No princípio apresentaçÃO



Baixar 2,45 Mb.
Página27/32
Encontro03.05.2017
Tamanho2,45 Mb.
1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   32
PARTE II
RESUMO HISTÓRICO PÓS-QUEDA

Nesta segunda parte veremos alguns textos de fatos relacionados com o Plano da Redenção: o desdobramento do mesmo desde as quedas no Céu e na Terra, passando pela encarnação, vida e morte de Cristo e o Juízo Final. Temos 8 tópicos.




1 - A APARÊNCIA DE SATANÁS

[1882-EW] Early Writings of Ellen G. White {33/145/1} | Primeiros Escritos {33/145/1a}

Satan was once an honored angel in heaven, next to Christ. His countenance, like those of the other angels, was mild and expressive of happiness. His forehead was high and broad, showing great intelligence. His form was perfect; his bearing noble and majestic.

Satanás foi outrora um honrado anjo no Céu, o primeiro depois de Cristo. Seu semblante, como o dos outros anjos, era suave e exprimia felicidade. Sua testa era alta e larga, demonstrando grande inteligência. Sua forma era perfeita, seu porte nobre e majestoso.

[1858-1SG] Spiritual Gifts, Vol. 1 {3/27/2}

I was then shown Satan as he was, a happy, exalted angel. Then I was shown him as he now is. He still bears a kingly form. His features are still noble, for he is an angel fallen. But the expression of his countenance is full of anxiety, care, unhappiness, malice, hate, mischief, deceit, and every evil. That brow which was once so noble, I particularly noticed. His forehead commenced from his eyes to recede backward. I saw that he had demeaned himself so long, that every good quality was debased, and every evil trait was developed. His eyes were cunning, sly, and showed great penetration. His frame was large, but the flesh hung loosely about his hands and face. As I beheld him, his chin was resting upon his left hand. He appeared to be in deep thought. A smile was upon his countenance, which made me tremble, it was so full of evil, and Satanic slyness. This smile is the one he wears just before he makes sure of his victim, and as he fastens the victim in his snare, this smile grows horrible.

=[1870-1SP]
[1870-1SP] The Spirit of Prophecy, Vol. 1 {4/48/4} | História da Redenção {5/45/4}

I was then shown Satan as he was, a happy, exalted angel. Then I was shown him as he now is. He still bears a kingly form. His features are still noble, for he is an angel fallen. But the expression of his countenance is full of anxiety, care, unhappiness, malice, hate, mischief, deceit, and every evil. That brow which was once so noble, I particularly noticed. His forehead commenced from his eyes to recede backward. I saw that he had demeaned himself so long that every good quality was debased, and every evil trait was developed. His eyes were cunning and sly, and showed great penetration. His frame was large; but the flesh hung loosely about his hands and face. As I beheld him, his chin was resting upon his left hand. He appeared to be in deep thought. A smile was upon his countenance, which made me tremble, it was so full of evil and Satanic slyness. This smile is the one he wears just before he makes sure of his victim; and as he fastens the victim in his snare, this smile grows horrible.

Foi-me então mostrado Satanás como havia sido: um anjo feliz e elevado. Em seguida, ele foi-me mostrado como se acha agora. Ainda tem formas régias. Suas feições ainda são nobres, pois é um anjo, ainda que decaído. Mas a expressão de seu rosto está cheia de ansiedade, cuidados, infelicidade, maldade, ódio, nocividade, engano e todo mal. Aquele semblante que fora tão nobre, notei-o particularmente. Sua fronte, logo acima dos olhos, começava a recuar. Vi que ele se havia degradado durante tanto tempo que toda boa qualidade se rebaixara, e todo mau traço se desenvolvera. Seu olhar era astuto e dissimulado, e mostrava grande penetração. Sua constituição era ampla; mas a carne lhe pendia frouxamente nas mãos e no rosto. Quando o vi, apoiava o queixo sobre a mão esquerda. Parecia estar em profundos pensamentos. Tinha um sorriso no rosto, o qual me fez tremer, tão cheio de maldade e dissimulação satânica era ele. Este sorriso é o que ele tem precisamente antes de segurar sua vítima; e, ao fixá-la em sua cilada, tal sorriso se torna horrível.
[1882-EW] Early Writings of Ellen G. White {35/152/3} | Primeiros Escritos {35/152/3}

I was shown Satan as he once was, a happy, exalted angel. Then I was shown him as he now is. He still bears a kingly form. His features are still noble, for he is an angel fallen. But the expression of his countenance is full of anxiety, care, unhappiness, malice, hate, mischief, deceit, and every evil. That brow which was once so noble, I particularly noticed. His forehead commenced from his eyes to recede. I saw that he had so long bent himself to evil that every good quality was debased, and every evil trait was developed. His eyes were cunning, sly, and showed great penetration. His frame was large, but the flesh hung loosely about his hands and face. As I beheld him, his chin was resting upon his left hand. He appeared to be in deep thought. A smile was upon his countenance, which made me tremble, it was so full of evil and satanic slyness. This smile is the one he wears just before he makes sure of his victim, and as he fastens the victim in his snare, this smile grows horrible.

Foi-me então mostrado Satanás como havia sido: um anjo feliz e exaltado. Em seguida, ele foi-me mostrado como se acha agora. Ainda apresenta porte real. Suas feições ainda são nobres, pois é um anjo, ainda que decaído. Mas a expressão de seu rosto está cheia de ansiedade, cuidados, infelicidade, malícia, ódio, discórdia, engano e toda maldade. De modo especial, prestei atenção àquele semblante outrora tão nobre. Sua fronte, logo acima dos olhos, começava a recuar. Vi que ele se havia degradado durante tanto tempo que toda boa qualidade se rebaixara, e todo mau traço se desenvolvera. Seu olhar era astuto e dissimulado, demonstrando grande perspicácia. Sua constituição era ampla; mas a carne lhe pendia frouxamente nas mãos e no rosto. Quando o vi, apoiava o queixo sobre a mão esquerda. Parecia estar em profunda meditação. Tinha um sorriso no rosto, o qual me fez tremer, por ser tão cheio de maldade e astúcia. Esse sorriso é o que ele tem precisamente antes de atacar sua vítima; e, ao prendê-la em sua cilada, tal sorriso se torna horrível.
Eis o inimigo com quem temos de lidar. Cheio de ciladas (ecumenismo brando, não comprometedor) e artimanhas para nos prender (heresias, apostasia Ômega). Estamos buscando segurança em Deus? Buscando encher-nos do Espírito Santo do Pai e do Filho, para que não haja espaço a ser ocupado pelo espírito iníquo desse ser?
2 - A ORIGEM DO PECADO E A IMPOSSIBILIDADE DE A MESMA SER EXPLICADA

[1884-4SP] The Spirit of Prophecy, Vol. 4 {24/316/1}

To many minds the origin of sin and the reason for its existence are a source of great perplexity. In their interest in these questions, the truths plainly revealed in God's word and essential to salvation are neglected; and the fact that the Scriptures furnish no explanation, is seized upon as an excuse for rejecting the words of Holy Writ.

Para muitas mentes a origem do pecado e a razão de sua existência são uma fonte de grande perplexidade. Em seus interesses nestas questões, as verdades claramente reveladas na palavra de Deus e essenciais a salvação são negligenciadas; e o fato de que as Escrituras não fornecem nenhuma explicação, é apanhado como uma desculpa para rejeitar as palavras das Sagradas Escrituras.
[1888-GC88] The Great Controversy {29/492/1} | O Grande Conflito {29/492/1}

To many minds, the origin of sin and the reason for its existence are a source of great perplexity. They see the work of evil, with its terrible results of woe and desolation, and they question how all this can exist under the sovereignty of One who is infinite in wisdom, in power, and in love. Here is a mystery, of which they find no explanation. And in their uncertainty and doubt, they are blinded to truths plainly revealed in God's Word, and essential to salvation. There are those who, in their inquiries concerning the existence of sin, endeavor to search into that which God has never revealed; hence they find no solution of their difficulties; and such as are actuated by a disposition to doubt and cavil, seize upon this as an excuse for rejecting the words of Holy Writ. Others, however, fail of a satisfactory understanding of the great problem of evil, from the fact that tradition and misinterpretation have obscured the teaching of the Bible concerning the character of God, the nature of his government, and the principles of his dealing with sin.

Para muitos espíritos, a origem do pecado e a razão de sua existência são causa de grande perplexidade. Vêem a obra do mal, com seus terríveis resultados de miséria e desolação, e põem em dúvida como tudo isso possa existir sob o reinado de um Ser que é infinito em sabedoria, poder e amor. Eis um mistério, para o qual não encontram explicação. E, em sua incerteza e dúvida, tornam-se cegos para verdades plenamente reveladas na Palavra de Deus, e essenciais à salvação. Existem os que, em suas pesquisas concernentes à existência do pecado, se esforçam por esquadrinhar aquilo que Deus nunca revelou; por isso não encontram solução para suas dificuldades; e os que mostram tal disposição para a dúvida e astúcia, aproveitam-se disto como desculpa para rejeitar as palavras das Sagradas Escrituras. Outros, entretanto, deixam de ter uma compreensão satisfatória a respeito do grande problema do mal, devido a terem a tradição e a interpretação errônea obscurecido o ensino da Bíblia relativo ao caráter de Deus, à natureza de Seu governo, e aos princípios que regem Seu trato com o pecado.
Interessante como isso se aplica à apostasia Ômega:doutrinas que podem ser facilmente entendidas pela Bíblia, são substituídas por doutrinas “indiretas”, entendidas “por inferência”.
[1884-4SP] The Spirit of Prophecy, Vol. 4 {24/316/2}

It is impossible to explain the origin of sin, or to give a reason for its existence. It is an intruder, for whose existence no reason can be given. It is mysterious, unaccountable; to excuse it, is to defend it. Could it be excused, could a cause be shown for its existence, it would cease to be sin. Our only definition of sin is that given in the word of God; it is "the transgression of the law."

É impossível explicar a origem do pecado, ou dar uma razão para sua existência. É um intruso, para cuja existência nenhuma razão pode ser dada. É misterioso, inexplicável; desculpá-lo corresponde a defendê-lo. Pudesse ser desculpado, pudesse uma causa ser mostrada para sua existência, deixaria de ser pecado. Nossa única definição de pecado é aquela dada na palavra de Deus; é "a transgressão da lei”.

[1888-GC88] The Great Controversy {29/492/2} | O Grande Conflito {29/492/2}

It is impossible to so explain the origin of sin as to give a reason for its existence. Yet enough may be understood concerning both the origin and the final disposition of sin, to fully make manifest the justice and benevolence of God in all his dealings with evil. Nothing is more plainly taught in Scripture than that God was in nowise responsible for the entrance of sin; that there was no arbitrary withdrawal of divine grace, no deficiency in the divine government, that gave occasion for the uprising of rebellion. Sin is an intruder, for whose presence no reason can be given. It is mysterious, unaccountable; to excuse it, is to defend it. Could excuse for it be found, or cause be shown for its existence, it would cease to be sin. Our only definition of sin is that given in the Word of God; it is "the transgression of the law;" it is the outworking of a principle at war with the great law of love which is the foundation of the divine government.

É impossível explicar a origem do pecado de maneira a dar a razão de sua existência. Todavia, bastante se pode compreender em relação à origem, bem como à disposição final do pecado, para que se faça amplamente manifesta a justiça e benevolência de Deus em todo o Seu trato com o mal. Nada é mais claramente ensinado nas Escrituras do que o fato de não haver sido Deus de maneira alguma responsável pela manifestação do pecado; e de não ter havido qualquer retirada arbitrária da graça divina, nem deficiência no governo divino, para que dessem motivo ao irrompimento da rebelião. O pecado é um intruso, por cuja presença nenhuma razão se pode dar. É misterioso, inexplicável; desculpá-lo corresponde a defendê-lo. Se para ele se pudesse encontrar desculpa, ou mostrar-se causa para a sua existência, deixaria de ser pecado. Nossa única definição de pecado é a que é dada na Palavra de Deus; é: "quebrantamento da lei"; é o efeito de um princípio em conflito com a grande lei do amor, que é o fundamento do governo divino.
[1886.03.09-RH] Review and Herald {2b} | A Verdade Sobre Os Anjos {4/31/1}

The entrance of sin into heaven cannot be explained. If it were explainable, it would show that there was some reason for sin. But as there was not the least excuse for it, its origin will ever remain shrouded in mystery.

A entrada do pecado no Céu não pode ser explicada. Fosse isto possível, arranjar-se-ia alguma razão para o pecado. Mas não houve a menor escusa para ele, e sua origem permanecerá cercada de mistério.
[1893.09.18-ST] The Signs of the Times {1b} | A Verdade Sobre Os Anjos {4/31/3}

There was a time when Satan was in harmony with God, and it was his joy to execute the divine commands. His heart was filled with love and joy in serving his Creator, until he began to think that his wisdom was not derived from God, but was inherent in himself, and that he was as worthy as was God to receive honor and power.

Houve um tempo em que Satanás se encontrava em harmonia com Deus, quando era sua alegria executar os divinos mandamentos. Seu coração encontrava-se cheio de amor e regozijo em servir ao Criador, até que começou a imaginar que sua sabedoria não derivava de Deus, sendo antes inerente a ele próprio, e que ele era tão digno quanto Deus de receber honra e poder.
[1893.09.18-ST] The Signs of the Times {1c}

When he found that he could not be as God, he was filled with rebellion, and would not submit his will to the will of God.

Quando ele achou que ele não pudesse ser como Deus, ele estava cheio com rebelião, e não submeteria os seus vão ao testamento de Deus.
[1894] Manuscrito 39 | Cristo Triunfante – MM 2002 {10/2a}

Houve um tempo em que Satanás andou em comunhão com Deus, Jesus Cristo e os santos anjos. Era grandemente exaltado no Céu, e radiante na luz e glória que lhe vinham do Pai e do Filho, mas tornou-se desleal e perdeu sua elevada e santa posição como querubim cobridor. Tornou-se o antagonista de Deus, um apóstata, e foi excluído do Céu. ... Convocou todos os poderes do mal para cerrar fileiras em torno do seu estandarte, a fim de formarem uma desesperada confederação maligna para coligar-se contra o Deus do Céu.


Os Poderes Celestiais antes da queda: O Pai, o Filho, Lúcifer e os anjos.

A Luz e Glória provêm da Divindade – Pai e Filho.


[1901.04.16-RH] Review and Herald {2a}

Satan is the originator of sin. In heaven he resolved to live to himself. He resolved to be leader.

Satanás é o originador do pecado. No céu ele resolveu viver para si mesmo. Ele resolveu ser o líder.
[1901.04.16-RH] Review and Herald {2b} | A Verdade Sobre Os Anjos {4/42/1}

He determined to make himself a center of influence. If he could not be the highest authority in heaven, he would be the highest authority in rebellion against the government of heaven. Head he would be, to control, not to be controlled.

Ele determinou-se a se tornar um centro de influência. Uma vez que não podia ser a mais alta autoridade no Céu, tornar-se-ia a mais elevada autoridade em rebelião contra o governo do Céu. Seria cabeça, exerceria controle e não seria controlado.
[1901.04.16-RH] Review and Herald {4}

Satan was dependent on God for his life. He resolved to ignore this dependence, but he could not destroy the fact. He could cease to be loyal and true, cease to be the means of communicating hallowed influences, but he could never be that which he told his companions he would be,--the center of influence.



Satanás dependendia de Deus para sua vida. Ele resolveu ignorar essa dependência, mas ele não pôde destruir esse fato. Ele poderia deixar de ser leal e verdadeiro, deixar de ser o meio de comunicar influências sagradas, mas ele nunca poderia ser que o ele disse para seus companheiros o que ele viria a ser,--o centro de influência.
Diferente de Cristo em quem “... há vida, original, não emprestada, não derivada”, Satanás não possui Vida Divina.

Satanás era o canal de comunicação do Espírito Santo do Pai e do Filho; função hoje ocupada por Gabriel e o outro Ungido.


[1893.03.01-SSW] The Sabbath-School Worker {2a}

The fallen angel whom God had made covering cherub, was ruined by his selfish, independent will.

O anjo caído a quem Deus havia feito querubim cobridor, foi arruinado pelo sua vontade egoísta, vontade independente.
[1893.03.01-SSW] The Sabbath-School Worker {2b} | A Verdade Sobre Os Anjos {3/26/5}

God had made him noble, had given him rich endowments. He gave him a high, responsible position. He asked of him nothing that was unreasonable. He was to administer the trust given him of God in a spirit of meekness and devotion, seeking to promote the glory of God, who had iven him glory and beauty and loveliness.

Deus o havia feito nobre, havendo-lhe outorgado ricos dotes. Concedeu-lhe elevada posição de responsabilidade. Nada lhe pediu que não fosse razoável. Deveria ele administrar o cargo que Deus lhe atribuíra, num espírito de mansidão e devoção, buscando promover a exaltação de Deus, o qual lhe dera glória, beleza e encanto.
[1893.03.01-SSW] The Sabbath-School Worker {2c}

But Lúcifer abode not in the truth. He fell from his integrity. Let everyone learn the lesson which he should learn from this wonderful history.

Mas Lúcifer não se firmou na verdade. Ele caiu de sua integridade. Deixe todo o mundo aprender a lição que deveria aprender desta maravilhosa história.
[1901.04.16-RH] Review and Herald {3}

When Satan made this choice, when he ceased to co-operate with God in His plans for the universal good, he became by his own choice the leader in rebellion, and his influence was exerted solely to injure God. When Satan refused to exert his influence on the side of truth, heaven must no longer be his home. He gathered with him in rebellion an army of angels who had swerved from their allegiance. With these sympathizers he was cast out of heaven.

Quando o Satanás fez esta escolha, quando ele deixou de cooperar com Deus nos Seus planos para o bem universal, ele se tornou pela própria escolha dele o líder da rebelião, e sua influência foi exercida somente para prejudicar a Deus. Quando Satanás recusou a exercer sua influência ao lado de verdade, o céu já não deveria ser o seu lar. Ele ajuntou com ele em rebelião um exército de anjos que tinham-se desviado de sua fidelidade. Com estes simpatizantes ele foi expulso do céu.
[1902.02.11-RH] Review and Herald {2}

Satan determined to defeat God's plan. He began by bringing jealousy into the heavenly courts. To many of the angels he communicated his disaffection, and there was war in heaven, which ended in the expulsion of Satan and his sympathizers.

Satanás determinou derrotar o plano de Deus. Ele começou trazendo ciúmes nas cortes celestes. A muitos dos anjos ele comunicou sua desafeição, e houve guerra no céu que terminou com a expulsão de Satanás e seus simpatizantes.
[1898-DA] The Desire of Ages {48/435/2b} | O Desejado de Todas as Nações {48/435/2b}

There rose up before Him a vision of Lúcifer, the "son of the morning," in glory surpassing all the angels that surround the throne, and united in closest ties to the Son of God. Lúcifer had said, "I will be like the Most High" (Isa. 14:12, 14); and the desire for self-exaltation had brought strife into the heavenly courts, and had banished a multitude of the hosts of God. Had Lúcifer really desired to be like the Most High, he would never have deserted his appointed place in heaven; for the spirit of the Most High is manifested in unselfish ministry. Lúcifer desired God's power, but not His character. He sought for himself the highest place, and every being who is actuated by his spirit will do the same.

Diante dEle surgiu a visão de Lúcifer, o "filho da alva", sobrepujando em glória a todos os anjos que rodeavam o trono, e ligado pelos mais íntimos laços ao Filho de Deus. Lúcifer dissera: "Serei semelhante ao Altíssimo" (Isa. 14:12 e 14); e o desejo de exaltação própria levara conflito às cortes celestiais, e banira uma multidão das hostes de Deus. Houvesse na verdade Lúcifer desejado ser semelhante ao Altíssimo, e nunca teria perdido o lugar que lhe fora designado no Céu; pois o espírito do Altíssimo manifesta-se em abnegado ministério. Lúcifer desejava o poder de Deus, mas não o Seu caráter. Buscava para si mesmo o mais alto lugar, e toda criatura que é movida por seu espírito fará o mesmo.
Lúcifer era o amigo íntimo de Cristo!

O espírito iníquo, o espírito de Satanás é contrário a Espírito Santo, o Espírito da Divindade, o Espírito do Pai e do Filho.


3 - O ESPÍRITO INÍQUO DA REBELIÃO

[1884-4SP] The Spirit of Prophecy, Vol. 4 {24/318/3}

The rebellion in Heaven was prompted by the same spirit which inspires rebellion on earth. Satan has continued with men the same policy which he pursued with the angels. His spirit now reigns in the children of disobedience. There is a constant hatred of reproof, and a disposition to rebel against it. When God sends to wrong-doers a message of warning or correction, Satan leads them to justify themselves, and to seek the sympathy of others. Instead of changing their wrong course, they manifest great indignation against the reprover, as if he were the sole cause of difficulty. From the days of righteous Abel to our own time, such is the spirit which has been displayed toward those who dare to condemn sin.



O mesmo espírito que produziu a rebelião no Céu, ainda inspira a rebelião na Terra. Satanás tem continuado, com os homens, o mesmo estratagema que adotou em relação aos anjos. Seu espírito ora reina nos filhos da desobediência. Semelhantes a ele, procuram romper com as restrições da lei de Deus, prometendo liberdade aos homens por meio da transgressão dos preceitos da mesma. A reprovação do pecado suscita ainda o espírito de ódio e resistência. Quando a consciência é advertida pelas mensagens divinas, Satanás leva os homens a justificar-se e a procurar a simpatia de outros em seu caminho de pecado. Em vez de corrigirem seus erros, indignam-se contra aquele que reprova, como se fora ele a causa única da dificuldade. Desde os dias do justo Abel até ao nosso tempo, este é o espírito que tem sido manifestado para com os que ousam condenar o pecado.
[1888-GC88] The Great Controversy {29/500/2} | O Grande Conflito {29/500/1}

The same spirit that prompted rebellion in Heaven, still inspires rebellion on earth. Satan has continued with men the same policy which he pursued with the angels. His spirit now reigns in the children of disobedience. Like him they seek to break down the restraints of the law of God, and promise men liberty through transgression of its precepts. Reproof of sin still arouses the spirit of hatred and resistance. When God's messages of warning are brought home to the conscience, Satan leads men to justify themselves, and to seek the sympathy of others in their course of sin. Instead of correcting their errors, they excite indignation against the reprover, as if he were the sole cause of difficulty. From the days of righteous Abel to our own time, such is the spirit which has been displayed toward those who dare to condemn sin.



O mesmo espírito que produziu a rebelião no Céu, ainda inspira a rebelião na Terra. Satanás tem continuado, com os homens, o mesmo estratagema que adotou em relação aos anjos. Seu espírito ora reina nos filhos da desobediência. Semelhantes a ele, procuram romper com as restrições da lei de Deus, prometendo liberdade aos homens por meio da transgressão dos preceitos da mesma. A reprovação do pecado suscita ainda o espírito de ódio e resistência. Quando a consciência é advertida pelas mensagens divinas, Satanás leva os homens a justificar-se e a procurar a simpatia de outros em seu caminho de pecado. Em vez de corrigirem seus erros, indignam-se contra aquele que reprova, como se fora ele a causa única da dificuldade. Desde os dias do justo Abel até ao nosso tempo, este é o espírito que tem sido manifestado para com os que ousam condenar o pecado.
O espírito iníquo - o espírito de Satanás - INCITA, INSPIRA, REINA; pratica ATOS, o que somente é atribuível a uma PESSOA. Com base nisso podemos afirmar que temos o Espírito Iníquo pessoa, a 2ª pessoa da... malignidade para contrapor ao Espírito Santo pessoa? Existe o Espírito Santo Pessoa? Veremos isso mais adiante.

1   ...   24   25   26   27   28   29   30   31   32


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal