Ppc do Curso de Engenharia Elétrica



Baixar 1,42 Mb.
Página2/35
Encontro24.06.2017
Tamanho1,42 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35

Apresentação


A Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) faz parte do programa de expansão das Universidades Federais do Brasil. A expansão do ensino superior na metade sul do Rio Grande do Sul iniciou em 2006 por meio do Acordo de Cooperação Técnica firmado entre o MEC, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidade Federal de Pelotas (UFPel), o qual visava à implantação da nova Universidade Federal do Pampa em 10 (dez) cidades das regiões Fronteira Oeste e Campanha do estado: Alegrete, Bagé, Caçapava do Sul, Dom Pedrito, Itaqui, Jaguarão, São Borja, São Gabriel, Santana do Livramento e Uruguaiana.

Em 11 de janeiro de 2008, a Lei 11.640, cria a UNIPAMPA – Fundação Universidade Federal do Pampa, que fixa em seu artigo segundo: “A UNIPAMPA terá por objetivos ministrar ensino superior, desenvolver pesquisa nas diversas áreas do conhecimento e promover a extensão universitária, caracterizando sua inserção regional, mediante atuação multicampi na mesorregião Metade Sul do Rio Grande do Sul”.

O histórico da criação da UNIPAMPA mostra que ela é resultante de um movimento que veio marcada pela responsabilidade de contribuir com a região em que se edifica - um extenso território, com críticos problemas de desenvolvimento sócio-econômico, inclusive de acesso à educação básica e à educação superior. Com a oferta de cursos de graduação e pós-graduação de forma pública e gratuita a contribuição desta instituição na integração e no desenvolvimento da região de fronteira do Brasil com o Uruguai e Argentina se torna evidente e marcante.

Dessa forma a criação da UNIPAMPA, além de concretizar um antigo sonho da população, permitirá que a juventude, ávida de conhecimentos, permaneça em sua região de origem e adquira as informações necessárias para impulsionar o progresso de sua região, no momento em que se forma mão-de-obra qualificada, e aumenta-se a auto-estima de seus habitantes, tendo, como conseqüência, o surgimento de novas famílias, cujos filhos vislumbrarão opções para que se desenvolvam sociedades cultural e economicamente independentes. Seu compromisso, portanto, é de direcionar seu fazer para contribuir, vigorosamente, nesse movimento, enraizando-se na região e afirmando-se no contexto das instituições federais de ensino superior.

Com a criação da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA perseguem-se duas metas as quais serão a marca da atual administração federal:


  1. Interiorização da educação pública, preenchendo lacunas geográficas e ocupando espaços em regiões nas quais as carências impedem o acesso das populações menos favorecidas ao ensino superior, conseqüentemente, ao desenvolvimento;

  2. Criar condições para a inversão do atual percentual de estudantes matriculados no ensino superior público com relação ao total dos estudantes matriculados no País. Hoje em torno de 20%, quando a meta, para os próximos 5 anos, é de chegar aos 40% de acordo com o PNE – Plano Nacional de Educação.

A estrutura multi-campi da UNIPAMPA visa desenvolver a metade sul do estado e promover a melhoria do nível de vida da população nessa região desfavorecida. A meta é chegar aos 67 cursos de graduação, cerca de 13.000 alunos, 400 docentes e 400 servidores técnico-administrativos, consolidando a expansão do ensino superior público no Estado.

No campus de Alegrete, as atividades de ensino, pesquisa e extensão iniciaram em 2006. Atualmente, oferece os cursos de Ciência da Computação, Engenharia Agrícola, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica e Engenharia de Software, além de viabilizar vários projetos para a sociedade de Alegrete no contexto tecnológico, ambiental, social e político.

O curso de Engenharia Elétrica iniciou suas atividades no segundo semestre de 2006, com o ingresso de 50 alunos na primeira turma. A partir deste momento, houve o ingresso sistemático de uma nova turma a cada ano. O processo de implantação do curso iniciou com a contratação de docentes e técnico-administrativos, aquisição de equipamentos de laboratório, construção da infraestrutura física, materiais didáticos e bibliográficos.

O Projeto Político-Pedagógico inicial do curso de graduação em Engenharia Elétrica foi elaborado por uma equipe da Universidade Federal de Santa Maria, ainda antes do início das atividades letivas, guiando o processo de implantação.

O presente documento, Projeto Pedagógico do Curso (PPC) de Engenharia Elétrica, apresenta uma revisão do Projeto Político Pedagógico, adequando ao contexto local e ao corpo docente formado durante a implantação da UNIPAMPA.

  1. Introdução


Este Projeto Pedagógico do Curso (PPC) tem o objetivo de direcionar as ações de educação e formação profissional no Curso de Engenharia Elétrica da UNIPAMPA. A elaboração do PPC é amparada na lei de diretrizes e bases no 9394/96 e nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia (resolução CNE/CSE no 11/2002).

O PPC apresentado neste documento contribui com o projeto de modernização do sistema universitário brasileiro, especificamente na formação qualificada de recursos humanos na área de Engenharia Elétrica.

Considerando-se a dinâmica evolutiva dos processos de ensino-aprendizagem, dos conhecimentos abordados no curso e da própria sociedade, torna-se importante afirmar que a construção e (re)avaliação do projeto político deve ser um processo contínuo visando seu constante aperfeiçoamento.

Este documento é organizado de modo a explicitar o perfil do profissional formado pelo curso e, principalmente, quais as ações necessárias para que este perfil seja atingido. O projeto detalha, a partir de um conjunto de ações, as metodologias de ensino, os recursos materiais e humanos necessários ao êxito dos objetivos propostos. Em síntese, o propósito do Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica é balizar as ações da coordenação, homologadas pela comissão e pelo colegiado do curso, em direção aos objetivos estabelecidos.

No conjunto de ações apresentado estão previstos meios para a manutenção e aperfeiçoamento da qualidade, bem como para a constante atualização das metodologias e conteúdos.

Os meios de atuação disponíveis para a concretização dos objetivos do curso são:



Ingresso de alunos: É o meio onde se pode atuar na definição do perfil do estudante que estará cursando Engenharia Elétrica na UNIPAMPA. A partir da identificação de um perfil, são planejadas as ações para prospecção de candidatos ao curso. Ações de orientação vocacional e divulgação da profissão em feiras, palestras e meios de comunicação devem ser planejadas para o esclarecimento dos futuros estudantes.

Disciplinas: A escolha do conteúdo abordado e da metodologia de ensino, bem como a coordenação das atividades desenvolvidas em cada uma delas é o principal meio disponível para a formação profissional pretendida, interferindo em praticamente todos os aspectos do perfil e das habilidades desenvolvidas pelo estudante. A definição da matriz curricular deve proporcionar ao aluno uma formação consistente, com uma profunda inter-relação entre os conhecimentos resultantes das diversas atividades.

Atividades complementares: É importante propiciar atividades que promovam a articulação entre projetos de ensino, pesquisa e extensão, pois todos eles fazem parte do processo ensino-aprendizagem. Dentre as atividades, podem ser desenvolvidos projetos de extensão e pesquisa, empreendedorismos, estágios, participações em congressos, visitas técnicas e culturais, trabalhos voluntários, e quaisquer outras atividades que constituam um meio para complementação da formação.

Egresso de alunos: Os engenheiros eletricistas formados devem ter a capacidade de expandir o conhecimento e alcançar competência em novas áreas de conhecimento, em um processo de aperfeiçoamento contínuo, de forma autônoma ou de educação continuada, adaptando-se a situações novas e emergentes. O egresso deve ter uma atitude pró-ativa de busca de soluções eficientes e, se possível, inovadoras para problemas relacionados à área de Engenharia Elétrica.
  1. Justificativa


A promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB (Lei nº 9.394 de 20/12/1996) foi um marco na sociedade brasileira. A LDB deu início a um processo de transformação no cenário da educação superior, inclusive com mudanças na composição e no papel do Conselho Nacional de Educação. A flexibilização curricular, permitida e incentivada pela LDB, liberou as instituições de ensino superior e os cursos para exercerem sua autonomia e criatividade na elaboração de propostas específicas, capazes de articular as demandas locais e regionais de formação profissional com os recursos humanos, físicos e materiais disponíveis. Além disto, também possibilitou que as instituições de ensino superior fixem currículos para seus cursos e programas, desde que observadas as diretrizes gerais pertinentes.

Neste contexto, as instituições são primordiais para a sociedade, visto que qualificam profissionais para atender as demandas sociais e de mercado através da aplicação de soluções inovadoras. A educação de nível superior desempenha um papel essencial no desenvolvimento de uma sociedade, pois neste âmbito, através das atividades de pesquisa, são tratadas as informações, tecnologias e metodologias que vêm estabelecendo novos paradigmas de desenvolvimento da humanidade. O ensino e a extensão universitária são os mecanismos de inserção dos resultados obtidos na sociedade. No caso das universidades públicas, a responsabilidade de que essa função seja desempenhada adequadamente é ainda maior, pois nesse caso, os resultados são esperados como retorno de um investimento feito pela sociedade, concorrendo até mesmo, com outros investimentos em serviços fundamentais como saúde, infra-estrutura e outros. Portanto, a qualificação do trabalho nas universidades públicas, visando um retorno com qualidade máxima para a sociedade que a sustenta, deve ser uma meta de cada indivíduo do meio acadêmico.

Na UNIPAMPA, o curso de Engenharia Elétrica além de propiciar o aprendizado técnico e científico com embasamento teórico-prático, também desenvolve habilidades de iniciativa, criatividade, trabalho em equipe e liderança ao novo profissional. Assim, o engenheiro formado é preparado para ser dinâmico, adaptável e flexível às mudanças, apresentando também conhecimento adequado sobre relações humanas, meio ambiente, mercado, finanças e aspectos jurídicos.

É necessário que se propicie formação da referida consciência durante o processo educativo para qualificar os futuros profissionais para a superação dos atuais desafios impostos na área de Engenharia Elétrica. Para tanto, deve-se buscar a formação de indivíduos capazes, com base no constante exercício da percepção de seu papel com relação ao meio, de agir de forma pró-ativa para o desenvolvimento social, levando em conta o espectro de atuação que sua condição permite como profissional e cidadão.

A busca dessa formação mais ampla pode sustentar o duplo efeito de suportar ações governamentais que visem o desenvolvimento econômico baseado na alta tecnologia e de, no caso dessas ações não serem tomadas, em longo prazo, dotar a sociedade de uma “massa crítica” capaz de desencadear as referidas ações. Além disso, o profissional deve ser capaz de identificar as necessidades tecnológicas mais imediatas de sua região e, a partir disto, desenvolver projetos adequados e, se possível, inovadores com a realidade local.

É evidente que a educação superior deve se revitalizar a cada dia, inclusive no amadurecimento das suas estratégias de ensino, o que reflete diretamente na formação profissional, especialmente na formação de um profissional da área de Engenharia Elétrica, o qual está imerso em um mundo tecnológico extremamente dinâmico.


  1. Objetivos


O objetivo geral do curso de Engenharia Elétrica é a formação de profissionais qualificados nos âmbitos: tecnológico, científico e intelectual, capacitados a atender às diversas solicitações profissionais nos segmentos de produção, transmissão, distribuição e utilização da energia elétrica, colaborando para o desenvolvimento racional e sustentável da sociedade e do ambiente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS


Os objetivos específicos do curso de Engenharia Elétrica, estabelecidos como metas para o alcance de seu objetivo geral, consistem em:

  • Transferir o conhecimento para suprir as demandas da sociedade através da execução de projetos de pesquisa e extensão;

  • Proporcionar uma formação profissional generalista, reunindo conhecimentos e habilidades técnico-científicas, éticas e humanistas;

  • Desenvolver no aluno a capacidade de abstração, raciocínio lógico e a habilidade para aplicação de métodos científicos, para propiciar o desenvolvimento de pesquisas e promover a evolução científico-tecnológica da área de Engenharia Elétrica;

  • Desenvolver a habilidade para identificação e solução dos problemas de Engenharia, fazendo frente aos desafios tecnológicos e de mercado, mediante aprendizado contínuo e gradual pela concepção e execução de projetos ao longo do curso;

  • Formar cidadãos com a capacidade de aplicar seus conhecimentos de forma independente e inovadora, respeitando princípios éticos e de acordo com uma visão crítica da atuação profissional na sociedade.


1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   35


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal