Iv – crônicas dos grandes reprodutores



Baixar 261,65 Kb.
Página5/5
Encontro23.06.2017
Tamanho261,65 Kb.
1   2   3   4   5

ABAÍBA MARENGO,

O CAVALO DOS OLHOS TRISTES
Encontramo-nos já no fim de sua vida. De pelagem negra, azeviche como as pérolas do ébano, podia-se sentir seu brilho interior.
Tinha o aspecto nobre de guerreiro, vergado pelo peso de tantos anos de viagens, novas fazendas a explorar e cocheiras antigas a embalar.
Mas algo fixava-se em minha mente: possuía o olhar penetrante mais triste que jamais verificara em cavalo algum. Misto de angústia e melancolia, esperava, como Dom Quixote extenuado, o fim de seus momentos.
FOTO 195: Fazenda Abaíba, Leopoldina(MG), a casa dos Ribeiro Junqueira.
-“Nasci na Fazenda Abaíba, Vila D’Abaíba, Leopoldina, Zona da Mata mineira, região simples de Minas Gerais. Nasci como verdadeiro marchador, num pasto de capim-melado, cercado por leves morrotes ondulantes e água cristalina a correr pela eguada. Nasci negro como minha mãe, Negrita, apesar de todos imaginarem que esbranqueceria como meu pai, Retrato. Não fiquei tordilho; negro me mantive como que para lembrar aos meus donos a força e a liberdade da minha pelagem. Não me transformei em bibelô. Não me corrompi. Sou cria de Seu Erico que, para mim, tinha os olhos de ternura e admitia-me negro entre tantos de pelagem clara D’Abaíba”, disse-me ao cair da tarde, em nosso primeiro encontro.
- “Conte-me tuas alegrias, teus momentos de felicidade...”, perguntei-lhe como criança hipnotizada.
- “Desde potro fui tratado como ‘rei do curral’! Desde Seu Erico e sua família, até Darcy e seus meninos tratadores, todos me chamavam de Primeiro! Fui docilmente domado e iniciaram-me na reprodução aos três anos de idade. Apesar de muitos não concordarem, nada caminhei senão marcha batida. Trote é para os leigos, novatos. Eu era cômodo no andamento; ia marchando do curto ao largo... Tive lá muitos filhos e filhas que, certamente, não trarão vergonha para mim e para a nossa raça, dentre eles:

FOTO 196 : Providência Regente, Grande Campeão Nacinal em 1975.

FOTO 197: Providência Regente, irmão de de Uniforme e Xerife A.J.


  • Providência Regente (por Providência Prenda);

  • Providência Rima (por Providência Electra);

  • Providência Selva (por Providência Mara);

  • Providência Singapura (por Providência Olá);

  • Abaíba Dragão (por Abaíba Tocaia);

  • Providência Relva (por Providência Mara);


FOTO 198: Abaíba Danaé e Violineiro da Santa Terezinha, futuro Grande Campeão Nacional da Raça, ao pé.


  • Abaíba Danaé (por Abaíba Lambreta);

  • Abaíba Divisa (por Abaíba Jurema);

  • Providência Sincera (por Providência Prenda);


FOTO 199: Providência Sincera, mãe de Lambris, Dinastia e Falcão A.J.


  • Abaíba Ébano ( por Abaíba Polka); e

  • Abaíba Fuzil (por Abaíba Lança).


- Este último, permanece até hoje em minha cocheira primeira, na Abaíba, como para marcar presença naquelas terras de Leopoldina”.
Neste momento, repousados que estávamos embaixo de uma amendoeira, seus olhos encheram-se de lágrimas. Tocado pelas lembranças do passado, pude perceber a cor de sua tristeza. Para mim, era como se ele quisesse dizer o quanto precisava estar lá, na estrebaria onde nascera.
Continuando a conversa....
- “E onde mais estivestes? Por onde mais deixastes o teu sangue?”, perguntei-lhe com uma intimidade de décadas de convívio.
- “Vivi no Estado de São Paulo, servi na Fazenda Lagoa Formosa e na tropa de Sebastião Malheiros. Depois voltei para o meu estado natal e fui morar na Fazenda Cavalo Branco, perto de Sete Lagoas. Agora, como você mesmo pode perceber, sou mais um mineiro que vem repousar nas terras de Cabo Frio.”, e rimos a valer, como a tentar desvanecer a solidão em que nos encontrávamos.
- “Agora estou aqui; tenho a mim, o pônei, que me faz companhia noite e dia, e a mão calejada de José Darcy, meu primeiro tratador. Só me resta esperar o fim de meus dias, talvez até deixar mais alguns descendentes. Tenho saudades de meus companheiros de cocheira e de minhas éguas nos pastos D’Abaíba. Logo estarei com eles a relinchar a minha alma branca pela negritude de meus pelos”.
E assim nos despedimos.
FOTO 200: Abaíba Marengo, o Cavalo dos Olhos Tristes.
FOTO 201: A eguada da Abaíba, no famoso curral de pedras redondas, por ocasião dos 80 anos de Erico Ribeiro Junqueira – 1980.
Abaíba Marengo, Campeão Nacional Progênie de Pai em 1975, por Abaíba Retrato x Abaíba Negrita, morreria em Fevereiro de 1986 na Fazenda da Pedra, município de Cabo Frio no Estado do Rio de Janeiro, deixando mais de 50 produtos nesta propriedade, entre nascidos e ventres a parirem até Janeiro de 1987.
Dele, guardo na memória as palavras sábias e os olhos tristes de quem não apenas passou em brancas nuvens, mas de quem passou pela vida e dela retirou todo seu esplendor.







- Abaíba Eldorado

- Predileto Velho

(oriundo da Tabatinga)


















- Abaíba Lôla

- Caxias II

- Caxias I

- Angahy Jóia






- Abaíba Retrato







- Mussolina

- Mussolino



















ABAÍBA MARENGO (17/10/1964)




- Providência Beleza

(filha de éguas procedentes do Sul de Minas)




































- Abaíba Fidalgo

- Angahy Salmon










- Abaíba Negrita




- Abaíba Lôla













- Abaíba Esgrima

- Predileto Velho (oriundo da Tabatinga)
- Abaíba Campeã

- Javary


- Abaíba Lôla

- Tejo x Amazonas




1   2   3   4   5


©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal