O senhor Deputado jefferson campos



Baixar 15,62 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho15,62 Kb.


O Senhor Deputado JEFFERSON CAMPOS - PSB – SP, pronuncia o seguinte discurso.

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, observo aqui algumas considerações a respeito dos tempos e diversidades de valores que estamos vivendo.

Certamente que o último século tem sido de extrema importância para o avanço do conhecimento e da tecnologia. O homem deu um enorme salto rumo ao progresso como nunca antes visto em toda a história da humanidade.

Posso mencionar que a “Revolução Industrial”, iniciada no final do século XVIII e amplamente difundida no início do século XIX foi a largada de uma corrida que tomou fôlego insuperável nos últimos 30 anos.

Em 1913, o primeiro automóvel foi fabricado através de uma linha de montagem chegando ao número de 15 milhões de veículos feitos deste mesmo modelo (Ford T) nos anos seguintes, atualmente (menos de um século depois) mais de 60 milhões de carros são fabricados por ano no mundo. Sendo a indústria automobilística apenas um braço do crescimento industrial. Por causa dela outros segmentos obtiveram um crescimento astronômico como a indústria de extração petrolífera, entre outras.

No aspecto da tecnologia da computação, o primeiro computador eletro-mecânico do mundo foi construído em 1936, na Alemanha e foi desprezado pelo governo daquele país, atualmente, nos últimos meses foram vendidos cerca de 81 milhões de computadores no mundo.

Há menos de um século, a única forma de se chegar a outro continente, era por mar e levava dias de viagem, algo que hoje fazemos em poucas horas.

Toda esta evolução trouxe inúmeros benefícios para a população mundial, mas como em tudo há o bônus e o ônus, o alto preço do progresso, coloca em risco o futuro de sua existência.

A prova disso são os olhos de toda a humanidade voltados para a Dinamarca onde ocorre a 15ª Conferência do Clima das Nações Unidas. Ou seja, que mundo iremos deixar para os nossos descendentes?

Em linhas gerais em função da grande emissão de CO2, entre outros gases, que teve um aumento substancial desde a Revolução Industrial, nosso planeta vem se aquecendo gradativamente com o passar dos anos, causando o chamado efeito estufa e, com ele, vários distúrbios no equilíbrio do nosso meio ambiente.

No Brasil, as principais causas do “efeito estufa” ainda são as queimadas e o desmatamento desordenado. Algo que precisa ser monitorado com mais proximidade por todos nós.

Aprecio e apoio a iniciativa de promover o encontro destas 192 nações visando não só a conscientização como a redução das taxas de emissão e espero poder ver resultados muito positivos deste encontro para a humanidade.



Internet

Seguindo ainda por esta linha de pensamento, ressalto que a multiplicidade do conhecimento, a globalização e a acessibilidade galopante à informação nos fazem, a qualquer momento, adquirirmos um profundo conhecimento sobre todo e qualquer assunto, porém, ainda precisamos ser cuidadosos com os problemas que esta facilidade pode nos trazer.

A internet tem sido um dos meios preferidos para a prática de crimes. Até por causa da dificuldade em se localizar e identificar os criminosos, eles tem cada vez mais se utilizado deste meio não só para a identificação das possíveis vítimas, em sites de relacionamentos e chats, como também praticando os crimes de difamação através de emails anônimos, além das fraudes aos cartões de crédito, crimes de desvio de dinheiro e roubo às contas bancárias dos usuários de internet.

Vale ressaltar que em época de natal, estes criminosos atuam com mais liberdade valendo-se do fato de que para os compradores da internet poderem efetuar suas compras, são obrigados a fornecer todos os dados de seu cartão de crédito, incluindo a senha de segurança que consta no verso do cartão. Não são poucos os sites de compras “fantasmas” que não tem produtos para entregar, mas se utilizam das informações dos cartões para a ocorrência de crimes.

Antes da multiplicação do conhecimento e da informação o acesso por parte das crianças e adolescentes aos conteúdos impróprios era muito restrito, hoje a internet tem sido uma ferramenta que não somente as leva facilmente ao contato com a pornografia como tem sido um local para exposição e oferta de prostituição infantil. Crianças são facilmente aliciadas através da internet e tráfico humano também é amplamente difundido através deste meio.

Segundo pesquisadores ingleses, a idade mínima que os meninos neste país começam a ter contato com a pornografia na internet é de 10 anos.

Em Pequim, na China, as autoridades chegaram a oferecer até 1.400 dólares para quem denunciasse portais ou sites de conteúdo pornográfico tamanho é incomodo que este tema gera. Segundo a agência oficial Xinhua, nas primeiras 24 horas da campanha, a linha especial instalada para a investigação do conteúdo ilegal chegou a receber mais de 500 chamadas e 13 mil mensagens escritas.

A pornografia na Internet ou fora dela corrompe os princípios dos humanos e deve ser combatida de maneira eficaz.

Quero parabenizar a iniciativa da Polícia Federal juntamente com a Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH) e com a ONG SAFERNET pela criação e disponibilização no site da policia federal do formulário para denúncias dos crimes de pedofilia, genocídio e outros que violam os direitos humanos através da Internet.

Divórcio

Aproveito a oportunidade para reiterar minha posição contrária a aprovação da PEC 33/07, recentemente apelidada PEC do amor, ou desamor, que facilita a dissolução dos casamentos. Assim como me posiciono contrário também ao Projeto de Lei do Senado, 464/2008 para autorizar pedidos de separação e divórcio por meio eletrônico. Entendo que a burocratização do ato de se divorciar leva a uma reflexão maior do ato praticado para que não seja feito de forma inconseqüente.

O casamento é um sacramento instituído por Deus, assim como a família é à base da sociedade. Portanto tanto o ato do matrimônio quanto o do divórcio não podem ser realizados de maneira impensada. Facilitar a dissolução de casamentos é levar as pessoas a agir por ímpeto na hora de se casarem e promover o pensamento: “se não der certo, separa”; de forma que a responsabilidade sobre a decisão de uma vida a dois fica minimizada.

É notório que vivemos uma época de inversão de valores, onde tudo que sempre foi correto está se tornando errado e tudo que sempre foi duvidoso passa a ser correto. Temo por tempos futuros e não muito distantes onde a maioria passará a ser minoria e a família deixará de ser uma instituição sólida e segura.

Quero ainda parabenizar os parlamentares, que se posicionaram a favor da família, votando contra a PEC do Amor e que entendem que uma família saudável é à base da educação de um individuo, portanto a base de uma sociedade saudável e próspera.

Por último, Senhor Presidente, solicito a Vossa Excelência, que autorize a divulgação do meu pronunciamento nos meios de comunicação da Casa e no programa A Voz do Brasil.



Muito Obrigado.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal