Literatura brasileira VI – aspectos/vertentes/tendências da lírica moderna brasileira do pós-guerra



Baixar 25,76 Kb.
Encontro12.09.2017
Tamanho25,76 Kb.





UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS






Literatura Brasileira VI – Vertentes da lírica brasileira pós-45: da reclassicização ao novo ciclo vanguardista

Prof. Vagner Camilo - 2º semestre /2.015 – matutino
Ementa: A disciplina é dedicada ao exame de certas vertentes da lírica brasileira dos anos de 1940 e 1950, marcando o encerramento do primeiro ciclo vanguardista das décadas anteriores e o início de um novo ciclo. A discussão proposta envolve questões relativas à rotinização das experimentações vanguardistas (Candido), ao envelhecimento do moderno (Burger) ou à “reclassicização do verso” (Merquior), o retorno, enfim, a certas tendências pré-modernas e as relações entre modernidade e tradição, e, em contrapartida, as propostas construtivistas que inauguram o novo ciclo vanguardista. As abordagens de obras e poetas caminham no sentido da análise estética detida, atentando às especificidades do literário, mas buscando resgatar as tensões marcantes em seu contexto histórico-político imediato.

  • Tópicos do programa (30 aulas)

  1. “Reclassicização” da lírica moderna (Drummond, Murilo, Jorge de Lima...) e o “neomodernismo” da “geração de 45” (Péricles E. S. Ramos, José Paulo Moreira da Fonseca, Bueno de Rivera, Dantas Mota...) (de 10 a 12 aulas, aproximadamente)

  2. João Cabral de Melo Neto (06 aulas)

  3. Mário Faustino (02 aulas)

  4. Concretismo: Augusto de Campos (06 a 08 aulas, aproximadamente)

  5. Ferreira Gullar (04 aulas)




  • Apoio bibliográfico – para a maioria dos poetas discutidos em sala, há antologias com seleção de poemas feitas pelo docente. Além disso, há os ensaios abaixo indicados para o estudo de cada poeta ou tendência.

  • PARA A CONTEXTUALIZAÇÃO DO PERÍODO, RECOMENDA-SE AOS ALUNOS QUE JÁ SEJA FEITA, PARA INÍCIO DO CURSO, A LEITURA DO ENSAIO DE IUMNA SIMON*, NO LINK ABAIXO INDICADO.

AGUILAR, Gonzalo. Poesia concreta brasileira: as vanguardas na encruzilhada Modernista. São Paulo:EDUSP, 2005.

ANDRADE, Fábio de Souza. Livro dos sonetos: o concreto e o órfico na lírica final. O engenheiro noturno: a lírica final de Jorge de Lima. São Paulo: Edusp, 1997.

ARRIGUCCI Jr., Davi. O cacto e as ruínas. São Paulo: Duas Cidades, 1997.

ARRUDA,Maria Arminda do Nasciment o. Metrópole e Cultura: São Paulo no meio do século XX. São Paulo: EDUSP, 2012.

BARBOSA, J.A. A lição de João Cabral. Cadernos de literatura brasileira: João Cabral no. 1 . São Paulo: IMS, mar 1996: 62-105.

BOSI, A. “Roteiro do poeta Ferreira Gullar”. Céu, inferno. São Paulo: Duas Cidades/Ed. 34, 2003.

BURGER, P. O declínio da era moderna. Trad.: Heloísa Jahn. Novos Estudos Cebrap no. 20 São Paulo mar 1988: 81-95.

CAMENIETZKI, Eleonora Zíller. Poesia e política: a trajetória de Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Ed. Revan, 2006.

CAMILO, V. “Percalços da Modernidade Poética no Brasil: sobre a reposição do poético na lírica do pós-guerra.”. In Gwen Kirkpatrick e Enrique E. Cortez (eds). Estar en el presente. Literatura y nacion desde el Bicentenario. Berkeley/Lima: Latinoamericana Editores (2012)

____. Drummond: da Rosa do povo à rosa das t.revas. São Paulo: Ateliê Ed., 2005 (2ª. ed.).

____. O fazendeiro do ar e o legado da culpa. In: PENJON, Jacqueline e PASTA Jr., José A. (orgs.) Littérature e modernisation au Brésil. Paris: Presses Sorbonne Nouvelle, 205-227.

COELHO, Joaquim-Francisco. Morte & ressurreição de Mário Faustino. In: Luso-Brazilian Review, Vol. III, n. 2, Dec. (Winter),University of Wisconsin Press, 1966.

MERQUIOR, J. G. “Falência da poesia ou uma geração enganada e enganosa: os poetas de 45”. Razão do poema: ensaios de crítica e de estética. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996 (2ª. ed.).

NUNES, Benedito. A poesia de meu amigo Mário. In: FAUSTINO, Mário Faustino. O homem e sua hora e outros poemas (org. Maria E. Boaventura). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

*SIMON, Iumna. M. Esteticismo e participação: as vanguardas poéticas no contexto brasileiro (1954-1969). Novos Estudos Cebrap no 26. São Paulo mar 1990: 120-140. Acessar em:

http://novosestudos.uol.com.br/v1/files/uploads/contents/60/20080624_esteticismo_e_participacao.pdf

___ e DANTAS, Vinícius. Poesia concreta. São Paulo: Abril: 1982.



VILLAÇA, Alcides. “Gullar: a luz e seus avessos”. Cadernos de literatura brasileira: Ferreira Gullar no. 6 . São Paulo: IMS, set 1998: 88-107.

Obs.: Outras indicações bibliográficas serão feitas no correr no curso.

  • Avaliação: análises de poemas apresentados pelo docente, estabelecendo relações com as discussões de sala de aula e com os textos teóricos de apoio.




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal