Requerimento n.º 1333 de 2002



Baixar 23,78 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho23,78 Kb.



REQUERIMENTO N.º 1333 DE 2002

Requeiro, nos termos do artigo 165, inciso VIII do Regimento Interno, que se registre nos anais desta Casa de Leis um voto de congratulações com a Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e em especial com a Rádio Bandeirantes AM (840 Khz) de São Paulo, pelo 65.º aniversário dessa tradicional emissora, transcorrido em 6 de maio de 2002.


Requeiro, ainda, que desta manifestação seja dada ciência ao diretor-presidente da TV e Rádio Bandeirantes, João Carlos Saad; ao vice-presidente da Rádio Bandeirantes, Marcelo Parada; ao diretor de Jornalismo da Rádio Bandeirantes, Fernando Vieira de Mello Filho; ao diretor Comercial da Rádio Bandeirantes, Marcelo Mainardi, e ao diretor de Jornalismo da TV Bandeirantes, Fernando Mitre, para que estes transmitam a homenagem também a toda a sua equipe de jornalistas, radialistas, técnicos e demais funcionários e colaboradores da TV e Rádio Bandeirantes, na Rua Radiantes, 13, Bairro do Morumbi, Capital-SP, CEP-05699-900.

JUSTIFICATIVA


O rádio e o público de São Paulo estão em festa. Uma das maiores e mais tradicionais emissoras de rádio de nosso Estado, a Rádio Bandeirantes de São Paulo, comemora neste mês de maio 65 anos de existência em defesa da cidadania em nosso País.

No dia 6 de maio de 1937, uma quinta-feira, nascia, na cidade de São Paulo, a Sociedade Bandeirante de Rádio Difusão – PRH-9, o embrião do grande complexo de comunicações que é hoje a Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão. Sua criação se deveu ao idealismo e entusiasmo de José Nicolini, cujo sonho era “lançar aos ares de Piratininga as ondas sonoras de programas finamente escolhidos”. A inauguração ocorreu na Rua São Bento, 365. Às 20h30, 180 convidados no auditório representavam a elite paulistana e deram uma salva de aplausos ao se abrirem as cortinas do vistoso palco ornamentado para a inauguração.


Sob fortes clarinadas da Grande Orquestra regida pelo maestro Miguel Izzo, deu-se início à programação. “Boa noite, senhoras e senhores. Está no ar a Rádio Bandeirantes, a nova a esperada emissora de São Paulo”, proclamava, solene, o locutor Joaquim Carlos Nobre. Em cena o Coral do Externato Ophélia Fonseca, entoou-se o Hino Nacional. Breve discurso do secretário da Justiça, Silvio Portugal, representando o Governo do Estado. No programa inaugural, apresentaram-se vários artistas.


A primeira equipe de locutores era formada por Joaquim Carlos Nobre, Tito Lívio Fleury Martins, Mário de Carvalho Araújo e Plínio Freire Campello.


Não demorou muito para mudar a programação. A rádio adotou uma linha mais popular. São dessa época nomes como Sagramor Scuvero, Augusto Machado de Campos (famoso como Lilico Swing), Aloísio Silva Araújo, criador da “Cadeira de Barbeiro”.


Em 1943 chegou Otávio Gabus Mendes (que depois seria pioneiro da televisão). Ele incumbiu o locutor Emílio Carlos (depois destacado político, tendo sido deputado estadual em São Paulo) de fazer um concurso para a escolha de slogan para a emissora. Foi assim que nasceu “A mais popular emissora paulista”. Lá estavam também o conjunto “Titulares do Ritmo”, a cantora Dircinha Costa, e a orquestra de Sylvio Mazzuca, que deram vida ao slogan.

Surgiu a era das novelas e dos nomes consagrados de Walter Forster, J. Silvestre e Aramis della Torre, depois Ivani Ribeiro, Dias Gomes. Entre os locutores, Cid Moreira, que depois se consagraria na TV no Rio de Janeiro. Na metade dos anos 40, a Bandeirantes passou a fazer parte das Emissoras Unidas, do Dr. Paulo Machado de Carvalho, que possuía as Rádios Record, Panamericana, São Paulo, Excelsior e Difusora Hora Certa de Santo Amaro.

Em 1947, Paulo vendeu sua participação para um político, Adhemar Pereira de Barros, ex-interventor e eleito Governador do Estado, que colocou na direção um grande profissional da locução esportiva, Rebello Junior, “o homem do gol inconfundível”. Com Rebello, vieram, do Rio de Janeiro, Gilberto Martins, responsável pelo lançamento da primeira novela do rádio brasileiro, “Em busca da Felicidade”, da Rádio Nacional, e daqui de São Paulo, das próprias Emissoras Unidas, Murillo Pereira Leite, para cuidar da parte comercial.

Em 1948, a Bandeirantes foi transferida para o presidente João Jorge Saad. Da Rua São Bento mudou-se para melhores acomodações na Rua Líbero Badaró e, de lá para a Rua Paula Souza, 181, zona cerealista de São Paulo, onde permaneceu até 1965. Lá foram gerados programas e idéias que dominaram o rádio nos anos 50 e 60. São dessa época Edson Leite e Alberto Saad, que formaram com Murillo Leite e José Saad e mais tarde, com Samir Razuk, o esteio da organização. Na programação, Henrique Lobo, Júlio Atlas, Clodoaldo José, José Carlos Romeu, e programas como “Picape do Pica-Pau”, com Walter Silva, “Mil Discos é o Limite”, com Humberto Marçal, “Qual é a Música”, com Henrique Lobo e depois com Rubens Greiffo, “Telefone Pedindo Bis” e Vitrola Mágica”, com Henzo de Almeida Passos, “Os Brotos Comandam”, com Sérgio Galvão e depois Luiz Aguiar. À noite, lá estava Moraes Sarmento, revivendo as músicas do passado.

Nos anos 60, registrem-se os nomes dos produtores Irvando Luiz (“Bom à Beça” e “Pequenas coisas de um grande futebol”, uma reconstituição de jogos do passado), título que também foi valorizado em comentários do narrador esportivo Fiori Gigliotti. Na época, estavam ainda Thalma de Oliveira (“Patrulha Bandeirantes”) e os irmãos Ricardo e Fausto Macedo. Este (falecido há dois anos) foi coordenador do “Clube RB”, dirigido aos ouvintes, que recebiam carteirinha e participavam de sorteios durante a programação.


Alexandre Kadunc, no rádiojornalismo, criou inesquecíveis noticiosos sob a égide dos “Titulares da Notícia”, como “Primeira Hora”, em 1962, uma revolução no rádio e o “Correspondente Renner”, para a voz inconfundível de Antonio Pimentel e depois Franco Neto. Depois de Kadunc, sucederam-se na Direção de Jornalismo, Mauro Guimarães, Gabriel Romeiro, José Paulo de Andrade (1977/1994), Alberto Luchetti Neto (1994/1998), Marcelo Parada (este atualmente como vice-presidente, diretor-geral) e o novo diretor, Fernando Vieira de Mello Filho, um radialista de nova geração e com sangue de grande talento, uma vez que é filho do sempre relembrado Fernando Vieira de Mello. O pai de Fernandinho, infelizmente falecido em 1.º de janeiro de 2001, foi um dos pioneiros do rádio prestador de serviços no País, por meio de seu trabalho na Rádio Jovem Pan e mais tarde na Rádio Trianon, emissoras em que fez escola. À memória de Fernando, aqui vai também nossa homenagem.

Desde 1965, a Bandeirantes está nas modernas instalações do Edifício Radiantes, no Morumbi, o primeiro especialmente construído no Brasil para a radiodifusão. Houve a Era Boni, com o mais tarde todo-poderoso da Rede Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho. A Rádio Bandeirantes, então, foi decisiva para a implantação da TV Bandeirantes, em 1967. O Grupo empresarial de João Saad partiu para novos desafios. Consolidou-se o esporte já tradicional, cresceu o jornalismo, com o aprimoramento dos equipamentos, a prestação de serviços se intensificou, acompanhando a própria exigência da sociedade.


Nos anos 70, estava na rádio o “gênio” Hélio Ribeiro, como diretor artístico, e apresentando o programa “O Poder da Mensagem”. Hélio levou Ferreira Martins (“Programa da Tarde”), Marcos “Baby” Durães, Nei Costa (“As Mais Mais”), lançou “O Pulo do Gato”, hoje o programa mais longevo do rádio brasileiro (mesma emissora, mesmo horário, mesmo apresentador, José Paulo de Andrade), “Ciranda da Cidade", com Antonio Carvalho e locutoras-noticiaristas (Luiza Duarte, Deise de Souza, Lisa de Dios, Branca Amaral, Siomara Nagi).
Na programação matutina, logo depois de “O Trabuco”, de Vicente Leporace, o astrólogo Omar Cardoso batia recordes de audiência. Importante a participação dos produtores Jair Britto, Gualberto Curado e José Maria Scachetti, nessa época. Sucederam Hélio Ribeiro, como diretores artísticos, Cayon Gadia, Edson Guerra e mais recentemente Luiz Fernando Magliocca. Destaques da programação mais recente: Ercy Ayala, Dione Forti, Dárcio Arruda, Antonio Celso, Pedro de Alcântara e, claro, Salomão Ésper, com sua extraordinária competência profissional e personalidade. Na discoteca, a dedicação de muitos anos de Carmen Garcia, Neuza Baranco e Gilberto Fernandes.

A Direção Comercial da Rádio Bandeirantes, sob estímulo de João Saad, viabilizou projetos e coberturas ousados. Com o falecimento de João Saad, um dos filhos do grande líder assumiu o comando do grupo empresarial Bandeirantes: João Carlos “Johnny” Saad.


Samir Razuk ocupou o cargo de Diretor Comercial durante muitos anos e o exerceu cumulativamente com a Direção Geral da emissora e lançou grandes profissionais. A Bandeirantes destacou-se também na cobertura de Copas do Mundo e de outros espetáculos esportivos, uma vez que por ela passaram inúmeros narradores, comentaristas e repórteres de destaque.
A Rádio Bandeirantes consiste atualmente em: Estação de Ondas Curtas - 49 metros - 6.090 kHz - opera com um transmissor Inbelsa de 10kw de potência em sistema irradiante tipo HR 2/1/0.2 que visa complementar no período diurno a cobertura de todo o interior paulista. No período noturno, atinge também a região central, norte, noroeste e nordeste do Brasil. Estação de Ondas Curtas - 31 metros - 9.645,0 kHz - opera com transmissor Inbelsa de 7,5 KW de potência em um sistema irradiante tipo H 1/1/0.4 direcionado para a região central, norte e nordeste do Brasil. No período noturno, há alcance internacional sendo muito comuns o recebimento de cartas de todas as regiões da Europa, e países asiáticos. Estação de Ondas Curtas - 25 metros - 11.925,0 kHz - opera com um transmissor Inbelsa de 10 KW de potência em um sistema irradiante tipo H1/1/0.5 direcionado para a região central, norte e nordeste do Brasil. Nesta freqüência é também comum o recebimento de cartas de todas as regiões da Europa e da Ásia.

Diante do exposto, levando em consideração a importância do rádio como veículo de comunicação no Estado de São Paulo e da Rádio Bandeirantes em particular, peço aos meus Pares todo o apoio para a aprovação deste voto de congratulações.

Sala das Sessões, em



Deputado AFANASIO JAZADJI (PFL)


Sistema STL - Código de Originalidade:0905021735008.524




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal