Memorial descritivo



Baixar 79,46 Kb.
Encontro21.02.2019
Tamanho79,46 Kb.

Estado de Santa Catarina

Município de Bocaina do Sul


MEMORIAL DESCRITIVO
1. CONSIDERAÇÕES


    1. DADOS GERAIS:

PROPRIETÁRIO: Prefeitura de Bocaina do Sul

LOCAL: Bocaina do Sul

OBRA: Construção SAMU

ÁREA: 102,10 m²


    1. FINALIDADE

O presente Memorial Descritivo tem por finalidade estabelecer os serviços, fixando os métodos construtivos a serem empregados na execução da presente obra de acordo com o projeto anexo, da construção de dormitórios para o SAMU de Bocaina do Sul, com área de 102,10m².




    1. PROJETO

O referido projeto foi elaborado de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para construção civil, e o orçamento foi elaborado conforme Caderno de Encargos da PINI.



2. ESPECIFICAÇÕES DO PROJETO
2.1 FUNDAÇÕES
Para esse projeto foi sugerido o uso de sapatas de concreto como solução para as fundações, mas é recomendado o laudo de sondagem do terreno para determinar a resistência do solo, recomendados pela NBR-6122. As fundações serão diretas através de sapatas de concreto armado nas dimensões de 0.60x0,75m e 0,55x0,80m com altura mínima de 25cm, assentadas com suficiente capacidade de suporte em lastro de concreto magro na espessura de 5cm no fundo, armadura com malha de ferro Ø 6.3mm c/8cm e pilaretes com dimensões especificadas no projeto.

2.2 VIGAS DO BALDRAME
Deverão ser executadas vigas de baldrame em concreto armado nas dimensões e com armadura especificadas no projeto estrutural. Após a montagem das formas em madeira será necessário a colocação de espaçadores plásticos entre a ferragem e as formas conforme NBR.

2.3 IMPERMEABILIZAÇÃO
Na parte superior das vigas de fundações bem como nas laterais, será aplicado em toda sua extensão duas demãos de IMPERMEABILIZANTE A BASE DE EMULSÃO ASFALTICA.

2.4 ALVENARIA
As paredes serão executadas com alvenaria de tijolos de 6 furos de boa qualidade e resistência, de acordo com as medidas nominais do Projeto Arquitetônico. Em todos os vãos de portas e janelas na edificação será utilizado as vergas e contra-vergas de 12cmx12cm em concreto com 02 ferros de 8.0mm com 30cm maior que o vão da janelas e portas para ambos os lados.

Para o assentamento do tijolo poderá ser usada argamassa de cimento e areia média no traço 1:6 e aditivo substituto da cal. Deverá ser executada uma viga de cobertura em concreto com dimensões especificadas no projeto.



2.5 PILARES
Os pilares serão de concreto armado deverão ser executados de acordo com as dimensões especificadas no projeto estrutural.

2.6 ESQUADRIAS
As janelas serão todas de alumínio na cor natural, modelo de correr, vidro 4mm.

A portas serão em alumínio cor natural.


2.7 VIDROS
Nos sanitários serão colocados vidros com espessura de 4mm do tipo fantasia e nas demais dependências com vidros 4mm do tipo liso.
2.8 COBERTURA
As tesouras serão executadas em madeira de boa qualidade, com guias de 2,5x10cm e ripa 4,0x6,0cm, sendo que o espaçamento máximo entre tesouras será de 1,20, com telha de fibrocimento ondulada 6mm.
2.9 REVESTIMENTOS
As paredes externas e internas serão salpicadas com chapisco 1:3 de cimento e areia regular, emboçadas e rebocadas com argamassa de cimento, cal e areia média no traço 1:1:6.

As paredes internas do sanitário serão chapiscadas, emboçadas e revestidas até altura do forro com azulejos 20x20cm ou piso parede 30x30cm de boa qualidade, sendo colados com argamassa colante de cimento cola.

Os azulejos deverão ser rejuntados com rejunte pó fixador, anti-mofo e anti-bactericida, as juntas deverão ter largura de 3mm.

2.10 FORRO E BEIRAL
O forro será de PVC plástico do tipo lambri macho-fêmea, cor branco, largura de 10cm, pregado sobre estrado de madeira cedrinho com ripas 2,5x3,5 cm distantes no máximo 40cm, sendo fixado nas tesouras para evitar que o mesmo não sofra empenamento. No banheiro aonde ficará a caixa d`água teremos uma laje maciça de 10cm.
2.11 PINTURAS
As paredes externas e internas serão lixadas e pintadas com uma demão de selador e no mínimo de duas demãos de tinta acrílica.

2.12 PAVIMENTAÇÕES
A regularização do piso será com aterro de material adequado e executado em camadas devidamente apiloadas sobre o solo. O contrapiso será com concreto traço 1:4:4 (cimento, areia e brita) na espessura mínima de 7cm.

O piso da garagem será de concreto armado com malha de ferro 4.2mm c/30cm com espessura mínima de 7cm. O concreto utilizado deverá ser usinado, devendo atingir um fck mínimo de 200 kgf/cm².

Deverá ser marcado as juntas de dilatações de 5mm ao longo do eixo transversal e longitudinal com requadros máximos de 4,00x5,00m executado com equipamento de corte para concreto, sendo preenchidos as juntas com asfalto de baixa penetração.

Serão assentados piso de cerâmica 30x30cm antiderrapante com PEI-4, grau de absorção II, de 1ª classe ou piso monolítico, assente sobre camada de regularização na espessura média de 2cm, a argamassa será de cimento e areia no traço 1:4.

Os pisos de cerâmica deverão ser rejuntados com rejunte pó fixador, anti-mofo e anti-bactericida, as juntas deverão ter largura de 5mm.
2.13 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E TELEFÔNICAS
A entrada de energia será executada a partir do painel medidor instalado em alvenaria com poste de concreto para padrão de luz monofasico localizado na entrada da edificação.

O quadro de distribuição de luz (QDL) será do tipo embutir para 12 disjuntores. Os disjuntores serão do tipo monofásico termoplástico termomagnético. Os condutores serão fios de cobre com isolamento termoplástico para 600V.

Os eletrodutos serão embutidos em alvenaria serão do tipo corrugados. As caixas serão do tipo embutir, estampadas em PVC plástico do tamanho 2x4”. As tomadas e os interruptores serão do tipo embutir, universal 6A-250V, cor branca de termoplástico.

A iluminação será com luminária fluorescente com lâmpadas fluorescentes do tipo 2x40w.

Toda a instalação deverá ser feita conforme o Projeto Elétrico, seguindo rigorosamente a NBR 5410 e as normas da concessionária local.

2.14 APARELHOS
A bacia sanitária será do tipo auto sifonada, cor branca e assento plástico da mesma cor. A descarga será do tipo vaso acoplado. O lavatório será com coluna e de louça branca vitrificada e de boa qualidade. As torneiras serão metálicas cromadas, lisas, de 13mm (1/2”) e de boa qualidade. O chuveiro será elétrico do tipo ducha.
2.15 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS
A entrada da água será com tubo de PVC 25mm até a chegada ao reservatório, sendo distribuído com barrilete de cano PVC 50mm até as colunas de água. Os ramais serão executados, conforme o projeto e a ligação das pias lavatório serão com engate plástico 13mm (1/2”) com nípel.

As canalizações de esgoto serão com tubos e conexões de PVC 100mm do tipo esgoto de boa qualidade com dimensões e especificações em projetos.

O reservatório será de fibra com capacidade para 1000 litros. Deverá ser previsto um cano de PVC 25mm com registro na caixa d’água e saída para o beiral que servirá de ladrão, extravasor e limpeza. Os canos e conexões para água serão de PVC rígido do tipo soldável, classe 12.

Os ralos sifonados serão de PVC com grelha, diâmetro 15cm e saída de cano 50mm. A rede de esgoto será interligado a caixa de inspeção existente A instalação será feita conforme o Projeto Hidrossanitário, seguindo rigorosamente a NBR 8160 e as normas da concessionária local.


2.16 MURO DE CONTENÇÃO EM PEDRA BASÁLTICA
Deverá ser obedecido o prescrito no croqui, sendo que a largura será de no mínimo 40cm.

Tradicionalmente o modo de determinar as dimensões da parede é dado pela razão d e1/3; a largura é igual a 1/3 da altura. O terreno deverá ser limpo e escavado para assentamento da primeira fiada escavando suficiente para se garantir a estabilidade deste muro.

Com a ajuda do fio de prumo, de um esquadro e da régua de nível erguer a parede, tendo o cuidado de garantir o travamento e a posição firme de cada uma das pedras, para que não se deixe nenhum espaço vazio que permita às pedras oscilarem.

Este tipo de técnica exige um processo de construção à fiada, ou seja, em cada nível de fiada deve-se garantir ao mesmo tempo a fixação de cada pedra e o travamento da própria parede, deste modo, para além de esse fixar as pedras entre si, cada fiada deve procurar endentar-se uma na outra inferior, pelo que é necessário manter certas irregularidades das pedras e evitar o alisamento do topo da fiada.

Ao mesmo tempo, cada fiada deve interromper as juntas verticais existentes na fiada subjacente garantindo o travamento vertical da parede.

Deverá ser confeccionado camada de argamassa traço 1:4 com a espessura de 15cm, na última fiada, de forma evitar o deslocamento das pedras que estiverem na parte superior da taipa.


Bocaina do Sul,16 de outubro de 2015.


______________________________________
Engº Civil Guilherme Subtil Arruda

CREA: 129275-9




Centro Administrativo



Avenida João Assink, nº 322, centro, CEP 88538-000, Bocaina do Sul (SC)





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal