Proc. 7066. 01. 1149. 0/2016 pregão eletrônico nº. 060/7066-2016 – gilog/BR



Baixar 5,51 Mb.
Página14/22
Encontro03.02.2018
Tamanho5,51 Mb.
1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   22

Sumário


1. Conceitos 45

2. Serviços Preliminares e Gerais 48

2.2.1 Tipo: Engenheiro Civil 48

2.2.2 Tipo: Mestre de Obras/Encarregado 48

2.2.3 Tipo: Engenheiro Eletricista 49

2.2.4 Tipo: Apontador / Amoxarife 49

2.2.5 Tipo: Técnico em Segurança do Trabalho 49

2.2.6 Tipo: Adicional Noturno, Feriados e Final de Semana 49

2.2.7 Tipo: Demais Funcionários Administrativos e Técnicos 49

2.3.2 Tipo: Equipamentos de Proteção Individual 50

2.3.3 Tipo: Proteção Coletiva 51

2.4.1 Tipo: Abrigos Provisórios 52

2.4.2 Tipo: Placa de obra em Chapa Galvanizada 54

2.4.3 Tipo: Tapume de obra 54

2.4.4 Tipo: Instalações (Ligações) Provisórias Água/Esgoto 55

2.4.5 Tipo: Instalações (Ligações) Provisórias Energia Elétrica 55

2.4.6 Tipo: Locação de Obra (Gabarito e Marcação da Obra) 56

2.4.7 Tipo: Locação de Andaimes Metálicos 56

2.4.8 Tipo: Locação de Elevador de Carga 57

2.4.9 Controles Tecnológicos e Amostras 57

2.5.2 As Built 57

2.5.3 Consumos 58

2.5.4 Estadia e Alimentação de Pessoal 58

2.5.5 Cópias, Plotagens e Autenticações 58

3. Demolições, Remoções e Remanejamentos 58

3.1.2 Demolição de Concreto Armado c/Martelete Pneumático 59

3.1.3 Demolição de Concreto Não-Estrutural 59

3.1.4 Remoção de Rampas/Escadas Metálicas 59

3.1.5 Abertura de rasgos em Paredes p/ Serv. Hidráulicos e Elétricos 59

3.1.6 Abertura de rasgos em Pisos p/ Serviços Hidráulicos e Elétricos 60

3.1.7 Abertura de furo em concreto (coroa diamantada) 60

3.1.8 Demolição de Alvenaria 60

3.1.9 Demolição de Paredes de Gesso Acartonado 60

3.1.10 Remoção de Revestimento Cerâmico 60

3.1.11 Demolição de Contrapiso e de Pavimentação Externa 61

3.1.12 Remoção de Placas de Piso Tátil de Borracha 61

3.1.13 Remoção de Piso Cerâmico 61

3.1.14 Remoção de Piso em Pedra 61

3.1.15 Remoção de Piso em Madeira 61

3.1.16 Remoção de Piso Cimentado 62

3.1.17 Remoção de Piso Elevado 62

3.1.18 Remanejamento de Piso Elevado em Placas 62

3.1.19 Remoção de Piso em Carpete 63

3.1.20 Recorte de Granito e Polimento / Bocel 63

3.1.21 Remoção de Forro em Gesso 63

3.1.22 Remoção de Forro Mineral / Isopor / Metálico e outros 63

3.1.23 Remanejamento de Forro Mineral / Isopor / Metálico e outros 63

3.1.24 Remoção de Divisória Naval / bp-plus / Madeira e equivalente 64

3.1.25 Remoção de Painéis em Divisória Cega 64

3.1.26 Remanejamento de Biombos 64

3.1.27 Remoção de Divisórias de Granito 64

3.1.28 Remoção de Divisórias de Vidro Temperado/Laminado 64

3.1.29 Remanejamento de Divisórias de Vidro Temperado/Laminado 64

3.1.30 Remoção de Janelas 65

3.1.31 Remoção de Portas de Divisória 65

3.1.32 Remanejamento de Portas de Divisória 65

3.1.33 Remoção de Portas de Madeira 65

3.1.34 Remanejamento de Portas de Madeira 65

3.1.35 Remoção de Porta de Vidro 66

3.1.36 Remanejamento de Porta de Vidro 66

3.1.37 Remoção de Maçaneta 66

3.1.38 Remoção de Mola Hidráulica 66

3.1.39 Remoção de Metais Sanitários 66

3.1.40 Remanejamento de Metais Sanitários 67

3.1.41 Remoção de Louças Sanitárias 67

3.1.42 Remanejamento de Louças Sanitárias 67

3.1.43 Remoção de Barras de Apoio 67

3.1.44 Remanejamento de Acessórios Sanitários 68

3.1.45 Remanejamento de Válvula de Descarga 68

3.1.46 Remanejamento de Bebedouro 68

3.1.47 Remoção de Guarda-Corpo 68

3.1.48 Remanejamento de Guarda-Corpo 69

3.1.49 Remoção de Corrimão 69

3.1.50 Remanejamento de Corrimão 69

3.1.51 Remoção de Bancadas de Granito 69

3.1.52 Remanejamento de Mobiliários 69

3.1.53 Remoção de Rodapé Cerâmico 70

3.1.54 Remoção de Rodapé em Pedra 70

3.1.55 Remoção de Soleira de Granito 70

3.1.56 Remoção de Persianas 70

3.1.57 Remanejamento de Persianas 71

3.1.58 Remanejamento de Sinalização 71

3.1.59 Remanejamento de Pictograma 71

4. Impermeabilização 71

4.1.1 Tipo: Solução manta asfáltica elastomérica, e=3mm 71

4.1.2 Tipo: Argamassa polimérica bicomponente (Denvertec 100) 72

4.1.3 Tipo: Proteção Mecânica/Térmica 74

5. Fechamentos e Paredes 74

5.1.1 Tipo: Alvenaria ½ vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.: 15cm 74

5.1.2 Tipo : Alvenaria 1 vez com Tijolo Cerâmico, esp.: 20cm 75

5.1.3 Tipo: Alvenaria Blocos Cerâmicos Maciços, esp.: 9cm 75

5.1.4 Reconstituição de Alvenaria ½ vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.: 15cm 76

5.1.5 Reconstituição de Alvenaria 1 vez com Blocos Cerâmicos Furados, esp.:20cm 76

5.1.6 Reconstituição de Alvenaria 1/2 vez com Blocos Cerâmicos Maciço, esp.:9cm 76

5.2.1 Alvenaria ½ vez com Blocos de Concreto 76

5.2.2 Reconstituição de Alvenaria de Vedação ½ vez com Blocos de Concreto 77

5.3.1 Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Área Seca) 77

5.3.2 Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Área Molhada) 78

5.3.3 Tipo: Parede de Gesso Acartonado, esp.: 9.5cm (Resistente ao Fogo) 79

5.3.4 Fornecimento e Instalação de Lã de Rocha 79

5.3.5 Fornecimento e Instalação de Lã de Vidro 79

5.3.6 Fornecimento e Instalação de Tela Ondulada 80

5.4.1 Tipo: Chapisco 80

5.4.2 Tipo: Emboço 80

5.4.3 Tipo: Massa Única (Emboço/Reboco Paulista) 81

6. Revestimentos de Paredes (Internos) 82

6.1.2 Tipo: Cerâmica 30x60cm, linha White Chic Retificado, ref.: Portobello ou equivalente 84

6.1.3 Tipo: Azulejo 20x20cm 84

6.2.1 Laminado Melamínico 84

6.2.2 MDF/MDP Laminado (Formicada) 84

6.2.3 MDP com Laminado BP 85

6.3.1 Granito 85

6.3.2 Mármore 85

7. Pintura 86

7.1.1 Tipo: Pintura Acrílica sobre Superfícies Internas de Argamassa 86

7.1.2 Tipo: Pintura PVA sobre Superfície Interna de Argamassa 87

7.1.3 Tipo: Emassamento PVA 88

7.1.4 Tipo: Emassamento Acrílica 89

7.2.2 Esmaltes: Pintura em Madeira 89

7.2.3 Esmaltes: Pintura em Metal 89

7.2.4 Vernizes 89

7.2.5 Tubulações Aparentes (Sinalização) 90

7.3.1 Revestimento em Grafiatto 90

7.3.2 Pintura acrílica p/ demarcação de vagas 91

7.3.3 Pintura PU especial p/ Piso 91

7.3.4 Pintura Automotiva 93

7.3.5 Pintura AntiPichação 94

8. Pisos 94

8.1.1 Tipo: Contrapiso de Concreto Regularizado h=5cm 94

8.1.2 Tipo: Piso Elevado em Chapas de Aço com Enchimento em Concreto Celular 94

8.1.3 Tipo: Cimento Desempenado 96

8.1.4 Tipo: Concreto, Ladrilho Hidráulico e Lajotas Intertravadas (Área Externa) 96

8.2.2 Piso Tátil composto por Elementos Isolados 97

8.2.3 Piso Tátil de Sobreposição 99

8.2.4 Piso Tátil Integrado: Porcelanato 99

8.2.5 Piso Tátil Integrado: Concreto 100

8.2.6 Piso Tátil Integrado: Poliéster / PVC (Policloreto de Vinila) 101

8.3.1 Tipo: Carpete em Placas 101

8.3.2 Tipo: Piso em Granito Cinza 103

8.3.3 Tipo: Piso Vinílico em Placas 104

8.3.4 Tipo: Piso em Granitina 105

8.3.5 Tipo: Piso em Porcelanato 105

9. Revestimentos de Teto 106

9.1.1 Tipo: Forro em Fibra Mineral Removível, 625x625mm 106

9.1.2 Tipo: Forro de Gesso Acartonado (FGE) com pintura PVA, cor: branco 107

9.1.3 Tipo: Forro de Gesso Acartonado com placas Resistentes à Umidade 110

9.1.4 Tipo: Forro de Gesso Acartonado com placas Resistentes ao Fogo 110

9.1.5 Tipo: Forro Metálico 110

9.1.6 Alçapão em Forro de Gesso, 60x60cm 110

9.1.7 Cantoneira Metálica de Acabamento 110

9.1.8 Rodateto 111

10. Divisórias e Biombos 111

10.1.1 DIV-01: Módulo divisório cego paginação única com frisos horizontais 111

10.1.2 DIV-02: Módulo divisório vidro simples 112

10.1.3 DIV-03: Módulo tipo lambri cego cor branco paginação única com frisos horizontais 113

10.1.4 Divisória NavaL / bp-plus : 0,60 /0,70 /0,80 x 2,10m 114

10.1.5 Divisória NavaL / bp-plus : 0,90 x 2,10m 114

10.1.6 Tipo: Divisória em Granito para Banheiro 114

10.1.7 Tipo: Divisória TS para Banheiro 114

11. Esquadrias 114

11.1.1 Tipo: Janela com esquadria de alumínio, de correr 114

12. Portas 115

12.1.2 Tipo: Portas de Madeira Semi-Ocas Revestidas com Laminado Melamínico Branco - PM 115

12.1.3 Tipo: Portas de Madeira Semi-Ocas Revestidas com Laminado melaminico para Sanitários PNE 116

12.2.1 Tipo: Porta Corta-Fogo 116

12.2.2 Tipo: Porta de Abrir, cor: Branco - Divisória 117

12.2.3 Tipo: Porta de Fecho-Toque - Shafts 117

12.2.4 Tipo: Porta de Vidro Acesso 118

12.2.5 Tipo: Porta de Vidro para Banheiro 118

13. Vidraçaria e Películas 118

13.1.2 Tipo: Vidro Laminado Incolor – espessura 6mm 118

13.1.3 Tipo: Vidro Laminado Incolor – espessura 8mm 119

13.1.4 Tipo: Vidro Laminado Incolor – espessura 10mm 119

13.1.5 Tipo: Vidro Liso – espessura 6mm 119

13.1.6 Tipo: Vidro Liso – espessura 4mm 120

13.1.7 Tipo: Vidro Colorido – espessura 4mm 120

13.1.8 Tipo: Vidro Temperado Liso – espessura 10mm 120

13.1.9 Tipo: Porta de Vidro Temperado - 0,90m 120

13.1.10 Tipo: Porta de Vidro Temperado – 1,0m 121

13.1.11 Tipo: Porta de Vidro Temperado – 1,2m 121

13.1.12 Tipo: Espelho cristal Optmirror incolor – espessura 6mm 121

13.1.13 Películas para Proteção Solar e Segurança 122

13.1.14 Películas Vinílicas Opacas 123

14. Ferragens 124

14.1.1 Tipo: Fornecimento e Colocação de Ferragem para Porta de Vidro Temperado / Laminado 124

14.1.2 Tipo: Mola Hidráulica p/ Piso 124

14.1.3 Tipo: Mola Hidráulica Aérea 124

14.1.4 Tipo: Perfil Metálico de Acabamento em Trilho De Porta de Correr 124

14.1.5 Tipo: Puxador para Porta em Aço Escovado 124

14.1.6 Tipo: Maçaneta tipo Alavanca 125

1-a Tipo: Fechadura tipo Tetrachave 125

1-b Tipo: Fechadura Fechadura c/Trava Eletromagnética com Senha 125

1-c Tipo: Fechadura tipo Eletromagnética com Botoeira de acionamento (incluindo ferragens, fechaduras, temporizador e arremates necessários) 125

1-d Tipo: Fechadura Central p/ porta de correr, contra fechadura c/ aba 125

1-e Tipo: Fechadura Central p/ porta de abrir, contra fechadura c/ aba para vidro 125

1-f Tipo: Trinco com Copinho p/ piso com acabamento cromado 125

1-g Tipo: Fecho Eletromagnético para porta interna 125

1-h Tipo: Fechadura Eletrônica 125

1-i Tipo: Dobradiças 125

15. Equipamentos Sanitários e de Cozinha 125

15.1.2 Tipo: Bacia Sanitária suspensa 126

15.1.3 Tipo: Bacia Sanitária sifonada convencional 126

15.1.4 Tipo: Bacia Sanitária sifonada adaptada sem furo 126

15.1.5 Tipo: Bacia Sanitária com caixa acoplada 126

15.1.6 Tipo: Assento Sanitário 127

15.1.7 Tipo: Assento Sanitário adaptado baixo 127

15.1.8 Tipo: Assento Sanitário adaptado alto 127

15.1.9 Tipo: Mictório c/Sifão integrado 127

15.1.10 Tipo: Cuba para embutir c/válvula inclusa 127

15.2.2 Tipo: Válvula de Descarga 129

15.2.3 Tipo: Válvula de Descarga adaptada 129

15.2.4 Tipo: Válvula de Descarga p/ Mictório 129

15.2.5 Tipo: Caixa de Descarga Embutida c/válvula 129

15.2.6 Tipo: Protetor de Sifão 129

15.2.7 Tipo: Torneira para Lavatório, automática por pressão 130

15.2.8 Tipo: Torneira para Lavatório adaptada, automática por pressão 130

15.2.9 Tipo: Ducha Ativa 130

15.2.10 Tipo: Torneira para Uso Geral (DN 15/20) 130

15.3.2 Tipo: Cabide Metálico (gancho) cromado 131

15.3.3 Tipo: Dispenser para Toalha de Papel Interfolhado 131

15.3.4 Tipo: Dispenser para Papel Higiênico 132

15.3.5 Tipo: Dispenser para Sabonete em Spray 132

16. Armários 132

16.1.1 Tipo: Armário de MDF 132

17. Serralheria 132

17.2.2 Guarda-Corpo em Aço Inox com Fechamento em Vidro 133

17.2.3 Adaptação de Corrimão Existente (Prolongamento) 134

17.2.4 Corrimão de Aço Inox 134

17.2.5 Guarda-Corpo em Aço Inox 135

17.2.6 Chapa Metálica 135

17.2.7 Perfil de Alumínio Anodizado 136

17.2.8 Recomposição de Grade de Ferro 136

17.2.9 Recomposição de Grade de Alumínio 136

17.2.10 Corte de Chapa Metálica 136

17.2.11 Tela Expandida tipo Gradex 136

18. Diversos 136

18.1.1 Tipo: Bancadas de Granito 136

18.1.2 Tipo: Soleiras de Granito 136

18.1.3 Tipo: Revestimento de Degrau e Espelho em Granito 137

18.2.1 Tipo: Rodapé Cerâmico 137

18.2.2 Tipo: Rodapé em Porcelanato 137

18.2.3 Tipo: Rodapé em Madeira 138

18.2.4 Tipo: Rodapé em Granito 138

18.2.5 Tipo: Rodapé em Argamassa 138

18.2.6 Tipo: Rodapé Metálico 138

18.3.1 Tipo: Capacho 138

18.3.2 Tipo: Persiana Horizontal em Lâminas 138

18.3.3 Tipo: Cortina Tipo Rolô 140

18.3.4 Tipo: Bebedouro Acessível 140

18.3.5 Tipo: Bebedouro/Purificador de Água 141

18.3.6 Tipo: Filtro de Água 141

18.3.7 Tipo: Perfil para Acabamento de Piso 141

18.3.8 Tipo: Caixa de Gordura com Tampa 141

19. Complementares 141

19.1.1 Fita Antiderrapante 142

19.1.2 Isolamento acústico p/ Casa de Máquinas (Novo) 142

19.1.3 Isolamento acústico p/ Casa de Máquinas (Substituição) 142

19.1.4 Mangueira de Incêndio – 15m 142

19.1.5 Mangueira de Incêndio – 30m 142

20. Limpeza 142

20.1.2 Tipo: Remoção de entulho 142

20.1.3 Tipo: Limpeza Final 142

ANEXO IV 263

CLÁUSULA SÉTIMA – DA VIGÊNCIA DO CONTRATO 288





  1. Memorial Descritivo dos Serviços de Engenharia

  1. Instalações Elétricas

  1. Este memorial descreve o padrão que deverá ser utilizado para o RETROFIT do (s) prédio(s) administrativo(s) da Caixa Econômica Federal.

  2. Deverá ser previsto as seguintes redes para atendimento do edifício:

  3. Rede comum / emergência – tensão 380/220V – contingenciado pela concessionária e/ou grupo gerador (quando houver).

  4. Rede no-break – tensão 220/127V – contingenciado pelo no-break.

  5. Os Quadros de Iluminação e Tomadas – QILT, serão alimentados a partir dos busways de rede comum / emergência existentes. Os Quadros de Ar Condicionado serão alimentados a partir dos QILT´s.

  6. Os QEST’s (Quadros de Energia Estabilizada) serão alimentados a partir dos busways de rede estabilizada existentes.

  7. A CONTRATADA deverá fornecer e instalar todos os quadros, conforme projeto;

  8. Fornecimento e instalação dos painéis elétricos de forma a atender aos diagramas unifilares do projeto. Inclusive caixa, disjuntores, barramentos, chaves, canaletas e todo material necessário para sua perfeita instalação;

  9. Deverá ser prevista a instalação de DPS, dispositivos DR e disjuntores, conforme projeto;

  10. A CONTRATADA deverá prever o fornecimento e instalação dos sinalizadores audiovisuais e unidades de acionamento em atendimento aos requisitos de acessibilidade, conforme previsto em projeto e memorial;

  11. Em hipótese alguma será aceito eletroduto corrugado de PVC;

  12. Fornecer e instalar luminárias, reatores, soquetes, lâmpadas, parafusos, tirantes e todo material necessário para sua perfeita instalação.

  13. Fornecimento e instalação de luminárias de emergência, incluindo suportes, baterias seladas, lâmpadas, parafusos, tirantes e todo material necessário para sua perfeita instalação;

  14. Fornecimento e instalação de interruptores completos, inclusive espelhos e todo serviço necessário para sua perfeita instalação;

  15. Nas instalações embutidas, os interruptores terão placa de material com superfície lisa confeccionada em termoplástico, na cor branca; deverão ser modulares, permitindo modularidade e facilidade de instalação.

  16. TODOS os serviços necessários à execução dos itens descritos e/ou previstos em projeto, especificações e planilhas, correrão por conta da CONTRATADA, incluindo furos em laje, fixação de eletrodutos, caixas, aberturas e recomposições de paredes, pisos e forros, pinturas e demais itens necessários ao perfeito acabamento e funcionamento das instalações.

  17. Por equivalente técnico, entende-se: dispositivo ou equipamento com características técnicas equivalentes ou superiores às contidas no caderno de especificações, comprovadas por meio de ensaios e testes garantidos pelo fabricante.




  1. Automação da Iluminação

  1. Este memorial descreve o padrão que deverá ser utilizado para o RETROFIT do (s) prédio(s) administrativo(s) da Caixa Econômica Federal.

As funcionalidades básicas do sistema visam, resumidamente, o funcionamento completo do sistema de iluminação interna do edifício, encorajando a economia de energia elétrica e aperfeiçoando o sistema de manutenção predial.

O controle individual de cada usuário também devevá ser considerado em locais fechados e/ou salas de reunião. Nos locais públicos o controle é feito através de sensores de presença e luz natural, visando sempre, em ambos os casos, a economia de energia.



  1. TODOS os serviços necessários à execução dos itens descritos e/ou previstos em projeto, especificações e planilhas, correrão por conta da CONTRATADA, incluindo furos em laje, fixação de eletrodutos, caixas, aberturas e recomposições de paredes, pisos e forros, pinturas e demais itens necessários ao perfeito acabamento e funcionamento das instalações.

  2. Por equivalente técnico, entende-se: dispositivo ou equipamento com características técnicas equivalentes ou superiores às contidas no caderno de especificações, comprovadas por meio de ensaios e testes garantidos pelo fabricante.

  1. Cabeamento Estruturado

  1. Este memorial descreve o padrão que deverá ser utilizado para o RETROFIT do (s) prédio(s) administrativo(s) da Caixa Econômica Federal.

  2. Deverá ser instalada a infraestrutura para as instalações lógicas, incluindo todos os acessórios necessários ao seu perfeito funcionamento: tomadas, caixas de passagem, derivação, cruzamentos, tampas, curvas, dispositivos adaptadores, conforme especificado em projeto;

  3. Em hipótese alguma será aceito eletroduto corrugado de PVC;

  4. Deverão ser fornecidos todos os “patch-cords” e “line-cords” necessários ao funcionamento dos equipamentos de informática – dados/voz;

  5. Todos os cabos e equipamentos deverão possuir categoria 6.

  6. Todos os pontos deverão ser identificados na tomada de dados/voz e no rack;

  7. TODOS os serviços necessários à execução dos itens descritos e/ou previstos em projeto, especificações e planilhas, correrão por conta da CONTRATADA, incluindo furos em laje, fixação de eletrodutos, caixas, aberturas e recomposições de paredes, pisos e forros, pinturas e demais itens necessários ao perfeito acabamento e funcionamento das instalações.

  8. Por equivalente técnico, entende-se: dispositivo ou equipamento com características técnicas equivalentes ou superiores às contidas no caderno de especificações, comprovadas por meio de ensaios e testes garantidos pelo fabricante.

  1. Equalização do Aterramento

  1. Este memorial descreve o padrão que deverá ser utilizado para o RETROFIT do (s) prédio(s) administrativo(s) da Caixa Econômica Federal.

  2. Todas as novas instalações de aterramento deverão ser conectadas ao sistema de aterramento existente.

  3. Deverão ser executadas as conexões da malha de aterramento sob o piso elevado, equalização dos suportes metálicos para piso elevado, e demais sistemas previstos pela NBR 5410 e NBR 5419 e do sistema de equipotencialização dos demais sistemas de aterramento existentes.

  4. Para equalização do aterramento, deverão ser utilizadas cordoalhas de cobre nu.

  5. TODOS os serviços necessários à execução dos itens descritos e/ou previstos em projeto, especificações e planilhas, correrão por conta da CONTRATADA, incluindo furos em laje, fixação de eletrodutos, caixas, aberturas e recomposições de paredes, pisos e forros, pinturas e demais itens necessários ao perfeito acabamento e funcionamento das instalações.

  6. Por equivalente técnico, entende-se: dispositivo ou equipamento com características técnicas equivalentes ou superiores às contidas no caderno de especificações, comprovadas por meio de ensaios e testes garantidos pelo fabricante.



  1. Memorial de Especificações de Materiais e Equipamentos

  1. Instalações Elétricas

  2. Sistema de Iluminação

  3. Características Comuns

  1. As luminárias e lâmpadas deverão atender aos modelos e fabricantes especificados abaixo, sendo admitida fabricação equivalente, desde que as características de equivalência sejam comprovadas através de ensaios, apresentação da curva fotométrica da luminária e que a qualidade e acabamento construtivo sejam os mesmos. Todo material técnico e laudos que comprovem a equivalência deverão ser encaminhados ao CONTRATANTE que, após sua análise, poderá aceitar ou rejeitar o produto;

  2. Todas as peças devem ser construídas em aço SAE 1010/1020 #24 e serem apropriadas para instalação no forro especificado para o ambiente. Não serão aceitas adaptações ou modificações do produto original para sua instalação no forro;

  3. A pintura das luminárias deverá ser feita após desengorduramento das chapas, à base de epóxi com no mínimo duas demãos de base e duas de acabamento.

  4. Quando houver aletas, estas devem ser obrigatoriamente de alumínio anodizado brilhante;

  5. Quando for especificada calha refletora de alumínio anodizado, esta deve ser brilhante;

  6. Os reatores para lâmpadas fluorescentes deverão ser do tipo eletrônico, partida instantânea, com alto fator de potência (no mínimo 0,93) e THDi (taxa de distorção harmônica total de corrente) menor que 10%;

  7. Todas as luminárias foram calculadas para fornecer índice de iluminação (iluminância) previsto na NBR 5413 – Iluminância de Interiores – portanto, a CONTRATADA deverá seguir as prescrições da referida norma. A fiscalização do cliente irá conferir os índices do sistema no recebimento dos serviços de engenharia, e após 500 horas de uso do sistema;

  8. Todas as luminárias instaladas embutidas no forro serão ligadas por meio de conexão composta de prolongador e plugue monobloco macho/fêmea, para alimentação individual de cada luminária com as seguintes características:

  9. Prolongador Monobloco de 10A/250V:

  10. Corpo da tomada fêmea confeccionado em material termoplástico na cor branca, com saída axial, equipada com prensa cabo interno para cabos com diâmetro externo até 8 mm, composto por três contatos (fêmea) de latão maciço cilíndricos com diâmetro 4mm (2P+T) dispostos em linha, com corrente nominal de 10 A e tensão nominal de 250 V. O pino fase, neutro e terra deverão estar identificados.




  1. Plugue Monobloco de 10A/250V:




  1. Corpo do plugue confeccionado em material termoplástico na cor branca, com saída axial, equipada com prensa cabo interno para cabos com diâmetro externo até 8 mm, composto por três contatos de latão maciço cilíndricos com diâmetro 4mm (2P+T) dispostos em linha, com corrente nominal de 10 A e tensão nominal de 250 V. O pino fase, neutro e terra deverão estar identificados.

  1. Tipo: Luminária de Embutir em forro – 4x14 W T5

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária quadrada de embutir em forro de gesso ou modulado com perfil “T” de aba 25 mm, para 4 lâmpadas fluorescentes tubulares de 14 W.

  2. Corpo/refletor em chapa de aço tratada com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Difusor em acrílico leitoso.

  4. Equipada com porta-lâmpada antivibratório em policarbonato, com trava de segurança e proteção contra aquecimento nos contatos.

  5. Rendimento: mínimo 55%

  6. Modulação: 625x625 mm.

  7. Referência: Modelo 2105 da Itaim ou equivalente técnico

  8. Outros fabricantes: Lumicenter, Continet.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 203,20/peça

  2. Preço da instalação: R$ 37,10/peça

  1. Tipo: Luminária de Embutir em forro – 4x14 W T5

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária quadrada de embutir em forro de gesso ou modulado, para 4 lâmpadas fluorescentes tubulares de 14 W.

  2. Corpo em chapa de aço tratada com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Refletor e aletas parabólicas em alumínio anodizado de alto brilho.

  4. Equipada com porta-lâmpada antivibratório em policarbonato, com trava de segurança e proteção contra aquecimento nos contatos.

  5. Rendimento: mínimo 72%

  6. Modulação: 625x625 mm.

  7. Referência: Modelo 2103 da Itaim ou equivalente técnico

  8. Outros fabricantes: Lumicenter, Continet.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 117,60/peça

  2. Preço da instalação: R$ 20,41/peça

  1. Tipo: Luminária de Embutir em forro – 2x14W T5

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária retangular de embutir em forro de gesso ou modulado, para 2 lâmpadas fluorescentes tubulares de 14 W.

  2. Corpo em chapa de aço tratada com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Refletor em alumínio anodizado de alto brilho.

  4. Difusor em vidro temperado transparente.

  5. Equipada com porta-lâmpada antivibratório em policarbonato, com trava de segurança e proteção contra aquecimento nos contatos.

  6. Difusor em vidro temperado transparente.

  7. Rendimento: mínimo 73%.

  8. Referência: Modelo 2005 da Itaim ou equivalente técnico

  9. Outros fabricantes: Lumicenter, Continet.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação. Deverá ser previsto recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 79,93/peça

  2. Preço da instalação: R$ 16,48/peça

  1. Tipo: Luminária de Embutir em forro – 2x28W T5

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária retangular de embutir em forro de gesso ou modulado, para 2 lâmpadas fluorescentes tubulares de 28 W.

  2. Corpo em chapa de aço tratada com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Refletor em alumínio anodizado de alto brilho.

  4. Equipada com porta-lâmpada antivibratório em policarbonato, com trava de segurança e proteção contra aquecimento nos contatos.

  5. Difusor em vidro temperado transparente.

  6. Rendimento: mínimo 73%.

  7. Referência: Modelo 2005 da Itaim ou equivalente técnico

  8. Outros fabricantes: Lumicenter, Continet.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 128,99/peça

  2. Preço da instalação: R$ 16,48/peça

  1. Tipo: Luminária Circular de Embutir em forro - LED mínimo 23 W

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro de gesso.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária circular de embutir com LED de potência mínima 23W e emissão de luz na cor branco neutro.

  2. Aro em alumínio injetado com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Refletor em alumínio repuxado e anodizado brilhante.

  4. Difusor recuado em acrílico leitoso ou translúcido.

  5. Rendimento: mínimo 100%.

  6. Driver DALI incluso.

  7. Referência: Ambar Led da Itaim, ou equivalente técnico.

  8. Outros fabricantes: LG, Lumicenter.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária com driver incluso: R$ 478,13/peça

  2. Preço da instalação: R$ 16,48/peça

  1. Tipo: Luminária Circular de Embutir em forro – 3x26W

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro de gesso.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária circular de embutir em forro de gesso, para 3 lâmpadas fluorescentes compactas de 26 W, soquete G24q3.

  2. Corpo em alumínio.

  3. Difusor em acrílico leitoso.

  4. Referência: 4131 da Bonin, ou equivalente técnico.

  5. Outros fabricantes: Lumincenter, Light Design.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 270,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 16,48/peça

  1. Tipo: Luminária de Embutir em LED 40W

  2. Aplicação:

  1. Luminárias de embutir em forro.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária quadrada de embutir em forro modular, com barra de LED de 40 W e emissão de luz na cor branca neutro.

  2. Corpo em chapa de aço tratada com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Difusor em acrílico.

  4. Temperatura de cor: 4.000 K

  5. Vida útil: 50.000 horas

  6. Fluxo Luminoso: 4500 lm.

  7. Rendimento: 100%.

  8. Driver DALI incluso.

  9. Referência: SoftLed SQR da Philips ou equivalente técnico.

  10. Outros fabricantes: Itaim, Luminorte.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária com driver incluso: R$ 769,63/peça

  2. Preço da instalação: R$ 37,10/peça

  1. Tipo: Luminária de Embutir com Foco Orientável em LED

  2. Aplicação:

  1. Luminária decorativa de embutir em forro, com foco orientável.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Luminária de embutir com foco orientável.

  2. Corpo em alumínio fundido em molde, com acabamento em pintura eletrostática epóxi-pó na cor branca.

  3. Módulo Led não substituível.

  4. Ângulo de abertura: 25º ou 40º

  5. Temperatura de cor: 4.000 K

  6. Vida útil: 50.000 horas

  7. Fluxo Luminoso: 600 lm

  8. IRC: >80

  9. Driver incluso.

  10. Referência: Proset da Philips, ou equivalente técnico

  11. Outros fabricantes: Mister Led, Itaim.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  2. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  3. Deverão ser previstas bordas e acessórios para fixação em forros especiais.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária com driver incluso: R$ 128,50/peça

  2. Preço da instalação: R$ 16,48/peça

  1. Tipo: Bloco Autônomo de Sobrepor com 30 lâmpadas de LED

  2. Aplicação:

  1. Bloco autônomo de sobrepor com lâmpadas de LED para circuito de iluminação de emergência.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. 30 Leds

  2. Potência: 1,5 W

  3. Temperatura de cor: 6.400 K

  4. Autonomia: 12h

  5. Tensão de entrada do sistema: Bivolt (110~240V).

  6. Frequência: 60 Hz.

  7. Modelo de referência: Empalux, Aureon, Gevi Gamma.

  1. Observações:

  1. O fornecimento das luminárias deverá ser completo, ou seja, deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como reatores, lâmpadas, dispositivos de partida, elementos de fixação (tirantes, suportes, suporte “pé de galinha”, entre outros), caixa octogonal completa com tampa e prensa-cabos, entre outros acessórios necessários a sua perfeita instalação.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado luminária: R$ 114,33/peça

  2. Preço da instalação: R$ 24,64/peça

  1. Tipo: Lâmpadas Fluorescentes Tubulares T5 de 14W

  2. Aplicação:

  1. Instalação em luminárias para lâmpadas fluorescentes tubulares T5 de 14W.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Temperatura de cor: 4000 graus Kelvin.

  2. Fluxo luminoso de 1.200 lúmens.

  3. Diâmetro do bulbo: 16 mm.

  4. Comprimento do Bulbo: 549 mm.

  5. Vida Útil Mínima: 24.000 horas.

  6. Índice de reprodução de cores (IRC) mínimo de 85%.

  7. Potência: 14W.

  8. Tensão: 220V.

  9. Referência: Philips, Osram, General Eletric.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado lâmpada: R$ 8,92/peça

  2. Preço da instalação: R$ 0,94/peça

  1. Tipo: Lâmpadas Fluorescentes Tubulares T5 de 28W

  2. Aplicação:

  1. Instalação em luminárias para lâmpadas fluorescentes tubulares T5 de 28W.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Temperatura de cor: 4000 graus Kelvin.

  2. Fluxo luminoso de 2900 lúmens.

  3. Diâmetro do bulbo: 16 mm.

  4. Comprimento do Bulbo: 1149 mm.

  5. Vida Útil Mínima: 24.000 horas.

  6. Índice de reprodução de cores (IRC) mínimo de 85%.

  7. Potência: 28W.

  8. Tensão: 220V.

  9. Referência: Philips, Osram, General Eletric.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado lâmpada: R$ 12,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 0,94/peça

  1. Tipo: Lâmpadas Fluorescentes Compactas 26W

  2. Aplicação:

  1. Instalação em luminárias para lâmpadas fluorescentes compactas.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fluxo luminoso de 1800 lúmens.

  2. Vida Útil Mínima: 20.000 horas.

  3. Índice de reprodução de cores (IRC) de 80-89%.

  4. Temperatura de Cor: 4.000 K

  5. Potência: 26W.

  6. Tensão: 220V.

  7. Referência: Philips, Osram, General Eletric.

  8. Observações:

  9. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado lâmpada: R$ 13,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 0,94/peça

  1. Tipo: Fita Linear Flexível de LED 24,5W 24V

  2. Aplicação:

  1. Iluminação de decoração..

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fluxo luminoso de 940 lúmens.

  2. Temperatura de cor: 4.000K.

  3. Ângulo: 120°.

  4. Tamanho do rolo: 6.000 mm.

  5. Largura da Fita: 8 mm.

  6. Vida Útil Mínima: 50.000 horas.

  7. Emissão da luz vertical em relação à fita.

  8. Potência: 24,5W.

  9. Tensão: 24V DC.

  10. Modelo de referência: Linear Light Flex da Osram ou equivalente técnico.

  11. Outros fabricantes: Itaim, Luxside.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado fita: R$ 132,00/metro.

  2. Preço da instalação: R$ 5,13/metro.

  1. Tipo: Reatores para Lâmpadas Fluorescentes Tubulares T5

  2. Aplicação:

  1. Instalação para acionamento de lâmpadas fluorescentes tubulares T5.

  1. Normas Específicas:

  1. Deverá possuir certificação compulsória do Inmetro, com selo indicativo no equipamento.

  2. NBR 14417 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições gerais e de segurança.

  3. NBR 14418 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições de desempenho.

  4. IEC 61000 – Electromagnetic Compatibility.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fator de potência maior ou igual a 0,97.

  2. A taxa de distorção harmônica deverá ser inferior a 7%.

  3. O fator de fluxo luminoso deverá ser igual a 100%.

  4. Vida útil maior que 100.000 horas.

  5. A partida deverá ser instantânea, em tempo inferior a 1,5 seg.

  6. Frequência: 50-60 Hz

  7. Tensão de alimentação: 220V.

  8. Referência: Osram, Philips, Gimawa.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado reator: R$ 43,20/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 4,40/peça.

  1. Tipo: Reatores para Lâmpadas Fluorescentes Compactas

  2. Aplicação:

  1. Instalação para acionamento de lâmpadas fluorescentes compactas.

  1. Normas Específicas:

  1. Deverá possuir certificação compulsória do Inmetro, com selo indicativo no equipamento.

  2. NBR 14417 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições gerais e de segurança.

  3. NBR 14418 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições de desempenho.

  4. IEC 61347-2-3 – Segurança.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fator de potência maior ou igual a 0,95.

  2. A taxa de distorção harmônica deverá ser inferior a 12%.

  3. O fator de fluxo luminoso deverá ser maior que 100%.

  4. Vida útil maior que 150.000 horas.

  5. A partida deverá ser instantânea, em até 0,5 seg.

  6. Tensão de alimentação: 220V .

  7. Referência: Osram, Philips, Gimawa.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado reator: R$ 30,65/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 4,40/peça.

  1. Tipo: Reatores DALI para Lâmpadas Fluorescentes Tubulares T5

  2. Aplicação:

  1. Instalação para acionamento, comando e controle de lâmpadas fluorescentes tubulares T5.

  1. Normas Específicas:

  1. Deverá possuir certificação compulsória do Inmetro, com selo indicativo no equipamento.

  2. NBR 14417 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições gerais e de segurança.

  3. NBR 14418 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições de desempenho.

  4. IEC/EN 61347-2-3 – Segurança.

  5. IEC/EN 60929 – Operação de Lâmpada.

  6. IEC/EN 61547 –Imunidade.

  7. DALI: IEC 60929 e IEC 62386.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controle através da interface DALI.

  2. Fator de potência maior ou igual a 0,96.

  3. O fator de fluxo luminoso deverá ser igual 100%.

  4. Vida útil maior que 100.000 horas.

  5. A partida deverá ser instantânea, em tempo inferior a 0,5 seg, sem cintilação.

  6. Dimerização de 1 a 100%.

  7. Frequência: 50-60 Hz.

  8. Tensão de alimentação: 220V.

  9. Referência: Philips, Osram, Helvar.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado reator: R$ 163,00/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 32,60/peça.

  1. Tipo: Reatores DALI para 4 Lâmpadas Fluorescentes Tubulares T5 de 14W

  2. Aplicação:

  1. Instalação para acionamento, comando e controle de lâmpadas fluorescentes tubulares T5 de 14W.

  1. Normas Específicas:

  1. Deverá possuir certificação compulsória do Inmetro, com selo indicativo no equipamento.

  2. NBR 14417 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições gerais e de segurança.

  3. NBR 14418 - Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares - Prescrições de desempenho.

  4. IEC/EN 61347-2-3 – Segurança.

  5. IEC/EN 60929 – Operação de Lâmpada.

  6. IEC/EN 61547 –Imunidade.

  7. DALI: IEC 60929 e IEC 62386.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controle através da interface DALI.

  2. Fator de potência maior ou igual a 0,97.

  3. O fator de fluxo luminoso deverá ser igual 100%.

  4. Vida útil maior que 100.000 horas.

  5. A partida deverá ser instantânea, em tempo inferior a 0,6 seg, sem cintilação.

  6. Dimerização de 1 a 100%.

  7. Frequência: 50-60 Hz.

  8. Tensão de alimentação: 220V.

  9. Referência: Philips, Osram, Helvar.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado reator: R$ 206,00/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 32,60/peça.

  1. Tipo: Fonte de Alimentação Estabilizada

  2. Aplicação:

  1. Para alimentação da Fita Linear Flexível de LED.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Tensões:

  2. Entrada: 120~240 V

  3. Saída: 24V DC

  4. Frequência: 60Hz

  5. Corrente: 3A

  6. Potência: 75W

  7. Deve ser eletronicamente estabilizada, com proteção contra curto-circuito, sobrecarga e sobreaquecimento.

  8. Modelo de Referência: Optotronic da Osram, ou equivalente técnico.

  9. Outros fabricantes: Helvar, Philips, TopSilk.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado fonte: R$ 234,00/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 45,68/peça.

  1. Sistema de Automação da Iluminação – Protocolo DALI

  2. Características Comuns

As funcionalidades básicas do sistema estão descritas abaixo, sendo que resumidamente, o funcionamento completo do sistema de iluminação interna do edifício encoraja a economia de energia elétrica e aperfeiçoa o sistema de manutenção predial.

O controle individual de cada usuário também deve ser considerado em locais fechados e/ou salas de reunião. Nos locais públicos, o controle é feito através de sensores de presença e luz natural, visando sempre a economia de energia.



Iluminação controlada por protocolo digital (DALI): O protocolo utilizado para controle da iluminação comum do edifício, composta por luminárias que utilizam lâmpadas fluorescentes ou diodos emissores de luz (LEDs) deve ser digital, endereçável e específico para iluminação DALI, fixado em norma internacional IEC 62386. O protocolo DALI é um protocolo aberto utilizado na comunicação entre reatores/lâmpadas/luminárias e no sistema de automação de iluminação, que neste caso deve ser dedicado à mesma. Algumas características do sistema DALI são listadas abaixo, tendo o sistema proposto que cumprir com 100% de compatibilidade e adesão ao sistema estabelecido.

Controle individual de cada luminária: Cada unidade DALI, sendo reator ou driver para LED, pode e deve ser controlado separadamente (e individualmente) do sistema de controle de iluminação. Este controle individual, além de permitir que o usuário escolha sua melhor iluminação, permite a criação de grupos ou comandos do tipo broadcast, que são enviados para toda a iluminação. A comunicação separada para cada endereço DALI permite a realocação de grupos previamente criados, facilitando a mudança e/ou reformas previstas no edifício recolocando a iluminação de acordo com a nova utilização do ambiente.

Sem chaveamento de rede para desligamento: O sistema deve permitir que as cargas sejam ligadas ou desligadas sem a necessidade de chaveamento da rede elétrica.

Informação de duas vias: A automação deve permitir a comunicação de duas vias, ou seja, deve permitir que o sistema de iluminação seja capaz de verificar se ocorre a falha de algum componente da iluminação, quantas lâmpadas estão em funcionamento e retornar o status de cada dispositivo, luminária ou lâmpada.

Cabeamento simples: O sistema deve permitir que o cabeamento de controle para dispositivos de iluminação (lâmpadas, reatores e luminárias) possa passar no mesmo local que o cabeamento de rede elétrica, sem a necessidade de um conduíte dedicado e sem a possibilidade de causa de interferência.

Aproveitamento de luz natural: O sistema de controle de iluminação proposto deverá comportar a utilização da luz natural como parte integrante do sistema de automação. Este controle será feito compensando a luz natural existente no momento com a luz artificial fornecida pelas luminárias, mantendo um nível de iluminação (lux) constante ao longo de todo e dia.

Aproveitamento da presença: O sistema de automação de iluminação deve fornecer a função de iluminação acesa, iluminação desligada ou iluminação ajustada (dimerizada) a um nível pré-estabelecido pelo contratante. Este chaveamento de lâmpada deve ser feito sem afetar a vida útil do sistema, tanto da lâmpada quanto do LED.

Controle individual de luminárias (realocação de espaços): O sistema de automação da iluminação deve permitir a utilização da funcionalidade DALI dos reatores, controlando cada ambiente (grupo) e cada componente (luminária) separadamente, possibilitando futuras realocações do ambiente.

Protocolo de comunicação de iluminação: O protocolo utilizado para a comunicação entre os dispositivos do sistema de controle devem ser abertos (sejam proprietários ou públicos) e devem permitir a interface entre o sistema de iluminação com outros sistemas prediais, no que diz respeito ao envio de sinais.

Cargas a serem controladas: Todas as cargas do sistema de iluminação devem ser controladas através do sistema de automação predial, pelo protocolo DALI. Dentre as cargas controladas, enumera-se: reatores DALI para lâmpadas fluorescentes, drivers DALI para LEDs e cargas incandescentes e halógenas, controladas através do nível de tensão. Todas as cargas devem estar previstas de serem controladas no sistema.

Adição de componentes (extensão do sistema): O sistema de automação da iluminação deve prever extensão futura, tanto na adição de componentes ou realizando a troca dos mesmos, com pouca necessidade de readequação dos módulos e software.

Software: O sistema de automação da iluminação deve, a cada tempo estabelecido pelo usuário, sem limite de quantidade horária ou número de relatórios por dia, emitir relatos da situação de cada componente, seja eles lâmpadas, reatores, luminárias, LEDs ou outro dispositivo do sistema de iluminação (sensores, painéis e módulos de controle). Estes relatórios devem conter a quantidade armazenada de manutenção e devem sugerir um estoque necessário para lâmpadas e reatores, planejando as futuras trocas. O software utilizado neste sistema de automação também deve prever que, a cada falha do sistema, seja ela de componentes da iluminação ou do sistema de controle, seja enviado um correio eletrônico à equipe de manutenção para imediata troca do componente defeituoso. Além das funcionalidades explicitadas anteriormente, é possível a partir deste mesmo software realizar a programação de horários para a realização de tarefas ligadas à iluminação, como por exemplo, manutenção aos finais de semana.

  1. Tipo: Sensor de Presença – Detecção de Movimento e Nível de Luz Ambiente - DALI

  2. Aplicação:

  1. Sensores para controle automático de lâmpadas, conforme presença no local e incidência de iluminação externa.

  1. Normas Específicas:

  1. EMC Directive: 89/336/EEC

  2. EN 61000-4-2:1995 Electrostatic Discharge

  3. EN 61000-4-3:1996 Radiated RF Immunity

  4. EN 61000-4-4:1995 Electrical Fast Transient / Burst

  5. EN 61000-4-5:1999 Surge Immunity

  6. EN 61000-4-6:1996/A1:2000 Conducted RF Immunity

  7. EN 61000-4-11:1994 Immunity to Supply Dips and Power Supply Variations

  8. EN 61000-6-1:2001 Generic Standards – Immunity

  9. EN 61000-6-3:2001 Electromagnetic compatibility

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Sensor de teto 360°.

  2. Sensor de Detecção de Movimento (PIR) e Nível de Luz Ambiente (PE).

  3. Compatível com protocolo DALI.

  4. Detector de Movimento:

  5. Sensibilidade padrão.

  6. Faixa de detecção máxima: 5,0 m.

  7. Área de detecção: 7,4 m x 5,6 m retangular (a uma altura de 2,5 m).

  8. Velocidade de Detecção: 1,0 m / s.

  9. Detecção de objetos: 700 mm x 250 mm.

  10. Zonas de detecção: 64.

  11. LED indicador de ativação.

  12. Célula de Detecção de Luz Ambiente:

  13. 5-500 lux (incidente no sensor).

  14. 5-5000 lux (iluminação de superfície não-reflexiva no campo de visão do sensor).

Nota: Valor sujeito à propriedade de refletância da Superfície.

  1. Entradas de Controle: 1 x porta RS-485.

  2. Consumo – até 20mA/ Multisensor.

  3. Temperatura Ambiente de trabalho:

  4. 0º a 40º C de temperatura ambiente.

  5. 0% a 90% de umidade sem condensação.

  6. Referência: DUS804C da Philips, ou equivalente técnico.

  7. Outros fabricantes: Legrand, Osram, Helvar.

  1. Observações:

  1. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado sensor: R$ 423,50/peça

  2. Preço da instalação: R$ 19,54 /peça

  1. Tipo: Sensor de Presença – Detecção de Movimento por Ultrassônico e Infra Vermelho, e Nível de Luz Ambiente – DALI.

  2. Aplicação:

  1. Sensores para controle automático de lâmpadas, conforme presença no local e incidência de iluminação externa.

  1. Normas Específicas:

  1. EMC Directive: 89/336/EEC

  2. EN 61000-4-2:1995 Electrostatic Discharge

  3. EN 61000-4-3:1996 Radiated RF Immunity

  4. EN 61000-4-4:1995 Electrical Fast Transient / Burst

  5. EN 61000-4-5:1999 Surge Immunity

  6. EN 61000-4-6:1996/A1:2000 Conducted RF Immunity

  7. EN 61000-4-11:1994 Immunity to Supply Dips and Power Supply Variations

  8. EN 61000-6-1:2001 Generic Standards – Immunity

  9. EN 61000-6-3:2001 Electromagnetic compatibility

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Sensor de teto 360°.

  2. Sensor de Detecção de Movimento (PIR) e Nível de Luz Ambiente (PE).

  3. Compatível com protocolo DALI.

  4. Detector de Movimento Infra Vermelho:

  5. Faixa de detecção máxima: 5,0 m.

  6. Área de detecção: 7,4 m x 5,6 m retangular (a uma altura de 2,5 m).

  7. Velocidade de Detecção: 1,0 m / s.

  8. Detecção de objetos: 700 mm x 250 mm.

  9. Zonas de detecção: 64.

  10. LED indicador de ativação.

  11. Detector de Movimento Ultrassônico:

  12. Área de detecção de movimento normal: 8 m x 16 m retangular (128 m² de cobertura).

  13. 2 pares de trasdutores.

  14. Frequência de operação: 32 KHz.

  15. Célula de Detecção de Luz Ambiente:

  16. 5-500 lux (incidente no sensor).

  17. 5-5000 lux (iluminação de superfície não-reflexiva no campo de visão do sensor).

Nota: Valor sujeito à propriedade de refletância da Superfície.

  1. Entradas de Controle: 1 x porta RS-485.

  2. Consumo – até 20mA/ Multisensor.

  3. Temperatura Ambiente de trabalho:

  4. 0º a 40º C de temperatura ambiente.

  5. 0% a 90% de umidade sem condensação.

  6. Referência: DUS804C-UP da Philips, ou equivalente técnico.

  7. Outros fabricantes: Legrand, Osram, Helvar.

  1. Observações:

  1. Deverão ser previstos recortes e adequações no forro para seu perfeito encaixe.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado sensor: R$ 600,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 19,54 /peça

  1. Tipo: Controladora de cargas 1 Saída- DALI

  2. Aplicação:

  1. Para conectar e controlar uma rede DALI local.

  1. Normas Específicas:

  1. CE, C-Tick, IEC62386

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controladora de 1 Saída DALI, utilizada para conectar e controlar uma rede DALI local.

  2. Passível de programação e configuração a partir de software.

  3. Capacidade de integração com outros sistemas.

  4. Dados armazenados internamente.

  5. Saída DALI comporta até 64 endereços.

  6. Para montagem em trilho DIN.

  7. Conexões:

  8. Alimentação: até 4mm².

  9. DALI: Cabo Multipolar 2 vias, até 1,5 mm².

  10. Comprimento Máximo: até 300 m.

  11. Alimentação:

  12. Rede de Alimentação: 100-240 VAC – Monofásico.

  13. 50-60 Hz.

  14. Entradas de Controle:

  15. 1 x porta serial RS485.

  16. 1 x entrada auxiliar - contato seco programável.

  17. Saída de controle:

  18. 1x saída DALI – 64 endereços.

  19. Fonte DC: até 120mA.

  20. Temperatura Ambiente de trabalho:

  21. 0º a 40º C de temperatura ambiente.

  22. 0% a 90% de umidade sem condensação.

  23. Funções de diagnóstico:

  24. Comunicação de falha da lâmpada.

  25. Comunicação falha do Reator/Driver.

  26. Comunicação de tempo de execução de rastreamento para cada Reator/Driver.

  27. Estado do dispositivo Online / Offline.

  28. Referência: DDBC120 da Philips ou equivalente técnico.

  29. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado controladora: R$ 2.500,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 551,30 /peça

  1. Tipo: Controladora de carga 3 Saída- DALI

  2. Aplicação:

  1. Para conectar e controlar uma rede DALI local.

  1. Normas Específicas:

  1. CE, C-Tick, IEC62386

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controladora de 3 Saídas DALI, utilizada para conectar e controlar uma rede DALI local.

  2. Passível de programação e configuração a partir de software.

  3. Capacidade de integração com outros sistemas.

  4. Dados armazenados internamente.

  5. Saída DALI comporta até 192 endereços.

  6. Para montagem em trilho DIN.

  7. Conexões:

  8. Alimentação: até 4mm².

  9. Saída DALI: Cabo Multipolar 2 vias, até 1,5 mm².

  10. Comprimento Máximo: até 300 m.

  11. Alimentação:

  12. Rede de Alimentação: 100-240 VAC – Monofásico.

  13. 50-60 Hz.

  14. Entradas de Controle:

  15. 1 x porta serial RS485.

  16. 1 x entrada auxiliar - contato seco programável.

  17. Saída de controle:

  18. 3 x saída DALI – 192 endereços.

  19. Fonte DC: até 200mA.

  20. Temperatura Ambiente de trabalho:

  21. 0º a 40º C de temperatura ambiente.

  22. 0% a 90% de umidade sem condensação.

  23. Funções de diagnóstico:

  24. Comunicação de falha da lâmpada.

  25. Comunicação falha do Reator/Driver.

  26. Comunicação de tempo de execução de rastreamento para cada Reator/Driver.

  27. Estado do dispositivo Online / Offline.

  28. Referência: DDBC300 da Philips ou equivalente técnico.

  29. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado controladora: R$ 3.500,00/peça

  2. Preço da instalação: R$ 702,00 /peça

  1. Tipo: Controle de Relé – 2 saídas

  2. Aplicação:

  1. Permitir o controle inteligente de cargas de um sistema de automação de iluminação que não sejam comandadas por protocolo DALI.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controladora de 2 Saídas, utilizada para acionamento e automação de luminárias que não possuem acionamento por driver/reator DALI.

  2. Saídas para acionamento de cargas de iluminação.

  3. Carga Máxima: 2x10A.

  4. Dispositivo de Comutação: Relé com contato principal em Tungstênio.

  5. Conexões:

  6. Alimentação: até 4mm².

  7. Saída (F1, F2, N): Até 4 mm².

  8. Alimentação:

  9. Rede de Alimentação: 100-240 VAC, 50-60 Hz.

  10. Entradas de Controle:

  11. 1 x porta serial RS485.

  12. Saída do Relé:

  13. Rede de Alimentação: 200-265 VAC, 45-65 Hz.

  14. Consumo: até 20A.

  15. Fonte DC: até 150mA.

  16. Temperatura Ambiente de trabalho:

  17. 0º a 50º C de temperatura ambiente.

  18. 0% a 95% de umidade sem condensação.

  19. Funções de diagnóstico:

  20. Estado do dispositivo Online / Offline.

  21. Referência: DMRC210 da Philips, ou equivalente técnico.

  22. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado controle de relé: R$ 820,53/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 164,11/peça.

  1. Tipo: Controle de Relé – 4 saídas

  2. Aplicação:

  1. Permitir o controle inteligente de cargas de um sistema de automação de iluminação que não sejam comandadas por protocolo DALI.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Controladora de 4 Saídas, utilizada para acionamento e automação de luminárias que não possuem acionamento por driver/reator DALI.

  2. Saídas para acionamento de cargas de iluminação.

  3. Indicação visual do estado de cada canal.

  4. Carga Máxima: 4x20A.

  5. Dispositivo de Comutação: Relé com contato principal em Tungstênio.

  6. Conexões:

  7. Alimentação: até 4mm².

  8. Saída (F, N por canal): Até 4 mm².

  9. Alimentação:

  10. Rede de Alimentação: 100-240 VAC, 50-60 Hz.

  11. Entradas de Controle:

  12. 1 x porta serial RS485.

  13. 1 x entrada auxiliar - contato seco programável.

  14. Saída do Relé:

  15. Rede de Alimentação: 200-265 VAC, 45-65 Hz.

  16. Consumo: até 80A.

  17. Fonte DC: até 120mA.

  18. Temperatura Ambiente de trabalho:

  19. 0º a 50º C de temperatura ambiente.

  20. 0% a 95% de umidade sem condensação.

  21. Funções de diagnóstico:

  22. Estado do dispositivo Online / Offline.

  23. Referência: DDRC420FR da Philips, ou equivalente técnico.

  24. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado controle de relé: R$ 2.436,80/peça.

  2. Preço da instalação: R$ 487,36 /peça.

  1. Tipo: Fonte de Alimentação Regulada para Sensores - DALI

  2. Aplicação:

  1. Alimentação elétrica para sensores de presença / intensidade de luz, quando a quantidade de sensores ultrapassar a carga disponível para alimentação DC das controladoras.

  1. Normas Específicas:

  1. Low Voltage Directive: 73/23/EEC

  2. IEC 60335-1:2001 Safety

  3. EMC Directive: 89/336/EEC

  4. EN 61000-4-3:1996 Radiated RF Immunity

  5. EN 61000-4-4:1995 Electrical Fast Transient / Burst

  6. EN 61000-4-5:1999 Surge Immunity

  7. EN 61000-4-6:1996/A1:2000 Conducted RF Immunity

  8. EN 61000-4-11:1994 Immunity to Supply Dips and Power Supply Variations

  9. EN 61000-6-1:2001 Generic Standards – Immunity

  10. EN 61000-6-3:2001 Electromagnetic compatibility

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fonte de Alimentação Regulada 15V DC, 1,5A.

  2. Conexões:

  3. Alimentação: até 4mm².

  4. Saída: até 4 mm²

  5. Alimentação:

  6. Rede de Alimentação: 100-240V – 50/60Hz.

  7. Saídas:

  8. 15V DC – 1,5A (para alimentação em 220V).

  9. 15V DC – 1,0A (para alimentação em 110V).

  10. Proteção:

  11. Auto-reajuste de proteção contra sobrecarga

  12. Prova de curto-circuito

  13. Desligamento automático.

  14. Referência: DDNP1501 da Philips, ou equivalente técnico.

  15. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado fonte de alimentação regulada: R$ 1.228,58/peça

  2. Preço da instalação: R$ 245,72 /peça.

  1. Painel de Controle, Comando e Criação de Cenários (Parede)

  2. Aplicação:

  1. Para controle individual de cada usuário em locais fechados e/ou salas de reunião.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Painéis de controle modulares totalmente compatíveis com interfaces DALI.

  2. Permite o controle básico do sistema, bem como criação de cenários.

  3. Disponível para comando em até 10 botões.

  4. Indicadores em Led.

  5. Entradas de Controle: 1 x porta RS-485.

  6. Alimentação: 12 VDC – 20-35mA.

  7. Referência: Philips, Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado painel de parede: R$ 622,40/peça

  2. Preço da instalação: R$ 28,86/peça.

  1. Tipo: Interface para Conexão entre Andares

  2. Aplicação:

  1. Ponte de interconexão entre circuitos de automação, com duas entradas para isolamento ótico do protocolo do determinado andar de modo que a programação seja ao mesmo tempo independente e integrada por andar.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Interface para conexão de sistema. Responsável pela integração entre os diversos componentes da automação da iluminação.

  2. Alimentação: 12V.

  3. Consumo: 375 mA.

  4. Portas Seriais Terminais:

  5. Porta 1: SHIELD, GND, D+, D-, +12V, AUX; 1 x 2.5mm2 max conductor size

  6. Porta 2: SHIELD, GND, D+, D-, +12V; 1 x 2.5mm2 max conductor size; 1 x RJ12 socket for plug in connection.

  7. Portas de Controle: 2x RS-485.

  8. Rede de Alimentação: 100-240V – 50/60Hz.

  9. Controles Internos:

  10. Controlador Lógico Programável – 64 tarefas.

  11. Referência: DNG485 da Philips, ou equivalente técnico.

  12. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado Interface: R$ 2.455,48/peça

  2. Preço da instalação: R$ 491,10/peça.

  1. Tipo: Interface para Conexão USB

  2. Aplicação:

  1. Responsável por fornecer integração passiva do sistema de automação a um PC.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Interface para conexão de sistema de automação a um PC.

  2. Conectores:

  3. DTK622-USB: 1 x USB conector tipo B / 2 x RJ12 soquetes (RS485)

  4. DTK622-232: 1 x D9 fêmea socket (RS232) / 2 x RJ12 soquetes (RS485)

  5. Referência: DTK622 da Philips, ou equivalente técnico.

  6. Outros fabricantes: Osram, Helvar.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado interface USB: R$ 1.252,35/peça

  2. Preço da instalação: R$ 250,47/peça.

  1. Tipo: Software

  2. Aplicação:

  1. Responsável por fornecer integração passiva do sistema de automação a um PC.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. O software de gerenciamento do sistema de iluminação deverá possuir interface gráfica de fácil manuseio e entendimento.

  2. Deve possuir leitura de falhas dos controladores, agendamento de tarefas por horários pré-programados e emissão de relatórios.

  3. Deve possibilitar o recebimento de e-mails com a notificação de falhas, caso algo aconteça com os controladores.

  4. Deve ser instalado em um computador central de gerenciamento onde o arquivo raiz será instalado e nele realizado a programação dos sensores, controladores e cenas por um técnico homologado.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado Software: R$ 19.399,50/software.

  1. Tipo: Treinamento

  2. Aplicação:

  1. O treinamento deve apresentar todas as funcionalidades do sistema aos usuários.,

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. O treinamento deve apresentar todas as funcionalidades do sistema aos usuários, sendo divido nas seguintes etapas:

  2. Treinamento orientativo ao instalador do sistema;

  3. Fornecimento de esquema elétrico orientativo ao instalador e projetista do sistema;

  4. Treinamento sobre as funcionalidades adicionais ao usuário/cliente do sistema;

  5. Treinamento sobre o software ao usuário final.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado Serviço: R$ 10.200,00/serviço.

  1. Tipo: Programação / Comissionamento

  2. Aplicação:

  1. Este serviço deve consistir em duas verificações completas das condições de instalação dos equipamentos.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Este serviço deve consistir em duas verificações completas das condições de instalação dos equipamentos, 3 (três) e 6 (seis) meses após a instalação, devendo realizar as seguintes ações:

  2. Auxílio à correção de qualquer imperfeição na instalação.

  3. Acompanhamento da partida e dos momentos iniciais na operação dos equipamentos fornecidos;

  4. Verificação das condições de funcionamento de cada um dos componentes, assegurando estar de acordo com as especificações do cliente final.

  1. Preço Estimado:

  1. Preço estimado Serviço: R$ 51.000,00/serviço.

  1. Condutores Elétricos

  2. Tipo: Condutores Singelos com Isolação em Termoplástico dupla camada poliolefínico não halogenado (NBR 5410/04, item 6.2.3.5)

  3. Aplicação:

  1. Serão utilizados na distribuição de circuitos terminais, em ambientes onde a distribuição dos circuitos seja feita por meio de condutos fechados (eletrodutos). Método de instalação nº 7 referência B1 da NBR 5410:2004. A sua aplicação é exigida em alguns ambientes por determinação normativa para os quais deverão ser utilizados.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 13248 - Cabos de potência e controle e condutores isolados sem cobertura, com isolação extrudada e com baixa emissão de fumaça para tensões até 1 kV - Requisitos de desempenho.

  2. NBR NM 280 - Condutores de cabos isolados (IEC 60228, MOD).

  3. NBR 13570 - Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Condutores em cobre nu, têmpera mole, encordoamento classe 5, condutor com isolamento termoplástico em dupla camada poliolefínica não halogenada, com características de não propagação e auto-extinção do fogo, classe de isolação 450/750V, de acordo com as prescrições das normas NBR 13248, NBR NM 280 e NBR 13570/1996. Deverá operar para as seguintes temperaturas máximas: 70º C em serviço contínuo, 100º C para sobrecarga e 160º C para curto circuito.

  2. Deverão obedecer às prescrições da NBR NM247 (partes 1, 2 e 3).

  3. Para todos os casos acima devem ser atendidas todas as exigências das normas complementares para cada caso específico.

  4. A bitola mínima para cabos será de 2,5mm² para luz e força e 1,5mm² para comandos e sinalização. Em nenhuma hipótese será permitido o emprego de condutores rígidos (fio), devendo ser empregados obrigatoriamente cabos com encordoamento concêntrico.

  5. As dimensões são indicadas em projeto.

  1. Observações:

  1. Serão utilizados apenas para alimentação de circuitos em baixa tensão.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Tipo: Cabos Singelos/Múltiplos com Isolação e Dupla Cobertura em EPR

  2. Aplicação:

  1. Serão utilizados na distribuição de circuitos alimentadores e de circuitos terminais, em ambientes nos quais a distribuição dos circuitos seja feita por meio de condutos abertos (bandejas, perfilados, leitos, eletrocalhas aramadas ou esteiras) ou em espaço de construção, métodos de instalação nº's 12,13,14,16,21, entre outros da NBR 5410:2004, ou em condutos enterrados (eletrodutos), método de instalação nº 61 da NBR 5410:2004.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 7286 - Cabos de potência com isolação extrudada de borracha etilenopropileno (EPR) para tensões de 1 kV a 35 kV - Requisitos de desempenho.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Deverão ter capa protetora e obedecer às prescrições da NBR 7286. Terão condutores em cobre nu, têmpera mole, encordoamento classe 5, com isolação em composto termofixo de borracha EPR/B, enchimento de termoplástico de PVC isento de chumbo, cobertura em composto de PVC flexível sem chumbo, livre de halogênios, resistente à chama, com características de não propagação e auto extinção de fogo e resistência à chama, conforme NBR 6244. Tensão de isolamento 0,6/1 kV. Deverá operar para as seguintes temperaturas máximas: 90º C em serviço contínuo, 130º C para sobrecarga e 250º C para curto circuito.

  2. Para todos os casos acima devem ser atendidas todas as exigências das normas complementares para cada caso específico.

  3. Para cabos singelos, a isolação terá obrigatoriamente cor azul claro para o neutro, verde para condutor de proteção (TERRA) e outras cores para fase de acordo com determinação de projeto.

  4. Nos casos em que a cobertura do condutor não permita sua identificação por cores (inexistência no mercado), para os casos específicos de neutro e terra, a identificação dos mesmos deverá ser executada por meio de instalação de anilhas específicas e apropriadas que garantam a identificação destas funções nos seus respectivos circuitos, conforme prescrito na NBR 5410.

  5. Em nenhuma hipótese será permitido o emprego de condutores rígidos (fio), devendo ser empregados obrigatoriamente cabos com encordoamento concêntrico.

  6. As dimensões são indicadas em projeto.

  1. Observações:

  1. Serão utilizados apenas para alimentação de circuitos em baixa tensão.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Tipo: Terminais e Luvas de Emenda

  2. Aplicação:

  1. As aplicações de cada produto no item “Características Técnicas / Especificação” abaixo.

  1. Normas Específicas:

  1. As normas específicas estão descritas no item “Características Técnicas / Especificação” abaixo.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Os terminais de conexão para condutores elétricos (cabos flexíveis), de bitolas entre 1,0 mm² e 16 mm², serão constituídos de um pino tubular, tipo ilhós, de cobre de alta condutividade, estanhado e isolado com luvas de polipropileno. Serão instalados, por meio de ferramenta mecânica apropriada (alicate) do tipo compressão. Para casos específicos, em que o terminal do equipamento não permita a utilização de terminal tipo tubular, poderá ser empregado terminal tubular com um furo para o contato principal. Aplicação: alimentadores e circuitos terminais derivados de dispositivos de manobra e proteção cujos terminais, inferior e superior sejam adequados a sua utilização.

  2. Para condutores (cabos flexíveis) com bitolas entre 16 e 630 mm², os terminais de conexão serão confeccionados em cobre estanhado para obter maior resistência à corrosão e deverão possuir um furo na base de conexão para bitolas até 240 mm². Para bitolas entre 240 e 630 mm², deverão possuir dois furos na base. Deverão possuir janela vigia no barril de conexão ao cabo, que permita verificar a completa inserção do cabo. Serão instalados por meio de ferramenta mecânica ou hidráulica apropriada (alicate) do tipo compressão. Aplicação: alimentadores e conexões elétricas derivadas diretamente de barramentos. Eventualmente, poderão ser utilizados em equipamentos de manobra e proteção, cujos terminais inferior e superior permitam sua instalação.

  3. Para derivações e emendas de condutores de bitola até 6,0mm², deverão ser utilizadas conectores tipo IDC, construídos em contatos de latão estanhado em forma de "U" que, protegidos por uma capa isolante em PVC, permitem que, em uma única operação, a remoção da capa isolante dos condutores sem utilização de alicates especiais, emendando e isolando a conexão. Deverão possuir tensão nominal para 750 V, temperatura de 105 ºC e atender as normas UL 486C, CSA 22.2, IEC 998-2 e IEC 998-4. Aplicação: emendas de topo, de retas e derivações de alimentadores e circuitos terminais de iluminação, tomadas de uso geral ou circuitos específicos.

  4. Para emendas de condutores (cabos flexíveis) com bitolas entre 10 e 630 mm², deverá ser utilizada luva de emenda a compressão fabricada em cobre estanhado para obter maior resistência à corrosão. Deverão possuir janela vigia no barril de conexão dos cabos, que permita verificar a completa inserção dos condutores. Serão instalados, por meio de ferramenta mecânica ou hidráulica apropriada (alicate) do tipo compressão.

  5. Deverão ser isoladas por meio da aplicação de camadas de fita isolante, anti chama, para cabos com isolação até 750 V, que restabeleça e forneça uma capa protetora isolante e altamente resistente a abrasão. A fita isolante deverá atender aos requisitos da NBR 5037 e UL 510.

  6. Para cabos com isolação em EPR 0,6/1 kV, ou que possuem temperatura de regime de 130ºC, deverão ser utilizadas fitas à base de borracha etileno propileno (EPR), que restabeleça as características de isolação, resistência e vedação contra umidade dos cabos. A fita deverá atender aos requisitos da norma NBR 10669 e ASTM D-4388. Aplicação: emendas e derivações de alimentadores e circuitos terminais de iluminação, tomadas de uso geral e circuitos específicos.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Pelo conjunto instalado.

  1. Tipo: Identificadores e Acessórios para Cabos

  2. Aplicação:

  1. Identificação de alimentadores e circuitos terminais de iluminação, de tomadas de uso geral e específico, bem como fixação de cabos de energia.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Os condutores deverão ser identificados por meio de marcadores, confeccionados em PVC flexível, auto-extinguível, para temperatura de trabalho de -20ºC a +70ºC, com marcação estampada em baixo relevo, impresso em preto no amarelo, com disponibilidade de sistemas de identificação por meio de números (0 a 9), letras (A a Z) e sinais elétricos, com diâmetro externo para aplicação direta em condutores com bitola até 10 mm².

  2. Para condutores com bitola superior a 10 mm², a identificação será feita por meio de acessórios de identificação constituído de porta marcador, confeccionado em nylon 6.6, auto-extinguível, temperatura de trabalho de -20ºC a +70ºC, com formato retangular, dimensões mínimas de 9x64,5 mm, com capacidade mínima para até 7 marcadores, fechado nas duas extremidades a fixado ao cabo por meio de abraçadeiras de nylon em suas extremidades.

  3. As abraçadeiras para amarração de cabos, deverão ser confeccionadas em nylon 6.6, auto-extinguível, com temperatura de trabalho de -40ºC a +85ºC, com dimensões mínimas de 4,9 mm (espessura) e 1,3 mm (largura) e tensão mínima de 22,7 Kgf. O diâmetro de amarração deverá ser adequado a cada conjunto de cabos a ser amarrado.

  4. Os fixadores para cabos elétricos e de comunicação deverão, ser fabricados em nylon 6.6, auto-extinguível, temperatura de trabalho -40ºC a +85ºC, com diâmetro de fixação variável de 12,7 mm a 38,1 mm e raio de regulagem de 13,8 mm a 30,3 mm.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por conjunto instalado.

  1. Condutores – Sistema de Automação

  2. Tipo: Cabo de pares trançados com blindagem – 3 pares

  3. Aplicação:

  1. Utilizado para transmissão de sinal e ligação entre equipamentos do sistema de automação.

  1. Normas Específicas:

  1. Os cabos a serem utilizados deverão atender aos preceitos contidos na Norma ANSI/EIA/TIA-568B.2-1, possuir certificado de performance elétrica pela UL ou ETL e ISSO 11801, bem como certificado para flamabilidade, classe de flamabilidade impressa na capa, ser oferecido nas classes de flamabilidade CM ou CRM de acordo com a Norma NBR 14705.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Cabos de pares trançados compostos de condutores sólidos de cobre estanhado, 24 AWG, com isolamento semirrígido em PVC. Blindagem externa em fitas de folha de alumínio e poliéster. Capa externa em PVC não propagante a chama e sem halogênios, com marcação sequencial métrica, NVP mínimo de 70%, e construídos conforme as normas ISSO/IEC 11801; EM 50173 3 ANSI/TIA /EIA 568 - B 2-1.

  2. Especificação:

Cabo: Multi-condutor 3 pares Blindado.

Quantidade de pares: 03.

Dist. Máx. permitida: 100 metros.

Bitola Externa: ~6,5 mm.



  1. Referência: Belden 9503, Garland MCP3S, M&M cables B9503 CS.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Tipo: Cabo de par trançado com blindagem – 1 par

  2. Aplicação:

  1. Utilizado para transmissão de sinal – protocolo DALI.

  1. Normas Específicas:

  1. Os cabos a serem utilizados deverão atender aos preceitos contidos na Norma ANSI/EIA/TIA-568B.2-1, possuir certificado de performance elétrica pela UL ou ETL e ISSO 11801, bem como certificado para flamabilidade, classe de flamabilidade impressa na capa, ser oferecido nas classes de flamabilidade CM ou CRM de acordo com a Norma NBR 14705.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Cabo de par trançado composto de condutores sólidos de cobre estanhado, 20 AWG, com isolamento em Polietileno. Blindagem externa em fitas de folha de alumínio e poliéster. Capa externa em PVC não propagante a chama e sem halogênios, com marcação sequencial métrica, NVP mínimo de 70%, e construídos conforme as normas ISSO/IEC 11801; EM 50173 3 ANSI/TIA /EIA 568 - B 2-1.

  2. Especificação:

Cabo: Multi-condutor único par Blindado.

Quantidade de pares: 01.



Dist. Máx. permitida: 300 metros.

  1. Referência: Belden 8762, 1035A, Alpha 622C.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Tomadas e Plugues de Energia

  2. Tipo: Tomadas e Plugues de Energia até 20A

  3. Aplicação:

  1. Pontos de tomadas terminais de corrente nominal inferior a 20A (10A ou 20A – conforme especificado em projeto).

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 14136 - Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20A/250 V em corrente alternada – Padronização.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Tanto as tomadas quanto os plugues e os acoplamentos empregados deverão ser construídos conforme especificações da NBR 14136 e atender às exigências das normas complementares relacionadas.

  2. Quando instalados ao tempo deverão ter proteção contra respingos, correspondentes ao grau de proteção IP 23.

  3. Nas instalações embutidas, as tomadas serão montadas em caixas de chapa estampada, ou de PVC, e terão placa de material termoplástico na cor branca (Veja linha do espelho de acabamento no item interruptores).

  4. Nas instalações no piso elevado, serão montadas em suporte metálicos, com tampa redonda em nylon.

  5. Não serão aceitas instalações de tampa acima do nível do revestimento do piso acabado.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Tipo: Suporte metálico para piso elevado

  2. Aplicação:

  1. Suporte metálico para instalação de tomadas em piso elevado.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Suporte metálico com quatro pontos de energia e quatro de dados/lógica.

  2. Deve permitir a alimentação do sistema com perfeito acabamento, podendo ser fixada à placa de piso elevado, facilitando a montagem e manutenção.

  3. Deverá ser fornecido com tampa de nylon redonda, com rebaixo para carpete ou vinílico, com acabamento na cor preta, cinza ou do ambiente.

  4. Deverá ter altura máxima de 50 mm, para permitir furações de 1”.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Tipo: Passa cabos redondo em Nylon

  2. Aplicação:

  1. Passa cabos redondo em nylon, para instalação em suportes de tomadas para piso elevado.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Tampa redonda em nylon, para instalação em suportes metálicos de tomadas para piso elevado.

  2. Utilizado para passagem de cabos e acesso às tomadas instaladas no suporte.

  3. Diâmetro: 140 mm / Altura: 28 mm.

  4. Tampa com rebaixo interno, permitindo a aplicação de revestimento igual ao da placa de piso elevado.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.




  1. Condutos

  1. O fornecimento dos eletrodutos deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como luvas, curvas, conector tipo box, entre outros, acessórios de fixação e sustentação dos eletrodutos fixados em piso, parede e laje.

  2. O fornecimento das eletrocalhas, perfilados e calhas deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como mata juntas, tala de emenda, entre outros, acessórios de fixação e sustentação das eletrocalhas ou perfilados, sejam sustentados sobre o piso por suportes em perfilados 38x38 mm, sejam sustentados em parede ou em laje ou sustentados em qualquer outro tipo de estrutura.

  1. Eletrodutos Metálicos

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalações aparentes em entre-forro e entre o piso elevado.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 6323 - Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido – Especificação.

  2. NBRNM-ISO7-1 - Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de aço carbono, com revestimento protetor, rosca cônica conforme NBR 6414 e com costura. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura “classe média”. Possuirão superfície interna isenta de arestas cortantes. Os eletrodutos deverão ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. Para instalações aparentes e expostas ao tempo somente deverão ser empregados, eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a quente (galvanizado) conforme a NBR 6323.

  2. Para instalações aparentes não expostas ao tempo (internas), ou enterrados no solo, ou embutidas em pisos de concreto, quando previstas em projeto, deverão ser empregados eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a frio (galvanização eletrolítica).

  3. Os acessórios do tipo luva e curva deverão obedecer às especificações da Norma 5598 e acompanham as mesmas características dos eletrodutos aos quais estiverem conectados.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Eletrodutos de PVC Rígido

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalação embutidos em espaços não acessíveis ou enterrados.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR-6150 - Eletrodutos de PVC rígido.

  2. NBR-6233 - Verificação da estanqueidade à pressão interna de eletrodutos de PVC rígido e respectiva junta.

  3. MB-963 - Eletroduto de PVC rígido - verificação da rigidez dielétrica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de cloreto de polivinil não plastificado (PVC), auto-extinguível, rosqueáveis, conforme NBR 6150.B. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura da “Classe A“. Para desvios de trajetória só será permitido o uso de curvas, ficando terminantemente proibido submeter o eletroduto a aquecimento. Os eletrodutos devem ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente devem ter obrigatoriamente bucha e arruela fundidas, ou zamack.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Eletrodutos Flexíveis

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Utilizado na alimentação de máquinas com risco de vibração, circuitos terminais que requeiram mobilidade pequena. Instalações aparentes ou em espaços de construção acessíveis como o entre piso.

  1. Normas Específicas:

  1. IEC - 61.386-2

  2. IEC - 61.386-23

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Interior metálico formado por uma fita de aço galvanizado eletrolítico, laminada a frio, sendo toda a superfície metálica livre de marcas de fabricação ou irregularidades, não havendo possibilidade de haver ataques de corrosão.

  2. Revestimento exterior executado por extrusão sob pressão em PVC, resistente a líquidos e produtos químicos, além de possuir excelentes propriedades isolantes. Obedecerão ao tamanho nominal em polegada conforme projeto e terão diâmetro mínimo de 3/4”.

  1. Observações:

  1. Devem ser utilizados acessórios (conectores) com excelente vedação. Uso de niple metálico rosqueado na ponta do eletroduto flexível, para obter a continuidade elétrica entre os dutos e o conector, garantindo elevada resistência mecânica à tração, evitando a deformação do flexível, oferecendo assim uma superfície lisa, sem rebarbas para a passagem dos cabos.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Calha Para Piso Elevado

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalação sob o piso elevado.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR IEC 61537 – Sistemas de eletrocalhas e de escadas para acomodação de cabos

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. As eletrocalhas/calhas/perfilados e acessórios serão confeccionados em chapa de aço SAE 1008/1010, tratadas por processo de pré zincagem a fogo de acordo com a Norma NBR 7008, com camada de revestimento de zinco de 18 micra, com espessura mínima de chapa de acordo com as dimensões abaixo relacionadas:

Eletrocalhas com largura de 50 a 100mm – chapa #20

Eletrocalhas com largura de 150 a 300 mm – chapa #18

Eletrocalhas com largura acima de 300 mm – chapa #16

Perfilado 38x38mm – chapa #18



  1. Tanto as eletrocalhas/calhas, quanto os seus acessórios, deverão ser lisas ou perfuradas, fixadas por meio de pressão e por talas acopladas a eletrocalha/calha, que facilitem a sua instalação. Para terminações, emendas, derivações, curvas horizontais ou verticais, divisores e acessórios de conexão, deverão ser empregadas peças pré-fabricadas com as mesmas características construtivas da eletrocalha.

  2. As eletrocalhas/calhas deverão possuir resistência mecânica a carga distribuída mínima de 19 kgf/m para cada vão de 2 m. A conexão entre os trechos retos e conexões das eletrocalhas/calhas deverão ser executados por mata juntas, com perfil do tipo “H”, visando nivelar e melhorar o acabamento entre a conexões e eliminar eventuais pontos de rebarba que possam comprometer a isolação dos condutores.

  3. Dimensões conforme planilha orçamentária.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.




  1. Quadros Elétricos

  2. Aplicação:

  1. Deverão sempre atender as especificações contidas em plantas. Esta especificação fixa os requisitos mínimos para o fornecimento, fabricação e ensaios para quadros de força, de iluminação, de ar condicionado, de tomadas e de comando de baixa tensão, entre outros, conforme definição caso a caso em projeto.

  2. Deverão ser utilizados quadros em material metálico.

  3. Não serão aceitos quadros em material termoplástico.

  1. Normas Específicas:

  1. Os quadros deverão ser fabricados, testados e ensaiados de acordo com as normas da ABNT aplicáveis em particular a NBR 60439-1 e NBR 60439-3. Todos os equipamentos instalados no interior dos quadros deverão obedecer às normas da ABNT aplicáveis, em caso de dúvidas e/ou omissões deverão ser resolvidas em conjunto com a FISCALIZAÇÃO do CONTRATANTE.

  1. Características construtivas e mecânicas – Quadros Metálicos

  1. O quadro deverá ser confeccionado em chapa de aço carbono, selecionadas, absolutamente livre de empenos, enrugamentos, aspereza e sinais de corrosão com espessura mínima 14MSG, executado de uma só peça, sem soldagem na parte traseira, em um único módulo.

  2. A porta do quadro deverá ser executada em chapa metálica de mesma bitola definida para a caixa. As dobradiças serão internas. A porta deverá ainda possuir juntas de vedação, de forma a garantir nível de proteção IP-23/42 e fecho tipo lingueta acionado por chave tipo fenda ou triangular.

  3. O quadro deverá possuir placa de montagem tipo removível, executada em chapa de aço com espessura mínima 12MSG.

  4. O quadro deverá ainda possuir dispositivos que permitam sua fixação à parede ou; base soleira para apoio e fixação no piso e porta desenhos.

  5. Na parte inferior e superior, deverão ser previstos flanges removíveis para permitir que sejam feitas conexões de eletrodutos, leitos ou eletrocalhas. A porta deverá ser provida de aberturas para ventilação, dimensionadas de maneira a garantir os níveis de temperatura indicados na NBR 60439-1 ou na parte 3 da mesma norma se aplicada ao painel.

  1. Tratamento e pintura – Quadros Metálicos

  1. Todas as partes metálicas, caixa, porta, placa de montagem, deverão receber tratamento anticorrosivo. Este tratamento deverá constituir no mínimo de limpeza, desengraxamento e aplicação de pintura eletrostática.

  2. As cores de acabamento serão:

  3. parte interna e externa - cinza claro Munsel 6,5 espectro liso;

  4. placa de montagem - laranja

  5. Todas as peças de pequeno porte, como parafusos, porcas, arruelas, deverão ser zincadas ou bicromatizadas, não sendo aceito o uso de parafusos auto atarrachantes.

  1. Referência: ABB, Schneider, Legrand.

  2. Características dos Componentes Elétricos

  3. Contator / Relé térmico / Relé Auxiliar / Timer

  1. Os contatores, relés térmicos e relés auxiliares deverão ter características conforme indicado nos os diagramas elétricos.

  1. Disjuntores de proteção e manobras

  1. Deverão ser construídos em caixa moldada em resina termoplástica injetada, composto por câmera de extinção de arco, bobina de disparo magnético, elemento bimetálico, terminal superior e inferior com bornes apropriados para conexão de cabos ou terminais, contato fixo e móvel confeccionados em prata tungstênio e mecanismo de disparo independente, que permite a abertura do disjuntor , mesmo com a alavanca travada na posição ligado.

  2. Deverão atender as normas NBR IEC 60898 / NBR IEC60947-2 / IEC 898 e IEC 947-2.

  3. Os disjuntores que compõem os painéis de distribuição deverão possuir as características relacionadas abaixo. Para detalhes específicos, referentes a capacidade de ruptura e eventuais ajustes de seletividade deverá ser verificado as indicações constantes nos diagramas unifilares que compõem o projeto.

  4. Número de pólos: conforme diagrama unifilar, indicado em projeto;

  5. Corrente Nominal: conforme diagrama unifilar, indicado em projeto;

  6. Frequência: 50/60 Hz;

  7. Tensão Máxima de Emprego: 400 VCA;

  8. Curvas de Disparo: conforme diagrama unifilar, indicado em projeto;

  9. Manobras Elétricas: 10.000 operações;

  10. Manobras Mecânicas: 20.000 operações;

  11. Grau de proteção: IP 21;

  12. Fixação: Trilho DIN 35 mm;

  13. Temperatura Ambiente: -25º C a + 55 º C;

  14. Terminais: conforme indicado em projeto.

  15. Alguns disjuntores especificados possuem disparados termomagnéticos, outros possuem disparadores eletrônicos e outros disparadores eletrônicos/lógicos. Em caso de uso de fabricante equivalente, os disparadores dos disjuntores a serem fornecidos deverão possuir as mesmas características aos especificados.

  16. Os disparadores lógicos/eletrônicos deverão possuir capacidade de comunicação com o sistema de supervisão e controle predial através de protocolo modbus RTU fornecendo as grandezas elétricas as quais o disparador eletrônico lógico especificado podem medir.

  1. Interruptor Diferencial Residencial (DR)

  1. Os dispositivos DR que compõem os painéis de distribuição deverão possuir as características relacionadas abaixo.

  2. Deverão atender as normas NBR IEC 1008 e BS EM 61008;

  3. Número de pólos: conforme diagrama unifilar, indicado em projeto;

  4. Corrente Nominal: conforme diagrama unifilar, indicado em projeto;

  5. Sensibilidade: 30 mA;

  6. Frequência: 50/60 Hz;

  7. Tensão Máxima de Emprego: 400 VCA;

  8. Manobras Elétricas: 10.000 operações;

  9. Manobras Mecânicas: 20.000 operações;

  10. Grau de proteção: IP 21;

  11. Fixação: Trilho DIN 35 mm;

  12. Temperatura Ambiente: -25º C a + 55 º C;

  13. Terminais: conforme indicado em projeto;

  14. Deverão ser fornecidos com contato auxiliar para sinalização e alarme.

  15. Quando instalados em painéis com dispositivos de proteção contra sobretensões a jusante do DR, estes deverão ser do tipo S.

  1. Dispositivo de Proteção contra Sobretensão (DPS).

  1. Deverão ser construídos conforme as normas ANSI/IEEE C62,41-1991 e C62.41-1987.

  2. Os dispositivos de proteção contra sobretensões serão construídos por varistores de óxido de metálico de baixa energia, com capacidade para até 10 kA e deverão ser instalados a jusante do dispositivo de seccionamento / proteção geral e a montante do dispositivo DR.

  3. Deverão possuir as características abaixo, quando instalados em sistemas elétricos com característica de aterramento TN-S e localizados na zona de proteção C:

  4. Nível de Proteção (Up): não superior a 2,5 kV para painéis 380/220 V, 50/60 Hz;

  5. Máxima Tensão de Operação Contínua (Uc): igual o superior à 275 V (Entre conduto de fase e PE) para painéis 380/220V, em 50/60 Hz;

  6. Extinção da Corrente residual de Surto com Uc : 100 Aeff ;

  7. Capacidade dos Surtos Unipolar

  8. corrente nominal de descarga (In): igual ou superior à 5 kA ( 8/20 μs) para cada modo de proteção. Todavia, In não deve ser inferior a 20 kA (8/20 μs) em redes trifásicas, ou a 10 kA (8/20 μs) em redes monofásicas, quando o DPS for usado entre neutro e PE, no esquema de conexão 3 indicado na figura 13 da NBR 5410:2004;

  9. Corrente de impulso (Iimp): não deve ser inferior a 12,5 kA para cada modo de proteção. No caso de DPS usado entre neutro e PE, no esquema de conexão 3 (ver figura 13, da NBR 5410:2004) Iimp não deve ser inferior a 50 kA para uma rede trifásica ou 25 kA para uma rede monofásica.

  10. Tempo de Resposta; <= 25 ns ;

  11. Fusíveis Máximos: 125 A gL / gG;

  12. Temperatura ambiente : - 25 º C até + 75º C;

  13. Grau de Proteção : IP 20

  14. Fixação : sobre trilho DIN 35x7,5 mm;

  15. Para o esquema de aterramento citado deverão ser instalados dispositivos contra sobretensão entre cada fase e neutro e entre neutro e condutor de proteção (PE).

  16. Os dispositivos DPS deverão atender as seguintes características técnicas:

  17. Capacidade de Energia: 2500 Joules

  18. Tempo de resposta dos componentes: 1 nano seg.

  19. Vida Útil, com 120 Vac aplicados:

  20. 3 kA, 8/20 micro seg > 3000 operações

  21. 10 kA, 8/20 micro seg > 100 operações

  22. Temperatura Operacional: -40º até + 65º C

  23. O dispositivo deverá possuir sinalização local luminosa, através de LED's, que indique seu estado de operação.

  1. Unidades de comando

  1. As unidades de comando deverão ser apropriadas para operação em 500 VCA ou 250 VCC. Deverão ser para serviço pesado, vida mecânica 100.000 manobras, grau de proteção mínima IP-54.

  2. As botoeiras deverão ser do tipo "contatos momentâneos". Deverão ser operadas externamente sem necessidade de abertura da porta do painel. Chaves de controle e de comando deverão ser adequadas para instalação em painéis. Contatos de botoeiras e chaves de controle deverão ser prateados.

  3. Botões e chaves deverão obedecer ao seguinte código de cores:

  4. Partida ou Liga........................................................Verde;

  5. Parada ou Desliga....................................................Vermelho;

  6. Teste......................................................................Amarela;

  7. Rearme...................................................................Preta;

  8. Chave seletora........................................................Preta;

  9. Desligamento de emergência.........Vermelha (tipo cogumelo).

  1. Fusíveis para comando

  1. Chave fusível modular, com cartucho fusível, frequência nominal de 60 Hz, para trilhos DIN, de acordo com a norma IEC 269.2-1.

  2. Deverão ser do tipo diazed até a corrente nominal de 50 A. Acima deste valor deverão ser do tipo NH.

  1. Bornes Terminais




  1. A fiação destinada a conexões externas ao painel deverá ser levada a bornes terminais.

  2. Os bornes deverão ser de um só tipo para todo o fornecimento, de fixação unificada para força e comando.

  3. Os bornes de força deverão ser sobre dimensionados para receber cabos de até 2 bitolas acima da bitola da capacidade de carga.

  4. Os bornes deverão ser de material isolante não quebradiço (de nylon ou poliamida).

  1. Acessórios

  1. Para cada quadro deverão ser fornecidos os seguintes acessórios:

  2. Um porta desenhos na parte interna da porta;

  3. Uma chave para parafusos de ajuste para fusíveis diazed.

  1. Inspeção e testes na fábrica

  1. O equipamento objeto desta especificação deverá ser submetido às inspeções e testes pelo fabricante ou fornecedor e ter seus resultados anexados à documentação fornecida.

  2. Os painéis deverão possuir garantia de fabricação mínima de 12 meses a partir do seu início de funcionamento.

  3. As inspeções e testes a serem realizadas no fornecedor ou fabricante, deverão ser feitas em presença do inspetor do comprador.

  4. O CONTRATANTE poderá a seu exclusivo critério dispensar o testemunho DA CONTRATADA Na realização de alguns dos testes previamente combinados, o que não libera o fornecedor da realização destes testes e apresentação dos relatórios correspondentes.

  5. A aprovação do inspetor credenciado pelo comprador, não isenta o fornecedor das responsabilidades e garantias definidas nesta especificação.

  6. Todos os testes relacionados a seguir deverão ter seus custos explicitados na proposta, caso envolvam custos adicionais.

  7. As Inspeções de verificação geral de dimensões serão realizadas de acordo com os desenhos fornecidos pelo fabricante e aprovados pelo CONTRATANTE.

  8. A Inspeção visual inclui as seguintes verificações:

  9. Estado geral dos quadros;

  10. Condições gerais de pintura;

  11. Facilidade de manutenção;

  12. Rigidez mecânica das fixações;

  13. Quantidade e características dos componentes nos desenhos aprovados.

  14. Os testes mecânicos consistem na verificação de bom funcionamento das portas, dos interlockes mecânicos das maçanetas, da extração e inserção de gavetas extraíeis quando for o caso, etc.

  15. Os testes de operação elétrica e controle de fiação verificarão a exatidão da fiação e operação elétrica na seguinte sequencia:

  16. Testes dielétricos, incluindo:

  17. Verificação com Megger do isolamento dos barramentos, fiação de comando, proteção e medição;

  18. Ensaio de tensão aplicada conforme normas ABNT;

  19. Testes de polaridade de TCs e instrumentos;

  20. Testes de continuidade da fiação e verificação da fiação e bornes;

  21. Testes de verificação de funcionamento elétrico e mecânico dos componentes.

  1. Caixas

  2. Tipo: Caixas de Passagem e Derivação

  3. Aplicação:

  1. Nos circuitos de instalações elétricas e sistemas de cabeamento estruturado.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 6235 - Caixas de derivações de instalações elétricas prediais – Especificação.

  2. NBR 5431 - Caixas de derivação para uso em instalações elétricas domésticas e análogas – Dimensões.

  3. Normas complementares exigidas.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Para instalações embutidas em paredes e teto, serão empregadas caixas estampadas em chapa de aço com espessura mínima de 1,2 mm e revestimento protetor à base de tinta metálica. Para pontos de luz no teto serão octogonal 4”x4", nas paredes serão 4”x2" ou 4”x4" para interruptores e tomadas e 4”x2" para acionadores de alarmes. Para os casos acima poderão ser utilizadas caixas de passagem confeccionadas em PVC auto-extinguível.

  2. Para instalações embutidas no piso (Tomadas, telefone e alarme), serão de alumínio fundido com tampa de latão polido de altura regulável e junta de vedação em borracha. As entradas devem ter rosca cônica conforme NBR 6414.

  3. Para instalações aparentes, de maneira geral serão empregados conduletes de alumínio fundido, com tampa em alumínio estampado e junta em borracha. Quando as entradas não forem rosqueadas, deverão possuir juntas de vedação em borracha (prensa cabo). Em ambos os casos a vedação deve oferecer grau de proteção IP 54.

  4. Para instalações de alimentadores em áreas abrigadas, em montagem embutida ou aparente, podem ser empregadas caixas de chapa de aço dobradas, com tampa aparafusada. Nestes casos a espessura mínima da chapa deve ser de 1,2 mm.

  5. Para instalações ao tempo ou em locais muito úmidos, deverão ser empregadas caixas de alumínio fundido com tampa com junta de borracha, de forma a oferecer grau de proteção IP 54.

  1. Observações:

  1. Para instalações embutidas no piso, as caixas de passagem devem ter dimensão de profundidade externa inferior à do contrapiso.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Equalização do Aterramento

  2. Cordoalha de Cobre Nu

  1. Onde indicado em projeto, para as instalações de equalização de aterramento, deverão ser utilizados condutores elétricos em cobre sem isolação (cordoalha de cobre nu) com características em conformidade com a NBR 5419 e demais normas pertinentes.

  2. O diâmetro dos condutores é definido em projeto.

  1. Demais componentes

  1. Os demais componentes a serem utilizados, tais como: conectores, barras de interligação, barras de equalização, entre outros estão definidos, especificados e detalhados em projeto.

  2. Como referência, foram utilizados modelos da Termotécnica para equalização do aterramento, podendo ser utilizado fabricante com materiais equivalentes aos especificados tecnicamente.

  3. As barras de equipotelcialização principal e secundárias (além das TGBs e TMGB do sistema de cabeamento estruturado) devem possuir uma furação para cada conexão e furação reserva de, no mínimo, 50% da quantidade a ser ocupada inicialmente.

  1. Fabricantes de Referência

  1. Os fabricantes informados neste item devem ser utilizados como referência podendo ser aceitos outros fabricantes, desde que atendam aos requisitos desta especificação e sejam equivalentes técnicos.

  1. Caixa de Passagem Estampada/Conduletes/Alumínio Fundido

  1. Daisa

  2. Paschoal Thomeu

  3. Wetzel

  1. Quadros de Sobrepor

  1. ABB

  2. Cemar

  3. Elsol

  4. Schneider

  5. Taunus

  1. Conector Borne Para Painel De Comando

  1. Conexel

  2. Entrelec

  3. Phoenix Contact

  1. Contatores

  1. ABB

  2. Eaton

  3. Schneider

  4. Siemens

  1. Disjuntores de Baixa Tensão/Minidisjuntores/Dispositivos DR

  1. ABB

  2. Eaton

  3. Schneider

  4. Siemens

  1. Eletrocalhas, Leitos, Perfilados e Duto de Piso

  1. Dutotec

  2. Mega

  3. Mopa

  4. Valeman Elétrica Ltda

  1. Eletrodutos de Aço

  1. Apolo

  2. Burndy

  3. Paschoal Thomeu

  4. Sptf - Sealtubo "P" (Flexível)

  1. Eletrodutos de PVC

  1. Dutoplast

  2. Paschoal Thomeu

  3. Tigre

  4. Wetzel

  1. Fios e Cabos

  1. Conduspar

  2. Ficap

  3. Prysmian

  4. Reiplás

  1. Fita Isolante

  1. 3M - (Especificação 33+)

  2. Pirelli

  3. White Martins

  1. Lâmpadas

  1. General Electric

  2. Osram

  3. Philips.

  1. Luminárias

  1. Continet

  2. Indelpa

  3. Itaim

  4. Lumicenter

  5. Lumini

  6. Wetzel

  1. Luminária Autônoma de Emergência

  1. Aureon

  2. Empalux

  3. Gevi Gama

  4. Unitron

  1. Aterramento

  1. Paraklin

  2. Protegel

  3. Termotécnica

  1. Plugue e Tomada

  1. Pial Legrand

  2. Schneider

  3. Steck

  1. Reatores

  1. Osram

  2. Philips

  1. Tomadas e Interruptores / Espelhos

  1. Pial Legrand

  2. Schneider

  3. Siemens

  4. Steck

  1. DPS

  1. Clamper

  2. Liebert

  3. MTM

  4. Schneider

  5. Siemens

  1. Instalações de Telecomunicações

  2. Cabeamento Estruturado

  3. Normas e Padrões para Instalações de Cabeamento Estruturado

  1. Todos os materiais a serem utilizados na instalação deverão obedecer às seguintes normas:

  2. NBR 14565:2007 da ABNT - Cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais.

  3. TIA/EIA-568-B.1 - General Requirements, TIA/EIA-568-B.2 - Balanced Twisted Pair Cabling Components, TIA/EIA-568-B.2-1 - Balanced Twisted Pair Cabling Components - Addendum 1 - Transmission Performance Specifications for 4-pair 100 Ohms category 6 cabling.

  4. TIA/EIA-569-A - Commercial Building Standard for Telecommunications Pathways and Spaces.

  5. TIA/EIA-606 - The Administration Standard for the Telecommunications Infrastructure of Commercial Buildings.

  6. TIA/EIA-607 - Commercial Building Grounding and Bonding Requirements for Telecommunications.

  7. Prática 235-510-600 da Telebrás – Projetos de Redes Telefônicas em Edifícios.

  8. Normas e práticas pertinentes da Telebrás.

  9. Normas da concessionária de telefonia local (Telefônica, como também de outras concessionárias das quais o CONTRATANTE seja cliente).

  10. Administração do Sistema de Cabeamento Estruturado.

  11. Deverá ser realizada de acordo com a Norma TIA/EIA-606 e NBR 14565 da ABNT.

  12. A Norma exige identificadores para todos os elementos da infraestrutura, quais sejam: caminhos (eletrocalhas e eletrodutos), cabos principais e secundários, emendas, tomadas de telecomunicações, espaços (ATs, Sala de Equipamentos, etc.), sistema de aterramento, entre outros.

  13. Deverão também ser definidos Registros que detalhem os relacionamentos entre os componentes da infraestrutura, conforme determinado pela Norma TIA/EIA-606.

  1. Condutos

  1. O fornecimento dos eletrodutos deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como luvas, curvas, conector tipo box, entre outros, acessórios de fixação e sustentação dos eletrodutos fixados em piso, parede e laje.

  2. O fornecimento das eletrocalhas, perfilados e calhas deverá contemplar todos os acessórios para a instalação, tais como mata juntas, tala de emenda, entre outros acessórios de fixação e sustentação das eletrocalhas ou perfilados, sejam sustentados sobre o piso por suportes em perfilados 38x38mm, sejam sustentados em parede ou em laje ou sustentados em qualquer outro tipo de estrutura.

  1. Eletrodutos Metálicos

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalações aparentes em entre-forro.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 6323 - Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido – Especificação.

  2. NBRNM-ISO7-1 - Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de aço carbono, com revestimento protetor, rosca cônica conforme NBR 6414 e com costura. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura “classe pesada”. Possuirão superfície interna isenta de arestas cortantes. Os eletrodutos deverão ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. Para instalações aparentes e expostas ao tempo somente deverão ser empregados, eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a quente (galvanizado) conforme a NBR 6323.

  2. Para instalações aparentes não expostas ao tempo (internas), ou enterrados no solo, ou embutidas em pisos de concreto, quando previstas em projeto, deverão ser empregados eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a frio (galvanização eletrolítica).

  3. Os acessórios do tipo luva e curva deverão obedecer às especificações da Norma 5598 e acompanham as mesmas características dos eletrodutos aos quais estiverem conectados.

  1. Observações:

  1. A bitola mínima para eletrodutos é de 1”.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Eletrodutos de PVC Rígido

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalação em embutidos em espaços não acessíveis ou enterrados.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR-6150 - Eletrodutos de PVC rígido.

  2. NBR-6233 - Verificação da estanqueidade à pressão interna de eletrodutos de PVC rígido e respectiva junta.

  3. MB-963 - Eletroduto de PVC rígido - verificação da rigidez dielétrica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de cloreto de polivinil não plastificado (PVC), auto-extinguível, rosqueáveis, conforme NBR 6150.B. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura da “Classe A“. Para desvios de trajetória só será permitido o uso de curvas, ficando terminantemente proibido submeter o eletroduto a aquecimento. Os eletrodutos devem ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente devem ter obrigatoriamente buchas e arruela fundidas, ou zamack.

  1. Observações:

  1. A bitola mínima para eletrodutos é de 1”.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Condutores

  2. Tipo: Cabos UTP de Categoria 6

  3. Aplicação:

  1. Destinados a distribuição horizontal

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fornecimento e instalação de cabos de pares trançados compostos de condutores sólidos de cobre nu, 24 AWG, isolados em composto especial de polietileno. Capa externa em PVC não propagante a chama e sem halogênios, com marcação sequencial métrica, NVP mínimo de 70%, e construídos conforme as normas ISSO/IEC 11801; EM 50173 3 ANSI/TIA /EIA 568 - B 2-1.

  2. Especificação:

Cabo: UTP (Unshielded Twisted Pair).

Tipo: Categoria 6.

Quantidade de pares: 04.

Dist. Máx. permitida: 90 metros.

Cor: Azul.

Bitola Externa: ~6,5 mm.



  1. Montagem do Cabo: A fixação dos condutores do cabo UTP ao conector RJ-45 deve obedecer à seguinte polaridade (T568A):

PINO COR OBSERVAÇÕES

1 Branco do par branco/verde Par 3

2 Verde Par 3

3 Branco do par branco/laranja Par 2

4 Azul Par 1

5 Branco do par branco/azul Par 1

6 Laranja Par 2

7 Branco do par branco/marrom Par 4

8 Marrom Par 4



  1. A identificação deve ser colocada a uma distância, conforme descrita a seguir, de modo que a visualização desta não seja prejudicada, conforme descrito abaixo:

Distância do conector RJ-45 do lado do Patch Panel (+/- 1,0 cm).

  1. Distância do conector RJ-45 do lado da estação de trabalho (+/- 20,0 cm).

  2. Do lado da estação de trabalho a identificação deverá ser sequencial, conforme mostrado em projeto.

  3. No lance dos cabos deve ser considerada uma folga (slack) em ambas as extremidades que deverão atender as seguintes medidas:

No lado do Armário de Telecomunicações (rack): 3 m;

  1. No lado da estação de trabalho: 0,3 m.

  1. Observações:

  1. Os cabos deverão ser identificados utilizando marcadores para condutores elétricos confeccionados em PVC flexível, com inscrição em baixo relevo, em fundo amarelo e letras pretas, com diâmetro adequado a bitola do cabo, de maneira anão produzir esmagamento da seção do cabo e de modo que estes não deslizem pelo cabo, indicando o número do terminal da estação de trabalho correspondente.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado

  1. Tipo: Cabo Coaxial RG 59

  2. Aplicação:

  1. Transmissão de imagem da câmera de segurança

  1. Normas Específicas:

  1. NBR14702 - Cabos coaxiais flexíveis com impedância de 75 ohms para redes de banda larga- Especificação

  2. NBR13977 Cabos ópticos - Determinação do tempo de indução oxidativa (OIT) - Método de ensaio

  3. NBR6242 Verificação dimensional para fios e cabos elétricos

  4. NBR8094 Material metálico revestido e não-revestido - Corrosão por exposição à névoa salina

  5. NBR9141 Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de tração e alongamento à ruptura - Método de ensaio

  6. NBR9148 Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de envelhecimento acelerado - Método de ensaio

  7. NBR9149 Cabos telefônicos - Ensaio de escoamento do composto de enchimento - Método de ensaio

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Fornecimento e instalação de cabo coaxial RG 59 com blindagem de cobre nu (cobertura 90 – 95%), condutor singelo em aço cobreado, isolamento em polietileno sólido, 75 ohms, 67pF/m, com duplo condutor de cobre de diâmetro 75 mm incorporado, envoltos em capa PVC na cor branca, conectorizados nas extremidades com conector fêmea tipo BNC na rosca.

  2. Os cabos deverão ser identificados utilizando marcadores para condutores elétricos confeccionados em PVC flexível, com inscrição em baixo relevo, em fundo amarelo e letras pretas, com diâmetro adequado a bitola do cabo, de maneira a não produzir esmagamento da seção do cabo e de modo que estes não deslizem pelo cabo indicando o número do terminal da estação de trabalho correspondente.

  3. No lance dos cabos deve ser considerada uma folga (slack) em ambas as extremidades que deverão atender as seguintes medidas:

  4. No lado do Armário de CFTV: 3 m

  5. No lado da Câmera: 0,5 m

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado

  1. Tipo: Patch Cords em cobre e Line Cords em Cobre (cat. 6)

  2. Aplicação:

  1. O Patch cord é utilizado para a interligação do Switch ao patch panel.

  2. O Line Cord interliga os pontos locados na caixa embutida no piso até o usuário (computador).

  1. Normas Específicas:

  1. A Anatel regulamentou que os Patch Cords comercializados a partir de 30 de novembro de 2007 devem atender aos requisitos mínimos da norma EIA/TIA 568-B.2 para Categoria 5e.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão utilizados cabos de cobre não blindados (UTP), categoria 6, nas dimensões definidas em projeto e planilha, flexíveis, 250 MHz, com 4 pares trançados, com conectores RJ-45 machos (A. plugues) na polaridade T568A, isolados em composto especial de polietileno e capa externa em PVC não propagante a chama e sem halogênios. Os patch cords deverão ser confeccionados e testados em fábrica, devendo ser apresentada certificação de categoria 5e do fabricante.

  1. Observações:

  1. O line Cord e patch cord a serem fornecidos deverão possuir certificação compulsória da ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações) nos termos do “Regulamento para Certificação e Homologação de Produtos de Telecomunicações” anexo à Resolução 242/2000 da ANATEL.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade.

  1. Tipo: Abraçadeiras de Velcro

  2. Aplicação:

  1. Utilizada para agrupamento de cabos.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão utilizadas abraçadeiras de Velcro com dimensões de 13 mm de largura e 38 mm de comprimento. Deverão ter durabilidade média de 20.000 ciclos e quando imerso em água manter em cerca de 50 % sua força, recuperando-a totalmente quando seca.

  2. Deverá estar incluso no fornecimento dos cabos UTP, para uso em toda a instalação nas calhas, eletrocalhas, racks e em toda a infraestrutura.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade.

  1. Tipo: Certificação do Cabeamento Estruturado

  2. Aplicação:

  1. Verificação dos parâmetros conforme descrito abaixo:

Perda de inserção (IL);

Near End Crosstalk (NEXT);

Power Sum Near End Crosstalk (PSNEXT);

Attenuation to Crosstalk Radio – Extremidade Próxima (ACRN);

Power Sum Attenuation to Crosstalk Radio – Extremidade Próxima (PSACR-N);

Far End Crosstalk (FEXT);

Attenuation to Crosstalk Radio – Extremidade Distante (ACRF);

Power Sum Attenuation to Crosstalk Radio – Extremidade Distante (PSACRF);

Perda de Retorno (RL);

Malha Elétrica;

Atraso de Propagação;

Desvio de Retardo;



Comprimento.

  1. Normas Específicas:

Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Deverão ser entregues relatórios de todos os pontos lógicos na forma impressa e também em meio digital (CD).

  2. A solução e execução dos serviços de instalação deverá ser executado por integrador homologado pelo fabricante, que ofereça garantia mínima de 15 anos na instalação e nos componentes (incluindo todos os componentes da instalação, deverá ser garantida a substituição de componente defeituoso sem ônus para o CONTRATANTE durante a vigência da garantia).

  3. A empresa contratada deverá apresentar previamente, para a FISCALIZAÇÃO do CONTRATANTE, relatório impresso de, pelo menos, um ponto lógico, para que esta confira os parâmetros calibrados no aparelho e autorize a certificação dos pontos lógicos restantes.

Para os componentes Categoria 5e, a certificação deverá ser realizada com equipamento Analisador de Rede Local de acordo com as Normas TIA/EIA-568-B.2-1, TIA/EIA-568-B.2 e TIA/EIA-568-B.1.

  1. Por fim, deve ser entregue ao CONTRATANTE documentação de garantia de 15 anos do sistema de cabeamento estruturado antes do recebimento provisório. A não entrega da documentação solicitada por este item da especificação implicará na retenção de 10% do valor total dos serviços de engenharia contratados pelo CONTRATANTE.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por ponto instalado.

  1. Rack 19”

  2. Aplicação:

  1. Abrigo de equipamentos ativos de rede, distribuídos nos ambiente do corredor de abastecimento do auto Atendimento e da Sala Técnica, conforme mostrado em projeto. A quantidade de racks a ser fornecida deverá estar de acordo com quantificada em planilha. Sistemas de cabeamento estruturado.

  1. Normas Específicas:

Não se aplica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. O rack deverá ter estrutura soldada composta por 4 colunas, base, teto e quilha em chapa de aço, com espessura mínima de 3 mm, tratada e pintada na cor bege RAL 7032 texturizada.

  2. Os fechamentos devem ser removíveis através de fecho rápido macho/fêmea, de fácil remoção, em chapa de aço.

  3. Deverá estar incluso no fornecimento teto exaustor para rack, porta frontal em vidro temperado transparente, colunas de segundo plano, sistema de chave e fechadura, laterais e traseira removíveis, redutores de tração e pés niveladores. Devem vir equipados com KIT de aterramento incorporado e possuir grau de proteção mínimo IP 44.

  4. A largura do rack deverá ser de 19", com altura definida em projeto e deverá ter bandeja com no mínimo 2 ventiladores.

  5. Os equipamentos a serem acondicionados nos racks são bandejas para equipamentos de telecomunicações (modens, switches, etc.) na versão mesa, roteadores e switches e patch panels.

  6. Todo rack deverá ser fornecido com todos os guias de cabos fechados necessários para a organização interna dos cabos. Deverão ser confeccionados em aço com espessura de 1,5 mm, com largura de 19" (conforme requisito da Norma ANSI/EIA/TIA-310D), resistente, protegido contra corrosão, com pintura em epóxi de alta resistência a riscos e altura 1U.

  7. Todo rack deverá ser fornecido com todos os grampos para organização vertical (passa cabos) para organização interna dos cabos. Deverão ser compostos por um anel passa cabo e uma chapa de aço com espessura 1,2 mm, resistente, protegido contra corrosão, com pintura em epóxi de alta resistência a riscos e altura 1U.

  8. Todo rack deverá ser fornecido com todos os parafusos e portas gaiolas para instalação dos componentes e do rack. Serão utilizados parafusos M5 x 13 mm niquelado, com fenda tipo Philips, para utilização em conjunto com porca gaiolas M5 para furos 9x9 em aço temperado.

  1. Patch Panel

  2. Aplicação:

  1. Instalação em rack para execução da distribuição horizontal do cabeamento estruturado e manobras de conexão no rack.

  1. Normas Específicas:

  1. TIA/EIA-568-B.1 / B.2 / B.2-1

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Patch panel para rack com largura padrão de 19”, equipado com 24 portas RJ-45 de categoria 5e de 8 vias para 250MHz com conexão IDC para condutores de 22 a 26 AWG e polaridade T568A, o patch panel deve possuir suportes frontais para acomodação dos patch cords conectados ao patch panel o que elimina a necessidade de utilização de organizadores de cabos – os suportes frontais também devem possuir encaixe para facilitar a conectorização dos cabos de distribuição horizontal, o patch panel deve possuir suportes traseiros para fixação dos cabos de distribuição horizontal conectados à parte traseira dos patch panels, ocupação de 1U, para fixação em rack.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Régua de tomadas para Rack 19” – 12 Tomadas

  2. Aplicação:

  1. Instalação em rack para alimentação dos equipamentos ativos.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 14136 - Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo até 20A/250 V em corrente alternada – Padronização.

  2. NBR5410 – Instalações elétricas de baixa tensão.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Deverão ser fornecidas para alimentação elétrica dos equipamentos instalados no rack calhas contendo doze tomadas 2P+T, 250 V, 10A. As calhas deverão possuir furação nas extremidades para fixação na estrutura dos gabinetes de 19”.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Plugues e Caixas

  2. Tipo: Tomada RJ-45

  3. Normas Específicas:

TIA/EIA-569-A - Commercial Building Standard for Telecommunications Pathways and Spaces

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. As tomadas serão do tipo modular, padrão RJ-45, tipo fêmea (jack), 8 pinos, categoria 5e, 250 MHz, com vias de contato planas, não blindada, terminais de conexão em cobre berílio, padrão 110 IDC para cabos com bitola 22 a 26 AWG, polaridade T568A, com corpo em termoplástico de alto impacto não propagante á chama (UL 94 V-0), e fornecidas com protetores traseiros para as conexões e tampa de proteção frontal contra poeira.

  2. Os ícones de Identificação deverão ser plaquetas coloridas de identificação, encaixadas na parte frontal da tomada RJ-45, para identificação externa dos pontos, de acordo com a Norma TIA/EIA-606. Além disso, no espelho da caixa de piso deverá haver uma plaqueta plástica colorida removível para sinalizar se o ponto está configurado para operar com voz ou com dados.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade.

  1. Fabricantes de Referência

  1. Os fabricantes informados neste item devem ser utilizados como referência podendo ser aceitos outros fabricantes desde que atendam aos requisitos desta especificação e sejam equivalentes técnicos.

  1. Caixa de Passagem Estampada/Conduletes/Alumínio Fundido

  1. Daisa

  2. Paschoal Thomeu

  3. Wetzel

  1. Eletrocalhas, Leitos, Perfilados e Duto de Piso

  1. Mega

  2. Mopa

  3. Valeman Elétrica Ltda

  1. Eletrodutos de Aço

  1. Apolo

  2. Burndy

  3. Sptf - Sealtubo "P" (Flexível)

  1. Eletrodutos de PVC

  1. Dutoplast

  2. Paschoal Thomeu

  3. Tigre

  4. Wetzel

  1. Sistemas de Cabeamento Estruturado, cabos, conectores, etc.

  1. AMP

  2. Beldem

  3. Furukawa

  4. Nexans

  1. Racks

Black Box

Knurr


  1. Instalações Especiais

  2. Sonorização

  3. Condutos

  1. O fornecimento dos eletrodutos deverá contemplar todos os acessórios para a instalação tais como luvas, curvas, conector tipo box, entre outros, acessórios de fixação e sustentação dos eletrodutos fixados em piso, parede e laje.

  2. O fornecimento das eletrocalhas, perfilados e calhas deverá contemplar todos os acessórios para a instalação, tais como mata juntas, tala de emenda, entre outros acessórios de fixação e sustentação das eletrocalhas ou perfilados, sejam sustentados sobre o piso por suportes em perfilados 38x38mm, sejam sustentados em parede ou em laje ou sustentados em qualquer outro tipo de estrutura.

  1. Eletrodutos Metálicos

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalações aparentes em entre-forro.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 6323 - Galvanização de produtos de aço ou ferro fundido – Especificação.

  2. NBRNM-ISO7-1 - Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de aço carbono, com revestimento protetor, rosca cônica conforme NBR 6414 e com costura. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura “classe pesada”. Possuirão superfície interna isenta de arestas cortantes. Os eletrodutos deverão ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. Para instalações aparentes e expostas ao tempo somente deverão ser empregados, eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a quente (galvanizado) conforme a NBR 6323.

  2. Para instalações aparentes não expostas ao tempo (internas), ou enterrados no solo, ou embutidas em pisos de concreto, quando previstas em projeto, deverão ser empregados eletrodutos com revestimento protetor à base de zinco, aplicado a frio (galvanização eletrolítica).

  3. Os acessórios do tipo luva e curva deverão obedecer às especificações da Norma 5598 e acompanham as mesmas características dos eletrodutos aos quais estiverem conectados.

  1. Observações:

  1. A bitola mínima para eletrodutos é de 3/4”.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Eletrodutos de PVC Rígido

  2. Aplicação:

  1. Proteção mecânica e elétrica dos cabos.

  2. Encaminhamento de circuitos/instalação em embutidos em espaços não acessíveis ou enterrados.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR-6150 - Eletrodutos de PVC rígido.

  2. NBR-6233 - Verificação da estanqueidade à pressão interna de eletrodutos de PVC rígido e respectiva junta.

  3. MB-963 - Eletroduto de PVC rígido - verificação da rigidez dielétrica.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão rígidos, de cloreto de polivinil não plastificado (PVC), auto-extinguível, rosqueáveis, conforme NBR 6150.B. Os eletrodutos obedecerão ao tamanho nominal em polegadas e terão paredes com espessura da “Classe A“. Para desvios de trajetória só será permitido o uso de curvas, ficando terminantemente proibido submeter o eletroduto a aquecimento. Os eletrodutos devem ser fornecidos com uma luva roscada em uma das extremidades. As extremidades dos eletrodutos, quando não roscadas diretamente em caixas ou conexões com rosca fêmea própria ou limitadores tipo batente devem ter obrigatoriamente buchas e arruela fundidas, ou zamack.

  1. Observações:

  1. A bitola mínima para eletrodutos é de 3/4”.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado.

  1. Condutores

  2. Tipo: Cabo Polarizado (paralelo) para Sistema de Som

  3. Aplicação:

  1. Sistema de Som.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Condutor paralelo isolado constituído por condutor de cobre classe 5, isolação de PVC, tipo BWF, tensão de isolamento 450/750V, seção nominal variável, de acordo com a NBR 6148. Serão condutores em cobre têmpera mole com isolação PVC 70º, classe 750V. Utilizar bitola de #2,0 mm².

  2. Cabo específico para sistema de som.

  1. Observações:

  1. Não se aplica.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por metro instalado

  1. Caixas

  2. Tipo: Caixas de Passagem e Derivação

  3. Aplicação:

  1. Nos circuitos de instalações elétricas e sistemas de cabeamento estruturado e sonorização.

  1. Normas Específicas:

  1. NBR 6235 - Caixas de derivações de instalações elétricas prediais – Especificação.

  2. NBR 5431 - Caixas de derivação para uso em instalações elétricas domésticas e análogas – Dimensões.

  3. Normas complementares exigidas.

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Para instalações embutidas em paredes e teto, serão empregadas caixas estampadas em chapa de aço com espessura mínima de 1,2 mm e revestimento protetor à base de tinta metálica. Para pontos de luz no teto serão octogonal 4”x4", nas paredes serão 4”x2" ou 4”x4" para interruptores e tomadas e 4”x2" para acionadores de alarmes. Para os casos acima poderão ser utilizadas caixas de passagem confeccionadas em PVC auto-extinguível.

  2. Para instalações embutidas no piso (Tomadas, telefone e alarme), serão de alumínio fundido com tampa de latão polido de altura regulável e junta de vedação em borracha. As entradas devem ter rosca cônica conforme NBR 6414.

  3. Para instalações aparentes, de maneira geral serão empregados conduletes de alumínio fundido, com tampa em alumínio estampado e junta em borracha. Quando as entradas não forem rosqueadas, deverão possuir juntas de vedação em borracha (prensa cabo). Em ambos os casos a vedação deve oferecer grau de proteção IP 54.

  4. Para instalações de alimentadores em áreas abrigadas, em montagem embutida ou aparente, podem ser empregadas caixas de chapa de aço dobradas, com tampa aparafusada. Nestes casos a espessura mínima da chapa deve ser de 1,2 mm.

  5. Para instalações ao tempo ou em locais muito úmidos, deverão ser empregadas caixas de alumínio fundido com tampa com junta de borracha, de forma a oferecer grau de proteção IP 54.

  1. Observações:

  1. Para instalações embutidas no piso, as caixas de passagem devem ter dimensão de profundidade externa inferior à do contrapiso.

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Sonofletores

  2. Tipo: Sonofletor para música ambiente embutido no forro

  3. Aplicação:

  1. Nos sistemas de Sonorização.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão compostos por 01 alto-falante, 01 arandela e 01 transformador de linha.

  2. A fixação deste sonofletor é feita utilizando-se arandelas com garras que se prendem ao forro.

  3. A arandela deverá ser de tamanho suficiente para que nela também seja possível a instalação do transformador de linha.

  4. As caixas de som deverão possuir alto-falantes Bravox ou Selenium, diâmetro de 6”, instaladas em caixa acústica embutidas no forro.

  5. Tipo de alto-falante: full range 6”

  6. Potência RMS: 25W

  7. Potência Prog. Musical: 50W

  8. Impedância: 8 Ω

  9. SPL 1W@1m(dB): 90

  10. Resposta frequencia @ - 10dB (Hz): 55-15k

  11. Cobertura angular: 60°

  12. Deve possuir transformadores com saída de 70,7 Vrms.

  13. Cada setor deverá ser controlado por um controlador de volume para linha de 70,7 Vrms.

  1. Observações:

  1. Não se aplica

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Tipo: Sonofletor para música ambiente embutido no forro com potenciômetro

  2. Aplicação:

  1. Nos sistemas de Sonorização.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão compostos por 01 alto falante, 01 transformador de linha e 01 relé dos sistema de by-pass, 01 potenciômetro e 01 base de madeira.

  2. O alto falante deverá ser aparafusado à uma base de madeira tipo compensado de 15mm.

  3. Também deverão ser fixados na base de madeira o transformador de linha e o relé do sistema de by-pass.

  4. A base deverá ser redonda com diâmetro externo de 9” .

  5. Nesta mesma placa de forro deverá ser instalado o potenciômetro que irá controlar o volume do sonofletor. Deverá ser feito na placa do forro um furo que permita a passagem do eixo do potenciômetro. E na extremidade do eixo deverá ser colocado um knob.

  6. O sistema de by-pass é composto de 01 relé com 01 NA + 01 NF, que faz o by-pass do potenciômetro do sonofletor quando alimentado por uma tensão DC proveniente de uma fonte DC externa.

  7. Para se realizar o acionamento dos relés deverá ser construído um painel de botões de acionamento que trabalhará em conjunto com uma fonte de tensão DC.

  8. O potenciômetro não necessitará do sistema de by-pass, pois ficará instalado no interior da arandela e a arandela estará firmemente fixada à parede.

  9. Padrão de cores para Cabos de áudio e by-pass:

  10. Áudio: vermelho e preto

  11. By-pass: azul e branco

  12. Potenciômetro: azul, branco e vermelho

  13. Somente serão aceitas emendas na fiação nos locais de derivação dos pontos de som. Toda emenda deverá ser feita utilizando-se solda. E o isolamento deverá ser feito utilizando-se tubo tremo retrátil.

  14. Alto-falantes: 5 1/4” WO cone PP + 1” TW domo PEI

  15. Impedância: 8 Ω

  16. Potência RMS: 40W

  17. Programa musical: 80W

  18. SPL 1W @ 1m (dB): 89

  19. Resposta de Frequência @ - 10dB (Hz): 95 – 20.000

  20. Deve possuir transformadores com saída de 70,7 Vrms.

  21. Cada setor deverá ser controlado por um controlador de volume para linha de 70,7 Vrms.

  1. Observações:

  1. Não se aplica

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.

  1. Tipo: Sonofletor para música ambiente tipo arandela sobreposto

  2. Aplicação:

  1. Nos sistemas de Sonorização.

  1. Normas Específicas:

  1. Não se aplica

  1. Características Técnicas / Especificação:

  1. Serão compostos por 03 serão compostos por 01 alto falante, 01 arandela e 01 transformador de linha, 01 potenciômetro rotativo interno.

  2. O alto falante e o transformador de linha deverão ser instalados no interior da arandela.

  3. A arandela deverá possuir em sua estrutura furos apropriados para sua instalação.

  4. Alto-falantes: 5 1/4” WO cone PP + 1” TW domo PEI

  5. Impedância: 8 Ω

  6. Potência RMS: 40W

  7. Programa musical: 80W

  8. SPL 1W @ 1m (dB): 89

  9. Resposta de Frequência @ - 10dB (Hz): 95 – 20.000

  10. Deve possuir transformadores com saída de 70,7 Vrms.

  11. Cada setor deverá ser controlado por um controlador de volume para linha de 70,7 Vrms.

  1. Observações:

  1. Não se aplica

  1. Sistema de Medição:

  1. Por unidade instalada.


1   ...   10   11   12   13   14   15   16   17   ...   22


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal