Lawrence Kohlberg Restaure-se a moralidade



Baixar 25,37 Kb.
Encontro11.09.2017
Tamanho25,37 Kb.

Lawrence Kohlberg - Restaure-se a moralidade

Maria Helena Pires Martins
Desenvolvimento moral e educação, segundo o psicólogo e filósofo americano seguidor de Piaget

Lawrence Kohlberg, psicólogo e filósofo americano (1926-1987) seguidor de Piaget, dedicou a vida ao estudo do desenvolvimento moral do ser humano, fundando o Centro de Desenvolvimento e Educação Moral, na Universidade de Harvard. A atualidade de suas idéias encontra ressonância na realidade brasileira. A LDB, por exemplo, enfatiza a necessidade, no ensino fundamental, tanto da "compreensão de valores em que se fundamenta a sociedade" quanto da formação de atitudes e valores. Já para o ensino médio, a lei é mais explícita: prevê o "aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico". Os Parâmetros Curriculares Nacionais, quando elegem a ética como tema transversal, estabelecem os seguintes objetivos para o seu ensino: "dirimir a desigualdade: fazer com que cada pessoa desenvolva o senso de justiça baseado na igualdade entre os homens; dirimir a indiferença: fazer com que as ações de cada um sejam movidas pelo sentimento de solidariedade; dirimir os preconceitos e as discriminações: fazer com que as diferenças entre pessoas (relacionadas à idade, sexo, raça etc.) possam ser aceitas e respeitadas em nome da dignidade inerente à pessoa humana; dirimir a violência com que os conflitos e as divergências possam ser resolvidos e superados pelo diálogo". Como fazer isso? Kohlberg pode ajudar nessa reflexão.

Piaget, seguindo a trilha aberta por Kant, defende a existência de categorias do pensamento lógico e da constituição da consciência moral. Ao contrário de Kant, entretanto, para quem essas categorias eram, por assim dizer, inatas, o filósofo suíço defende que elas sejam o fruto de uma construção gradual e sistemática. A inteligência e a consciência moral são construções ativas da criança, baseada na experiência. A psicogênese do pensamento lógico, bem como a da moralidade, é explicada por fatores biológicos e sociais e é dividida em estágios que marcam períodos de equilibração e de ruptura das estruturas da organização mental.

Esses estágios obedecem a uma seqüência determinada, invariante e universal, sendo que cada um deles apresenta características típicas. Além disso, cada estágio hierarquicamente superior é mais complexo, mais diferenciado, mais competente para resolver os problemas e incorpora o estágio anterior.

A passagem de um estágio a outro se dá através de dois mecanismos complementares do processo de adaptação do organismo ao meio físico e social: a assimilação e a acomodação.

A assimilação é o processo de ampliação da estrutura – cognitiva ou moral – que permite que novas experiências sejam incorporadas e resolvidas de modos semelhantes. Esse é o período de equilibração. Contudo, tanto influências externas (mudanças sensíveis do meio) quanto internas (maturação biológica e diferenciação do sistema nervoso central) podem causar desequilíbrios (ou rupturas) na estrutura. É nesse momento que se dá o processo de acomodação, ou seja, de ultrapassagem da crise pela reorganização da estrutura em um outro patamar mais elevado e estável, ou seja, em outro estágio.

Tanto para Piaget quanto para Kohlberg, a consciência moral não se encontra no sentimento (como Rousseau afirmava), mas na razão. Eles defendem a tese da gênese gradativa da consciência moral e da possibilidade de educá-la. A psicogênese da moralidade infantil significa o gradual afastamento da consciência infantil da heteronomia moral, das regras do grupo, em direção à autonomia.

Depois de Piaget, Kohlberg é o estudioso mais importante da moralidade: retoma e aperfeiçoa o modelo piagetiano, aperfeiçoa o aparato metodológico, elabora programas de educação moral para escolas e universidades e fundamenta filosoficamente sua teoria psicológica e moral.

Kohlberg propõe seis estágios de desenvolvimento moral, a partir dos estudos longitudinais que conduziu nos Estados Unidos, na Turquia e Israel, tendo acompanhado os sujeitos da pesquisa durante 15 anos. Conclui que o desenvolvimento moral completo pressupõe que o indivíduo tenha chegado ao último estágio do desenvolvimento cognitivo, isto é, o estágio do pensamento formal, com o domínio das estruturas lógico-matemáticas. Mas que essa condição necessária não é suficiente para que ele seja capaz de fazer julgamentos morais no nível pós-convencional.

Os instrumentos utilizados em sua pesquisa foram os dilemas morais, para os quais os sujeitos sugerem uma solução, justificando racionalmente sua escolha; a entrevista clínica, (diálogos com argumentações e contra-argumentações); e vídeos que permitiam analisar a mímica e os gestos dos sujeitos participantes.

Para o estabelecimento dos seis estágios (veja no quadro), e para o diagnóstico do desenvolvimento moral uma vez postulados os estágios, Kohlberg considera três pontos. Primeiro, o valor moral defendido, representado pelo conteúdo intrínseco dos argumentos apresentados: punição, propriedade, papéis afetivos e autoridade assumidos, lei, vida, liberdade, justiça (punitiva ou distributiva), verdade, sexo. Segundo, a justificativa dos julgamentos (estrutura e coerência da argumentação). Por último, a orientação sociomoral consciente do sujeito.

Definidos os estágios e tendo criado uma metodologia capaz de diagnosticar em qual deles as pessoas se encontram, Kohlberg propõe modos de interferência na passagem de um estágio para outro, ou seja, de se possibilitar que as pessoas desenvolvam sua capacidade de fazer julgamentos morais.

Este é, pois, o momento educativo: o professor é o agente promotor da análise, discussão, avaliação e julgamento das situações reais vividas pelos alunos dentro e fora da escola.

Relembramos que o desenvolvimento da moralidade é necessário para que a vida em grupo, a vida social, seja possível; que a conquista da autonomia moral é desejável para que todo ser humano possa avaliar as regras de seu grupo e decidir se elas estão de acordo com os princípios de justiça que promovem a dignidade inviolável da humanidade; a liberdade; a solidariedade e a igualdade.

É a partir desses objetivos que Kohlberg faz sua proposta da criação, dentro das escolas, da comunidade justa, que faz uso da vida comum – portanto, da dimensão social – da sala de aula para a promoção do desenvolvimento moral.

A comunidade justa é uma comunidade democrática, cuja instituição central é a assembléia geral na qual são apresentados os assuntos relacionados à vida e disciplina na escola, os quais são discutidos e decididos por meio de votação de alunos e professores, cujos votos têm igual valor.

Essa participação da comunidade nos processos decisórios coloca tanto o poder quanto a responsabilidade pelas conseqüências das decisões nas mãos dos diretamente envolvidos na vida social: todas as vozes estarão representadas, todas serão ouvidas, havendo ocasião para que as várias perspectivas sejam consideradas, os vários lados dos problemas, apresentados.

Esse é o momento propício para o uso do role-taking, ou seja, da assunção de papéis: só me colocando imaginariamente no lugar do outro, dentro de suas circunstâncias concretas, posso chegar à compreensão de sua situação e de suas reivindicações. As decisões da assembléia, portanto, bem como todas as regras e normas estabelecidas pelo programa de comunidade justa expressarão a preocupação com a justiça e com a comunidade. Para isso, é necessário que sejam desenvolvidas as virtudes indispensáveis para a vida em comum: solidariedade, confiança, responsabilidade coletiva e participação.

Dentre essas virtudes, a mais importante para o desenvolvimento da solidariedade na comunidade é a responsabilidade coletiva, indispensável para que esta se mantenha como grupo social e não como simples aglomerado de pessoas. Quando a comunidade sabe que a responsabilidade por seu funcionamento, pelo estabelecimento e realização de seus objetivos está em suas mãos, ela é muito mais cuidadosa ao decidir as regras e normas e ao avaliar as necessidades e reivindicações. O que está em jogo é a existência da própria comunidade e não mais as idiossincrasias de cada um. Além da responsabilidade coletiva, valores como ajuda mútua, confiança, integração e participação servem tanto para criar quanto para expressar o sentimento de comunidade. Refletem uma preocupação com o bem estar individual, com a justiça, mas também com a qualidade das relações entre os indivíduos do grupo.

Ao adotar esses valores como expectativas compartilhadas, os grupos deixam de ser associações pragmáticas para se transformarem em comunidades cujos membros buscam objetivos educacionais individuais e valorizam a vida comum como um fim em si.

A comunidade justa e os professores que dela participam oferecem o meio social no qual processos de crise, assimilação e acomodação têm lugar uma vez que os alunos exercitam diariamente as virtudes condizentes com a vida em sociedade, os hábitos do diálogo e da assunção de papéis e as habilidades racionais de julgamento moral que levarão à autonomia moral.

Seis degraus

Kohlberg classificou os níveis de moralidade e seus respectivos estágios



Nível de moralidade pré-convencional:

1. Estágio do castigo e da obediência

a) Valor moral defendido: obediência às regras e à autoridade. O correto é evitar infringir as regras, obedecer por obedecer e evitar causar danos físicos a pessoas e propriedades;
b) Justificativa dos julgamentos: evitar o castigo e o exercício do poder superior que as autoridades têm sobre o indivíduo;
c) Orientação sociomoral: egocêntrica

2. Estágio do objetivo instrumental individual e da troca

a) Valor moral defendido: seguir as regras quando for de interesse imediato. O correto é agir para satisfazer os interesses e necessidades próprias e deixar que os outros façam o mesmo. O correto é também o que é equitativo, ou seja, uma troca igual, uma transação, um acordo;
b) Justificativa dos julgamentos: servir a necessidades e interesses próprios em um mundo em que há outras pessoas com seus interesses;
c) Orientação sociomoral: individualista concreta.

Nível de moralidade convencional:

3. Estágio das expectativas interpessoais mútuas, dos


relacionamentos e da conformidade

a) Valores defendidos: desempenhar o papel de uma pessoa boa (amável), preocupar-se com os outros e seus sentimentos, ser leal e manter a confiança dos parceiros, estar motivado a seguir as regras e expectativas;


b) Justificativa dos argumentos: precisa corresponder às expectativas alheias. Tem necessidade de ser bom e correto a seus olhos e aos olhos dos outros (família, amigos etc.); importa-se com os outros: se trocasse de papel, iria querer um bom comportamento de si próprio. Este é o estágio da regra de ouro: aja com os outros como gostaria que eles agissem com você.
c) Perspectiva sociomoral: do indivíduo em relação aos outros indivíduos.

4. Estágio da preservação do sistema social e da consciência

a) Valores defendidos: fazer seu dever na sociedade, apoiar a ordem social, manter o bem-estar da sociedade ou do grupo. Cumprir os deveres com os quais se concordou, apoiar as leis;
b) Justificativa dos argumentos: manter o funcionamento das instituições como um todo, auto-respeito ou consciência compreendida como cumprimento de obrigações definidas para si próprio ou consideração das conseqüências dos atos. Pergunta-se "o que acontecerá se se todos fizerem o mesmo?"
c) Orientação sociomoral: o ponto de vista é o do sistema que define papéis ou regras. As relações individuais são consideradas em termos do lugar que ocupam dentro do sistema.

Nível pós-convencional:

5. Estágio dos direitos originários, do contrato social ou da utilidade

a) Valores defendidos: sustentar o direito, valores e contratos sociais básicos de uma sociedade, mesmo quando em conflito com regras e leis concretas do grupo. Reconhecimento de que os valores variam de cultura para cultura, mas que existem valores e direitos não relativos como o direito à vida e à liberdade que devem ser defendidos independentemente da opinião da maioria;
b) Justificativas da argumentação: obrigação de cumprir a lei em função de um contrato social: protege seus direitos e os dos outros. Leis e deveres são baseados em cálculo do maior bem para o maior número de pessoas (critério da utilidade).
c) Orientação sociomoral: o ponto de vista prioritário é o da sociedade. Quando há conflito entre o ponto de vista moral e o legal, não consegue integrá-los.

6. Estágio dos princípios éticos universais



a) Valores defendidos: seguir o princípio ético universal de justiça que engloba os seguintes conceitos: dignidade inviolável da humanidade; liberdade; solidariedade e igualdade. Leis são válidas se seguirem esses princípios; se violarem esses princípios, não se deve obedecê-las pois o princípio é superior à lei; os princípios têm validade independentemente da autoridade de grupos ou pessoas que os sustentem e independentemente da identificação do sujeito com essas pessoas e grupos;
b) Justificativas da argumentação: como ser racional, percebe a validade dos princípios e compromete-se com eles;
c) Orientação sociomoral: ponto de vista moral, autônomo, do qual derivam os ajustes sociais. É o ponto de vista do indivíduo racional que reconhece a natureza da moralidade e do respeito pelos outros como fim e não como meio de chegar a alguma coisa.

Fonte: Revista Educação (nº 39)




©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal