, 14

Adjuntos

1º Antonio Benedicto de Cerqueira Leite, rua do Rosário, 14

2º José Maria Lisboa, rua Lusitana, 64

Thesoureiro

Joaquim Candido de Almeida, rua Formosa, 37



Bibliotecario

Joaquim Roberto Alves, rua Formosa, 49

Foi creada esta sociedade em 1870. Mantém uma aula nocturna.
O número de obras existentes nesta sociedade não foi informado, porém é possível inferir a existência ou a intenção de se construir uma biblioteca, devido à presença de um bibliotecário na instituição. É interessante observar que o presidente, Dr. Francisco Quirino dos Santos, foi o fundador do jornal Gazeta de Campinas e o bibliotecário, Joaquim Roberto Alves, era o responsável pelo Gabinete de Leitura. Talvez o envolvimento em atividades ligadas à cultura trouxesse prestígio às pessoas, por isso elas acumulavam cargos em estabelecimentos culturais na cidade.

Não existe menção à Arcádia Luso-brasileira nos almanaques do período. Entretanto, no periódico Gazeta de Campinas encontram-se anúncios referentes a reuniões dessa organização. No entanto, sem muitos detalhes, como se pode observar:


ARCADIA LUSO-BRASILEIRAx

De ordem do sr. Presidente communico aos srs sócios que hoje as 6 horas da tarde há reunião no lugar de costume. A prelecção é feita pelo sócio benemérito J.B. da Silveira Caldeira e versará sobre origens da língua portugueza.

Campinas 27 de abril de 1873

O 2º secretário

Guilherme de Andrada Villares
Acredita-se que havia regularidade nas reuniões promovidas por esse grupo, a indicação “lugar de costume” consente o levantamento dessa hipótese. Essa informação, ou melhor, a falta dessa informação, permite dizer que esta associação não está muito aberta a novos sócios. Aquele que desejasse participar desse encontro não saberia onde seria este “lugar de costume”, provavelmente precisaria receber o convite de um sócio antigo, limitando assim, a presença de “novatos” nessas reuniões.

Até o ano de 1886 não há referências a bibliotecas no Almanak de Campinas. A categoria BIBLIOTECA surge neste ano, com duas citações, a primeira do Gabinete de Leitura, que até então contava com menções individuais e, em seguida, da Biblioteca Maçônica, com o seguinte anúncio:


BIBLIOTHECA MAÇONICAxi

Foi fundada no dia 14 de julho de 1884. Funcciona em uma sala do prédio da loja “Independência”.



DIRECTORIA

Presidente – Dr. Augusto Ribeiro de Loyolla.

Vice-presidente – J. d’Oliveira Fagundes.

1º secretario – J.I. de Oliveira Leite.

2º secretario – J. Henrique Dias.

Bibliothecario – Dorindo Prado.

Thesoureiro – J. James Sims.

Esta bibliotheca tem para mais de 3000 volumes e mais de 30 jornais do Paiz e do estrangeiro.


A presença de jornais nacionais e estrangeiros denota a preocupação em acompanhar os acontecimentos cotidianos de forma ampla e não restrita às ocorrências locais. No atual andamento desse estudo, não há muito que dizer sobre sua história ou seu acervo, espera-se obter mais informações no decorrer da pesquisa.

Percebe-se que a cidade se transformava. Alguns lugares eram mais valorizados que outros. O centro se tornava um espaço na maioria das vezes ocupado por uma elite econômica e cultural. Assim, situar geograficamente alguns desses locais, revela a importância que a sociedade daquela época atribuía aos símbolos culturais presentes na cidade.

Na rua Direita, encontrava-se França Camargo & Irmão e na rua de Baixo a Tipografia da Gazeta de Campinas.

A rua Direita a princípio era conhecida como “rua de Cima” por questões topográficas. Em 1848, passou a ser designada como “rua Direita”. Talvez porque na cidade do Rio de Janeiro, sede da Corte, e em São Paulo, a capital da Província, já existissem ruas com esse mesmo nome, reforçando, dessa forma, a idéia de progresso e modernidade para a cidade, com a imitação de centros urbanos mais prestigiados.

O destino desse logradouro era ser importante, o que não demorou muito a ocorrer, tornou-se a via principal da cidade no final do século XIX e início do XX. Em 1º de julho de 1889, a antiga “rua Direita” passou a ser denominada Barão de Jaguara.xii

A rua de Baixo, foi uma das primeiras existentes na cidade. Era a estrada que servia de ligação entre São Paulo e o sertão. Mais tarde, se tornou o principal centro comercial de Campinas. Muitos dos comerciantes ali instalados eram de origem portuguesa. Por isso em 1871 recebeu o nome de rua Lusitana.

Considerada, por seus moradores e negociantes, como uma das mais importantes da cidade, fazia juntamente com a rua Direita o eixo econômico cultural de Campinas.xiii

Observando o mapa abaixo, Campinas na segunda metade do século XIX, pode-se ver a localização dessas ruas – rua Lusitana (amarelo) e a então rua Direita (vermelho):


EMBED Word.Picture.8
A rua Direita e a rua Lusitana pertenciam à área central, provavelmente ambiente prestigiado pela elite econômica e cultural da cidade, pois reuniam símbolos de progresso, modernidade e de urbanização, como diversos tipos de lojas e abrigavam a sede do jornal mais antigo em circulação na cidade. O fácil acesso aos locais favoreceu o sucesso junto ao público. Possivelmente, as ruas eram caminhos com grande circulação de pessoas que transitavam pela cidade durante a realização de seus afazeres diários, fato que ajudou a divulgar as atividades ali desenvolvidas. Outras instituições estavam localizadas nessa área urbana, como as livrarias citadas nos almanaques para os anos de 1878 e 1886, que oportunamente serão estudadas.

Dentre as instituições voltadas para a leitura, destaca-se o Gabinete de Leitura, segundo fundado, de acordo com o jornalista português Zaluarxiv, no ano de 1861 com o nome de Recreio Literário Campineiro.

Segundo Ana Luiza Martins, os gabinetes de leitura eram redutos de correntes de pensamento liberais, contra o absolutismo e “comprometidos com suas lutas íntimas de oposição aos privilégios, buscando a liberdade, e pregando a igualdade e a fraternidade”xv. A diretoria do Gabinete de Leitura de Campinas, divulgada no Almanak de Campinas para 1873, evidenciava essa situação:
GABINETE DE LEITURAxvi

Presidente:

Dr. Francisco Quirino dos Santos, rua do Regente Feijó, nº 13

Bibliotecário – Joaquim Roberto Alves, rua Formosa, nº 49

Secretário – Alferes Carlos Alberto Bressane, Largo da Matriz Velha, 18

Tesoureiro – Francisco de Paula Simões dos Santos, largo da Matriz Velha, 28 A.

Tem esta sociedade uma biblioteca enriquecida de 1.000 e tantos volumes e exposta ao público todos os dias das 9 horas da manhã às 2 da tarde.
A presidência da Instituição era do Dr. Francisco Quirino dos Santos, conhecido como republicano na época, membro da maçonaria, presidente da Sociedade Promotora da Instrução (1870) e proprietário do jornal “Gazeta de Campinas”. Quirino dos Santos utilizava as páginas do jornal para manifestar suas opiniões, às vezes, isso ocorria sob um pseudônimo. Exaltava a existência de um espaço dedicado à leitura e criticava a falta de investimento do governo na questão estudantil da cidade. Ele estava envolvido com diferentes atividades culturais na cidade. Sempre defendia a República como forma de governo.

Na tese de doutorado de Nelson Schapochnikxvii, é reforçada a visão do Gabinete de Leitura associado a atividades políticas e econômicas:


Não raro, estes ambientes configuravam-se num teatro de operações no qual se estreitavam alianças financeiras, candidaturas e plataformas políticas eram tramadas, estimulavam-se intrigas entre concorrentes (...) estabeleciam-se compromissos matrimoniais. (SCHAPOCHNIK, 1999, p.38)
Pode-se inferir que o gabinete, além de divulgar e incentivar a leitura, tinha uma função política de divulgar a ideologia republicana a um número maior de pessoas. Dessa forma, com a chegada da República já não havia necessidade dessa instituição e por isso foi desativada. Mesmo contando com uma diretoria dedicada, o Gabinete de Leitura campineiro dissolveu-se em 1891, quando o país já vivia sob a forma de governo Republicano. Os livros da associação foram entregues ao município que mais tarde criou o “gabinete de Leitura” no edifício “Correa de Mello”, porém a instituição não participava efetivamente da vida cultural da cidade, caindo no esquecimento da população do centro considerado mais avançado da Província.

Em 1872 no almanaque campineiro foi publicada uma lista de dez páginas contendo o acervo do Gabinete de Leitura.xviii Observa-se que havia obras em português e em francês, em diferentes gêneros. Alguns títulos possuíam indicação do autor e outros não traziam essa referência. No total, são 378 títulos assim divididos:




GÊNEROS PRESENTES NO GABINETE DE LEITURA

Ano


1872

Romances

269

Poesia

16

História

25

Dicionários

07

Outros (Ciência; jornal; religião; direito)

61

Total


378

Os romances ocupam 71% do total do acervo, o que nos permite dizer que o interesse do público recai sobre esse gênero literário, já que um Gabinete de Leitura prima por atender os interesses de seus sócios. Tais obras eram de autores brasileiros, portugueses ou traduções, assim distribuídos:



ROMANCES


1-TRADUÇÕES

2-AUTORES PORTUGUESES

3-AUTORES BRAS.

4-OBRAS EM FRANCÊS

5-OBRAS SEM INDICAÇÃO DE AUTORIA

6-AUTORES COM APENAS UMA OBRA NO ACERVO

TOTAL

172

13

05

03

34

42

269

As tabelas abaixo foram compostas por autores que possuíam mais de duas obras no acervo do Gabinete de Leitura. Quanto ao restante dos títulos, ou seja, setenta e nove obras, referentes às colunas 4, 5 e 6, não há informações para uma análise detalhada no atual estágio da pesquisa.

As obras traduzidas compunham a categoria com maior número de livros. Os autores franceses eram a grande maioria nesse processo. Walter Scott e Fenimoore Cooper apareciam como os únicos representantes da língua inglesa no gênero “romance”. Pode-se observar na tabela abaixo como estavam distribuídos os títulos:
TRADUÇÕES


AUTOR

Nº DE OBRAS

DUMAS, Alexandre (pai)

54

SUE, Eugênio

23

KOCK, Paulo de

20

SCOTT, Walter

15

ALINCOURT

11

COOPER, Fenimoore

10

TERRAIL, Ponson du

10

SOULIÉ, Frederico

09

FEVAL, Paulo

06

COPENDU, Ernesto

05

HUGO, Victor

03

DUMAS, Alexandre (filho)

02

SAND, George

02

LE SAGE, M. C.

02

TOTAL

172

Muitos desses autores permanecem conhecidos atualmente, por exemplo, Victor Hugo e Walter Scott. Alguns são conhecidos, porém pouco valorizados pela academia, entre eles, Alexandre Dumas e Eugênio Sue. Outros foram esquecidos, como o caso de Ernesto Copendu.

No catálogo publicado no Almanak de Campinas há obras de literatura portuguesa. No total de treze títulos, representando aproximadamente 5% do total de livros do Gabinete de Leitura.

AUTORES PORTUGUESES


Autor

Número de obras

Almeida Garret

4

Camilo Castelo Branco

6

Alexandre Herculano

2

A. F. De Castilho

1

TOTAL

13

Constam nesta relação os primeiros autores românticos, Almeida Garret e Alexandre Herculano, com suas obras críticas e históricas; e, representando a segunda geração românica, há: Camilo Castelo Branco e Castilho, com textos poéticos.

Fazem parte desse catálogo apenas dois autores brasileiros com total de cinco títulos, representando aproximadamente 2% das obras presentes o Gabinete de Leitura.
AUTORES NACIONAIS


Autor

Número de Obras

Jose de Alencar

2

Joaquim Manoel de Macedo

3

TOTAL

5

As obras nacionais presentes no Gabinete de Leitura de autoria de Alencar são: O Guarani e Minas de Prata. O primeiro (O Guarani) traz a indicação de “romance nacional”, enquanto o segundo (Minas de Prata), dizia-se ser continuação do primeiro. Macedo aparecia com os títulos: A carteira do meu tio, O forasteiro e Vicentina. São autores do Romantismo brasileiro, momento em que o gênero “romance” estava fortalecido no Brasil.

Alencar e Macedo, autores consagrados da literatura nacional, estão presentes em inúmeras salas de aulas pelo país com suas obras, na atualidade. A Moreninha é agora a obra mais conhecida de Macedo, todavia não constava entre os títulos do Gabinete de Leitura. Vários livros de Alencar estão presentes nas atividades escolares da atualidade inclusive O Guarani, obra que estava relacionada no catálogo estudado em Campinas no final do século XIX.

O número de representantes da literatura nacional neste período é pequeno. Há presença predominante de autores franceses, quase todos traduzidos.

Os habitantes de Campinas não estavam limitados ao Gabinete de Leitura para entrar em contato com os impressos. Era possível montar sua própria biblioteca, podia-se comprar livros em lojas que vendiam de tudo e assim não ficar restritos às escolhas do bibliotecário responsável pelo Gabinete.

Na cidade, existiam lugares onde se vendiam diferentes mercadorias e também livros de literatura. Um desses espaços era a loja França Camargo & Irmão. No anúncio veiculado no Almanak de Campinas para 1871 há referencias à venda de livros:


21 – RUA DIREITA – 21

Largo do Rosário


França Camargo & Irmão
Neste estabelecimento se encontrará sempre completo sortimento de fazendas de , linho, seda e algodão, artigos de moda sempre do ultimo gosto, variado e bonito sortimento de armarinho, calçado para senhoras, homens e crianças, chapéos, livros impressos e em branco, papel e cartão de todas as qualidades, bem como outros artigos de escriptorio, chapéos de sol, roupa feita, panno de algodão de Itú, linhas para bordado, renda e crochet, rapé, cera, fundas, folhas para flores, e quinquilharia.

Chama-se a attençao dos srs. Consumidores para os preços, qualidade e novidade dos gêneros desta casa cuja divisa será sempre

BOA FÉ
21 – Rua Direita, em frente ao Rosário --- 21
CAMPINAS

A firma França Camargo & Irmão vendia diversos itens, inclusive livros impressos e em branco. A presença desse anúncio no almanaque permite dizer que a venda de livros não era realizada exclusivamente em livrarias. Lojas de variedades incluíam esse produto em seu depósito.

No Almanak de Campinas para 1878, surgia a categoria LIVRARIA, até então ausente da publicação. Por enquanto, não serão analisados esses espaços de circulação de livros. A prioridade , no momento, será a análise de alguns anúncios presentes no periódico local.

No jornal Gazeta de Campinas, circulavam anúncios de venda de livros, mesmo quando não havia registro de livrarias tradicionais na cidade. Os livros poderiam ser adquiridos na Typografia da Gazeta de Campinas. Acredita-se que no local funcionava uma pequena livraria que atendia os interesses dos leitores da região. A loja encontrava-se na esquina das ruas Formosa e De Baixo (posteriormente denominada Lusitana). O endereço não aparece expresso no anúncio, somente no almanaque no item referente a tipografias.

A princípio, poucos títulos são anunciados. Com o decorrer dos anos essa realidade se altera, o número de anúncios e a quantidade de obras anunciadas aumentam significativamente, como se pode observar:

LIVROSxix


N’esta typografia acham-se á venda os seguintes:

Vingança, Romance por C. Castelo Branco. 1 v. encad. 2$500

Duas épocas na vida, idem, idem idem 1 v. encad. 2$000

Um drama nas montanhas 1 v. broch. 1$500

Paulo e seu cão, por Paulo de Kock 5$000

Historia d’um morto contada por elle mesmo, 1v. encad. 1$500

Pedro Cem, drama por Burgain 1 v. broch. 2$000

A mesa que dansa e a mesa que responde 1$500

Jerusalém Libertada, por Torquarto Tasso 1 v. encad. 5$000
Em quinze de fevereiro de 1872, eram divulgadas oito obras no jornal. Dentre os títulos, pelo menos quatro, eram de romances, ou seja, 50% dos volumes oferecidos pertenciam ao gênero, realçando, dessa forma, o interesse da população por esse tipo de leitura. Curiosamente, os exemplares mais baratos não possuem nome do autor. O suporte do texto deveria ser importante para o leitor, pois havia referência ao tipo de encadernação da maioria dos exemplares oferecidos.

Sente-se a falta de autores nacionais, já que nesse anúncio não havia menção a obras escritas por brasileiros.

Em 1874, o número de anúncios aumentou significativamente. Numa mesma edição, existiam três propagandas da Typografia da Gazeta oferecendo diversos títulos ao público leitor.

A edição de primeiro de janeiro de 1874 publicou duas vezes o mesmo anúncio em páginas diferentes. Seguem abaixo as informações constantes nestes anúncios:



LIVROSxx

A venda na Typ. Da “Gazeta”
O Bom Sr. Leitão, por Kock Junior 1$

Um marido por um pé de meia 1$600

Obras completas d’Alvares de Azevedo 9$

Poesias de Casimiro de Abreu 3$

Gaboriau – Desmoronamento, 5v 12$500

“ A corda na garganta 5v 5$

“ A vida infernal 6v 6$
Poetas nacionais, estavam presentes na listagem. Estes nomes, Álvares de Azevedo e Casimiro de Abreu, ocupam hoje lugar de destaque na literatura brasileira e estão presentes nas histórias literárias que circulam no universo escolar.

Nesta listagem havia, também, a presença de um dos primeiros autores de romance policial, Émile Gaboriau, que criou um policial francês, Monsieur Lecoq, personagem que solucionava casos misteriosos de forma lógica. De acordo com sua biografia, alcançou grande popularidade na época. Talvez, isso explique o custo de suas obras e o número de títulos anunciados.

Na mesma coluna, havia um anúncio exclusivo de romances, como se pode ver:

Sortimento de Romancesxxi

Alencar – Minas de Prata – 6v. Br. 12$

“ Guarany – 2v. encad. 8$

“ Garatuja, 2$

“ O ermitão da Gloria, 2$

“ Cinco minutos – A viuvinha, enc. 3$

“ Til, 4v., br 4$

Guimarães Junior – Curvas e Zig Zags enc. 3$ Br 2$

“ Filagranas enc, 3$ Br 2$

Senio – Sonhos d’ouro 2v. Br 4$

“ Tronco do Ipê, 2v. Br. 4$

“ O gaúcho, 2v. Br. 4$

“ A pata da Gazela, 2$

“ A guerra dos mascates, 2$

A namoradeira, 3 vol. Brochados 6$000

Vicentina, 3vol. Br. 5$000

Um noivo e duas noivas, 3 vol. Br. 6$000

O forasteiro, 3vol Br. 5$000

VENDE-SE NA TYPOGRAFIA DA GAZETA DE CAMPINAS
Somando-se os dois anúncios, constavam vinte e quatro títulos. Duas obras pertenciam à Poesia, as outras (vinte e duas) estavam ligadas ao gênero romance. O número de obras de autores nacionais é superior às estrangeiras, como se pode observar:


AUTORES NACIONAIS

NÚMERO DE OBRAS

José de Alencar

11

Joaquim Manoel de Macedo

04

Guimarães Júnior

02

Álvares de Azevedo (poesia e prosa)

01

Casimiro de Abreu (poesia)

01

TOTAL

19




AUTORES ESTRANGEIROS

NÚMERO DE OBRAS

Émile Gaboriau

03

Kock Júnior

01

TOTAL

04

A presença marcante de autores românticos denota a popularidade dos autores daquela Escola literária junto ao público leitor. A construção da identidade nacional enfatizada naquelas obras, provavelmente contribuiu para fortalecer esse entusiasmo frente aos autores românticos.

Guimarães Júnior, não se enquadra totalmente nessa análise. Seus escritos não alcançaram a mesma repercussão que os de seus contemporâneos.

É interessante notar que no anúncio Sortimento de Romances as obras de Alencar estavam divididas em dois grupos, no primeiro, constava seu nome como autor dos textos, no segundo, ele era referido a partir de seu pseudônimo: Sênio.

No mesmo anúncio, os quatro últimos romances – A namoradeira, Vicentina, Um noivo e duas noivas e O Forasteiro – não apresentaram o nome de seu autor, Joaquim Manoel de Macedo. Quem sabe, as obras fossem bem conhecidas do grande público e dispensavam a menção de seu nome.

Os resultados até aqui apresentados, permitem ter esperanças de que seja possível traçar os caminhos que as obras literárias, especificamente os romances, percorreram na cidade de Campinas, assim como, desenhar o perfil dos leitores daquela época.




BIBLIOGRAFIA
ABREU, Márcia Azevedo. Os caminhos dos livros. Campinas, Mercado de Letras, 2003.
BARCELOS, Henrique de. Almanach do Correio de Campinas para 1886. Campinas, Typ. do Correio, 1885.
CARDONA, Francisco, ROCHA, José. Almanach de Campinas (Litterario e Estatísitco), Primeiro Anno. Campinas, Typ. Cardona, 1891.
COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à República: dois momentos decisivos. São Paulo Grijalbo, 1977.-
FERREIRA, Carlos, SILVA, Hypolito da. Almanach Popular de Campinas para o anno de 1879. Segundo anno. Campinas, Typ. Da Gazeta, 1878.
GALZERANI, Maria Carolina Bovério. O Almanaque, a Locomotiva da Cidade Moderna. IFCH – UNICAMP. Campinas, 1998 (tese de doutorado)
GOULART, Edmo. Campinas – Ruas da época imperial. Campinas. Editora Maranata. 1983
LAPA, José Roberto do Amaral. A cidade, Os cantos e os Antros: Campinas 1850-1900 – São Paulo: Edusp, 1996
LISBOA, José Maria. Almanak de Campinas para 1871. Campinas, Typ. Da Gazeta, 1870.
_________. Almanak de Campinas e do Amparo para 1872 (bissexto). Campinas, Typ. Da Gazeta, 1872.
_________. Almanak de Campinas e de São João de Rio Claro para 1873, Ano III. Campinas, Typ. Da Gazeta, 1872.
MARTINS, Ana Luiza. Gabinetes de Leitura da Província de São Paulo: a pluralidade de um espaço esquecido (1847 – 1890). São Paulo, FFLCH-USP, 1990, (dissertação de mestrado)
SCHAPOCHNIK, Nelson. Os jardins das delícias: Gabinetes Literários, Bibliotecas e Figurações da Leitura na Corte Imperial.São Paulo, FFLCH-USP, 1999 (tese de doutorado)
SILVA, Hypolito da. Almanak Popular para o anno de 1878. 1º anno. Campinas, Typ. Da Gazeta, 1877.

NOTAS




i Este trabalho está na fase de coleta de dados, por isso as informações são parciais.

ii LAPA, José Roberto do Amaral. A cidade, Os cantos e os Antros: Campinas 1850-1900 – São Paulo: Edusp, 1996

iii COSTA, Emília Viotti da. Da monarquia à República: dois momentos decisivos. São Paulo Grijalbo, 1977

iv GALZERANI, Maria Carolina Bovério. O Almanaque, a Locomotiva da Cidade Moderna. Tese de Doutorado/IFCH. 1977

v Informações obtidas no Almanak de Campinas para 1872

vi Informações obtidas no Almanak de Campinas para 1878

vii Informações obtidas no Almanak de Campinas para 1886.

viii Informação presente no Almanak de Campinas para 1873

ix Informação presente no Almanak de Campinas para 1873

x Anúncio publicado no jornal Gazeta de Campinas em 27 de abril de 1873.

xi Informação divulgada no Almanak de Campinas para 1886.

xii GOULART, Edmo. Campinas – Ruas da época imperial. Campinas. Editora Maranata. 1983 p. 20

xiii GOULART, Edmo. Campinas – Ruas da época imperial. Campinas. Editora Maranata. 1983 pp. 17-18

xiv MARTINS, Ana Luiza. Gabinetes de Leitura da Província de São Paulo: a pluralidade de um espaço esquecido (1847 – 1890). São Paulo, FFLCH-USP, 1990, (dissertação de mestrado)

xv MARTINS, 1990, p. 43

xvi Informações obtidas no Almanak de Campinas para 1873.

xvii SCHAPOCHNIK, Nelson. Os jardins das delícias: Gabinetes Literários, Bibliotecas e Figurações da Leitura na Corte Imperial.São Paulo, FFLCH-USP, 1999 (tese de doutorado).

xviii Quanto à composição do acervo, não há outra listagem publicada em nenhum dos demais exemplares dos almanaques que se seguiram até o final do século XIX.

xix Gazeta de Campinas 15/02/1872

xx Anúncio repete-se duas vezes, nas páginas 3 e 4 da Gazeta de Campinas 01/01/1874

xxi Gazeta de Campinas 01/01/1874 – pág. 3





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal