O auge do jornalismo na Clube Paranaense



Baixar 75,99 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho75,99 Kb.

CRISE NO RADIOJORNALISMO EM CURITIBA


Claudia Irene de Quadros1

Elisângela Ribas Godoy2


Resumo:

O presente artigo pretende registrar a trajetória de duas emissoras que investiram no radiojornalismo na década de 90: a Rádio Clube Paranaense (AM), a primeira do Paraná, e a afiliada da Central Brasileira de Notícias, a CBN – Curitiba (FM). Pela primeira vez na história de Curitiba, ambas as emissoras conseguiram reunir o maior número de profissionais formados em jornalismo. A Clube, baseada no jornalismo de serviço, foi a pioneira. A CBN-Curitiba, inaugurada em 1995, surgiu com a proposta de fortalecer o jornalismo local, seguindo o padrão do Sistema Globo de Rádio. Os dois projetos, um marco para a história do radiojornalismo curitibano, por questões de ordem econômica, política e cultural, hoje são diferentes das propostas originais. As duas rádios, atualmente, têm um número reduzido de jornalistas e muitas barreiras relacionadas à infra-estrutura.

Palavras-Chave: radiojornalismo; Rádio-Clube-Paranaense; CBN-Curitiba.





  1. Introdução

Curitiba, com uma população estimada em 1.727.010 (IBGE, 2004), possui 15 emissoras AM (Amplitude Modulada) e 18 FM (Freqüência Modulada) 3. Apesar do número significativo de rádios, o jornalismo radiofônico é pouco valorizado na programação da maioria das emissoras curitibanas. As características dos programas estão relacionadas, predominantemente, com os propósitos de seus proprietários: políticos (4), igrejas evangélicas (10), igreja católica (4), estatais (2) e empresários (13). Na AM, a soma de emissoras de cunho religioso ( 4 evangélicas e 3 católicas) supera, isoladamente, a de políticos (4) e da iniciativa privada (3). Na FM, o maior número de concessões está nas mãos dos empresários (10), seguido das igrejas evangélicas (6), como demonstrado no quadro abaixo:



PROPRIETÁRIOS

AM

FM

empresas privadas

3

10

igrejas evangélicas

4

6

igreja católica

3

1

Políticos

4

-

Educativa

1

1

O discurso radiofônico de muitos de seus apresentadores, entretanto, tenta convencer o ouvinte de que o dial sintonizado oferece o melhor jornalismo. A Banda B (AM), por exemplo, líder de audiência em Curitiba (IBOPE, Jan. 2005), de propriedade do deputado estadual Luiz Carlos Martins, explora o gênero assistencialista e afirma que faz jornalismo de verdade. ”O rádio cria um vínculo entre comunicador e ouvinte que faz dele um instrumento precioso para fins políticos” (Martins apud Weltman, Veja, ano 38, número 9, São Paulo, 2 mar. de 2005).

As rádios Clube Paranaense (AM) e CBN-Curitiba (FM) são objetos desse trabalho por que são as únicas emissoras de rádio que mantém por mais tempo programas jornalísticos no ar, ainda que tenham reduzido o quadro de profissionais e, de certa forma, comprometido a qualidade de seus conteúdos. Ambas as emissoras, na década de 90, do século passado, conseguiram reunir o maior número de pessoas formadas em jornalismo. Tanto a Rádio Clube Paranaense como a CBN-Curitiba surgiram como uma esperança de (re)nascer o radiojornalismo na capital do Paraná.

Para traçar a trajetória histórica dessas duas emissoras foi necessário, como parte da metodologia desse estudo, a leitura de monografias, de livros sobre radiojornalismo, de depoimentos publicados em jornais e revistas, observação in loco de programas das duas emissoras e, principalmente, de entrevistas semi-estruturadas com radialistas e jornalistas.

2. Rádio Clube Paranaense e o auge do jornalismo


No ar desde 27 de junho de 1924, a Rádio Clube Paranaense foi a primeira emissora do Paraná e a terceira fundada no Brasil. Seguindo o padrão da época, a Clube, que recebeu o prefixo PRB2, foi criada com cunhos educativo e cultural.

... Por iniciativa de diversos amadores fundou-se hoje, nesta capital, uma sociedade denominada Rádio Club Paranaense, com o fim de difundir pela telefonia sem fio, concertos musicais, palestras instrutivas, centros para crianças, músicas de danças e notícias de interesse geral. (Gazetado Povo, Curitiba, 27 de junho de 1924, p 8 apud NASCIMENTO, 1996, p. 7)

Durante anos, destacou-se na produção de programas de auditório, radionovelas e esportes. Hoje, a Clube transmite em duas freqüências: AM e FM. A AM dedica-se mais a programas que mesclam informação e entretenimento. Já na FM grande parte da programação é direcionada à musica.

A notícia começou a ganhar força na B2 em 1993, quando foi criado o departamento de jornalismo. Neste ano, que a emissora mudou de sede e de administração (passou a ser comandada pelos Irmãos Maristas, mantendo a sua base católica), o enfoque foi voltar a programação à informação jornalística, continuando a veicular alguns programas de entretenimento. Para tanto, foram comprados novos equipamentos e contratados mais profissionais4. “Nós tínhamos entre 15 e 20 profissionais (repórteres, editores, pauteiros e produtores), divididos entre a manhã e a tarde, 90% deles formados, recebendo o piso, com a liberdade para participar a todo momento no ar” (Witiuk, 2005). Para o ex-coordenador de jornalismo da Clube, o profissional formado sempre fez a diferença ao entrar no ar ao vivo pelo conhecimento geral, pela forma de enfocar o assunto e pelo uso da linguagem adequada.

A partir deste período, a Rádio Clube Paranaense começou a contar com um noticiário, que segundo Ferrareto (2001, p.55) é “aquele em que predomina a difusão de notícias na forma de textos ou de reportagens ...”, no estilo jornal falado pela manhã, outro na hora do almoço e, à tarde, com o programa Os Repórteres.

A nova estruturação ganhou reforço da transmissão via satélite e formou-se a Rede Católica de Rádio (RCC).

O grande objetivo é uma rede regional, tendência do futuro. Não está nas metas da Rádio Clube, expandir-se em rede para outros Estados brasileiros. A razão é que se quer dar uma outra característica a esta Rede. A Clube não quer uma rede de mão única, como funciona nas redes nacionais, hoje. Na rede de mão única, a emissora que gera a programação somente ela fala, escolhe a música etc. O que se quer com a Rede Estadual da Clube é um programa informativo ... mas uma via com duas mãos: a Clube é quem transmite, porém, as emissoras componentes da Rede também vão dar notícias das suas cidades, municípios e regiões. (Cardoso apud Witiuk, 1995, p.50)
Como cabeça regional de rede, a Clube transmitia parte da programação jornalística para quase 30 emissoras do Paraná. “Os jornais da manhã e o do meio-dia eram transmitidos em rede para as emissoras associadas do interior. Veiculava-se, assim, notícias de Curitiba e de todas as regiões do Estado”.(Witiuk, 2005)

À tarde, com Os Repórteres, das 16 às 18 horas, único que não era via satélite, o jornalismo era mais solto, com denúncias, participação de ouvintes, utilidade pública e a entrada de repórteres ao vivo. Além desses programas, havia boletim de hora em hora, conhecido como Clube Sat B2, que durante 4 a 5 minutos destacava algumas informações rápidas, em rede.

A Clube, no período da noite, nunca manteve um programa especificamente jornalístico. “Pelo menos não houve, nos 11 anos em que fiquei na emissora, um jornal neste sentido, só programas de entretenimento”(Witiuk, 2005). Segundo ele, isto ocorre mais pelo lado financeiro, pois há custos para se manter uma equipe à noite, como os adicionais noturnos.

De 1993 até 1997, o auge do jornalismo na emissora, não havia programas gravados somente ao vivo. Os programas eram produzidos com antecedência por produtores e editores. A prioridade da reportagem eram as matérias de rua. “Me lembro que saia e voltava com sete, oito matérias, além de entrar ao vivo. Eu as editava em boletins de no máximo dois minutos, para não ficarem cansativas”(Witiuk, 2005). Essa deveria ser uma prática comum no radiojornalismo, como aponta Meditsch:

....Acontecimentos temporalmente mais distantes, mas que mantenham a atualidade em relação ao dedline, terão provavelmente uma dupla divulgação: a primeira vez ao vivo, no momento mesmo da apuração e a segunda numa edição mais refinada, para um horário privilegiado da programação .... (Meditsch, 2001, p.104)
Para Witiuk (2005) a produção agiliza o trabalho no rádio. “Naquela época o pauteiro previa muita coisa, criava, estava antenado, acompanhando, assistindo o que estava acontecendo ... até os ouvintes, que participavam bastante da programação, ligavam e diziam que tinham escutado em outra rádio tal informação. A Clube pautava TV, outras emissoras de rádio, os jornais faziam escuta dos programas jornalísticos de uma maneira geral”.

Nesta época, era comum a emissora receber cartas de ouvintes do Japão, Estados Unidos, países Latino-americanos, ou da Europa, que acompanhavam-na em ondas curtas (49 metros). Alguns comentavam sobre a programação e citavam os nomes dos apresentadores e dos repórteres.

Nem mesmo a inauguração da Rádio CBN, em Curitiba, em 1995, afetou a cobertura jornalística. “O jornalismo da Clube estava em sua melhor fase. A gente comentou que estava vindo um jornalismo forte, mas era mais um trazendo informação, não havia preocupação em furar a CBN, ao menos não se sentia a necessidade de ir atrás do que ela divulgava, até porque a Clube tinha o referencial, tinha um público cativo”. (Witiuk, 2005).

Em 1997, a equipe foi reduzida e, conseqüentemente, a figura do pauteiro eliminada. Os repórteres que restaram (em torno de quatro, sendo apenas dois formados) passaram a se pautar por releases, agências de notícias, jornais e internet. Algumas matérias que não eram feitas quando estavam ocorrendo, eram resgatadas pelo telefone. “... Houve uma quebra grande no volume, na qualidade da cobertura, se você tem um time respeitável vai ter um volume e um conteúdo compatível”.( Witiuk, 2005)

Neste mesmo ano, a Clube teve alguns horários terceirizados. “Por uns quatro ou cinco anos foi bacana o trabalho do jornalismo, depois começou a terceirização e a Clube se descaracterizou, de manhã era uma rádio, a tarde era uma colcha de retalhos. Para retomar a audiência foi complicadíssimo. O ouvinte não sabia mais o que estava ouvindo”(Witiuk, 2005) Segundo ele, no auge do jornalismo da emissora quem sustentava, inclusive a FM, era a Clube AM, basicamente formada por jornalismo, “... mas de repente, não sei o que aconteceu e o departamento comercial não vendia mais AM”.

A rede via satélite na Clube foi encerrada há quase cinco anos e “muitas emissoras reclamaram, pois haviam vendido os programas para patrocinadores específicos ... Não sei se foi uma questão de gerenciamento, o que se levantou é que as emissoras não cobriam os gastos de produção” (Witiuk, 2005).

De certa forma, a rotina produtiva da Clube, depois da redução da equipe de jornalistas, se contrapunha a principal função do rádio de ser o primeiro a dar a informação. “O rádio continua a ser um dos meios de comunicação de massa mais rápidos no campo informativo e a ausência de elementos estáticos em sua linguagem facilita a sua maneabilidade, permitindo uma ubiqüidade e uma instantaneidade, tanto na emissão quanto na recepção, ainda não encontrados por nenhum outro meio” (Meditsch, 2001, p.215).

Para Witiuk (2005) a Internet é um suporte essencial ao radiojornalismo, mas por outro lado proporciona um risco, pois não possibilita a certeza da informação. “A gente já chegou quase a dar uma informação que estava na internet, mas como era bombástica, nós fomos atrás e vimos que não tinha nada a ver. Então, se você está atropelado de coisas e não tem quem verifique a informação, vai cometer um erro”. De fato, a Internet causou um


grande impacto nas rotinas produtivas das redações de todos os outros veículos de comunicação, garantindo agilidade e acervos de fontes seguras para aprofundar as reportagens. No entanto, não transformou princípios fundamentais do jornalismo: sempre será preciso contrastar depoimentos de um fato e verificar a precisão da informação antes de divulgar uma notícia.

3. O jornalismo atual da Clube

Hoje a Rádio Clube AM, em contenção de despesa, está em um momento de nova reformulação, pela qual passa, inclusive, o departamento de jornalismo, porém não terceiriza mais os horários. Os programas são direcionados ao entretenimento, com comentários, utilidade pública e informação, e grande parte deles são voltados à cobertura esportiva.

Segundo o responsável pela equipe de jornalismo, Flávio Krüeger (2005), atualmente oito pessoas estão neste setor, destes três são formados e recebem o piso, o restante ganha o salário referente a de um radialista, que está em torno de setecentos reais. Neste grupo, três são direcionados a produção das matérias na rua.

À noite, a emissora continua sem uma equipe de jornalismo disponível, pois não se permite fazer hora extra e, portanto, não há um programa neste formato. Neste horário há o programa Rádio Esporte B2, Esporte Notícia, que trabalha com informações sobre o que aconteceu e as que podem ser notícia no dia seguinte. Segundo o âncora do programa, Sílvio de Tarso, há entrevista no estúdio e a participação, em certas ocasiões, do repórter policial.

Da programação anterior, a emissora mantém o Revista Matinal e o Canal Aberto, que são programas informativos, com a participação de repórteres, porém sem uma estrutura de jornal falado. Um deles, inclusive, é apresentado pelo coordenador do Procon no Paraná e ex-deputado estadual, Algaci Túlio. A rádio possui, ainda, o programa Os Repórteres, que conta apenas com a participação de um único repórter para fazer os ao vivo, das 16 às 18 horas.

Na pauta principal da Clube estão as informações relacionadas, primeiramente, à Curitiba e depois ao Paraná, entre elas, as notícias da Câmara Municipal e da Assembléia Estadual. Em âmbito nacional repercute-se o que é de interesse no Estado, como, por exemplo, os salários dos deputados e a reforma ministerial.

O programa eleito como “carro chefe da rádio”, o Canal Aberto, transmitido pela manhã, entra no ar, às 7 horas, com 5% do material produzido, pois não há a produção no dia ou noite anterior. Enquanto isso, Os Repórteres, ao entrar no ar, está praticamente com 90% de seu contexto pronto, já que são utilizadas as matérias editadas pelos repórteres durante o dia.

A Clube trabalha com matérias e sonoras de agências nacionais, releases, que chegam a ser lidos na íntegra no ar, informações que saem nos jornais e sugestões de ouvintes, como as para acompanhamento a manifestações. “Mesmo sem pauteiro conseguimos dar conta, mas há acúmulo de função, o repórter faz produção, pauta, quando não é motorista... cada um se vira como pode”( Krüeger, 2005).

No período da manhã os dois repórteres disponíveis procuram fazer mais participações ao vivo dos locais onde estão, porém há entrevistas feitas em estúdio. “Assim conseguimos cobrir 90% do que ocorre na cidade”, informa Flávio Krüeger. Para Luiz Witiuk, ex-coordenador de jornalismo da emissora, esta estatística é bastante otimista, pois “na década de 90, com aquela equipe que tínhamos apenas tentávamos cobrir quase todos os assuntos do dia”. (Wituk, 2005)

Além destes programas, a emissora mantém o Clube B2 Notícias, seguindo o exemplo do Clube Sat B2, com boletins de 30 a 40 segundos, às 11horas, 14:30, 15:30, 20 horas, 21 horas, 22 horas. No total, cada um tem de dois a três minutos, com enfoque em notícias local, estadual e nacional.

No site da emissora (www.clubeb2.com.br) somente estão disponíveis para leitura as notícias relacionadas à equipe esportiva, como o resultado dos próximos jogos e os últimos destaques da área, dados que são atualizados constantemente. Há, também, informações institucionais, a grade de programação, um link para a FM Clube e a transmissão dos programas ao vivo. Não existe, portanto, um espaço específico destinado ao jornalismo, o único, é um link para o site intitulado Bonde News, que não é da emissora.

4. Entra no ar, em 1995, a CBN-Curitiba

A Central Brasileira de Notícias, hoje a maior rede brasileira de emissoras de rádio all news, foi criada no dia 1 de outubro de 1991, no Rio de Janeiro, pelas Organizações Globo. Formada por 22 emissoras, a Rede CBN está presente nas cidades de São Paulo, Ribeirão Preto, Mogi Mirim, Presidente Prudente, Campinas, João Pessoa, Recife, Natal, Rio de Janeiro, Vitória, Belo Horizonte, Brasília, Goiânia, Cuibá, Manaus, Porto Alegre, Florianópolis, Blumenau, Ponta Grossa, Maringá, Londrina e Curitiba. (www.radioclick.globo.com/cbn, 2005). Segundo José Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, a CBN, uma rádio 24 horas de notícias, foi baseada em programas das rádios norte-americanas CBS (Columbia Broadcasting System) e ABC (American Broadcasting Company) (Quadros apud Marinho, 1998).

A CBN foi a primeira rádio brasileira a implantar com sucesso o formato de programação all news. Não tocava música, não fazia transmissões esportivas, nem tinha programas do gênero magazine; era ‘a rádio que toca notícia’ dia e noite. Foi também a primeira emissora de rádio informativo no país a produzir uma programação inteira em rede nacional. (MEDITSCH, 2001, p.6)
Em Curitiba, a programação local da Rádio CBN iniciou em 05 de maio de 1995 em duas freqüências: 550 AM e 90.1 FM. A Rede Curitibana de Radiodifusão Ltda., antes de ser afiliada da CBN, era conhecida como Estação Primeira, onde sintonizavam os ouvintes interessados em escutar rock. Hélio Pimentel, antigo proprietário, vendeu a emissora ao Grupo Inepar em 1994, mas dois de seus principais sócios, Atilano Ohms Sobrinho e Mário Petraglia, decidiram investir na programação jornalística e fecharam um acordo com o Sistema Globo de Rádio. No primeiro ano, transmitia apenas o conteúdo da rede via satélite.

A equipe inicial contratada para fazer, a partir de 1995, a programação local da Rádio CBN-Curitiba era formada por 15 jornalistas e mais três formandos em Jornalismo, além dos responsáveis técnicos. A maioria dos jornalistas foi contratada por um salário superior ao piso, fato que provocou a troca de empregos de outros veículos de comunicação pelo rádio. Poucos desses profissionais5, selecionados com o apoio do então diretor do Sistema Globo de Rádio Amaury Santos, tinham experiência com radiojornalismo. A maior parte da experiência da equipe era em telejornalismo ou jornal impresso6.

Para o lançamento da rádio CBN-Curitiba, os proprietários locais contrataram a Agência Master, que na época era a principal agência de publicidade da cidade. O slogan “a rádio que toca notícias” foi divulgado em out-doors, jornais e revistas para anunciar a chegada da CBN-Curitiba. Os nomes dos jornalistas locais mais experientes, como José Wille e Luiz Geraldo Mazza, também foram utilizados para alavancar a credibilidade da CBN local.

O primeiro dia da rádio no ar, em 05 de maio de 1995, é um marco para a história do radiojornalismo paranaense, mas muito tumultuado para a equipe que tinha sido recém contratada. Neste sentido, não houve tempo de produzir matérias especiais para ir ao ar. As entradas ao vivo dos repórteres, os entrevistados convidados para o estúdio e a presença dos jornalistas Heródoto Barbeiro e Amaury Santos em Curitiba “salvaram” a programação local do dia. Na redação, que ainda não tinha sido informatizada, havia velhas máquinas de escrever. O ritmo dos jornalistas parecia frenético, mas Barbeiro preocupado com a falta de agilidade necessária ao rádio sugeriu que algumas matérias nacionais fossem inseridas na programação local e, assim, movimentar o programa.

A rádio-escuta da época, Michelle Thomé, atual chefe de redação da CBN-Curitiba, separava esse material nacional e, ainda, prestava atenção na programação dos jornais locais apresentados na televisão e nas notícias veiculadas na Rádio Independência e na Rádio Clube Paranaense. Thomé recorda a importância da Clube, que há dois anos já mantinha programas jornalísticos no ar com uma equipe qualificada. ”Nós queríamos cobrir os principais assuntos da cidade,” (2005) mas a rádio não era conhecida nem mesmo pelas assessorias de imprensa que levaram algumas semanas para enviar material para o endereço da mais nova rádio da cidade.

Passada a fase de implantação, a chegada de novos equipamentos e o entrosamento da equipe, logo a CBN-Curitiba conseguiu atingir o seu público-alvo: as classes A e B. As agências de publicidade e os anunciantes também começaram a investir na rádio. Alguns dos profissionais contratados para assumir certas funções foram destinados a outras com o objetivo de melhor aproveitar as suas habilidades. O diretor de jornalismo da CBN-Curitiba enfatiza que “os primeiros dez dias foram suficientes para saber quem tinha talento para fazer rádio. Neste momento, também foi preciso fazer substituições imediatas. Foi, então, que a rádio passou a funcionar”( Wille, 2005).



Michelle Thomé, de rádio-escuta logo se tornaria pauteira da Rádio CBN –Curitiba. Thomé (2005) recorda que “no início, as sete repórteres cumpriam 5 pautas em uma jornada de sete horas. Todas as matérias eram feitas no local, com várias entradas ao vivo” durante os programas CBN - Edição da Manhã, das 9 às 12 horas, e CBN - Edição da Tarde, das 15 às 17 horas. O horário deste último programa foi ampliado, pouco tempo depois, em mais uma hora, iniciando às 14 horas.

Para a produção do CBN Debate, que até hoje é transmitido todos os sábados, das 10 às 12 horas, os repórteres preparavam ao longo da semana reportagens especiais para o tema da semana. O plantão de trânsito, no início, era feito todos os dias, nas horas de rush, com o repórter percorrendo, de helicóptero, o centro de Curitiba..

A produção pensava nos entrevistados mais interessantes para discutir os assuntos do dia e naqueles para os temas que supostamente preocupavam a população curitibana. Houve mais tempo para refletir e criar novas idéias para os programas locais. Além disso, os chefes de redação entravam em contato com as rádios do interior para que eles enviassem chamadas e matérias, com sonoras, dos assuntos das principais cidades do Estado. A intenção era trazer informação ao ouvinte curitibano do local onde a notícia ocorria, multiplicando as vozes do rádio.“A introdução do som ambiente no radiojornalismo através das sonoras contribuiu para a criação da imagem mental, permitindo ao ouvinte acompanhar o fato como se o estivesse presenciando, se envolvendo emocionalmente, apesar da distância física do acontecimento “ (Baumworcel, 2000).

Os boletins locais de um minuto cada, realizado nos intervalos comerciais, eram feitos ao vivo nos períodos da manhã e da tarde. Depois da Voz do Brasil, eram transmitidos boletins gravados, sempre de utilidade pública. Desde o seu surgimento, a rádio CBN- Curitiba se intitulou “uma rádio útil”. Neste sentido, o âncora da manhã e diretor de jornalismo José Wille foi responsável por fazer uma campanha permanente para as pessoas terem cuidado no trânsito. Até hoje breves boletins vão ao ar nos intervalos comerciais, recordando, como, por exemplo, a necessidade de olhar para os lados antes de abrir a porta do carro e, assim, evitar acidentes. Os boletins sobre a situação do trânsito, atualmente, são os distribuídos pela Prefeitura de Curitiba para todas as emissoras.

Uma nova equipe foi formada para a freqüência AM, criando a Banda B. Ao invés de retransmitir a programação da CBN, foi decidido atingir os públicos C, D e E com informação, notícias esportivas e policiais, música e entretenimento. Para o diretor de jornalismo da CBN-Curitiba, José Wille, essa rádio não foi para frente por culpa do departamento comercial. “Os atendimentos preferiam vender espaço para a CBN, que custava mais caro e o lucro era maior” (Wille, 2005). Apesar de equipes diferentes, a CBN e a Banda B somavam esforços no momento da apuração.

Em janeiro de 1999, a Banda B foi vendida para Luiz Carlos Martins. Hoje, a rádio do político é líder de audiência. “Pedir conselhos, mandar recados, encontrar pessoas desaparecidas, procurar emprego, ouvir mensagens de auto-ajuda e até arranjar namorado”(Kaseker, 2004, p. 102) são exemplos de como Luiz Carlos Martins conquista o seu público em um programa diário, com 4 horas de duração. Para Armando Balsebre (1993), as rádios sabem que grande parte da população é solitária. Por isso, buscam fazer papéis de companheiros.

5. Dos cortes à mudança de direção

Ainda em 1998, assim como ocorreu um ano antes com a Rádio Clube Paranaense, começaram os primeiros cortes com despesas. José Wille (2005) pensou que a chegada da CBN fortaleceria o radiojornalismo em Curitiba, que as outras emissoras também formariam departamentos de jornalismo. No entanto, os poucos departamentos de jornalismo que existiam logo foram extintos e a própria CBN, por problemas econômicos, precisou reduzir o quadro de jornalistas.

Carneiro Neto, conhecido cronista esportivo de Curitiba, assumiu a direção geral da CBN-Curitiba com a meta de cortar gastos e alavancar o esporte na CBN. Logo montou uma equipe de radialistas para fazer esportes muito mais numerosa que a redação de jornalismo. A CBN-Curitiba, que era sinônimo de informação para os ouvintes, passou a receber muitas reclamações. A programação nacional era cortada a qualquer instante para transmitir partidas do campeonato paranaense de futebol. Carneiro Neto queria ainda substituir os jornalistas do departamento de jornalismo, pois acreditava que era necessário otimizar custos. Os radialistas não tomaram o espaço dos jornalistas na redação da CBN-Curitiba, mas houve muitas reduções no seu quadro de profissionais. Com a equipe reduzida, aumentou o número de entrevistados no ar e muitas das matérias passaram a ser feitas por telefone. Não existia mais a função de pauteiro. Os jornalistas passaram a assumir atividades de pauta, edição, reportagem, produção e apresentação. “O repórter saia para rua quando o assunto exigia a presença dele no local”. (Thomé, 2005)

Carneiro Neto ficou apenas um ano como diretor geral. O cargo ficou vago até 2002, quando assumiu Eudes Moraes, também do Grupo Inepar. Com a posse do novo diretor geral, Eli Tomaz de Aquino, diretor administrativo da CBN-Curitiba desde o seu surgimento, pede demissão. De 2002 a 2004, Eudes Moraes reformou as instalações da redação e comprou novos equipamentos para a emissora, mas provocou muitos atritos com a direção de jornalismo. Em 2003, por divergências administrativas, o diretor de jornalismo da CBN-Curitiba, José Wille, pede demissão e, junto com ele, saem Michelle Thomé, Gladimir Nascimento, Jordana Martinez e Thiago Eltv. Neste mesmo ano, José Wille, Gladimir Nascimento e Michelle Thomé apresentaram um projeto de radiojornalismo ao empresário Joel Malucelli, dono da 96 Rádio Rock. “O jornalismo e o entretenimento foram a fórmula para aumentar o índice de audiência pela manhã”. (Wille, 2005).

No lugar de José Wille assumiu Toni Casagrande, contratado pela CBN após a venda da Banda B, onde exercia o cargo de repórter. Antes de tornar-se diretor de jornalismo da afiliada do Sistema Globo de Rádio, Casagrande foi âncora do programa da tarde. Na chefia de redação ficou Melissa Bergonssi, que já era repórter da emissora. Alguns outros repórteres foram contratados para substituir perdas de jornalistas. A nova equipe sentia vontade de mudar, apesar de manter em quase toda a programação a personalidade impressa por José Wille, utilizando, inclusive, o slogan criado pelo próprio jornalista: “CBN-Curitiba – uma rádio útil”. Houve, neste momento, inovações na agenda de entrevistados. Mas, os obstáculos continuaram. Para preencher o horário da programação local foi necessário repetir muitas matérias gravadas, ler jornais e releases no ar, além de fazer mais entrevistas por telefone. Muitas vezes, a emissora local informava os boletins de trânsito de São Paulo. Na verdade, havia muita informação sem sentido no ar. E, como destacam Duval e Haussen (2000), “o jornalismo no rádio tem o propósito de atender às necessidades locais, de ser um espaço para a prestação de serviços e divulgação de informações do interesse do receptor.”

7. CBN-Curitiba com novo proprietário

No dia 26 de fevereiro de 2004, Mário Celso Petraglia vendeu a rádio CBN para o empresário Joel Malucelli, já proprietário das rádios 96 Rock FM e Rádio Globo AM. (Starck, 2004). Ainda em março de 2004, José Wille volta a assumir a direção de jornalismo da CBN-Curitiba, trazendo com ele Michelle Thomé para a chefia de redação e Gladimir Nascimento na de reportagem.

Eles não são contratados, agora a empresa de cada um deles presta serviços para a afiliada que passou ter a razão social Rádio 90.1 FM. “Essa situação é horrível, mas hoje é a única forma de ganhar mais que o piso salarial dos jornalistas” (Thomé, 2005). Essa prática vem sendo adotada por muitos empresários que desejam diminuir os seus encargos. O mercado também exige que o profissional seja multimídia para atuar em vários veículos e em funções diferentes.

Com a volta de José Wille a CBN-Curitiba, parte da equipe foi demitida e outra recontratada pelo piso salarial pela mais nova empresa do Grupo J. Malucelli. Hoje, a equipe é formada por 10 jornalistas7, 1 radialista, 3 assistentes, 6 técnicos e 2 motoristas. Tanto no programa da manhã como no da tarde, a última meia hora é dedicada ao CBN Esporte. Linhares Junior, o apresentador, e a sua equipe também prestam serviços para a 90.1 FM, não são contratados.

Entre as assistentes da CBN-Curitiba, uma é responsável pelo site da emissora. Muitos links não funcionam, as matérias até são atualizadas e é possível ouvir toda a programação ao vivo. No entanto, o histórico da rádio ainda não foi atualizado. Apesar da Internet ser considerada uma ferramenta fundamental para a equipe da Rádio CBN-Curitiba, o site da emissora (www.tudoparana.com.br/cbn) apresenta muitos problemas de ordem técnica, ergonômica e textual. A assistente responsável pela atualização do site, assim como as assistentes do estúdio, não são jornalistas. “Precisamos ter o nosso próprio servidor, sabemos que temos que resolver esses problemas com urgência”. (Wille, 2005)

Michelle Thomé revela que hoje chegam à redação da CBN-Curitiba mais de 300 releases por e-mail, “aproveitamos todos os que possam despertar o interesse no maior número de pessoas” (Thomé, 2005). Neste sentido, Heródoto Barbeiro destaca que “o segredo do rádio é as pessoas precisarem dele.... Por exemplo: eu preciso trabalhar aqui no computador e, ao mesmo tempo, me informar do que está acontecendo. ... Como eu faço? Ouço as notícias, certo? Por isso a gente precisa do rádio.” (Barbeiro, 2003)

Quando questionados sobre a agenda da CBN-Curitiba, onde os entrevistados consultados são quase sempre os mesmos, Michelle Thomé e José Wille são categóricos em afirmar que não podem arriscar colocando no ar uma pessoa que não saiba falar no rádio. “Os debates de sábado, que têm despertando um grande interesse do público, abrimos muito espaço para uma pessoa falar. Por isso, apostamos naquelas que sabemos que têm conteúdo e se comunicam bem (Thomé, 2005). Neste sentido, o perfil descrito no site nacional da CBN: “caracterizada por ser uma emissora plural, dá espaço para as diversas vozes da sociedade, na busca constante da isenção e credibilidade”(radioclik.globo.com/cbn/insti/historia.asp), acessado em 27 de fev. de 2005 acaba comprometido. É verdade que os ouvintes podem participar todos os dias por telefone ou e-mail, quando questionados sobre um tema escolhido pela redação. No entanto, é a produção quem anota o recado do ouvinte para o locutor ler no ar.

8. Algumas considerações sobre a Rádio Clube e a CBN-Curitiba

Ao se fazer uma análise superficial da Rádio Clube Paranaense, pode-se observar que o jornalismo não é mais uma das prioridades da emissora, como o era nos anos 90. A reportagem, devido ao pouco recurso, busca soluções para os problemas sem viver a situação no local, utilizando para isto entrevistas, por exemplo, em estúdio. Dessa forma, como comenta Luiz Witiuk (2005), “não há perda de conteúdo, porém perde-se o dinamismo do rádio. Quando o repórter fala do local há um efeito para o ouvinte, pois ajuda a fazê-lo acreditar que aquilo está acontecendo, pois o repórter está ali. Quando se faz a entrevista por telefone parece que a distância é enorme, que não há um envolvimento direto”.

Meditsch ao citar Gomis (2001, p. 108) reforça esta precariedade ao dizer que

A dependência em relação aos centros geográficos e políticos é tanto maior quanto mais limitado for o orçamento e a estrutura do rádio. Uma emissora com poucos repórteres vai concentrá-los nos locais habituais pelas possibilidades de produzirem notícias em maior quantidade, enquanto uma rádio com grande estrutura poderá apurar informações por iniciativa própria, fora do circuito das fontes oficiais. Assim quanto menor o orçamento, maior será o peso da rotina de produção sobre o conteúdo dos noticiários.


Assim, uma emissora do porte e tradição como a Rádio Clube perde a oportunidade de criar um jornalismo adequado a um público específico e se o “jornalismo é uma forma de produção de conhecimento sobre a realidade, assim como o são também o senso comum utilizado na comunicação e na prática cotidiana, a ciência, a religião, a arte ou a filosofia ...” (MEDITSCH, 2001, p.226), no rádio, pelo menos, passa a ser um mero transmissor do que acontece nos jornais ou na internet, veiculando, às vezes, notícias velhas, sem tempo para serem devidamente apuradas. O repórter faz uma seleção do que acha prioritário e as matérias são editadas de forma superficial e levadas ao ar, pois não há tempo para serem melhor produzidas.

Se por um lado o ouvinte perde por não ter informação com qualidade, por outro a emissora também não ganha nada, ou melhor, pode até ter a audiência transferida para quem faz um pouco de jornalismo com credibilidade. Na opinião de Witiuk (2005) não há em Curitiba um jornalismo amplo, dinâmico. “Primeiro pelo volume de emissoras com poucos departamentos de jornalismo ... e depois, se você não tem a vivência jornalística é evidente que não tem o que enxergar, entra no ciclo vicioso: não se faz jornalismo mais amplo porque é caro e porque é caro não se faz jornalismo e não se vende jornalismo. É necessário ter profissionais qualificados para vender o jornalismo, profissionais que tenham respeito e expressão”.(Witiuk, 2005)

A produção de entrevistas passou a ser a espinha dorsal da CBN-Curitiba depois que a rádio foi obrigada veicular de duas a três horas de entrevistas, no total da programação local, devido a redução de entradas ao vivo dos repórteres e matérias gravadas. Balsebre (1998, p17) aponta que um programa de entrevistas pode despertar o interesse do ouvinte: “una entrevista no es solamente una sucesión de preguntas y respuestas: es un intercambio de información, un sistema interactivo entre entrevistador y el entrevistado.” Para isso, no entanto, não basta um bom entrevistador. “Há necessidade de bons produtores, mas é muito difícil encontrá-los. A maioria não conhece muitas fontes. Além disso, esse profissional também precisa ir para o ar com a falta de pessoal na redação” (Wille, 2005).

Na segunda-feira, “quando a cidade está reacordando, é comum que a CBN-Curitiba repercurta na cidade fatos que foram publicados em revistas e jornais de circulação nacional.”(Wille, 2005). Normalmente, antes de colocar um entrevistado no ar, o âncora e o comentarista Geraldo Mazza discutem o assunto. Dessa forma, ”o sistema ‘all news’ se destaca na cobertura de ‘grandes acontecimentos’. Porém, no dia-a-dia, quando fatos relevantes não ocorrem, há necessidade de repetição da informação ou da popular “encheção de lingüiça” que cansa o ouvinte.” (Baumworcel ,2000)

Durante a observação in loco dos programas CBN Manhã e CBN Tarde foi possível verificar a evolução da produção nestes quase dez anos no ar, que ganhou em agilidade. Há, no programa da manhã, várias entradas ao vivo dos três repórteres sobre assuntos que interessam a população, como trabalho, transporte, segurança. As notícias de utilidade pública são priorizadas, mas as matérias produzidas sobre política, economia, policial etc. não recebem o devido tratamento e perdem em qualidade por falta de pessoal. Assim como na Clube, foram lidas informações publicadas nos jornais do dia, mas as fontes foram citadas, o que nem sempre acontece. José Wille, no entanto, faz questão de frisar que ele sempre cita as fontes por respeito ao trabalho dos colegas jornalistas. À tarde, por sua vez, ao assumir múltiplas tarefas, por exemplo, o âncora, um minuto antes de seu programa entrar no ar, ainda tentava editar uma entrevista feita por um repórter da manhã.

Apesar das dificuldades de infra-estrutura (muitas vezes os computadores travam) e de pessoal, a equipe de jornalismo da CBN-Curitiba tenta seguir o slogan “uma rádio útil”, porém observa-se que só a experiência desses profissionais, tanto da área jornalística como técnica, mantém, com algum custo, a programação local no ar.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


AMBONATTI, Jurandir. Entrevista pessoal concedida à Claudia Irene de Quadros, em 9 março de 2005.

BARBEIRO, Heródoto. Entrevista por e-mail concedida a Rodrido Rodrigues, em 27 ago. de 2003, disponível no site http://www.radioagencia.com.br.

BAUMWORCEL, Ana. Radiojornalismo e sentido no novo milênio, XXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Manaus, 2000.

BALSEBRE, Armand. 1993, La credibilidad de la radio informativa. Feedback, Universidad Autónoma de Barcelona, 1993.

___________ in BALSEBRE, Armand, MATEU, Manuel e VIDAL, Davi. La Entrevista en Radio, Televisión y Prensa, Madrid, Ediciones Cátedra, 1998.

DUVAL, Adriana Ruschel e HAUSSEN, Doris Fagundes. Redes radiofônicas e produção local: um estudo de caso, XXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Manaus, 2000.

FERRARETO, Luiz Artur. Rádio: o veículo, a história e a técnica. Porto Alegre: editora Sagra Luzzatto, 2001.

KASEKER, Mônica. O desempenho eleitoral de radialistas políticos nas eleições proporcionais de 2002 no Paraná. Dissertação apresentada para a obtenção do título de Mestre em Ciências Sociais pela UFPR, Curitiba, 2004.

KRÜEGER, Flávio. Entrevista pessoal concedida à Elisangela Ribas Godoy, em 9 de março de 2005.

MEDITSCH, Eduardo. O rádio na era da informação – teoria e técnica do novo rardiojornalismo. Florianópolis: Insular, Ed. Da UFSC, 2001.

NASCIMENTO, Maí. Nas ondas do rádio. Boletim Informativo da Casa Romário Martins. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v.23, n.115, 1996.

QUADROS, Claudia Irene de. El renacimiento de la radio. Revista Latina de Comunicación Social, número 1, enero de 1998, La Laguna, Espanha, citando MARINHO, José Roberto, Sistema Globo de Radio, I Seminário Internacional de Radiojornalismo, São Paulo, 28 de maio de 1996.

STARK, Daniel. Mario Celso vende a CBN Curitiba. Publicado em 01 mar. de 2004, no site www.tudoradio.com/arquivos/news_cbn04.htm, acessado em 24 de fevereiro de 2005.

THOMÉ, Michelle. Entrevista pessoal concedida à Claudia Irene de Quadros, em 9 março de 2005

WELTMAN, Fernando Lattman in MARTINS, Sérgio. A Nova Era do Rádio, Veja, ano 38, número 9, Ed. Abril, São Paulo, 2 mar. de 2005, p. 107.

WILLE, José. Entrevista pessoal concedida à Claudia Irene de Quadros, em 10 março de 2005.

WITIUK, Luiz. Entrevista pessoal concedida à Elisangela Ribas Godoy, em 09 março de 2005.

WITIUK, Luiz. Rádio Clube Paranaense – B2 – 70 anos no ar. Monografia apresentada para obtenção do título de especialista – PUC, Pr. Curitiba: 1995.



11 Claudia Irene de Quadros é doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de La Laguna, Espanha. Professora doPrograma de Mestrado em Comunicação e Linguagens da UTP – Universidade Tuiuti do Paraná. Também ministra a disciplina de jornalismo online para o Curso de Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo

(claudiaquadros@hotmail.com).



2 Elisangela Ribas Godoy é mestre em Mídia e Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora de radiojornalismo e projeto experimental em rádio da UTP (elisangela.godoy@utp.br).

2


3 O levantamento das emissoras em Curitiba foi realizado com o auxílio do Almaque IBOPE (2005) e a lista dos veículos radiofônicos divulgados no site do Governo do Paraná. Em Curitiba, estão localizadas as seguintes emissoras AM: Rádio Globo, Atalaia, Banda B, Difusora 590/Ouro Verde AM, Capital, Colombo, Clube Paranaense/B2, Cultura do Paraná, Educativa AM, Independência, Marumby, Nacional, Rádio Paraná, Universo/Tupi Ltda e Brasil Tropical. Em FM, funcionam: 96 Rádio Rock, Clube FM, 98 FM, Caiobá FM, CBN-Curitiba, Educativa FM, Gospel, Jovem Pan, Marumby FM, Melodia FM, Novo Tempo, Ouro Verde FM, Scala FM, Transamérica Hits, Transaméria Light, Transamérica Pop, Band FM, Capital FM.

4 Entre os jornalistas que fizeram parte da equipe do primeiro departamento de jornalismo da Rádio Clube Paranaense estão Luiz Witiuk, Magaly Floriano (que depois foi para a CBN Curitiba), Suzane Verner e Valter Viapiana.

5 O diretor de Jornalismo da Rádio CBN, José Wille, antigo apresentador e editor chefe do Bom Dia Paraná, da Rede Globo, comandou, em 1994, por sete meses um programa de radiojornalismo na Rádio Independência AM, do então proprietário Luciano Petrelli. Magaly Floriano, uma das produtoras contratadas para CBN-Curitiba, já tinha trabalhado na Rádio Clube Paranaense. Claudia Quadros, a primeira chefe de redação da emissora, que trabalhou como repórter na Gazeta do Povo e editora da TV Paranaense, da RPC – Rede Paranaense de Comunicação, foi, no início de carreira, por oito meses redatora da 98 FM, uma rádio musical que apresentava aos seus ouvintes notas culturais, curiosas e de utilidade pública. Tatiana Weiheber e Luciana Pombo, antes de ingressarem na CBN-Curitiba, eram repórteres da Rádio Independência. A maior experiência era do radialista Jurandir Ambonatti, antigo funcionário da Estação Primeira. Agora em 2005, Ambonatti completa 34 anos de trabalho no rádio.

6 Norberto Oda, produtor da CBN e, depois, chefe de redação, era editor do Bom dia Paraná, da TV Paranaense, afiliada da Rede Globo. Mira Graçano já tinha passado por vários canais locais de televisão. Verônica Macedo foi por muitos anos repórter da TV Paranaense e Monica Kaseker tinha experiência em jornal e televisão, mas logo destacou-se no rádio por sua dinâmica nas entradas ao vivo. Carmem Murara era repórter de economia da sucursal da Folha de Londrina. Muitos desses profissionais hoje voltaram para televisão, assumiram cargos em assessorias e outros seguiram a carreira acadêmica.

7 A atual equipe de jornalistas da CBN Curitiba é formada por José Wille, Gladimir Nascimento, Michelle Thomé, Marcos Tosi, Denise Morini, Roberta Canetti, Lenize Klenki, Eduardo Ribeiro e Álvaro Borba. Para a produção, com a saída de Cátia Agustin será contratado um novo jornalista. O radialista Jurandir Ambonatti, que no início fazia apenas reportagens policiais, hoje também faz plantões como âncora da emissora.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal