Rumi a hospedaria



Baixar 251,03 Kb.
Página2/4
Encontro03.05.2017
Tamanho251,03 Kb.
1   2   3   4




Machado - Ontem à Noite

Ontem à noite, enquanto eu dormia,


eu sonhei – erro maravilhoso!
que uma fonte estava jorrando
de meu coração.
Eu disse: ao longo de que aqueduto secreto,
oh água, você está vindo a mim,
água de uma nova vida que eu nunca bebi?

Ontem à noite, enquanto eu dormia,


eu sonhei – erro maravilhoso!
que eu tinha uma colméia aqui dentro do meu coração.
E as abelhas douradas
estavam fazendo favos brancos
e doce mel de meus fracassos.

Ontem à noite, enquanto eu dormia,


eu sonhei – erro maravilhoso!
que um sol ardente estava dando
luz dentro do meu coração.
Ele era ardente porque eu senti
o calor como se fosse de uma fogueira
e sol, porque iluminava
e trouxe lágrimas aos meus olhos.

Ontem à noite, enquanto dormia,


eu sonhei – erro maravilhoso!
que era Deus que eu tinha
aqui dentro do meu coração.

Machado - Last Night

Last night, as I was sleeping


I dreamt—marvelous error!—
That a spring was breaking
out in my heart.
I said: Along which secret aqueduct,
Oh water, are you coming to me,
Water of a new life
That I have never drunk?

Last night, as I was sleeping,


I dreamt—marvelous error!—
That I had a beehive
Here inside my heart.
And the golden bees
Were making white combs
And sweet honey
From my old failures.

Last night, as I was sleeping,


I dreamt—marvellous error!—
That a fiery sun was giving
Light inside my heart.
It was fiery because I felt
Warmth as from a hearth,
And sun because it gave light
And brought tears to me eyes.

Last night, as I slept,


I dreamt—marvelous error!—
That it was God I had
Here inside my heart

Machado - O Vento num Dia Brilhante

O vento, num dia brilhante, chamou


minha alma com um cheiro de jasmim.

- Em troca do cheiro do meu jasmim


eu gostaria do cheiro de todas as suas rosas.

- Eu não tenho rosas, todas as flores


no meu jardim estão mortas.

- Bem, então eu levarei todas as pétalas murchas


e as folhas amarelas e as águas da fonte.

O vento partiu. E eu chorei. E disse a mim mesmo:


“O que você fez com o jardim
que lhe foi confiado?”

Machado - The Wind, One Brilliant Day

The wind, one brilliant day, called


to my soul with an odour of jasmine.

“In return for the odour of my jasmine


I’d like the odour of your roses”

“I have no roses; all the flowers


in my garden are dead.”

“Well then I’ll take the withered petals


and the yellow leaves and the waters of the fountain”

The wind left. And I wept. And I said to myself:


“What have you done with the garden that was entrusted to you?”

Apolinário

Ele disse


Venham para a beirada,
eles disseram
estamos com medo.
Venham para a beirada ele disse,
eles vieram,
e ele os empurrou
e eles voaram.

Apollinaire (attrib) Come to the edge

Apollinaire said:


"Come to the edge.
We might fall.
Come to the edge.
It's too high!
Come to the edge.
And they came,
and we pushed,
And they flew."

Bengali - Hino a Kali

Pois como tu amas a terra em brasas, oh Kali


Fiz de meu coração uma terra em brasas, para ti
Ali, Tu, que ès a Escura, a assombradora da terra em brasa,
Que tu possas dançar tua dança eterna
Nada resta no coração, oh Mãe
A pira funeral incandesce dia e noite:
Aqui, mantenho preparadas para tua chegada
As cinzas dos mortos espalhadas por toda volta
Venha, venha: dance tua dança rítmica
Com Mahakala, o conquistador da morte sob teus pés-
Venha, meus olhos estão cerrados; venha!
Que eu possa contemplar teu rosto aterrador!

Bengali - Hymn to Kali

Because you love the burning ground, O Kali


I have made for you a burning ground of my heart.
There, O Dark One, haunter of the burning ground,
May you dance your eternal dance
There is nothing left in heart, O Mother
Day and night the funeral pyre blazes:
Here, prepared for your coming I have kept
The ashes of the dead strewn all around
Come, come: dance your rhythmic dance
With Mahakala, conqueror of death beneath your feet-
Come, my eyes are closed; come!
Let me contemplate your awesome face!

Bhagavad Gita

Sri Krishna

Tuas palavras são sábias Arjuna, mas tua tristeza não serve de nada. O verdadeiro sábio não se lamenta nem pelos vivos nem pelos mortos.

Nunca houve um tempo em que Eu não existisse, nem tu ou nenhum desses reis. Nem há futuro algum em que cessaremos de ser.

Assim como aquele que habita esse corpo passa pela infância, juventude e velhice, assim na morte ele simplesmente passa para uma outra espécie de corpo. O sábio não é enganado por isso.

Senbtimentos de calor e frio, prazer e dor, sau sao causados pelo contato dos sentidos com seus objetos. Eles vêm e vão, nunca demorando muito. Tu deves aceitá-los.

Um espírito sereno aceita prazer e dor com igualdade de mente, e não é afetado por nenhum deles. Só este merece a imortalidade.

Aquilo que é não existente, não pode nunca vir a ser, e aquilo que e nao pode nunca deixar de ser. Aqueles que conheceram a realidade recôndita sabem também a natureza de ser ou não ser.


Bhagavad Gita

Sri Krishna

Your words are wise, Arjuna, but your sorrow is for nothing.


The truly wise mourn neither for the living nor the dead

There never was a time when I did not exist, nor you, nor any of these kings. Nor id there any future when we shall cease to be.

Just as the dweller in the body passes through childhood, youth and old age, so at death he merely passes into another kind of body. The wise are not deceived by this

Feelings of heat and cold, pleasure and pain are caused by contact of the senses with their objects. They come amd they go, never lasting long. You must accept them

A serene spirit accepts pleasure and pain witn an open mind and is unmoved by either. He alone is worthy of immortality

That which is non-existent can never come into being


And that which is can never cease to be. Those who have known the inmost reality know also the nature of is and is not

Krishna fala:

Aquele que arde de felicidade


e sofre a tristeza
de cada criatura
dentro de seu próprio coração
fazendo própria
cada felicidade e cada tristeza,
a ele Eu considero o mais elevado
de todos os iogues.

Minha face é igual


para toda a criação.
A nenhum outro amando
nem odiando ninguém.

Embora um homem esteja maculado


pelos pecados de uma vida inteira,
se ele apenas me amar
com determinação correta,
em total devoção
Eu não vejo nenhum pecado,
este homem é santo.
A santidade logo
remodelará sua natureza
para a paz eterna:
Ó filho de Kunti,
disto esteja certo:
O homem que me ama,
não perecerá.

Krishna speaks:

Who burns with the bliss


And suffers the sorrow
Of every creature
Within his own heart
Making his own
Each bliss and each sorrow
Him I hold the highest
Of all the yogis

My face is equal


To all creation
Loving no one
Nor hating any

Though a man be soiled


With his sins of a lifetime
Let him but love me
Rightly resolved
In matter devotion
I see no sinner,
that man is holy
Holiness soon shall
Refashion his nature
To peace etenral
O Son of Kunti,
Of this be certain
The man whop loves me
He shall not persih

Krishna fala

Trajes usados


são lançados fora pelo corpo,
corpos usados
são deixados pelo morador.
Dentro do corpo:
Novos corpos são colocados
pelo morador, como vestes.

Não é ferido por armas.


Não é queimado por fogo.
Não é seco pelo vento.
Não é molhado pela água:
Assim é o Atman.                     [O Si-Mesmo]

Não fica seco, nem fica molhado.


Não é queimado, nem ferido.
O mais recôndito elemento,
em todo lugar, sempre,
ser dos seres,
imutável, eterno,
para todo o sempre.

Krisna speaks

Worn out garments


Are shed by the body:
Worn out bodies
Are shed by the dweller
Within the body.
New bodies are donned
By the dweller, like the garments.

Not wounded by weapons,


Not burned by fire,
Not dried by the wind,
Not wetted by water:
Such is the Atman.                     [the Self]

Not dried, not wetted,


Not burned, not wounded,
Innermost element,
Everywhere, always,
Being of beings,
Changeless, eternal,
For ever and ever.

Blake - Uma Árvore de Veneno

Zanguei-me com meu amigo:


Falei de minha ira, minha ira cessou.
Zanguei-me com meu inimigo:
Não falei de minha ira, minha ira aumentou.

E a reguei de alma sombria com medos,


Com meu pranto noite e dia
E a expus ao sol com sorrisos,
E com artifícios desonestos.

E cresceu noite e dia.


Dando luzente maçã;
Ao ver o brilho que tinha,
E sabendo que era minha,

Veio o inimigo ao pomar


Após a noite tombar.
Bem cedo o vi, com agrado,
Ao pé da árvore estirado.

Blake - A Poison Tree

I was angry with my friend


I told my wrath, my wrath did end.
I was angry with my foe:
I told it not, my wrath did grow

And I watered it in fears


Night and morning with my tears;
And I sunnèd it with smiles
And with soft deceitful wiles.

And it grew both day and night,


Till it bore an apple bright;
And my foe beheld it shine
And he knew that it was mine.

And into my garden stole


When the night had veiled the pole:
In the morning glad I see
My foe outstretch’d beneath the tree.

William Blake - Alegria e dor

O homem foi criado para alegria e dor


E quando conhecemos esse sabor
Seguros saímos pelo mundo com amor.
Alegria e dor são tecidos finos
Que vestem os espíritos divinos.

William Blake - Joy and woe

Man was made for joy and woe;


And when this we rightly know
Thro’ the world we safely go.
Joy and woe are woven fine,
A clothing for the Soul divine

O Buda - Com o olhar celestial

Com o olhar celestial purificado e além da capacidade humana, eu vi como seres desaparecem e voltam a ser novamente. Eu vi o superior e o inferior, o brilhante e o insignificante, e como cada um recebe de acordo com seu Carma, um nascimento favorável ou doloroso.



Buddha - With the Heavenly Eye

With the heavenly eye, purified and beyond range of human vision, I saw how beings vanish and come to be again. I saw high and low, brilliant and insignificant, and how each obtained according to karma, a favorable or painful rebirth.



O Buda - Esse mundo transitório

Assim devemos pensar desso mundo transitório:


Uma estrela no amanhecer, uma bolha em um riacho
Um flash de relâmpago em uma nuvem de verão
Uma luz tremeluzindo, um fantasma e um sonho.

Buddha - This Fleeting World

Thus should we think of this fleeting world:


A star at dawn, a bubble in a stream
A flash of lightening in a summer cloud
A flickering lamp, a phantom and a dream.

Budista Tibetana - Viva como um Leão

Assim como uma abelha suga o néctar


de todos os tipos de flores,
busque ensinamentos em toda a parte.

Como uma gazela que encontra um lugar tranqüilo para pastar, busque a solidão para digerir tudo o que você juntou.

Como um louco além de todos os limites, vá para aonde quiser e viva como um leão, completamente liberto de todo medo.


Buddhist Tibetan - Live Like a Lion

As a bee sucks nectar from all kinds of flowers,


seek teachings everywhere;

Like a deer that finds a quiet place to graze,


Seek seclusion to digest all that you have gathered;

Like a madman beyond all limits, go wherever you please,


And live like a lion, completely free from fear

O Buda - Viva com alegria

Viva com alegria


Amorosamente
Mesmo entre aqueles que odeiam

Viva com alegria


Com saúde
Mesmo entre aqueles que sofrem

Viva com alegria


Em paz
Mesmo entre os pertubados

Olha para seu interior


Permaneça sereno
Livre do medo e do apego,
E conhece a doce alegria do Caminho

Buddha - The sweet joy of the way

Live in joy,


In love,
Even among those who hate.

Live in joy,


In health,
Even among the afflicted.

Live in joy,


In peace,
Even among the troubled.

Look within.


Be still.
Free from fear and attachment,
Know the sweet joy of the way.

Chekhov - Nos descansaremos

Vanya: Minha criança, trago tanto peso no coração! Se ao menos você soubesse como dói meu coração!

Sonia: Bem, o que podemos fazer? Temos que seguir vivendo, tio Vanya. Viveremos uma longa, longa sucessão de dias, e noites tediosas. Sofreremos pacientemente as tribulações que o Destino nos impõe; trabalharemos para os outros, agora em nossa idade avançada, e não teremos descanso. Quando chegar nossa hora, morreremos de forma submissa, e lá, além do túmulo, diremos que sofremos, e que lamentamos, que tivemos uma vida amarga, e Deus terá piedade de nós. E então, tio querido, ambos começaremos a conhecer uma vida luminosa e bela, e encantadora. Nos rejubilaremos e olharemos para estes nossos problemas do passado com sentimentos ternos, com um sorriso – e teremos descanso! [...]

Teremos descanso! Escutaremos os anjos, veremos todos os céus repletos de estrelas como diamantes, e veremos todos os males terrenos, todos os nossos sofrimentos, serem varridos para longe pela graça que cairá sobre o mundo, e nossas vidas se tornarão pacíficas, suaves e doces como uma carícia.


Eu acredito. Eu acredito nisso...

Pobre tio Vanya, você está chorando... Você não teve alegria em sua vida, mas espere, tio Vanya, espere... nós descansaremos... nós descansaremos!


Nós descansaremos!

Tio Vanya (Linhas Finais)



Chekhov - We shall rest

Vanya My child, there’s such a weight on my heart! Oh, if only you knew how my heart aches!

Sonya Well, what can we do? We must go on living, Uncle Vanya. We shall live through a long, long succession of days and tedious evenings. We shall suffer patiently the trials which Fate imposes on us; we shall work for others, now and in our old age, and we shall have no rest. When our time comes we shall die submissively, and over there, beyond the grave, we shall say that we’ve suffered, and that we’ve wept, that we’ve had a bitter life, and God will sake pity on us. And then, Uncle dear, we shall both begin to know a life that is bright and beautiful, and lovely. We shall rejoice and look back at these troubles of ours with tender feelings, with a smile - and we shall have rest! ….

We shall rest! We shall hear the angels, we shall see all the heavens covered with stars like diamonds, we shall see all earthly evil, all our sufferings swept away by the grace which will fill the whole world, and our life will become peaceful, gentle, and sweet as a caress.


I believe. I believe it….

Poor Uncle Vanya, you’re crying…. You’ve had no joy in your life, but wait, Uncle Vanya, wait… We shall rest…We shall rest! We shall rest!

Uncle Vanya (Closing Lines)


Eliot - Este caminho é desconhecido

[Este caminho] é desconhecido, e portanto, exige fé


O tipo de fé que provém do desespero.
O ponto de chegada não pode ser descrito;
Você saberá muito pouco enquanto não chegar lá.
sua viagem será às cegas.
Mas o caminho conduz à posse
daquilo que você buscou no lugar errado.

Eliot - You will journey blind

[The way] is unknown and so requires faith


The kind of faith that issue from despair
The destination cannot be described;
You will know very little until you get there
You will journey blind.
But the way leads towards possession
Of what you have sought for in the wrong place

Eliot - Morremos com os agonizantes

O que nós chamanos o começo e muitas vezes o fim


E fazer um fim e fazer um começo
O fim é o lugar de onde partimos.
E cada frase ou sentença de rigor….
Cada frase e cada sentença são um fim e um princípio,
Cada poema um epitáfio. E qualquer ação é um passo rumo ao todo, ao fogo, uma descida à garganta do mar ou à pedra indecifrável – e daí é que partimos.
Morremos com os agonizantes:
Vê, eles nos deixam, e com eles seguimos.
Nascemos com os mortos:
Vê, eles retornam, e nos trazem consigo.
O momento da rosa e o momento do teixo
Igual duração possuem. Um povo sem história
Não está redimido do tempo, pois a História é o modelo
Dos momentos sem tempo. Assim, enquanto a luz declina
Numa tarde de inverno, numa capela reclusa
A História é agora e Inglaterra.
                              Quatro Quartetos

Eliot - We die with the dying

What we call the beginning is often the end


And to make an end is to make a beginning.
The end is where we start from.
And every phrase and sentence that is right, …
Every phrase and every sentence is an end and a beginning,
Every poem an epitaph. And any action
Is a step to the block, to the fire, down the sea’s throat
Or to an illegible stone: and that is where we start.
We die with the dying:
See, they depart, and we go with them.
We are born with the dead:
See, they return, and bring us with them.
The moment of the rose and the moment of the yew-tree
Are of equal duration. A people without history
Is not redeemed from time, for history is a pattern
Of timeless moments. So, while the light fails
On a winter’s afternoon, in a secluded chapel
History is now and England.
                              Four Quartets Little Gidding

Ghalib - Para o pingo de chuva

Para o pingo de chuva, a alegria está em entrar no rio.


A dor insuportável torna-se a sua própria cura.
Viaje o mais que puder dentro da tristeza, as lágrimas viram sussurros;
Desta maneira aprendemos como a água pode morrer no ar.
Quando, após uma tempestade, as nuvens se dispersam,
não parece que elas se desaguaram límpidas no final?
Se você quer conhecer o milagre, de como o vento pode polir um espelho,
Olhe: o vidro brilhante que verdeja na primavera.
É o desabrochar da rosa, Ghalib, que cria o desejo de ver –
Em cada cor e circunstância, possam os olhos estar abertos para o que vier.

Ghalib - For the Raindrop

For the raindrop, joy is in entering the river.


Unbearable pain becomes its own cure.
Travel far enough into sorrow, tears turn to sighing;
In this way we learn how water can die into air.
When, after heavy rain, the storm clouds disperse,
Is it not that they’ve wept themselves clear to the end?
If you want to know the miracle, how wind can polish a mirror,
Look: the shining glass grows green in spring.
It’s the rose’s unfolding, Ghalib, that creates the desire to see -
In every color and circumstance, may the eyes be open for what comes.

Hafiz - Um dia, o sol admitiu

Um dia, o sol admitiu:


Sou apenas uma sombra,
quisera poder mostrar-te
a infinita incandescência
que lançou minha imagem brilhante.
Quisera poder mostrar-te,
quando você se sentir só ou na escuridão,
a surpreendente luz
do seu próprio ser.

Hafiz - One day the sun admitted

One day the sun admitted:


I’m just a shadow.
I wish I could show you
The infinite incandescence
That has cast my brilliant image.
I wish I could show you,
When you are lonely or in darkness
The astonishing light
Of your own being

Hafiz - Aprofundando a Maravilha

A Morte é um favor para nós,


mas nossas balanças perderam seu equilíbrio.

A impermanência do corpo


deveria dar-nos grande clareza,
aprofundando em nossos olhos e sentidos
a maravilha desta misteriosa existência que partilhamos
e pela qual certamente estamos apenas passando.

Se eu estivesse na Taberna essa noite


Hafiz pediria bebidas

e enquanto o Mestre enchesse os copos, eu seria lembrado


que tudo o que sei da vida e de mim próprio é que
nos somos apenas um vôo de vinho dourado
entre seu jarro e seu copo.

Se eu estivesse na Taberna essa noite


pagaria uma rodada a todos neste mundo
porque o nosso casamento com a beleza cruel
do tempo e do espaço não pode durar muito.

A Morte é um favor para nós,


mas nossas mentes perderam seu equilíbrio.

A existência milagrosa e a impermanência da forma


sempre fazem dançar e cantar aos Iluminados

Hafiz - Deepening The Wonder

Death is a favor to us,


But our scales have lost their balance.

The impermanence of the body


Should give us great clarity,
Deepening the wonder in our senses and eyes
Of this mysterious existence we share
And are surely just traveling through.

If I were in the Tavern tonight,


Hafiz would call for drinks

And as the Master poured I would be reminded


That all I know of life and myself is that
We are just a midair flight of golden wine
Between His Pitcher and His Cup.

If I were in the Tavern tonight,


I would buy freely for everyone in this world
Because our marriage with the Cruel Beauty
Of time and space cannot endure very long.

Death is a favor to us,


But our minds have lost their balance.

The miraculous existence and impermanence of form


Always makes the illumined ones
Laugh and sing.

Hesse - Ao dormir

Muito cansado pelo longo dia


Que meu desejo saudoso
Seja, como criança cansada,
Acolhido pela noite estrelada

Mãos deixem todo fazer


Fronte esqueça todo pensar
Todos meus sentidos agora
Querem em repouso calar

E a alma sem guardas


Quer com asas libertas flutuar
Para no encantado círculo da noite
Profunda e eternamente estar.

Hesse - On Going to Sleep

Now wearied by the daily race


A tired child, so full of yearning
For the starry Night’s embrace
In kindly arms, the heavens turning.

Hand, now loose all busy making


Brow, let fall all chasing thought
Now every sense is full of aching
To be received in slumber’s court

And the soul, now freed by sleep


Longs to soar on wings of light
To live a thousand fold and deep
The magic circle of the night.

Hildegard de Bingen - Santo Espírito

Santo Espírito


dando vida a toda a vida,
movendo todas as criaturas,
raiz de todas as coisas,
lavando-as límpidas,
apagando seus erros,
curando suas feridas;
És nossa verdadeira vida,
luminoso, maravilhoso,
despertando o coração
de seu sono tão antigo.

Hildegard of Bingen - Holy Spirit

Holy Spirit,


Giving life to all life,
Moving all creatures,
Root of all things,
Washing them clean,
Wiping out their mistakes,
Healing their wounds,
You are our true life,
Luminous, wonderful,
Awakening the heart
From its ancient sleep

Kabir - A purificação simples

Discípulo faça a purificação simples,


Você sabe que a semente está dentro da árvore de castanha da índia;
e dentro da semente estão as flores da árvore,
e as castanhas e a sombra.
Portanto dentro do corpo humano existe a semente e
dentro da semente existe de novo um corpo humano [....]

Pensadores, ouçam, digam-me


o que conhecem que não esteja dentro da alma?
Peguem uma jarra de água e esta jarra dentro da água -
agora ela tem água dentro e fora.
Não devemos dar a isto um nome,
a não ser que pessoas tolas comecem, mais uma vez, a falar a respeito do corpo e da alma...

Se você quiser a verdade lhe digo a verdade,


ouça o som secreto o verdadeiro som,
Aquele que está dentro do teu corpo,
Aquele do qual ninguém fala, fala do som secreto para si mesmo, e ele é aquele que faz tudo.

Kabir - The Simple Purification

Student, do the simple purification.


You know that the seed is inside the horse-chestnut tree;
and inside the seed are the blossoms of the tree, and the
chestnuts and the shade.
So inside the human body there is the seed and inside the seed
there is the human body again.

Thinkers, listen, tell me what you know of that is not inside the soul?


Take a pitcher of water and set it down on the water -
now it has water inside and water outside.
We mustn’t give it a name,
lest silly people start talking again about the body and the soul.

If you want the truth, I’ll tell you the truth:


Listen to the secret sound, the real sound, which is inside you.
The one no one talks of speaks the secret sound to himself,
and he is the one who has made it all.

Hino a Kali

Pois como tu amas a terra em brasas, oh Kali


Fiz de meu coração uma terra em brasas, para ti
Ali, Tu, que és a Escura, a assombradora da terra em brasa,
Que tu possas dançar tua dança eterna
Nada resta no coração, oh Mãe
A pira funeral incandesce dia e noite:
Aqui, mantenho preparadas para tua chegada
As cinzas dos mortos espalhadas por toda volta
Venha, venha: dance tua dança rítmica
Com Mahakala, o conquistador da morte sob teus pés
Venha, meus olhos estão cerrados; venha!
Que eu possa contemplar teu rosto aterrador!

Hymn to Kali Bengali

Because you love the burning ground, O Kali


I have made for you a burning ground of my heart.
There, O Dark One, haunter of the burning ground,
May you dance your eternal dance
There is nothing left in heart, O Mother
Day and night the funeral pyre blazes:
Here, prepared for your coming I have kept
The ashes of the dead strewn all around
Come, come: dance your rhythmic dance
With Mahakala, conquerer of death beneath your feet
Come, my eyes are closed; come!
Let me contemplate your awesome face!

Lao Tsu - O bom viajante

O bom viajante não tem planos fixos


e não tem a intenção de chegar.
O bom artista deixa sua intuição
guiá-lo aonde quiser.
O bom cientista já se livrou dos conceitos
e deixa sua mente aberta para o que é.

Assim, o mestre está disponível para todos,


e não rejeita ninguém.
Ele está pronto para usar todas as situações,
e não desperdiça nada.
Isso se chama incorporar a luz.

O que é um bom homem


A não ser o professor de um mau homem?
O que é um mau homem
A não ser o trabalho de um bom homem?
Se você não compreender isso, você se perderá,
Não importa quão inteligente sejas.
É o grande segredo.

Lao-tsu - A good traveler

A good traveler has no fixed plans


And is not intent upon arriving
A good artist lets his intuition
Lead him wherever it wants
A good scientist has freed himself of concepts
And keeps his mind open to what is

Thus the Master is available to all people


And doesn’t reject anyone.
He is ready to use all situations
And doesn’t waste anything.
This is called embodying the light.

What is a good man but a bad man’s teacher?


What is bad man but a good man’s job?
If you don’t understand this you will get lost,
However intelligent you are
It is the great secret.

Lao Tse - Todas as coisas no universo

Todas as coisas no universo se movem do sutil ao manifesto e vice-versa


Seja a forma de uma estrela ou de uma pessoa, o processo é o mesmo
Primeiro a energia sutil existe
A seguir, ela se manifesta e adquire vida
Depois de um tempo, a vida finda, mas a energia sutil prossegue, retornando ao reino sutil, onde permanesce, ou mais uma vez se ligando a coisas manifestas.

O caráter da existencia de uma pressão é determinado pelas energias as quais ela se vincula.


Conectando-se com energias grosseiras - amando tal pessoa, odiando aquele grupo, rejeitando uma experiência e habitualmente indulgente com outra - ela será então levada a uma série de vidas atreladas, pesadas. Isso pode continuar por um longo e enfadonho tempo.

O caminho do ser integral é unir-se a coisas elevadas.


Mantendo-se ligado aquilo que é refinado e sutil, ele atravessa reinos refinado e sutis. Se ele penetra no mundo, faz isso suavamente, sem apego

Dessa maneira ele pode ir a qualquer lugar sem jamais deixar o centro do universo.



Lao-tsu - All things in the universe

All things in the universe move from the subtle to the manifest and back again.


Whether the form is that of a star or a person, the process is the same.
First, the subtle energy exists.
Next, it becomes manifest and takes on life.
After a time, the life passes away, but the subtle
Energy goes on, either returning to the subtle realm, where it remains, or once again attaching to manifest things.

The character of your existence is determined by the energies to which you connect yourself.


If you attach yourself to gross energies - loving this person, hating that clan, rejecting one experience or habitually indulging in another - then you will lead a series of heavy, attached lives.
This can go on for a very long and tedious time.

The way of the integral being is to join with higher things.


By holding to that which is refined and subtle, she traverses refined and subtle realms.
If she enters the world, she does so lightly, without attachments.

In this way she can go anywhere without ever leaving the center of the universe.




1   2   3   4


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal