O toque de Jesus



Baixar 20,29 Kb.
Encontro13.07.2018
Tamanho20,29 Kb.

O toque de Jesus


Lc 6..17-19
Introdução: A necessidade do toque de Jesus.

Este texto nos fala de uma das coisas mais urgentes em nossos dias. O toque de Deus em nossas vidas. "E todos da multidão procuravam tocá-lo, porque dele saia poder; e curava todos" (Lc 6.19). Este texto fala de Jesus sendo experimentado, vivenciado pelas pessoas que o seguiam.

A Bíblia sempre tenta-nos mostrar este lado do Evangelho. A experiência de Deus não é algo cartesiano, que se apreende pela lógica, mas é algo tangível, sensório, palpável. Estar com Jesus não significa apenas aprender seu conteúdo, mas receber sua ministração de poder. "Dele sai poder". Oh, como estamos distantes desta realidade em nossa experiência cristã nestes dias.

Durante os dias da Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo, estudamos reiteradas vezes o conceito de Fé: Fé era descrito como uma locomotiva que possuía dois vagões: Emoção e razão. Mas nenhum destes vagões era capaz de andar sem a experiência da fé. Fé, ainda que não prescinda da razão, não pode ser reduzido ao elemento radio ou a qualquer substancia química que se leva a um laboratório e prova sua autenticidade. Fé não é algo para ser escrutinado pela experiência cientifica. Da mesma forma quanto a emoção. Fé não é emoção. Emoção é um dos elementos da fé, mas não é a essência da fé. Ter fé em Jesus não é apenas ter uma sensação, ou um calafrio. Contudo, assim como podemos sentir o vento, sem vê-lo, tão se move misteriosamente entre seu povo e na história dos homens. A fé deve guiar tanto a razão quanto a emoção.


Nos evangelhos vemos registrada esta maravilhosa verdade que Jesus tocava as pessoas. Por que Jesus as toca? "E todos da multidão procuravam tocá-lo, porque dele saia poder; e curava todos" (Lc 6.19).

O texto nos registra não apenas que o toque de Jesus era desejado pelas pessoas, mas que seu toca transmitia energia, transformação, vida, restauração. "dele saia poder" (Lc 6.19). Este poder tinha um efeito transformador na vida das pessoas. O contacto com Jesus trazia cura. Nada é mais urgente em nossos dias que este maravilhoso toque de Jesus em nossas vidas. Seu poder pode transformar nossa história, nossa perspectiva de vida, nossa visão acerca de nós mesmos. Ele pode romper com estruturas, vícios, relações patológicas que cultivamos em nossa vida, amarras da alma, da consciência, dos relacionamentos que queremos romper mas infelizmente não encontramos força para resistir. Precisamos de poder para vivermos de forma plena.


Em 1988, ainda pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana de Brasília, visitei um rapaz, assessor do então ministro da Educação, Hugo Napoleão, que foi impactado com este poder maravilhoso de Jesus. Já fazia três dias que não conseguia parar de chorar, um choro irresistível de paz, de refrigério. Mas ele estava se sentindo ainda ameaçado com aquilo, afinal de contas, perdera o controle sobre suas emoções, e ele se julgava tão seguro de si. O que era o seu poder diante de um poder tão impressionante quanto o poder de Jesus?
Os efeitos deste toque

A Bíblia nos mostra a necessidade de sermos tocados por Jesus. Este poder libera vida, graça, plenitude. Vejamos alguns destes efeitos narrados no evangelho.



  1. O toque de Jesus altera nossa forma de ver e viver. Tanto no AT como no NT, vemos sempre Deus tocando a vida das pessoas. Um destes homens que foram tocados de forma maravilhosa por Deus foi Jacó, quando se defrontou com Deus, face a face no vale de jaboque (Gn 32). Ali Deus desmascara Jacó, mostra quem ele era (Jacó significa suplantador), e dá-lhe um novo novo (Israel: Príncipe de Deus). O toque de Deus na vida de Jacó o transforma num outro homem. Muda sua natureza caída, seu caráter frágil, transforma sua forma de ser e agir. Em tempos de ética tão relativizada, precisamos de Deus para fortalecer nosso caráter. Muitos estão perdendo seu casamento, sua moral, afastando-se de Deus. Sabem o que fazer, mas não tem o poder para fazer aquilo que Deus deseja deles. O Evangelho é o poder de Deus para salvação de todo o que crê. O Evangelho nos capacita a sermos aquilo que não conseguiremos ser por nós mesmos. O toque de Jesus altera nossa forma de ser e viver.

  2. O Evangelho também é restaurador, traz cura – Não apenas de caráter, mas cura física. Varias vezes vemos Jesus tocando pessoas para trazer-lhes restauração.

  • Lc 5.13 – O leproso: "se quiseres, podes..."

  • LC 8.46 – A mulher hemorrágica: "se eu apenas lhe tocar as vestes..."

  • Lc 13.13 – A mulher encurvada: "Jesus lhe impõe as mãos"

  • Mt 4.23-25 nos afirma que Jesus curava as pessoas doentes fisicamente "varias enfermidades, paralíticos", gente com doença da mente "lunáticos" e pessoas com doenças espirituais: "atormentadas de espíritos malignos". O toque de Jesus pode curar-nos. "E todos da multidão procuravam tocá-lo, porque dele saia poder; e curava todos" (Lc 6.19).

  1. O toque de Jesus move nosso coração a Deus – Tentamos levar pessoas ao conhecimento de Jesus, muitos gostariam de crer, mas parecem não conseguir. O que acontece? Precisam de um toque de Jesus. Só o toque de Cristo tem a capacidade de nos convencer interiormente da validade de sua mensagem. Precisamos de seu toque para termos nosso coração modificado pela sua graça. " dele saia poder" (Lc 6.19).


Atitudes perigosas em relação a este poder – Apesar da importância e da urgência deste toque, muitas pessoas nunca são tocadas por Deus. Algumas delas ouvem a mensagem de Deus, convivem com a comunidade cristã, mas o Evangelho não as impacta, não as transforma, não as aproxima de Deus. Porquê? Por causa de nossa atitude para com o Evangelho e o seu poder.


    1. Não preciso do toque de Jesus – Esta é uma das primeiras razões! Pessoas incapazes de reconhecer o grande perigo espiritual que correm. São pessoas cheias de auto suficiência, como enfermos que acreditam não precisar de médicos. Em Abril 2004, um fato chamou a atenção da imprensa. Um gênio do futebol mundial, o argentino Maradona, foi internado num hospital em estado grave por causa de uma overdose de cocaína, substancia na qual é viciado. Depois de muito esforço, os médicos conseguiram restaurar sua vida que esteve por um triz. Maradona evadiu-se do hospital, e as famílias resolveram tomar uma atitude dura: Obrigá-lo a fazer um tratamento. Isto porque, ele simplesmente não vê a necessidade de tratamento, não consegue ter a dimensão de seu mal, e não quer ajuda. Pessoas agem também assim com suas vidas espirituais. Assim como a igreja de Laodiceia que tinha uma falsa visão de si mesma, achava-se rica, abastada, e que não precisava de coisa alguma, e Deus afirma que ele era pobre, cega, nu e miserável. Que contraste entre a forma como ela se vê e Deus a vê!

    2. Incredulidade quanto ao poder de Jesus – São pessoas que, por alguma razao, não conseguem crer que Deus pode intervir em suas vidas. Deus parece ter aposentado: fazia mas não faz mal. Agia mas não age mais. Curava, mas não cura mais. Intervinha, mas não intervem mais. Isto é resultado do secularismo. O que me assusta é que a incredulidade esteja tão presente nas nossas vidas, e dentro da igreja de Cristo. Um dos maiores problemas de meu próprio coração é a incapacidade de crer, "tudo quanto os profetas disseram". Tudo quanto a Biblia registra.

Alguns anos atrás pastoreei a igreja da Gávea, no Rio de Janeiro, e uma mulher muito querida, com uma enfermidade que se arrastava já por algum tempo me procurou, depois de percorrer várias clinicas especializadas no São Paulo e Rio (ela mesma é uma médica), e me disse: "pastor, vamos orar, porque eu tenho certeza de que Deus pode me curar". Aquela convicção dela me perturbou. Orei timidamente, me referindo mais à fé daquela irmã do que a minha própria capacidade de crer. No domingo, ela me procura, com seu rosto radiante, e misteriosa como sempre me disse: "não lhe falei? Olha aqui o meu braço". E mostrou sua pele, sem mancha, testemunhando do amor de Deus.

Estou contando isto não para demonstrar que sou um homem de poder, porque como viram, esta oração revela a minha profunda incredulidade. Mas para trazer a tona o fato de que somos uma geração incrédula. O povo de Deus sempre teve dificuldade em crer. A geração que mais presenciou milagres na Bíblia, em suas andanças pelo deserto, foi um dos povos mais incrédulos e rebeldes quanto ao poder de Deus. Milagres não são suficientes para gerar fé em nossas almas.

No NT, vemos a mesma incredulidade presente: vemos a incredulidade dos discípulos quanto a ressurreição: não acreditaram nas mulheres; os discípulos no caminho de Emaús não acreditaram nas Escrituras, Dídimo duvidou da veracidade do relato de seus companheiros no colégio apostólico. Incredulidade. "Oh geração incrédula, até quando vos sofrerei" (Mc 9.32).

Nossa atitude secularizada, nos impede de ver que céus e terra se tocam. Que o nosso Deus é um Deus vivo, um Deus que pode tocar nossas vidas, nosso caráter, nosso casamento, nossos filhos, nossos pais, nossa história e fazer a sua obra de forma esplêndida. Esta atitude é diferente desta que encontramos registrada nos Evangelhos "E todos da multidão procuravam tocá-lo " (Lc 6.19). Tocavam nele "porque dele saia poder", e porque criam nesta possibilidade da sobrenaturalidade de Jesus, eram curados. Nossa geração, que se julga sofisticada, e assume uma atitude de superioridade quanto às coisas sagradas, vai experimentando a dor de termos um poder tão maravilhoso disponível, mas viver de forma tão adoecida e empobrecida, simplesmente porque não crêem na disponibilidade deste poder e não se aproximam deste poder para ser curada.


Nesta noite, gostaria de orar por você. Você que está aqui ouvindo esta mensagem, e que sente a necessidade de ser tocado por Jesus. Pode ser que sejam problemas crônicos, que vem se arrastando anos a fios, obsessões e compulsões que o tornam prisioneiro. "Jesus é o mesmo ontem, hoje e o será para sempre"(Hb 13.8). E ele convida todos os cansados e sobrecarregados para virem a ele, para serem tocados por ele.
Em nome de Jesus, levante-se de seu lugar e venha a frente!
Samuel Vieira

Anápolis 10 maio de 04



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal