O papel da imprensa no contexto da história política renovada: discursos eleitorais ou disputas partidárias



Baixar 20,68 Kb.
Encontro22.10.2017
Tamanho20,68 Kb.

O PAPEL DA IMPRENSA NO CONTEXTO DA HISTÓRIA POLÍTICA RENOVADA: DISCURSOS ELEITORAIS OU DISPUTAS PARTIDÁRIAS? (1951-1958)

André Bonsanto Dias (UNICENTRO), Karina Anhezini (Orientadora– Departamento de História/UNICENTRO), e-mail: andrebonsanto@hotmail.com

Palavras-chave: História política, imprensa, Guarapuava.

Resumo:

Este trabalho pretende analisar, a partir da concepão da história política renovada, dois jornais entendidos como um espaço de disputas políticas e de construção de representações sócio-culturais. Nesse sentido, busca-se compreender a linguagem e os argumentos utilizados pelos candidatos/proprietários dos jornais para o convencimento dos leitores no intuito de identificar as representações construídas por ambos durante a disputa eleitoral.



Introdução:

O presente estudo está inserido em uma perspectiva da história política renovada, que, a partir de meados da década de 19801, retoma as problemáticas pertinentes ao político sob novas problemáticas e interpretações. Esta renovação historiográfica defende a afirmação do político como unidade autônoma e participante das mudanças sociais e nega a esfera do politico entendida meramente como um aspecto condicionado ao econômico. Essas novas interpretações são resultado, principalmente, do caráter interdisciplinar da nova história política e de sua aproximação com outras áreas do conhecimento. Proliferam-se, assim, os estudos acerca de casos político/eleitorais como um todo, mostrando o caráter coletivo desta nova história política, que coloca a imprensa como fonte e também objeto de análise, para a melhor compreensão dessa nova concepção do político.



Materias e métodos:

Levando em conta a importância da imprensa nesta nova concepção da história política renovada, teremos como fontes primárias de estudo dois jornais locais: Folha do Oeste, de propriedade de Antônio Lustosa de Oliveira (candidato a deputado federal pelo PSD nas eleições de 1958) e a Tribuna Paranaense de João Ferreira Neves (candidato a deputado estadual pelo PSP nas eleições de 1958). Inspirado nos estudos dedicados à compreensão deste tipo de fonte/objeto, serão analisados os editoriais desses dois periódicos, bem como as campanhas eleitorais veiculadas nos mesmos.



Resultados e Discussão:

Tendo o jornal como palco de embates político/partidários procura-se identificar significados de “culturas políticas” específicas que caracterizaram os processos eleitorais da época, a fim de analisar, segundo Serge Berstein, uma linguagem comum simplificada, que aparece como ideologia sem precisar necessariamente exprimi-la explicitamente2. Com isso, pretende-se discutir a importância de “culturas políticas” dentro de um veículo impresso que funciona como mediador político e grande participante não só das decisões eleitorais, mas atuante também na construção de representações sócio-culturais.



Conclusões

Este trabalho é fruto da pesquisa ainda em andamento, que será entregue em 2008 como artigo de conclusão do curso de História. Portanto, algumas conclusões serão alcançadas no desenvolvimento do trabalho. Até a etapa atual é possível perceber, inspirado nas discussões esboçadas acima, o papel da imprensa guarapuavana como mediadora política e construtora de representações no momento analisado, ou seja, durante uma acirrada disputa político-eleitoral.



Referências:

CAPELATO, M.H. e PRADO, M.L. O Bravo Matutino. São Paulo: Editora Alfa Ômega, 1980.


CAPELATO, M.H. A imprensa na história do Brasil. São Paulo: Contexto. EDUSP, 1988.
CAPELATO, M. H. R. Multidões em Cena. Propaganda Política no Varguismo e no Peronismo. Campinas: Papirus, 1998
FERREIRA, Jorge (org). O Populismo e sua História: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
FLEISCHER, David V.(org.). Os Partidos Políticos no Brasil Vol. I. Brasília: Ed. Universidade de Brasília. 1981.
FRANCO, Afonso Arinos de Melo. História e teoria dos partidos políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1974.
MARTINS, Ana Luiza; LUCA, Tânia Regina de. Imprensa e cidade. São Paulo: Editora UNESP, 2006.
MATOS, Heloiza (org.). Mídia, eleições e democracia. São Paulo: Scritta, 1994.
MELO, J.M. (org.). Populismo e comunicação. São Paulo: Cortez Intercom, 1981
REMOND, René (org.). Por uma história política. 2ª edição. Rio de Janeiro, Ed. FGV, 2003.
RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, Jean-François. Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.
SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 2a. ed., Rio de Janeiro: Graal, 1978.
SOUZA, Maria do Carmo Campello de. Estado e Partidos Políticos no Brasil, 1930 a 1964. São Paulo, Editora Alfa-Omega, 1976.


1 Principalmente com os estudos do historiador francês René Rémond, em sua “obra-manifesto”: REMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ/ Ed. FGV, 1996.

2 BERSTEIN, Serge. Partidos. In: REMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ/ Ed. FGV, 1996, p. 89.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal