Município de primeiro de maio



Baixar 0,5 Mb.
Página1/2
Encontro26.11.2017
Tamanho0,5 Mb.
  1   2



PLANO MUNICIPAL DE
TURISMO
PRIMEIRO DE MAIO – PR
Diretrizes, Metas e Programas

AUTORES: AGNES ALVES, ALESSANDRO VIOTTO, CARINA SALA, DEISIHANY SANTANA, EMERSON MACHADO, MÁRCIO DE ÁGUIAR.


PLANO MUNICIPAL DE TURISMO
PRIMEIRO DE MAIO-PR


1. INTRODUÇÃO
2. DIAGNÓSTICO DO MUNICIPIO DE PRIMEIRO DE MAIO – PR

2.1 TURISMO EM PRIMEIRO DE MAIO

2.2 ANÁLISE DOS DADOS
3. DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO

3.1 OBJETIVOS
4. DESAFIOS
5. INSTITUIÇÕES REGULADORAS
6. METAS, PROGRAMAS E PROJETOS
7. REFERÊNCIAS
8. ANEXOS

1. INTRODUÇÃO
O município de Primeiro de Maio tem grande potencial turístico com diversos atrativos como, por exemplo, a Represa Capivara, mas o problema é que esse grande potencial não está sendo utilizado para o beneficio da população local, principalmente por falta de iniciativas publicas e privadas.

O Plano Municipal de Turismo de Primeiro de Maio - PR será um documento de referência para atuação dos órgãos competentes do município, no sentido de orientar as suas intervenções de acordo com as linhas estratégicas e planejamento definido para o desenvolvimento do setor do Turismo, ao nível do município.

As propostas apresentadas no Plano são baseadas no turismo com base local e aborda diversas temáticas, entre as principais, desenvolvimento no campo econômico-social e ambiental e na inserção da população local na atividade de turística.

Este plano é fruto de discussões, pesquisas e leituras realizadas pelo nosso grupo, sobre a orientação da professora Dr. Maria Del Carmem.

Iniciamos o processo de construção do Plano com o diagnostico do município de Primeiro de Maio, e foi através deste diagnostico que tivemos idéia dos nossos principais desafios e a partir daí determinamos nossas diretrizes, metas, programas e projetos, sempre buscando nos apoiarmos no turismo com base local levando em conta o lado humano, ou seja, a inclusão social onde todos participam e desfrutam com igualdade dos frutos gerados pelo turismo. Tudo isso será alcançado através de programas e projetos de desenvolvimento local focado nas pequenas empresas, nos jovens, nas mulheres, nos idosos, ou seja, na população marginalizada e excluída pela economia capitalista.

2. DIAGNÓSTICO DO MUNICIPIO DE PRIMEIRO DE MAIO - PR

O Município de Primeiro de Maio está situado no norte do Paraná, 470 km de distância da capital que é Curitiba e com 330m acima do nível do mar. Limita-se ao norte com o Estado de São Paulo, ao sul com o município de Sertanópolis, a oeste com Alvorada do Sul e Bela Vista do Paraíso e a leste com Sertaneja.


F
igura 1: Localização do Município de Primeiro de Maio

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Parana_Municip_PrimeirodeMaio.svg

O clima é subtropical Mesotérmico, com verões quentes e geadas pouco freqüentes e tendência de concentração das chuvas nos meses de verão. Sem estação seca definida.

O município era banhado pelos rios Tibagi e Paranapanema. Esses rios, juntamente com seus afluentes, formaram, após a construção da represa Capivara, o grande Lago Capivara, o qual ocupa 25% da antiga área do município, ou seja 1⁄4 das terras férteis de Primeiro de Maio.

Seu relevo é caracterizado como uma planície. Conta com solo muito rico formado pó rochas sedimentares, argilosas, resultantes dadecomposição do basalto, tipo de rocha magmática abundante no município, o que justifica a fertilidade do solo para a prática da agricultura.

A sua flora era formada pela floresta tropical, que foi devastada para dar lugar aos cafezais. Atualmente cerca de apenas 1% das matas nativas estão preservadas. Entre as espécies mais abundantes estão: Peroba, Pau’Alho, Angico, Guaritá e Cedro.



2.1 TURISMO EM PRIMEIRO DE MAIO

Com 1⁄4 de sua área territorial submersa pelas águas e com o objetivo de tentar reverter esse quadro considerado desastroso, em 1.976 alguns líderes da comunidade perceberam a possibilidade de aproveitar o lago como atração turística. Foi assim que se deu a origem do Terminal Turístico Paranatur.

O terminal foi criado e administrado por um órgão do governo, mas não trazia grandes benefícios para a cidade. Os investimentos em infra-estrutura eram poucos. Os moradores ao perceberem a má administração do terminal por parte do governo e criaram uma comissão na qual reivindicavam a sua municipalização. Em 1.986 o Terminal Turístico de Capivara foi municipalizado.

A partir daí houve a preocupação por parte do prefeito em exercício e da comissão quanto ao lazer dos moradores. Viu-se a possibilidade de investimentos na cidade por empreendedores que moravam aqui e a preocupação em divulgar o município para atrair empreendedores da região e transformá-lo em grande atração turística. Iniciou-se assim uma nova fase econômica: a da exploração turística do lago.

Com a municipalização o investimento privado foi grande, começaram a surgir as chácaras e loteamentos, trazendo para Primeiro de Maio novos moradores e turistas que freqüentavam nos finais de semana e feriados.

Com uma represa de 576 km, banhando suas terras, Primeiro de Maio não pode deixar de ser um pólo de lazer. Hoje são mais de 1000 chácaras que são alugadas para temporadas ou finais de semana, por moradores ou turistas, praticamente toda a margem do lago criado pelo represamento das águas está tomada por loteamentos. Os projetos Ilha do Sol e Marina 2000 são condomínios fechados de alto padrão. A Ilha do Sol pertence ao município de Sertaneja, porém o acesso também é feito por Primeiro de Maio.

Alguns dos eventos que ocorrem no Terminal Turístico possuem grande tradição e têm um considerável público cativo. Dentre eles destaca-se a Festa de Nossa Senhora Aparecida no dia 12 de outubro e o rodeio. De acordo relatos orais, a população local tem consciência de que quanto maior o investimento no turismo maior o desenvolvimento do comércio local, isso é sentido pelos comerciantes e população em geral quando se realiza eventos esporádicos ou tradicionais.

O turismo ainda é uma esperança para o povo primaiense, não apenas para satisfazer os interesses dos investidores, mas sim, para atender as necessidades da população a qual tem o direito de ser ressarcida pelo enorme prejuízo que a cidade sofreu com a construção da Represa Capivara. De um modo geral, verifica-se que praticamente todos os setores da sociedade primaiense foram prejudicados, destacando-se os proprietários de terras e comerciantes.



2.2 ANÁLISE DOS DADOS:
Dinâmica Populacional
Entre 1.980 a população primaense era de 21.467 desses 12.907 residiam na zona rural e em 1.990 o número de habitantes era de 12.312, sendo que apenas 2.949 continuaram residindo na zona rural. Percebe-se que entre 1980 e 1990 a população do município diminui quase pela metade. Há um fluxo migratório tanto do campo como da cidade. A maior parte da população foi embora para outras cidades ou regiões.
TABELA 1. EVOLUÇAO POPULACIONAL

ANO

POP. TOTAL

POP. RURAL

POP. URBANA

1950

13824

10324

3500

1960

25185

19281

5904

2000

10728

1000

9728

FONTE: REVISTA DE PRIMEIRO DE MAIO (1981) / IPARDES 2010

A população do município de Primeiro de Maio, vem durante muito tempo sofrendo um decréscimo de sua população, isto decorre pelo fato migratório para as regiões vizinhas, decorrente da falta de empregos na cidade, com a implantação de um programa de turismo na cidade, onde venha envolver um maior número de pessoas, oferecendo vagas de empregos e especialização em determinadas atividades. Com tudo, esta população se beneficiará, conseguindo ocupar as vagas de trabalho oferecida pelo turismo e também conseguindo desfrutar dos benefícios do turismo nos finais de semana.




Emprego e Renda
Conforme o IPARDES, Primeiro de Maio consiste em uma cidade onde a grande maioria dos postos de trabalho surge principalmente das atividades de serviços e comércio no espaço urbano, porém as atividades industriais vem ganhando espaço, aumentando significativamente o número de postos de trabalho.

Atualmente aproximadamente 90% da PEA empregada trabalha na área urbana, as atividades no setor agrícola participam com aproximadamente 10% dos postos de trabalho.

A renda Per cápita é de aproximadamente R$800,00, porém nesse número não reflete a real distribuição de renda no município. Em grande parte o valor das remunerações mensais concentram-se ao nível do salário mínimo.

Analisando os dados do IPARDES, podemos verificar que a maioria dos postos de trabalho oferecida pelo município, surge principalmente das atividades de serviços e comércio no espaço urbano. Este fato contribui para os investimentos no setor de turismo na cidade, no qual pode ser utilizado grande potencial deste setor, ainda podendo ocorrer à ampliação do mesmo.

Vale destacar também, que com o aumento e melhora dos postos de trabalhos, ofertando espaços para trabalhadores especializados na área de turismo, a renda per cápita tende a subir, devido ao aumento de vagas de emprego e serviços na região.

Infra-estrutura Social
O município de Primeiro de Maio possui elementos básicos de infra-estrutura social: escola pública em nível Creche, educação infantil, ensino fundamental e ensino médio; sistema de atendimento público de saúde, funcionando a nível de Município e pelo CISMEPAR (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema) em Londrina; Saneamento básico parcial, em processo de expansão da rede; água tratada em praticamente todos os domicílios.

Apesar de possuir elementos mínimos de infra-estrutura social, a qualidade destes serviços na grande parte da vezes não possui a qualidade necessária para o bom atendimento da população.

Um elemento a considerar ainda é o lazer. Para a grande parte da população são precárias as possibilidades de lazer em em equipamentos urbanos ou rurais públicos. Destaca-se, no entanto, o terminal turístico de Primeiro de maio (PARANATUR), o estádio municipal de futebol e a quadra poliesportiva. Além destes o reservatório da Hidrelétrica de Capivara são as poucas possibilidades de lazer sem custos.
TABELA 2. DOCENTES E ESTABELECIMENTOS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA - 2009


EDUCAÇÃO BÁSICA

DOCENTES (1)

ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

Creche

5

4

Pré-escolar

18

6

Ensino Fundamental

110

8

Ensino Médio

40 147

1

TOTAL

147

12

FONTE: SEED (1) Um docente (professor) pode atuar em mais de um etapa e/ou modalidade de ensino.

Os dados são referentes aos professores que estavam em sala de aula, na regência de turmas e em efetivo exercício na data de referência do Censo Escolar.



3. DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO:
O turismo pode ser um setor de grande geração de renda, seja em qualquer escala. O projeto de desenvolvimento contempla o campo econômico, social e ambiental, a inserção da população local na atividade de turística. Segundo o Plano Nacional do Turismo (2007/2010):
O turismo deve construir caminhos para que possa ser, efetivamente, um direito de todos, independentemente de condição social, política, religiosa, cultural e sexual, respeitando as diferenças, sob a perspectiva da valorização de ser humano e de seu ambiente. (PNT, 2007/2010)
É sob esta visão que se pretende trabalhar com o turismo na cidade. E preocupar-se com a cidadania e inclusão, para que principalmente a população local seja beneficiada com o turismo.

Seguir investindo em infra-estrutura, para que o turismo local entre como roteiro nacional e internacional do turismo no Brasil.


3.1 Objetivos:

  • Promover a geração de empregos: que possa proporcionar a inserção da população no mercado de trabalho, e com isso haja o aumento de divisas, que retornará como investimento no próprio turismo.

  • Desenvolver um calendário turístico: para a apresentação das diversidades culturais e naturais, e com isso incentivando o gasto do turista.

  • Apoiar a criação de um conselho municipal do turismo: este conselho tem a finalidade de conseguir investimentos e a expansão do turismo, seja pela iniciativa privada ou do estado, e que haja a fiscalização sobre os impactos ambientais, sociais e econômicos, e que o conselho promova o desenvolvimento de logísticas e infra-estrutura.

  • Ampliar o sistema de ensino para que se estimule a participação dos jovens em projetos de tempo integral ou de contra-turnos: para desenvolverem as atividades relacionadas e a qualificação no mercado de trabalho das atividades que integram o turismo.



4. DESAFIOS
O desenvolvimento das atividades turísticas num município de pouco mais de dez mil habitantes, onde a oferta de trabalho e possibilidade de renda são limitados à atividades direta ou indiretamente ligadas ao setor agrícola e ao comércio local, constitui, por si só, um desafio.

Apesar do município, já há duas décadas, conhecer propostas de desenvolvimento de atividades turísticas, são muito poucas as atividades que efetivamente despontam no fornecimento de serviços e produtos destinados diretamente à turistas. A grande parte das propostas implementadas até agora visam estimular o fluxo de turistas sem construir uma estrutura local de prestação dos serviços básicos especificamente à essa demanda.

Os desafios constituem os principais obstáculos a ultrapassar para o estabelecimento do plano municipal de turismo. Decorrem diretamente do contexto econômico e social diagnosticado no município, do conjunto de objetivos, diretrizes e princípios norteadores da proposta trazida aqui e baseadas nas limitações e potencialidades da atividade no local.

Tendo em vista o estabelecimento de uma proposta que vise, frente à estrutura brevemente comentada anteriormente, colaborar no processo de geração e elevação de renda da população local propiciando a ela melhoria na qualidade de vida, apresentamos alguns pontos tidos como estratégicos na superação das principais limitações à implementação do Plano Municipal de Turismo de Primeiro de Maio-Pr.

A organização dos diferentes segmentos sociais a partir dos princípios comuns no norteamento das ações do plano torna-se indispensável ao sucesso das atividades e programas propostos. Essencialmente as dificuldades decorrem dos choques de interesse entre estes segmentos, delegando ao conselho de turismo a incumbência de conciliar, frente ao bem comum, os interesses de grupo.

A adesão às propostas requerer o reconhecimento, por parte da população local, e principalmente dos profissionais, empresários e trabalhadores subempregados, do potencial de geração de renda com a atividade turística formal. O trabalho de convencimento deve ser acompanhado de políticas locais de estímulo à estruturação de bases de sustentação das atividades até o crescimento dos fluxos de turismo, e efetivas possibilidades de manutenção das atividades por conta própria, independentemente de subsídios governamentais.

Inserir a população local no mercado de consumo dos produtos turísticos locais torna-se indispensável ao alcance das metas do programa. Viabilizar à população local o acesso consiste tanto numa estratégia de aquecimento econômico local, principalmente nos períodos de menor fluxo turístico, como de elevação de qualidade de acesso a atividades de lazer diversificadas.

Por fim, a articulação dos diferentes programas e projetos propostos no plano. Todos eles foram idealizados a partir de metas comuns, dessa forma cada um deles deve ser entendido como ação complementar à manutenção comum do plano.

Frente aos desafios trazidos aqui torna-se evidente a opção pelo desenvolvimento das atividades turísticas respaldadas no desenvolvimento local. Colaborar com a redução da desigualdade social, geração de emprego e renda, formalização do trabalho entre outros objetivos e metas constituem ação decorrentes da superação dos desafios apresentados aqui, e consistem em estabelecer as bases para a continuidade/ manutenção da atividade turística local.

5. INSTITUIÇÕES REGULADORAS
O trabalho realizado em parcerias com as comunidades locais municipais (cooperativas de artesanato, pescadores e moradores), assim como a Associação Comercial e Industrial de Primeiro de Maio, a Igreja Católica, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), o Serviço Social do Comércio (SESC), juntamente com a Prefeitura Municipal de Primeiro de Maio e os departamentos de turismo, obras, educação e cultura.

A escolha dos envolvidos no Projeto Turístico será decidido por assembléia, onde a proposta será apresentada através de um programa em que cada área especifica apresentara seu plano para votação em assembléia geral.

Através de uma assembléia geral, serão votados os projetos e os envolvidos de forma democrática, onde  as propostas serão sistematizadas pela equipe técnica  a partir das sugestões de todos os segmentos.

Os profissionais que compuserem a comissão técnica serão contratados de acordo com as condições do valor encontrado em caixa para a folha de pagamento, aumentando o numero de profissionais de acordo com a necessidade e responsabilidade de pagamento.

A comissão técnica seria composta a princípio por um geógrafo, que segundo Calvente (2002), a formação do geógrafo favorece a visão ampla do espaço, possibilitando uma boa execução do projeto turístico. Também seria necessário os profissionais como técnico ambiental e turismólogo. Esses profissionais ocupariam o Conselho Municipal de Turismo.

A possibilidade da ampliação do quadro de profissionais serviria de suporte ao Projeto Turístico, incorporando os ramos de assessoria jurídica, eventos, etc.

Estes profissionais e órgãos envolvidos terão a função de analisar, avaliar e sistematizar as propostas no âmbito de trazer melhorias socioeconômicas e culturais à comunidade municipal assim como oferecer aos turistas boa receptividade.


6. METAS, PROGRMAS E PROJETOS

Meta 1: Criar 30% de novos empregos e ocupações
Esta meta constitui e propõe a criação de 30% de novos empregos e ocupações de 2010 a 2013.

Esta meta compõe-se a criação de empregos diretos, formais e informais geradas pelo turismo.

O desenvolvimento do turismo insere-se na perspectiva de expansão da economia de serviços em todo o mundo e pode ser uma importante ferramenta para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, particularmente com relação à erradicação da extrema pobreza e da fome, à garantia da sustentabilidade ambiental e à valorização da diversidade cultural, propiciando o estabelecimento de uma parceria mundial para o desenvolvimento.

Os indicadores para a realização desta meta de geração de empregos consistem em investimentos privados de porte em desenvolvimento para novos meios de hospedagem.

Os financiamentos também são de suma importância para o setor privado, pois para cada quarto de hotel são necessário de duas a 4 pessoas para trabalhar no estabelecimento.

Tratara também da inserção de mulheres no mercado de trabalho

As condições necessária para a geração de novos empregos referem-se antes de mais nada nos investimentos no município em estabelecimentos, pois a partir da expansão da atividade turística conseqüentemente o numero de empregos aumentará visivelmente.


Programa: Pleno emprego
Os programas se desdobram em diversas ações, que traduzem o seu detalhamento em projetos e atividades que proporcionarão a realização das metas.

Cabe ao programa incentivar e criar meios para geração de empregos assim como a inserção e a formalização de alguns.

O programa atua também na capacitação profissional e na inserção da mulher no mercado de trabalho.

Ele abrange diversas áreas e setores que ataram diretamente com a população, assim como parcerias com empresas privadas (hotéis, restaurantes, bares, etc.)


Projetos:
Capacitação profissional (desde hotelaria, pesca artesanato, culinária, etc). Pois com profissionais capacitado o produto do turismo e seus atrativos terão mais qualidade ao mesmo tempo em que a renda da população aumentara assim como a sua qualidade de vida.

Estimular a inserção das mulheres no mercado de trabalho. Assim com a participação ativa da mulher proporcionará uma nova perspectiva.

Este projeto tem como intuito organizar as mulheres em organizações e/ou cooperativas artesanais e culinárias para que estas se especializem e atentam ao fluxo turístico com melhor qualidade.

Meta 2: Aumentar o fluxo de turistas em até 70%
Esta meta é relativa ao aumento do numero de turistas no município. O conceito é fomentar o fluxo turístico para gerar desenvolvimento socioeconômico, cultural e ambiental, como medida para fortalecer a identidade turística do município.

Além de tentar aumentar a permanência dos visitantes em 1° de Maio, tende-se também estruturar também a cadeia turística para melhor recepção (hotéis e pousadas) e profissionalizar empresários e operacionais do setor.

Outra condição necessária para aumentar o fluxo do turismo no município é o aumento das estruturas básicas e essenciais, assim como saneamento básico , melhores condições nas rodovias de acesso, coleta do lixo, vias de acesso, segurança publica, entre outras para atender ao turista.

Segundo CAMPANHOLA e SILVA (2000), o aumento no fluxo de turistas em uma região que não está devidamente preparada para recebê-los pode causar danos ao meio ambiente como, por exemplo, no caso de uma pequena comunidade que não tenha rede de esgotos compatível com a população usuária (tanto a residente como os próprios visitantes). Neste caso, ocorre um aumento da poluição das águas pelo lançamento de dejetos nos rios, que em curto prazo de tempo pode, inclusive, provocar a redução das visitas de turistas em razão da degradação e da perda de atratividade.

Esses problemas podem causar fortes impactos sobre o ambiente local, embora possam ser contornados pela população local e pelo poder público através de intervenções conscientes e planejadas, devendo, portanto, ser recolhidas neste segmento como indicação de cautela e não de desestimulo.

Programa: “Vem Turista”
Projetos:
Conservação e contração de estradas e rodovias de acesso assim como infra-estrutura.

Implantação de lixeiras nos pontos estratégicos e mais visitados, reflorestamento das margens dos rios e lagos, criação de tanques para reposição de peixes nativos.

Calendário de festas e Promoção de eventos. Este projeto aplica-se na motivação e criação de um calendário festivo na qual serão promovidas festas em que o numero de turista em baixa temporada não será atingido por cinta da promoção de atrativos turísticos (festas) que serão dispostas em datas propositalmente estabelecidas é necessário desenvolver produtos turísticos que possam ser vendidos em qualquer época do ano.

Este projeto também auxiliará para a divulgação e enriquecimento da cultura local.

Turismo gastronômico. É parte do turismo cultural e traduz a história, os ritos, modos, costumes e as tradições de um povo. Conceitua-se como o turismo planejado, tendo como atrativo turístico a atividade gastronômica, usando produtos do território como base para todas as atividades.

Utilização de novos pontos com potencial turístico. O Município é repleto de belezas e cultura; partes ainda não exploradas e desconhecidas seu potencial até mesmo pela população no qual observa um grande potencial turístico.



Meta 3: Aumentar o mercado consumidor em até 70%
Através do turismo nossa pretensão é aumentar o consumo local em até 70%. Que é uma potencialidade inerente e necessária para o progresso do turismo local, esse mercado pode ser explorado através de produtos característicos da região e que tenham qualidades diferenciadas em relação aos encontrados no comércio varejista tradicional, o que também é uma alternativa para aumentar a renda familiar. O aumento do consumo também pode ser uma conseqüência do aumento do fluxo turístico, porem se este não for bem planejado pode lhe mudar o caráter e afastar o turista.

Atualmente tal atividade vem se destacando pelo crescimento continuo em diversos mercados, fomentando práticas que tem por objetivo atrair seu público-alvo e incentivar o consumo dos diversos produtos à disposição dos consumidores, ou turistas potenciais. Para isso é importante o aumento da oferta doméstica e a interiorização dessa atividade de forma que contribua para a geração de economia de escala e escopo e para a ampliação da participação do turismo no consumo das famílias.



Programa: “Aquece Mercado”
Projetos:

O estimulo ao consumo geral do município mesmo das pessoas residentes do local. Organizar e estimular cooperativas para com os moradores cooperativas, de pesca, gastronomia, artesanato, etc. Pois um mercado com mais opções e mais organizado atrai cada vez mais o turista.



7. REFERÊNCIAS
BRASIL. Ministério do Turismo. Plano Nacional de Turismo. 2007/2010. Uma viagem de inclusão. Brasília, 2007.
CALVENTE, Maria Del Carmen. O Turismo Rural Informações e Reflexões sobre as Instituições e a Regulação nas Divisas Escalas. Vol. 11 Londrina: Revista de Geografia, 2002.
CAMPANHOLA, C., GRAZIANO DA SILVA, J. O Novo Rural Brasileiro. Jaguariúna, SP:

Embrapa Meio Ambiente, 2000.


Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno estatístico Município de Primeiro de Maio. Disponível em:

  1   2


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal