O espírito santo



Baixar 0,79 Mb.
Página1/17
Encontro29.05.2017
Tamanho0,79 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


O Poder do Espírito Santo

O PODER DO ESPÍRITO SANTO
Billy Graham
Ativando o Poder de Deus em Sua Vida
Título do original: The Holy Spirit

SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA

Caixa Postal 21486 - 04698

São Paulo – SP


Neste livro o Dr. Billy Graham discute e responde algumas das perguntas básicas em relação à terceira pessoa da Trindade, sobre a qual muito se fala hoje em dia, às vezes sem o conhecimento adequado.

Quem é o Espírito Santo? O que ele faz? De onde Ele veio?

O que Ele está fazendo no mundo hoje em dia?

O que é blasfemar contra o Espírito Santo?

Como Ele se comunica com Suas criaturas?

Por que Ele veio ao mundo?

O que é o batismo do Espírito?
Além de tudo isto, Dr. Billy Graham afirma que o Espírito Santo está ativo em nosso mundo. Ele não é uma influência longínqua nem uma força misteriosa. Não há nada que Deus seja e o Espírito não! Apesar de não podermos entendê-lo completamente, ainda podemos experimentar Sua realidade e Seu poder cada dia.

ÍNDICE
Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

Introdução: O Anelo do Homem – O Presente de Deus . . . . . . . . . . 6


  1. Quem é o Espírito Santo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

  2. Quando o Espírito Santo Veio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

  3. O Espírito Santo e a Bíblia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

  4. O Espírito Santo e a Salvação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

  5. O Batismo com o Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

  6. O Selo, o Penhor e o Testemunho do Espírito Santo . . . . . . . . . 77

  7. A Luta Interior do Cristão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85

  8. A Plenitude do Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

  9. Como Ficar Cheio do Espírito Santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118

  10. Pecados contra o Espírito Santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

  11. Os Dons do Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

  12. Outros Dons do Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162

  13. Os Dons de Sinais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

  14. O Fruto do Espírito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

  15. O Fruto do Espírito: Amor, Alegria, Paz . . . . . . . . . . . . . . . . . 205

  16. O Fruto do Espírito: Longanimidade, Benignidade, Bondade 215

  17. O Fruto do Espírito: Fidelidade, Mansidão Domínio Próprio 223

  18. A Necessidade da Presente Hora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235


Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246

PREFÁCIO


Uma velha lenda indígena conta de um índio que desceu das montanhas e pela primeira vez viu o oceano. Maravilhado com o que via, ele pediu um balde. Depois entrou um pouco mar a dentro e encheu o balde. Quando lhe perguntaram o que estava fazendo, ele respondeu:

– Lá nas montanhas meu povo nunca viu as Grandes Águas. Vou levar este balde cheio para eles, para que possam ver com que elas se parecem.

Pouco antes de morrer o papa João XXIII, perguntaram-lhe qual a doutrina da igreja que mais precisava ser reenfatizada hoje em dia. Ele respondeu: – A doutrina do Espírito Santo.

Alguns anos atrás minha esposa e eu tivemos o privilégio de passar alguns dias na Suíça, hóspedes do Dr. Karl Barth, o eminente teólogo suíço. Em uma das nossas conversas eu lhe perguntei qual seria a próxima ênfase da teologia. Ele respondeu sem hesitação: – O Espírito Santo.

Tentar escrever um livro sobre um assunto tão vasto como é a Espírito Santo é como tentar pôr o oceano em um balde. O assunto não tem limites – e as nossas mentes são tão limitadas.

Na verdade este livro teve início como parte da minha peregrinação espiritual. Durante o meu ministério de evangelista fui tendo uma compreensão crescente do ministério do Espírito Santo. Em anos recentes minha atenção se prendeu de maneira nova pelo ministério da Espírito Santo, devida ao renovado interesse em Sua obra que está se manifestando em muitos lugares no mundo. Sentindo que eu mesmo precisava saber mais, comecei um estudo sistemático do que a Bíblia ensina sabre a pessoa e a obra do Espírito Santo. No começo eu não tinha a intenção de escrever um livro, mas quanto mais eu me aprofundava na assunto, mais eu notava idéias erradas e mesmo desconhecimento em relação à Terceira Pessoa da Trindade em muitos círculos cristãos.

Em parte eu estava hesitando para escrever este livro. Mas, escrevendo-o, eu tive uma nova visão do ministério do Espírito Santo; ajudou-me também a compreender a atuação do Espírito Santo na nosso mundo de hoje em dia. Meu desejo e oração é que este livro possa servir de informação e esclarecimento para muitos cristãos. E que seja um livro unificador. O Espírito Santo não veio para dividir os cristãos mas, entre outras razões, Ele veio para nos unificar.

Minha única preocupação foi visualizar o que a Bíblia tem a dizer sobre o Espírito Santo. A Bíblia – inspirada pelo Espírito Santo – é nossa única fonte de informação digna de confiança, e toda análise bem fundamentada da pessoa e da obra do Espírito santo tem de ser buscada biblicamente. Entendi, como nunca antes, que há algumas com que nunca compreenderemos totalmente, e que alguns assuntos permitem interpretações diferentes por cristãos sinceros. Em áreas onde há diferenças honestas entre cristãos eu temei não ser dogmático.

Estou muito agradecido que o Espírito Santo está operando em nossa geração, tanto no despertamento da Igreja como no evangelismo. Que Deus use este livro para renovar e desafiar a muitos.

Devo muito a diversas pessoas que me ajudaram enquanto escrevia este livro. Sou grato a meu colega Roy Gustafson, que foi o primeiro a sugerir que eu escrevesse sobre este assunto. Algumas pessoas foram especialmente úteis lendo os primeiros esboços do manuscrito, em partes ou na todo, e fazendo sugestões construtivas – inclusive o Dr. Harold Lindsell (ex-editor do revista Christianity Today), Paul Fromer (do Wheaton College), Canon Houghton (ex-diretor do British Keswick), Dr. Thomas Zimmermann (superintendente Geral das Assembléias de Deus nos EUA), Dr. Merrill C. Tenney (Deão emérito da Wheaton Graduate School) e Dr. Donald Hoke (Secretário do Comitê de Lausanne para Evangelização Mundial). Sou grato também pela bondade do Sr. e da Sra. Bill Mead, que generosamente permitiram que minha esposa Ruth e eu os visitássemos diversas vezes para trabalhar na livro. Nunca vou esquecer-me dos dias em que estivemos sentados em agradável círculo com os Meads, a família de Cliff Barrow, de Fred Dienert e de Grady Wilson, discutindo diversos capítulos do livro. Agradeço também pelas sugestões do meu amigo Dr. John Akens, pela ajuda do Rev. Ralph Williams do nosso escritório em Minneapolis, e pela de Sally Wilson, em Montreat, que deu sugestões de ilustrações e textos bíblicos acrescentados às minhas anotações originais. Minha secretária, Stephanie Wills, datilografou pacientemente o manuscrita em seus diferentes esboços.

INTRODUÇÃO
O ANELO DO HOMEM – O PRESENTE DE DEUS
O ser humano tem dois grandes anelos. Um é por perdão. O outro é por bondade. Consciente ou inconscientemente seu ser interior anseia pelos dois. Há momentos em que até grita por eles, apesar de, em sua agitação, confusão, solidão, medo e pressões às vezes não saber pelo que ele está gritando.

Deus respondeu este primeiro pedido de ajuda, por perdão, no Calvário. Deus enviou seu único Filho a este mundo para morrer por nossos pecados, para que possamos obter perdão. Isto é um presente – o presente da salvação. Este presente está sempre à disposição de todos que admitem com sinceridade que erraram, que pecaram, Ele é dado a todos que estendem a mão e aceitam o presente de Deus, recebendo Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. Paulo a chama de a dádiva "indescritível" de Deus (2 Cor. 9:15, NTV).

Mas Deus também ouviu o nosso segundo anseio, aquele anelo por bondade, e o respondeu no dia de Pentecostes. Deus não quer que venhamos a Cristo pela fé para depois viver derrotados, desencorajados, frustrados. Pelo contrário, Ele quer "cumprir com poder todo propósito de bondade (fazer o bem, BLH) e obra de fé; a fim de que o nome de nosso Senhor Jesus Cristo seja glorificado em vós" (2 Tess. l :11, 12). À grande dádiva do perdão Deus acrescenta a grande dádiva do Espírito Santo. Ele é a fonte do poder que satisfaz a nossa necessidade de escapar da fraqueza miserável que nos prende. Ele nos faz capaz de sermos realmente bons.

Se quisermos viver uma vida sensata neste mundo moderno, se quisermos ser homens e mulheres que possam viver de maneira vitoriosa, precisamos deste presente duplo que Deus nos oferece: primeiro, a obra do Filho de Deus por nós; segundo, a abra do Espírito de Deus em nós. Este foi o meio de Deus satisfazer os dois maiores desejos da humanidade: obter perdão, e ser bom.

Um amigo me disse certa vez: – Eu preciso de Jesus Cristo para minha vida eterna, e o Espírito soma para minha vida interna.

Se você crê em Jesus Cristo, está à Sua disposição um poder que pare modificar a Sua vida, mesmo em áreas tão íntimas como Seu casamento, seu relacionamento com a família e com outras pessoas. Deus, também, oferece poder que pode mudar uma igreja cansada em um corpo vivo e que cresce, um poder que pode revitalizar a cristandade.

Infelizmente este poder tem sido ignorado, mal-entendido, mal-usado. Com nossa ignorância nós causamos um curto-circuito no poder do Espírito Santo.

Muitos livros foram escritos sobre este poder, muitas orações foram feitas por este poder. Multidões de cristãos gostariam de tê-lo, mas não sabem direito o que ele é.

Quando o mundo olha para um cristão, tem em mente alguns clichês: vê o crente como uma pessoa obstinada, séria e sem senso de humor; alguém que não consegue fazer as coisas por si e por isso um "Deus como muleta"; alguém que esqueceu seu cérebro no jardim de infância.

Bem, se este clichê se aplica mesmo a nós ou à Igreja, de alguma maneira, então precisamos conhecer o poder maravilhoso e revolucionário que está exclusivamente à disposição dos que crêem em Cristo. Ninguém pode comprá-lo, ganhá-lo, exigi-lo ou usá-lo sem conhecer ames a Sua origem.


O Espírito Santo foi Prometido
Quando Jesus estava ensinando Seus discípulos, preparando-os para o que Ele sabia ser o fim, Seu coração estava preocupado com eles, porque sabia que eles estavam confusos e tristes. Posso imaginá-Lo indo de um em um, pondo seu braço ao redor do ombro deles. A cada um ele explicava em palavras simples, assim como nós o fazemos com nossas crianças, as verdades importantes que queria que eles entendessem. A certa altura Ele disse: "Agora vou para junto daquele que me enviou, e nenhum de vós me pergunta: Para onde vais? Pelo contrário, porque vos tenho dito estas coisas, a tristeza encheu o vosso coração. Mas eu vos digo e verdade: Convém-vos que eu vá, porque se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei" (João 16:5-7).

Isto é uma promessa! A vinda do Espírito estava baseada sobre a palavra do Senhor Jesus Cristo. Não foram estabelecidas condições, Jesus me disse que enviaria o Consolador (ou "Ajudador") a alguns crentes, e não a outros. Nem disse que deveríamos pertencer a alguma organização especial ou estar mais alto na escala de espiritualidade do que outros. Ele disse especialmente: "Se eu for, eu vo-lo enviarei."

Quando Jesus faz uma promessa, ele não a quebra nem a esquece. Podemos duvidar da promessa de algum amigo ou de alguém da família; podemos até duvidar das nossas promessas feitas a outros. Mas Jesus nunca nos deu uma promessa que tenha alguma sombra de dúvida.

Algumas pessoas rebaixam Jesus Cristo, chamando-O de um "grande líder" ou um dos maiores líderes religiosos do mundo, Entretanto, no tocante a promessas, é interessante contrastar suas palavras com as de outros grandes líderes religiosos ou filosóficos. Por exemplo, quando o fundador do budismo estava se despedindo dos seus seguidores, disse: "Vocês têm de ser sua própria luz!" Ou quando Sócrates estava para tomar aquele copo fatal, um dos discípulos lamentou-se, dizendo que ele os estava deixando órfãos. Os líderes das religiões e filosofias do mundo não eram capazes de prometer que nunca deixariam os seus seguidores.

Os discípulos de Jesus Cristo, no entanto, não foram deixados sós. Ele disse: "Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros" (João 14:18). É interessante notar que a palavra grega para "órfãos" é a mesma que o discípulo de Sócrates usou quando compreendeu que seu mestre o deixaria sozinho.
A Promessa Cumprida
Jesus disse que deixaria Seus discípulos por algum tempo, o que de fato fez. Durante os horas terríveis da crucificação, morte e sepultamento, dúvidas cruéis tomaram conta das mentes dos que O amavam, Ele ainda não havia sido "glorificado", e por isso a promessa do Seu Espírito ainda não tinha se concretizado.

Mas nós sabemos o que aconteceu. Deus O levantou dos mortos e Lhe deu glória. Falando a cristãos, as Escrituras dizem que Cristo veio "por amor de vós, que, por meio dele, tendes fé em Deus, o qual o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória, de sorte que a vossa fé e esperança estejam em Deus" (I Pedro 1:20, 21).

Deus tinha mandado "esperar" pelo Espírito que deveria vir. Jesus ressuscitou dos mortos e foi visto pelos Seus discípulos. Incapazes de compreender o que estava acontecendo, eles não O reconheceram a princípio, e ficaram assustados porque pensavam estar vendo um fantasma. Para confirmar sua realidade física Jesus lhes disse que tocassem nEle, e até pediu algo para comer, Um fantasma não tem carne e ossos, não é? Nem poderia comer, não é verdade?

Então, este era Jesus, não o Espírito que Ele havia prometido. Mesmo assim, Ele disse que continuassem esperando! Ainda não chegara a hora.

A promessa foi cumprida 50 dias depois, no dia de Pentecostes. Que dia! Para nós, com nossa mentalidade prática, terrena, científica, é difícil imaginar os acontecimentos impressionantes daquele dia.

"Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidas na mesmo lugar; de repente veio do céu um som, corno de um vento impetuoso, e encheu toda a usa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito santo, e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem" (Atos 2:1-4).

Tinha chegado aquele que eles deveriam "esperar"!
Que diferença faz a ênfase de uma palavra na descrição de um acontecimento de tão abaladora importância! Antes de Pentecostes a ênfase estava na palavra "pedir". "Se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito santo àqueles que lhe pedirem?" (Lucas11:13, grifo meu).

Depois de Pentecostes a ênfase estava na palavra "receber". Pedro, em seu Sermão cheio de poder, naquele mesmo dia, disse: "Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo" (Atos 2:38, grifo meu).

Estas são as boas novas: não estamos mais esperando pelo Espírito Santo – Ele está esperando por nós. Não estamos mais vivendo em tempo de promessa, mas em dias de cumprimento.

Os que faziam parte da Igreja Primitiva, aqueles homens, mulheres e crianças que conheciam a realidade do poder do Espírita Santo, foram totalmente transformados. O ímpeto de poder que eles experimentaram no dia de Pentecostes é característico da época que nos deu o Novo Testamento. O Espírito Santo foi prometido, a promessa foi cumprida, os discípulos foram transformados, e a glória disto tudo para nós é que Ele está presente em todo crente verdadeiro hoje em dia. Assim, o Seu poder também está à disposição de nós hoje.

Quem é esta Pessoa que Cristo prometeu enviar à terra em Seu lugar? Quem é esta Pessoa que Ele usa para transformar a natureza humana? Quem é esta Pessoa que para dar a você poderes sobrenaturais para enfrentar qualquer dificuldade? E como você e eu podemos experimentar Seu poder em nossas vidas todas os dias?

Descobriremos.


QUEM É O ESPÍRITO SANTO ?
Alguns anos atrás um professor de quinto ano perguntou aos alunos de sua classe se alguém poderia explicar o eletricidade. Um rapaz levantou a mão. O professor, perguntou: – Como você poderia explicar, Jimmy?

Jimmy coçou a cabeça, pensou, e respondeu: – Ontem à noite eu ainda sabia, mas agora esqueci!

O professor sacudiu tristemente a cabeça e disse para a classe: – Que tragédia! A única pessoa no mundo que já entendeu a eletricidade, e ele esqueceu!

Este professor está na mesma situação que você e eu quando estudamos a doutrina da Trindade. Aceitamos o fato de que a Espírito Santo é Deus, assim como o Pai e o Filho são Deus. Mas quando temos de explicar, estamos num beco sem saída. Nos últimos anos foi falado e escrito sobre a Espírito Santo possivelmente mais do que sobre qualquer outro terna religioso, excetuando o ocultismo. Isto aconteceu principalmente por causa da influência do movimento carismático, que tem sido chamado de "a terceira força" do cristianismo, ao lado do catolicismo e protestantismo. O movimento carismático mais recente, que tem algumas de suas origens no pentecostalismo histórico e dá ênfase ao Espírito Santo, este atualmente permeando profundamente a maioria das principais denominações, bem como o catolicismo. Podemos sentir como o assunto é vasto, e como sabemos pouco sobre ele. Mesmo assim, Deus revelou em Sua Palavra tudo que devermos saber.

Surgirão neste livro muitas perguntas que crentes confusos e às vezes incultos tentaram responder. De fato, milhões de cristãos em todos os continentes estão fazendo estas perguntas. Estão procurando e merecem respostas bíblicas.

Por exemplo: O que é o batismo da Espírito santo? Quando ocorre? Falar em línguas é possível ou necessário hoje em dia? Existe urna experiência chamada "segunda bênção"?

Para iniciar nosso estudo, temos de colocar bem no começo uma pergunta crítica: Quem é o Espírito santo?
O Espírito Santo é uma Pessoa
A Bíblia ensina que o Espírito Santo é uma pessoa. Jesus nunca chamou o Espírito Santo de "isto" quando falava dEle. Em João 14, 15 e 16, por exemplo, Jesus falou do Espírito Santo como "Ele", porque Ele não é uma força ou uma coisa, mas uma pessoa. Falta instrução ou mesmo discernimento a alguém que trata o Espírito Santo como "isto".

Na Bíblia vermos que o Espírito Santo tem intelecto, emoções e vontade. Além disto, a Bíblia diz que Ele faz coisas que uma força não faria, somente uma pessoa real.



Ele fala: "Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas, Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus" (Apoc. 2:7).

"E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado" (Atos 13:2).



Ele intercede: "Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havermos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis" (Rom. 8:26, IBB).

Ele testifica: "Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei do parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim" (João 15:26).

Ele guia: "Então disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro, acompanha-o" (Atos 8:29).

"Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus." (Rom, 8:14).



Ele ordena: "E percorrendo a região frígio-gálata, tendo sido impedidos pelo Espírito santo de pregar a palavra na Ásia, defrontando Mísia, tentavam ir para Bitínia, mas a Espírita de Jesus não o permitiu" (Atos 16:6, 7).

Ele conduz: "Quando vier o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas que hão de vir" (João 16:13).

Ele nomeia: "Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho. Pois o Espírito Santo os pôs como guardiães do rebanho, para pastorear a Igreja de Deus, que ele comprou por meio do sangue do Seu própria Filho" (Atos 20:28, BLH).

Pode-se mentir para Ele: "Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:3, 4).

Pode-se insultá-Lo: "De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos rés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?" (Heb. 10:29).

Pode-se blasfemar contra Ele: "Por isso vos declaro: Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra a Espírito Santo não será perdoada. Se alguém proferir alguma palavra contra o Filho do homem ser-lhe-á isto perdoado; mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será isto perdoado, nem neste mundo, nem no porvir" (Mat. 12:31, 32).

Pode-se entristecê-Lo: "E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes seladas para o dia da redenção" (Efés. 4:30).

Cada uma das emoções e atitudes que alistarmos são características de uma pessoa. O Espírito Santo não é uma força impessoal, como a gravidade e o magnetismo. Ele é uma Pessoa, com todos os atributos de uma personalidade. Mas não é só Pessoa; também é divino.


O Espírito Santo é uma Pessoa Divina: Ele é Deus
Em toda a Bíblia poremos ver claramente que o Espírito Santo é o próprio Deus. Isto poremos deduzir dos atributos que a Escritura Lhe confere. Estes atributos, sem exceção, são os da próprio Deus.

Ele é eterno: Isto significa que nunca houve um momento em que Ele não existiu. "Muito mais o sangue de Cristo que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas para servirmos ao Deus vivo!" (Heb. 9:14).

Ele é Todo-Poderoso: "Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso também o ente santo que há de nascer, será chamada Filho de Deus" (Lucas 1:35).

Ele é Onipresente (está em todo lugar ao mesmo tempo): "Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da tua presença?" (Salmo 139:7, IBB).

Ele sabe tudo (é onisciente): "Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; parque o Espírito a todas estas coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito que nele está? Assim também as coisas de Deus ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus" (I Cor. 2:10, 11).

Ele é chamado Deus: "Então disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo? Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:3, 4, grifo meu).

"E todos nós com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito" (2 Cor. 3:18).



Ele é o Criador: A primeira referência bíblica ao Espírito Santo está em Gênesis 1:2, onde lemos: "O Espírito de Deus pairava por sobre as águas". No entanto, Gên. 1:1 diz: "No princípio criou Deus os céus e a terra". E em Colossenses 1, escrevendo à Igreja de Colossos sobre o Senhor Jesus Cristo, no meio de outras grandes verdades Paulo nos diz. "Nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele tudo subsiste" (é conservado em ordem e harmonia, BLH) (Col. 1:16, 17).

Assim, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo estavam juntos criando o mundo. É da máxima importância para todos os cristãos compreender e aceitar estes fatos, tanto na teologia como na prática.

Certa vez eu fiz algumas destas afirmações diante de seminaristas. Um deles perguntou: "Geralmente Ele é mencionado por último. Isto não implica em inferioridade?" Só que em Romanos 15:20 Ele não é mencionado por último: "Rogo-vos, pois, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e também pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas orações a Deus a meu favor." E em Efésios 4:4 Paulo diz: "Há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação".

Mais que isto, a colocação usual das três pessoas da Trindade no Novo Testamento tem a ver com sua seqüência e função. Dizemos, por exemplo, que oramos ao Pai, através do Filho, no poder do Espírito Santo. Eu já mostrei antes que, em termos de função, o Pai veio primeiro, depois a Filho se encarnou, morreu e ressuscitou. Agora, o Espírito atua nesta era do Espírito. A seqüência não prejudica a igualdade, só tem a ver com função e cronologia.



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal