Proc. 7066. 01. 1149. 0/2016 pregão eletrônico nº. 060/7066-2016 – gilog/BR



Baixar 5,51 Mb.
Página9/22
Encontro03.02.2018
Tamanho5,51 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   22

  • É recomendável, durante a aplicação da manta, alinhar a bobina desenrolando-a totalmente e rebobinando-a novamente.

  • Após a execução da impermeabilização, executar o teste de estanqueidade, permanecendo a estrutura com água durante 72 horas no mínimo, para a detecção de quaisquer falhas na aplicação da impermeabilização.

  • Tipo: Argamassa polimérica bicomponente (Denvertec 100)

    1. Utilização

        1. As argamassas poliméricas serão aplicadas no teto, onde for especificado. Nas áreas molhadas (cozinhas, banheiros, copas, DML), salas de ar condicionado.

    2. Características Técnicas / Especificação

        1. Marca de referência: Denvertec 100

        2. Argamassa polimérica bicomponente, à base de cimento, agregados minerais inertes, polímeros acrílicos e aditivos, formando um revestimento com propriedades impermeabilizantes.

        3. Deverá atender a NBR 11905–Sistema de impermeabilização composto por cimento impermeabilizante e polímeros.

        4. Deverá atender a NBR 12170 – Potabilidade de água aplicável em sistema de impermeabilização.

    3. Consumo

        1. Umidade do solo ou água de percolação – 2,00 a 3,00 kg/m²

        2. Pressão hidrostática positiva – 3,00 a 4,00 kg/m²

        3. Pressão hidrostática negativa – 4,00 kg/m²

    4. Metodologia de aplicação

      1. Preparação da superfície

        1. A superfície deverá estar limpa, umedecida e isenta de partículas soltas ou desagregadas, nata de cimento, óleo, desmoldante, etc., devendo ser previamente lavada com escova de aço e água.

        2. Reparar ninhos e falhas de concretagem com argamassa de cimento e areia média lavada, traço 1:3, amassada com uma solução de água e graute a base de água.

        3. Existindo jorros de água ou merejamentos, como em subsolos com lençol freático, executar previamente o tamponamento utilizando cimento de pega ultra-rápido, após preparo do local.

      2. Preparação da mistura

        1. O produto é fornecido em dois componentes: componente A (resina) e componente B (pó). O componente B (pó) deve ser adicionado aos poucos ao componente A (resina) e misturado mecanicamente por 3 minutos ou manualmente por 5 minutos, tomando-se cuidado para dissolver possíveis grumos.

        2. Os componentes pó e resina estão dimensionados dentro da embalagem para "aplicação em forma de pintura". Se houver necessidade de aplicação em forma de revestimento (aplicação com desempenadeira), utilizar a metade do componente A, e adicionar a quantidade total do componente B. Para a obtenção da consistência desejada, ir adicionando aos poucos o componente A.

      3. Aplicação

        1. Umedecer a superfície a ser tratada e aplicar o a argamassa polimérica com o auxílio de uma trincha, vassoura de pêlo ou desempenadeira metálica, conforme a consistência escolhida (pintura ou revestimento). Aplicar 2 a 4 camadas, em sentido cruzado, sendo aproximadamente 1 kg/m² por camada, aguardando secagem entre camadas

        2. Em regiões críticas como ao redor de ralos, juntas de concretagem, etc., deve-se reforçar o revestimento com a incorporação de uma tela industrial de poliéster malha 2 x 2 mm, resinada, após a primeira camada.

      4. Limpeza

        1. A limpeza de equipamentos e ferramentas poderá ser efetuada com água, enquanto o produto não estiver seco. Após a secagem, efetuar a limpeza com tíner.

      5. Observações

        1. Durante a aplicação da argamassa homogeneizar a mistura manualmente, pelo menos a cada período de 10 a 20 minutos, dependendo das condições ambientais.

        2. Não utilizar o produto após decorrido o tempo de uso da mistura (40 minutos).

        3. Após o período de no mínimo três dias da aplicação da última demão, fazer o teste de estanqueidade, permanecendo a estrutura com água durante 72horas no mínimo, para se poder detectar quaisquer falhas de aplicação da impermeabilização.

        4. Em áreas abertas ou sob incidência solar, promover a hidratação da argamassa por no mínimo 03 dias consecutivos. A argamassa não é recomendada para estruturas sujeitas à fissuração.

        5. Executar proteção mecânica somente em áreas em que o sistema impermeabilizante possa sofrer danos mecânicos.

  • Tipo: Proteção Mecânica/Térmica

  • Fechamentos e Paredes

    1. Alvenaria de Blocos Cerâmicos

      1. Tipo: Alvenaria ½ vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.: 15cm

        1. Utilização

            1. Em áreas internas ou externas.

            2. A espessura final será de 15cm.

            3. Utilizar blocos cerâmicos furados assentados em meia vez ou em pé.

            4. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

        2. Características Técnicas / Especificação

            1. São constituídas por paredes executadas com blocos cerâmicos furados, de seis, oito ou dez furos, de furos redondos ou quadrados, que proporcionam paredes mais econômicas.

            2. Os blocos cerâmicos deverão ser bem curados, compactados, homogêneos e uniformes quando a cor, dimensões e textura. Sem defeitos de moldagem tais como fendas e ondulações.

            3. Executar conforme NBR 8545.

            4. Deverão seguir as dimensões e alinhamentos constantes nos projetos de arquitetura.

            5. As espessuras indicadas no projeto de arquitetura referem-se a parede acabada, com seu revestimento. É admitida variação máxima de 2cm.

        3. Metodologia executiva

            1. As peças cerâmicas deverão ser abundantemente molhadas antes de sua colocação.

            2. As fiadas serão perfeitamente de nível, alinhadas e aprumadas.

            3. Os blocos deverão ser assentados de forma que os furos não estejam no sentido da espessura da parede.

            4. Para o assentamento dos blocos, deverá ser utilizada argamassa pré-fabricada apropriada.

            5. As juntas deverão ter, no máximo, 10mm de espessura.

            6. Executar pilaretes de concreto a cada 5 metros de comprimento por pano de alvenaria.

            7. Executar cintas de amarração a cada 3 metros de altura por pano de alvenaria.

            8. Prever execução de verga e contraverga de concreto, altura 10cm, para aberturas (portas, janelas, etc.) com armadura (3 barras de Ø 8mm) ultrapassando 60cm para cada lado. Vergas maiores que 240cm serão calculadas como vigas.

            9. Para situações específicas a CONTRATADA deverá dimensionar os pilaretes, vergas e contravergas.

            10. O travamento das paredes em vigas ou lajes de concreto será executado após sete dias da execução dos painéis. Este travamento deverá ser feito com tijolos maciços, dispostos obliquamente, com altura de 150mm. Outras formas de travamento poderão ser executadas, desde que aprovadas pela CAIXA.

            11. Prever chapisco com argamassa traço 1:3 para aderência a superfícies de concreto.

            12. Na ligação com pilares, prever a utilização de barras de aço com diâmetro de 5 a 10mm, distanciadas cerca de 60cm e engastadas no pilar e na alvenaria.

            13. Prever execução de juntas de movimento (largura=10mm) nas paredes compridas longitudinalmente a uma distância equivalente a uma vez e meia a sua altura.

            14. As tubulações elétricas e hidráulicas devem estar embutidas nas paredes, deixando cobrimento mínimo de 1,5cm, não considerando o revestimento.

            15. Para fixação de rodapés, prateleiras, batentes e esquadrias, recortar os blocos onde se encaixarão os chumbadores. Para esta situação, deverão ser utilizados blocos cerâmicos maciços.

            16. Alvenarias sobre baldrames só poderão ser executadas 24 horas após sua impermeabilização. Deverão ser tomados todos os cuidados com tal impermeabilização de forma a evitar o surgimento de umidade ascendente.

        4. Aperto

            1. A alvenaria será interrompida abaixo das vigas/ lajes. Esse espaço será preenchido após 7 dias, de modo a garantir o perfeito travamento entre a alvenaria e a estrutura.

            2. O preenchimento do espaço poderá ser executado pelo seguinte processo construtivo: tijolos maciços dispostos obliquamente, com altura de 150 mm.

            3. O travamento será executado após terem sido levantadas as paredes do andar imediatamente superior.

            4. O assentamento será executado com argamassa pré-fabricada.

      2. Tipo : Alvenaria 1 vez com Tijolo Cerâmico, esp.: 20cm

        1. Utilização

            1. Em áreas internas ou externas.

            2. A espessura final será de 20cm.

            3. Utilizar blocos cerâmicos furados assentados em uma vez ou deitado.

            4. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

        2. Características Técnicas / Especificação

            1. Ver item 5.1.1.2.

        3. Metodologia executiva

            1. Ver item 5.1.1.3.

        4. Aperto

            1. Ver item 5.1.1.4.

      3. Tipo: Alvenaria Blocos Cerâmicos Maciços, esp.: 9cm

        1. Utilização

            1. Em áreas internas e externas.

            2. A espessura final será de 9cm.

            3. Suas dimensões giram em torno de 6x10x20cm.

            4. Utilizar blocos cerâmicos maciços assentados em ½ vez.

            5. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

      4. Reconstituição de Alvenaria ½ vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.: 15cm

        1. Utilização

            1. Em paredes de alvenarias de blocos cerâmicos existentes , executadas em ½ vez, em pé, que necessitem de reparos ou reconstituição.

            2. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

      5. Reconstituição de Alvenaria 1 vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.:20cm

        1. Utilização

            1. Em paredes de alvenarias de blocos cerâmicos existentes, executadas em 1 vez, deitado, que necessitem de reparos ou reconstituição.

            2. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

      6. Reconstituição de Alvenaria 1/2 vez com Blocos Cerâmicos Maciço, esp.:9cm

        1. Utilização

            1. Em paredes de alvenarias de blocos cerâmicos existentes, executadas em 1 vez, deitado, que necessitem de reparos ou reconstituição.

            2. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

    2. Alvenaria de Blocos Aglomerados com Cimento

      1. Alvenaria ½ vez com Blocos de Concreto

        1. Utilização

            1. Alvenaria de blocos de concreto a ser executada conforme projeto de Arquitetura.

            2. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

            1. Características Técnicas/Especificações

                1. São encontrados nas dimensões:

    • 10x20x40cm, para paredes de 10 cm de espessura,

    • 15x20x40cm, para paredes com 15 cm,

    • 10x20x40cm, para as de 20 cm

                1. Devem ser sempre assentados em pé com os furos na vertical.

                2. Estes blocos são mais resistentes e maiores que os cerâmicos, possibilitando com isso rapidez na execução, dispensando até, caso especificado, o emboço como revestimento.

                3. Os traços mais indicados para assentamento de blocos de cimento são 1:8 de cimento e saibro ou 1:4:4 de cimento, areia e saibro, para o caso de alvenarias não estruturais, e 1:3:3 de cimento, areia e saibro para casos de alvenarias que irão receber outras cargas além de seu peso próprio.

                4. Quando da execução da alvenaria, os blocos devem ser molhados para que não absorvam a água da argamassa de assentamento, não ocasionando diminuição de sua resistência.

          1. Reconstituição de Alvenaria de Vedação ½ vez com Blocos de Concreto

            1. Utilização

                1. Em paredes de alvenarias de blocos de concreto existentes, que necessitem de reparos ou reconstituição.

                2. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

        1. Parede Drywall

          1. Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Área Seca)

            1. Características Técnicas / Especificação

                1. Chapas fabricadas industrialmente mediante um processo de laminação contínua de uma mistura de gesso, água e aditivos entre duas lâminas de cartão, em que uma é virada sobre as bordas longitudinais e colada uma sobre a outra.

                2. As placas de gesso acartonado deverão ter espessura de 15mm.

                3. Os perfis de sustentação das placas serão fabricados industrialmente mediante um processo de conformação contínua a frio, por seqüência de rolos a partir de chapas de aço revestidas com zinco Z 275g/m², conforme NBR: 7008:2003, pelo processo de zincagem por imersão a quente, espessura mínima de 0,5mm.

                4. Os perfis de aço de sustentação das placas de gesso acartonado terão espessura da chapa de 2 x 12,5mm e largura de 70mm de modo a garantir a espessura final da parede de 9,5cm.

                5. Os perfis de aço de sustentação das placas de gesso acartonado deverão obedecer à norma ABNT – NBR 15217.

                6. O sistema deverá ser apresentar preenchimento isolante em lã de rocha.

                7. Os fornecedores deverão acompanhar e orientar a manutenção no período de 6 meses.

                8. O Fabricante deverá apresentar laudos que comprovem as especificações do produto.

            2. Aplicação/Instalação

                1. A montagem e instalação das paredes de gesso acartonado devem seguir as especificações do fabricante.

                2. Utilizar trena, prumo ou laser para a correta localização das guias e dos pontos de referência dos vãos de portas, definidos no projeto.

                3. Utilizar um cordão ou fio traçante para a marcação da posição das guias.

                4. Cortar os perfis metálicos com tesoura apropriada, indicada pelo fabricante.

                5. Colocar fita de isolamento nas guias e montantes perimetrais, compatível com a largura dos perfis, para assegurar um melhor desempenho acústico das paredes, conforme indicado pelo fabricante.

                6. Os montantes deverão ter aproximadamente a altura do pé direito, com 5mm a menos, que deve ser deixado como folga no piso. Os montantes de partida devem ser fixados nas paredes laterais e nas guias, os demais serão colocados verticalmente no interior das guias.

                7. A fixação das guias no piso e a fixação dos montantes perimetrais deverão ser feitas a cada 60cm, com parafuso e bucha, indicados pelo fabricante, sendo que nas aberturas de portas deverá ser feita uma fixação em cada extremidade da mesma.

                8. Executar as emendas das guias e montantes perimetrais de topo, sem sobreposição. Nos montantes centrais, as emendas deverão ser sobrepostas pelo menos 30cm.

                9. O espaçamento entre os eixos dos montantes deverá ser de 40 a 60cm.

                10. As guias terminais ou de aberturas, tais como portas, devem ter um comprimento de aproximadamente 20cm a mais do que a abertura. Este comprimento adicional deverá ser dobrado, remontando sobre o montante e fixado neste com auxílio de um puncionador.

                11. Na parte superior da porta (bandeira) deverá ser colocada uma guia com 20 cm a mais de cada lado, que será dobrada, remontada e fixada sobre os montantes laterais.

                12. Nas aberturas de portas, deverá ser feito um reforço utilizando-se montantes duplos.

                13. Quando os montantes forem duplos, deverão ser solidarizados entre si com parafusos espaçados de no máximo 40cm.

                14. Deverão ser respeitados os seguintes limites: desvio de prumo inferior a h/600 (h é a altura da parede); irregularidades superficiais inferiores a 3mm em relação a uma régua de 2m de comprimento e irregularidades abruptas inferiores a 1mm em relação a uma régua de 20cm.

                15. No sentido vertical, as chapas deverão ser aparafusadas nos montantes com espaçamento máximo de 30cm entre os parafusos, com no mínimo 1cm da borda.

                16. A cabeça do parafuso deve ficar nivelada com a face do cartão.

                17. As chapas já devem possuir suas devidas furações (caixas elétrica ou outra instalações) antes de sua montagem.

                18. Fiações elétricas não poderão passar pelo interior da parede sem que sejam devidamente protegidas.

                19. As juntas verticais entre as chapas devem ser feitas sempre sobre os montantes. Em caso de juntas horizontais, estas devem ser desencontradas.

                20. Para o tratamento das juntas aplicar com uma desempenadeira uma primeira camada de massa ao longo da junta. Em seguida colocar uma fita de papel microperfurado sobre o eixo da junta com o auxílio de uma espátula, pressionando firmemente a fita sobre a primeira camada de massa. Aplicar demais camadas de massa com o auxílio de uma desempenadeira para deixar um acabamento uniforme.

                21. As peças suspensas podem ser fixadas diretamente nas chapas de gesso, desde que sejam respeitados os limites de cargas recomendados pelo fabricante.

                22. Caso haja previsão de cargas pesadas apoiadas na parede, deverão ser instalados reforços conforme indicado no projeto, tais como armários de cozinha, acessórios sanitários, placas de sinalização, suporte de TV, etc.

          2. Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Área Molhada)

            1. Utilização

                1. Áreas Molhadas

            2. Características Técnicas / Especificação

                1. Ver item 5.3.1.

                2. Para locais onde há risco de umidade (áreas molhadas) deverá ser utilizada chapa hidrófuga (verde), espessura 15mm.

            1. Aplicação/Instalação

                1. Ver item I.5.3.1.2.

            2. Características Técnicas/Especificações

                1. Ver item

          1. Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Resistente ao Fogo)

            1. Utilização

                1. Conforme especificado em projeto.

            2. Características Técnicas / Especificação

                1. Ver item I.5.3.1.1

                2. Em locais indicados em projetos e localizados em áreas especiais como saídas de emergência e escadas enclausuradas, deverá ser utilizada chapa resistente ao fogo (rosa), espessura 15mm.

            3. Aplicação/Instalação

                1. Ver item I.5.3.1.2.

            4. Características Técnicas/Especificações

                1. Ver item



          2. Fornecimento e Instalação de Lã de Rocha

            1. Utilização

                1. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

            2. Características Técnicas/Especificação

                1. Deverá ser utilizado no miolo de paredes em sistema Drywall (com gesso acartonado), divisórias e forros absorventes.

                2. Isolante térmico e acústico.

                3. A lã de rocha provém de fibras minerais de rochas vulcânicas, como o basalto e o calcário.

                4. Produzida com densidade de 32kg/m³ a 160kg/m³.

                5. Fabricante: Isola Fácil ou equivalente

          3. Fornecimento e Instalação de Lã de Vidro

            1. Utilização

                1. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

            1. Características Técnicas/Especificação

                1. Deverá ser utilizado no miolo de paredes em sistema Drywall (com gesso acartonado), divisórias e forros absorventes.

                2. Isolante térmico e acústico.

                3. A lã de vidro é feita de uma substância líquida inorgânica obtida através de um composto básico de vários elementos minerais

                4. Produzida com densidade de 10kg/m³ a 100kg/m³.

                5. Fabricante: Isola Fácil ou equivalente

          1. Fornecimento e Instalação de Tela Ondulada

            1. Utilização

                1. A ser executada conforme projeto de Arquitetura.

            2. Características Técnicas/Especificação

                1. As telas são usadas na aplicação de estuque e reboco em paredes de tijolos, madeira e Drywall.

                2. Promove uma excelente aderência do cimento com a parede.

                3. São fabricadas a partir de finas chapas metálicas, que são recortadas e depois expandidas no sentido transversal até atingir a largura pré-programada.

                4. A tela depois de pronta recebe uma pintura por imersão, normalmente na cor preta.

        1. Argamassas

          1. Tipo: Chapisco

            1. Aplicação

                1. Em todas as paredes de alvenaria.

                2. Serão chapiscadas também todas as superfícies lisas de concreto, como teto, montantes, vergas e outros elementos da estrutura que ficarão em contato com a alvenaria, inclusive fundo de vigas.

            2. Características Técnicas / Especificação

                1. Deverá ser aplicado, caso não haja indicação contrária, em todas as superfícies das alvenarias de blocos cerâmicos.

                2. A alvenaria, antes de receber o revestimento, deve estar seca, as juntas completamente curadas, deixando transcorrer o tempo suficiente para sua acomodação (assentamento).

                3. Para aplicação as paredes devem ser preparadas: limpar a alvenaria com vassoura, cortar eventuais saliências da argamassa das juntas e umedecer adequadamente a superfície.

                4. Deverá ser executado com argamassa industrializada.

                5. Todas as argamassas deverão ser preparadas em equipamento de mistura – misturador por bartelada ou contínuo.

                6. O chapisco deverá ter a seguinte composição: argamassa de cimento e areia média, traço 1:3, espessura 5mm.

          2. Tipo: Emboço

            1. Aplicação

                1. Deverá ser aplicado, caso não haja indicação contrária, em todas as superfícies que receberam chapisco, em blocos de concreto ou em outras indicadas em projeto.

            2. Características Técnicas / Especificação

                1. Os serviços só poderão ser iniciados após completa pega de argamassa das alvenarias e chapiscos e após todas as tubulações serem embutidas nos panos.


  • 1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   22


    ©livred.info 2017
    enviar mensagem

        Página principal