O futebol surgiu no Brasil, mais precisamente no Estado de São Paulo, com



Baixar 138,99 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho138,99 Kb.

HISTÓRIA DO FLUMINENSE
O Futebol surgiu no Brasil, mais precisamente no Estado de São Paulo, com

Charles Miller, que retornando da Inglaterra em 1894, trouxe consigo as

bolas e o sonho de ver o futebol crescer no país. Em São Paulo começaram

a surgir os clubes São Paulo Athletic (que só praticava o cricket), o Sport

Club Internacional e o Club Atlético Paulistano.
Após a vitoriosa iniciativa de Miller, o futebol no Brasil se consolidava. Em

1901 o jovem Oscar Cox, que voltava da Suíça onde estudou e aprendeu a

gostar de futebol, inicia suas tentativas de formar um time no Rio de

Janeiro. Nesta época foi fundado o Club Brasileiro de Cricket, que passou a

ser chamado mais tarde de Paysandú Cricket Club.
Em 01/08/1901, o primeiro time formado por Oscar Cox e seus

companheiros parte para Niterói para enfrentar um time formado por

ingleses. Em 19/10 os cariocas enfrentam os paulistas em São Paulo,

antevendo o que mais tarde seria o Torneio Rio-São Paulo.


Oito anos após Charles Miller introduzir o futebol no Brasil, o Fluminense

Football Club foi fundado por Oscar Cox e mais 20 membros. Em

21/07/1902, em reunião à Rua Marquês de Abrantes, 51 - residência de

Horácio da Costa Santos, nascia o primeiro clube de futebol do Rio de

janeiro. Pioneiro no futebol carioca, em 01/08/1902 entraram os 20

primeiros sócios e em 10/10 mais 15 sócios.


O Fluminense surgiu como um clube específico para futebol e preocupava-se

em promover o futebol junto ao público. Foi através de iniciativas pioneiras

do Fluminense, como a promoção de partidas beneficentes, que o público,

sempre crescente, manifestava seu entusiasmo pelo futebol. Isto contribuiu

para o surgimento de novos clubes na cidade como o América F.C., Bangú

AC e o Botafogo, todos fundados em 1904.


O Fluminense, cujo nome deriva do latim “flumem”, que significa fluvial ou

rio, é considerado o verdadeiro clube do Rio, já que personifica todos os

habitantes deste estado.
O primeiro jogo do Fluminense foi em 19/10/1902, contra o Rio Football

Club, no campo do Paysandú. O resultado foi uma goleada do FLU por 8 x

0. Os gols foram marcados por Horácio da Costa (3), H. Vasconcellos (2),

Félix Frias, Eurico de Moraes e A Simonsen. Em 06/09/1903 estréia o

Fluminense em jogos interestaduais no campo do Velódromo, em São

Paulo. De três jogos o Fluminense empatou um e venceu dois jogos.

INSTALAÇÕES DA SEDE

A primeira instalação pretendida pelo Fluminense, à Rua D. Mariana foi

recusada pelo proprietário. Então, em 17/10/1902 surgia a primeira

instalação do Clube na Rua Guanabara (atual Pinheiro Machado) esquina

com Rua do Roso (atual Coelho Neto). O Fluminense alugava o terreno do

Banco da República por cem mil réis.


Em 1903, o campo do Fluminense foi nivelado por duas máquinas puxadas

por um burro chamado Faísca, que usava luvas calçadas por seu dono, para

não comprometer o gramado. Faísca ficou famoso como “o burro mais

elegante do Rio de Janeiro”. Mais tarde o terreno, que era do Banco da

República, foi comprado por Eduardo Guinle e a sede do Fluminense, que

era uma casinha caiada de branco e servia de moradia ao vigia, começa a

ser construída. Após a instalação de água e water closet, o Fluminense já

pagava o dobro do aluguel.


Em 14/08/1904 foi realizado o primeiro jogo interestadual no Campo da

Rua Guanabara contra o Paulistano. O Flu perdeu de 0 x 3. Esse foi o jogo

inaugural da nova praça de esporte no Rio de janeiro e a Diretoria do

Fluminense mandou construir uma pequena arquibancada de madeira para

acomodar o público, cobrando os primeiros ingressos para um jogo de

futebol. Foram 806 sócios e 190 não sócios pagantes na bilheteria.


Em 1905 Eduardo Guinle construiu por sua conta, a primeira arquibancada

em campos de futebol do Rio de Janeiro. Concluído este melhoramento, o

aluguel triplicou novamente. Neste mesmo ano, mediante empréstimo feito

entre os sócios, foi demolida a primeira sede e construída a segunda.


A inauguração da 3ª Sede em 27/07/1915 foi muito comemorada,

culminando com um baile no rink de patinação, quando foi entoado o 1º

hino do Fluminense, de autoria de Paulo Coelho Netto.
Ainda em 1915, o Presidente Cunha Freire construiu arquibancada privativa

para os sócios e suas famílias. O plano de expansão foi completado com a

construção de um novo rink, aquisição de mobiliários, instalação elétrica,

aumento das arquibancadas e construção das gerais.

Já em 1918, começam as reformas que vão dar origem a 4ª Sede do Flu. As

obras terminam em 1920, sob a presidência de Arnaldo Guinle que contratou

o arquiteto Hipolyto Pujol para projetar as dependências da Sede. Com

vitreux francês e lustre de cristal, o Salão Nobre se tornou palco de muitos

shows, bailes, desfiles, óperas, ballet e ainda hoje muito utilizado para

festas, reuniões e gravação de filmes como: Anos Dourados, Dona Flor

e

seus dois maridos, Villa Lobos, novelas e comerciais. A sede é própria e hoje



é tombada pelo Patrimônio Histórico.
Em 1961, a pedido da Prefeitura e do Governo Estadual, parte de seu

terreno foi desapropriado pela Sursan, para ampliação da Rua Pinheiro

Machado, uma área de 1.084 m2 que culminou com a demolição de uma

parte da arquibancada . O Governo indenizou o Clube pela perda de seu

patrimônio e o Fluminense prestava novamente à cidade mais um serviço. A

capacidade atual do estádio reduziu-se para 8 mil e o campo mede 72 X

105 m.
O UNIFORME

Em 17/10/1902 já estava aprovado pelo Fluminense

o seu primeiro uniforme:

camisa branca e cinza (metade de cada cor com

escudo do lado esquerdo do peito), calção branco,

meias pretas e boné cinza. Sua primeira bandeira

era branca e cinza clara com as letras FFC em

vermelho.


Oscar Cox e Mario Rocha que estavam em Londres à

procura do novo uniforme, encontraram dificuldade

na combinação das duas cores, que já não

agradavam muita gente. Foi então que sugeriram

por carta à Diretoria do Fluminense as cores

encarnado, verde e branco, que estavam na moda

em Londres. Sugestão aprovada em 15/07/1904, o

Flu torna-se tricolor.


No campeonato de 1907, o Fluminense estréia o uniforme tricolor (camisa de

lã com mangas compridas e escudo do lado esquerdo do peito),

confirmando a vitória no ano anterior e conquistando os dois campeonatos

subsequentes. Vitorioso nos campeonatos de 1906/1907/1908

(invicto)/1909, o Fluminense torna-se o primeiro Tetra-campeão do estado

do Rio de Janeiro, com a Taça Colombo.

Curiosidade do Tricolor

Bandeiras de países com as cores do FLU: México, Itália, Hungria, Irlanda,

Bulgária, Costa do Marfim, Niger, Argélia, Madagascar, Índia, Irã, Líbano,

Omã e Maldivas
Cores do Fluminense de acordo com a Escala Europa:

Vermelho(SR 2/8) – 50% ciano, 90% magenta, 80% amarelo, 20% preto.

Verde (SBG 2/4)– 90%ciano, 50% magenta, 80% amarelo, 10% preto.

A LIGA
Desde sua fundação o Fluminense teve como objetivo difundir o futebol no

Rio de Janeiro e criar um órgão que pudesse regulamentar e oficializar os

jogos amistosos, além de reger o esporte no estado e dirigir o campeonato

carioca. Em 08/06/1905 foi realizada no Fluminense a primeira reunião para

a fundação da Liga Metropolitana de Futebol, que em 1907 passaria a se

chamar Liga Metropolitana de Sports Atléticos. Participaram da reunião

Fluminense, Bangú, América e Sport Club de Petrópolis. Depois juntaram-se

o Rio Cricket, Paysandú Cricket e o Botafogo.
Em julho de 1905, em jogo Fluminense x Atlético Paulistano compareceram

ao Fluminense o Presidente da República Rodrigues Alves e o General

Souza Aguiar. Era a primeira vez que, no Brasil, um Chefe de Estado

prestigiava com sua presença um jogo de futebol. Neste momento, o

futebol começava a ganhar novos adeptos, já que crescia o público feminino,

cuja presença fazia do futebol uma festa de elegância e distinção.

O HINO

O primeiro hino do Fluminense foi escrito por Paulo Coelho Netto em 1915,



treze anos após sua fundação, uma rua das Laranjeiras recebeu sua

homenagem, a antiga Rua do Roso. Em 1916 é composto por Antônio

Cardoso de Menezes Filho, o novo e definitivo hino oficial do Clube. Mas a

marcha de Lamartine Babo, composta na década de 40 conquistou o coração

dos tricolores e imortalizou-se como Hino Popular do Fluminense.

OSCAR COX

Em 1910 o ex. presidente e

fundador Oscar Cox, após ter

deixado a presidência do

Fluminense em 31/12/1904, parte

definitivamente para Londres,

recebendo como despedida dos sócios do Fluminense uma mensagem encontrada em

seus pertences após sua morte (07/10/1931 aos 51 anos, na França).
Junto com a mensagem havia um bilhete : “Cresswell, in case of my death ,

send to Mario Pollo, secretary of Fluminense Football Club, Rio de Janeiro.”

Sua vontade foi satisfeita. Oscar Cox é símbolo da disciplinada juventude

de 1902, que por seu exemplo de perseverança tornou possível a existência

do Fluminense.

CRISE DE 1911

Após uma série de vitórias consecutivas (1906/1907/1908/1909/1911) o

elenco do Fluminense passou a exigir o direito de opinar na escalação do

time para os jogos. O clube que tinha o “Grand Comitee” especialmente

para este fim não concordou com a exigência. Apesar da vitória no

Campeonato de 1911, esta crise interna no Fluminense provocou a saída de

nove jogadores e do capitão da equipe para formar o time de futebol do

Flamengo, que até então só tinha equipe de remo.
Ainda abalado, o Fluminense enfrentou o Flamengo em 07/07/1912,

jogando com seu time de reservas e venceu por 3 x 2, solidificando o mito

de clube vencedor. É o início do clássico Fla x Flu (denominação

abreviada criada por Mário Filho). Em 1912 e 1913 o Fluminense fica em 4º

lugar no Campeonato Carioca.
O Fluminense é o primeiro clube de futebol do estado do Rio de Janeiro, já

que antes da crise de 1911, o Flamengo e o Vasco só existiam como clube

de regatas.

ARNALDO GUINLE

PATRONO

Com apenas 4 anos de administração, Arnaldo Guinle promoveu grandes

empreendimentos no Clube e recebe o mais alto reconhecimento, com o

título de patrono, aprovado em 17 de julho de 1920, em Assembléia Geral.


Arnaldo foi o sócio de número 48, sendo admitido em 10 de outubro de

1902. Remido em 30 de maio de 1915 e benemérito a 4 de janeiro de 1916,

assume a presidência do clube em 18 de abril do mesmo ano e permanece

até 1930, devido a renúncia de Joaquim da Cunha Freire Sobrinho.


Arnaldo se destacou por ter construído o primeiro estádio do Brasil para

grande público, construiu a primeira piscina em clube de futebol do Brasil,

construção do ginásio, stand de tiro, estádio de tênis, construção da mais

bela sede de clube de futebol do Brasil, com instalação nobre de vitreux

francês e lustre de cristal, com pinturas de art noveau e o apoio ao futebol

que deu ao Clube, seu primeiro tri-campeonato. Criou também, o Conselho

Deliberativo- o primeiro em clube esportivo do Brasil e o Natal das Crianças

Pobres. Arnaldo foi um dos mais fortes participantes do movimento de

implantação do profissionalismo no esporte carioca, em 1933. Quase no fim

de sua gestão, o Fluminense recebe a visita do Príncipe de Gales, mais tarde

do Rei Eduardo VIII e Príncipe George. A comissão de festejos do Ministério

do Exterior incumbiu o Fluminense de organizar uma

partida de futebol em homenagem aos ilustres visitantes. Sob o patrocínio

do F.F.C enfrentaram-se em 6/4/31 os paulistas e cariocas – 1 X 6.


Retornou a presidência do clube no triênio 43/44/45 quando desenvolveu as

reuniões sociais, conseguindo que o quadro social atingisse a marca de

7.834 associados.

TORCEDORES

O Fluminense também sobressai por possuir torcedores ilustres e famosos,

entre eles: presidentes, artistas e personalidades. Seu mascote, o Cartola

destacou-se por simbolizar a imagem da aristocracia tricolor.
O jargão “pó de arroz” popularizou-se por causa do jogador Carlos Alberto.

Vindo do América para o Fluminense em 1914 teve receio dos aristocráticos

tricolores de cor branca porque era mulato. Diante disso, em um jogo

realizado em 13/05/1914 tentou disfarçar sua cor colocando pó de arroz no

corpo. Durante o jogo, o suor que escorria de seu rosto deixou-o com um

aspecto malhado e todos da arquibancada gritaram “Pó de Arroz”, surgindo

o apelido do clube.
A torcida do Fluminense é considerada pelo clube seu 12º jogador. O

Fluminense ganhou em 1950/1951/1952 a Competição de Torcidas

organizada pelo Jornal dos Sports.
Outros torcedores tricolores tornaram-se personalidades do Clube devido ao

seu amor e sua fidelidade ao time.


Chico Guanabara – primeiro torcedor carioca, estimulava o time berrando e

reclamando com o juiz.
Careca - O Super Homem Tricolor

Barriga – ganhando ou perdendo, bebia para comemorar ou chorar as

mágoas e assim vivia pelo clube. Mas era respeitador e incapaz de palavras

obscenas. Seu ídolo era Welfare.


Batista – preto bem afeiçoado, tinha passe livre dentro do clube. Era

sargento da marinha e intermediava os jogos do Fluminense com o

Riachuelo Football Club (restrito aos marinheiros)
Peitão – fuzileiro naval, tinha peito grande e possuía entrada livre no clube.
Em 1950, o “coitado do Fluminense” assim chamado pela imprensa,

terminou o campeonato em 6º lugar. Sendo vitorioso em 1951 com o

chamado “timinho” do técnico Zezé Moreira. Após esta vitória um detento

tricolor enviou como homenagem ao Fluminense, um grão de arroz com o

nome de todos os jogadores e do técnico escritos e ainda um escudo do

Fluminense.


O eletricista do clube, João Costa organizou uma coletânea de fotos e

espetáculos realizados pelo Fluminense em 1950. João possuía grande

estima pelo clube.
Tricolores famosos: Nelson Rodrigues, Jô Soares,

Chico Buarque, Mario Lago, Pedro Bial, João

Havelange, Fagner, José Carlos Araújo, J. Silvestre,

Elis Regina, Moacir Franco, Gilberto Gil, Bibi Ferreira,

Valter e Ema D’ávila, Luiz Paulo Conde, Evandro

Mesquita, Suzana Werner, Fernanda Rodrigues,

Rosinha (esposa do governador do RJ Anthony

Garotinho), Zilka Sallaberry, Silvio Santos, Antônio

Ermírio de Moraes, Paulo Henrique Amorim, Sérgio

Chapelin, Gérson, Hugo Carvana, Dora Vergueiro,

Carlinhos Vergueiro. Roberto Marinho é sócio há 70

anos do Fluminense.

SERVIÇOS PRESTADOS

Em 21/01/1919 para socorrer a Confederação Brasileira de Desportos que

queria sediar o Campeonato Sul Americano de Futebol (Brasil venceu pela

primeira vez), o Tricolor, em demonstração de força e prestígio, ergueu, em

tempo recorde, o Estádio das Laranjeiras, com capacidade para 15 mil

pessoas. Em 11/05/1919 foi inaugurado oficialmente o Estádio do

Fluminense, o primeiro do país, com o jogo de abertura do Campeonato Sul

Americano entre Brasil e Chile ( 6 X 0).


O Fluminense arcou com todas as despesas (que o governo “obrigou”) da

obra e hospedagem das delegações. Por isso mereceu mensagem do

Conde de Baillet Latour, embaixador especial do Comitê Olímpico

Internacional : “Quanto ao Fluminense Football Club podemos,

verdadeiramente dizer que prestou patriótico serviço, ocultando a

responsabilidade financeira e técnica dos jogos em nome do governo e de

várias associações atléticas do país e que firmou um novo e desinteressado

marco no campo de serviço público, como instituição atlética particular”.


Novamente, graças a tradição e lealdade do Fluminense, seus sócios fizeram

empréstimos ao clube a fim de garantir a construção da piscina, sede,

estádio, quadras de tênis e basquete, linhas de tiro e bar externo. A esta

altura o terreno já havia sido adquirido de D. Guilhermina Guinle. Ainda em

1919, Dom Joaquim Arcoverde deu a benção inaugural à piscina. Era a

primeira vitória da capacidade e devotamento de Presidente Arnaldo Guinle e

seus companheiros. Como comemoração seguiu-se o encontro de water

polo entre os infantis do Guanabara e São Cristóvão.


No centenário da Independência realizou-se novo Sul Americano e o

Fluminense, ao ser acionado, construiu mais um lance de arquibancadas

aumentando sua capacidade em 5 mil lugares, totalizando 20 mil.

Em 13/09/1922 houve a solenidade de abertura das pistas de atletismo,

embora as provas tenham começado em 03/09.
Em 03/10/1922 foi criado o prêmio Emmanuel Coelho Netto, em memória

do jogador Mano, artilheiro do tri campeonato carioca de 1917/1918/1919.

Mano, que foi a primeira vítima da violência no futebol, faleceu em

30/09/1922, aos 24 anos, em conseqüência de contusão durante uma

partida. Hoje seu nome está na galeria dos beneméritos, no primeiro título

post mortem da história do Clube.


O Natal da Criança Pobre foi instituído em 1923. Dona Guilhermina Guinle

transferia ao Fluminense a contribuição em brinquedos que destinava à Casa

dos Expostos, com a condição do livre ingresso de seus protegidos aos

festejos realizados pelo tricolor. Mais de


6 mil crianças entraram no campo sem nenhum acidente. Entre brinquedos,

doces, sorvetes e refrescos, o Fluminense proporcionava às crianças que iam

ao seu estádio no dia de Natal um espetáculo circense completo. O Natal da

Criança Pobre foi mantido pelos sócios do Fluminense através de donativos

ou brinquedos. Em 1961 o Natal da Criança Pobre foi transformado, por

sugestão de Paulo Coelho Netto, pelo presidente Jorge Frias em Natal dos

Funcionários.


SOCIAIS DO FLUMINENSE


As reuniões começaram a evoluir em 1915 com sessões de patinação às

quartas de 21h às 23h. Às 23h era servido o chá. Em 21/07/1917 o Baile

de Aniversário foi a mais bela festa promovida por Arnaldo Guinle. Às 8h

houveram provas esportivas, à tarde jogos e provas para sócios e suas

famílias e à noite realizou-se o baile. Com ornamentação especial, flores,

faixas, bandeiras e lâmpadas fizeram o espetáculo.
Em 1920 foram organizados os primeiros Chás Dançantes no bar da piscina,

que deram vida nova ao clube. As sessões de cinema completavam o

quadro. Óperas como “Aída”, “Loreley” e “Orfeu” incrementaram a vida

social do clube, contribuindo para a criação do setor artístico sob a direção de

Paulo Coelho Netto. Sua contribuição de Coelho Netto foi marcante, ele

enfrentou e derrubou o preconceito generalizado, de que o futebol era

divertimento de desocupados.
As vesperais de arte organizadas e dirigidas por Paulo Coelho Netto tiveram

seu esplendor em 1925 e 1926. As óperas nunca foram cobradas pelos

artistas devido ao prestígio de que Coelho Netto desfrutava nos círculos

literários e artísticos. Mas os artistas nunca saíam do clube sem um ramo

de flores. Na verdade, o Fluminense deveria ter um lugar de destaque entre

as organizações culturais pelos serviços prestados à cultura artística. Era o

clube de

maior atividade artística, social e esportiva do Brasil, com shows de artistas

do rádio TV e teatro.
O Fluminense criou um curso de Dança Clássica , o primeiro do Brasil, ainda

sob direção artística de Paulo Coelho Netto.


Em outubro de 1937 foi fundada a Escola de Instrução Militar do

Fluminense. Em 1940/1941 os alunos do Fluminense ganharam a Taça

Inspetoria de Tiro pelo 1º lugar de

disciplina e eficiência. A última turma foi em 1945, pois em 31/10/1945 o

Ministro da Guerra declarou extintos os Tiros de Guerra e Escolas de

Instrução Militar.


Em 1956 o Fluminense apresentou inovação na área social com os Discos

Dançantes aos domingos no Bar da Piscina.

Artistas como : Moacyr Franco, Elza Soares, Elis Regina, Chico Anysio,

Dorinha Durval, Ângela Maria, Caubi Peixoto, Eva Todor, Bibi Ferreira,

Procópio Ferreira, Tônia Carrero, Paulo Autran, Maísa, Ari Barroso, Dorival

Caymi, Silvio Caldas, Jamelão, Zilka Salaberry, Grande Otelo, Alda Garrido,

Sérgio Brito, Ítalo Rossi, Cacilda Becker, Suely Franco, Nara Leão, Edu Lobo e

outros fizeram shows no palco das Laranjeiras nas décadas de 50 e 60.

Em 12/05/57 foi idealizado e promovido pelo Depto de Publicidade do

Fluminense a consagração da Mãe Tricolor do Ano e Mãe Atleta. Este evento

representou a manifestação da gratidão oficial do Fluminense a todas as

mães tricolores, cujos filhos contribuem para o clube.


Em 20/06/62 realizou-se no Salão Nobre, por iniciativa do Presidente Nelson

Vaz e orientado por Paulo Coelho Netto e Arthur Antunes, o maior banquete

esportivo que se tem notícia, no Brasil, em homenagem ao presidente da

Confederação Brasileira de Desportos, João Havelange, que é benemérito

atleta e benemérito do Flu. Mais de 500 pessoas participaram do

banquete, incluindo embaixadores da Rússia e república Arábica, diplomatas

dos EUA, Canadá, Inglaterra, Alemanha Ocidental, Bélgica, autoridades do

judiciários, do legislativo e executivo, além de sócios e jornalistas.


Em 1964 é realizado na área social do Clube, o Primeiro Festival de Teatro

Amador.
Em 06/06/1968 com a presença do Ministro Tokizo Araki foi inaugurada à

entrada da secretaria, a placa de bronze que a colônia japonesa ofereceu ao

Fluminense, comemorando a visita dos Príncipes Herdeiros do Japão,

realizada em 27/05.

CINQÜENTENÁRIO


O Presidente Fábio Carneiro de Mendonça, em 31/05/1952, iniciou a

organização das comemorações do Cinqüentenário de fundação do

Fluminense. Em sua gestão foram realizadas obras de construção do

tanques de saltos, tribuna de honra, cabines de rádio e TV, ginásio para

basquete e vôlei com arquibancada coberta, teatro para 1550 pessoas, 6

sinucas, 5 pistas de esgrima com arquibancada e bar, estacionamento e

dois blocos com 50 apartamentos de 2 e 3 quartos para os servidores do

clube.
Em 01/07/1952 Paulo Coelho Netto e Antônio Leite são considerados pela

Diretoria do Clube convidados de honra nos festejos comemorativos do

cinqüentenário.


Em 1952 Fábio Carneiro de Mendonça criou oficialmente a seção de Ballet

Aquático. O maior feito esportivo do futebol do Fluminense no ano do

cinqüentenário foi a conquista da Copa Rio 52 – representou um

campeonato mundial, da qual o FLU venceu invicto dos principais clubes

internacionais da época.
No Cinqüentenário do Clube houve encenação satírica da História do

Fluminense, desfile, Orquestra da Rádio Nacional e recital de poesias de

Coelho Netto, Garcia Lorca e Aurimar Rocha que ditou o hino do Fluminense

Cinqüentão , música de José Maria de Abreu e letra de Aurimar, Elsen

Guedes, Glória Berenice, Hayrton Queiroz, Jorge Martins e Maria Alice.

Hino do Cinqüentenário


Sou Fluminense Cinqüentão

Da Taça Olímpica Senhor,

Das pistas Campeão,

Das Quadras vencedor, Por isso é que eu luto com ardor.

Sou Fluminense Cinqüentão, da tricomia o coração

Outra coisa não posso dizer: Sou Tricolor por Tradição.


Em 01/07/1954 surge a Revista do FFC, substituindo o antigo Boletim

Oficial, com tiragem de 15 mil exemplares, publicação mensal. O Diretor de

Redação era Paulo Coelho Netto. Houve a colaboração especial de Barbosa

Lima Sobrinho, presidente da ABL, José Brígido, Oduvaldo Cozzi, Adriano

Neiva e Isaac Amar, além da “prata da casa” Antônio Leite, Paulo Coelho

Netto, Luiz Murgel, Paulo Tapajós, Mauro Pinheiro, Argeu Afonso, Luiza

Vilhena de Andrade e Ruy Porto. O primeiro número logo se esgotou

tornando-se raridade para colecionadores. A tiragem no mesmo ano foi

aumentada para 18 mil exemplares. O Fluminense foi talvez, o Primeiro

Clube de futebol a ter um periódico na imprensa do país, pois a revista teve

inscrição na ABI.
OS PRESIDENTES
1 – Oscar Cox – Presidente fundador aos 22 anos (21/07/1902 a 1904)

2 – Francis Walter (1904 a 1908)

3 – Antônio Vaz Carvalho (1908 a 1910)

4 – Antônio Cavalcante (1910 a 1912)

5 – Carlos Guinle (1912)

6 – Guilherme Guinle ( 23/12/1912 a 29/07/1913)

7 – Felix Frias (11/09/1913 a 26/12/1913)

8 – Carlos Guinle (26/12/1913 a 26/04/1914)

9 – Cunha Freire (16/04/1914)

10 – Arnaldo Guinle (1916 a 1931 e 1943 a 1945)

11 – Oscar Costa (1931 a 1936 )

12 – Alaor Prata (1936 a 1940)

13 – Mario Polo (1940 a 1941)

14 – Marcos Carneiro de Mendonça (1941 a 1943)

15 – Manoel de Moraes Barros Netto (1946 a 1949)

16 – Fábio Carneiro de Mendonça (1949 a 1952)

17 – Antônio Leite (1953 a 1954)

18 – Jorge Freitas (1955 a 1956)

19 – Jorge Frias de Paula (1957 a 1962 e 1972 a 1974)

20 – Nelson Vaz Moreira (1963 a 1965)

21 – Luiz Murgel (1966 a 1968)

22 – Francisco Laport (1969 a 1971)

23 – Francisco Horta (1975 a 1977)

24 – Silvio Vasconcellos (1978 a 1980)

25 – Sylvio Kelly dos Santos (1981 a 1983)

26 – Manoel Schwartz (1984 a 1986 e 1998)

27 – Fábio Egypto (1987 a 1988)

28 – Ângelo Chaves (1989 a 1992)

29 – Arnaldo Santiago (1993 a 1995)

30 – Gil Carneiro de Mendonça (1996)

31 – Álvaro Barcellos (1997)

32 – David Fischel (1999)

GRANDE BENEMÉRITO ATLETA

João Coelho Netto, o Preguinho, era atleta em oito modalidades pelo

Fluminense: futebol, vôlei, basquete, waterpolo, saltos ornamentais,

natação, hóquei e atletismo. Foi autor do primeiro gol do Brasil em uma

Copa do Mundo, em jogo contra a Iugoslávia. Foi capitão da primeira

Seleção Brasileira, que disputou a Copa do Mundo de 1930 em Montevidéu.

Preguinho é um dos artilheiros do Fluminense com 184 gols marcados. É

também o 2º cestinha de basquete.

Preguinho trouxe para o Fluminense 387 medalhas e 55 títulos nas oito

modalidades que praticava. Em 30/04/1929 torna-se benemérito atleta. Em

22/01/1952 o Fluminense concede pela primeira vez o título de Grande

Benemérito Atleta.


JOÃO HAVELANGE
O mais ilustre esportista torcedor do Fluminense, ex-atleta de Natação e

Pólo Aquático, conquistou títulos de Campeão Carioca, Paulista, Brasileiro e

Sul-americano. Participou das Olimpíadas de Berlim (1936) e Helsinki (1952)

como atleta e Melbourne (1956) como chefe da delegação Brasileira;

Foi o Primeiro não Europeu a ser eleito Presidente da FIFA, entidade máxima

do Futebol Mundial, e à sua frente permaneceu por 24 anos;

Durante esse período tratou o futebol como um produto e a FIFA como uma

empresa, introduzindo dessa maneira o futebol em uma era dourada;

Trouxe para o futebol uma visão de marketing internacional e

comercialização dentro de uma série de novos desenvolvimentos e de

eventos.
BREVE CURICULUM

1948 – 1949 Vice-Presidente da Federação Paulista de Natação

1949 – 1951 Presidente da Federação Paulista de Natação

1955 – 1963 Membro do Comitê Olímpico Nacional

1956 – 1958 Vice-Presidente da Confederação Brasileira de Desportos

1963 Eleito membro do Comitê Olímpico Nacional

1958 – 1973 Presidente da Confederação Brasileira de Desportes

1974 – 1998 Presidente da FIFA


TANTAS VEZES CAMPEÃO

O Primeiro campeonato carioca foi em 1906, o Fluminense foi vencedor de 9

dos 10 jogos disputados. O polêmico campeonato do ano seguinte foi

organizado pela Liga Metropolitana de Football. Participaram: Flu, Botafogo,

Paysandú e o Sport Club Internacional dissidência do Football Atlhetic. Ao

fim do campeonato, o Fluminense e o

Botafogo terminaram empatados em número de pontos, com cinco vitórias e

uma derrota cada, sendo que no 2º turno, o Internacional suspenso pela

Liga, não compareceu aos jogos contra o Botafogo e contra o Fluminense,

perdendo assim por WO . O regulamento da liga, feito antes do

campeonato, dizia o seguinte:
“Fica resolvido que na presente estação quando se der empate no final do

campeonato em vez de ser jogado o desempate, tira-se a média dos gols

entre os empatados sendo campeão o que melhor média apresentar”.
Durante o campeonato, o Fluminense fez 16 gols e sofreu 7, ficando com

um saldo de 9 gols, enquanto o Botafogo teve um saldo de 5 gols, fazendo

14 e sofrendo 9.

Pela lógica do regulamento, o Tricolor teria que ser campeão. Porém, o

Botafogo alegando não ter enfrentado o Internacional, reivindicava uma

partida de desempate, esquecendo que o Internacional também não

enfrentara o Fluminense.
Após tumultuada reunião na Liga, que depois deste episódio foi dissolvida,

nenhum dos dois clubes foi declarado oficialmente campeão. Somente em

1996, a Federação Estadual, em decisão administrativa, declarou os dois

times campeões de 1907, beneficiando o Botafogo.


O Fluminense confirmou sua hegemonia no futebol carioca, ganhando ainda

os campeonatos de 1908 e 1909, tornando-o primeiro e único

Tetra-Campeão do Rio. Até o momento o Tricolor conquistou 28 títulos

estaduais dos 93 campeonatos realizados.


Em 1915 o Fluminense ficou em segundo lugar no Campeonato de futebol.
Em 22/10/1916 – um jogo se torna histórico no futebol carioca – A primeira

anulação de uma partida de campeonato carioca, entre Fla X Flu. O árbitro

R. Davies marcou pênalti a favor do Flamengo, que vencia o Fluminense por

3 a 2. O Jogador do Flamengo, chamado Japonês perdeu o pênalti. Pouco

depois, o juiz marcou outro pênalti contra o Fluminense. O goleiro

Marcos de Mendonça defendeu. O árbitro mandou repetir afirmando que

não tinha apitado. O mesmo jogador volta a bater e goleiro Marcos

defendeu, mas o juiz mandou repetir, alegando que um jogador do

Flamengo invadira a área. Foi aí, que Paulo Coelho Netto e o delegado de

Polícia Ataliba Corrêa Dutra pularam a grade, correram pelo campo

estabelecendo enorme conflito, com centenas de pessoas também invadindo

o campo. O regulamento dizia que se o jogo paralisasse por mais de 5

minutos seria suspenso definitivamente. Com a paralisação foi além de 7

minutos, o jogo foi dado por encerrado e nulo. O novo jogo foi realizado no

campo do Botafogo, em 8/12/1916 e o Fluminense venceu por 3 a 1.
Em 1916 assume a liderança que se repete em 1917, 1918 e em

21/12/1919 consagrando-se Tri-campeão por 4 x 0 no clássico Fla x Flu,

realizado nas Laranjeiras. Com esta conquista ganha a posse definitiva da

Taça Colombo.


Neste jogo histórico teve um pênalti contra o Flu, chutado pelo jogador

Japonês do Fla, que o goleiro Marcos agarrou. O jogador Bachi, do Flu,

sobressai driblando 4 jogadores do Flamengo e tornando-se um marco na

história do Tri-campeonato do Fluminense.


Com a presença do então Presidente da República Epitácio Pessoa, o início

da partida que daria o Tri-campeonato ao Fluminense atrasou cinco minutos

para a execução do Hino Nacional.. O presidente entregou as onze medalhas

aos jogadores campeões. Uma salva de 21 tiros de canhão anunciava mais

esta conquista. Os jogadores, que foram carregados em triunfo pelos

sócios, fizeram a volta no Campo, tendo à frente a Banda do Batalhão Naval

e a Bandeira do Clube. Oswaldo Gomes, artilheiro da competição, tornou-se

símbolo de disciplina e dedicação ao clube. Time do Tri: Welfare, Zezé,

Machado, Couto, Celso, Mano, Chico Netto, French, Bachi, Oswaldo e Laís.
Em 1928 Preguinho protagonizou uma partida inesquecível contra o

Flamengo. Às vésperas do jogo o goleiro rubro negro Amado enviou a

Preguinho um telegrama com a seguinte mensagem: “Amanhã será canja.

Não farás gol algum” . Preguinho respondeu que faria pelo menos dois gols

e os fez. O primeiro aos dois minutos de jogo, após roubar a bola do

próprio Amado que a quicava para repô-la em jogo. O segundo após receber

passe que completou de calcanhar. No fim do jogo, realizado no campo do

Flamengo, que terminou em 4 x 1, Preguinho voltou para casa com a alma e

a honra lavadas.
Em 1935 os Presidentes Oscar Costa e Alaor Prata saíram em busca de

atletas que formassem uma equipe imbatível. O time do Fluminense foi

então composto por Tim, Hércules, Batatais, Guimarães, Machado, Marcial,

Brant, Orozimbo, Sobral, Lara, Pedro Amorim. Com Romeu líder da equipe, o

Fluminense voltou a ser campeão em 1936. Feito repetido em 1937 quando

o tricolor perdeu apenas uma partida. Em 1938, sob o comando de Ondino

Vieira o Fluminense se consagrou conquistando o 2º Tri campeonato de sua

história , sendo o primeiro tri campeonato profissional, já que o futebol se

profissionalizara em 1933.

Nas décadas de 40 e 50 o Fluminense despontava

como uma referência maior do que seus times de

futebol. Ganhou todas as modalidades esportivas

que competiu, reformou estádio,

parque aquático, ginásios e, em 1949 recebeu do

Comitê Olímpico Internacional seu maior prêmio, a

Taça Olímpica.

O Fluminense abriu e fechou o período ganhando títulos, foi bicampeão em

1940/1941, depois venceu o Supercampeonato de 1946 e os Campeonatos

Cariocas de 1951 e 1959. Além disso conquistou os Torneios Rio –São Paulo

de 1957 e 1960.


No entanto, seu ponto alto foi a conquista em 1952 do Campeonato Mundial

Interclubes, então batizado de Taça Rio, que assim como a Taça Toyota

posteriormente vencida pelo Flamengo, não era oficialmente patrocinada

pela FIFA.


A Taça Rio era disputada nos mesmos moldes que a FIFA pretende adotar a

partir deste ano 2000. Oito campeões nacionais de países importantes para

o futebol jogavam entre si. Como nesta época o Brasil não tinha

campeonato nacional foram convidados para a competição os campeões

carioca e paulista, Fluminense e Corinthians respectivamente. Assim o

Fluminense disputou o Mundial com o Peñarol (que tinha sete titulares na

seleção Uruguaia campeã de 1950), o Grasshopers, da Suíça(sede a Copa

do Mundo de 1954), o Libertad do Paraguai, o Austria de Viena e o

Saarbruecken da Alemanha, além do Corinthians. O Fluminense foi campeão

da etapa carioca e sagrou-se campeão invicto ao derrotar o Austria em dois

jogos de 1 x 0 e 5 x 2.. Com esta conquista o Fluminense se tornou a

primeira equipe brasileira a ganhar um título mundial.


Em 1970 o Fluminense ficou em 2º lugar no Campeonato Carioca, mas foi

Campeão Brasileiro ao levantar a Taça de Prata. O Campeonato foi decidido

em um quadrangular de colocar o coração à prova, mas o Fluminense não

decepcionou. Venceu Palmeiras e Cruzeiro, ambos por 1 a 0 e, na final

empatou por 1 a 1 com o Atlético Mineiro. Era dia 20/12/1970 e, para os 112

mil tricolores que estavam no Maracanã, o Natal chegou mais cedo. O

empate bastava para o Fluminense ser Campeão Brasileiro.
Em 1971 e 1973 o Fluminense conquistou o Campeonato Carioca, mas foi

em 1975 com a chegada de Rivelino e Paulo César Caju que o time, que

funcionava como um relógio, foi Campeão Carioca e ficou em terceiro lugar

no Campeonato Brasileiro. Em 1976 o Fluminense com a chegada de Doval,

Renato, Rodrigues Neto, Dirceu e Carlos Alberto Torres, o time se tornou

imbatível e ficou conhecido como a “Máquina Tricolor”. A equipe da

“máquina” era tão poderosa que todos os seus integrantes em algum

momento de suas carreiras jogou pela seleção. Renato (Félix), Carlos

Alberto, Miguel, Edinho e Rodrigues Neto; Rivelino, Paulo César e Pintinho;

Gil, Doval e Dirceu.

A torcida correspondia. Os tricolores lotavam o Maracanã para ver Rivelino e

cia, cujo lema era Vencer ou Vencer. Poucas vezes na história do futebol

houve um time tão superior. A Máquina ainda trouxe para o Fluminense o

título do Campeonato Carioca de 1976, Taça Viña del Mar, no Chile, o

Torneio Paris, todos em 1976. Na entrega da Taça

Paris o clube foi tão aplaudido que sequer se ouvia o nome dos jogadores

anunciados pelo sistema de som. Em 1977 jogou o melhor de seu futebol e

trouxe a Taça Teresa Herrera,

da Espanha derrotando o Real Madrid e Dukla de Praga. Em 1978, em

excursão pela Nigéria o Fluminense teve Pelé vestindo sua camisa 10.


Em 1980 a raça e eficiência da equipe fizeram do

Fluminense Campeão Estadual. Em 1983 tem início

um dos melhores períodos do Fluminense. Sua

equipe aliava a raça e eficiência do time de 1980 à

categoria da máquina tricolor. Jandir, Renê, Tato,

Branco, Assis, Washington, Leomir, Aldo, Paulo

Victor, Ricardo Gomes e Delei formavam o time que

iniciou a conquista do terceiro tri campeonato do

Fluminense, vencendo o Campeonato Estadual de

1983.


Em 1984, já com o reforço do paraguaio Romerito, que contagiava o grupo

com sua garra, e sob o comando de Carlos Alberto Parreira, o Fluminense foi

Campeão Brasileiro, perdendo apenas 2 partidas das 14 que disputou. A

grande final disputada em dois jogos foi contra o Vasco. No primeiro 1 x 0,

gol de Romerito.
No segundo, o empate de 0 x 0 garante o título ao Tricolor. Assis e

Washington ficaram conhecidos como o “casal 20”, tão eficiente era esta

combinação. Já Campeão Brasileiro pela 2ª vez, o Fluminense parte em

busca do Bi estadual. No primeiro jogo da decisão o Tricolor despachou o

Vasco por 2 x 1, gols de Assis e Romerito. No segundo, contra o Flamengo,

Aldo o “caçador de abutres” cruzou para Assis o “ matador de urubus” que

marcou e deu a vitória ao Fluminense. O Fluminense vence o Campeonato

Estadual de 1984 e se torna Bi Campeão. Em 1985 , sob o comando de

Nelsinho o Fluminense vence mais um Campeonato Carioca e conquista seu

3º Tri Campeonato Estadual.

O ano de 1995 foi uma redenção para o Fluminense. O Tricolor não se

intimidou pelo Flamengo, que no ano de seu centenário, chegava na fase

decisiva com 3 pontos extras e favoritismo absoluto. Esteve três vezes atrás

no placar e por três vezes virou o jogo, a quatro minutos do fim Aílton

driblou duas vezes Charles e chutou, a bola foi de encontro à barriga de

Renato Gaúcho que fez o Gol do 28º Título Estadual do Fluminense.

A segunda metade da década de 90 não foi nada boa para o Fluminense.

Após dois rebaixamentos consecutivos para a 2ª e 3ª Divisão.


Em 1999 assume o novo Presidente David Fischel,

que contratou Parreira como técnico. Seguem-se

reformas dos vestiários e recuperação do gramado.

O time ainda precisa de reforços, mas a dignidade

foi restaurada.

A conquista do Campeonato da 3ª Divisão trouxe de

volta o orgulho e alegria tricolor. A torcida comparece

em massa aos jogos e apoia o time que tanto ama.
O 1º passo já foi dado e o Fluminense trilha dia-a-dia seu retorno ao seu

lugar de origem e de direito que é a 1ª Divisão do Campeonato Brasileiro.


Hoje os tricolores começam a ter o seu Fluminense de volta. A Campanha

“Sócio Torcedor”, criada como iniciativa para ajudar o futebol, é um grande

sucesso. Com apenas 08 meses já são mais de 20 mil sócios torcedores. É a

prova de que o Fluminense é grande demais.


Como disse o imortal Nelson Rodrigues “O Fluminense nasceu com a

vocação da eternidade. Tudo pode passar, só o Tricolor não passará jamais.



Quem diz é o óbvio ululante.”
CONTINUAÇÃO (escrita por Paulo Cezar da Costa Martins Filho):
Em 2000, com a criação da Copa João Havelange, em substituição ao Campeonato Brasileiro, o Fluminense volta definitivamente à elite do futebol brasileiro. Com uma campanha espetacular, sob o comando de Valdyr Espinosa, o Tricolor termina a 1ª fase em 3º lugar do Módulo Azul (1ª Divisão). Acaba eliminado no cruzamento de módulos, mas estava restaurada a imagem de clube vencedor que sempre marcou a história do Fluminense. O Flu ainda acabou com o artilheiro da competição, o atacante Magno Alves, autor de 20 gols, 5 deles na histórica goleada sobre o Santa Cruz, no Maracanã, por 6 a 1.
Em 2001, o Flu mantém a base do ano anterior, e ainda contrata o astro internacional Faustino Asprilla, maior jogador da História da Colômbia. Outros reforços ainda vieram, como os meias Ramon Menezes e Viveros, também colombiano. Os resultados são sentidos já no começo do ano. O clube começa avassalador, vencendo todos os seus 5 primeiros jogos, inclusive goleando o São Paulo (que se sagraria campeão do torneio Rio-SP) por 5 a 2, num show de Asprilla. O time manteve a rotina de vitórias, mas acabou sendo injustamente eliminado da Taça Guanabara e do Torneio Rio-SP em disputas de pênalti, embora tivesse a melhor campanha de ambos os campeonatos. Com a eliminação da Copa do Brasil, pelo Grêmio, que acabou conquistando o campeonato, Espinosa foi demitido. Para o 2º semestre, foi contratado o técnico campeoníssimo Oswaldo de Oliveira, ex-Vasco e Corinthians (onde foi campeão mundial em 2000). No Campeonato Brasileiro, a equipe novamente respondeu em campo, acabando novamente em terceiro lugar. É, os outros têm de se conformar, o FLU está de volta à elite!



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal