Ministério do exército



Baixar 0,52 Mb.
Página2/9
Encontro16.01.2018
Tamanho0,52 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9

Técnicas especiais





2005



MINISTÉRIO DO EXÉRCITO

28º BATALHÃO DE INFANTARIA LEVE

COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA




            1. Técnicas especiais

EIPOT 2005

ASP MAGALHÃES

ÍNDICE


Pág.

Assunto 1 Tiro de ação Reflexa 0l

Introdução 01

Tiro de ação reflexa 01

Programa de tiro 03

Tiro de ação reflexa diurno 05

Tiro de ação reflexa noturno 07

Conclusão 11


Assunto 2 Explosivos 12

Explosivos Militares 12

Material de destruições 13

Processo Pirotécnico de lançamento de fogo 14

Processo Elétrico de lançamento de fogo 17

Ligações 18

Circuitos 19

Verificação de Circuitos 21

Escorva de cordel detonante 23

Processo duplo de lançamento de fogo 25

Cargas para cortar madeiras 26

Cargas para cortar aço 27

1. Tiro de AÇÃO Reflexa Diurno
1.1 INTRODUÇÃO
O Tiro de Ação Reflexa foi desenvolvido a partir do método conhecido como Tiro Instintivo, sendo uma instrução ainda pouco difundida.

Aqui nos propomos a registrar idéias apoiadas nos Fundamentos Básicos do Tiro do Fuzil, ensinados na IPT.

Acreditamos que toda e qualquer espécie de instrução de tiro deva ser ministrada numa proporção de 10% de conhecimentos e 90% de adestramento.
1. 2 TIRO DE AÇÃO REFLEXA

a. Considerações Iniciais

Tiro de Ação Reflexa pode-se dizer que é o tiro de matar, executado sem a utilização do aparelho de pontaria, num tempo de 0,1 segundo a 2 segundos, após a aparição de um alvo a curta distância.

É, portanto, o tiro executado contra alvos fugazes que aparecem e desaparecem durante um assalto a uma posição inimiga, ou, quando se pressente ou se vê o inimigo próximo, e há necessidade de matar ou morrer.

É necessário acertar o alvo e não próximo ao mesmo, devendo se obter um impacto na mosca, ao primeiro disparo, pois, certamente, não haverá tempo de atirar novamente.
b. Conceito de Visão

1) Generalidades

A visão cumpre um papel bastante amplo, tomando parte em todas as atividades físicas ou mentais do homem. Algumas outras funções importantes são: noção de profundidade, discriminação do tamanho e da distância e coordenação entre os olhos, cérebro e músculos.

Para tornar-se um bom atirador no Tiro de Ação Reflexa, um soldado que aprender a concentrar seu foco visual em um ponto, dado num alvo, por um tempo entre um décimo de segundo a um segundo de modo a reagir corretamente e acertar o alvo no ponto focado. O atirador deve selecionar um ponto, na área do alvo, e concentrar toda sua atenção ali.


2) Olho Diretor

A maioria das pessoas são predominantemente destras e, em conseqüência, seu olho direito tem predominância na concentração do foco visual em um determinado ponto. Algumas vezes ocorre o contrário, o olho esquerdo predomina.

Este olho mais forte chama-se Olho Diretor.

É de vital importância que o Soldado tenha seu olho diretor determinado, antes de disparar qualquer tiro de seu treinamento básico com o Fuzil.

O procedimento para determinar o olho diretor é o seguinte:
a) o Instrutor coloca-se de pé, à frente do Instruendo, a uma distância de 2a 3 metros, e põe o dedo indicador na ponta do nariz;

b) orienta o Instruendo para que se concentre naquele ponto, com os dois olhos abertos;

c) diz ao Instruendo para estender seu braço direito, se for destro e o esquerdo se for canhoto, e formar um círculo, com o polegar e o indicador, olhando através deste, o ponto que está focando, ou seja, a ponta do nariz do Instrutor;

d) o Instruendo verá através do círculo formado, o olho diretor do Instruendo;

e) a importância de pré-determinar o olho diretor implica na prevenção de erros que eventualmente terão que ser corrigidos.

Se o atirador é destro e tem o olho diretor canhoto, ele tem o que se chama de “Dominância Cruzada” e terá uma forte tendência.


À esquerda. Este defeito pode ser remediado mantendo a cabeça alta e ligeiramente para a direita, de modo que o olho esquerdo fique posicionado sobre a arma. Se o atirador for canhoto, o procedimento é inverso.


3) Posição para o Tiro (Posição do Caçador)

Determinado o olho diretor do Instruendo e tomadas às providências previstas no número anterior, caso o mesmo tenha uma dominância cruzada, o Instrutor o coloca na Posição de Tiro, tendo especial atenção nos seguintes pontos:

a) o atirador deve estar ligeiramente inclinado para frente;

b) sua cabeça deve estar ereta;

c) ambos os olhos devem estar abertos e o atirador deverá olhar sobre o cano e não para ele;

d) a arma deve estar apoiada no cavado do ombro (cotovelo desse lado na altura do ombro);

e) a coronha deve estar apoiada no queixo;

f) o cano da arma deve estar apontado na direção geral dos alvos;

g) o atirador estará numa posição de boa base, que lhe permita alguma mobilidade.




1   2   3   4   5   6   7   8   9


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal