Jornalismo-propaganda sob o alvo da censura



Baixar 70,83 Kb.
Encontro19.10.2017
Tamanho70,83 Kb.

Jornalismo-Propaganda sob o alvo da censura

20 anos de charge de J.C.Lôbo em jornal de Santos

Cinara Augusto*

*Doutora em Ciências da Comunicação (ECA-USP). Professora Titular de Publicidade e Propaganda e pesquisadora da Cátedra Giusfredo Santini de Comunicação da Universidade Católica de Santos (UNISANTOS).


RESUMO: Ainda que conceituada como material jornalístico editorial através de crítica humorística de um fato atual, a charge revela-se como propaganda em forma de jornalismo, por suas técnicas de afirmar, identificar e, especialmente, de sugerir, com o autor assumindo o olhar do leitor no assunto que chama a sua atenção mas, pelo modo como é apresentada a crítica, orientando a visão do público com intenção de obter uma reação de concordância ou aceitação. A charge é recurso de comunicação poderoso, por sua linguagem sintética, com a leitura centrada na imagem caricatural de uma pessoa ou instituição e texto econômico enfatizando a mensagem. Mas ainda que aparentemente provoque apenas o riso, ela é capaz de atrair a ira da censura, transformando seu autor em alvo de intimidação e perseguição constantes, numa evidência de que a charge é feita, percebida e temida como propaganda, o que provoca a ação da censura, como pode ser desvendado no estudo de caso do chargista brasileiro J.C.Lôbo, de 1967 a 1987.


A charge, obra de autor identificado onde se satiriza um fato específico, de conhecimento do público, mas percebida em geral como simples ilustração das notícias recentes para tornar mais agradável a leitura da palavra escrita, é parte integrante do jornal como material jornalístico editorial sendo, conforme Rabaça e Barbosa, uma intérprete direta do pensamento do jornal que a publica (1978, 90).

O humor presente em sua linguagem, até pelo exagero dos traços físicos das pessoas alvos da charge, que acentua ou revela, também reforça a simples pretensão de fazer rir, remetendo a mensagem ao nível da brincadeira ácida, mas inocente. Mas, dessa maneira, a charge cumpre requisitos básicos da propaganda eficaz: chamar a atenção e despertar o interesse, e estimular emocionalmente para a aceitação da mensagem pretendida. Ou seja, para o leitor do jornal tomar partido.

Definida por alguns autores como ataque político-editorial a instituição ou pessoa, a charge, que em francês significa carga, presta-se à propaganda de maneira especial. A leitura apoiada na imagem e o texto complementar sintético, como na linguagem dos quadrinhos, contribuem para facilitar a comunicação e a compreensão rápida da mensagem, sem maiores esforços do receptor. Em sua síntese e simplicidade, a charge sugere mais do que fala. Segundo Brown, a sugestão é o mecanismo fundamental empregado por todas as formas de propaganda, e “pode ser definida como a tentativa de induzir em outros a aceitação de uma crença específica sem dar razões por si mesmas evidentes ou lógicas para essa aceitação, quer elas existam ou não.” (BROWN, 1976, 26)

A diferença entre a charge e a propaganda comercial é que a última é reconhecível e assinada como publicidade, a mensagem declaradamente com intenção de influenciar a tomada de decisão do receptor para obter uma reação específica de consumo em benefício da empresa ou produto. A charge não revela essa intenção, nem mesmo em seu papel declarado de crítica jornalística ainda que chargistas como Bello, do jornal Tribuna de Minas, assumam que a charge é a notícia dada de forma irreverente, juntando diversão com consciência social.

Quando a mensagem, assim, orientando a visão do público leitor, repercute na sociedade, os incomodados apelam para a censura. E até, ao mesmo tempo, para a violência. Como no caso da publicação de doze charges com o profeta Maomé no jornal dinamarquês Jyllands-Posten, em setembro de 2005. As primeiras manifestações de protesto foram pacíficas, com os muçulmanos de Copenhague saindo às ruas e com um abaixo-assinado produzido por organizações da comunidade islâmica do país, pedindo a punição do jornal. Essas manifestações não atraíram maior atenção fora da Dinamarca. Num segundo momento, entretanto, líderes de países muçulmanos e clérigos extremistas aproveitaram a oportunidade da indignação dos fiéis locais com as charges de Maomé para promover, deliberadamente, ataques conjuntos ao Ocidente e à democracia.

Alguns protestos foram espontâneos nos países muçulmanos, mas a maioria foi manipulada por fundamentalistas islâmicos e governos. Boicote aos produtos dinamarqueses, chamar de volta os embaixadores em Copenhague e até a suspensão, pelo Irã, de qualquer relacionamento comercial com a Dinamarca, populações em massa nas ruas incendiando embaixadas, incitação à violência racial, mortes.

Essa reação fez com que as charges fossem publicadas na imprensa em todo o mundo e disponibilizadas na internet pelo CMI – Centro de Mídia Independente, sob o argumento de que era equivalente a exibir o corpus delicti, ajudando os leitores a avaliar o real teor dos desenhos. E não divulgá-los, argumentou-se ainda, implicaria em sacrificar a liberdade de expressão e de imprensa, cedendo a um clima de medo e intimidação, contrapondo os órgãos de comunicação a defesa da liberdade de expressão ao exagero de considerar as charges, segundo os seguidores do Islã, uma provocação gratuita, ofensiva à religião e incentivo ao preconceito contra os muçulmanos.

Discutiu-se, inclusive, que sequer seria válido alegar que os muçulmanos não estão habituados a fazer piada com religião, dada a existência de publicações do Oriente Médio pródigas em produzir caricaturas anti-semitas. A polêmica intensificou-se sobre se as charges deveriam ser publicadas, apesar de legais, legítimas e inseridas na tradição da liberdade de expressão e da sátira de figuras religiosas que faz parte da cultura ocidental, visto que feriam a sensibilidade dos muçulmanos.

O filósofo muçulmano Tariq Ramadan, em entrevista nas páginas amarelas da revista Veja (15.02.2006) foi contra a publicação das charges, alegando que “No contexto de nossas sociedades cada dia mais pluralistas, com diferentes sensibilidades, eu diria que não é sábio publicá-las. Liberdade de expressão exige responsabilidade”, ainda que classificasse a reação muçulmana às caricaturas como insana.

Hélio Schwartsman, editorialista do jornal Folha de S.Paulo (16.02.2006), constatou que, nessa polêmica, havia um número de vozes “supostamente comprometidas com valores republicanos e democráticos que chancelaram alguma forma de censura às imagens, seja advogando pela necessidade de manutenção da paz social, seja pelo “respeito ao sagrado”, conduzindo a discussão à sua essência: uma questão de censura. Ele identifica na separação entre Estado e Igreja, com o Iluminismo, um dos passos mais fundamentais da humanidade, a partir do qual as idéias passaram a circular livremente, levando ao acordo democrático pelo qual ninguém pode impor suas verdades a quem delas não deseja partilhar, e acredita que a liberdade de expressão deve ser interpretada como o resultado desse movimento histórico.

Schwartsman argumenta que abusos como a divulgação de calúnias ou ofensas a normas que garantem o direito à privacidade, por exemplo, devem ser resolvidos a posteriori nas cortes de Justiça e punidos na forma da lei, concluindo que “Se a perda da “noção do sagrado” foi o preço que tivemos de pagar pelo fim das conversões forçadas e das fogueiras da Inquisição, então viva a morte do sagrado”.

A revista Veja (idem) discutiu o assunto sob a ótica da fabricação do ódio, onde o interesse dos países muçulmanos que incentivavam ou não coibiam as reações violetas seria mandar um recado ao Ocidente, que os incomoda com a exigência de respeito aos direitos humanos e à democracia e, ao mesmo tempo, reforçar as crenças existentes: seus líderes são guardiões legítimos da honra do Islã. O cartaz empunhado por manifestantes em Londres dizendo que “A Europa é o câncer, o Islã é a resposta”, e a insistência em difundir que a democracia do Ocidente é ruim, pois permite a blasfêmia, são evidências do uso de técnicas de propaganda clássicas que fazem afirmações e apontam o inimigo.

O que parece ter escapado aos debatedores, é, sim, o componente de propaganda implícito na charge. Como sátira, a charge zomba, faz ironia, critica, censura, é uma propaganda jocosa e eficaz, que costuma gerar proselitismo na sociedade, ampliando a sua repercussão. Enquanto caricatura, ela carrega nos defeitos, acentua o ridículo, conforme os léxicos. O objetivo é induzir o leitor a concordar com aquela representação da figura caricaturada, a pautar as suas opiniões e atitudes pelo ponto de vista de quem produziu ou publicou o desenho simbólico. A charge diz o que pensar, bloqueando o espírito. E, nestes tempos onde os cidadãos das grandes cidades européias e americanas, especialmente, vivem com medo do terrorismo internacional após o fatídico 11 de setembro nos Estados Unidos, não se pode afirmar que tais representações sejam inócuas para predispor as pessoas contra os muçulmanos em geral.

Por outro lado, ainda que uma manifestação violenta seja condenável, espera-se que haja certa reação, como em toda forma de comunicação humana, e não necessariamente de concordância ou satisfação. Assim, uma reação sem o uso da força física pode parecer aceitável e justificável sob argumentos politicamente corretos. Essa é a área de atuação da censura e, guardadas as proporções, a violência nela contida pode ser maior ainda do que a agressão física.

O cartunista Sérgio Jaguaribe, o Jaguar, gracejando com a fé dos católicos, nos anos 60, não conseguiu publicar a sua charge onde Jesus Cristo aparece na cruz dizendo a uma Maria Madalena insinuante: “Hoje não, Madalena. Estou pregado”. Duas décadas mais tarde, ele conseguiu publicar seu desenho na seção que mantinha na revista masculina Status. Pouco tempo depois, foi demitido e não tem dúvidas de que foi censurado por esse trabalho, conforme destacou a mesma revista Veja.

Maria Jandyra Cunha, pesquisadora da Universidade das Índias Ocidentais, lembra o caso da charge publicada na sucursal paulista do jornal Última Hora, em 1962, mostrando uma Nossa Senhora com as feições de Pelé, lábios grossos e braços musculosos, numa época na qual era comum que as equipes de futebol fossem a Aparecida do Norte buscar a proteção da Virgem às vésperas dos grandes clássicos. A charge foi considerada uma afronta religiosa que mereceu passeata de quase 300 mil pessoas revoltadas, que chegaram a incendiar uma caminhonete do jornal. Na guerra santa que se seguiu contra Samuel Wainer, dono do jornal, políticos influentes tomaram partido e a história foi publicada em 1987 em Minha razão de viver, Memórias de um Repórter, mas por exigência de Wainer, que não queria ver revelados os detalhes antes dos 25 anos de sua morte, só foi republicada em 2005, em edição ampliada, com conteúdo completo.

As pessoas e instituições insatisfeitas, mais frequentemente do que se tem registro, apelam para a censura sem qualquer preocupação em ferir a liberdade de expressão e de imprensa, ainda que não às claras. A censura pode vir sob a forma de pressão econômica, política ou de prestígio junto aos empregadores para a perda do emprego, impedindo a sobrevivência econômica do autor. São comuns, ainda, as ocorrências de ameaças anônimas de agressão física, ameaças e mesmo concretização de levar o autor à Justiça, desmoralização ou perseguição profissional e toda sorte de intimidações para impedir a publicação de novas charges ou da atividade profissional por inteiro, pessoalmente e, frequentemente, por telefone. Tudo o que importa parece ser não admitir crítica alguma e mostrar quem é que manda. Demonstração de poder, portanto, e razões políticas. E quanto mais significativo o assunto para parcelas representativas da sociedade, menos se admite brincadeira, seja uma crença religiosa, política ou algum interesse econômico.

Essa atitude evidencia uma questão primordial: a charge incomoda por atingir a sensibilidade da pessoa ou instituição em foco ou por permitir que outros públicos não adeptos ou que não compactuem com os mesmos interesses e crenças sejam instrumentalizados, com humor corrosivo, sobre aspectos negativos do alvo da charge? O riso do outro, a possibilidade de defesa contra determinada crença que se apresenta como a melhor de todas, como as grandes religiões monoteístas costumam propagar de si mesmas, por exemplo, não incomoda mais por agir como uma barreira contra a propaganda positiva junto a possíveis novos adeptos?

Essa questão será examinada a seguir, com o caso do chargista brasileiro J.C.Lôbo, profissional em Santos-SP, que garante uma oportunidade única de investigação durante 20 anos da ocorrência da censura na charge de jornal desde os últimos anos da década de 1960 até os anos finais da década de 1980 no jornal Cidade de Santos e, ainda, com um avanço indispensável para esta análise nos anos de 1990, no Jornal Vicentino, da vizinha cidade de São Vicente.

Considera-se que sendo o jornal mídia local/regional, o que transforma a charge em recurso de comunicação para determinado público restrito geograficamente, a necessidade de conhecimento prévio do assunto tratado por parte do leitor do jornal e de a charge ir direto aonde estão centradas as atenções do seu público para obter a compreensão da mensagem, remetem este trabalho com maior adequação ao estudo local proposto, visto que casos como o abordado no início, de abrangência irrestrita, refletem a distribuição multinacional do objeto tratado nas charges, como é típico das religiões predominantes no mundo atual, mas as ocorrências são mais esporádicas.
A CHARGE DE J.C.LÔBO NA CIDADE DE SANTOS

Santista, jornalista, chargista, publicitário. É dessa forma que José Carlos Lôbo apresenta o seu currículo, desde a década de 1950. A ordem deixa explícito como J.C.Lôbo valoriza a sua atuação pública profissional na comunicação, embora tenha exercido as três atividades ao mesmo tempo.

J.C.Lôbo começou como chargista esportivo em 1955 no jornal A Tribuna de Santos, levado pelo respeitado jornalista De Vaney, por seu talento no desenho antes praticado na agência Hugo Paiva Publicidade, e pela capacidade incomum de usar o humor na crítica. Em A Tribuna já trabalhava Dino, desenhista respeitado, fazendo a charge política e dos acontecimentos da Cidade, e o jornal não comportava outro profissional para dividir a mesma tarefa.

Com o início do jornal Cidade de Santos em 1967, pertencente a Octavio Frias de Oliveira e seu sócio Carlos Calçada Filho, com o objetivo não só de penetrar no mercado santista, mas de servir como laboratório para as inovações de interesse do grupo do jornal Folhe de S.Paulo, de circulação nacional, De Vaney e outros jornalistas formaram uma equipe para trabalhar no novo veículo. Atraído pela oportunidade de usar a sua forma de comunicação para falar sobre todos os assuntos de interesse da Cidade, especialmente fazendo charge política, Lôbo foi junto. No Cidade de Santos, Lôbo trabalhou por 20 anos, até o fechamento do jornal, em 1987. Sua proposta ampla, como chargista não mais limitado à charge esportiva, era defender o povo e divulgar as coisas da Cidade.

Mas antes, em 1964, Lôbo foi um dos sócios fundadores da Clã de Publicidade, uma das maiores agências de Santos, atuante até a atualidade, e a primeira que, dispensando os anúncios classificados de jornal, oferecia comunicação publicitária completa para produtos e serviços. E, antes ainda, Lôbo ajudou a promover o Santos Futebol Clube. “Conheci o Pelé na casa do jornalista De Vaney, que era o tutor moral de Pelé. De Vaney adiantou que Pelé seria um fenômeno mundial”, diz Lôbo, que nesse dia chegou até a jogar bola com o futuro Rei do Futebol, ainda aos 16 anos, logo que ele chegou a Santos. Foi para um artigo de De Vaney em A Tribuna que J.C.Lôbo criou a primeira caricatura de Pelé.

Desde 1955 até os dias de hoje, J.C.Lôbo tem milhares de charges publicadas, nos jornais diários onde trabalhou por 32 anos e na colaboração para outros jornais e revistas da Baixada Santista, da Capital de São Paulo e do Exterior. Ele é o profissional com o maior número de charges sobre Pelé em todo o mundo, o que garantiu para a sua obra o reconhecimento como patrimônio cultural nacional pelo Ministério da Cultura, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Vistas por alguns como obras de arte até hoje, as charges de J.C.Lôbo eram objeto de todo tipo de manifestação dos leitores de jornais. O próprio Edson Arantes do Nascimento, em carta ao chargista de 1998, enfatizava o lado artístico do trabalho de Lôbo. “Apesar de naquele tempo eu ainda não ter grande conhecimento de charges, o que me chamou a atenção em seu trabalho, além da criatividade, foi a quantidade de detalhes que ele se preocupa em colocar, tornando suas charges verdadeiras obras de arte e já modernas para a época” (Edson Arantes do Nascimento, 1998).

Com efeito, a charge de J.C.Lôbo se distingue pela beleza do efeito visual final, traduzindo as personalidades citadas em desenho atraente e revelador. O traço firme e limpo do artista torna o seu trabalho marcante, digno de salões de arte e exposições, como de fato vem ocorrendo, nos anos 2000. Como a exposição Pelé, o Atleta do Século, que já foi apresentada em Santos e em outras cidades do estado de São Paulo. Patrocinada pelo SESC, foi levada para Bauru e região em 2003, terra onde o Rei passou a infância, com o objetivo da instituição de resgatar, através da cultura esportiva, valores de integração, de cidadania plena, conforme o texto do folder distribuído ao público presente.

Mas Pelé sempre contou com a admiração de J.C.Lôbo, santista fanático (da cidade e do time de futebol), sentimento que imprimiu às charges e ilustrações de seu ídolo, disposto a provocar a empatia. O que não era difícil, em se tratando de Pelé. A propaganda tem maior chance de ser eficaz quando caminha junto com os sentimentos e predisposições existentes no público, enfatizam os autores da área. Nos anos de 1950, quando a televisão ainda engatinhava e o jornal do cinema só podia apresentar pílulas de imagem em movimento das notícias, as charges no jornal impresso ajudavam a propagar visualmente a genialidade do jogador Pelé para as pessoas que não tinham por hábito freqüentar estádios de futebol, mas apreciavam as notícias esportivas e o destaque das figuras mais representativas nas charges.

Por outro lado, a partir dos anos finais da década de 1960, outros alvos das charges de Lôbo, notadamente políticos municipais e regionais, não viam a arte em seu trabalho. A crítica se impunha de maneira a incomodar. Enaltecendo a Era Pelé, o Santos Futebol Clube e a cidade de Santos J.C.Lôbo conquistou a atenção e a estima dos leitores santistas. Já a crítica destacando a atuação política regional, ainda que atenuada por seu humor inteligente, atraiu a ira da censura.

“Sem querer ser pretensioso, minhas charges foram, na sua maioria, verdadeiras campanhas publicitárias que influenciaram muita gente, promoveram produtos e movimentaram a opinião pública, haja visto o número de cartas e telefonemas que eu recebia”, diz Lôbo, que chegava a receber mais cartas do que o próprio jornal Cidade de Santos como um todo. (J.C.LÔBO, 30.06.2004)

Fica claro que, para Lôbo, charge é fazer jornalismo e propaganda ao mesmo tempo. Jornalismo de opinião, que toma partido e busca influenciar as opiniões e atitudes a favor ou contra uma idéia ou produto, persuadindo deliberadamente as pessoas a adotarem como seu o ponto de vista expresso pelo autor. Ou propaganda em formato jornalístico. E foi desenvolvendo o seu trabalho dessa maneira que J.C.Lôbo sofreu a perseguição da censura sempre que contrariava os interesses políticos ou econômicos. Das ameaças à integridade física do autor, à ameaça de processos e à pressão para a sua demissão como jornalista, Lôbo acumula exemplos emblemáticos.

Na charge de J.C.Lôbo os cidadãos santistas viam a sua própria voz tomar forma. Os assuntos que estavam engasgados na garganta de muita gente eram abordados claramente, de modo a permitir uma satisfação popular. Assim, por exemplo, quando a Seleção Brasileira fez uma malograda excursão à Europa, Lôbo fez uma série de charges brincando que estava acompanhando os jogadores na viagem. E Lôbo aproveitava as charges “de viagem” para mandar recados para os políticos locais. “Budapeste é uma cidade cheia de praças floridas. O povo daqui não paga IPTU. (Nem com conversão, nem sem conversão”). “Por falar em flores, o prefeito daqui está louco para conhecer o daí.”

Na época, havia uma polêmica na cidade por conta da insistência do prefeito Oswaldo Justo em plantar girassóis nos jardins de Santos, por serem suas flores preferidas, contrariando o gosto da população acostumada ao visual tradicional dos jardins da praia. Já a referência ao IPTU tinha a ver com os sucessivos aumento de impostos no município. E publicava a “foto” do jogador corintiano Casagrande, hoje comentarista esportivo da Rede Globo que, com uma tabuleta de Vende-se pendurada no pescoço, virou Quarto e Sala. A torcida do time paulista do jogador telefonou em massa para protestar junto ao jornal. A série de charges também mexeu com os meios políticos da cidade e com a imaginação dos santistas. Muitos acreditavam que ele realmente estava acompanhando a Seleção e telefonavam ao jornal para saber quando ele estaria de volta.

Prefeitos, vereadores, políticos em cargos públicos, assessores, empresários, pessoas com projeção política na sociedade, eram todos retratados com a fidelidade de quem ouvia os bastidores da cena política e as conversas nas ruas da Cidade. “Eu me colocava no meio deles”, diz Lôbo, que sempre andou muito a pé e é assíduo freqüentador das praias de Santos, tornando-se uma pessoa de fácil acesso.

Como jornalista que nunca trabalhou dentro das redações dos jornais, porque não conseguia desenhar com a agitação ao lado, preferindo trabalhar em casa, Lôbo baseava suas charges nos fatos da véspera e na pauta fornecida pelo editor, com total liberdade. No caso do jornal Cidade de Santos, Lôbo conta que havia perfeita afinidade entre ele e José Alberto Moraes Alvir Blandy, seu editor chefe, responsável por grande parte das informações dos bastidores da política local. Os dois trocavam muitas idéias, o dia inteiro, por telefone. “Na época do Cidade eu acordava às seis e meia da manhã, eles mandavam o carro lá em casa”. Vinha o jornal do dia, ia a charge para a próxima edição.

A repercussão das charges também começava cedo e não tinha dia nem hora para acabar. Para Lôbo, telefonavam cumprimentando, dando sugestões, recados, conselhos para suavizar a crítica ou esquecer o assunto e algumas reclamações. Ameaças de agressões físicas, grosserias e palavrões também chegavam por telefone, direto ao chargista. Lôbo perdeu as contas das tentativas de intimidação, de 1967 em diante.

Já para o jornal que publicava as suas charges, os telefonemas eram ainda em maior número e mais exigentes, reclamando com a chefia do jornal para conseguir a demissão do jornalista. “Era um inferno o que ligavam lá para o jornal”, diz Lôbo, que conseguia agüentar a pressão porque contava com o apoio do jornal e de seus leitores em inúmeras cartas elogiando e incentivando o seu trabalho, individuais ou coletivas, de associações da sociedade civil. “Se fosse transformada em dinheiro toda a repercussão, todas as conseqüências [do trabalho] eu estava multimilionário”, acredita Lôbo.

Mesmo quando fazia charge esportiva, Lôbo tinha problemas com censura. Em 1974, a charge que mostrava a preocupação de todos com a Copa do Mundo chamou a atenção da Igreja Católica, provocando telefonema ao jornal do bispo da Diocese de Santos, conta Lobo, não para pedir a sua cabeça, mas recriminando o exagero de colocar Pelé como se ele fosse Deus. Em formato de tira de histórias em quadrinhos, Lôbo desenhou um casal, com a mulher perguntando, expressão preocupadíssima, “Será que o Pelé volta pra Seleção?” e o homem respondendo “Só Deus sabe...”, também preocupado. No quadrinho seguinte, lá está a mulher, olhando para o céu, mãos em gesto de oração “Deus, será que...”. E no último quadrinho, aparece Pelé no céu, sentado no trono sobre uma nuvem , auréola na cabeça, de chuteira e camisa do Santos, bola a seus pés, respondendo com um sonoro “NÃO!”.

Por menos do que isso, dizendo apenas que os Beatles eram mais conhecidos do que Cristo, John Lennon foi censurado vigorosamente em todo o mundo. Mas, sem qualquer traço de arrogância, a charge de Lôbo refletia uma esperança popular e não o desrespeito a uma crença religiosa, e assim foi entendida de maneira geral na cidade. Por outro lado, não havia clima para tentativas de uso político da charge, em plena ditadura militar.

A década de 1980 viu aumentar a ocorrência da censura nas charges de J.C.Lôbo, provavelmente na mesma proporção em que a abertura política dos governos militares passava a ser melhor percebida na Cidade, uma das últimas a retomar a sua autonomia no País, com Oswaldo Justo sendo o primeiro prefeito eleito pelo povo. A Prefeitura e a Câmara dos Vereadores de Santos eram então os temas principais das críticas, num exercício diário de reconquista da liberdade tão cara aos santistas, ainda que gerando reações violentas de mal-acostumados setores políticos contra a liberdade de imprensa e de expressão, com intenções declaradas ou não de autoritarismo e censura, bem ao estilo militar.

Em 1985, depois de uma série de charges em que se via retratado com folhinhas brotando do nariz e da orelha, o prefeito Oswaldo Justo revelou em entrevista no jornal Cidade de Santos, que não se aborrecia com críticas, mas não deixava mais o Cidade em casa, quando saía nas charges de Lôbo, porque sua mãe, com 85 anos, não gostava. O prefeito reclamou ao jornal e pediu que não fosse mais desenhado com galhos saindo da cabeça, lembrando que isso, no Brasil, dá uma idéia totalmente diferente.

Lôbo representava, com as folhinhas, características marcantes pelas quais Justo era conhecido, como naturalista, praticante de agricultura natural e vegetariano que foi a vida toda. Assim que leu a matéria no jornal, Lôbo imediatamente fez nova charge, com o prefeito chegando em casa e dizendo: “Manhê! Hoje a sra. pode ler o jornal sossegada porque eu não tô na charge”. E as folhinhas lá, no nariz. Repercutiu até nos outros jornais da região. E o prefeito acabou acostumando. Tanto, que declarou, tempos após, que Lôbo era o seu maior propagandista. E tornaram-se amigos, até a morte de Justo.

O mesmo não aconteceu com funcionários da prefeitura e outros bajuladores que, querendo ser mais realistas do que o rei “chegavam a procurar o jornal e telefonar para mim: mas Lôbo, não é possível, pára com isso, é coisa de cafajeste, não dá para fazer de outra forma...”. A pressão não era contra as críticas à política do Justo ou às ações tomadas pelo seu governo, era só contra as folhinhas no nariz do prefeito. “Acha que, de repente, eu vou pegar papel pra colocar galho na cabeça de alguém? Bom, mas foi uma novela”, respondia Lobo. E as folhinhas permaneceram até o final do governo de Justo.

Ainda em 1985, outra charge fez de Lôbo alvo de censura pública. Com uma cena onde dois homens conversavam no meio da rua, com o título “Entre vereadores”, um diz para o outro, que ouve atentamente: “Será que não vai pintar uns títulos de cidadania pra gente discutir em sessões secretas? Tô precisando faturá.”. Lôbo conta que esta charge “fez o vereador Gilberto Tayfour [já falecido] me atacar violentamente em sessão da Câmara. Fui chamado de tudo. O Tayfour sugeriu que eu fosse processado e banido da imprensa de Santos ... O jornal Cidade de Santos saiu em minha defesa. Publicou, inclusive, um editorial condenando a atitude do Tayfour”.

Era voz corrente, como ainda é hoje, em diversos casos, que alguns políticos ganhavam por fora para defender interesses alheios aos da população que representavam. Quando essas críticas ganhavam as charges de Lôbo, alguns vestiam a carapuça. E reagiam com a tentativa de desmoralizar o autor e de calar as críticas impedindo o desempenho profissional. Evidencia-se que, certamente, essa atitude pode ter dado o resultado pretendido em outras oportunidades, ou não seria prática admissível sem o menor constrangimento, fazendo com que a imprensa seja obrigada a rebater com veemência tais ocorrências até hoje.

Em 1986, o empresário do ensino Milton Teixeira, então presidente do Santos Futebol Clube, alardeou que teria um almoço em São Paulo para fechar negócio com o jogador Mirandinha que, dias depois, foi contratado pelo Palmeiras, com quem já estava com o negócio acertado antes mesmo do almoço com o dirigente esportivo do Santos. A charge de Lôbo colocou Teixeira numa sala, com um jornal de esportes com a notícia em manchete e, pela porta aberta de outra sala, distintivo do Santos na parede, as notas de um rádio ligado tocando um antigo sucesso popular. A letra da música, invadindo a sala do dirigente esportivo, cantava “Cara de palhaço... pinta de palhaço...” com uma seta indicando o grito do personagem: “Desliga esse rádio!”. Em carta, Milton Teixeira reclamou direto com o chargista. E Lôbo acredita que não foi perdoado por toda a família Teixeira até hoje.

Em época de carnaval, Lôbo assumia o seu lado carnavalesco desfilando nas bandas pelas ruas da Cidade. A cada ano, Lôbo criava uma “charge viva”. Em 1986, no tradicional desfile do Banho de Dona Dorotéia, onde os homens desfilavam vestidos de mulher, Lôbo saiu com a fantasia Miss IPTU, de maiô, tamancos de salto, faixa, e adesivos com cifrões, criticando os altos impostos municipais. Mas não descuidava das charges do Cidade. Numa delas, o prefeito aparece ao lado de Álvaro Bandarra, seu secretário de turismo, fantasiado de havaiana, saia de folhas, sutiã de flores, arranjo de flores e folhas na cabeça. E as folhinhas de sempre no nariz e orelha.

“O nome da fantasia é “Mãe Natureza”. Que tal, lorde Bandarra?” pergunta o prefeito na charge, com aparência ridícula de ave. E o secretário, falando com o leitor: ‘Se ele aumentar a verba pro carnaval digo até que ganha o 1o. prêmio”. Ao fundo, um personagem representando o povo de Santos fala consigo mesmo: “O “tutu” que dão pro Corpo de Bombeiros bem que podia ser maior, também”. Deu muito o que falar, mas é evidente que essa charge faz propaganda do carnaval como atração turística, digna de receber maiores investimentos do poder público. E ainda faz “merchandising social” dando voz à politicamente correta reivindicação dos bombeiros.

1986 foi o ano de uma série de charges ridicularizando a suspeita defesa na Câmara de vereadores do cemitério vertical particular que estava sendo construído em Santos, sob preconceito de muitos e rejeição dos vizinhos do cemitério, que temiam a desvalorização de seus imóveis, num bairro popular da Cidade. Com a população em geral estranhando o empreendimento e vereadores fazendo ruidosas pressões na Câmara contra ou a favor da obra, J.C.Lôbo foi direto ao ponto, atacando o principal argumento utilizado para convencer os santistas da vantagem de contarem com um cemitério inovador, independente da real carência de vagas nos cemitérios tradicionais de Santos: o empreendimento seria uma atração turística a mais, conforme defendia o vereador Gilberto Tayfour.

Lôbo passou a apresentar Tayfor nas charges de terno escuro e portando um estandarte com a imagem de uma caveira, com um cidadão comum falando ao lado. “De luto, Tayfor?”, pergunta numa charge o cidadão. E ele “Não, é que hoje vou levar pra câmara meu grande projeto: incluir visitações a cemitérios no roteiro turístico de Santos”. E em outra, de peito estufado, o vereador marcha com o estandarte da caveira onde se lê “Turismo no cemitério”. E o cidadão, paciente, explica ao lado: “Tayfour, defuntos não votam...”

Em outra charge dessa série, dois esqueletos conversam descontraidamente sentados num túmulo de cemitério tradicional: “Quase não tem vindo turistas nos visitar...”, diz um deles. E o outro “Claro! Com o preço abusivo do pedágio que o Montoro tá cobrando, quem pode viajar?”. Debochando do cemitério vertical, Lôbo incluía na charge outras preocupações dos santistas, fazendo propaganda contra as taxas praticadas pelos órgãos públicos. Como o preço alto do pedágio para descer a serra que liga Santos a São Paulo, destino de trabalho de muitos santistas e responsabilidade do governo estadual, tendo Franco Montoro como governador, na época. Em outra dessas charges, o próprio Lôbo manda um recado para o secretário de turismo do município, brincando com o seu nome, que remete à idéia de uma grande banda de música: “Bandarra, não pode esquecer de tocar a marcha fúnebre!”. Lôbo se divertia, divertindo a Cidade. Mas a série de charges custou caro.

“Veio ordem da Folha: olha, ele não pode mais... está proibido, proibido... o Pepe [dono do empreendimento] foi em São Paulo pedir a minha cabeça”. Era parar de fazer as charges ou sair do jornal. O empresário era anunciante inclusive em São Paulo, as verbas publicitárias seriam retiradas do jornal. Censura econômica, portanto, apesar da independência do jornal ser a maior bandeira empunhada por Octavio Frias de Oliveira, dono do jornal, tido como o último barão da imprensa brasileira. E Lôbo continua: “Bem, mas eu quebrei um pau muito grande. É que também eu sou muito burro, viu?” completa, talvez considerando o quanto seria importante um cemitério vertical para a comunidade. Hoje, o Memorial Necrópole Ecumênica Vertical de Santos, é o mais alto do mundo, conforme consta no Livro de Recordes Guinness e realmente atrai turistas o ano todo, tornando-se a principal opção de sepultamentos para Santos e região.

Como participante do lançamento do empreendimento em Santos na época, esta autora sabia de dificuldades criadas por alguns políticos e pessoas interesseiras, possivelmente para oferecer facilidades em troca de alguma vantagem. Gente que estava sendo ajudada, sem querer, pelas charges de Lôbo, aproveitando-as como munição contra o cemitério vertical. Entre ações de comunicação para remover os preconceitos através da informação, o empreendedor precisou até levar de avião uma comissão de moradores e políticos para conhecerem empreendimento similar existente em Porto Alegre-RS, atrasando e encarecendo o lançamento. Ainda que isso não seja válido para justificar qualquer tipo de censura, o fato torna compreensível o contexto político e econômico no qual se inseriam as charges e a sua importância estratégica na mídia da época.

Em 1986 as obras nas ruas de Santos criavam polêmica. No Centro da cidade, o prefeito autorizou mudanças que interferiam no tráfego de veículos. Em algumas ruas, estreitadas, as alterações continuam provocando alagamento pelas chuvas que até invade os prédios. As críticas eram dirigidas também ao estranho traçado inclinado das calçadas, com escoadouros de águas pluviais afunilando-as no meio, o que prometia dificultar o trânsito dos pedestres. Com efeito, essas calçadas são hoje responsáveis por acidentes, quedas e sensação de labirintite nas pessoas.

Na época da inauguração das obras a charge de J.C.Lôbo traduzia o sentimento popular. O secretário de obras, que era um engenheiro português, foi caricaturado de macacão de trabalhador num telefone público, avisando o prefeito do fim das obras. O diálogo, com sotaque português: “Prafaitu, u leitu carrussável da General Câmara tá prontu! Ficou uma bileza!”. E a ilustração principal mostrava, estacionada na rua, uma cama feita caprichosamente, com travesseiros e colcha, com uma carroça de burro em cima. Ao fundo, a população de boca aberta de espanto.

Na charge, pode ser lida atrás da cama uma placa de propaganda tripudiando, em referência a Paulo Maluf, ex-prefeito de São Paulo, conhecido nacionalmente pela fama auto-propagada de “tocador de obras”: “Dor de cabeça? Maluficilina!”. Em recado final, Lôbo ainda atormentava o prefeito, a quem dera o apelido de Lorde Girassol, costume tradicional entre carnavalescos, em propaganda pela necessidade de mais verbas para o carnaval e em crítica à mania de Justo de plantar girassóis pela cidade: “Lorde Girassol, vamos comemorar nosso aniversário no dia 15 ou no dia 18 de setembro?”.

Lôbo havia descoberto que o aniversário do prefeito era próximo ao seu, e passou a mandar recadinhos nas charges, pedindo verba para a fictícia festa conjunta, em alusão à alegada falta de verbas da prefeitura para muitas das reivindicações da Cidade. E insistiu tanto com os recados, que muita gente telefonava para saber onde seria a festa, acreditando na piada. Em leitura semiótica, significa que havia constantemente uma charge dentro da outra no trabalho de Lôbo.

Ainda em 1986, quase sem repercussão houve o lançamento no Brasil do maiô adesivo, que não passava de colantes coloridos com visual bonito e que eram colocados sobre os seios, substituindo o sutiã do maiô duas peças usado nas praias,. A charge de Lôbo mostrava um personagem lendo jornal na poltrona, com a manchete dizendo “Previsões pra 87: Mulheres vão se vestir com mais pudor”. Entre zangado e estarrecido, o personagem olha para a mulher toda sorridente que parece entrar na sala para mostrar a novidade ao marido: “Querido, gostou do meu novo adesivo?”. O desenho destaca coxas e peitos enormes da mulher, com minúsculas florzinhas cobrindo apenas os bicos dos seios.

Essa charge também vinha com recado na assinatura, dirigido ao secretário da fazenda do governo Justo, responsável pelo aperto das finanças e pelas taxações municipais, em propaganda contra à pobreza do carnaval santista: “Rivau, que tal saírmos com “adesivos” na Dorotéia? “ Lôbo ainda fez outra charge sobre o “maiô adesivo”, simpática à novidade. E entre as manifestações geradas, recebeu até carta de agradecimento do representante comercial do produto, satisfeito com a repercussão das charges nas vendas.

Em 1987, destaca-se na política santista o estremecimento das relações do prefeito com o vice-prefeito, Esmeraldo Tarquínio Neto. Dizia-se, então, que ele só entrou na chapa candidata à Prefeitura por ser filho do primeiro prefeito negro de Santos, Esmeraldo Tarquínio Filho, cassado pelo golpe militar em 1964 e falecido pouco antes da reconquista da autonomia política da Cidade, de quem Justo havia sido vice. Jovem, inexperiente, Tarquínio Neto foi colocado com Justo para a chapa vencer as eleições e queixava-se publicamente de não participar do governo como gostaria.

J.C.Lôbo criou uma charge onde Esmeraldinho está fazendo um despacho na rua à noite, popularmente conhecido como um ritual de macumba e que costuma ter farofa. Vestido de branco, ajoelhado para fazer o feitiço com velas acesas, galinha morta, charutos, uma foto do prefeito, o vice de Justo é flagrado pelo secretário da fazenda do município, que chega apressado mas trêmulo, com apoio de uma bengala, e vai avisando, zangado, dirigindo-se ao rapaz por um apelido típico dos atribuídos pelo carnavalesco Lôbo: “Lorde Candomblé, se tiver farofa aí vai ser taxado!”. Debaixo do braço, o secretário carrega um cartaz onde se lê “Taxa Farofa”.

Era a voz da experiência dando um puxão de orelhas no neófito em política. E a propaganda insistente de J.C.Lôbo contra os impostos e taxas praticados no município, conduzindo as queixas dos munícipes. A repercussão dessa charge deve ter contribuído muito para que Esmeraldo Tarquínio decidisse abandonar a política, tempos depois.

Mas a política do Governo Federal também era alvo da crítica de J.C.Lôbo. Como na charge que debocha do novo salário mínimo que passou a vigorar em 1987. Um personagem mendigo é colocado fazendo contas em pensamento enquanto examina dois cartazes. No primeiro, com título “Salário dos parlamentares”, o valor destacado é de $ 120.000,00. No segundo, sob o título “Salário Mínimo” , o valor $ 1.641,00. E no balão do pensamento do homem: “Deixa vê... 1+6=7... 7+4=11... 11+1=12. 122!... Ali dá 3... Ué! Acho que vou ganhar mais que eles.”. Como se só alguém totalmente marginalizado, vivendo na rua, pudesse pensar que aquele salário mínimo representasse um benefício real.

Em abril de 1987, a charge com título “Semana Santa em Santos” traz a deputada Telma de Souza, do Partido dos Trabalhadores, passeando de carro oficial com motorista, em pleno feriado. A dica foi passada para Lôbo por um dos repórteres do Cidade. Atrás do carro, Lôbo não teve dúvidas, colocou um repórter correndo e perguntando “Telma, e o PT? Muito trabalho?” E a deputada, cabeça para fora da janela, com estrelinha do PT no cabelo, responde atenciosa: “Claro! Principalmente contra as mordomias!”. E o motorista, compenetrado: “Deputada, a sra. quer que eu a pegue a que horas, à tarde? Ligo o rádio ou não?”. A chapa do veículo de trabalho oficial aparece em destaque. E no recado, J.C.Lôbo registra abraços “pro General Geisel... PT... Saudações”, como um toque de que o governo militar ainda não havia liberado geral.

Lôbo foi xingado, ameaçado, sofreu inúmeras tentativas de intimidação. Mas só parou com o fim do jornal Cidade de Santos, fechado em 15 de setembro de 1987 por desinteresse de Octavio Frias, da Folha de S.Paulo, segundo Carlos Augusto Caldeira, irmão de Carlos Caldeira Filho, proprietário da Folha de 1962 a 1992 e interventor federal na prefeitura de Santos em 1969. Carlos Augusto era representante da Folha na sucursal de Santos e principal contato publicitário do Cidade, e conta com desgosto que o Cidade foi oferecido para venda pelo sócio de Caldeira Filho, Frias, ao concorrente local, jornal A Tribuna, que rejeitou o negócio. Caldeira Filho preferiu fechar a vender o jornal. (CALDEIRA, 08.12.2004)

É importante ressaltar que o veículo onde J.C.Lôbo publicava as suas charges, Cidade de Santos, era um importante laboratório de testes para a Folha e fundamental para a comunicação da Cidade. Foi o primeiro jornal da América Latina a imprimir em Off-Set e mais tarde em cores. E era popular, sendo considerado pelos próprios sindicatos de Santos, que chegaram a agraciá-lo com o título de Jornal do Trabalhador, como jornal do empregado e não do patrão, em contraposição ao jornal A Tribuna.

Essa concorrência entre os dois principais jornais de Santos e região era saudável em termos profissionais, abrindo o mercado e mudando o hábito de leitura da população. A Tribuna não circulava às segundas-feiras e Santos ficava sem ler jornal nesse dia e também nos dias seguintes aos feriados, até que o Cidade surgiu, imprimindo todos os dias e conquistando 80% dos leitores que trabalhavam no cais do porto, forçando A Tribuna e os outros jornais a publicarem também em todos os dias do ano (CALDEIRA, idem).

Sem o jornal que lhe permitia total liberdade para a crítica através das charges, Lôbo só pode publicá-las esporadicamente, até o início dos anos de 1990, quando passou a colaborar com o semanário Jornal Vicentino, de São Vicente, um jornal de menor importância como mídia de massa mas com circulação também em Santos e outras cidades da Baixada Santista. Em 12 de julho de 1991, com Telma de Souza já prefeita de Santos, Lôbo criou uma charge tendo como tema a briga do ex-vereador santista Nobel Soares pela cassação do mandato da prefeita.

Por essa charge, Lôbo foi processado na justiça. Da denúncia, apresentada à 4a. Vara Criminal da Comarca de Santos, onde significativamente Lôbo consta como publicitário, e não jornalista, está a descrição da charge considerada então um ato criminoso, como ofensa à dignidade e ao decoro de Telma Sandra Augusto de Souza, prefeita de Santos.

A charge é descrita e “explicada” no documento no que acreditam que a mensagem quer dizer, em todos os seus elementos, e fica difícil perceber o que mais desagradou à queixosa e suas duas testemunhas. Mas o processo não foi suficiente para acalmar os defensores de Telma de Souza: Lôbo passou a receber telefonemas ameaçadores constantes, que o aterrorizavam a ponto de temer andar nas ruas sozinho.

Lôbo desenhou Telma de Souza em caricatura bonita, de biquíni e salto alto na praia, estrela do PT nos cabelos armados, sorridente, senhora de si. O que torna inconfundível a caricatura é a expressão do rosto e os cabelos crespos da prefeita. Um siri com a inscrição “Nobel” no corpo carrega uma placa com a frase “Cassação de mandato” numa pata e, com a outra, estende o ferrão em beliscada inócua na nádega da prefeita.

O documento destaca o que diz no balão de fala do siri “Edmur, a dita-cuja já respondeu o requerimento do meu filho?”, o título da charge “Santos não é mais aquela...” e os recados do chargista em dois balões menores, com a assinatura de Lôbo: “Será que a minha cidade perdeu a vergonha?”, reproduzindo comentários da época, de que a tal briga era só para gerar projeção na mídia e “Obrigado S.Vicente!” (pelo espaço que lhe ofereceram no jornal, pelos políticos da cidade não agirem da mesma forma, Lôbo não disse).

No documento é destacado, ainda: “Para tornar inconfundível a caricaturada; prefeita de Santos; o acusado com a estrela “PT”, referiu-se ao “Partido dos Trabalhadores”, ao qual a vítima é filiada.” . E finaliza: “É inequívoco e inconteste, com os desenhos, termos e expressões, objetivou o denunciado o menosprezo, a ridicularização, a zombaria de Telma de Souza, enquanto Prefeita Municipal, afim de que esta mergulhasse em desmoralização e descrédito junto aos munícipes e comunidade em geral.” Essa conclusão não reflete a imagem de tranqüilidade e satisfação da prefeita com que Lôbo demonstra, na charge, que o oponente, colocado com um crustáceo digno de virar almoço, em nada a estava afetando.

J.C.Lôbo foi condenado em Santos, e guarda grande mágoa de que isso tenha acontecido na cidade que defendia com seu trabalho e que tanto ama. Mas recorreu e acabou sem espaço de trabalho no jornalismo, o que deve ter sido considerado satisfatório para a queixosa, que perdeu o processo na instância superior por simplesmente não comparecer. A briga política deu em nada e a prefeita ajudou a eleger seu sucessor. Hoje, depois de tentar voltar, sem êxito, para a prefeitura de Santos, Telma de Souza elegeu-se com folga e é deputada federal pelo PT.

Lôbo ainda vive com medo. Mas o caso fornece evidência importante de que o poder de influência da charge é fugaz e que ela funciona mais como uma barreira contra o poder oficial, como um antídoto saudável, chamando a atenção para um ponto de vista divergente. A insistência de Lôbo com seus recados no rodapé em charges que já tratavam de outros temas já indicava a limitação dessa ferramenta de propaganda e a necessidade de alimentação contínua do assunto visado, para não deixá-lo cair no esquecimento. O uso político de uma charge é que tem a capacidade de prolongar e aumentar o seu efeito sobre as pessoas, especialmente em benefício dos que a utilizam dessa maneira, como pode ser visto no caso do jornal dinamarquês.



BIBLIOGRAFIA
ASSIS, Diego. Termos charge e caricatura têm interpretações distintas na

história. www.folhaonline.com.br , 22.08.2004, 06h48.

BARRETO, Roberto Menna. Criatividade em Propaganda. Rio de Janeiro,

Documentário/Summus, 1978.

BROWN, J.A.C. Técnicas de Persuasão. Da propaganda à lavagem cerebral.

Zahar: Rio de Janeiro, 1976.

CUNHA, Maria Jandyra. Piada sem graça. www.blogdonoblat.com.br ,

04.03.2006, 15h.

MILLEN, Juliana (Col.). A charge e sua ironia crítica. www.acessa.com/arquivo ,

26.11.1998, 16h.

NASCIMENTO (PELÉ), Edson Arantes do. Carta a José Carlos Lôbo, 09.01.

1998.


O ESTADO DE SÃO PAULO. Jornal francês republica charges do profeta

Maomé. www.estadao.com.br, 01.02.2006, 12h36.

RABAÇA, Carlos Alberto e BARBOSA, Gustavo. Dicionário de Comunicação.

Rio de Janeiro: Codecri, 1978.

SANTAELLA, Lucia e NÖTH, Winfried. Imagem: Cognição, semiótica, mídia.

São Paulo: Iluminuras, 1997.



VEJA. São Paulo: Abril, 15.02.2006.
Entrevistas

CALDEIRA, Carlos Augusto. 08 de dezembro de 2004.

LÔBO, José Carlos. 21 de junho de 2004, 18 de agosto de 2004, 3 de fevereiro de 2006.









©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal