O homem Espiritual



Baixar 0,98 Mb.
Página6/26
Encontro23.10.2018
Tamanho0,98 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   26

3. A queda do homem


O homem que Deus formou era notavelmente diferente de todos outros seres criados. O homem possuía um espírito similar ao dos anjos e ao mesmo tempo tinha uma alma parecida com a dos animais inferiores.

Quando Deus criou o homem, lhe deu uma liberdade total. Não fez do homem um autômato, controlado automaticamente pela vontade de Deus. Isto é evidente em Gênesis 2, quando Deus instruiu o homem original sobre qual fruta podia comer e qual não. O homem que Deus criou não era uma máquina dirigida por Deus, pelo contrário, tinha uma total liberdade de escolha. Se escolhia obedecer a Deus, podia fazê-lo, e se decidia rebelar-se contra Deus, também podia fazê-lo. O homem possuía uma soberania pela qual podia exercer sua vontade ao escolher entre obedecer ou desobedecer. Este ponto é muito importante, posto que devemos ver claramente que, em nossa vida espiritual, Deus jamais nos priva de nossa liberdade. Deus não levará a termo nada sem nossa colaboração ativa. Nem Deus, nem o demônio podem fazer nada através de nós sem antes ter obtido nosso consentimento, porque a vontade do homem é livre.

Originalmente, o espírito do homem era a parte mais nobre de todo seu ser, e a alma e o corpo lhe estavam sujeitos. Em condições normais, o espírito é como um amo, a alma é como um mordomo e o corpo é como um criado. O amo encarrega assuntos ao mordomo, que, por sua vez, ordena ao criado que os execute. O amo dá ordens ao mordomo em particular. O mordomo parece ser o dono de tudo, mas, na realidade, o dono de tudo é o amo.

Por desgraça, o homem caiu, foi derrotado e pecou, e em conseqüência se tergiversículou a ordem correta do espírito, da alma e do corpo.

Deus outorgou ao homem um poder soberano e concedeu numerosos dons à alma humana. Os mais proeminentes são o pensamento e a vontade, ou o intelecto e a intenção. O propósito original de Deus é que a alma humana receba e assimile a verdade e a substância da vida espiritual de Deus. Deus deu dons aos homens para que o homem pudesse receber o conhecimento e a vontade de Deus como deles. Se o espírito e a alma do homem tivessem mantido sua perfeição, sanidade e vigor, seu corpo teria sido capaz de manter-se sem mudança para sempre. Se tivesse decidido em sua vontade pegar e comer a fruta da vida, é indubitável que a própria vida de Deus teria entrado em seu espírito, teria impregnado sua alma, teria transformado todo seu homem interior e teria passado seu corpo à incorruptibilidade. Então teria estado literalmente de posse da vida eterna. Nestas circunstâncias, sua vida anímica se encheria por completo de vida espiritual e todo seu ser se teria transformado em algo espiritual. Contrariamente, se se inverter a ordem do espírito e da alma, o homem submerge nas trevas e o corpo humano não pode durar muito, mas sim logo se apodrece.

Sabemos que a alma do homem escolheu a árvore do conhecimento do bem e do mal em lugar da árvore da vida. Não obstante, não está claro que a vontade de Deus para Adão era que comesse a fruta da árvore da vida? Porque antes tinha proibido a Adão que comesse a fruta da árvore do bem e do mal e o advertiu que no dia que a comesse morreria (Gen. 2:17). Primeiro ordenou ao homem que comesse livremente de toda árvore do jardim, e propositalmente mencionou a árvore da vida no meio do jardim. Quem pode dizer que não é assim?

«A fruta do conhecimento do bem e do mal» eleva a alma humana e suprime o espírito. Deus não proibiu o homem que comesse desta fruta simplesmente para prová-lo. O proibiu porque sabia que, comendo desta fruta, a vida da alma do homem seria tão estimulada que a vida de seu espírito ficaria submersa. Isto significa que o homem perderia o autêntico conhecimento de Deus e em conseqüência estaria morto para Ele.

A proibição de Deus mostra o amor de Deus. O conhecimento do bem e do mal neste mundo é mau em si mesmo. Este conhecimento surge do intelecto da alma do homem. Incha a vida da alma e consequentemente rebaixa a vida do espírito até o ponto em que esta perde todo conhecimento de Deus, até o ponto que fica como morto.

Um grande número de servos de Deus vêem nesta árvore da vida, Deus oferecendo vida ao mundo em seu Filho, o Senhor Jesus. Esta é a vida eterna, a natureza de Deus, sua vida incriada. Por isso temos aqui duas árvores: a que produz vida espiritual, enquanto que a outra gera vida anímica.

Em seu estado original, o homem não é nem pecador nem santo e justo. Encontra-se entre os dois. Pode aceitar a vida de Deus, convertendo-se assim em um homem espiritual e participante da natureza divina, ou pode encher sua vida criada até torná-la anímica, matando assim seu espírito.

Deus deu um equilíbrio perfeito às três partes do homem. Sempre que uma das partes se desenvolve muito, as outras sofrem.

Nossa experiência espiritual será muito beneficiada se compreendermos a origem da alma e seu princípio de vida.

Nosso espírito vem diretamente de Deus, posto que é um dom de Deus (Nm. 16:22). Nossa alma não tem esta procedência tão direta, foi produzida depois que o espírito entrou no corpo. Por isso está vinculada ao ser criado, de uma maneira característica. É a vida criada, a vida natural. O valor que tem a alma é realmente grande, se mantiver seu papel de mordomo e permitir que o espírito seja o amo. O homem pode então receber a vida de Deus e estar em conexão com o Deus da vida. Se, ao contrário, este mundo anímico se encher, conseqüentemente o espírito ficará reprimido. Todos os atos do homem ficarão limitados ao mundo natural do criado, incapaz de unir-se à vida sobrenatural e incriada de Deus. O homem original sucumbiu à morte porque comeu da fruta do conhecimento do bem e do mal, desenvolvendo assim, de maneira anormal, sua vida anímica.

Satanás tentou a Eva com uma pergunta. Sabia que sua pergunta estimularia o pensamento da mulher. Se Eva tivesse estado sob o completo controle do espírito teria rechaçado estas perguntas. Ao tentar responder, utilizou sua mente, em desobediência ao espírito. É indubitável que a pergunta de Satanás estava cheia de enganos, posto que seu motivo principal era simplesmente incitar a atividade mental da Eva. Seria de se esperar que Eva corrigisse a Satanás, mas, ai!, Eva se atreveu a trocar a Palavra de Deus em sua conversa com Satanás. Em conseqüência, o inimigo se encorajou e a tentou para que comesse, sugerindo-lhe que, ao comer, se lhes abririam os olhos e seria como Deus, conhecendo o bem e o mal. «Assim, quando a mulher viu que a árvore era boa para comer e que era uma delícia para os olhos, e que a árvore era desejável para ter sabedoria, tomou de seu fruto e comeu» (Gn. 3:6). Assim foi como Eva viu o assunto. Satanás provocou primeiro seu pensamento anímico e em seguida avançou até apoderar-se de sua vontade. O resultado: Eva caiu no pecado.

Satanás sempre utiliza a necessidade física como primeiro objetivo a atacar. Simplesmente fez menção a Eva do ato de comer a fruta, um assunto totalmente físico. A seguir tentou seduzir sua alma, dando-lhe a entender que, fazendo o que lhe dizia, se lhes abririam os olhos para conhecer o bem e o mal. Embora esta busca do conhecimento fosse totalmente legítima, sua consumação levou seu espírito a uma franca rebeldia contra Deus, porque tergiversículou a proibição de Deus, lhe atribuindo um propósito mau. A tentação de Satanás alcança primeiro o corpo, em seguida a alma e finalmente o espírito.

Depois de ter sido tentada, Eva deu sua opinião. Para começar, «a árvore era boa para comer». Isto é «concupiscência da carne». A carne da Eva foi a primeira a ser estimulada. Segundo, «era uma delícia para os Isto olhos é «a concupiscência dos olhos». Agora já estavam estimulados seu corpo e sua alma. Terceiro, «a árvore era desejável para dar sabedoria. Isto é «o orgulho da vida». Este desejo revelava a vacilação entre sua emoção e sua vontade. A agitação de sua alma era já incontrolável. Já não se mantinha à margem, como um espectador, mas sim tinha sido cutucada a desejar a fruta.

Que perigosa é uma emoção humana, quando é dona das circunstâncias!

Por que Eva desejou a fruta? Não foi simplesmente pela concupiscência da carne e a concupiscência dos olhos, mas sim também por sua incontida curiosidade pela sabedoria. Na busca de sabedoria e de conhecimento, inclusive do chamado «conhecimento espiritual», com freqüência se podem incentivar as atividades da alma.

Quando uma pessoa tenta aumentar seu conhecimento praticando ginástica mental com livros, sem esperar em Deus nem pedir a direção do Espírito Santo, é evidente que sua alma se encontrará em plena oscilação. Isso esgotará sua vida espiritual. Como a queda do homem foi ocasionada pela busca de conhecimento, Deus utiliza a «insensatez da cruz» para «destruir a sabedoria dos sábios». O intelecto foi a causa principal da queda; por isso, para salvar-se, terá que acreditar na loucura da Palavra da cruz, em lugar de depender do intelecto. A árvore do conhecimento fez que o homem caísse, e por isso Deus emprega o «madeiro da loucura» (1 P. 2:24) para salvar almas. «Se algum entre vós se julga sábio neste tempo, que se torne ignorante para poder ser sábio. Porque a sabedoria deste mundo é insensatez para Deus» (1 Co. 3:18-20; ver também 1:18-25).

Tendo repassado cuidadosamente o relato da queda do homem, podemos ver que, ao rebelar-se contra Deus, Adão e Eva desenvolveram suas almas até o extremo de deslocar seus espíritos e submergir-se nas trevas. As partes proeminentes da alma são a mente, a vontade e a emoção do homem. A vontade é o órgão da decisão e em conseqüência o dono do homem. A mente é o órgão do pensamento, enquanto que a emoção é o do afeto. O apóstolo Paulo nos diz que «Adão não foi enganado», indicando que a mente de Adão não estava em confusão naquele dia fatídico. Quem fraquejou em sua mente foi Eva: «a mulher foi enganada e pecou» (1 Tm. 2:14). Segundo o relato de Gênesis, está escrito que «a mulher disse: «A serpente me enganou e comi» (Gn. 3:13). Mas «o homem disse: «A mulher me deu (não me enganou) a fruta da árvore e comi» (Gn. 3:12). É evidente que Adão não foi enganado. Sua mente estava limpa e sabia que a fruta era da árvore proibida. Comeu por causa de seu efeito pela mulher. Adão compreendeu que o que havia dito a serpente não era nada mais que o engano do inimigo. Das palavras do apóstolo vemos que Adão pecou deliberadamente. Amava a Eva mais que a si mesmo. Fê-la seu ídolo e por ela foi capaz de rebelar-se contra a ordem de seu Criador. Que lástima que sua emoção dominasse a sua mente! Seu efeito superou a sua razão.

Por que os homens «não acreditaram na verdade»? Porque «sentiram prazer na injustiça» (2 Ts. 2:12). Não é que a verdade não seja razoável mas sim que não a amam. Por isso quando alguém verdadeiramente vai ao Senhor, crê com o coração (não com a mente) ele é justificado» (Rm. 10:10).

Satanás levou Adão a pecar apoderando-se de sua vontade, através de sua emoção, enquanto que tentou a Eva a que pecasse dominando sua vontade pelo caminho de uma mente obscurecida. Quando a vontade e a mente e a emoção do homem foram envenenadas pela serpente e o homem seguiu a Satanás em lugar de seguir a Deus, seu espírito, que podia ter comunhão íntima com Deus, recebeu um golpe mortal. Aqui podemos ver a lei que governa a obra de Satanás. Usa as coisas da carne (comer fruta) para atrair a alma do homem para o pecado. Assim que a alma peca, o espírito fica consumido em uma escuridão absoluta. A ordem de seu método sempre é o mesmo: de fora para dentro. Se não começar pelo corpo, então começa trabalhando com a mente ou a emoção para apoderar-se da vontade do homem. No momento em que o homem cede diante de Satanás, este possui todo o ser do homem e mata o espírito.

Mas não é assim com a obra de Deus: Deus sempre trabalha de dentro para fora. Deus começa trabalhando com o espírito do homem e prossegue iluminando sua mente, estimulando sua emoção e o levando a exercer sua vontade sobre seu corpo, para cumprir a vontade de Deus.

Toda obra satânica se realiza de fora para dentro e toda obra divina se realiza de dentro para fora. Nisto podemos distinguir o que vem de Deus e o que vem de Satanás. Tudo isto nos ensina, além disso, que, uma vez que Satanás se apodera da vontade do homem, controla esse homem.

Devemos ter em mente que a alma é onde o homem expressa sua livre vontade e exerce sua autoridade. Por isso a Bíblia freqüentemente deixa claro de que é a alma a que peca. Por exemplo, Miquéias 6:7 diz «o pecado de minha alma». Ezequiel 18:4, 20 diz «a alma que peca». E nos livros Levitico e Números se menciona freqüentemente que a alma peca. Por que? Porque é a alma que decide pecar. Nossa descrição do pecado é: «A vontade de seu consentimento na tentação.»

Pecar é coisa da vontade da alma e em conseqüência deve haver uma expiação pela alma.

«Dêem oferenda ao Senhor para fazer expiação por suas almas» (Êx. 30:15).

«Porque a vida da carne está no sangue, e lhe dei isso sobre o altar para fazer expiação por suas almas, porque é o sangue que faz expiação pela alma» (Lv. 17:11).

«Para fazer expiação por nossas almas diante de Jehová» (Nm. 31:50).

Como é a alma que peca, depreende-se que a alma é a que tem que receber expiação. E além disso a expiação deve proceder de uma alma:

«Foi da vontade do Senhor esmagá-lo, fazendo-o enfermar... fará a sua alma uma oferta pelo pecado... Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito... derramou sua alma até a morte... e levou sobre si o pecado de muitos, e pelos transgressores intercedeu». (Is. 53:10-12).

Ao examinar a natureza do pecado do Adão, descobrimos que, além da rebelião, também há um certo tipo de independência. Aqui não devemos perder de vista o livre-arbítrio. Por um lado a árvore da vida implica um sentido de dependência. Naquele tempo o homem não possuía a natureza de Deus, mas se tivesse participado da fruta da árvore da vida teria obtido a vida de Deus e o homem teria podido alcançar seu ápice: possuir a mesma vida de Deus. Isto é dependência. Por outro lado, a árvore do conhecimento do bem e do mal sugere independência, porque o homem procurou por meio do exercício de sua vontade, obter o conhecimento que não lhe tinha sido prometido, algo que Deus não lhe tinha concedido. Sua rebelião declarava sua independência. Rebelando-se, não tinha que depender de Deus. Além disso, sua busca do conhecimento do bem e do mal também mostrava sua independência, porque não estava satisfeito com o que Deus já lhe tinha concedido. A diferença entre o espiritual e o anímico é clara como o cristal. O espiritual depende totalmente de Deus, está plenamente satisfeito com o que Deus dá. O anímico evita qualquer contato com Deus e ambiciona o que Deus não concedeu, em especial «o conhecimento». A independência é uma marca especial do anímico. Isto — não importa quão bom seja, inclusive quando adora a Deus — é indubitavelmente costume da alma não requerer uma confiança completa em Deus e, em troca, exige dependência da própria força. A árvore da vida não pode crescer dentro de nós junto com a árvore do conhecimento. A rebelião e a independência explicam todo pecado cometido tanto pelos pecadores como pelos santos.


O espírito, a alma e o corpo depois da queda


Adão vivia pelo fôlego de vida que se fez espírito nele. Por meio do espírito, recebia Deus, conhecia a voz de Deus e tinha comunhão íntima com Deus. Era profundamente consciente de Deus. Mas, depois da queda, seu espírito morreu.

Quando Deus falou com Adão, antes de mais nada lhe disse: «o dia em que dela comer (a fruta da árvore do bem e do mal) morrerá» (Gn. 2:17). Mesmo assim, Adão e Eva viveram centenas de anos depois de ter comido a fruta proibida. Evidentemente, isto indica que a morte que Deus tinha anunciado não era física. A morte de Adão começou em seu espírito.

O que é realmente a morte? Segundo a definição científica, a morte é «o afastamento da comunicação com o meio ambiente». A morte do espírito é o afastamento de sua comunicação com Deus.

A morte do corpo é a interrupção da comunicação entre o espírito e o corpo. Assim, quando dizemos que o espírito está morto, não implica que já não haja espírito. Só queremos dizer que o espírito perdeu sua sensibilidade para Deus e por isso está morto para Ele. A situação exata é que o espírito está incapacitado, é incapaz de ter comunhão íntima com Deus. Exemplificando: Uma pessoa muda tem boca e pulmões, mas há algo que falta em suas cordas vocais que o impede de falar. No que se refere à linguagem humana, sua boca pode ser considerada morta. De igual maneira, o espírito de Adão morreu por causa de sua desobediência a Deus. Ainda tinha seu espírito, mas estava morto para Deus porque tinha perdido seu instinto espiritual. E continua sendo assim. O pecado destruiu o profundo conhecimento intuitivo que o espírito tinha de Deus e tem feito o homem espiritualmente morto. Pode ser religioso, moral, erudito, capaz, forte e sábio, mas está morto para Deus. Inclusive pode falar de Deus, raciocinar a respeito de Deus e pregar sobre Deus, mas continua estando morto para Ele. O homem não pode ouvir ou perceber a voz do Espírito de Deus. Em conseqüência, Deus, no Novo Testamento, chama freqüentemente mortos aos que estão vivos na carne.

A morte que começou no espírito de nosso antepassado se estendeu gradualmente até alcançar seu corpo. Embora vivesse muitos anos depois de seu espírito ter morrido, mesmo assim a morte trabalhou sem cessar nele até que morreram seu espírito, sua alma e seu corpo. Seu corpo, que poderia ter sido transformado e glorificado, em vez disso voltou para o pó. Como seu homem interior tinha caído no caos, seu homem exterior devia morrer e ser destruído. Após o que, o espírito de Adão (assim como o espírito de todos seus descendentes) caiu sob a opressão da alma, e, pouco a pouco, se fundiu com a alma e as duas partes ficaram fortemente unidas. O escritor de Hebreus afirma em 4:12 que a Palavra de Deus transpassará e separará a alma e o espírito. A separação é necessária porque o espírito e a alma se tornaram um. Enquanto estão intimamente unidos, submergem o homem em um mundo físico. Tudo se faz seguindo os ditados do intelecto ou do sentimento. O espírito perdeu seu poder e sua sensibilidade, como se estivesse totalmente adormecido. O instinto que ainda tenha para conhecer e servir a Deus está completamente paralisado. Permanece em coma, como se não existisse. É a isto que se refere Judas 19 quando diz «natural, sem espírito» (literal).* Claro está que isto não significa que o espírito humano deixe de existir, porque Números 16:22 afirma claramente que Deus é «o Deus dos espíritos de toda carne». Todo ser humano continua possuindo um espírito, embora esteja obscurecido pelo pecado e impotente para ter comunhão com Deus.

Embora este espírito esteja morto para Deus, pode permanecer tão ativo como a mente ou o corpo. Deus o considera morto, mas ainda é muito ativo em outros aspectos. Em algumas ocasiões, o espírito de um homem caído pode inclusive ser mais forte que sua alma ou seu corpo, e pode conseguir o domínio sobre todo o ser. Estas pessoas são «espirituais», da mesma maneira que a maioria das pessoas são anímicas ou físicas em sua major parte porque seus espíritos são maiores que os das outras pessoas. Estes são as bruxas e os feiticeiros. É certo que mantêm contato com o mundo espiritual, mas o fazem por meio de espíritos diabólicos, não pelo Espírito Santo. Deste modo, o espírito do homem caído se alia com Satanás e seus espíritos diabólicos. Está morto para Deus, mas certamente muito vivo para Satanás e segue aos espíritos diabólicos que trabalham nele.

Ao ceder às exigências de suas paixões e desejos carnais, a alma se converteu em escrava do corpo, de maneira que o Espírito Santo não tem oportunidades para lutar com o objetivo de recuperá-la para Deus. Por isso a Bíblia afirma: «O meu Espírito não permanecerá para sempre no homem, porquanto ele é carne» (Gn. 6:3). A Bíblia diz da carne que é a combinação da alma não regenerada e da vida física, embora a maioria das vezes assinale o pecado que está na carne. Uma vez que o homem está sob o domínio da carne, não tem nenhuma possibilidade de libertar-se. A alma substituiu à autoridade do espírito. Tudo se faz independentemente e segundo os ditados de sua mente. Inclusive em assuntos religiosos, na mais apaixonada busca de Deus, tudo se leva a cabo com a força e a vontade da alma do homem, carente da revelação do Espírito Santo. A alma não é simplesmente independente do espírito, mas, além disso, está sob o controle do corpo. Lhe pede que obedeça, que execute e que satisfaça os desejos carnais, as paixões e as demandas do corpo. Assim, todo filho de Adão não só está morto em seu espírito, mas sim também é «da terra, um homem do pó» (1 Co. 15:47).

Os homens caídos estão sob o domínio total da carne, atuando em resposta aos desejos de sua vida anímica e de suas paixões físicas. São incapazes de ter comunhão íntima com Deus. Às vezes desenvolvem seu intelecto, em outras ocasiões sua paixão, mas o mais freqüente é que desenvolvam tanto seu intelecto como sua paixão. Sem empecilhos, a carne controla firmemente o homem todo.

Isto é o que se expõe no Judas 18 e 19: «escarnecedores, andando segundo as suas ímpias concupiscências.. Estes são os que causam divisões; são sensuais, e não têm o Espírito.». Ser anímico é contrário a ser espiritual. O espírito, nossa parte mais nobre, a parte que pode unir-se a Deus e que deveria governar a alma e o corpo, agora está sob o domínio da alma, essa parte de nós que é mundana em seus motivos e em suas metas. O espírito foi destituído de sua posição original. A condição atual do homem é anormal. Por isso é descrito como se não tivesse espírito. O resultado de ser anímico é tornar-se escarnecedor, perseguir paixões ímpias e criar divisões.

1 Coríntios 2:14 fala destas pessoas não regeneradas da seguinte maneira: «O homem natural (anímico) não recebe os dons espirituais de Deus porque para ele são loucura, e não pode compreendê-los porque se discernem espiritualmente.» Estes homens se encontram sob o controle de suas almas e com seus espíritos reprimidos contrastam totalmente com as pessoas espirituais. Podem ser portentosamente inteligentes, capazes de apresentar idéias e teorias com autoridade, mas não admitem as coisas do Espírito de Deus. Não estão capacitados para receber a revelação do Espírito Santo. Esta revelação é absolutamente diferente das idéias humanas. Os homens podem pensar que o intelecto e o raciocínio humanos são todo-poderosos, que o cérebro pode compreender todas as verdades do mundo, mas o veredicto da Palavra de Deus é: «vaidade de vaidades».

Enquanto o homem está em seu estado anímico freqüentemente percebe a insegurança desta vida e em conseqüência busca a vida eterna do mundo vindouro. Mas, se o faz, continua sem poder desvelar a Palavra de vida com seus muitos raciocínios e teorias. Quão pouco dignos de confiança são os raciocínios humanos!

Com freqüência observamos como pessoas muito inteligentes se chocam em suas diferentes opiniões. As teorias conduzem o homem facilmente ao engano. São castelos no ar que o afundam na escuridão eterna.

Quão certo é que, sem a direção do Espírito Santo, o intelecto não somente é pouco confiável, mas também é extremamente perigoso, porque freqüentemente confunde o bom e o mau. Um ligeiro descuido pode provocar, não simplesmente uma perda temporária, mas inclusive um dano eterno. A mente obscurecida do homem freqüentemente o leva à morte eterna. Se as almas não regeneradas pudessem ver isso, que bom seria!

No entanto o homem carnal pode controlar outra coisa além da alma: também pode estar sob a direção do corpo, porque a alma e o corpo estão fortemente entrelaçados. Como o corpo do pecado abunda em desejos e paixões, o homem pode cometer os pecados mais espantosos. O corpo vem do pó e por isso sua tendência natural é para a terra. A introdução do veneno da serpente no corpo do homem converte todos seus desejos legítimos em desejos carnais. Uma vez que a alma cedeu diante do corpo, ao desobedecer a Deus, encontra-se obrigada a ceder sempre. Os baixos desejos do corpo podem desse modo expressar-se através da alma. O poder do corpo se torna tão entristecedor que a alma não pode fazer outra coisa que converter-se em uma escrava obediente.

O plano de Deus para o espírito era que tivesse a preeminência, que governasse nossa alma. Mas uma vez que o homem se torna carnal, seu espírito fica escravizado à alma. A degradação aumenta quando o homem se torna «corporal» (do corpo), porque o corpo, que é mais baixo, sobe até ser o soberano.

Então o homem desceu do «controle do espírito» ao «controle da alma», e do «controle da alma» ao «controle do corpo». Cada vez se afunda mais e mais. Que lamentável é quando a carne consegue o domínio.

O pecado deu morte ao espírito: por isso a morte espiritual alcança a todos, porque todos estão mortos em pecados e transgressões. O pecado tornou a alma independente: em conseqüência a vida anímica não é mais que uma vida egoísta e obstinada. Finalmente o pecado deu plenos poderes ao corpo: por conseguinte, a natureza pecadora reina por meio do corpo.



1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   26


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal