Life priolo



Baixar 5,71 Mb.
Página25/32
Encontro01.07.2018
Tamanho5,71 Mb.
1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   32

Fonte: Inquéritos à população no âmbito da Acção F4-Projecto LIFE Priolo (Março/Abril 2005 e Fevereiro/Março 2008)
Figura 3.28 - Respostas relativas à ZPE Pico da Vara/Ribeira do Guilerme em 2005 e em 2008.

Anexos:

  • Relatório “Avaliação da Sensibilização Ambiental da população em geral e da administração para a problemática do Priolo e importância da vegetação nativa”

3.5.5. Acção F5 – Esquemas de monitorização das acções de remoção de exóticas e de produção e plantação de espécies nativas

Responsável pela Acção: Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Concluída em 2008

A complexidade e dificuldade da intervenção no habitat realizada durante o projecto implicam uma monitorização constante dos resultados de cada acção, reforçada pelo facto de existir uma forte dependência entre as várias acções. A monitorização contínua de todas as acções é fundamental para assegurar que os objectivos são alcançados de acordo com a calendarização e os objectivos propostos.

A monitorização das acções de intervenção no terreno constitui por si uma acção do projecto, quer pela sua contribuição para a boa prossecução das actividades quer pelo elevado consumo de recursos humanos e logísticos. Pensou-se desde logo que esta monitorização das actividades de intervenção no habitat teria que ser realizada de forma contínua ao longo de todo o projecto, conforme exigido pela situação de ameaça em que o Priolo se encontra.

Os esquemas de monitorização foram alvo de discussão, como resultado das experiências desenvolvidas durante o 1º ano de projecto, tendo sido elaborados protocolos para as diferentes situações sujeitas a monitorização no seguimento das conclusões resultantes da 2ª reunião da Comissão Científica (Acção F3). Os protocolos iniciais estabelecidos para a Acção F5 do projecto LIFE Priolo “Esquemas de monitorização das acções de remoção de exóticas de produção e plantação de espécies nativas” compreendiam um programa de monitorização que actuava em três fases:

Fase 1 – Monitorização da produção de plantas nativas;

Fase 2 – Monitorização da remoção de espécies exóticas;

Fase 3 – Monitorização da plantação de espécies nativas.

A estes esquemas integrados de avaliação do sucesso das medidas de intervenção foram adicionados dois outros estudos de monitorização: monitorização da frutificação de Azevinho e monitorização de cursos de água e solo, de modo a conseguir uma avaliação mais abrangente do impacto destas medidas no terreno.



Os resultados da primeira fase de monitorização revelaram resultados tranquilizadores uma vez que foram obtidas, tanto para espécies nativas lenhosas como para plantas herbáceas nativas (Tabela 3.7), taxas de germinação significativamente elevadas para que a sua produção desse resposta à demanda de plantas para acções de plantação.
Tabela 3.7 - Dados de germinação obtidos pelo CCPA referentes à sementeira de vários lotes de espécies nativas, com distintos tempos de conservação.

Espécie

Ensaios

Tempo de conservação (meses)

Temperatura

Fotoperíodo

Germinação

Luzula purpureosplendens

3

2

10-20ºC

8 h

70,8 %

Luzula purpureosplendens

5

14

10-20ºC

8 h

86,2 %

Leontodon filii

1

2

20º C

8 h

52,3 %

Leontodon filii *

7

14

20º C

8 h

31,8 %

Leontodon filii

6

84

20º C

8 h

91,0 %

Vaccinium cylindraceum

8

-

15º C

8 h

58,5 %

* O modo de conservação inadequado deste lote permitiu o desenvolvimento de fungos.
No que diz respeito à segunda fase, referente à monitorização da remoção de espécies exóticas, verificou-se que espécies nativas lenhosas (Figura 3.29) e fetos apresentam um desenvolvimento imediato após as acções de intervenção, enquanto as espécies herbáceas só conseguem prosperar dois anos após a intervenção uma vez que sofrem um efeito lesivo imediato aquando da intervenção devido à formação de tapetes de folhas mortas e do pisoteio. É também provavelmente devido à intervenção humana que duas das espécies nativas lenhosas, Myrsine retusa e Vaccinium cylindraceum, sofrem uma diminuição da sua densidade, nomeadamente nas classes de tamanho inferiores.



1   ...   21   22   23   24   25   26   27   28   ...   32


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal