Luz a revelação símbolos usados em toda a palavra filho da luz X trevas



Baixar 1,41 Mb.
Página1/18
Encontro12.07.2018
Tamanho1,41 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   18

Gênesis




Gênesis 1:3-5,14-16

Luz - A revelação símbolos usados em toda a palavra - filho da luz x trevas

Trevas - Pecado

Sol - Tipo de Jesus - O dia, a revelação

Lua - Tipo da igreja que reflete a luz de Cristo ( sol), para a terra ( mundo)

O mundo ( em trevas - noite) não vê o sol mas a igreja (lua) vê-lo e é responsável por refletir os seus raios de luz sobre o mundo de trevas.

A luz não pertence a lua - A igreja não é chamada para mostrar a si mesma ao mundo. Deve simplesmente refletir a luz que recebe (Jesus)

As neblinas, nuvens e vapores, intervém e oculta a luz. O servo não pode envolver-se com os embaraços desta vida, para não ter oculta a sua luz (testemunho)

As estrelas são luminares distantes, brilham noutras esferas e tem pouca ligação com esse sistema (I Cor 15:41)

No Reino futuro do filho de Deus, os santos brilharão individualmente nessas esferas que o justo juiz (Jesus) lhes distribuir (Luc 19:12-19)

Trabalhar diligentemente na ausência de Jesus.


Gênesis 2:7 -“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente”.

- Deus criou o homem de barro - morto, sem vida

- Deus soprou-lhe o sopro de vida - para ser eterno.

- Mas o pecado o tornou mortal

- Foi criado o homem para imagem de Deus

- O pecado o tornou perdido, sem salvação

- Mas Jesus veio também como homem, sem pecado, e cumpriu toda a lei, todo o sofrimento e injúrias, morrendo numa cruz.

- Derramou seu sangue inocente...

- Veio a fim de resgatar o homem perdido, redimi-lo da sua culpa, e que o Senhor tomou do homem, formou a mulher e a trouxe ao homem”.

Essa operação que vemos em Adão é figura do plano profético do Senhor em conceber ao Senhor Jesus “uma adjutora que lhe corresponda”(Gen. 2:18) - a Esposa.

Em Adão o Senhor fez cair um sono pesado, fazendo-o dormir; porém no Senhor Jesus, Deus fez cair o sono de morte, de uma morte pesada “o castigo que nos traz a paz estava sobre ele”.

E Adão foi aberto no seu lado, da mesma forma o Senhor Jesus após render o seu Espírito foi aberto o seu lado.

De Adão foi retirada a costela para que dela fosse gerada Eva, mas da chaga aberta no Senhor Jesus foi retirado água e sangue, e foram estes elementos que fizeram com que a igreja fosse gerada, para que a igreja não fosse nascida da vontade da carne, mas da vontade de Deus, porque “não são os filhos da carne os filhos de Deus, mas os filhos da promessa são contados como descendência” (Rom. 9:8), e que promessa maravilhosa nos fez o Senhor Jesus para que nós pudéssemos ter a sua vida. Cant. 4:6 “Antes que refresque o dia, e caiam as sombras, irei ao monte da mirra e ao outeiro do incenso” que de uma forma tão amorosa prometeu a sua amada que viria por amor dela, dar a sua própria vida, para que tivéssemos vida em nós mesmos.

João 3:5 - “...aquele que não nascer da água e do espírito não pode entrar no reino de Deus” e o novo nascimento está consumado no batismo das águas, na purificação do velho homem fazendo-o novo homem e no batismo com o Espírito Santo, que dá vida, figura do sangue que é vida (Rom. 8:11 - “...vivificará também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita”).

O Senhor Deus formou a mulher. A igreja está sendo formada está crescendo como feto, já foi concebida, recebeu vida e agora está crescendo e adquirindo forma definida. O feto permanece nove meses até ver, sentir, etc. por seus próprios membros, enquanto isso recebe sua alimentação pelo cordão umbilical e também vê as coisas como sombras projetadas na barriga da mãe.

A igreja precisa do Espírito Santo para ser alimentada, sendo ele o cordão umbilical que nos alimenta, pois a igreja vê as coisas celestiais como “sombras das coisas futuras; a realidade, porém, encontra-se em Cristo Jesus”, na eternidade, os nove meses de gestação é tipo do tempo de duração dos dons espirituais na vida da igreja.

A igreja está quase formada, o momento do parto está perto (Is. 26:17-21), algumas dores que já se passaram não representam o parto mas a proximidade dele. Rom. 8:22 - “sabemos que toda a criação geme como se estivesse com dores de parto, até agora. Não só ela mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito também gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a saber a redenção do nosso corpo”.

O Senhor Deus fechou a carne no lugar da chaga feita em Adão, no Senhor Jesus até que a Igreja que é o corpo de Cristo esteja na eternidade, o Senhor Jesus ainda sente dores pela sua igreja e a igreja anseia pelo dia que terminará a dor de seu amado, pois a chaga do Senhor Jesus ainda está aberta, e o arrebatamento fará com que a chaga do Senhor seja fechada e o corpo do Senhor Jesus estará completo e Deus dará a noiva ataviada a seu filho amado. Glória, Aleluia, Amém.


Gênesis 3:9-10

Quando o homem ouve a voz de Deus, ou quando Deus fala com o homem, este se sente nu diante dEle, porque sabe que não há como esconder o seu pecado.

Diz a palavra em Apocalipse 1:14 que os olhos do Senhor são como chama de fogo, não há como esconder do Senhor os nossos feitos, os nossos pensamentos. Onde quer que estejamos Ele ali está. Diz o salmista que não há como fugir da face do Senhor. Ele conhece o nosso assentar, o nosso levantar, e antes que saia uma palavra da nossa boca o Senhor já a conhece.

Mesmo que façamos nossa cama no abismo ali Ele está.

Natanael se maravilhou e creu quando Jesus lhe disse: “Eis aqui um verdadeiro israelita em quem não há dolo.”

Não há como encobrir do Senhor os nossos pecados, pois Ele conhece-nos na nossa intimidade.

Adão e Eva tentaram esconder sua nudez fazendo para si vestes de folhas.

Muitos tentam se justificar diante de Deus, pela sua bondade, fazendo caridade, mas isso são vestes de folhas. Coisas do homem.

O Senhor fez para eles vestes de peles, para que a sua nudez fosse coberta.

E hoje, para que o nosso pecado seja perdoado, para podermos chegar diante de Deus, só há uma maneira. Só há uma maneira de sermos justificados: aceitando o sacrifício do Senhor Jesus na cruz do calvário, pois só assim os nossos pecados serão perdoados e assim podemos chegar diante de Deus aprovados e justificados.

Podemos assim dizer: Senhor, eu não sou nada diante de Ti, mas o Teu Filho pagou o preço em meu lugar.
Gênesis 4:1-7

Diferença dos cultos - Culto da Obra e o culto da religião.

Abel (Obra) - Pastor de ovelhas, trouxe ao Senhor aquilo que tinha, oferta do cordeiro (revelação), do primogênito e da sua gordura. O Senhor aceitou a oferta de Abel porque o que ele trazia era agradável ao Senhor. O cordeiro tinha o sangue que dava remissão pelos pecados. O sangue é a vida do corpo. Nós somos corpo de Cristo e Ele é a cabeça e o seu Sangue circula em todo o corpo.

A igreja fiel é escolhida pelo Senhor, eleita por Ele segundo a sua presciência, porque não somos nós que o escolhemos e sim Ele que escolheu a nós, nos elegendo para o louvor e a glória do seu nome. Abel pela fé levou a sua oferta ao Senhor e por ela foi justificado (Hebr. 11:4) e achado justo perante o Senhor. Este é o culto da igreja fiel, aquele que Deus aceita.

Caim (religião) - Ofereceu o fruto da terra ao Senhor que não se agradou, porque Caim oferecia aquilo que era produzido pela sua mão (coisas do homem). Caim levou de bom grado o que de melhor ele tinha e que a terra produzia (verduras, frutos, grãos), mas não agradou o Senhor porque não era a revelação, não era a vontade do Senhor, mas do homem. É o que a religião oferece (templos grandiosos, bandas aparelhadas, roupas bonitas, etc.), coisas deste mundo das quais o Senhor não se agrada.

A oferta de Caim não foi aceita por Deus e com isso Caim se irou fortemente e descaiu-lhe o semblante. Mas o Senhor é misericordioso e Ele foi até Caim e lhe perguntou: “Por que andas irado? e por que descaiu o teu semblante? Se procederes bem não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo”.

Devemos atentar para o tipo de culto que oferecemos ao Senhor, oferecendo sempre, na Revelação, aquilo que é agradável ao Senhor.
Gênesis 6:13-22

Cipreste - madeira de lei = tipo de Jesus, sem pecado.

Betume - óleo = Espírito Santo.

Por fora - não deixar as coisas do mundo entrar na nossa vida.

Por dentro - ser cheio do Espírito Santo (orar, jejuar, clamar).

Janela por cima - receber as bênçãos do Senhor, comunhão com o Senhor, as

revelações.

Porta no meio - visível a todos, salvação para todos.

8 pessoas - graça, nova aliança.

A arca - Noé, seus filhos e noras. a obra - anciãos, varões, senhoras, jovens

Noé levou seus filhos - obrigação de trazer os filhos para crescer dentro da arca, não deixar na água podre, no meio de cadáveres, no mundo. Filhos crescendo conhecendo a doutrina do Senhor, em segurança.

Obediência - crer, como Noé, nas promessas do Senhor.


Gênesis 6:13-15

“Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra”.

V. 13 -O Fim da razão, vontade própria, filosofia e projetos humanos serão destruídos com o coração do homem (terra).

Tais coisas não se nomeiam na Obra do Senhor.

Terra cheia de violência, coração cheio de religião, falsos ensinamentos causando dissenções violentando aquilo que é santo.

V. 14 -Faz para ti uma arca de madeira de Gôfer - Arca fala do meio da salvação. A Obra que salva o homem no corpo (madeira unida uma à outra) servos unidos (comunhão).

Madeira que não afunde nas águas do dilúvio. Madeira leve, fácil de ser trabalhada que se dobre com facilidade.



Farás compartimentos - Quem contempla a Obra apenas de fora, sem com ela se comprometer, contempla-a igualmente a qualquer movimento, diz que é a mesma coisa. Mas dentro da intimidade a Obra tem detalhes (compartimentos), cada um no seu lugar: ensinamentos, governo, ministério, Dons Espirituais, zelo, etc.

Revestirás de betume por dentro e por fora - Betume fala da busca, oração, jejum, madrugada que imuniza o servo da penetração do mundo (águas do dilúvio) no seu interior, para que o servo unido aos demais se mantenha em comunhão com Deus, que o protege por fora da investida do adversário.

V. 15 -Comprimento da Arca: trezentos côvados - Três etapas de cem côvados que fala da Obra redentora dentro do programa de Deus, em três períodos ministeriais:

I-Ministério do Pai pelos profetas - V.T.

II-Ministério do Senhor Jesus preparando os apóstolos;

III-Ministério do Espírito Santo, no qual a igreja do momento se firma para o arrebatamento.



Largura de cinqüenta côvados - Múltiplo de 5. Fala dos cinco ministérios operando na vida dos servos o que oferece estabilidade à Obra (Arca sobre o mundo).

Altura de trinta côvados - Pronta para ser usada, Jesus após 30 anos entrou no período do ministério.

Refere-se ao crescimento da Igreja em patamares seqüentes, sempre no equilíbrio da graça baseada na ressurreição do Senhor Jesus aos 30 anos, estatura perfeita, servo pronto para ser usado.


Gênesis 12:1-3

A vida de Abraão.

Abraão é chamado para uma obra de fé. Abraão simboliza o Pai, para trazer o projeto de Deus ao mundo.

Características } 1 - família

do homem } 2 - bens

para o chamado } 3 - herança

Abraão tem lutas na família (Ló)

Abre mão do único filho (Isaque)

“Vosso pai Abraão alegrou-se por ver o meu dia, viu-o e regozijou-se” - João 8:56.

O cordeiro por trás (significa a eternidade)

Projeto eterno de Deus. Jesus já existia antes da fundação do mundo.

Abraão - Pai

Isaque - Filho

Fé - Esp. Santo.


Gênesis 14:12-16

Os Guerreiros De Abraão (Valentes)

Ló levado cativo - o homem preso no mundo.

Os quatro reis - cercado por todos os lados.

Um que escapa - aquele que se salva.

Abraão leva os seus homens treinados - servos preparados para a luta (obreiros destros na palavra).

Nascidos em sua casa - gerados pelo Espírito Santo no meio da igreja.

N.º 318 - trindade, unidade, graça.

Tornou a trazer todos - salvação completa.


4)Gênesis 14:18 a 23:“E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho e era este sacerdote do Deus Altíssimo”.

- Melquisedeque – tipo do Senhor Jesus

- Abrão – tipo do crente na revelação

- Pão – vida

- Vinho – o sacrifício de Jesus, seu Espírito derramado.

Imediatamente após ser abençoado, Abrão recebe a investida do rei de Sodoma.



V. 21 – “E o rei de Sodoma disse a Abrão: Dá-me a mim as almas, e a fazenda toma para ti”.

- O rei de Sodoma – Tipo do inimigo. Veio para roubar, matar e destruir.

- As almas – ele queria os homens de Abrão em troca de bens materiais

“se prostrado me adorares, tudo te darei...”

Tempos depois veio o juízo sobre este rei e todo o povo de Sodoma. Mas o Senhor livrou Abrão e seus homens.

V. 22 -“Abrão porém disse ao rei de Sodoma: Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra”.

- Foi Melquisedeque (tipo de Jesus) quem revelou o Deus Altíssimo a Abrão, e com esta experiência ele pôde resistir ao inimigo dizendo que agora ele conhecia o Senhor, o Deus Altíssimo.



V. 23 - “Que desde um fio até à correia de um sapato, não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu, para que não digas: eu enriqueci a Abrão...”

- Correia de sapato - a correia prende a sandália ao pé, para o caminhar seguro. Nosso caminhar precisa estar seguro, e no sacrifício de Jesus, na doutrina, no clamor.


Gênesis 19:17

- Sodoma = mundo - Todos os habitantes no pecado (Deus livrou a família de Ló como livrará a igreja fiel da grande tribulação que virá sobre este mundo).

- Tens alguém mais aqui? - O Senhor quer salvar a todos. Está preocupado de que ninguém falte na última chamada.

- Levantai-vos - Diante da revelação, Deus exige uma decisão urgente.

- ... e tiraram... - Deus tem pressa em salvar, tirando o homem deste mundo, do pecado.

- ... escapa-te... - A salvação é uma oportunidade dada ao homem, a salvação é individual.

- ... não olhes para trás... - O perigo de cair. A desobediência traz a queda (morte). Não pode haver lembrança do pecado.

- ... não pares... - A salvação é dinâmica. Parar é envelhecer.

- ... escapa lá para o monte - A nossa salvação é para o alto. Vem do Senhor e é fruto da sua misericórdia.

Fugir do mundo - Santificação. O nosso objetivo é a eternidade.


Gênesis 22:7 - “Onde está o Cordeiro”

INTRODUÇÃO - O projeto de Deus para a vida do homem é muito simples. A figura que Deus sempre usou desde os primeiros dias foi a do Cordeiro; a ênfase sempre foi o Cordeiro.

Quando Deus falou com Caim e Abel, Ele queria uma dádiva. Caim oferece o fruto da terra, Abel oferece o cordeiro (Paulo escreve mais tarde aos hebreus falando deste ato, uma comemoração por aquilo que foi feito por Abel: “...o sangue que até hoje fala”, ou seja, demonstrando que era a figura que Deus escolhera - o Cordeiro).

O Texto que lemos está relacionado com Abraão e Isaque. Abraão já idoso, casado com Sara também idosa, e um dia Deus promete um filho a eles. Nasceu o menino Isaque. Algum tempo depois, Deus pede a Abraão que sacrifique Isaque. Aquilo foi um fato notório que marcou não só a vida de Abraão, mas de todo o povo de Israel até os nossos dias. Era seu único filho e Deus lhe pedia para que o sacrificasse.

A PERGUNTA FEITA POR ISAQUE: “ONDE ESTÁ O CORDEIRO?”:

No momento que Abraão sobe com Isaque para imolá-lo ao Senhor, Isaque diz: “A lenha e o fogo estão aqui, o altar está pronto, mas onde está o cordeiro para o holocausto?”.

Em todos os momentos do projeto de Deus para o homem, nos momentos mais decisivos, a figura do Cordeiro estava sempre em evidência, não só no texto que lemos. Quando Jacó vai oferecer alguma coisa a seu pai, enquanto Esaú, que tinha o direito da primogenitura foi para longe buscar uma caça para fazer o guisado que o “velho” Isaque queria, a mãe de Jacó diz para ele ir depressa apanhar o cordeiro (estava no quintal, no redil) para que matasse o cordeiro.

A FIGURA DO CORDEIRO USADA POR DEUS:

No primeiro fato de Abraão com Isaque, vemos a figura do Cordeiro. Deus marcando o homem na sua individualidade, ou seja, Deus e o homem individualmente.

No segundo fato, com Jacó, outra vez a presença do Cordeiro, mas agora era a transmissão da herança patriarcal, Isaque estava transmitindo para Jacó a herança do patriarcado. Onde estava o Cordeiro neste fato? Estava mais uma vez presente e ali pertinho, no quintal.

Mais tarde vemos um terceiro fato e novamente a pergunta: Onde está o cordeiro? Era a saída do povo de um cativeiro de quatrocentos anos no Egito. E sair como? Qual o sinal da saída? Como sair sem ser atingido? Então veio a orientação: “mata o cordeiro”, coloca o sangue na verga, nos umbrais das portas e coma o cordeiro, ou seja, vem a orientação a respeito do Cordeiro. Israel já era um povo liberto, mas era necessário o Cordeiro.

A figura do Cordeiro vem se solidificar quando Jesus vem ao mundo e é visto e apontado por João Batista no Jordão quando ele diz: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. O Cordeiro foi morto. Jesus vem ao mundo, morre na cruz e estabelece uma nova ordem de coisas. Agora a salvação para o homem, todos os que aceitassem, que participassem do Cordeiro, quando Jesus pega o pão e o vinho e usa a figura desses elementos para simbolizar Sua morte até que Ele viesse. Aqui já é a instituição da Igreja, da universalidade do Evangelho, a graça do Senhor derramada sobre o mundo para salvar o homem e o entendimento de que Deus usa a figura do Cordeiro em todos os instantes para marcar a vida daqueles que ele ama.

A GRANDE PERGUNTA QUE HOJE PODE SER FEITA: “ONDE ESTÁ O CORDEIRO”:

A Igreja está entrando em seu terceiro milênio, embora a contagem feita pelo homem não seja precisa, neste momento o que interessa para a Igreja é que ela tem toda a compreensão de que o relógio de Deus marca com precisão um momento que é o momento da Igreja, o momento em que Jesus vai buscá-la, é a saída da Igreja deste mundo. Não estamos precisando dia ou hora, mas Jesus fala de uma geração que não passará, e é a geração dos fatos que estão aí para todo mundo ver (“...não passará esta geração”).

A Igreja vai sair deste mundo? Vai ser arrebatada? Sim, claro. Todos os profetas, apóstolos e o próprio Jesus, apontaram para este acontecimento, mostraram que o lugar da Igreja não é aqui, é o projeto de Deus para o homem, mas a pergunta é feita: “Onde está o Cordeiro?”.

Abraão era a marca da obediência, da fé que ia se instituir para a eternidade, que levaria o homem a conhecer a salvação através de Jesus (o Cordeiro). Na vida de Jacó a marca era a herança patriarcal (Abraão, Isaque, Jacó), o Cordeiro presente. Mais tarde a bênção da saída do povo de Israel do Egito e agora esta marca deveria ser uma marca nunca esquecida, ou seja, o Sangue do Cordeiro na verga das portas e o Cordeiro comido, dentro de cada um; era agora um povo liberto, uma grande nação, um povo com identidade que ia para sua própria terra.

Jesus vem ao mundo (o Cordeiro), o tempo passa, a luta da Igreja se transcorre em todas as épocas e agora ela se prepara para o arrebatamento. As evidências e os sinais estão presentes, mas onde está o Cordeiro? Será que está nos grandes ajuntamentos? Nas liturgias? Nas dispersões? Nas máscaras que o homem faz para enganar? O Cordeiro está com aqueles que estão ouvindo Sua voz!

QUEM ESTÁ OUVINDO A VOZ DO CORDEIRO?:

O apóstolo Paulo escreve que ao toque da última trombeta a Igreja será arrebatada. Então ouvir a trombeta, conhecer os toques da trombeta é fundamental para a Igreja que vai subir. O toque será ouvido individualmente (é a experiência pessoal de cada um), é a trombeta de Deus.

A Igreja (Obra) está mostrando uma coisa diferente que o mundo não pode mostrar porque é necessário que ela ouça e esteja sintonizada e em condições de ouvir o toque da trombeta.

A Palavra diz que nos momentos finais a trombeta tocará. Os sinais estão aí, o primeiro toque ninguém ouviu, a mesma coisa aconteceu com o segundo e o terceiro, mas o quarto toque a Igreja tem que estar atenta para ouvir, pois este toque está relacionado com a eternidade, com o encerramento do projeto de Deus com a Igreja aqui no mundo. Mas como ouvir a trombeta? Onde está o Cordeiro? No Velho Testamento a trombeta era feita de chifre de carneiro. Então primeiramente o carneiro (Cordeiro) tinha que estar morto, ou seja, em primeiro lugar, quem não conhece o sacrifício de Jesus, quem não tem experiência com a morte e ressurreição D’Ele não vai ouvir o toque da trombeta. Não é simplesmente vir a Igreja, ouvir um louvor, uma mensagem, mas sim, ouvir o som da eternidade que é difícil de ser ouvido num mundo conturbado como hoje.

A primeira coisa necessária para se poder ouvir o toque da trombeta é estar identificado com a morte do Cordeiro, saber porque Jesus morreu e ressuscitou, ter experiência com este fato, saber que Ele veio para derramar Seu Sangue, e o derramamento de Seu Sangue foi para nós o derramamento de Seu Espírito (Vida) sobre nós. Cristo em nós. A mesma experiência que Abraão teve quando ia imolar Isaque pois o Cordeiro estava ali presente vivo. A experiência de Jacó que também tem a presença do Cordeiro vivo, no quintal (obediência). A experiência do povo na saída do Egito, o Cordeiro estava presente em cada família. Agora, na saída da Igreja o Cordeiro está presente. Onde está o Cordeiro?

A Igreja tem que estar preparada, em vigilância. Será um toque (“...num abrir e fechar de olhos”). O toque da trombeta está identificado com a morte do Cordeiro, pois a trombeta para ser feita precisava primeiro que o carneiro (Cordeiro) estivesse morto, e depois D’Ele morto era necessário que o chifre fosse levado ao fogo para tirar as impurezas de dentro e de fora, ou seja, os restos de carne, do cheiro da carne que é cheiro de morte (pecado). Era mudada a forma do chifre duas vezes, primeiro para ser limpo, depois para ser usado, depois o sacerdote fazia um orifício para a passagem do ar e não podia ser de qualquer tamanho, era proporcional ao tamanho do chifre. É a preparação do homem para ser usado como trombeta de Deus. Deus tira a forma do pecado, limpa por dentro e por fora, e dá a forma D’Ele para poder usar o homem. E como é o toque da trombeta? A trombeta é o próprio Cordeiro, o sopro é do Espírito, o som é a Palavra do Pai. Onde está o Cordeiro? Na Trindade presente no meio da Igreja, o orifício é o canal que liga o coração do homem à eternidade de Deus, Deus fala e o homem sabe que é Ele quem está falando.



SÓ A IGREJA CONHECE O SOM DA TROMBETA:

É interessante que Israel usava muito as trombetas para vários tipos de anúncios ao povo, toques curtos, prolongados, alternados, enfim, de diversas formas para avisar alguma coisa importante ao povo. O detalhe é que como os toques eram como códigos, o inimigo não conhecia de modo nenhum o que é que o som da trombeta estava avisando.

Da mesma forma hoje o toque da trombeta é o mesmo, ou seja, só quem estiver afinado, sintonizado com o Cordeiro vai ouvir a trombeta, o toque de recuar, avançar, preparar para a guerra, etc. A Obra do Espírito vive este exercício diariamente, o toque da trombeta, a voz do Pai através do Cordeiro que dá o sopro da vida (Seu Espírito), também através dos dons espirituais, que não são conhecidos pelo adversário, pois ele não sabe a linguagem dos códigos do Senhor com Sua Igreja. Este é o momento mais extraordinário da vida da Igreja. Deus usa o homem como a trombeta D’Ele, e por isso a Palavra diz assim: “...se separares o precioso do vil, serás a boca de Deus” (a limpeza do chifre). Quando nós começamos a entender isso, constatamos que se o cheiro da morte saiu, agora vem o sopro da vida (a morte do Cordeiro; a ressurreição tem que estar na vida da Igreja). É o anúncio feito pela Igreja (trombeta - boca de Deus) dos momentos solenes e especiais. Onde está o Cordeiro? Será que Ele está em sua casa? Na sua vida? Na obediência? Nos lugares incertos do homem? Nas badalações? Nas festas profanas? Onde está o Cordeiro? Quantos estão preparados nesta hora? É um momento muito sério!

Diz a Palavra que: “...o sopro da boca do Senhor enganará o adversário”. O inimigo não sabe o momento da vinda do Senhor porque ele não conhece os sinais (códigos).

Os códigos estão sendo dados todos os dias no meio da Igreja, o momento é de definição pessoal, a trombeta está pronta para ser usada, a Igreja conhece o código da trombeta e o código é a Revelação, é aquilo que ninguém conhece e é um mistério para esta última hora, o mundo e o dono do mundo não vão ouvir porque não conhecem os mistérios da Igreja.

NOVAMENTE A PERGUNTA: “ONDE ESTÁ O CORDEIRO?”:

A Igreja sabe onde está o Cordeiro. Onde está o Cordeiro? Está no fundo do quintal (na obediência); está numa saída (num momento de dificuldade, numa libertação); está num momento de aflição (quando Abraão ia sacrificar Isaque, quem carregou a lenha foi Isaque. Além de morrer, carregava aquele fardo pesado de lenha. Mas o Cordeiro estava ali).

Fica a pergunta: “ONDE ESTÁ O CORDEIRO?”.


Gênesis 22:8

...Deus proverá para si o Cordeiro...”

Onde está o cordeiro? Abraão levou Isaque a entender a importância do cordeiro na vida da pessoa. Isaque teria uma experiência pelo resto de sua vida. Em nenhum momento Abraão levou dúvida do cordeiro à Isaque. Três dias de caminhada. ( o entendimento de Jesus vivo). Os pais precisam transferir para os filhos, todas as orientações dadas pelo Senhor ( v.12)

Isaque não teve dúvida da obediência de Abraão ao Senhor.

“nós iremos e voltaremos ( v.5 ) a certeza da promessa de Deus. Depois de caminhar três dias, Abraão tinha autoridade de levantar o cutelo e Isaque aceitar. Foi o maior ensino, entre todos, que Abraão deu a Isaque.


Gênesis 24:12

ABRAÃO precisava tomar uma mulher para o seu filho e que fosse da sua parentela.

O encontro era bom porque Deus havia preparado

Quando o encontro é sem Deus, tudo dá errado.(citar os desencontros nesta vida, no lar, casamento, nos propósitos, etc. )

Quando o encontro é com Deus, tudo dá certo.(citar os encontros dos cegos, aleijados, necessitados, discípulos, com Jesus)
Gênesis 24:1-67

V.2 - O Espírito Santo

V.4 - A igreja eleita

V.7 - Os anjos são ministros do Senhor

V.8 - A escolha é pessoal. “não por força...”

V. 14- “Não escolhestes vós a mim...” Anda na revelação

V.16 - A igreja eleita é sem mácula

V.18 - Está dentro do propósito de Deus

V.29 - A religião

V.30 - preocupação com as coisas materiais

V.34- 49 - A igreja conhece as profecias

V.54 - O amanhecer do dia eternal

V.55 - A religião prende o homem para esta vida

V.58 - A igreja deseja o encontro com o noivo.

V.62 - O arrebatamento “nas nuvens com...”

V.67 - A morada do pai.

Abraão – Pai exaltado

Isaque - Ele riu-se - Fruto de um milagre

Eliezer - Deus é auxílio

Rebeca - Corda com laço, isto é: donzela cuja pureza prende os homens

Labão - Branco - Desejou os presentes
Gênesis 26:1-3

Fome - na Terra

Egito - não voltar

Faraó - Dita normas/ regras

O Senhor provê todas as coisas

Gênesis 28: 10-17


Há um momento que Deus quer dar uma benção

Deve haver uma parada, disposição, entrega

A noite - Não deixou Jacó completar a viagem

houve uma parada - uma revelação

Deita sobre a pedra - descanso

Marca na cabeça -”os seus pensamentos”

O sonho - Passando ao Senhor toda a sua ansiedade e preocupação.

Redor (trevas) - interior (luz)

Era preciso esta experiência (renovo)

Onde Deus está? Jacó teve certeza: Deus estava ali


Gênesis 29:1-9

Eis aqui Raquel; que vem com as ovelhas”



A VINDA DE JESUS PARA ISRAEL:

Jacó sai de sua casa para a terra dos filhos do Oriente para dali tomar uma esposa. Levava consigo a bênção e a promessa de seu pai que seria o maior entre seus irmãos.

Jacó aqui é tipo de Jesus, que saiu de Sua Casa (Glória), para vir ao mundo, aos filhos do Oriente (Israel). Veio com a Palavra de Deus Pai que Ele padeceria, morreria, mas seria maior do que todos, pois ressuscitaria e seria o primogênito dos mortos. Jesus então vem para Israel a fim de fazer com eles um compromisso (casamento) espiritual, mas eles não entenderam o propósito de Jesus, esperavam um líder político que os livrasse de Roma.

O ENCONTRO DE JESUS COM O HOMEM:

Jacó chega num poço (poço de Harã), onde, junto, estavam três rebanhos de ovelhas. Sobre a boca do poço, uma grande pedra. Era o lugar onde se dava de beber aos rebanhos.

A chegada de Jacó ao poço, mostra profeticamente como Jesus se encontra com o homem. No caso de Israel, Jesus chega no momento em que “os rebanhos” (Israel) estavam acomodados na religião, na lei, a muitos anos sem profeta, nas festas da lei, mas sem recursos (revelação) para dessedentar a sede maior que é a da alma. O homem, hoje, é encontrado muitas vezes assim, acomodado em sua religião, seus conceitos, vazios, com sede.

O CONFLITO DA REVELAÇÃO COM A RELIGIÃO:

Os três rebanhos falam de pessoas que até estão perto da bênção (poço), alguns conhecem a Palavra, mas não têm nenhum recurso (revelação) para desimpedir a boca do poço (resolver seus problemas). Existe uma grande pedra que os impede de alcançar a água do Espírito. Se deixam levar por gentes que não tem um mínimo interesse espiritual. Enquanto Deus está preocupado em mostrar que o momento é de “sede Crônica”, eles alimentam seus desejos individuais pregando um evangelho materialista, acabado na pobreza sem revelação, vergonhoso pela permissão da entrada do mundo nas igrejas, evangelho assalariado, esquecendo-se da Palavra(“...de graça recebeste, de graça dai...”). Enquanto isto, as ovelhas ficam deitadas, acomodadas no erro, até se acostumam numa situação de desespero e sede.



A RELIGIÃO REPRIME A OPERAÇÃO DO ESPÍRITO:

Os pastores davam de beber as ovelhas e depois punham a pedra, tapando a boca do poço novamente.

A religião tem posto, cada vez mais, uma grande pedra nas operações do Espírito. Alguns no meio dela se deixam levar pela empolgação, outros buscam com sinceridade ao Senhor, e Deus fala (a pedra é retirada), mas logo vem o “líder do rebanho”, ou outros que se dizem “dirigentes”, e abafam, ridicularizam a operação do Espírito afirmando que essas coisas não acontecem mais, ou que não vem de Deus. É posta uma grande pedra.

O DIÁLOGO DE JESUS COM O HOMEM:

Jacó pergunta de onde aqueles homens eram, e eles disseram: de Harã; se eles conheciam Labão, responderam: Sim; se Labão estava bem, disseram: bem, e eis aqui Raquel, sua filha, que vem com as ovelhas.

Novamente o ato de Jacó é profético, pois apontava para Jesus falando a Israel identificando-os como seus filhos (parentes d’Ele - Jacó era parente de Labão), e depois a todos os homens, pois Israel não o recebeu, mas a todos quantos o receberam são filhos de Deus (parentes de Jesus). Jacó os identifica (Jesus identifica o homem). Alguns dizem ser de Harã (dizem pertencer ao povo de Deus), dizem que conhecem Labão e que ele vai bem (referenciam como conhecem o Senhor, querendo mostrar ligação com Seus parentes - com a Igreja Fiel), dizendo que tudo vai bem (são orgulhosos de si mesmos achando que sabem o que é ser parte da família de Deus).

A IDENTIFICAÇÃO DA OBRA E DA IGREJA FIEL:

Bom é quando os pastores dizem: eis aqui Raquel, sua filha, que vem com as ovelhas. Uma Obra tem crescido nos últimos dias poderosamente, um povo tem descedentado sua sede por fazer parte do rebanho de Raquel (Igreja Fiel). Raquel é a escolhida, a amada de Jacó (Jesus). Alguns da religião, do mundo, têm estado preocupados com o crescimento desta Obra, e até a apontam para as pessoas sem entender o porquê de tanta alegria, paz e Salvação realizadas em nosso meio (eis aqui Raquel...).



O MOMENTO É DE PROVAS, VIGIAR:

Jacó diz que é pleno dia, não é tempo de ajuntar gado, e sim, de dar de beber as ovelhas e apascentá-las. Eles disseram que não podiam, pois ainda não tinham se ajuntado todos os rebanhos e a pedra tinha de ser removida.

Para os que querem a bênção do Espírito, Jacó (Jesus) chama atenção para o momento de provas (é pleno dia). O sol causticante, as provas constantes, pois após o ato da Salvação, começa-se o processo dinâmico. A batalha de quem aceita essa Obra como forma de vida não é contra a carne nem o sangue, mas não é tempo de “ajuntar gado”, não se pode dar lugar as coisas da carne. A Igreja Fiel não se mistura com as coisas do mundo.

O RECURSO DA REVELAÇÃO SEMPRE ESTÁ PRESENTE NO REBANHO DE RAQUEL:

Não havendo mistura com o mundo, o recurso da “Revelação” sempre está presente para desimpedir a boca do poço (resolver os problemas) para fazer o rebanho beber da água do Espírito e, assim, cuidar do rebanho (encaixar aqui a realidade do culto profético, nova fase com as “células”, dons, doutrina revelada). O momento é de cuidar (apascentar) o rebanho; daqueles que tem vindo com as mais variadas necessidades (pedras) e mostrar-lhes o rebanho que caminha com Raquel (Igreja Fiel) e que vai em direção a Jacó (Jesus).



A RELIGIÃO COM SUAS PREOCUPAÇÕES FÚTEIS:

Jacó pede que os pastores dêem de beber as ovelhas e que as apascentem, mas eles replicaram dizendo que não podiam até que todos os rebanhos se ajuntassem.

A insistência de Jacó com os pastores, fala da mesma de Jesus com o homem para que ele entenda que o Espírito Santo tem realizado uma Obra, mas muitos não querem entender, seus interesses são outros. A desculpa da religião demonstra quais e quão fúteis são suas preocupações (não podemos até que todos os rebanhos se ajuntem), está preocupada com muito povo, templos suntuosos, animações, etc., coisas que não tem nenhum valor espiritual, portanto, a pedra continua posta, não há revelação, impedindo o Senhor de operar.

A IGREJA FIEL SABE ONDE ENCONTRAR JESUS:

Só Jesus pode dessedentar a sede, qualquer sede do homem, só Ele pode retirar a pedra (problema, impedimento) que afasta o homem de Deus, e só Raquel tem a revelação de como encontrar com Jacó (Jesus), pois a única preocupação dela é levar o homem para Jesus, levar as ovelhas a Jacó, para que Ele tire a pedra e descedente a sede do homem.



EIS AQUI RAQUEL; QUE VEM COM AS OVELHAS:

Eis aqui Raquel; que vem com as ovelhas. A Igreja sabe o caminho que leva a Jesus, e ela traz consigo um povo sedento de Jesus, de água Viva. Eis aqui Raquel; que vem com as ovelhas. A maior característica de Raquel é que ela era pastora; a Igreja Fiel tem características de quem cuida do rebanho.


Gênesis 32: 23-31

Atravessar o Jaboque - Nova experiência v.23

A benção é individual v.24

Lutou toda a noite - Período atual, caminhada da igreja v.24

Muitos estão no sono espiritual, mas a igreja está lutando para ser vitoriosa

Perseverança - Não deixou o anjo ir v.26

Jacó ( enganador )

Israel ( escolhido de Deus )

Marca da experiência v.31

Amanhecer - Eternidade v.31


Gênesis 32:30-31

E chamou Jacó o nome daquele lugar Peniel, porque dizia: Tenho visto Deus face a face, e a minha alma foi salva. E saiu-lhe o sol, quando passou a Peniel; e manquejava da sua coxa”.

- Vi Deus face a face e minha alma foi salva - Ver Deus face a face é entender a salvação na revelação (dinâmica) e não pela razão (estática, isto é, religião).

- Nascia o sol - É começar a andar na velocidade da luz (sol) de Deus que é Jesus.

- Coxeava de uma perna - “Trago no corpo as marcas do Senhor Jesus”

Gálatas 6:17

- Marcas - Ministério revelado, leigo, vida revelada.
Gênesis 40:9-10

“Então contou o copeiro-mor o seu sonho a José, e disse-lhe: eis que em meu sonho havia uma vide diante da minha face. E na vide três sarmentos, e estavam como brotando; e a sua flor saía, os seus cachos amadureciam em uvas”.

- VIDE - a Igreja

- TRÊS SARMENTOS - 3º dia, ressurreição, eternidade.

- A FLOR QUE SAÍA - dons espirituais

- ESPREMER DAS UVAS - clamor pelo sangue do Senhor Jesus.

- O COPEIRO RECEBEU VIDA - salvação


Gênesis 40:16-17

“Vendo então o padeiro-mor que tinha interpretado bem, disse a José: eu também sonhava, e eis que três cestos brancos estavam sobre a minha cabeça; e no cesto mais alto havia de todos os manjares de Faraó, obra de padeiro; e as aves os comiam do cesto de sobre a minha cabeça”.

- TRÊS CESTOS - terceiro dia, ressurreição para a morte. Gn. 40:19

- OBRA DE PADEIRO - fruto do esforço do homem, evangelho social.

- SOBRE A CABEÇA - coisas da mente do homem, religião.

- AVES DO CÉU - espíritos malignos consomem a obra do homem.

- O padeiro recebeu morte eterna.


Gênesis 45:18 - O que o mundo oferece.

...dar-vos-ei o melhor da terra do Egito e comereis a fartura da terra”.



- Trata-se da promessa de Faraó (o adversário).

Egito = símbolo do mundo.

Mundo = carne

poder das trevas.

- O tempo mostra que a promessa de Faraó é enganosa: “Lhes fizeram amargar a vida com dura servidão”. Ex. 1:14

- Tristezas, sofrimento, angústia, escravidão...

- A promessa do Senhor - “Desci a fim de livrá-los da mão dos egípcios e para fazê-los subir a uma terra boa e ampla, terra que mana leite e mel”. Ex. 3:8.

- O tempo mostra que as promessas do Senhor são verdadeiras - Js. 23:14 - cumprem-se para quem sabe esperar.

- A grande promessa do Senhor para hoje:

Certamente venho sem demora” Ap. 22:20



Êxodo



Êxodo 2:12

E olhou a uma e a outra banda, e vendo que ninguém ali havia, feriu o egípcio e o escondeu na areia”.



- Moisés tinha todo o comportamento de egípcio, mas suas atitudes eram as de um hebreu, fora criado em dois ambientes

-... FERIU O EGÍPCIO ...

- É preciso destruir a natureza egípcia em nós (espírito imundo). Precisamos matar o egípcio que existe dentro de nós. É a única maneira para que possamos servir ao Senhor. Só assim entenderemos todo o sofrimento que é necessário para se formar a Obra em nossa vida. Compreenderemos o plano da salvação, libertação das nossas vidas deste mundo.



-... ESCONDEU NA AREIA

- Não é o expediente mais correto. Areia fala de fragmento de rocha, pensamento, argumento humano, que mais tarde poderão desenterrar o egípcio. E então é ele quem matará o hebreu.

Não tem sido assim com muitos servos? Que pareciam ter destruído o egípcio dentro de si, e nos últimos tempos tem-se levantado contra a obra (hebreu ferido), provocando escândalos.
Êxodo 2:23-25

Moisés mata um egípcio por estar maltratando um irmão hebreu. Só que Moisés pensava que ninguém sabia. Mas, quando ele interveio na contenda entre 2 varões hebreus, um dos varões o revelou que sabia. Moisés foge para o deserto de Midiã, temendo a família. Lá Moisés casou-se com Zípora e teve um filho que se chamou Gérson (um estranho ali).

V. 23 - Depois destes dias morrendo o rei do Egito - Libertação das coisas do mundo. Passamos a aceitar Jesus como nosso salvador. Libertação do jugo. Colocamos todas as nossas petições, todas as nossas necessidades diante do altar do Senhor, o nosso clamor. E o seu clamor subirá a Deus por causa da sua fidelidade. O Senhor tem revelado que com lágrimas nós temos que buscar a salvação dos nossos familiares (Sl. 126-5-6).

...E o seu clamor subiu a Deus - Nossas orações só chegam ao trono do Senhor quando nos quebrantamos na sua presença e tiramos de nós tudo aquilo que não glorifica o seu nome, nos purificando através do Sangue do seu filho Jesus, e ganhamos a comunhão com o Espírito Santo, o grande e maravilhoso consolador e assim, a nossa oração subirá até ao Pai (Ef. 6:18).

V. 24 - E ouviu Deus o seu gemido. Ouviu a sua oração e lembrou-se Deus do seu concerto (de Abraão, Isaque e Jacó). Quando a nossa oração chega até aos céus.

V. 25 - Deus olhou para o seu povo e conheceu-os. Deus sempre está com seus ouvidos atentos às nossas intercessões (Sl. 101-6).

Fiéis na terra - Se estivermos em comunhão e de acordo com a vontade do Pai, em obediência, seremos abençoados com a resposta de nossas orações. (Lucas 1:72-76).



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   18


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal