Planejamento de metas



Baixar 35,83 Kb.
Encontro19.07.2018
Tamanho35,83 Kb.

FICHAMENTO DO ARTIGO

Copa do Mundo de Futebol como Desencadeador de Eventos Cardiovasculares/ World soccer cup as a trigger of cardiovascular events”


DATA DA APRESENTAÇÃO -10/07/2012


Aluno: André Lourival de C. Santos
ARTIGO 1

FOLHA


01/04

NOTA DE REFERÊNCIA
BORGES, Daniel Guilherme Suzuki; MONTEIRO, Rosane Aparecida; SCHMIDT, André  and  PAZIN-FILHO, Antonio.Copa do mundo de futebol como desencadeador de eventos cardiovasculares.Arq. Bras. Cardiol. [online]. 2013, vol.100, n.6, pp. 546-552.  Epub May 14, 2013. ISSN 0066-782X.  http://dx.doi.org/10.5935/abc.20130105. 
Bases de Dados (LILACS) ID 679143

ISSN 0066-782X

http://dx.doi.org/10.5935/abc.20130105 


TESE (OBJETIVO)
Avaliar os efeitos agudos do estresse ambiental induzido pelos jogos da Copa do Mundo de Futebol no aumento da incidência de doenças cardiovasculares no Brasil

RESUMO (Resumo do Texto com próprias palavras)

O presente artigo nos revela a proposta de avaliar os efeitos agudos do estresse ambiental induzidos pelos jogos da Copa do Mundo de Futebol no aumento da incidência de doenças cardiovasculares tomando como fundamento para aplicação da pesquisa e definição do método, o entendimento de que as síndromes coronarianas agudas são a maior causa de mortalidade no mundo e que os estímulos externos definidos como gatilhos, como estado emocional ou atividade física, podem produzir mudanças fisiopatológicas. Dentre os gatilhos estudados procurou-se obter uma melhor compreensão, pois eventos estressantes, como campeonatos de futebol, são controversos na literatura e não há dados efetivos para população brasileira. O método adotado tem seus dados extraídos do Sistema de Informação do SUS, fonte esta de disponibilidade pública e que permitiu um levantamento das internações hospitalares com código internacional de doenças, referente às síndromes isquêmicas agudas, durante o período de maio a agosto de 1998 a 2010 num universo de 155.992 internações. Este método restringiu-se a analisar os pacientes maiores de 35 anos e internados por especialidades clínicas, onde se comparou a incidência de infarto e óbito entre os dias sem copa definidos pelo grupo I, dias de copa sem jogos do Brasil constituída pelo grupo II e dias de jogos do Brasil formando pelo grupo III, onde se utilizou como método a regressão logística e de Poisson para ajustar por idade, gênero, densidade populacional e números de postos de atendimento. Tal pesquisa nos revela dados do aumento da incidência de infarto para jogos de copa do mundo e do Brasil permitindo por meio da análise dos dados relacionar o referido aumento à copa do mundo, mais especificamente, durante os jogos da seleção brasileira.



CITAÇÕES

1º “A asterosclerose é a principal causa de morbimortalidade no mundo ocidental, sendo a Síndrome Coronariana Aguda (SCA) uma de suas principais manifestações. Embora muitos fatores de risco já estejam bem estabelecidos, ainda são discutíveis os fatores desencadeantes, ou seja, aqueles que implicam que a SCA seja desencadeada num momento específico. Esses fatores são conhecidos como gatilhos (triggers) e podem ser definidos como um estímulo externo, estado emocional ou atividade que produz mudanças fisiopatológicas” (p.02)

2º “Supõe-se que, em um país como o Brasil, onde o futebol é particularmente popular, as partidas de copa do mundo envolvendo a seleção brasileira poderiam ser um gatilho forte o suficiente para aumentar a incidência de emergências cardiovasculares” (p.02)

3º “Eventos esportivos como gatilhos para eventos cardiovasculares são estudados há mais de uma década, com resultados controversos.” (p.04)

4º “Um fator limitante a todos os estudos, incluindo este, foi o fato de se partir da premissa de que um evento possa ter impacto em toda a população, sendo que a exposição pode não ser uniforme (uma parte da população pode não estar assistindo ao jogo). Essa limitação só seria possível de se contornar com estudos como o de Serra Grima e Cols, que studou a ocorrência de infarto, emergências cardiovasculares e parada cardíaca diretamente nos estádios na temporada de jogos de Barcelona em 2000-2001, verificando um risco de 0,0056 episódios por 100 mil pessoas hora” (p. 06)

COMENTÁRIOS E IDEAÇÕES

A análise critica que procuramos fazer sobre o artigo tomou como ponto de partida o método que foi delineado pelos autores para poderem responder a pergunta de pesquisa. Os autores escolheram o modelo “descritivo observacional” e entendemos que tal modelo dentro da epidemiologia tem por objetivo informar sobre a distribuição de um evento, na população, em termos quantitativos. Desta forma o uso da incidência e prevalência condiz com a proposta do método. Com a escolha deste método “descritivo observacional” os pesquisadores deveriam traçar o perfil do tema e apenas observar como esta situação esta ocorrendo, em uma ou mais população para poderem expressar as respectivas freqüências de modo apropriado. Dentro desta análise podemos dizer que os critérios do método foram respeitados. Outro ponto significativo é a base de dados. Para uma boa análise descritiva a base de dados deve ser organizada e adequada de sobremaneira a realização de um estudo descritivo de mortalidade e morbidade, de pessoas expostas a um risco. Quanto melhor a base de dados, em termos de abrangência da população e qualidade do conteúdo, mais precisos serão os respectivos quadros descritivos. Dentro desta análise podemos entender que a escolha do banco de dados oriundo do Sistema de Informação do SUS foi uma escolha acertada, mas a não consideração dos aspectos negativos deste sistema como o subregistro e a subnotificação revela uma possível fragilidade do estudo. Também percebemos que o artigo não traz outras variáveis como renda, escolaridade, etc. dos indivíduos pesquisados restringindo-se apenas a gênero e idade. Podemos entender que dentro da epidemiologia as doenças e os agravos não acomete à todos de forma igual e que é preciso ter um melhor entendimento para que os gestores possam desenvolver políticas públicas mais eficientes e eficazes por meio de alocação de recurso, humanos, financeiro, tecnológicos desencadeando ações práticas de prevenção. Quanto ao uso dos resultados dentro dos critérios do método descritivo os autores teriam de trazer um inspeção da distribuição das freqüências dos eventos por meio de tabelas, gráficos ou qualquer outra forma de expressão de resultados para alcançar o objetivo de identificar grupos de risco e sugerir explicação para as variações de freqüência. Dentro desta análise podemos dizer que o estudo atende aos critérios.


ALUNO PESQUISADOR : ANDRÉ LOURIVAL DE CERQUEIRA SANTOS

REFERÊNCIAS E ALGUNS DADOS ADICIONAIS QUE AJUDARÃO NA HORA DE CONSTRUIR O ARTIGO DE REFERÊNCIA

1. Bhattacharyya MR, Steptoe A. Emotional triggers of acute coronary syndromes: strength of evidence, biological processes, and clinical implications. Prog Cardiovasc Dis. 2007;49(5):353-65.         [ Links ]

2. Chi JS, Kloner RA. Stress and myocardial infarction. Heart. 2003;89(5):475-6.         [ Links ]

3. Loures DL, Sant'Anna I, Baldotto CS, Sousa EB, Nóbrega AC. Estresse mental e sistema cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2002;78(5):525-30.         [ Links ]

4. Mills NL, Donaldson K, Hadoke PW, Boon NA, MacNee W, Cassee FR, et al. Adverse cardiovascular effects of air pollution. Nat Clin Pract Cardiovasc Med. 2009;6(1):36-44.         [ Links ]

5. Rajanayagam S. Public health: pollution and cardiovascular risk. Nat Clin Pract Cardiovasc Med. 2009;6(12):734.         [ Links ]

6. Rosenman KD. Sudden cardiac death triggered by an earthquake. N Engl J Med. 1996;334(25):1673.         [ Links ]

7. Yazle Rocha JS, Silva GC. Hospitalizações por infarto agudo do miocárdio segundo o dia da semana: estudo retrospectivo. Rev Saude Publica. 2000;34(2):157-62.         [ Links ]

8. Wilbert-Lampen U, Nickel T, Scheipl F, Greven S, Küchenhoff H, Kääb S, et al. Mortality due to myocardial infarction in the Bavarian population during World Cup Soccer 2006. Clin Res Cardiol. 2011;100(9):731-6.         [ Links ]

9. Barone-Adesi F, Vizzini L, Merletti F, Richiardi L. It is just a game: lack of association between watching football matches and the risk of acute cardiovascular events. Int J Epidemiol. 2010;39(4):1006-13.         [ Links ]

10. Carroll D, Ebrahim S, Tilling K, Macleod J, Smith GD. Admissions for myocardial infarction and World Cup football : database survey. BMJ. 2002;325(7378):1439-42.         [ Links ]

11. Kirkup W, Merrick DW. A matter of life and death: population mortality and football results. J Epidemiol Community Health. 2003;57(6):429-32.         [ Links ]

12. Toubiana L, Hanslik T, Letrilliart L. French cardiovascular mortality did not increase during 1996 European football champioship. BMJ. 2001;322(7297):1306.         [ Links ]

13. Witte DR, Bots ML, Hoes AW, Grobbee DE. Cardiovascular mortality in Dutch men during 1996 European football championship: longitudinal population study. BMJ. 2000;321(7276):1552-4.         [ Links ]

14. Berthier F, Boulay F. Lower myocardial infarction mortality in French men the day France won the 1998 World Cup of football. Heart. 2003;89(5):555-6.         [ Links ]

15. Spitters CE. Cardiovascular events during World Cup soccer. N Engl J Med. 2008;358(22):2408.         [ Links ]

16. Katz E, Metzger JT, Schlaepfer J, Fromer M, Fishman D, Mayer L, et al. Increase of out-of-hospital cardiac arrests in the male population of the French speaking provinces of Switzerland during the 1998 FIFA World Cup. Heart. 2005;91(8):1096-7.         [ Links ]

17. Serra Grima R, Carreño MJ, Tomás Abadal L, Brossa V, Ligero C, Pons J. [Acute coronary events among spectators in a soccer stadium]. Rev Esp Cardiol. 2005;58(5):587-91.         [ Links ]

18. Bauman AE, Van der Ploeg HP, Chey T, Sholler G. The hazards of watching football--are Australians at risk? Med J Aust. 2006;185(11-12):684-6.         [ Links ]

19. Capucci A, Aschieri D. Public access defibrillation: new developments for mass implementation. Heart. 2011;97(18):1528-32.         [ Links ]

20. Pazin-Filho A, Schmidt A, Filipini C, Castro RB, Rosa RM, Rosa MA, et al. Simulação de pacientes : cursos de suporte de vida ACLS , BLS E PALS na FMRP - USP. Medicina,Ribeirão Preto.2007;40(2):204-12.         [ Links ]

21. Luciano PM, Matsuno AK, Moreira RS, Schmidt A, Pazin-Filho A. Suporte básico de vida. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 2010;20(2):230-8.         [ Links ]

 

 

 Correspondência: 


Antonio Pazin-Filho 
Rua Visconde de Inhaúma, 1.070, apto. 131, Centro 
CEP 14010-100, Ribeirão Preto, SP - Brasil 
E-mail: apazin@fmrp.usp.br 

Artigo recebido em 11/12/12; revisado em 23/01/13; aceito em 15/02/13.







©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal