Probabilidade da Bancarrota de Portugal é superior a 50%



Baixar 125,06 Kb.
Página1/2
Encontro26.11.2017
Tamanho125,06 Kb.
  1   2

Probabilidade da Bancarrota de Portugal é Superior a 50%

Jornal de Notícias, Sábado 6 Novembro 2010

Pedro Araújo, paraujo@fep.up.pt
Primeira página: CRISE - Probabilidade do país ir à falência é superior a 50%
O FMI aprova as medidas orçamentais de Portugal, mas diz que os mercados já estão a apostar numa “quase certa” falência do país para breve. Segundo especialistas, os investidores estimam em mais de 50% a probabilidade da bancarrota nacional.

O antigo director-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) Jacques de Larosière elogiou, ontem, as medidas que estão a ser tomadas em Portugal para o reequilíbrio das contas públicas e diz que o FMI não terá que intervir, até porque não faria muito mais. Curiosamente, um relatório da organização considera que os investidores estão a apostar na bancarrota nacional, actuação que Larosière considera injusta, pedindo por isso que as agências de rating reclassifique o risco da dívida portuguesa.

“Não tenho nenhuma previsão sobre as possibilidades da entrada do FMI em Portugal”, nem “faço ideia nenhuma de que documentos se esteja a falar”, ironizou o ministro da economia, Vieira da Silva numa referência ao “Fiscal Monitor” do FMI.

O economista Daniel Bessa defende, por seu lado, que a aprovação do Orçamento de Estado (OE) para 2011 é insuficiente para acalmar os mercados, que “não querem saber de planos, mas de resultados”, porque Portugal não cumpriu “alguns dos últimos planos” (PEC I, II e III).

São precisamente os resultados e não as intenções políticas que estão a condicionar os mercados. “Nos últimos 10 anos a taxa de crescimento do PIB foi de 0.5% ao ano, com aumento do endividamento, pelo que não será de prever que nos próximos 20 anos seja superior. Por estes números é que os credores estão muito preocupados com a situação estimando em cerca de 50% a probabilidade de Portugal falir nos próximos 10 anos”, afirma Pedro Cosme, professor de Matemática Financeira na Faculdade de Economia do Porto (FEP).

A probabilidade de falência mede-se com a taxa de juro que se paga menos a taxa de inflação (2%, que é o limite “tolerado” pelo BCE) capitalizada 10 anos. Ou seja, se a taxa de juro das Obrigações do Tesouro (OT) estava ontem nos 6.66%, então o risco de falência estava nos 56.32%, de acordo com os cálculos de Pedro Cosme.

O Pacto de Estabilidade e Crescimento estabelece dois ideais: défice de 3% e divida pública de 60% do PIB. Pedro Cosme estima que se a divida pública ficar em 83.3% em 2010 (dado reportado a Bruxelas) e o défice crescimento real em 1% do PIB, então o critério dos 60% só será alcançado e, 2041, num cenário de crescimento do PIB (ver infografia) e de diminuição do défice que o próprio considera cor-de-rosa, tanto amis que o Governo já deu como certo o crescimento de apenas 0,2% em 2011 devido aos efeitos recessivos do OE 2011.

A data projectada pelo professor da FEP é quase idêntica à realizada em Maio último pelo IMD, projecção cuja questão básica era saber quando as nações de todo o Mundo vão ter uma dívida cifrada em 60% do PIB, Portugal surge em terceiro lugar (ano 2037), antecipado do Japão (2084) e da Itália (2060). Até a Grécia consegue chegar primeiro aos 60% (2031). Este cenário é totalmente subscrito por Nuno Fernandes, professor da Escola de Negócios IMD, na Suíça.

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, considera, por seu lado, que a escalada das taxas de juro reflecte a preocupação dos mercados face À situação de vários países europeus (Itália, Irlanda, Grécia e Espanha), contagiando Portugal.

Ficha técnica: Como foram construídas as previsões apresentadas.

Pedro Cosme da Costa Vieira



Novembro de 2010
1. Estimação da taxa de crescimento do PIB. A taxa de crescimento do PIB (1% em 2010 e aumentando linearmente até atingir 3% em 2016 mantendo-se neste valor no longo prazo) está de acordo com o observado nas duas últimas décadas do século XX (3.1%/ano) mas é muito optimista atendendo ao observado nos últimos 10 anos (0.5%/ano). Assumindo que em termos estruturais a tendência de degradação dos factores de crescimento vai ser estancada, o valor mais provável para a taxa de crescimento de longo prazo da economia portuguesa será 1.6%/ano (valor obtido pela aplicação do método dos mínimos quadros aos dados referentes aos últimos 50 anos – linha a vermelho da fig. 1).
Fig. 1 - Taxa de crescimento do PIB e tendência de evolução (dados: Banco Mundial)


Assumindo que o OE 2011 vai ser cumprido, que o défice de 3% do PIB vai ser conseguido em 2012 e que este valor é melhorado a partir de 2015 (défice de 2.5% do PIB) então, a dívida pública atingirá 60% do PIB dentro de aproximadamente 30 anos. Isto se o produto crescer 3%/ano. Ver a folha de cálculo seguinte (fig. 2) em que as linhas 1 a 5 são pressupostos de que resultam as linhas 5 e 6. Esta é a simulação considerada na notícia.
Fig. 2 - Evolução do PIB nominal e da Dívida Pública (em % do PIB)

C5: =(B5*B6+B2*C6)/C6 C6: =B6*(1+B3)*(1+B4)


Se a taxa de crescimento do PIB evoluir 1.6%/ano será necessário garantir um défice menor que 1.25% do PIB para poder controlar o problema da dívida pública nos mesmos 30 anos.
2. Estimação da probabilidade de bancarrota de Portugal. Não é possível determinar qual é a taxa de juro sem risco mas, atendendo à evolução da dívida pública de países sólidos e com taxas de inflação baixas, será aceitável assumir que seja igual à da taxa de inflação esperada, isto é, uma taxa de juro real igual a zero. Então, o que se paga além da taxa de inflação, que se denomina por Spread, quantifica a probabilidade de o devedor entrar em incumprimento.

Assumindo uma taxa de inflação, , quando emprestamos uma soma de dinheiro, V, a uma taxa de juro, R, a determinação da probabilidade de bancarrota, p, usa o quantitativo que recebemos no caso de correr tudo bem, V(1 + R), a percentagem deste valor que recebemos no caso de bancarrota / reescalonamento da dívida, pb, e o quantitativo que receberíamos no caso de emprestarmos a um país sem risco, V(1 + ).



Assumindo = 2%/ano, R = 6.66%/ano e pb = 1/3 teremos = (1+2%/ano)^10 –1 = 21.90% e R = (1+6.66%/ano)^10-1 = 90.55%. Então, resulta uma probabilidade de bancarrota de Portugal nos próximos 10 anos (implícita na taxa de juro da divida portuguesa) de 54%.


O valor de 56.32% apresentado na notícia quantifica quanto Portugal vai pagar, em termos reais, a mais por ser pressentido um elevado risco de Portugal entrar em incumprimento: por cada 100€ pedidos emprestados, Portugal irá pagar, nos 10 anos, mais 56.32€ do que pagaria se tivesse as contas em ordem.
3. Será exagerado pensar que Portugal vai entrar em bancarrota? Para aquilatarmos da pertinência dos credores conjecturarem que Portugal vai entrar em bancarrota teremos que calcular o esforço financeiro necessário para amortizar o endividamento externo total (público e privado) que é, grosso modo, de 250% do PIB, em 50 anos, com um crescimento do PIB de 1,6%/ano. Assumindo prestações reais crescentes a à taxa de crescimento do PIB (o esforço mantém-se em termos relativos constante), serão necessários 20% do PIB para juros e amortização:

Se retirarmos ainda os mais de 10% do défice corrente actual (ver Fig. 4) que terá que ser corrigido, a não bancarrota apenas acontece se a sociedade portuguesa aceitar como efeito directo a contracção do rendimento disponível em 20%.



  1   2


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal