Português o texto serve de referência para você responder às questões a seguir. Texto cidadãs do mundo



Baixar 166,41 Kb.
Encontro26.07.2018
Tamanho166,41 Kb.


Português

O Texto 1 serve de referência para você responder às

questões a seguir.

TEXTO 1

Cidadãs do mundo

As línguas mais globalizadas, segundo o levantamento de

um ensaísta brasileiro

Diz a lenda que Deus condenou os homens a falar diversas

línguas em Babel para puni-los pelo desejo de atingir o

paraíso construindo uma enorme torre. Mas, a julgar pelo

livro Palavras sem Fronteira (Editora Record), do ensaísta

e ex-diplomata brasileiro Sergio Corrêa da Costa, alguns

termos pelo menos conseguiram escapar da ira divina. São

as chamadas ‘‘palavras universais'', aquelas usadas em

vários idiomas além daquele que lhes deu origem. Elas

mostram que, muito antes de o conceito de globalização

entrar em voga nos campos da política e da economia, ele já

existia, de certa forma, no plano lingüístico. Quem não

entende o que é pizza, hambúrguer, iogurte ou caviar?(...)

Corrêa da Costa, durante dois anos, consultou 130

publicações de quinze países, coligindo nada menos do que

3000 palavras que mantêm a grafia e o significado de origem

em publicações de outras nacionalidades. Se a surpresa

quanto ao número de palavras foi grande, o espanto foi

ainda maior quando ele se deu conta de que as palavras

francesas continuam a superar as inglesas. Imaginava-se

que a hegemonia americana já se tivesse estendido ao

universo das línguas. Nada disso. Embora Corrêa da Costa

acredite que os fast foods e scanners surgidos na vida

moderna levarão a língua inglesa à liderança, o

levantamento não deixa dúvida. ‘‘Neste fin-de-siècle high

tech, ainda é o clássico francês que causa frisson'', diz

Corrêa da Costa, brincando com os estrangeirismos. (...)

Ainda no campo das surpresas, o vetusto latim persiste em

terceiro lugar no pódio dos idiomas mais presentes no

mundo. Mas é bom notar que, se a maioria das palavras

globalizadas seguiu o rastro dos conquistadores, houve

aquelas que andaram na contramão. É o caso de ‘‘piranha'',

globalizada a partir do tupi. Uma prova de que o reinado das

palavras não segue rigorosamente a lógica do poder político

e econômico.

(Dieguez, Consuelo. Veja, 22/03/2000).


Considerando aspectos globais da composição do

texto, pode-se afirmar que:


1) O texto tem uma função predominantemente

expressiva. Por isso, prevalece a linguagem

figurada.

2) O texto, na verdade, tem como suporte um outro

texto anterior, o que está indicado no subtítulo.

3) O título personaliza o objeto de que trata o

comentário.

4) O ‘mas' com que se inicia o segundo período

aponta a direção contrária em que prosseguirá a

argumentação.

5) ‘globalização', ‘mundo', ‘palavras universais',

atravessar barreiras' são expressões cujos

significados estão em harmonia com a temática do

texto.


Estão corretas:

A) 2, 3, 4 e 5

B) 1, 2, 4 e 5

C) 2 e 3


D) 1 e 2

E) 1, 3 e 5


02. Assinale a alternativa que corresponde ao tema central

do texto.

A) A diversidade lingüística proveio da ira divina contra a

pretensão do homem de alcançar o paraíso.

B) A globalização lingüística é um fato e antecede a outra

globalização em voga nos campos da política e da

economia.

C) A hegemonia americana, como se pôde constatar, se

estendeu também ao universo das línguas.

D) As palavras superam fronteiras geográficas e culturais,

conforme as perspectivas do poder político e

econômico.

E) A globalização das palavras respeitou, na íntegra, as

pegadas dos povos conquistadores.


03. A alternativa que corresponde à estratégia utilizada pelo

autor na passagem destacada é:

A) ‘’Deus condenou os homens a falar diversas línguas.” O

autor do comentário introduz o tema a ser tratado com

apoio de argumentos científicos.

B) ‘’A julgar pelo livro Palavras sem Fronteira (...), alguns



termos pelo menos escaparam da ira divina.” O autor

reitera sua crença no poder absoluto de Deus sobre

todas as palavras.

C) ‘’Quem não entende o que é pizza, hambúrguer, iogurte



ou caviar?” A pergunta do autor constitui uma estratégia

retórica para confirmar o argumento em questão.

D) ‘’Ainda no campo das surpresas, o vetusto latim persiste

em terceiro lugar no pódio dos idiomas mais presentes

no mundo.” O comentarista declara que as expectativas

do autor em relação a sua pesquisa se confirmaram.

E) ‘’houve aquelas (palavras) que andaram na contramão.

É o caso de ‘‘piranha”, globalizada a partir do tupi.” O

autor reitera argumento de que as palavras emigraram

conforme a rota dos colonizadores.

PÁG.: 2/7


04. ‘‘(Ainda no campo das surpresas), o vetusto latim

persiste em terceiro lugar no pódio dos idiomas mais



presentes no mundo.'' Pela análise lingüística do

trecho é incorreto dizer que:

A) a palavra sublinhada significa ‘muito velho'.

B) o trecho em itálico encerra uma referência metafórica.

C) o trecho entre parênteses estabelece uma relação de

concessão com outros trechos anteriores.

D) o trecho em negrito estabelece uma relação de

gradação entre a presença do latim e a de outras

línguas.

E) pelo sentido do verbo, pode-se afirmar que o latim já

esteve em posição privilegiada.


TEXTO 2

ABRASILEIRAMENTO DA LÍNGUA PORTUGUESA

NO BRASIL DOS PRIMEIROS TEMPOS

A ama negra fez muitas vezes com as palavras o mesmo

que com a comida: machucou-as, tirou-lhes as espinhas, os

ossos, as durezas, só deixando para a boca do menino

branco as sílabas moles. Daí esse português de menino que

no Norte do Brasil, principalmente, é uma das falas mais

doces deste mundo. Sem rr nem ss; as sílabas finais moles;

palavras que só faltam desmanchar-se na boca da gente. A

linguagem infantil brasileira, e mesmo a portuguesa, tem um

sabor quase africano: cacá, pipi, bumbum, nenen, tatá, lili

(...)

Esse amolecimento se deu em grande parte pela ação da



ama negra junto à criança; do escravo preto junto ao filho do

senhor branco. E não só a língua infantil se abrandou desse

jeito, mas a linguagem em geral, a fala séria, solene, da

gente, toda ela sofreu no Brasil, ao contacto do senhor com

o escravo, um amolecimento de resultados às vezes

deliciosos para o ouvido. Efeitos semelhantes aos que

sofreram o inglês e o francês noutras partes da América, sob

a mesma influência do africano e do clima quente.

(Freyre, Gilberto. Casa-Grande & Senzala, 9a ed., Rio de Janeiro:

José Olympio, 1958).


05.Com base na compreensão do Texto 2, analise a

coerência das seguintes afirmações:

1. O autor põe em paralelo os campos da linguagem e da

gastronomia brasileiras, destacando, nesses campos, a

influência da cultura africana.

2. A escolha das palavras, do princípio ao final do texto,

reforça a convergência encontrada pelo autor entre

‘falar' e ‘saborear'.

3. O falar ‘‘doce'', ‘‘esse português de menino'', inaugurado

com a ama negra, firmou-se em todas as regiões do

Brasil, indistintamente.

4. O autor demonstra perceber que há níveis distintos de

formalidade entre o falar da criança e aquele do adulto.

5. O fato apreciado pelo autor constitui uma particularidade

da língua portuguesa em solo americano.

Estão corretas apenas:

A) 2, 3 e 5

B) 1, 2 e 4

C) 1, 3 e 4

D) 4 e 5


E) 1, 2, 3 e 5
06.Os verbos que aparecem nos enunciados abaixo estão

corretamente flexionados em:

A) As influências africanas manteram-se, principalmente,

em relação às palavras. Quem se propor a estudar as

línguas faladas na América pode constatar isso.

B) A ama negra interviu junto ao filho do senhor branco,

abrandando-lhe a linguagem. Não pôde ser diferente,

creiamos.

C) Muitas palavras do português provieram do contacto

com línguas estrangeiras. Os brasileiros nem sempre se

precavêm diante de influências lingüísticas estrangeiras.

D) Propusemo-nos a analisar a língua sem preconceitos e

vimos que as influências estrangeiras são inevitáveis.

Passeemos pelo seu vocabulário e creiamos nisso.

E) Influências estrangeiras também norteam o destino das

línguas. Assim crêem os estudiosos dos fatos que

intervêem na história das línguas.
07.Assinale a alternativa em que a norma de concordância,

verbal e nominal, foi inteiramente respeitada.

A) A rejeição à idéia de inferioridade ou de submissão leva

boa parte das pessoas que se preocupam com a

questão dos empréstimos lingüísticos a exigirem um

posicionamento das autoridades.

B) Se, em um país, existe, realmente, fatores de

diferenciação que interfere na língua, existe também

elementos de unificação com o objetivo de preservá-la.

C) O interesse do Brasil, como o de Portugal, é de que

hajam resistências naturais aos modismos e aos

empréstimos lingüísticos.

D) Aos termos regionais faltam força para atravessarem as

fronteiras dos locais em que são empregados.

E) O número de termos regionais cresceram bastantes,

mas, por não haverem sido bem aceitos, não se

incorporaram à língua nacional.
08.Os enunciados a seguir são fragmentos do livro A língua

portuguesa e a unidade do Brasil, de Barbosa Lima

Sobrinho (Nova Fronteira, 2000). Em uma das

alternativas, a pontuação foi modificada, tornando-se

incorreta. Assinale-a.

A) A língua literária, quando se torna excessivamente

livresca, ou aristocrática, perde sua função natural.

B) Nenhum povo cometeria, hoje, o erro de restringir ainda

mais o campo de ação de um determinado idioma,

quando a tendência é para alargar as fronteiras.

C) De qualquer modo, porém, o que convém é não perder

terreno, isto é, não reduzir o número de pessoas que o

utilizam como idioma comum.

D) A conclusão, pois, é de que, se temos o privilégio de

nos entendermos facilmente de extremo a extremo do

Brasil, devemo-lo à língua portuguesa.

E) A língua portuguesa é, que nos prendeu através dos

séculos da formação; ela é que assiste, ao nosso

desenvolvimento e à nossa expansão.
09.Assinale a série de palavras cujos prefixos indicam

negação, como em ‘ilógico'.

A) inaproveitável / irremovível / irromper

B) invalidar / inativo / ingerir

C) irrestrito / improfícuo / imberbe

D) ateu / incoercível / imerso

E) incriminar / imiscuir / imanente

TEXTO 3

Disputam-se ‘‘play-offs'', atualmente, no campeonato

nacional. ‘‘Play-off'' é um termo importado do basquete

americano que ultimamente passou a integrar o repertório da

crônica esportiva. A Confederação Brasileira de Futebol,

CBF, resolveu rotular as finais de ‘‘play-offs'', no

regulamento do atual campeonato, e os basbaques foram

atrás. A história do futebol, no Brasil, é, entre outras coisas,

uma história de triunfo da língua portuguesa. O futebol,

esporte inglês, introduzido por ingleses no país, no início era

jogado em inglês. Entravam em campo não o goleiro, mas o

‘‘goalkeeper'', não o zagueiro, mas o ‘‘back''. A aclimatação

deu-se às vezes por simples aportuguesamento das

palavras, como no ‘‘goal'' que virou ‘‘gol''. Algumas poucas

palavras inglesas ainda não caíram em completo desuso,

como ‘‘corner'', mas ‘‘corner'' já está perdendo feio para

‘‘escanteio''.

O triunfo da língua reflete o triunfo do futebol. Mostra que o

futebol se enraizou a tal ponto, nestas terras, que o povo

acabou por revesti-lo com o que tem de mais particular e

íntimo, que é o idioma. Eis que agora se tenta entregar o

futebol de volta à língua inglesa - e, por cúmulo, não à língua

inglesa da Inglaterra, mas dos Estados Unidos, um dos

únicos países do mundo que não tem nada a ver com

futebol, e com termos emprestados de outro esporte, o

basquete. (...) Isto se dá quando nem estão nos pedindo

nada. Nós é que nos oferecemos, em virtude de irrefreável

impulso de submissão. Seria um caso incurável de carência

de colonizador. Não, não compliquemos. Chamemos o

fenômeno por seu nome. É bobeira mesmo.

(Toledo, Roberto Pompeu. Entre a assistência e o play-off. Veja,

09/12/1998, p. 198).


10.No Texto 3, o autor admite que os brasileiros:

A) reagem contra todo tipo de submissão.

B) rompem, facilmente, com a cultura colonizadora.

C) acabaram por subverter, definitivamente, a imposição

de estrangeirismos no campo do futebol.

D) retrocederam na sua disposição de incorporar o

vocabulário do futebol à língua portuguesa.

E) rejeitam influências do inglês europeu sobre o

vocabulário do futebol.
11.Leia os enunciados abaixo, referentes às idéias

expressas no Texto 3.

1) O tema da submissão brasileira à cultura estrangeira

foi abordado sob o ponto de vista da prática

esportiva.

2) A escolha de expressões como ‘‘um caso incurável

de carência do colonizador'' e ‘‘é bobeira, mesmo''

confere um tom de repreensão, embora um tanto

jocoso, ao texto.

3) Coube à Confederação Brasileira de Futebol a

adaptação dos termos ingleses à língua portuguesa.

4) O texto demonstra que, ao longo de algum tempo,

houve mudanças de atitude do brasileiro em relação

ao uso de termos estrangeiros no futebol.

Estão corretos apenas:

A) 1, 2 e 4

B) 1, 3 e 4

C) 1 e 3


D) 2 e 3

E) 2 e 4
12.Assinale a alternativa em que se faz uma afirmação

inaceitável em relação aos recursos gramaticais

sublinhados no Texto 3.

A) Na expressão ‘outro esporte', a palavra sublinhada

constitui um recurso de coesão que relaciona o núcleo

da expressão a ‘futebol', referido anteriormente.

B) Nesse trecho, o pronome de 1a. pessoa do plural, ‘nós',

tem como referente os brasileiros em geral.

C) Em ‘‘Seria um caso incurável de carência de

colonizador'', o verbo ser, no futuro do pretérito, indica

que o autor preferiu não ser taxativo em sua apreciação.

D) O verbo ‘chamar' encontra-se no modo subjuntivo,

indicando que o autor não tem certeza de que a ação

possa realizar-se.

E) Na última oração do texto, ‘mesmo' foi aí inserido para

reforçar a avaliação do autor.

TEXTO 4

Observe os quadrinhos abaixo e responda à questão .







13. Assinale a alternativa em que se faz um comentário

inaceitável aos quadrinhos de Ziraldo.

A) O menino tinha idéia clara acerca da finalidade apelativa

do seu texto.

B) Os termos do cartaz reproduzem a sintaxe típica desse

gênero de texto.

C) O menino demonstra inabilidade para ajustar-se às

exigências de textos publicitários.

D) As incorreções gramaticais do segundo quadro vão da

ortografia à sintaxe.

E) Os erros do cartaz constituíram uma estratégia para

atrair possíveis consumidores.

14.Assinale a alternativa em que as normas de regência,

verbal e nominal, não foram inteiramente cumpridas.

A) O vocabulário e a sintaxe de que se utilizavam muitos

autores modernistas constituem, muitas vezes, uma

linguagem mais difícil do que a linguagem culta.

B) Alguns dos modernistas não repudiavam aos clássicos,

nem lhes imitavam, mas conseguiam renovar o idioma

sob a influência da língua falada.

C) No Brasil há muitas literaturas regionais que exibem as

características da fala local a que procuram ser fiéis.

D) Os defensores de uma literatura regional procuram

sempre apresentar explicações e evidências que lhes

apóiem os argumentos.

E) A aprendizagem de uma língua se faz, também, lendose

autores com que se possa aprimorar e fortalecer a

experiência pessoal.


TEXTO 5

Língua

Gosto de sentir minha língua roçar

A língua de Luís de Camões

Gosto de ser e de estar

E quero me dedicar

A criar confusões de prosódia

E uma profusão de paródias

Que encurtem dores

E furtem cores como camaleões

Gosto do Pessoa na pessoa

Da rosa no Rosa

E sei que a poesia está para a prosa

Assim como o amor está para a amizade

E quem há de negar que esta lhe é superior

E quem há de negar que esta lhe é superior

E deixa os portugais morrerem à míngua

Minha pátria é minha língua

Fala Mangueira

Fala!

Flor do Lácio sambódromo



Lusamérica latim em pó

O que quer

O que pode esta língua (...)

A língua é minha Pátria

E eu não tenho Pátria: tenho mátria

Eu quero frátria

(Veloso, Caetano. Língua. Velô-Caetano e a Banda Nova.

PolyGram, 1984).


15.Leia as afirmativas abaixo sobre as idéias apresentadas

no Texto 5.

1. Em ‘‘Gosto de ser e de estar'', a idéia de plenitude,

desejada pelo autor, é expressa com os verbos ‘ser' e

‘estar', que implicam o aspecto do ser permanente e do

ser transitório.

2. Utilizando a expressão ‘Fala Mangueira', grito de guerra

de uma escola de samba, o autor alude à idéia de que,

sendo ‘pátria', uma língua expressa os valores culturais

de seu povo.

3. O verso ‘Lusamérica latim em pó' alude não só à

pulverização do latim que deu origem às línguas latinas

como à divisão-união de Portugal e Brasil.

4. Os neologismos ‘mátria' e ‘frátria' disfarçam o

sentimento de união que o autor pretende esteja

envolvido na sua percepção de ‘língua'.

Está(ão) correta(s) apenas:

A) 1, 2 e 3

B) 1, 3 e 4

C) 2 e 4


D) 2

E) 3 e 4


2) O autor incorpora à sua canção elementos

relacionados à expressão sensorial, como ‘roçar',

‘dores', ‘cores'.

3) Nos versos ‘‘Gosto do Pessoa na pessoa/Da rosa

no Rosa'' o autor utiliza o recurso da inversão.

4) Nas expressões ‘confusões de prosódia', ‘profusão

de paródias' e ‘furtem cores como camaleões',

perpassa a idéia comum de ‘pluralidade'.

Estão corretas:

A) 1, 2 e 3 apenas

B) 1 e 4 apenas

C) 1, 2, 3 e 4

D) 2 e 4 apenas

E) 3 e 4 apenas


TEXTO 6

Capítulo CVII (em que se declara que bicho é o que se

chama preguiça):

‘‘Nestes matos se cria um animal mui estranho, a que os

índios chamam ‘‘aí'', e os portugueses preguiça, nome certo

mui acomodado a este animal, pois não há fome, calma, frio,

água, fogo, nem outro perigo que veja diante, que o faça

mover uma hora mais que outra; (...) e são estes animais tão

vagarosos que posto um ao pé de uma árvore, não chega ao

meio dela desde pela manhã até as vésperas.''

(Gabriel S. de Sousa. Tratado Descritivo do Brasil, 1587).
TEXTO 7

Festa da Raça

Hu certo animal se acha também nestas partes

A que chamam Preguiça

Tem hua guedelha grande no toutiço

E se move com passos tam vagorosos

Que ainda que ande quinze dias aturado

Não vencerá a distância de hu tiro de pedra

(Oswald de Andrade: Poesias Reunidas).


17. Sobre os Textos 6 e 7, qual alternativa é incorreta?

A) O texto de Gabriel de Sousa utiliza o recurso da

comparação para dar conta da realidade com que se

defronta na terra ultramarina e transmiti-la aos

europeus.

B) O poema de Oswald de Andrade ilustra um

procedimento comum aos nossos modernistas de

primeira hora; o de tomar a literatura quinhentista como

fonte de inspiração temática e formal.

C) É inegável o tom jocoso e irônico de Oswald de

Andrade ao fazer, com o título de seu poema, uma

alusão à suposta preguiça do brasileiro.

D) No Texto 6, o objetivo é ressaltar as peculiaridades da

terra tropical, paradisíaca, recém-descoberta; já no

Texto 7, o poeta busca resgatar a língua original do

Brasil-colônia.



E) A linguagem dos dois textos apresenta pontos em

Gabarito
01 A

02 B

03 C

04 C

05 B

06 D

07 A

08 E

09 C

10 D

11 A

12 D

13 C

14 B

15 A

16 C

17 D




©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal