Nosso Deus é Maravilhoso!



Baixar 0,87 Mb.
Página4/6
Encontro12.07.2018
Tamanho0,87 Mb.
1   2   3   4   5   6

Os exemplos da providência de Deus no Antigo Testamento

A Bíblia é o melhor livro a respeito da providência de Deus. Nós O vemos trabalhando em favor de Seu povo de ma­neiras a tirar o fôlego. Seu tempo é perfeito. Sua organização das circunstâncias é estelar. Ele é o divino Jogador de Xadrez,

- NOSSO DEUS E MARAVILHOSO! ­

movendo as peças sobre o tabuleiro de maneira que tudo seja dirigido com sabedoria, poder e amor. Em seu livro The History of Providence [A História da Providência], Alexander Carson escreve:

Providência é a mão de Deus governando o mundo. Deus faz a Sua vontade através de ações voluntárias dos homens, e efetua seu propósito tanto por meio de Seus inimigos quan­do por meio de Seus amigos; e através da desobediência e ignorância de Seu povo, assim como através da obediência e do conhecimento deles. Fazer um relato sobre isso seria além do alcance do intelecto humano. O homem orgulhoso tenta sondar o abismo e, quando fracassa, ele se alivia ne­gando a existência do abismo. Ele não receberá ambas as partes da verdade, mas (...) modificará uma delas de forma que se encaixe com a outra, para que ele possa se gloriar por ser capaz de descobrir as profundezas das coisas do in­sondável Deus. O que ele não consegue entender, para ele aquilo não pode ser verdade. Será que o homem fútil jamais deixará de lutar contra o Todo-Poderoso? Será que ele nunca aprenderá que os caminhos de Deus são inescrutáveis? "Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhe­cimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!" (Rm 11.33).2

Agora, vamos dar uma olhada em alguns exemplos notá­veis da providência de Deus no Antigo Testamento, prestando atenção a Sua originalidade e variedade.



A oferta de Abraão: Isaque (Gn 22)

A disposição que Abraão teve para sacrificar Isaque é um dos fatos que mais toca nosso coração em toda a história bíbli­ca. Deus havia solicitado a ele para oferecer seu filho amado Isaque como uma oferta queimada. Isso significava nada menos que seu único filho iria ser totalmente consumido pelo fogo.

A MARAVILHOSA PROVIDÊNCIA DE DEUS

Quando o pai, cheio de emoção, estava para cravar uma

faca no coração do ser mais amacio de sua vida, uma Voz lhe

disse para parar. Era o Anjo do Senhor, o próprio Filho de

Deus, com uma aparência da pré-encarnação.

Alguma coisa ou Alguém fez com que Abraão se viras­

se. Surpresa! Ali estava um carneiro cujos chifres estavam

enroscados em um arbusto. Abraão pegou o carneiro e o ofe­

receu no lugar de Isaque.

Deus proveu! Abraão deu àquele lugar o nome de O Se­



nhor Proverá. Se isso tivesse acontecido hoje, ele poderia ser

chamado de Monte da Providência.



Isaque e Rebeca (Gn 24)

O servo de Abraão foi à Mesopotâmia para encontrar espo­sa para Isaque. Uma tardinha, ao sentar-se ao lado de um poço do lado de fora da cidade de Naor, ele pediu ao Senhor que lhe revelasse a mulher certa de uma maneira específica: se ela não apenas lhe desse água para beber, mas também oferecesse água para os camelos, ela seria a mulher certa para Isaque. Muitas mulheres vieram ao poço, mas apenas Rebeca satisfez os requi­sitos. O Senhor havia guiado o servo a orar por direcionamento; então Ele o fez encontrar-se com Rebeca e pedir água para be­ber; finalmente Ele levou Rebeca a dizer e fazer a coisa certa. Assim, Deus providenciou uma esposa para Isaque e escreveu mais um capítulo da linhagem de antecessores do Messias.



José (Gn 37-50)

O Senhor havia dito a Abraão que seus descendentes seriam deslocados de Canaã e seriam escravos em uma terra estranha por 400 anos. Finalmente eles voltaram da­quela terra com grandes posses (Gn 15.13-14). Então, Ele fez com que essa promessa se cumprisse de uma maneira engenhosa, através de um jovem rapaz chamado José. Os irmãos invejosos desse rapaz montaram uma trama para

61

- NOSSO DEUS É MARAVILHOSO! ­



matá-lo, mas finalmente desistiram e o venderam a uma caravana de negociantes. Foi assim que José ganhou uma passagem de graça para o Egito. Lá, um oficial do Faraó o comprou e por um tempo ele prosperou em seu novo am­biente, mas a mulher de seu senhor o acusou falsamente de sedução, e José foi parar na prisão. Será que o programa de Deus havia falhado?

Não; enquanto estava na prisão, José demonstrou-se capaz de interpretar sonhos. Logo, quando Faraó teve um sonho que seus astrólogos não conseguiram decifrar, che­gou a seu conhecimento que um prisioneiro chamado José poderia ajudá-lo.

Liberto da prisão, José revelou que uma fome mundial estava por vir e sugeriu um plano mestre para lidar com esse problema. Suas habilidades administrativas o levaram a ocu­par o segundo lugar no reino.

Quando a fome chegou a Canaã, os irmãos de José tiveram que fazer três viagens ao Egito para comprar alimentos. Seu pai, Jacó, e toda a família foram na última leva. José os instalou nas ricas pastagens de Gósen, um verdadeiro jardim do Egito.

Depois que José morreu, um novo Faraó escravizou os israelitas e se recusou a libertá-los, mas sua vontade foi que­brada na noite da Páscoa. Israel escapou, levando consigo grandes posses, como Deus havia predito a Abraão.

Moisés (Êx 2)

Geralmente, quando Deus está para fazer algo impor­tante, um bebé nasce. Neste exemplo, o nome do bebé era Moisés. Para escapar ao edito assassino de Faraó, sua mãe o colocou em um cestinho e o deixou ser levado pelo rio. Será que foi coincidência que a filha do governante tenha vindo ao rio para se banhar exatamente naquela hora? Talvez fosse

o choro do bebé que direcionou a atenção dela para o cesti­nho no meio dos juncos. A compaixão dela aflorou. Mas, em vez de levar o bebé para o palácio, ela prometeu pagar a uma

- A MARAVILHOSA PROVIDÊNCIA DE DEUS ­

mulher local para cuidar dele. Como se sabe, a mulher local era a própria mãe de Moisés. Grandes portas movem-se presas a pequenas dobradiças.

Rute (Rt 1-4)

Conheçam um casal de judeus, Elimeleque e Noemi, e

seus doisfilhos, Maalon e Quiliom. A fome fez com que eles

se mudassem de Belém em Canaã para a gentílica Moabe,

uma mudança questionável. Osfilhos se casaram com Rute e

Orfa, e depois o pai e os dois jovens maridos morreram.

Quando Noemi se determinou a voltar para casa, Rute de­cidiu ir com ela. Era o começo da colheita de cevada quando elas chegaram a Belém.

Quando um israelita morria, era importante que a terra permanecesse na família e que houvesse posteridade para dar continuidade ao nome de família. Um parente próximo deve­ria casar-se com a viúva.

Nunca tendo sido preguiçosa, Rute foi catar espigas em um campo de cevada. Aconteceu que o campo pertencia a um homem chamado Boaz, e também aconteceu que Boaz era um parente do falecido marido de Noemi.

Boaz estava disposto a ser o resgatador de Rute, mas havia complicações legais; um parente mais próximo tinha prioridade em reivindicá-la. Quando o parente mais próxi­mo escolheu não redimir Rute, Boaz o fez. Através dessa união, Rute se tornou a avó de Davi e assim uma ancestral do Senhor Jesus.



Ester (Et 1-10)

Na história de Ester, verificamos o que J. G. Bellett chamou de

...o maravilhoso entrelaçamento de circunstâncias. Existe uma intriga e a frustração da intriga, assuntos complicados,

63

- NOSSO DEUS É MARAVILHOSO! ­

circunstâncias pairando sobre circunstâncias, tudo cooperan­do para fazer funcionar os maravilhosos planos de Deus.

Essas foram coincidências projetadas. Nenhuma delas aconteceu por acaso.

Uma escrava judia ganhou um concurso de beleza e se casou com um rei gentio, uma circunstância altamente irre­gular. O primo dela, Mordecai, ouviu falar sobre uma trama contra o rei, notificou Ester e a vida do rei foi preservada. Não houve nenhuma palavra de agradecimento. Não houve nenhuma recompensa.

Um patife chamado Hamã convenceu o rei de assinar um decreto inalterável para exterminar os judeus. Foram jogadas sortes para determinar a data da execução. Era daí a um ano (Deus controlou o jogo de sortes).

Estava claro que Ester deveria aparecer diante do rei para interceder por seu povo e por si mesma, mas havia uma com­plicação. Se ela entrasse na presença do rei e ele não levantas­se seu cetro em direção a ela, estaria condenada a morte. Não havia certeza de que ele levantaria seu cetro porque o rei e a rainha Ester não haviam estado juntos por 30 dias.

Ester encarou o perigo e buscou a presença do rei. Ele levantou seu cetro e perguntou o que ela queria. Sua soli­citação parecia pouco convincente, nada relacionada com a crise que eles estavam enfrentando. Tudo o que ela queria era convidar o rei e Hamã para um banquete. Porque ela não falou tudo claramente de uma vez?

No banquete ela pareceu enrolar os dois ainda mais. Ela solicitou ao rei e a Hamã que viessem a um segundo banque­te. Hamã estava mais que feliz. Mas em seu caminho de volta a sua casa, eleficou furioso porque Mordecai não se prostrou diante dele, então Hamã ordenou que fosse construída uma forca para pendurar aquele judeu obstinado.

No tempo entre os dois banquetes, o monarca teve uma tremenda insónia. Ele ordenou que a história de seu reina­do fosse trazida à sua presença. Dentre todos os livros da bi­

- A MARAVILHOSA PROVIDÊNCIA DE DEUS ­

blioteca, eles por acaso trouxeram um que registrava aquela história sobre como Mordecai havia revelado a trama contra

o monarca. Aquela foi a hora certa para o primo de Ester ser homenageado, para aflição de Hamã.

No jantar, Ester expôs Hamã como inimigo de seu povo, e o rei respondeu ordenando a morte dele. Alguém mencionou que havia uma forca ali perto, aquela que Hamã havia cons­truído para Mordecai. Hamã foi imediatamente executado.

Mas o decreto imutável para a exterminação dos judeus continuava em vigor. Verdadeiramente, ele não poderia ser modificado, mas um novo decreto poderia ser passado, per­mitindo que os judeus se defendessem. Bem, eles tinham tido um ano todo no qual puderam se armar (Et 3.7; 9.1). O Senhor havia maravilhosamente lhes proporcionado libertação. Eles se defenderam com grande destreza e desde então sua vitória tem sido celebrada com a Festa do Purim.

Daniel e seus amigos (Dn 1-6)

Daniel e seus três amigos colocaram em risco suas car­reiras no reino de Babilónia ao se recusarem a comer da cozinha real qualquer comida que não fosse kosher, isto é, alimento preparado de acordo com os preceitos judaicos. Com essa recusa de fazerem tal concessão, eles excederam em aparência, sabedoria e conhecimento e ganharam uma promoção na corte.

Quando nenhum dos astrólogos conseguiu interpretar o so­nho do rei, Daniel deu um passo à frente e explicou o sonho em detalhes. Isso lhe proporcionou uma promoção ainda maior.

Mais tarde, quando o rei exigiu que todos se prostrassem diante de sua imagem de ouro, Sadraque, Mesaque e Abe­denego não se prostraram e, por causa dessa desobediência, passaram a noite em uma fornalha acesa. Mas o Senhor estava com eles na fornalha; eles saíram dali sem um ferimento se­quer. Nem mesmo cheiro de fumaça estava sobre eles. Apenas as cordas que os prendiam foram consumidas.

65

A única maneira pela qual os inimigos invejosos de Daniel puderam achar culpa nele foi passando uma lei que proibia ora­ções dirigidas a qualquer outro que não fosse o rei. Daniel prefe­riu estar numa cova com leões ao invés de parar de orar a Deus. Sua situação parecia sem esperanças, mas Deus trancou as man­díbulas dos leões e eles ficaram como indefesos gatinhos.



Jonas

Quando o desobediente profeta Jonas quis escapar da presença do Senhor, um navio estava esperando no cais do porto para levá-lo a Tarsis. Muito conveniente! Quando tudo parecia estar caminhando do jeito que ele queria, veio uma tempestade sobre o navio, causando terror e desespero. Nem tão conveniente! Quando a tripulação procurou saber

o motivo da tempestade, a sorte caiu em Jonas. Deus estava falando. Mesmo quando Jonas foi jogado ao mar, o grande peixe estava aguardando para engoli-lo. A voz de Deus es­tava ficando mais alta. Mais tarde, quando o profeta ficou amuado por causa da misericórdia de Deus com relação a Nínive, o Senhor preparou uma planta com grandes folhas para protegê-lo do sol. O Senhor é gracioso.

Toda a história é o registro da providência de Deus, quer vejamos ou não. Às vezes, isso fica mais óbvio que outras ve­zes, mas Ele sempre está lá, cuidando dos Seus. Agora vamos nos voltar para ver como Ele Se mostrou forte em favor dos crentes em situações mais recentes.



Ele os guiou em segurança3

Robert e Ellen Stephen perceberam que o Senhor os esta­va dirigindo no sentido de deixarem a Escócia e irem servi-10 na China - em Shantung, para ser específico. Ambos vieram de um sólido passado bíblico; eles haviam lido e estudado a Bíblia e haviam memorizado grandes porções dela. Esse fato foi uma parte importante na história.

66

- A MARAVILHOSA PROVIDÊNCIA DE DEUS -



Às vezes Ellen era tomada por medo no que se refere a dar esse passo pela fé. Afinal, seu marido tinha apenas 23 anos de idade. O futuro estava cheio de pontos de interrogação. Então, uma noite Ellen pediu ao Senhor algumas palavras de confirmação, algumas promessas de que Ele daria paz ao seu espírito. Quase que imediatamente ela foi tocada pelo Salmo

78.53. Ela não conseguia tirá-lo de sua mente: "[Ele] dirigiu­



o com segurança, e não temeram ".

Eles partiram de Peterhead e pararam em Glasgow na primeira parte da jornada. Em uma reunião lá, encontraram­se com o homem de Deus Andrew Bonar, que lhes deu a bênção sacerdotal aarônica (Nm 6.24-26). Depois, impon­do suavemente as mãos sobre o ombro de Ellen, ele disse: "Quando seu marido estiver itinerante, você pode muitas ve­zes se sentir sozinha; mas lembre-se: '[Ele] dirigiu-o com segurança, e não temeram'".

Enquanto estavam em Glasgow, eles ficaram com o Sr. e a Sra. Robert Barnett, depois se mudaram para Bath, na Ingla­terra, onde ficaram com o Dr. e a Sra. Maclean. Sobre a pedra da lareira estava incrustado o versículo de Ellen (SI 78.53).

A próxima parada foi a cidade de Leominster, na qual a Sra. Yapp foi sua hospedeira. No último dia ali, aconteceu dela per­guntar à Sra. Stephen se a mãe dela ainda estava viva. Ellen ex­plicou que ela havia morrido três meses antes. Tomando a mis­sionária que estava de partida em seus braços, a Sra. Yapp disse: "O Senhor foi gracioso com sua mãe, mas não tenha medo, que­rida; '[Ele] dirigiu-o com segurança, e não temeram'".

Dali, partiram para Londres e para Tibury, de onde embar­caram para a China. Uma porção de cristãos vieram para vê­los partir. Uma senhora cujo nome Ellen nunca ficou sabendo passou a ela um bilhete com o Salmo 78.53 escrito nele.

À medida que o navio se movia para longe do porto, um homem fez um megafone com suas mãos e gritou: "[Ele] di­rigiu-o com segurança, e não temeram ".

A viagem pelo oceano foi sem problemas até que chega­ram a Hong Kong. Ali um tufão os golpeou repetidamente

- NOSSO DEUS E MARAVILHOSO! ­

durante três dias - e Robert e Ellen tiveram um filho, que nasceu naqueles dias.

Em Shangai, o Sr. Stephen perguntou ao capitão se ele pode­ria deixar sua esposa e seu bebé a bordo enquanto ele ia à cidade tentar localizar um hospital. O capitão teve uma ideia melhor.

"Eu enviarei você ao porto na lancha da Alfândega". Então, vendo uma outra lancha se aproximando, corrigiu: "Não, enviarei você naquela ali; eles são semelhantes a vocês".

A prancha para embarque e desembarque foi baixada e um homem subiu a bordo. Após cumprimentar o capitão, ele olhou para Robert e disse: "Por acaso seu nome é Stephen?"

"Sim, é. Mas quem é o senhor, se me permite perguntar?"

"Meu nome é Tom. Você e sua esposa ficaram com meu cunhado em Glasgow. Vá buscar sua esposa e eu os levarei à cidade".

Robert explicou que agora eles eram três e que ele agrade­ceria se Tom pudesse dirigi-los imediatamente a um hospital.

"Hospital? Hospital? Vocês não vão querer ficar em um hospital. Eu tenho uma esposa e uma casa; vá dizer à sua es­posa que ela não tem nada a temer. Apronte-a e irei à cidade pegar uma ambulância".

Logo depois, a família Stephen estava confortavelmente instalada na casa de Tom e de sua esposa. Quando Ellen foi para a cama naquela noite, ela viu na parede um versículo das Escrituras que lhe era familiar: "[Ele] dirigiu-fosj com segu­rança, e não temeram ".

Muitos anos mais tarde, depois que Ellen foi para casa estar com o Senhor, sua filha Lois escreveu o que segue:

Minha mãe queria que aquele versículo fosse a mensa­gem do próprio Deus para ela. Ela não falou a ninguém so­bre as aparentes coincidências. Mas, em meio a provações, os Boxer [N. T. sociedade de fanáticos chineses] crescendo, meu pai sofrendo de várias enfermidades sérias, e em meio a um motim e a uma guerra civil, nada pode mover a fé de minha mãe; ela era uma 'torre forte' para todos nós. A saúde

68

- A MARAVILHOSA PROVIDÊNCIA DE DEUS

que ia se esvaindo não a abalava, e foi quando ela soube que ia partir que ela nos contou toda a história. Ninguém imagina

o que tudo aquilo significou para mim!



Conversa sobre problemas com o carro!

Ao coletar histórias sobre a maneira maravilhosa em que Deus provê para Seu povo, mesmo debaixo das circunstâncias mais improváveis, fiquei assombrado pelo número de histó­rias que falavam a respeito de crises com os carros. Aqui está uma que nos deixa emocionalmente exaustos quando pensa­mos nos bloqueios de estradas que aconteceram e na enge­nhosidade do Senhor em removê-los.

David e Eleanor Long eram missionários em um dos locais mais primitivos e isolados de Angola. Eleanor estava grávida e era necessário que eles viajassem para Boma para receber cuidados médicos.

A criança não deveria nascer antes de fevereiro, mas de­zembro e janeiro eram meses chuvosos e as estradas se tor­navam um mar de lama, os rios transbordavam e as pontes provisórias geralmente eram levadas pelas águas. O veículo deles, uma picape, tinha sete anos de uso e a viagem teria entre 850 e 1.000 quilómetros, dependendo de qual estrada de terra eles usariam.

Umas seis semanas antes da partida planejada, David teve que dirigir até Malange para comprar os suprimentos mais necessários. Em seu retorno, a caminhonete sobrecarregada começou a falhar, aquecer demais e a perder a força.

David deixou que ela esfriasse por uns momentos, deu par­tida novamente e dirigiu os últimos quilómetros até em casa com o carro tossindo e dando solavancos. Sem saber qual era o problema real, David desmontou a peça toda. Até aí, tudo bem. Mas quando ele recolocou as partes, ele não reassentou a bom­ba de óleo como deveria. Confiantemente, ele instalou uma nova caxeta de cabeça de cilindro e deu partida no motor. Mas,

69

quando ele fez isso, a bomba saiu do lugar e o cabo da manive­la a levou ao lado do motor deixando um buraco aberto.



E agora, o que fazer? Não havia casa de peças de auto­móveis, nem oficinas mecânicas para consertos, nem carros como aquele em nenhum lugar naquele distrito. A possibi­lidade de encontrar um bloco de motor compatível era pra­ticamente zero. E, mesmo que ele encontrasse outro motor, ele não tinha dinheiro para comprá-lo e nem um mecânico para instalá-lo. A perspectiva era horrível. Era o pior apuro que eles já haviam passado em seus cinco anos de frustra­ções na África. A solução que eles temiam era que Eleanor fosse levada em uma rede para Boma - 14 dias sem nenhum conforto em meio a planícies alagadas, rios transbordantes, e dormindo em uma tenda a cada noite.

David e Eleanor começaram a enviar chamadas desespe­radas ao Senhor. Seria interessante vermos como Ele resol­veria o dilema.

As rodas da carruagem de Deus começaram a rodar. O Oficial Administrativo do Governo no Correio convocou dois mecânicos de Bie para revisar o motor de seu próprio carro e também para ver o que poderia ser feito pelos Long. Quando os homens viram o buraco aberto no motor, eles acenaram com as mãos, pesarosamente anunciaram que apenas um mo­tor novo daria jeito e foram embora.

Então o Senhor sacudiu a memória de um dos mecâni­cos. Em Bie, certa vez, eles recuperaram os restos de um Ford que tinha trombado com um trem. O chassi estava perdido, mas o motor estava intacto. Ele o havia guinchado para fora dali pensando que algumas das peças poderiam ser recuperadas e vendidas. O Sr. Long poderia comprar aquele motor por 100 dólares.

Agora havia dois outros problemas. Como David poderia trazê-lo de Bie? E como ele poderia pagar pelo motor? Ele não tinha o dinheiro. O oficial do Correio disse que ele enviaria um grupo de trabalhadores das estradas a Bie e que eles pode­riam carregar o motor preso a varas. Demoraria uma semana

para eles chegarem a Bie e duas semanas para eles pegarem o motor e voltarem. Este foi um dos momentos mais dolorosos da vida de David, quando ele teve que admitir que não tinha



  1. o dinheiro para pagar pelo motor. Ele e Eleanor vieram para

  2. o campo missionário para viver pela fé, não tendo nenhum meio visível de suporte financeiro, e esperando no Senhor para o suprimento de suas necessidades. Todavia, aqui estava um motor que ele precisava tão desesperadamente, provavel­mente o único motor desse tipo em toda a Angola.

Novamente o oficial tentou ajudar. Ele se ofereceu para

emprestar o dinheiro, que deveria ser pago quando fosse conve­

niente. Mas isso iria contra os princípios de fé dos Long. David

explicou: "Não recebemos um salário regularmente, mas so­

mos sustentados por cristãos e vivemos pela fé em Deus, e não

temos ideia de quando tal soma de dinheiro poderá chegar".

Tanto David quanto o oficial sabiam que o correio chega­va na melhor das hipóteses a cada duas semanas, e frequente­mente com falhas de dois meses. "Depois de algum tempo de discussão sobre se deveríamos ou não aceitar e deixá-lo en­viar os homens imediatamente, tive que despedi-los de volta ao Correio enquanto Eleanor e eu sentamos e choramos".

Dois dias mais tarde, o Oficial veio animadamente à casa dos Long e anunciou que um mensageiro tinha vindo com docu­mentos oficias vindos de seu superior. Dentre os papéis estava uma carta do estrangeiro para os Long. Era um mistério como uma carta havia se misturado com os documentos oficiais.

O oficial instou com eles que abrissem a carta sem demo­ra. Ele tinha certeza que continha dinheiro. David ficou mudo com medo e constrangimento. Suponha que não houvesse di­nheiro na carta? Com que cara ele ficaria?

Na carta havia um cheque de 120 dólares, um dos dona­tivos mais altos que os missionários haviam recebido durante seu tempo na África. O oficial se sentiu justificado, ofereceu para trocar o dinheiro em Escudos, dando aos Long uma taxa de câmbio melhor que a que eles conseguiriam em qualquer outro lugar. E imediatamente fez planos para trazer o motor de Bie.

71


O motor foi embrulhado em um encerado, suspenso em uma vara, com três barras em cruz, e carregado por seis homens. Outros seis homens iam adiante com machados para cortar arbustos e árvores e, assim, alargar o caminho; ainda outros seis caminhavam ao lado até que chegasse sua vez de carregar a carga.

Antes que o motor chegasse, alguns homens empur­raram a picape dos Long por 8 quilómetros, quase sempre colina acima, desde a casa deles até o Correio. Lá os mecâ­nicos retiraram o motor velho com todas as suas peças para que, quando o motor novo chegasse, eles pudessem colocá­lo imediatamente.

Três semanas mais tarde, os homens exaustos chegaram com o bloco do motor. Os mecânicos entraram em ação, tra­balhando dia e noite para deixar tudo pronto. Depois que eles

o testaram, entregaram-no aos Long.

Sem demora, os missionários empacotaram suas coisas e saíram em direção a Boma. O barro era tão fundo que, depois de quatro dias de viagem eles pararam em Bie. Deixaram a picape ali, tomaram um trem para Luso, onde o Dr. Bier, um companheiro missionário, os encontrou e os levou para Boma.

Seus cálculos quanto à chegada do bebé estavam errados. Como David disse mais tarde: "Tivemos que esperar uma se­mana ou duas enquanto o bom médico dirigia o carro com Eleanor por estradas cheias de buracos e pontes quase des­moronando, com doses extras de quinino, para tentar fazer as coisas andarem um pouco mais depressa".

Finalmente, no último dia de fevereiro, o bebé chegou. David comentou: "Fico pensando se meu filho percebe o que ele nos fez passar".

O carburador remendado

Alguns problemas com carros requerem uma boa quanti­dade de oração e uma pequena dose de engenhosidade. Dena Speering percebeu isso, ela precisou das duas.



72

Um dia ela saiu de Itendey para ir a Mongbwalu dar aula na classe de mulheres da Escola Dominical. Como é comum no campo missionário, quando você viaja há sempre alguém que quer ir com você. Esse dia não foi uma exceção. Um jovem nativo foi com ela para a aula e depois voltou com ela à tarde.

Na viagem de volta a casa, eles já haviam viajado por uns 15 quilómetros quando o motor morreu. Dena não sabia muita coisa sobre mecânica de automóveis, mas abriu o capo sem ter ideia sobre o que procurar, ou onde encontrar o problema. Ela tinha visto outras pessoas tirarem a tampinha de um certo aparelho ali, que mais tarde ela ficou sabendo que era o distri­buidor. Dentro dele ela viu uma peça que estava quebrada em pedacinhos (um rotor). Ela removeu as peças e as embrulhou em um lenço de papel. Esta seria uma prova diagnostica se alguém viesse a lhe dar alguma assistência na estrada.

A essas alturas, o jovem já estava caminhando os 23 qui­lómetros até Itendey para buscar ajuda.

Dena decidiu sentar-se no banco de trás e remir o tempo estudando a lição da aula da semana seguinte. Ela tinha ape­nas começado quando se lembrou que não havia orado sobre esse apuro de agora. Então ela foi ao Senhor e derramou seu coração a Ele. Assim que disse amém, ela sentiu fome, mas não havia nenhuma comida. Tudo o que ela tinha era uma goma de mascar. Então ela começou a mastigar o chiclete, que lhe deu a ilusão de estar comendo algo nutritivo.

Uma outra ideia. Por que não procurar alguma cola? Era comum carregar cola em um kit para consertar pneus fura­dos em viagens como aquela. Contudo, não havia cola, então ela continuou estudando.

A seguir, veio-lhe à mente uma solução óbvia. Por que não colar as partes do rotor com o chiclete? Ela pegou todos os pedaços e cuidadosamente os pressionou em seus devidos lugares com o chiclete; Mas, quando ela tentou colocar o rotor consertado de volta no distribuidor, ele desmontou.

Se não conseguirmos ter sucesso na primeira vez... ela tentou de novo. Com grande cuidado, ela grudou os pedaços



73

um após o outro e, ainda com maior cuidado, ela colocou o rotor no distribuidor. Dessa vez as partes grudadas se man­tiveram juntas.

Temendo pelo pior, Dena entrou no carro e deu partida. Espantosamente, ele chiou como um gatinho. Ela viajou os 23 quilómetros de volta a casa, ainda dando carona a outros ao longo de todo o caminho. O carro desempenhou seu papel admiravelmente até em frente à casa dela.

Mais tarde, quando olharam dentro do distribuidor, o ro­tor havia se despedaçado. Nada com que se preocupar porque eles agora estavam em condições de encomendar um novo.



Todas as necessidades supridas

Os médicos haviam dito a Ben Iler que, se ele não saísse de Zâmbia, ele morreria. Os medicamentos anti­malária estavam destruindo seu fígado, então, ele e sua esposa Francis decidiram que deveriam se mudar para aÁfrica do Sul. Tudo o que eles possuíam teve que ser em­balado e colocado em uma caminhonete. Daí eles esta­vam prontos para mudar de Zâmbia, viajar por Botsuana e chegar ao seu novo lar.

No percurso, caminhões de terroristas passavam por eles rugindo os motores, deixando grandes nuvens de poeira e diminuíam a marcha à frente deles. A capota, na carroceria de um caminhão, tinha seu zíper aberto por onde aparecia uma AK47, apontada para eles. Ben acenava para eles e dava um sinal de positivo. Assim que os terroristas percebiam que Ben e Francis eram gente boa, eles fechavam os zíperes da capota e partiam em velocidade.

Quando os Iler chegaram a Livingstone, estavam famin­tos e foram a um mercado comprar pão. O único alimento nas prateleiras era Vim, o qual Ben descreveu como tendo gosto de sapólio. Eles não estavam tão famintos assim, então dirigiram mais uns 40 ou 50 quilómetros para Kazangulu, na fronteira da Zâmbia com Botsuana.

Os oficiais da fronteira estavam relativamente bêbados

naquele momento, mas, após várias tentativas, conseguiram

carimbar os passaportes. Ben e Francis prosseguiram até a

barcaça, uma plataforma flutuante, que os transportaria jun­

tamente com a caminhonete na travessia do rio para a área da

imigração da alfândega de Botsuana.

Ali os oficiais exigiram o 'bilhete de viagem', um tipo de

visto para transporte que indicava que eles estavam apenas de

passagem pelo país e não venderiam nada enquanto em viagem.

O oficial vociferou que o 'bilhete de viagem' deles não

era válido porque tinha um algarismo errado do número do

motor: um 7 em vez de 1.

"O que faremos agora?" perguntou Ben.

"Vocês terão que pagar o imposto de importação do veí­

culo e de tudo o que está dentro dele".

"E quanto será isso?"

Após uma cuidadosa inspeção, o homem disse que se­

riam 800 rands (um rand naquela época valia pouco mais que 2 dólares). Os Iler tinham menos que 100 rand na mão, apenas o suficiente para comprar gasolina para o restante da viagem até a África do Sul.

"E o que acontecerá se não pudermos pagar?"

"Vocês poderão dar meia volta e ir para a Zâmbia ime­diatamente. Senão nós confiscaremos o veículo e seus con­teúdos amanhã".

Esse era um problema. Logo depois que os Iler haviam utilizado a barcaça, os habitantes da Rodésia a haviam bombardeado matando seis homens. Não havia maneira de retornarem à Zâmbia.

O oficial da alfândega deu a Ben uma Permissão Temporária de 24 horas, possibilitando-lhes encontrarem acomodação para passarem a noite. Nos arrabaldes de Kasani, eles se hospedaram em um lugar chamado Hunter's Lodge (A Cabana do Caçador), e foi-lhes dada uma das duas cabanas. Heather, a esposa do pro­prietário, era uma cristã verdadeira e, com a cortesia cristã, ela os convidou para jantarem às 19 horas. Foi uma refeição dig­

75

na de um rei, gamo selvagem com todos os acompanhamentos. Eles admitiram que eles mesmos o haviam recheado.



Enquanto eles estavam sentados no saguão algum tempo depois, um grupo de caçadores entrou para um jantar mais tardio. Um dos homens se aproximou de Ben e disse:

"Você parece ser americano".

"Sim, é difícil esconder, não é?"

"Você teria alguns dólares americanos que pudesse nos vender?"

"Temo que não. Temos vivido na selva por algum tem­po. Mas eu tenho uma conta bancária no Chase Manhatan em Nova Iorque".

"Perfeito", disse o estranho. "Você poderia me dar 500 rand em dólares? Estou a caminho de Nova Iorque para férias de três meses. Eles me permitirão passar com apenas 500 rand em valores de dólares pela alfândega e eu gosta­ria de dobrar essa quantia".

Ben olhou em seu talão de cheques e fez as contas de que, quando o homem chegasse a Nova Iorque, já haveria dinheiro suficiente em sua conta para cobrir o cheque. Então preen­cheu o cheque. Mas eles lembraram ao Senhor que era de 800 rand e não de 500 que eles precisavam. Depois, dormiram profundamente, um verdadeiro milagre.

Pela manhã, eles comeram um suntuoso café da manhã. Quando Ben tentou pagar Heather por toda sua gentileza, ela disse: "Nem um centavo. Ficamos alegres por ter mis­sionários aqui. Sempre que passarem por aqui, por favor, venham se hospedar conosco".

Mais tarde, naquela mesma manhã, quando os Iler esta­vam passando pelos portões do Hunter's Lodge, Ben deu uma olhada no espelho retrovisor e viu Heather correndo atrás de­les abanando um envelope. Ben freou e deu marcha a ré.

Ela, meio sem fôlego, disse: "Vocês vão indo para a Áfri­ca do Sul, certo?"

"Bom, vamos tentar," querendo dizer, "se o Senhor pro­ver os 300 rand que faltam".

"Meus três filhos estão com minha mãe em Joanesbur­

go, e está na hora de pagarmos a mensalidade da escola e a

prestação das roupas. Neste envelope estão 300 rand em di­

nheiro. Se eu os enviar pelo correio daqui de Botsuana, esse

dinheiro nunca chegará à África do Sul. Vocês se importam

em enviá-lo pelo correio quando chegarem a Pretória?"

"Certamente que não, mas com uma condição. Se você me permitir usar esses 300 rand em dinheiro, enviarei um cheque a sua mãe assim que chegarmos a Pretória. Tenho uma filha que mora lá".

"Oh, esta é uma resposta de oração". Mal sabia ela que

era resposta à oração dos Iler também.

Ben agora tinha 800 rand. Ele dirigiu diretamente para o escritório da alfândega e contou o dinheiro. O ofi­cial ficou impressionado - e talvez meio sem graça. Pro­vavelmente, ele e os outros já haviam decidido repartir o conteúdo do veículo.

O oficial deixou escapar o seguinte: "Como foi que você conseguiu esse dinheiro?" "O Senhor sabia de nossas necessidades antes mesmo que chegássemos aqui a Kasani".

O homem inclinou a cabeça eficou estranhamente quieto. Depois, ele colocou sua mão em cima do balcão e disse: "Dá aqui um aperto de mão, irmão, que eu também sou crente".

"Verdade? Quando você recebeu Jesus como seu Salvador?"

"Muitos anos atrás, alguns missionários vieram à terra de Bechuana. Ouvi o Evangelho quando era um menininho e confiei em Cristo. Mas não tenho vivido por Ele".

Ben e Francis tiveram uma boa conversa com ele, depois se despediram abençoando-o. Eles então pensaram: "Agora passamos o Mar Vermelho. Faraó e seu exército foram derro­tados e teremos uma viagem tranquila daqui em diante". Mal sabiam eles o que os esperava.

Eles dirigiram o dia todo até Francistown, onde tinham reservas paraficarem no Grande Hotel. Ben achou que Gran­de não era um nome exatamente adequado. As pequenas ca­

77

banas estavam infestadas. Não havia uma barata sozinha, to­das eram casadas e com uma enorme família.

Talvez eles precisassem sair dali. Os postos de combustí­vel na África do Sul fecham ao meio-dia nos sábados e isso era sexta-feira à noite. Portanto, depois de orarem, eles decidiram comprar um pouco de pão e queijo e viajar a noite toda.

As vacas em Botsuana pensam que as estradas foram fei­tas para elas, portanto dormem nelas, sem darem a mínima para as buzinas dos carros. Ben tinha que esquivar-se delas a todo o momento ou sair e suplicar a elas que saíssem do ca­minho. Logo antes de chegarem à fronteira da África do Sul, eles saíram para o acostamento e dormiram, Francis no banco da frente e Ben em cima da carga.

Enquanto estava tomando café da manhã, Ben ligou o rá­dio. Flash de notícias! Naquela noite os habitantes da Rodésia haviam atacado o Grande Hotel, tomado três cargas de cami­nhões de terroristas e atirado em todo o lugar.

Ben perguntou: "Será que o Senhor queria que a gente chegasse à África do Sul? Imagino que sim. Ele proveu. Ele sabia o que estava para acontecer e providenciou que nossa vida fosse preservada".



O asiático que desapareceu4

Em seu livro First We Have Cqffee [Primeiro Tomamos Café], Margaret Jensen pinta um quadro da vida cativante e motivada de uma família de imigrantes noruegueses. Papai Tweten dava toda a atenção à Palavra de Deus e em pregá-la onde quer que ele fosse levado. As coisas mundanas da vida não significavam nada para ele. Mamãe Tweten era notável por sua fé genuína, que nunca ficava preocupada. Se Deus dissesse alguma coisa, isso era suficiente para ela. Ele não mente. Ele pode todas as coisas. Ele responde orações. Ele nunca falha. Tudo era assim tão simples.

Depois de terem vivido em Winnipeg durante algum tempo, Papai foi chamado para servir como missionário jun­

to a imigrantes escandinavos por toda a província de Saska­tchewan, Canadá. Então, eles levantaram acampamento e se mudaram em seu carro bem antigo. Foi uma longa jornada e, embora Mamãe tivesse empacotado pão e waffles para sus­tentá-los, a comida e a bebida acabaram. Mamãe mencionou quanto ela gostaria de tomar uma xícara de café e uma tigela de sopa, portanto, quando Papai viu uma pequena cabana em um campo aberto nos arrabaldes de uma cidadezinha, ele parou e se dirigiu à porta.

Quando um asiático veio à porta, Papai explicou que eles gostariam de comprar uma xícara de café (ele não men­cionou a sopa porque eles não tinham dinheiro suficiente para tanto). Com a cortesia e a hospitalidade orientais, o homem os chamou para dentro de um restaurante que era contíguo à casa. Eles teriam mais que uma xícara de café; eles teriam uma refeição completa.

Ele os colocou sentados em uma mesa com uma toalha branca. As quatro crianças nunca tinham estado em um res­taurante antes. Não havia outros hóspedes. Eles curvaram a fronte e agradeceram com uma bênção em norueguês. Ah, como eles apreciaram aquela refeição!

Na hora de partirem, cada um da família Tweten agrade­ceu ao bondoso anfitrião. Papai disse: "Algum dia voltarei e retribuirei sua generosidade. Que as mais ricas bênçãos de Deus sejam sobre você".

Quando eles chegaram a Saskatoon e se estabeleceram em sua nova casa, Papai foi para a estrada a serviço do Rei. Suas jornadas missionárias cobriam muitos quilómetros em todos os tipos de clima canadense. Ele e sua família viviam de ofertas de boa vontade que seus "paroquianos" davam a eles. Mas ele sempre se agitava e dava parte de seu dinheiro a pessoas necessitadas. Deus tomaria conta de sua família.

Passou-se um longo período em que sua família não ti­nha notícias dele - e o Natal estava se aproximando. A refei­ção da véspera de Natal foi sopa com pão. Mas, em meio a essa festividade, muitas pessoas vieram de suas igrejas com

79


caixas de alimentos e de presentes. Mamãe estava certa: Deus tomava conta de Seus filhos.

Depois que as pessoas das igrejas se foram, a família ou­viu botas pisando o chão da varanda. A porta se abriu e era Papai. Ele explicou que tinha havido uma terrível nevasca e ele havia ficado desorientado. Ele orou e o Senhor o levou até a luz de uma cabana nas campinas onde ele foi tratado até que a tempestade cedesse. O dia de Natal foi glorioso, com Papai contando sobre as façanhas do Evangelho.

Muitos anos mais tarde, Papai contou a sua filha Margaret que ele havia retornado para pagar o homem asiático por sua gentileza. Ele conhecia o local, mas quando chegou lá não havia nenhuma casa e nenhum restaurante. Apenas campo aberto. Ele perguntou às pessoas da comunidade onde ele poderia localizar o asiático que dirigia o restaurante. Todos disseram a mesma coisa: nenhum asiático tinha jamais vivido ali. Nunca tinha havido uma casa naquele campo e certamente nenhum restaurante também.

Papai disse a Margaret: "Para Mamãe e para mim foi uma coisa tão tremenda; ficamos maravilhados demais para falar sobre isso. A medida que os anos passaram, ficamos conven­cidos de que nosso anfitrião era um anjo".

E por que alguém deveria duvidar?

Cura rápida5

Respostas a oração não eram incomuns no lar dos Twe­ten. Mamãe as esperava; de fato, ela dependia delas. Pegue, por exemplo, o tempo em que o pequeno Gordon estava tendo problemas de respiração. Um outro sintoma é que havia um odor desagradável que vinha de seu nariz. O médico marcou uma cirurgia nasal no hospital para a semana seguinte.

De volta a casa, a família se reuniu para orar. Mamãe lem­brou-lhes da promessa do Salvador de responder às orações quando elas eram feitas em nome d'Ele. Então ela disse ao Senhor: "Pedimos que a origem desse problema seja removi­da e que o Senhor abençoe o médico e as enfermeiras".

Deus não demorou muito para entrar em ação. Primeiro

Ele tocou em Gordon para começar a brincar com uma lata de

pimenta preta. Quando o amiguinho conseguiu abrir a lata, ele

inalou uma grande porção do conteúdo. Isso fez com ele desse

um espirro explosivo, resultando em um botão sendo atirado

para fora do nariz de Gordon até o outro lado da sala.

Mamãe imediatamente verbalizou a lição do dia: "Meu

Deus há de suprir todas as suas necessidades. Hoje, crianças,

Deus supriu com uma cirurgia por meio de uma lata de pi­

menta. Tudo é possível para Deus".

Sim, Deus certamente tem senso de humor.



Ignorâncias dos anjos6

Não podemos colocar Deus dentro de uma caixa. Se ten­

tarmos, Ele nos passará a perna todas as vezes.

De tempos em tempos, os governos têm decidido proibir a entrada de Bíblias em seus territórios. Logo um rio clan­destino de Bíblias começa a fluir, graças ao trabalho de con­trabandistas dedicados que crêem que eles devem obedecer mais a Deus do que aos homens.

Os arquivos de Portas Abertas, uma organização de co­rajosos distribuidores de Bíblias, contêm muitas histórias so­bre como o Senhor excedeu a esperteza dos homens e fez com que O louvassem. Eis aqui um desses relatos.

Dois mensageiros-espiões, um canadense e um es­cocês, chegaram à China em um voo internacional, cada um carregando sacolas pesadas cheias de Bíblias. O plano deles era mudar para um voo doméstico assim que chegassem, para viajarem ao interior da China até sua cidade destino. Por causa do atraso dos voos, entretan­to, assim que seus passaportes foram liberados e eles passaram pela alfândega, os dois homens viram que ti­nham apenas três minutos para chegarem ao terminal doméstico de voos.



81

- NOSSO DEUS E MARAVILHOSO! -

Eles também descobriram que a distância entre os dois prédios teria que ser feita a pé.

Com a escuridão se aproximando rapidamente e a chu­va agora começando a cair, os dois homens começaram a se desesperar. Se eles perdessem o voo de conexão, eles perderiam o encontro com o contato. Será que eles haviam vindo de tão longe apenas para serem deixados no escuro e na chuva com suas Bíblias? Os mensageiros rapidamente perceberam que eles não tinham alternativa senão orar.

Depois de uma rápida oração, eles estavam abrindo os olhos quando um policial veio em uma bicicleta em direção a eles. Com suas mãos acenando, os homens indicaram ao oficial chinês que precisavam chegar ao terminal de partidas domésticas tão logo quanto possível.

O policial ficou com pena dos estrangeiros molhados e, dentro de alguns segundos, o canadense se viu sentado atrás do oficial, junto com suas grandes sacolas, se dirigindo para o seu vôo.

Assim que o escocês que ficou começou a imaginar se o policial chegaria de volta a tempo de pegá-lo também, outro oficial em uma bicicleta se aproximou. Desta vez era um ofi­cial da alfândega do terminal internacional. Com as mesmas mãos acenando, o visitante rapidamente se viu a si mesmo e sua bagagem de Bíblias na bicicleta, na garupa do oficial.

Os dois mensageiros chegaram ao terminal exatamente a tempo de tomarem o voo de conexão. Depois de descarregarem sua bagagem e colocarem os pensamentos no lugar, eles se voltaram para agradecer aos benevolentes oficiais chineses.

Para surpresa deles, nenhum dos oficiais estava ali. Será que eles eram anjos disfarçados? Independentemente de quem eles eram e da razão por que os levaram, os dois mensageiros depois riram muito pelo senso de humor - e provisão - de Deus.

Mais uma vez nos lembramos de que há um fino véu entre

o mundo físico visível e o mundo espiritual invisível. Deus não está limitado a carne e sangue.

82


Admoestado a se retrair

No dia 28 de maio, as redes de notícias anunciaram uma

nova série de tiroteios em escolas. Desta vez foi na Escola de

Ensino Médio Thurston, em Springfield, no Estado de Oregon,

nos Estados Unidos. Um aluno de 15 anos entrou na cantina da

escola com um rifle semi-automático e duas pistolas e descarre­

gou 51 cargas de munição. Ele acertou fatalmente dois alunos e

feriu outros 18. Depois que a polícia levou-o em custódia, foi

descoberto que ele havia matado seus pais antes de ir à escola.

Uma história interessante sobre a providência de Deus, que não chegou aos noticiários. Vários meses antes do tiro­teio, uma mãe cristã, Lois Reichle, sentiu um forte peso para tirar seus dois filhos mais velhos e dar aulas a eles em casa. Scott estava no último ano e Kristina estava no primeiro. Não significa que não houvesse nada especialmente ameaçador na escola. Na verdade, ela tinha um padrão académico muito bom. Era um ponto a mais para os alunos que queriam entrar na faculdade terem o nome da Escola de Ensino Médio Thurs­ton em seu diploma. Logicamente que tinha havido algumas brigas no campus, mas nada sério.

Havia muitas razões para dizer que não fazia sentido tirar seus dois filhos daquela escola, alguns meses antes do final do ano letivo. No diploma de Scott estaria escrito Escola caseira em vez de Thurston. Tanto ele quanto Kristina seriam tirados do convívio de seus amigos. Todos os parentes fizeram cara de de­saprovação pelo que Lois estava fazendo, e até ela mesma entrou em pânico só em pensar em ter que dar aulas a eles em casa.

Mas ela não teve paz em deixar os filhos ali. A voz do Senhor era cada vez mais urgente para ela e para seu marido. À medida que eles pesavam suas responsabilidades bíblicas, Lois finalmente começou a considerar a vontade de Deus em vez de sua própria conveniência e zona de conforto. Assim que ela se submeteu ao Senhor, o medo de dar aulas em casa desapareceu. Ela e seu marido decidiram que ela começaria em janeiro de 1998. O filho aceitou a decisão muito bem; a



83

- NOSSO DEUS É MARAVILHOSO! ­

filha ficou compreensivelmente infeliz. Ela disse: "Eu aceito, mas não é o que eu quero".

Dia 28 de maio, eles estariam na cantina quando os tiros ocorreram. Agora eles entenderam que sua mãe estava certa. A decisão dela salvou-lhes de estarem presentes no momento em que as balas foram disparadas.

Como é notável que Deus possa influenciar o intelecto e a vontade de duas pessoas de Seu povo para agirem de forma contrária à sabedoria convencional para atingirem Seus propósitos futuros!

Nem sempre as coisas funcionam desse jeito, é claro. Em um outro tiroteio em uma escola, não foi a vontade de Deus remover uma garotinha de sua escola. Em vez disso, Cassie Bernall foi martirizada por causa de sua confissão corajosa do nome do Senhor. Foi como uma cópia de Atos 12, quando Tiago foi martirizado e Pedro saiu livre.



Deus no leme7

Seria uma viagem rotineira de Puerto Maldonado a Jayave. Pelo menos isso é o que o missionário Brad Hallock pensou quando ele e dois cristãos locais, Luis e Casiano, saíram de via­gem em uma quarta-feira de manhã com uma canoa de 30 pés, com um motor de 25 cavalos. Primeiro, eles tiveram que descer

o Rio Tambopata, para depois chegarem ao Madre de Dios, e finalmente atingirem o Rio Inambari. Seria uma viagem de 12 horas para levarem as Boas Novas ao povo de Jayave.

Antes que eles tivessem percorrido uma boa distância no Tambopata, verificaram que, em vez de irem a favor da correnteza, eles estavam lutando contra ela. O Madre de Dios era uma correnteza poderosa; ele estava na maré cheia e estava entrando no Tambopata. Toras e pedaços de árvores constituíam um perigo à navegação.

Ao cair da noite, os três homens haviam feito apenas um quarto do trajeto até seu destino. Eles saíram da trilha e chegaram à margem, pediram permissão para acampar, armaram sua barraca e passaram a noite ali. Na manhã se­

guinte, eles já estavam a caminho desde as 6 horas. Na hora

do almoço, eles chegaram a Laberinto, no Inambari, onde

deveriam ter chegado para almoçar no dia anterior.

Três horas rio acima e tiveram ainda mais problemas.

A inundação piorou naquela parte que já era especialmente

traiçoeira. Ondas de quase um metro de altura ameaçavam

afundar o barco. A água entrava na canoa ensopando os

passageiros e também as cargas.

Dois homens viram uma baía rasa do outro lado do rio

onde poderiam acampar, se conseguissem chegar lá. Brad co­

locou o barco na correnteza. Em alta velocidade, o barco mal

conseguia se manter ao bater contra as ondas. Às vezes ele

escorregava rio abaixo, depois lutavam para voltar ao lugar

certo de novo. Brad disse a Luis e a Casiano que colocassem

seus salvavidas. Quando finalmente cruzaram o rio e chega­

ram ao canal lateral, o motor tossiu e morreu. E o que seria

deles se aquilo tivesse acontecido no meio do rio?

Os esforços para dar partida ao motor foram em vão. O sol estava se pondo e estavam cansados. Então Brad viu uma trilha que levava ao acampamento de uma mina de ouro, e começaram pedindo permissão para acamparem naquelas ins­talações. Os mineiros não ficam sempre satisfeitos por verem estranhos em sua propriedade. Se dissessem não, Brad e seus amigos teriam que remar rio acima durante uma hora no escu­ro antes de encontrarem um outro abrigo.

Mas desta vez foi diferente. Um homem veio correndo trilha abaixo para encontrá-los. Ele disse agitadamente: "Vocês para­ram. Vocêsfinalmente pararam. Eu tenho acenado para vocês há dois anos para fazer vocês pararem aqui porque minha mulher e eu queremos saber mais de Deus". O que ele disse a respeito de seu fracasso em fazê-los parar era verdade. Geralmente Brad passava pela outra margem do rio, hesitante em lutar contra a correnteza ameaçadora para ir ver o que as pessoas queriam.

Rapidamente os três marinheiros montaram a barraca, comeram alguma coisa e foram visitar Pascual Tunci e sua

85

família. Os Tunci estavam aguardando na cozinha, aqueci­dos por um gostoso fogo. Brad abriu sua Bíblia e falou-lhes sobre o grande plano de salvação de Deus. Antes que a noite terminasse, Pascual, sua esposa e um trabalhador professa­ram sua fé em Cristo. Brad não saiu dali até que lhes tivesse ensinado alguns dos elementos básicos da vida cristã.

Pela manhã, o missionário deu-lhes uma Bíblia e al­guns livros cristãos, e extraiu alguns dentes estragados deles. Daí era hora de pensarem no motor. Pascual diag­nosticou o problema como sendo bobina estragada. Mas não deveriam se preocupar porque ele tinha uma bobina extra que eles poderiam usar até que conseguissem uma nova. Isso salvou-os de ter que flutuar de volta à cidade de Laberinto, que não seria uma viagem agradável em meio a uma grande inundação.

Eles partiram alegremente e chegaram a Jayave ao meio­dia da sexta-feira. Ali foi uma outra grande oportunidade de compartilharem da Palavra de Deus com corações famintos. Quando meditava sobre a viagem, Brad comentou:

Isto certamente foi diferente do que havíamos planejado. "A mente do homem faz planos de acordo com seus modos, mas o Senhor lhe dirige os passos". Isso não aconteceria se fosse do meu jeito. Que alegria ser colocado pelo Senhor através de circunstâncias em um lugar onde corações se­dentos estão simplesmente esperando por alguém que lhes traga as novas da Água Viva.

Deus pode?8

À medida que a 'Flying Fortress' [Fortaleza Voadora] ­um avião militar, modelo B-17 - foi lançada em direção às águas do Pacífico, o navegador sugeriu à tripulação que oras­se. Para alguns esse não era momento para orarem; era mo­mento para pensarem rápido e entrarem em ação imediata.

86

A bordo estava uma tripulação de cinco pessoas e três



passageiros. Bill Cherry era o piloto, Jim Whittaker o co-pi­

loto, Johnny DeAngelis o navegador, Johnny Bartek o enge­

nheiro e Jimmy Reynolds o operador de rádio. Os três passa­

geiros eram Eddie Rickenbacker, o Coronel Hans Adamson

e o Sargento Alex Kaczmarczyk. Os dois primeiros estavam

em serviço para inspecionarem os campos aéreos america­

nos situados no Pacífico Sul. O sargento estava retornando

ao serviço ativo, após ter sido acometido de hepatite. Eram

cerca de 4h 30min, dia 21 de outubro de 1942, quando o

enorme avião se chocou com as ondas.

Depois de se recuperarem rapidamente do solavanco, os

homens inflaram três botes salvavidas amarelos e abando­

naram o avião. Eles tinham quatro laranjas, algumas facas,

alguns anzóis e linha.

Na primeira noite à deriva, eles viram, tubarões agouren­tos circulando os botes. Na caída da noite, do segundo dia, a sede deles era intensa. No terceiro dia, a necessidade deles por água era quase que insuportável. Whittaker, o copiloto, notou que Johnny Bartek estava lendo o Novo Testamento que ele carregava em seu bolso.

No quarto dia, só estava sobrando uma laranja, para ser divi­dida entre oito homens. Mas foi aí que o milagre aconteceu. Uma andorinha do mar aterrissou na cabeça de Eddie Rickenbacker e ficou ali tempo suficiente para que os homens a capturassem. Eles dividiram a carne dela e usaram as entranhas como isca. O novo peixe que eles pescaram matou um pouco a fome de todos, mas como era muito salgado, aumentou-lhes a sede.

Quando Johnny Bartek sugeriu que eles tivessem uma reu­nião de oração, Whittaker jogou água fria na ideia, mas Ricken­backer indeferiu seu ato. Aí, o homem mais velho, o Coronel Adamson, leu Mateus 6.31-34, do Novo Testamento:

"Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai

87

celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coi­sas vos serão acrescentadas. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal".

Whittaker, cinicamente, sugeriu que nesses últimos dias eles já tinham tido problemas suficientes. Tudo o que ele que­ria era um pouco de comida e de bebida. Mas os homens oraram mesmo assim.

O sexto dia começou e terminou com leitura bíblica e ora­ção. O piloto Cherry orou as seguintes palavras:

Ó Mestre, sabemos que não temos nenhuma garantia de que comeremos pela manhã. Estamos em sérios apuros. Com certeza estamos contando com alguma coisinha para depois de amanhã, pelo menos. Vê o que o Senhor pode fazer, ó Mestre.

A resposta veio mais rapidamente do que eles pediram. De­pois de orar, Cherry lançou um foguete de luz. Ele funcionou mal e ziguezagueou sem rumo na água em volta dos botes. A luz atraiu grandes quantidades de peixes. Quando os barracudas se aproxi­maram dos peixes, alguns deles pularam para dentro do bote de Rickenbacker. Agora eles tinham comida em abundância.

Vendo isso, a atitude de Whittaker com relação a Deus co­meçou a ficar mais suave. Mas eles ainda estavam perecendo por causa da desidratação.

Na oitava noite, Bill Cherry orou por água - e que fos­se logo. Ele sabia que eles não aguentariam mais um dia. No crepúsculo veio uma chuva forte, com muita água. Eles beberam com as mãos para o alívio imediato, e depois en­charcaram suas camisas com ela. A água preciosa espremi­da das camisas encheu parcialmente os coletes salvavidas. Vendo esta dramática resposta à oração de Cherry, Whit­taker imaginou se ele deveria orar também.

88


Nono dia. O sol estava como fogo. Não houve nenhum alívio. Décimo dia. Quando um dos homens orou para que Deus

o matasse, Rickenbacker gritou: "Fique quieto! Não inco­mode o Senhor com reclamação! Ele responde as orações dos homensV Então, Rickenbacker orou para que o Senhor os resgatasse e os levasse à terra.

Décimo-primeiro dia. Uma chuva bem-vinda permitiu

que os homens bebessem dela e guardassem tanto quanto

fosse possível. Mas a tempestade fez capotar o bote do Sar­

gento Kaczmarczyk. Quando seus amigos o retiraram da

água, eles sabiam que ele estava morrendo. Ele morreu na

noite seguinte. Os outros homens, em um culto solene e res­

peitoso, entregaram seu corpo ao mar.

Décimo-terceiro dia. Decepção. Uma pancada de chuva vinha vindo na direção deles, depois mudou seu curso. Desta vez foi Whittaker quem orou. Ele ousou pedir a Deus que enviasse a chuva de volta a eles. E Deus o fez, para o grande espanto dos outros - e do próprio Whittaker.

Décimo-quarto dia. Os ventos pararam. Os homens esta­vam ficando com sérias queimaduras de sol, bolhas e feridas. A roupa deles e suas linhas de pescar estavam apodrecendo. Rickenbacker pediu a Deus que os salvasse da calmaria, mas não obteve nenhuma resposta.

Nos dois próximos dias, décimo-oitavo e décimo-nono, eles viram um avião de busca a cerca de 5 quilómetros de distância, mas os homens do resgate não os viram. Ele retor­nou duas vezes, mas ainda não nos viram. Whittaker não se desesperou. Ele cria que Deus os salvaria.

Vigésimo dia. Eles remaram os botes uns para longe dos outros para que o avião de busca pudesse vê-los. Veio um avião, mas não os viu.

Na manhã do vigésimo-primeiro dia, DeAngelis acordou Whittaker com a notícia de ter visto palmeiras no horizonte. Quando Whittaker olhou, ele confirmou que não era mira­gem. Nem DeAngelis nem Reynolds tiveram forças para fa­

89

zer qualquer coisa, mas Whittaker recebeu miraculosamente a força necessária para remar durante sete horas e meia.



Quando eles estavam a uns 230 metros da praia, uma cor­rente forte os lançou para mais de 1,5 quilómetros distante da terra. Os tubarões ameaçaram virar o bote e um recife os expôs a maiores perigos. Mas, finalmente, eles alcançaram a praia e foram recebidos por nativos amistosos. O anfitrião mostrou-se muito gentil e notificou a Marinha dos Estados Unidos. Quan­do a Marinha finalmente chegou, eles ficaram sabendo que Bill Cherry, Rickenbacker e os outros haviam sido resgatados.

Um Whittaker recuperado retornou aos Estados Unidos para contar sua história de uma fé restaurada.



Somente a palavra certa

Durante vários meses, Evelyn Johnson estava tendo fra­queza muscular e rouquidão. Testes preliminares não deram nenhuma indicação de problemas sérios. Ela parecia estar com boa saúde. Foi apenas quando um neurologista entrou no caso que os testes indicaram um problema importante.

Em dezembro de 1994, Evelyn e seu marido Milt tinham uma hora marcada com o neurologista. Foi então que ele lhes deu a notícia avassaladora de que ela tinha o mal de Lou Gehrig (esclerose lateral amiotrófica, ou ALS). Não havia nenhuma causa conhecida e nenhuma cura descoberta. Era uma sentença de morte.

Do ponto de vista humano, a situação era desesperadora. Mas Evelyn e Milt eram cristãos comprometidos. Suas raízes estavam firmadas em Deus. As palavras do Salmo 1.3 foram exatas para eles. Eles eram como uma árvore plantada junto a ribeiros de águas, que produz o seu fruto na estação adequada. Suas folhas não murcham e tudo o que a pessoa fizer prospe­rará. Evelyn havia tido anos de ricas experiências dirigindo a classe bíblica para as senhoras. Ela e Milt haviam conduzido muitas vidas para Deus. Eles haviam criado uma família para o Senhor. Eram modelos de cristãos. E agora, como reagiriam?

No carro eles choraram um pouco, depois fizeram uma

aliança que não dariam lugar ao desespero nem ao desânimo.

Eles estavam numa situação que era ganhar ou ganhar. Viver

seria Cristo. Morrer seria lucro.

A caminho de casa, Evelyn se lembrou que queria com­prar um presente para uma amiga cristã em uma loja de de­partamentos da vizinhança. Na loja, uma pessoa que ficava tocando o sininho do Exército da Salvação estava entregando pequenos cartões para doadores que estavam entrando. Foi a primeira vez que os Johnsons viam o Exército da Salvação entregar cartões aos doadores. Quando Evelyn passou, ela re­cebeu um cartão com a seguinte mensagem:

"Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Co 15.57). Obrigado, Pai, por me dar o desejo de continuar quando parece que meus pro­blemas irão me esmagar.

Essas palavras de ânimo falaram poderosamente aos dois corações entristecidos. Os Johnsons sabiam que o Se­nhor havia enviado aquela mensagem especialmente a eles naquele momento preciso.

Nos dias que seguiram, a condição de Evelyn piorou for­temente. À medida que a família e os amigos a enchiam de amor, ela continuava a ministrar a eles através de seu exemplo de vida e de suas palavras de sabedoria. Quando ela já não mais podia subir as escadas, Milt instalou um elevador para cadeira elétrica. Então uma cadeira de rodas era necessária.

Finalmente Evelyn se mudou de casa para uma clínica para pessoas doentes. À medida que a respiração ficou mais difícil, o médico quis realizar uma traqueostomia, mas ela dis­se não. Ela preferia ir para casa no céu. Em sua última noite, alguns jovens amigos cristãos se uniram ao Milt e à família ao lado da cama e cantaram uns hinos antigos e familiares. Foi com esse pano de fundo musical que Evelyn se juntou ao coro celestial, cantando louvores ao Senhor que ela amava. Quan­

91

do ela deu seu último suspiro, Milt disse baixinho: "Ausente do corpo... mas em casa com o Senhor" (2 Co 5.8).



A cruz é a resposta

Aleksandr Solzhenitsyn ficou conhecido na União Sovi­ética por sua coragem moral de confrontar o regime autoritá­rio e a opressão insuportável. Ele passou anos em campos de trabalho forçado nos quais as condições eram indescritíveis. Muitos internos morreram de fome, de doenças, e por causa das torturas. Outros desistiram e cometeram suicídio. Solzhe­nitsyn sentiu que ele também havia chegado ao limite. Ele não conseguia ver nada mais esperançoso do que tirar sua própria vida. Ele colocou sua pá no chão e sentou-se em um banco. Se um guarda o visse sem fazer nada, provavelmente o mataria com a pá. Nessa conjuntura crítica, um homem velho, todo enrugado que ele nunca havia visto ali no Gulag veio e se sen­tou a seu lado. Se curvando para frente, o homem pegou uma varinha e desenhou uma cruz no chão de terra. Nenhuma pa­lavra foi dita. Nenhuma era necessária. O estranho saiu. Sol­zhenitsyn percebeu em um segundo que a Cruz era a resposta. Sozinho, ele não poderia fazer nada, mas, através da Cruz, ele pôde encontrar poder e liberdade. Foi a Cruz que deu a ele a força para continuar. Ela lhe deu significado à vida.

A cruz! Ela leva nossas culpas; Ela sustenta o espírito quebrantado; Ela alegra com esperança o dia sombrio; E adoça toda taça amarga. - T. Kelly

Ele pegou a pá e foi de volta para o trabalho.

O dia havia começado sem nenhuma promessa de algo significativo. Mas, então, um estranho, uma varinha, e uma Cruz desenhada no chão de terra. Esses foram os instrumen­tos na mão de Deus para dar esperança a Aleksandr Solzhe­nitsyn e para usá-lo como profeta nos dias de hoje.

92


Em 1970, ele ganhou o Prémio Nobel de Literatura, e veio para o ocidente quatro anos mais tarde. Homem de prin­cípios cristãos, ele não encontrou uma audiência solidária nos Estados Unidos. Ele sentiu que o povo era complacente em sua riqueza e que não estava disposto a enfrentar realidades penosas. Quando ele fez o discurso inicial em Harvard, em 1978, falou contra o abuso da liberdade, as concessões com

o mal, e o vício do conforto. A plateia vaiou-o. Depois de 20 anos no exílio, ele voltou para a Rússia em 1994.



O extraordinário pedido de Ruthie9

Uma noite, quando Helen Roseveare estava trabalhando na ala de partos de um hospital missionário, uma paciente morreu depois de dar à luz uma criança prematura. Ela tam­bém deixou uma filhinha de dois anos. Para manter o bebé vivo, o pessoal ficou em estado de alerta. Um enrolou o bebé em uma manta de algodão; outro trouxe uma caixa para ser usada como bercinho. Quando a terceira pessoa tentou en­cher a única bolsa de água quente que tinham, ela estourou (a borracha tem vida curta nos trópicos). Métodos alternativos entraram em ação imediatamente.

No dia seguinte, no momento de oração, Helen comparti­lhou a necessidade com algumas das meninas órfãs. Foi então que uma menina de dez anos, chamada Ruthie, orou assim: "Por favor, Deus, envie-nos uma bolsa de água quente. Ela não servirá para nada amanhã. O bebé terá morrido; então, por fa­vor, envie-nos esta tarde". Depois disso, com um pensamento de finalização, ela acrescentou: "E, enquanto Você está cuidan­do disso, será que Você poderia enviar uma boneca para a me­nininha, para que assim ela saiba que Você realmente a ama?"

Em momentos como este, os cristãos mais velhos sempre temem que essas orações infantis sejam audaciosas demais e que, quando não são respondidas, a fé tenra seja abalada. Até esse dia, ninguém havia enviado à senhorita Roseveare ne­nhum pacote de casa (o Reino Unido) e, mesmo que alguém

93

- NOSSO DEUS É MARAVILHOSO! ­



tivesse enviado alguma coisa, o "senso comum" diria para não enviar uma bolsa de água quente para o Equador.

No meio da tarde, Helen recebeu uma notícia de que um carro havia chegado a sua casa com um pacote de quase 10 quilos. Ela correu pelo pátio com as meninas órfãs atrás dela e rasgou imediatamente a embalagem. Enquanto 40 jovenzi­nhas a olhavam sem fôlego, ela levantou do pacote roupas, bandagens, sabonete, uma caixa de uvas passas. Daí ela en­fiou a mão no pacote, de novo, e pegou uma bolsa de água quente. Ela chorou. Ela não tinha ousado pedir a Deus que a enviasse, e nem cria que Ele o fizesse.

Naquele instante, Ruthie se colocou à frente e disse: "Se Deus enviou a bolsa, ele deve ter enviado a bonequinha tam­bém". Enfiando a mão novamente na caixa, ela puxou de lá uma linda boneca e perguntou: "Posso ir com você, mamãe, e dar esta bonequinha para aquela menininha para que ela saiba que Jesus a ama de verdade?" Cinco meses antes disso, uma classe de garotas cristãs na Grã-Bretanha havia feito

o pacote, incluindo a improvável bolsa de água quente e a boneca que uma das meninas havia dado.

Ruthie havia orado para que a bolsa e a boneca chegas­sem naquela tarde. Elas chegaram. Deus havia colocado as rodas em movimento vinte semanas antes.

O amado Novo Testamento

Durante a Guerra no Vietnã, os vietcongues devasta­ram o Laos e capturaram dois jovens missionários, SamMattix e Lloyd Óppel, forçando-os a marcharem aproxi­madamente 800 quilómetros ao longo da trilha Ho Chi Minh até Hanói, no Vietnã do Norte. A viagem levou 40 dias. Mattix e Oppel foram levados prisioneiros ao lugar que eles cinicamente chamavam de o Hanói Hilton, na ver­dade um lugar de tortura e brutalidade. A maior parte dos internos era de prisioneiros de guerra americanos, tanto oficiais quanto recrutas.

Os dois missionários eram provavelmente suspeitos de ser agentes do governo. A comida era mínima, as instala­ções sanitárias eram intoleráveis, e o material para leitu­ra era escasso. Lloyd, Sam e dois outros cristãos tentaram reconstruir as Escrituras tanto quanto eles conseguiam se lembrar, mas sentiram que infelizmente era muito pouco. Mais tarde, em resposta a repetidas solicitações, um guarda trouxe-lhes um Novo Testamento dos Gideões. Esse livri­nho era tão procurado que seu uso teve que ser racionado. Um homem poderia tê-lo consigo apenas 30 minutos antes de passá-lo para a próxima pessoa da lista. Mesmo os mi­litares mais endurecidos e que falavam palavrões e maldi­ções, se viram lendo a Palavra de Deus.

Finalmente a guerra terminou e o que parecia ter sido a detenção de uma vida toda havia acabado. Era a hora de os homens voltarem para casa. Um dia foi dada uma ordem para que os homens se reunissem no pátio dajjrisão para inspe­ção das sacolas com zíper que haviam sido feitas para eles guardarem seus itens pessoais. Quando um guarda checou os conteúdos da sacola de Lloyd e encontrou o Novo Testamen­to, ele vociferou: "Por que você está tentando levar isto? Já falei que isto pertence à prisão". O guarda colocou o Novo Testamento em cima da mesa de inspeção.

Quando o oficial superior, que era ateu e, ao mesmo tem­po, um cavalheiro sulista, viu o que acontecera, ele se dirigiu à mesa, sorrateiramente, escorregou o livro pela palma de sua mão e enfiou em sua bagagem. Apenas quando os homens estavam voando para a Base Aérea de Clark nas Filipinas, no primeiro segmento de sua jornada de volta para casa, que esse oficial superior veio pelo corredor até onde Lloyd estava sentado e disse: "Eu tenho uma coisa para você". A medida que as câmeras fotográficas registravam o fato, ele entregou a Lloyd aquele inestimável Novo Testamento. Dentro, o oficial havia assinado seu nome e acrescentado: Exemplar Gratuito. Foi uma palavra terna de segurança e encorajamento de um Pai que cuida de Seus servos fiéis.

95

Não saberemos o restante da história até que estejamos no céu. Será que os homens se converteram a Deus quando liam

o Novo Testamento na prisão? E aquele oficial superior? Será que ele chegou a se arrepender e a crer no Salvador?

A mamba negra

A mamba negra é a cobra mais perigosa e mais temida da África. As mambas alcançam o comprimento de até 3,50 metros e podem se deslocar numa velocidade de cerca de 15 quilómetros por hora. Elas armazenam uma grande quantida­de de veneno e injetam uma dose letal em uma única picada. O corpo rapidamente absorve o veneno, causando paralisia no sistema respiratório.

Virgínia Ross desviou a atenção de seu trabalho missio­nário quando ouviu sua filhinha Jean chorar na varanda de sua casa, na Zâmbia. Virgínia arrancou sua filha de um ano do chiqueirinho, mas viu que formigas haviam mordido a peque­na. Depois de trocá-la e cuidar das picadas, a mãe foi de volta para a varanda. Quando ela se aproximou do chiqueirinho, uma mamba preta saiu dele e veio em direção a ela. O terço frontal de seu corpo estava no ar, o restante ficando por conta da locomoção. Virgínia se lembra de ter sussurrado uma breve oração pedindo proteção.

As mambas são mais perigosas quando alguém ou algu­ma coisa impede seu caminho para sua toca. Obviamente isto foi o que aconteceu na varanda. A cobra, contudo, subitamen­te mudou de rumo e moveu-se rapidamente para dentro de um fogão velho e sem utilidade que estava próximo.

Virgínia chamou seu marido, Archie, que estava lá em­baixo na colina fazendo o que é conhecido como a princi­pal ocupação de um missionário: consertando o carro. Ar­chie procurou a mamba, mas não conseguiu achá-la, então voltou para o carro.

Mais tarde, um menino africano que trabalhava na casa deles estava passando roupa no alpendre e viu a cobra, deu um grito

96

agudo e começou a pular no chão. Quando Archie voltou, ele de­cidiu forçar a mamba a sair, ateando fogo ao fogão. A cobra apa­receu, retorcendo-se em espiral; ela media quase três metros.



Armado com um rasteio, Archie foi capaz de espetá-la e depois matá-la rapidamente.

Perguntas: Será que a cobra estava no chiqueirinho quan­do o bebé estava lá? Como aconteceu das formigas morderem a pequena Jean naquele exato momento, chamando assim a mãe? Por que a mamba mudou de rumo quando ela poderia ter dado um bote em Virgínia? Coincidências? Acho que não.



Fé restaurada10

A guerra entre os Estados Unidos e o Vietnã estava inten­sa. Hien era um jovem cristão do Vietnã do Sul. Como ele era proficiente em inglês, o exército americano o contratou como intérprete. Mas os vietcongues o tinham sob fiscalização atra­vés de seus agentes disfarçados. Finalmente eles fecharam o cerco contra Hien, prenderam-no e o jogaram numa prisão.

Eles começaram com um programa intenso de lavagem cerebral. Dia após dia ele era sujeitado a torturas mentais. Os escritos de Marx e Engel eram repetidos insistentemente para entrarem no cérebro dele. Finalmente ele não suportou mais a pressão. Ele negou a Deus. Ele não conseguia mais crer n'Ele.

Seu trabalho temporário nessa época era limpar latrinas. O fedor era inacreditável. Um dia, no local de trabalho, ele resol­veu não orar mais. Para que serve? Na manhã seguinte, ele es­tava esvaziando uma cestinha de lixo quando notou um pedaço de papel. Assim que ele lavou a sujeira que estava no papel, ele viu Romanos 8 no canto de cima à direita. Então ele leu:



"Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem da­queles que amam a Deus, daqueles que são chamados segun­do o seu propósito. (...) Que diremos, pois, à vista destas coi­sas? Se Deus épor nós, quem será contra nós? (...) Quem os condenará? (...) Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez,

97


ou perigo, ou espada? (...) Em todas estas coisas, porém, so­mos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou ".

Foi como se as cataratas do Niágara tivessem explodido de seus olhos. As lágrimas desceram. No dia seguinte, ele foi até o comandante e pediu permissão para limpar as latrinas todos os dias. Este era um pedido bizarro, mas o comandan­te permitiu. Aquele mesmo comandante tinha uma cópia do Novo Testamento, mas, como comunista ateu que era, ele a estava usando como papel higiénico. Todos os dias Hien recu­perava uma página do Novo Testamento, limpava-a do excre­mento humano,lavava-a e a colocava em seu beliche. Quando os outros prisioneiros estavam dormindo, ele ficava debaixo do mosquiteiro e lia a Palavra sagrada.

Nesse ínterim, ele se uniu a um grupo que estava pla­nejando escapar. Os vietcongues desconfiaram da trama e o chamaram para o interrogatório.

"Vocês estão tentando escapar, não é?"

Ele respondeu "Não".

"Diga-nos a verdade. Vocês estão tentando escapar".

Novamente ele mentiu.

Então, sua consciência o comoveu. Ele havia falhado com

o Senhor por ter mentido. Ele determinou que, se os soldados perguntassem de novo, ele diria a verdade. Eles voltaram pela terceira vez. "Vocês estão tentando

deixar o país, não é?"

Desta vez ele respondeu "Sim".

Eles o levaram para uma sala na prisão, ostensivamente para puni-lo. Mas ele ficou espantado quando os ouviu dizer: "Queremos ir com vocês".

Tão secretamente quanto possível, eles requisitaram um barco e partiram para a Tailândia. Foi uma viagem difícil. Eles tinham certeza de que teriam se afogado se os soldados não fossem homens experimentados do mar. Na bondade de Deus, eles chegaram à Tailândia finalmente - e com uma nova vida.

Hoje Hien é um administrador de empresas e está reali­zando um ministério para o Senhor na Califórnia.

98

Contato perdido

Para ser bem honesto, Brenda estava totalmente ame­drontada quando começou a escalar o penhasco com alguns amigos cristãos. Mas ela havia se comprometido a fazer a es­calada; então, não poderia desistir. O penhasco parecia quase que perpendicular enquanto ela se movia para cima na parte principal dele. Ela estava segurando a corda como se sua vida dependesse dela - e dependia.

Foi um alívio quando ela chegou a uma saliência no rochedo onde ela pode tomar um fôlego. Aparentemente, a pessoa no topo do penhasco balançou e fez a corda estalar por engano. A corda bateu em um dos olhos de Brenda e derrubou sua lente de contato. Pense em uma situação deses­peradora. Aquela era uma. A lente é pequena e transparente, e Brenda estava ao lado de um promontório de granito. Com ambas as mãos coladas à corda, ela deu .uma busca na sali­ência sobre a qual ela estava de pé, mas mesmo que a lente estivesse ali, ela não seria capaz de vê-la porque sua visão estava embaçada. Ela estava longe de casa onde tinha um par de lentes de reposição. Mesmo no nível do solo, não haveria nenhum lugar onde ela poderia substituí-la. Em seu desespe­ro, ela fez uma oração ao Senhor. Afinal, Ele é o Deus dos impossíveis, não é? Sim, é verdade, mas isso não seria esti­car as coisas demais? Isso não seria pedir demais?

À medida que ela se debatia até o topo do penhasco, ela ainda esperava que uma das garotas fosse capaz de encon­trar a lente no canto do olho de Brenda. Infelizmente, isso não aconteceu. A lente não estava lá. Não havia nada a fazer senão esperar que o restante do grupo chegasse ao topo, de­pois recomeçar a jornada de volta para casa. Ela olhou para a magnífica cordilheira de montanhas e pensou em 2 Crónicas

16.9: "Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra ". Depois ela orou: "Senhor, Você pode ver todas estas montanhas. Você conhece cada pedra e cada folha sobre elas, e Você sabe exatamente onde está minha lente de contato".

99


- NOSSO DEUS É MARAVILHOSO! -

Quando o grupo todo chegou ao topo, eles pegaram uma trilha e desceram a pé até à base do monte. Logo que chega­ram ali, ouviram uma voz vinda do penhasco: "Oi, pessoal! Alguém aí perdeu uma lente de contato?" Era a voz de um dos hikers [isto é, pessoa que faz extensas caminhadas] que havia começado a subida da parte principal da rocha. Brenda e seus amigos correram até a menina que havia gritado. Ela explicou que, quando estava subindo, viu uma formiga carregando a lente vagarosamente no meio da parte principal do penhasco. Se não fosse pelo movimento da formiga, ela jamais teria vis­to a lente. Mas, por que uma formiga iria querer uma lente?

O pai de Brenda é cartunista. Quando ela lhe contou a his­tória fantástica, ele desenhou uma figura da formiga arrastando a lente de contato pela parede do penhasco. Uma linha vai da formiga até uma nuvem em forma de balão com as palavras: "Senhor, não sei por que Você quer que eu carregue essa coisa. Não posso comê-la e ela é absurdamente pesada. Mas, se é isso que você quer que eu faça, eu a carregarei para Você".

O cachorro anjo

Julie e sua filha Tiffany haviam decidido passar férias na França. Em vez de irem numa turnê organizada, entretanto, elas escolheram fazer o passeio sozinhas - só as duas. Senti­ram que teriam mais liberdade para explorar os locais e para viajar em seu próprio compasso.

Uma das cidades de seu itinerário era Carcassonne, no sul. Depois de se acomodarem no hotel já bem à tardinha, elas de­cidiram sair para conhecer a cidade. Subiram ao topo do muro da cidade, de onde se podia ter uma visão esplêndida, mas, ao circundarem a cidade, verificaram que estavam desorientadas. Não tinham ideia de como voltar ao hotel. Era amedrontador estarem perdidas em um país estranho onde as pessoas falavam uma língua estranha e onde a escuridão ficava cada vez pior.

À medida que elas caminhavam ao longo do muro, um ca­chorro pastor alemão começou a fazer amizade com elas. Ele

100

agia como se as conhecesse há muito tempo, como se elas fos­sem membros de sua família. Julie era um tanto cautelosa e quis espantar o cachorro. Ele ficou meio distante por uns instantes, mas depois deve ter pensado bem, voltou e as seguia de perto.



Quando elas desceram para o nível da rua, viram uma passagem que Julie tinha certeza que as levaria ao hotel. Mas estava escura e lúgubre, e ela ficou nervosa. O cachorro não estava nervoso. Ele parecia querer escoltá-las ladeira abaixo, então elas o seguiram. Quando chegaram a uma rua bem ilu­minada, elas puderam ver seu hotel. O cachorro deu meia­volta e as deixou, como se sua missão tivesse sido cumprida.

Julie e Tiffany deram nome a ele de cachorro anjo; quem pode duvidar de que ele tenha feito o papel de um anjo guardião, mesmo que cachorros não sejam nunca chamados de anjos?



Meu amigo Brad

Dick estava esperando na "Sala dos Pais" no hospital en­quanto sua esposa, Betty, dava à luz ao seu segundo filho. Quando o capelão finalmente chegou, as notícias não eram boas. Os médicos estavam tendo dificuldades para fazer o bebé respirar; raios-X mostravam que vários órgãos estavam fora de lugar; e os pulmões haviam perdido as forças. O ca­pelão queria permissão para batizar o bebé, mas Dick não via justificativa bíblica para o batismo infantil e não estava com vontade de entrar em uma discussão teológica. Finalmente, entretanto, ele deu permissão para uma necropsia.

A caminho de casa, às 2 horas da madrugada, ele parou para contar aos pais de Betty, que trabalhavam na República do Chade e estavam em férias. A medida que Dick repetia a história sobre a morte do pequeno Brad, o Sr. Rogers dizia que eles haviam perdido um filho, John, da mesma maneira.

Foi então que o telefone tocou. Era o capelão dizendo o se­guinte: "Sanders, é como você disse. Se Deus o quisesse vivo, ele estaria vivo; ou, se Deus quisesse levá-lo, o levaria. Mas ele está vivo". Em sua exaustão emocional, Dick não estava acredi­tando no que ouvia. Afinal, ele havia assinado os documentos da necropsia do Brad. Será que o capelão estava fora do juízo?

O Sr. Rogers persuadiu Dick a voltar ao hospital e inves­tigar se, por acaso, o relato era verdadeiro. Realmente, uma enfermeira havia insistido em fazer respiração boca a boca no bebé. Ela não parava. Finalmente o pequeno Brad começou a respirar. Mas ainda havia o problema dos órgãos que estavam fora do lugar. O hospital ligou para um especialista, mas ele não estava em casa. Na verdade, ele estava bem ali no hospi­tal, trabalhando com um outro paciente. Quando ele aspirou um pouco de fluido e os pulmões de Brad se encheram de ar, os outros órgãos entraram em suas posições normais.

Todavia, durante todo esse tempo, a falta de oxigénio havia atingido o cérebro de Brad. À medida que ele ia cres­cendo, Dick e Betty notaram que ele não movia as perninhas como os outros bebés. Uma visita à clínica revelou que tinha mesmo um caso sério de paralisia cerebral. Betty aprendeu um procedimento conhecido como patterning, através do qual os braços e as pernas são flexionados ritmicamente, como num nado, em um esforço de ensinar o cérebro a ativar os membros; mas, não funcionou no caso de Brad nem após três anos e meio de tentativa.

A despeito de um conselho bem intencionado dos amigos, nunca houve nenhum pensamento de entregar Brad aos cui­dados de nenhuma outra pessoa. Ele era o membro especial da família. Sua presença enriquecia a vida dos demais e lhes ensinava lições que não teriam aprendido de outra forma.

Dick e Betty realizavam uma carga completa de ministé­rios em reuniões em sua casa, além de suas responsabilidades, até o verão de 1965, quando o Senhor os chamou para servi­10 no Chade. Novamente não faltaram conselhos negativos, mas eles simplesmente não criam que Deus lhes daria um fi­lho como motivo para não irem ao campo missionário.

Com o passar do tempo, ficou claro que a mente de Brad não era debilitada. A primeira dica veio quando Dick imitou o som de um avião e os olhos de Brad se voltaram para cima. Os pais se apegaram a isso e fizeram tudo o que podiam para de­senvolver sua mente, mesmo que ele não pudesse falar. Tanto os pais quanto os irmãos, Steve e Nate, desenvolveram um sistema de comunicação único com Brad; eles aprenderam a interpretar o movimento dos olhos dele.

Dick e Betty serviram no campo missionário durante 14 anos, depois voltaram para o ministério de reuniões em sua casa em Illinois. Eles começaram uma empresa conhecida como Os Brinquedos de Brad, fazendo joguinhos e equipa­mentos para pessoas deficientes.

Em 1988, Brad conseguiu comunicar a seus pais que ele confiava no Senhor Jesus como sua única esperança para o céu. Não havia dúvida quanto à sinceridade dele. Por isso, tudo foi organizado para ele ser batizado. Dick e dois outros homens o levantaram, e depois o abaixaram dentro do tan­que. Dick disse: "Nesse ponto eu estava acabado". Ele ficou totalmente tomado pela emoção.

No dia em que pela primeira vez ligou um computador, Brad já parecia saber o que ele estava fazendo. Ele aprendeu sozinho a usá-lo movendo uma bolinha presa abaixo de seu queixo. Mais tarde, com uma banda na cabeça segurando um dispositivo in­fravermelho, Brad conseguia dirigir o raio de luz no monitor e ativar os comandos. Logo ele estava suficientemente proficiente para trabalhar como desenhista, fazendo projetos para deficientes poderem subir ao segundo andar de casas de fazenda, cadeiras modificadas, rampas, dispositivos para comida e até casas. Ele desenvolveu o projeto para um engaste em sua cadeira motoriza­da de forma que ele podia dar carona para crianças e ajudar seu pai a transportar os materiais para a loja de carpintaria. A cadeira motorizada agora empurra uma pá carregadeira de neve e um mecanismo de tirar a neve do caminho.

Seu mais recente avanço é sua habilidade de falar atra­vés de novas tecnologias de computador. Brad aponta o raio infravermelho para letras, palavras e frases pré-programa­das que ele sempre usa. Elas são então traduzidas para uma voz mecânica através de uma caixa que fica do lado dele.

103


- NOSSO DEUS E MARAVILHOSO! -

Ele demonstrou sua capacidade técnica com essa inovação em uma convenção na Califórnia.

O versículo favorito de Brad é João 9.3. Quando os discí­pulos perguntaram por que certo homem tinha nascido cego, Jesus lhes respondeu: "Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus" (ênfase acrescentada). A paixão de Brad é ser usado para glorificar a Deus. Seu desafio aos outros é que não esperem até estarem perfeitos para servirem ao Senhor, mas que deixem o Senhor usá-los agora mesmo, como eles são. Isso tem sido verdade em sua vida. Deus tem usado a ele e a sua deficiência. Em um vôo para o Chade em 1971, um jovem cristão francês sentou­se atrás dos Sanders, olhando-os intensamente. Nessa época,

o jovem havia desistido de servir ao Senhor porque ele achava que sua esposa não conseguiria tolerar o clima na África. Ele havia então se alistado no exército. Mas ao ver Brad e seus irmãos interagindo no avião, ele voltou para a França e trouxe sua esposa para o campo missionário. Cristo havia falado a ele através de Brad, sem que Brad dissesse uma única palavra.





1   2   3   4   5   6


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal