Maria aurenice santos gomes



Baixar 47,99 Kb.
Encontro14.11.2017
Tamanho47,99 Kb.

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

MARIA AURENICE SANTOS GOMES



RESUMO

A presença da música na vida dos seres humanos é incontestável. Ela tem acompanhado a história da humanidade ao longo dos tempos, exercendo as mais diferentes funções. Está presente em todas as regiões do globo, em todas as culturas, em todas as épocas, ou seja, a música é uma linguagem universal, que ultrapassa as barreiras do tempo e do espaço.

A presente pesquisa trata de relacionar a música ao desenvolvimento d a criança. A música na educação infantil vai além do cantar, mas a letra da mesma pode ser um instrumento de leitura e escrita. Ela estimula também o desenvolvimento psicológico da criança, pois contribui de forma significativa para que as crianças possam reestruturar suas emoções, alcançando um equilíbrio natural. Facilita também a liberação das fantasias, a criatividade, e atrás destas a criança pode se formar um ser mais feliz. Assim também o professor poderá realizar atividades usando a música em todos os momentos de sua aula na sua rotina e para acalmar as crianças.

Através da musicalidade o educador cria um ambiente favorável para que seus alunos aprendam com mais vontade e entusiasmo.


Palavra-chave: música, criança, desenvolvimento infantil, musicalidade.
INTRODUÇÃO

Durante o processo de aprendizagem, observando que ao longo da história da educação infantil pode se então, observar o quanto a música é um meio extremamente prazeroso na ambiente escolar. A música apresenta propriedades que facilitam a aprendizagem, oferecendo as crianças momentos de interação e alívio de stress.

Através da música a criança consegue expressar seus sentimentos, interagir com outras crianças tendo espontaneidade que possibilitam a troca de experiências e uma aprendizagem que vai além dos conteúdos formais. A aprendizagem é constituída através de um processo vivenciado por cada indivíduo que se agrega à experiências individuais.

Ao trabalhar com a música a criança desperta emoção, sensibilidade, equilíbrio, metabolismo, movimento corporal, deixa a timidez de lado, além de usá-la com linguagem escrita, facilitando o processo da leitura e da escrita na pré- escola.

Este trabalho visa apresentar fundamentos históricos da música, bem como enfatizar a influência da música no processo de ensino- aprendizagem, abrangendo qual é o papel do professor na utilização das música em sala de aula.

Analisar e compreender a importância da música na educação infantil, refletindo como pode contribuir de forma significativa para o processo educacional.

Compreender o valor da música e suas atividades lúdicas na educação infantil como subsídio eficaz para a construção do conhecimento realizado pela própria criança.

Desenvolver pesquisas sobre situações de músicas e brincadeiras que possibilitam a estimulação necessária para sua aprendizagem.

Educação musical é a educação que oportuniza ao indivíduo o acesso à  música enquanto arte, linguagem e conhecimento. A educação musical, assim como a educação geral e plena do indivíduo, acontece assistematicamente na sociedade, por meio, principalmente, da indústria cultural e do folclore e sistematicamente na escola ou em outras instituições de ensino.

Nem sempre a Educação Musical busca a formação do músico profissional, muito embora para estes os conhecimentos desta área sejam importantes. A Educação Musical no âmbito da escola regular, por exemplo, busca musicalizar o indivíduo, ou seja, dar a ele as condições para que compreenda o que se passa no plano da expressão e no plano do significado quando ouve ou executa música. Musicalizar é dar ao indivíduo as ferramentas básicas para a compreensão e utilização da linguagem musical.

Teremos como base o pensamento de vários autores, que alertaram parta a importância da música como lúdico na educação.

REFERENCIAL TEÓRICO

Segundo Brito ( 2003), as cantigas de ninar, as canções de roda, as parlendas e todo tipo de jogo musical tem grande importância, pois é por meio das interações que se estabelecem os repertórios que permitirá às crianças comunicarem-se pelos sons.

O RCNEI ( Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil). Afirma que a música é: uma das formas mais importantes de expressão humana, o que por si só justifica sua presença no contexto educacional, de um modo geral e na educação infantil particularmente. ( Brasil, 1998, v3, p. 45)

Para Bréscia (2003) a música é uma linguagem universal, tendo participado da história da humanidade, desde primeiras civilizações. Conforme dados antropológicos, as primeiras músicas seriam usadas em rituais como: nascimento, casamento, morte, recuperação de doentes e fertilidade, como o desenvolvimento das sociedades, a música também passou a ser utilizada em louvor a líderes, executadas nas procissões reais do antigo Egito e na Suméria.

Na Grécia clássica o ensino da música era obrigatório, e há indícios de que já haveria orquestras naquela época. Pitágoras grego da antiguidade ensinava como determinado humano “ Pitágoras demonstrou que a sequência correta de sons, se tocava musicalmente num instrumento, pode mudar padrões de comportamento e acelerar o processo da cura” ( Brésia p 31 2003).

Já Vygostsk (1988) adverte que não podemos pensar o processo do pensamento dissociado de plenitude de vida, das necessidades e dos interesses pessoais, das inclinações e dos impulsos daquele que pensa, e afirma que cada idéia contém uma atitude afetiva transmudada com relação ao fragmento da realidade ao qual se refere.

Bréscia ( 2003) afirma que cantar pode ser um excelente companheiro da aprendizagem, contribuindo com a socialização na compreensão de conceitos e descobertas do mundo. As atividades musicais também servem de estímulo para crianças com dificuldades de aprendizagem e contribui para a inclusão das crianças portadoras de necessidades especiais, onde elas têm a oportunidade de mostrarem que também sabem cantar e dançar.

Ao mesmo tempo que a música possibilita essa diversidade de estímulos, ela, por seu caráter relaxante, pode estimular a absorção de informações, isto é, a aprendizagem. Losavov, cientista búlgaro, desenvolveu uma pesquisa na qual observou grupos de crianças em situação de aprendizagem, e a um deles foi oferecida música clássica, em andamento lento, enquanto estavam tendo aulas. O resultado foi uma grande diferença, favorável ao grupo que ouviu música. A explicação do pesquisador é que ouvindo música clássica, lenta, a pessoa passa do nível alfa (alerta) para o nível beta (relaxados, mas atentos); baixando a ciclagem cerebral, aumentam as atividades dos neurônios e as sinapses tornam-se mais rápidas, facilitando a concentração e a aprendizagem (apud OSTRANDER e SCHOEDER, 1978).

É importante fazer uma ressalva que toda criança está imersa em um caldo cultural, que é formado não só pela sua família, mas também por todo o grupo social no qual ela cresce.  Nesse sentido, a forma como a música influencia o desenvolvimento de uma criança carajá, por exemplo, é muito diferente da forma como isso se dá com uma criança branca; da mesma forma, uma criança de classe média alta, que freqüenta ambientes nos quais a música é praticada de forma intensa, apresenta características bem diversas de uma criança que se vê vítima da exploração do trabalho infantil.

 Obviamente nosso foco não será o de uma criança especial, de algum grupo social específico. Nossas observações levarão em consideração as pesquisas feitas na área que, na sua grande maioria tiverem como sujeitos crianças ocidentais, escolarizadas, de inteligência dita normal. Ainda que não concordemos com a idéia de um modelo de criança universal, entendemos que estas pesquisas, guardadas as devidas proporções, podem nos elucidar em muitos aspectos.

Nesse sentido, entendemos que as reflexões a serem apresentadas neste artigo, a partir de um referencial específico, podem nos auxiliar a compreendermos melhor a relação criança-música-desenvolvimento, ressaltando que as particularidades de cada grupo social merecem ser investigadas com afinco, em outros momentos, por outros autores.

  Outra linha de estudos aponta a proximidade entre a música e o raciocínio lógico-matemático. Segundo Schaw, Irvine e Rauscher (apud CAVALCANTE, 2004) pesquisadores da Universidade de Wisconsin, alunos que receberam aulas de música apresentavam resultados de 15 a 41% superiores em testes de proporções e frações do que os de outras crianças. Em outra investigação, Schaw verificou que alunos de 2a. série que faziam aulas de piano duas vezes por semana, apresentaram desempenho superior em matemática aos alunos de 4 ª série que não estudavam música.

Enfim, o que se pode concluir a esse respeito é que efetivamente a prática de música, seja pelo aprendizado de um instrumento, seja pela apreciação ativa, potencializa a aprendizagem cognitiva, particularmente no campo do raciocínio lógico, da memória, do espaço e do raciocínio abstrato.

Busca-se avançar no conhecimento das possibilidades da música no ambiente da Educação infantil, verificando os limites e o alcance da atuação dos educadores como mediadores entre as crianças e a linguagem musical.

Snyders comenta que a função mais evidente da escola é preparar as crianças para o futuro, para a vida adulta e suas responsabilidades. Mas ela pode parecer aos alunos como remédio amargo que elas precisam engolir para assegurar num futuro bastante indeterminado, uma felicidade bastante incerta ( 1992, pág 14).


METODOLOGIA
Este artigo tem por base uma pesquisa bibliográfica dissertativa, através de leituras aprofundadas de livros, revistas e internet.

No primeiro momento foi realizado um estudo em sala com o professor orientador, onde foi questionado e estabelecido os principais pontos na realização de um artigo científico.

O processo de estudo e desenvolvimento geral da pesquisa ocorreu no período de 6 meses favorecendo um melhor aprofundamento sobre o tema “A importância da música para o desenvolvimento da criança na educação infantil”.

Os dados levantados na fundamentação teórica, trazem reflexões, argumentações, análise e conclusões de autores que contribuem de forma significativa na Educação em geral.

A metodologia utilizada no presente trabalho fundamenta-se em duas sustentações básicas: pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo, Faz-se uso da transversalidade, pois questões sócio-educativas e ambientais tratadas a partir do enfoque educativo se estabelecem como ações inter e transdisciplinares. Esse processo se caracteriza como uma abordagem da educação na comunidade, como uma ação praticada no presente com base em experiências do passado e voltada para o futuro.

Na primeira etapa foi desenvolvida uma pesquisa bibliográfica, concentrada em uma revisão de fontes bibliográficas, de dados reais que se consubstanciam em estudos e reflexões de textos e livros sobre, “A importância da música para o desenvolvimento da criança na educação infantil”, , a qual objetivou subsídios teóricos que fundamentaram a pesquisa.

Na segunda etapa da pesquisa foi feita a pesquisa de campo.

DESENVOLVIMENTO
A música é algo que está sempre associada à cultura e às tradições de um povo e de sua época, ao longo do tempo as preferências musicais da população podem mudar constantemente, isso acontece devido ao desenvolvimento tecnológico e a grande influência que os meios de comunicação exercem sobre os indivíduos.

Segundo Bréscia (2003, p.25), a música é “uma linguagem universal, tendo participado da história da humanidade desde as primeiras civilizações”. Conforme dados antropológicos as primeiras músicas foram usadas em rituais, com o passar do tempo começou a ser utilizada em louvadores.

Atualmente existem diversas definições para a música, porém de um modo geral ela é considerada ciência e arte. Gaiza (1988, p.22), ressalta que: “A música e o som, enquanto energia estimula o movimento interno e externo no homem, impulsionando-o a ação e promovem nele uma multiplicidade de condutas de diferentes qualidades e grau”.

A música é composta basicamente por sons, ritmos, melodia e harmonia. Os sons são as vibrações, o ritmo é o efeito da duração dos sons, melodia é a sucessão ou repetição do ritmo e a harmonia é a combinação dos sons de forma que se torne agradável aos ouvidos. A música eleva os sentimentos mais profundos do ser humano. Não é necessário gostarmos de todos os estilos, porém conhecê-los.

É também um fator determinante na personalidade do indivíduo, uma forma de expressão social e cultural pouco valorizada e muitas vezes banalizada. Contudo, é sem dúvida, uma das mais valiosas formas de expressão da humanidade, porém em nossas escolas ainda há certo descaso em relação a essa prática. 

Desde que se estuda a história da humanidade, tem-se observado que a música sempre fez parte da vida do homem. Em qualquer parte do mundo, em todas as épocas, a música e o homem sempre viveram juntos. Podemos suprir que no principio, o homem reproduzia os sons que ouvia na natureza, como o vento forte e seu sussurrar nas folhagens, a água dos rios, o estalar dos galhos, o canto dos pássaros e tantos outros não só com a intenção de imitá-los, mas também porque essa era a música que ele conhecia.A música é uma linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio de organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio. 

A música está presente em todas as culturas nas mais diversas situações. Faz parte da educação desde há muito tempo, sendo que, já na Grécia antiga, era considerada fundamental para a formação dos futuros cidadãos. É necessário que o professor desenvolva a música em vários momentos do dia, porém não de forma rotineira e automática. Devemos dar à criança oportunidade de viver a música, apreciando, cantando e criando som.

O desenvolvimento das crianças com o universo sonoro começa ainda antes do nascimento, pois na fase intra-uterina, Os bebês já convivem com um ambiente de sons provocados pelo corpo da mãe, com sangue que flui nas veias, a respiração e a movimentação dos intestinos, a voz materna também constitui material sonoro especial e referência afetiva para eles. Mesmo sem saber falar corretamente ou andar, elas tentam seguir os movimentos com as mãos. São essas capacidades o foco do eixo da linguagem musical e expressão corporal que estão presentes em todos os momentos da vida, e atua como um elo as gerações de uma mesma família e entre os membros da comunidade.

Portanto, a interação da criança com a música como podemos observar, já se inicia logo cedo, ouvir música é quase inevitável em nossa paisagem sonora, pois como foi dito, é interessante observar o reconhecimento dos bebês ao ouvir a voz da mãe, o barulho do pai chegando do trabalho, das cantigas de ninar para dormir, o barulho dos objetos ao cair, o que desperta na criança a curiosidade, a alegria, entusiasmo ocasionado pela sonoridade.Estando presente a música em nossa vida, podemos então afirmar que a linguagem musical surge espontaneamente na criança por meio do contato com o ambiente sonoro da cultura na qual está imersa.

A música com o infantil mantém forte ligação com o brincar, em algumas línguas como o inglês e no Francês por exemplo., usa-se o mesmo verbo para indicar tanto as ações de brincar quanto as ações de tocar músicas. Em todas as culturas as crianças brincam com a música, jogo e brinquedos musicais são transmitidos por produção oral, permitindo nas sociedades urbanas nas quais a força da cultura de massas é muito intensa, pois são fontes de vivência e desenvolvimento expressivo musical, o gesto, o movimento, o canto, a dança, e o faz de conta. Esses jogos e brincadeiras são expressões da infância, brincar de roda, ciranda, pular corda, amarelinhas, etc. são maneiras de estabelecer contato consigo mesma e com o outro, de se sentir único e ao mesmo tempo parte de um grupo e de trabalhar com as estruturas e formas musicais que se apresentam em cada brinquedo.

São jogos e brinquedos da cultura infantil, acalantos, cantigas de ninar, as parlendas, as canções de roda, etc. os acalantos e os chamados brincos são formas de brincar, a música tem característica da primeira fase da vida da criança.

A musicalidade na educação infantil está relacionada a uma motivação diferente de ensinar e aprender, e que é possível oferecer a socialização e o desenvolvimento do seu próprio gosto musical. As atividade musicais contribuem para o melhor desenvolvimento psicomotor, sócio-afetivo, cognitivo e lingüístico da criança, além de facilitar no processo educativo.

A escola deve ampliar o conhecimento musical do aluno, oportunizando a convivência com diferentes gêneros, apresentando novos estilos, proporcionando uma analise reflexiva do que lhe é apresentado, permitindo ao aluno um maior poder de expressão e de forma crítica. Conhecer as raízes da música brasileira, despertar o gosto musical, preservar nosso patrimônio e aumentar o repertório musical nacional e internacional.

A atividade com música, trás benefícios para o aprendizado da criança, por isso o professor tem que ter acesso a vários tipos de músicas para repassar e trabalhar de maneira dinamizada abrangendo todos os requisitos oferecidos pela música.

Há várias formas de se trabalhar a música na escola, por exemplo, de forma lúdica e coletiva, utilizando jogos, brincadeiras de roda e confecção de instrumentos. Dessa forma, a música é capaz de combater a agressividade infantil e os problemas de rejeição muito presente nas escolas.

A música pode e deve ser usado em todas as disciplinas desenvolvidas na escola,o educador pode selecionar diversos tipos de músicas que falem sobre determinado assunto que estejam sendo trabalhando em sala ou muito debatido na comunidade local, de modo que passam transformar as aulas supostamente “chatas” em aulas dinâmicas, prazerosa e atrativas, dessa forma a música como alternativa didática aguça o interessa do aluno, que muitas vezes sem perceber se encontra totalmente envolvido no processo, uma vez que o conjunto de palavras contidas no texto da música é aproveitável em distintas temáticas como ponto de partida na construção do ensino aprendizagem .O convívio do aluno no ambiente escolar associado à música provoca uma significativa melhoria no humor, desse modo produzirá um ambiente com indivíduos mais alegres que tendem a serem mais motivados a participar das atividades escolares. Além disso, o uso da música na escola provoca também um melhor relacionamento com os colegas contribuindo com a perda da timidez, favorecendo a linguagem corporal. 

A música contribui para a formação integral do indivíduo, reverencia os valores culturais, difunde o senso estético, promove a sociabilidade e a expressividade, introduz o sentido de parceria e cooperação, e auxilia o desenvolvimento motor, pois trabalha com a sincronia de movimentos. O trabalho com música desenvolve as habilidades físico - cinestésica , espacial, lógico- matemática, verbal e musical. Ao entrar em contato com a música, zonas importantes do corpo físico e psíquico são acionadas - os sentidos, as emoções e a própria mente. Por meio da música, a criança expressa emoções que não consegue expressar com palavras. A música fez bem para a auto-estima do estudante.

O trabalho com a música deve reunir toda e qualquer fonte sonora, brinquedos, objetos do cotidiano e instrumentos musicais. É preciso lembrar que a voz do primeiro instrumento é o corpo humano, que o nosso corpo produz som, portanto é uma fonte de produção sonora.

O professor de educação infantil deve considerar a música também como objeto de conhecimento e, como tal torná-la parte do processo de ensino aprendizagem. É importante ter um repertório bem diversificado com vários rítmicos para não se tornar repetitivos para as crianças. A organização do conteúdo da música na educação infantil, deve passar pelo “ fazer musical” e pela “ apreciação musical”, que levam consequentimente a uma reflexão, contribuindo para a construção da abstração e da autonomia da criança.

CONCLUSÃO
As considerações finais deste artigo vêm afirmar que as atividades musicais devem ser feitas de maneira a introduzir o mundo mágico dos sons, as atividades de criação e execução musical permitem de forma lúdica a construção de conceitos associados ao saber musical. Nas atividades com música, cantando, desenvolvendo a coordenação motora, através de gestos e confeccionando instrumentos musicais, os alunos ampliam seu vocabulário, desenvolvem ritmo através das diversas formas de expressão musical e desenvolve ainda mais o convívio social de cada indivíduo.

Percebe-se através desta pesquisa que as diversas áreas do conhecimento podem ser estimuladas com a práxis musicalização. Pois, só assim pode-se atender aos diferentes aspectos do desenvolvimento humano: físico, mental, social, emocional e espiritual, podendo a música ser considerada um agente facilitador do processo educacional. A escola deve procurar usar desse recurso para sensibilizar as crianças na construção de seus saberes.



A música quando trabalhada desde cedo no contexto escolar das crianças ajuda de maneira lúdica e prazerosa o aprendizado e o trabalho em equipe, pois elas aprendem a ser mais sociáveis. Nesse sentido faz-se necessária a sensibilização dos educadores para despertar a conscientização quanto às possibilidades da música para favorecer o bem-estar e o crescimento do saber dos alunos, pois ela fala diretamente ao corpo, à mente e às emoções.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANNUNZIATO,Vânia Ranucci. Jogando com os sons e brincando com a música,2ª Ed, São Paulo, Ed – Paulinas,2003.
BARRETO,Sidirley de Jesus. Psicomotricidade: educação e reeducação. 2ª Ed Blumenaú : Acadêmica ,2000.
BRÉSCIA, Vera Lúcia Pessagno. Educação Musical. Bases psicológicas e ação preventiva- São Paulo: Ed Átomo,2003.
BRITO,Teca de Alencar de, Música na Educação Infantil. Ed Peinopolis,2003
FERREIRA,Martins. Como usar a música na sala de aula. 2ª Ed, São Paulo,Ed. Contexto,2002.
GAINZA,Violeta Hemsy de. Estudo de Psicologia Musical.3ª Ed,São Paulo. Ed Summus, 1988.
GOMES,Alcido T. Neves Adinaldo. Tecnologia aplicada à Música. São Paulo. Ed Érica,1993.
REVISTA NOVA ESCOLA,São Paulo: Creche um dia cheio de aprendizagens. Nº 231.Ed. Abril,2010.



©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal