Por favor leia com atençÃO



Baixar 140,1 Kb.
Encontro27.05.2017
Tamanho140,1 Kb.

www.janusonline.pt





POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO

COMO GUARDAR O TEXTO
Para guardar este texto (incluindo dados adicionais) seleccione a opção GUARDAR (em inglês, SAVE) no seu browser (Explorer, Navigator, Firefox, Safari, etc.), dentro do menu FICHEIRO (em inglês, FILE).
Na opção GUARDAR COMO (em inglês, SAVE AS), também no menu FICHEIRO, poderá guardar o texto e atribuir um novo nome.

COMO IMPRIMIR O TEXTO

Para imprimir este texto (incluindo dados adicionais) seleccione a opção IMPRIMIR (em inglês, PRINT) no seu browser, dentro do menu FICHEIRO (em inglês, FILE).
Também poderá aceder a esta função seleccionando o botão de impressão (com a imagem de uma impressora), disponível na barra de ferramentas.

NOTA IMPORTANTE
Para voltar ao artigo não feche esta janela. Utilize o botão do browser RETROCEDER (em inglês, BACK), situado no lado esquerdo da barra de ferramentas.

A questão curda recentra a Turquia no Médio Oriente
João Maria Mendes *
Janus 2008

A Turquia dá sinais de cansaço relativos à sua aliança política e militar com os EUA (devido à questão curda) e de relativo desencanto em relação à União Europeia (devido ao double speak europeu sobre a sua adesão, pedida há vinte anos). A autorização parlamentar a uma intervenção militar de larga escala no Curdistão iraquiano é um desafio aos EUA. Quando à UE, que trata a Turquia como “o seu México”1, parece não entender a importância estratégica que o país tem como ponte moderada para o mundo árabe e islâmico. O resultado é o novo recentramento turco na sua própria região.

Uma das orientações axiais da política externa da Turquia republicana, laica e militarista fundada por Mustafa Kemal (Ataturk), em 1923, sobre as ruínas do Império Otomano, foi, durante mais de 80 anos, o não envolvimento nas questões do Médio Oriente — uma forma de recusar a herança do Império Otomano. Esse desinteresse programático, geralmente assumido pela política externa turca (à excepção de um curto período na década de 50), está associado à lenta estabilização de uma elite social, política e militar kemalista desejosa de “ocidentalizar” o país, e traduziu-se na entrada da Turquia para o Conselho da Europa em 1949 (desde a sua fundação), para a NATO em 1952 (valendo-lhe, durante a Guerra Fria, a desconfiança e a hostilidade da URSS), para a OCDE (1960) e a OSCE (1973). A Turquia propôs-se, desde Abril de 1987, aderir à então Comunidade Económica Europeia, com quem mantinha uma “associação” desde 1963 — embora só tenha sido oficialmente reconhecida como candidata a membro no Conselho Europeu de Helsínquia de Dezembro de 1999, e as negociações efectivas só se tenham iniciado em Outubro de 2005.

Desde bem antes da surpreendente conquista do poder político pelo AKP (Partido da Justiça e do Desenvolvimento), islamita moderado e de centro-direita, em 2002, com 34 % dos votos, o país manteve, portanto, esta dupla paixão por um “Ocidente” representado pelos EUA e pela Europa. O AKP incrementou essa dupla abertura, mas, recentemente, e sem nunca a pôr em causa, está a reposicionar a Turquia como actor regional importante.

A nova hegemonia do AKP, reforçada em Julho de 2007 por segunda vitória em eleições gerais antecipadas, com 46,6 % dos votos, e pela eleição de um presidente da República oriundo do partido, Abdullah Gül, no Agosto seguinte, manteve a crise de relacionamento com a hierarquia militar (que desde 1960 levou a cabo quatro golpes de Estado que derrubaram governos civis, o último dos quais em 1980) e com a elite laica, por suscitar o temor de uma islamização progressiva da república ou, pelo menos, de uma reconquista da importância da religião na vida política do Estado.

O AKP, liderado pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, tem gerido as tensões internas com determinação e prudência, quer reforçando a sua legitimidade por via eleitoral e retirando, assim, margem de manobra às Forças Armadas, quer garantindo sucessivamente o seu respeito pelo laicismo republicano kemalista. O próximo passo será a revisão constitucional, a elaborar no “espírito de Copenhaga” (caro à UE), e de onde deverá sair a subordinação das Forças Armadas ao poder político, a reformulação dos direitos das minorias, da liberdade religiosa... Por sua vez, a revisão constitucional obrigará à revisão do Código Penal.

A atenção internacional tem estado, assim, focalizada na política interna turca: os media ocidentais passaram as semanas da eleição de Gül a cenarizar o que sucederia quando a esposa do presidente, Hayrünissa, chegasse ao palácio presidencial com o seu hiyab, o lenço islâmico. Mas, para além das tensões internas que alimentam o entertainement mediático, é bom não perder de vista alguns novos traços da política externa da Turquia, que se afastam determinadamente da tradição kemalista. O novo activismo turco no Médio Oriente tem como causa próxima a questão curda (os curdos são mais de 14 milhões na Turquia, 20% da população), mas não se limita a ela.

O novo activismo

Erdogan visitou Teerão em Julho de 2004 e assinou, ali, um tratado de cooperação em matéria de segurança que levou o Irão a abandonar o seu apoio (expresso nos anos 80 e 90) ao separatismo curdo e ao PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão, que passou à luta armada em 1984). Por outro lado, o acordo energético entre os dois países (o Irão é o principal fornecedor de gás natural à Turquia, depois da Rússia) foi relançado em 2007: a Turkish Petroleum Corporation (TPAO) explorará petróleo e gás natural no Irão, ao mesmo tempo que o gás do Turquemenistão seguirá para a Turquia e a Europa por um pipeline que atravessa território iraniano (solução que os EUA tentaram impedir a todo o custo).

Também as relações com a Síria vêm sofrendo uma forte inflexão: longe vai o ano de 1998, quando Ankara ameaçou Damasco de invasão se a Síria continuasse a apoiar os separatistas curdos. Dada a superioridade militar turca, Damasco encerrou os campos de treino do PKK e expulsou o líder do partido, Abdullah Öcelan, a quem dera refúgio (e que viria a ser preso na Turquia no ano seguinte). Esse “passo atrás” sírio abriu portas a uma aproximação entre os dois países, consagrada em 2005 pela visita a Ankara do presidente Bashar al-Assad (nunca um presidente da Síria tinha visitado a Turquia desde a independência síria, em 1946), e pela visita do presidente turco Ahmet Necdet Sezer a Damasco (com o apoio explícito do primeiro-ministro Erdogan) — visita que Washington tudo fez para impedir. Gül e al-Assad prosseguiram contactos em Outubro de 2007.

O Irão (seis milhões de curdos) e a Síria (um milhão) mudaram o seu relacionamento com a Turquia por terem começado a sentir o “efeito PKK” nos seus próprios territórios: na fronteira “curda” do Irão, um Partido pela Vida Livre no Curdistão Iraniano, aliado do PKK, passou a alimentar uma guerrilha esporádica contra forças militares iranianas; quanto aos curdos da Síria, a sua agitação cresce face à possibilidade política de um Curdistão independente no Norte do Iraque, economicamente forte devido ao petróleo de Kirkurk (um referendo, ainda em 2007, decidiria se a cidade integrará a região), e Damasco teme que tal possibilidade alimente um separatismo interno — o mesmo que Ankara enfrenta em território turco.

A prudente aproximação entre Ankara e Teerão não significa que a Turquia não esteja preocupada com o desenvolvimento do programa nuclear iraniano — que recebeu o apoio de Vladimir Putin em Outubro de 2007, em mais um sintoma do desejo de regresso da Rússia a uma posição de grande potência — e ainda mais com a sua possível reorientação militar: a iminência da transformação do Irão em potência nuclear forçaria a Turquia a reaproximar-se do eixo EUA-Israel, ou a instalar no seu território uma rede de dispositivos antimíssil de curto e médio alcance (tipo Patriot), ou a considerar, em último caso, a sua própria nuclearização.

Palestina

Outra reorientação: o relacionamento Turquia-Israel estreitou-se em 1996 nos domínios na defesa e das informações militares; mas, depois da vitória do AKP, a Turquia adoptou uma postura progressivamente mais pró-palestiniana: Erdogan criticou o “terrorismo de Estado” israelita na margem ocidental e em Gaza, e logo após as eleições palestinianas de Janeiro de 2006, recebeu em Ankara uma delegação do Hamas — enquanto Israel e os EUA o tentavam isolar e desacreditar. Durante a crise do Líbano, Erdogan criticou duramente as acções militares israelitas, enquanto nas maiores cidades turcas se multiplicavam manifestações anti-Israel, apoiadas por organizações não-governamentais. Na ressaca da crise, Erdogan disponibilizou mil soldados para a força de manutenção da paz (da ONU) no Líbano, e afirmou, contra o então presidente Sezer, que a Turquia não protegeria os seus interesses mantendo-se como mera observadora. Criticado até por membros do AKP, que não queriam imaginar soldados turcos em confrontos com o Ezbollah, a determinação de Erdogan visou mostrar à Europa que a Turquia é um importante jogador regional, e mereceu o aplauso de Washington. E, em Outubro de 2007, o chefe da diplomacia turca pediu explicações a Israel sobre o raid aéreo israelita contra instalações militares na Síria, a 6 de Setembro — uma atitude inesperada, se se pensar no acordo Ankara-Jerusalém de 1996.

Em Agosto de 2006, Ankara abriu as portas ao rei Abdullah da Arábia Saudita (uma visita que restabeleceu laços perdidos há 40 anos), e os dois países passaram a cooperar para conter a importância crescente do Irão, incluindo o seu programa nuclear. E em Março de 2007 fez o mesmo com o presidente egípcio Hosni Mubarak, adoptando os dois países um novo “diálogo estratégico” com vista à cooperação nos domínios energético e da segurança regional.

Este novo activismo turco no Médio Oriente é avaliado pela administração americana, a um ano do fim do segundo mandato de George W. Bush, como sintoma de uma progressiva “islamização” da política externa turca. E é acompanhado, na Turquia, por um crescente sentimento “antiamericano”: já no Verão de 2006, uma sondagem conduzida pela Pew Charitable Trusts revelava que só 12 por cento dos turcos mantinham uma imagem positiva dos EUA, e que a sua grande maioria entendia a falta de apoio americano a Ankara, contra a guerrilha do PKK (que provocou 35.000 mortos, turcos e curdos, nos últimos 20 anos) como apoio tácito ao separatismo curdo: os EUA reclamavam o apoio da Turquia na sua “guerra contra o terrorismo”, invadiam o Afeganistão e o Iraque justificados por essa mesma guerra, mas mudavam de política quando se tratava de ajudar Ankara a resolver o “problema PKK”. Em Setembro do mesmo ano, nova sondagem, desta vez feita pelo German Marshall Fund, mostrava que só sete por cento dos turcos aprovavam a política externa de George W. Bush, contra 81 por cento, que a desaprovavam explicitamente.

No entanto, os EUA esperam ainda implementar o programa conhecido por “Uma visão partilhada” (Shared Vision), assinado em 2006 pela secretária de Estado Condoleeza Rice e pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros Abdullah Gül.

Por mais quinze anos

Desde o fim da Guerra Fria, a Turquia teve tempo para repensar a sua paixão pelo “Ocidente”, quer na vertente da sua “parceria estratégica” com os EUA, quer no tocante à sua aspiração de aderir à actual União Europeia.

No que à Europa diz respeito, as sucessivas hesitações e contradições dos seus líderes perante a candidatura turca (justificadas pela não resolução do problema de Chipre, pelo ritmo das reformas políticas e económicas turcas, e pelo crescente medo europeu de um futuro com mais imigrantes e mais desemprego, resultante dos sucessivos alargamentos da UE), cria um terreno propício a uma desconfiança e decepção turcas correspondentes. No passado recente, as declarações públicas do novo papa Bento XVI, desfavoráveis à adesão turca e confirmando a identidade da UE como um “clube cristão”, bem como as tomadas de posição, também contrárias à adesão turca, do novo presidente francês, Nicolas Sarkosy, podem ter dificultado o longo caminho, de 15 ou mais anos, que a Turquia terá de percorrer antes de estar em condições de — eventualmente — ser aceite entre os europeus. Mas de que Europa estaremos a falar dentro de 15 anos, e de que Turquia, e de que Médio Oriente?

Sarkosy propôs levar o debate sobre os limites da Europa ao Conselho Europeu de Dezembro de 2007, limitando-se a oferecer à Turquia uma “relação privilegiada” no âmbito da sua proposta de “União Mediterrânica” (um relançamento do Processo de Barcelona) — o que foi ouvido como um insulto em Ankara. Ora, o papa de Roma pode não representar senão uma parcela politicamente não-relevante da opinião pública europeia (se é que tal existe), mas o presidente francês tem tendência a ser reconhecido como um rosto forte da Europa.



Duas campanhas iraquianas

No que toca aos EUA, a Guerra do Golfo de 1990-91 foi um duro teste para a “parceria estratégica” que envolvia a Turquia: o então presidente Turgut Özal autorizou Washington a lançar ataques (fora do âmbito da NATO) contra o Iraque a partir de bases turcas (sobretudo a de Incirlik), colocou 100 mil soldados na fronteira turco-iraquiana e juntou-se às sanções da ONU contra Saddam Hussein, fechando os pipelines turcos ao petróleo iraquiano. Özal acreditou que este alinhamento pesado reforçaria o reconhecimento da importância da Turquia como aliada dos EUA e aceleraria, ao mesmo tempo, o processo de adesão à Comunidade Europeia, mas tais ganhos políticos foram nulos. E Ankara perdeu milhares de milhões de dólares com o fecho dos seus pipelines ao Iraque. Na ressaca da guerra, a proteccção ocidental a um Estado curdo de facto no Norte do Iraque deu novo fôlego ao nacionalismo separatista e ofereceu novas bases logísticas ao PKK. Özal recuou então, e adoptou uma série de restrições à autorização dada a americanos, ingleses e franceses para usarem bases turcas na monitorização da no-fly zone no Norte do Iraque.

A invasão americano-britânica do Iraque, em 2003, e a guerra que se mantém desde então, levaram a novo envolvimento turco nas questões do Médio Oriente, ainda centrado na questão do nacionalismo curdo. A falta generalizada de segurança no Iraque pós-Saddam levou a que mais curdos procurassem refúgio no Norte do país, e a fragmentação de facto do Iraque dá novas asas ao sonho de um Curdistão independente. A guerrilha do PKK reactivou-se em 2006 (após um cessar-fogo resultante da prisão de Öcelan), e Ankara garante que foi no Norte do Iraque que se reinstalou a maior parte da sua logística.

De volta à montanha

É a esta luz que é preciso ler a autorização, dada em Outubro de 2007 pelo parlamento turco, a uma intervenção militar “de envergadura” no Curdistão iraquiano, e sobretudo “na montanha”, a velha “terra de ninguém” entre Iraque, Turquia e Irão, onde se concentram 3.500 homens armados pelo PKK, vindos quer do Curdistão turco, quer do iraquiano: tal autorização foi pedida pelo governo, mas satisfaz a exigência das Forças Armadas, que não acreditam em negociações com os curdos iraquianos. George W. Bush e as autoridades de Bagdade reagiram imediatamente, o primeiro afirmando que tal intervenção seria contrária aos interesses da Turquia; as segundas, dizendo que esperam de Ankara respeito pela soberania do novo Iraque. Mas ao mesmo tempo, Bagdade pediu ao PKK que saísse “tão depressa quanto possível” do Curdistão iraquiano, e os curdos de Erbil garantiram que se defenderiam de “toda e qualquer intervenção militar” no território. Antes da queda de Saddam Hussein, a Turquia fez 24 incursões militares no Norte do Iraque, intervenções que cessaram desde que o AKP é governo.

A ter lugar, decidida pelo AKP de Erdogan, uma intervenção no Curdistão iraquiano constituiria um decisivo desafio turco aos EUA e acentuaria desagregação política do Iraque. Se for substituída por incidentes localizados e esporádicos, a ameaça de intervenção será uma “espada de Dâmocles” que a Turquia suspende sobre os EUA e o novo Iraque, tentando forçar uns e outros a comprometerem-se na aniquilação do PKK e na contenção dos sonhos curdos.

* João Maria Mendes

Licenciado em Filosofia pela Universidade de Lovaina (Bélgica). Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Docente na Escola Superior de Cinema e Teatro e na Universidade Autónoma de Lisboa. Subdirector do Observatório de Relações Exteriores da UAL.



Notas

1 Moscoso del Prado, Juan. In “Por el amor laico entre la UE y Turquía”. El País, 31 Agosto 2007.






Infografia









©livred.info 2019
enviar mensagem

    Página principal