Plano de ensino I – identificaçÃo curso: Pedagogia Disciplina



Baixar 60,02 Kb.
Encontro06.02.2018
Tamanho60,02 Kb.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO



PLANO DE ENSINO

  1. I – IDENTIFICAÇÃO

    1. Curso:


Pedagogia

Disciplina:

Educação e Ludicidade

Carga Horária:

60

Nome do Professor:

Márcio Romeu Ribas de Oliveira



  1. II – EMENTA


Discussão da educação física na perspectiva da formação e da prática profissional em Pedagogia. Análise contextualizada do desenvolvimento humano e da cultura corporal, numa perspectiva emancipatória. Estudo e vivência de práticas corporais nas suas diferentes manifestações e dimensões. Dinâmicas de jogos e atividades lúdicas, como elemento de solidificação do processo ensino-aprendizagem. O recreio dirigido, como prática pedagógica e educativa.



  1. III – OBJETIVOS DA DISCIPLINA


Reconhecer os espaços e tempos do movimento na escola;

Entender a cultura lúdica como uma dimensão da cultura infantil;

Visualizar o movimento humano como uma dimensão sócio-histórica do desenvolvimento da cultura corporal das crianças;

Investigar a memória sobre jogos, brincadeiras e brinquedos;

Valorizar a cultura lúdica como uma importante produção de conhecimento das crianças no cotidiano escolar.




  1. IV – METODOLOGIA DE ENSINO

A disciplina terá caráter teórico-prático, por meios de aulas expositivas e dialogadas, aplicação de dinâmicas de grupo, exposições teóricas, análise e interpretação de textos, apresentação de vídeos, vivências e experiências corporais, pesquisa de campo e apresentação de trabalhos de pesquisa. Atenção: a disciplina será executada na Escola de Aplicação Maria Luiza Bello da Silva.



  1. V – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO


1 Memória imagética de nossas infâncias

2 Memória lúdica: aspectos das histórias de vida na formação de professores

3 As brincadeiras na Amazônia: relato de experiências e vivências corporais

4 Educação Física e suas relações com a dimensão da cultura lúdica na escola

5 O brincar e suas intercessões antropológicas, sociológicas, psicológicas, filosóficas e pedagógicas

6 A cultura lúdica na infância

7 O cotidiano escolar como campo de pesquisa da cultura lúdica na infância

8 O espaço e tempo da brincadeira na escola: o caso do recreio dirigido

9 O brincar como ato de amor e redimensionamento do humano






  1. VI – AVALIAÇÃO

Avaliação escrita sobre os textos lidos = 2,5 pontos


Leitura obrigatória de um livro = 2,5 pontos

Pesquisa de campo do projeto = 10, 0 pontos

Relatório final do projeto =5,0 pontos


Serão considerados como critérios de avaliação do aluno:

  • Em trabalhos escritos: a coerência e a consistência (qualidade) do conteúdo; a organização, clareza e objetividade do texto; a observação das orientações (roteiro) estabelecidas para cada trabalho; o atendimento às normas técnicas; a escrita (português/digitação) correta.

  • Em apresentações orais: a coerência e a consistência (qualidade) do conteúdo; a organização, clareza e objetividade na apresentação; a observação das orientações (roteiro) estabelecidas para cada apresentação; o interesse e a motivação.

  • Em trabalhos em grupo (escritos e orais): o envolvimento e o entrosamento dos membros do grupo;

  • Em participação: a freqüência às aulas; a participação pró-ativa e a responsabilidade nas atividades da disciplina; as leituras obrigatórias; o interesse e a motivação; o respeito aos colegas e ao professor.



  1. VII – BIBLIOGRAFIA BÁSICA


ALMEIDA, Danielle Barbosa Lins de. Sobre brinquedos e infância: aspectos da experiência e da cultura do brincar. Educ. Soc. [online]. 2006, vol.27, n.95, pp. 541-551. ISSN 0101-7330.

ANTUNES, Celso. Da hora da brincadeira e da aprendizagem para uma nova concepção sobre o papel do brincar. In: ANTUNES, Celso. Educação Infantil: prioridade imprescindível. Rio de Janeiro : Vozes, 2007.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

BROUGÉRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2008.





BROUGÉRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 1997.306.48 B875B

BROUGÉRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. Rev. Fac. Educ.,  São Paulo,  v. 24,  n.2, July  1998 .   Available from . access on05  Aug.  2009.  doi: 10.1590/S0102-25551998000200007.

FERNANDES, Renata Sieiro  e  PARK, Margareth Brandini. Lembrar-esquecer: trabalhando com as memórias infantis. Cad. CEDES [online]. 2006, vol.26, n.68, pp. 39-59. ISSN 0101-3262.


FERNANDES, Rogério. Notas em torno de retratos de criança. Educ. Pesqui. [online]. 2000, vol.26, n.1, pp. 87-97. ISSN 1517-9702.




FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. Memórias da Infância na Amazônia. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 1999.

FREIRE, João Batista. Pedagogia do movimento na escola de segunda infância. In: Educação de corpo inteiro. São Paulo: Editora Scipione, 1997.

GALLARDO, Sérgio Pérez Gallardo (et all). Da 1ª à 4ª série: ampliação e combinação das habilidades motoras. In: GALLARDO, Sérgio Pérez Gallardo (et all). Didática de Educação Física: a criança em movimento: jogo, prazer e transformação. São Paulo : FTD, 1998.

HUIZINGA, JOHANN. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1993.

KUHLMANN JR., Movsés. Infância, história e educação. In: KUHLMANN JR., Moysés. Infância e Educação Infantil: uma

abordagem histórica. Porto Alegre : Editora Mediação, 2004

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2000. N. C. 371.3078 J 64

NAJMANOVICH, Denise. Pensar/Viver: a corporalidade para além do dualismo. In: GARCIA, Regina Leite (org.). O corpo que fala: dentro e fora da escola. Rio de Janeiro : DP&A, 2002.

SILVA, MAURÍCIO ROBERTO DA. Recortando e colando as imagens da vida cotidiana do trabalho e da cultura lúdica das meninas-mulheres e das mulheres-meninas da Zona da Mata Canavieira Pernambucana. Cad. CEDES [online]. 2002, vol.22, n.56, pp. 23-52. ISSN 0101-3262.

VERDEN – ZÖLLER, Gerda. O brincar na relação materno-infantil: fundamentos biológicos da consciência social. In: MATURANA, Humberto R. e VERDEN – ZÖLLER, Gerda. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Athena, 2004.

WINICOTT, D.N. O brincar: uma exposição teórica. In: WINICOTT, D.N. o brincar & a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

WINICOTT, D.N. O brincar: a atividade criativa e a busca do eu (self). In: WINICOTT, D.N. o brincar & a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.





VI.I – BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ANTUNES, Celso. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender. Porto Alegre. Artmed, 2002.

CATUNDA, Ricardo. Brincar. Criar, Vivenciar na escolar. Ed. Sprint, RJ, 2005.

CURTIS, Sandra R. A alegria do movimento na pré-escola. Tradução: Laura Crespo Rangel. – Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.



GUERRA, Marlene. Recreação e lazer. 4ºed. Porto Alegre, Sagra: DC Luzzato, 1993.

GONZAVEZ RODRIGUEZ, Catalina. Educação Física Infantil: motricidade de 1 a 6 anos. Tradução: Roberto Júnior; 3ªed. São Paulo: Phone, 2008.

SILVA, Elizabeth Nascimento. Recreação na sala da aula-1ª a 4ª série. Rio Janeiro. 5ªed. Sprint, 2008.

SOLER, Reinaldo. Educação física; uma abordagem cooperativa. Rio de Janeiro: Sprint, 2006.

TAUBENSCHLAG, Carlos Alfredo. Atividades lúdicas para viver em harmonia. Tradução Cristina Paixão Lopes­- São Paulo: Paulinas, 2009, Coleção encanto jovem.
LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. 10ª ed. –São Paulo,Cortez, 2007.








Assinatura do(a) Professor(a)




Coordenador(a) do Curso




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal