Intelectuais católicos: confidentes do criador, ministros do progresso e sacerdotes da verdade



Baixar 137,51 Kb.
Encontro12.09.2017
Tamanho137,51 Kb.

INTELECTUAIS CATÓLICOS: CONFIDENTES DO CRIADOR, MINISTROS DO PROGRESSO E SACERDOTES DA VERDADE
Névio de Campos (UEPG)

ndoutorado@yahoo.com.br

Palavras-chave: Intelectuais. Ensino Superior. Formação humana.
Introdução
O presente texto tem por objetivo problematizar a ação do laicato católico em defesa do ensino superior na capital do Paraná. Em termos mais precisos, discutir os projetos das faculdades de filosofia, empreendidos pelos intelectuais católicos ao longo das décadas de 1940 e 1950. Apoia-se no conceito de intelectual como organizador da cultura propugnado por Gramsci para analisar a atuação do grupo católico no Paraná, enfatizando que tais personagens conformaram projetos educativos ao estabelecerem a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) e a Faculdade Católica de Filosofia de Curitiba (FCFC), assim como se confrontaram aos defensores do Movimento da Escola Nova no Paraná. A rigor, os católicos também estavam presentes na Escola Normal do Paraná/Instituto de Educação, entretanto, sua atuação direta se consubstanciou no ensino superior. Por outro lado, o principal espaço de intervenção dos agentes da Escola Nova consistiu na Escola Normal (EN). Desse modo, é sob a hipótese de que a disputa entre católicos e defensores da Escola Nova foi materializada no confronto institucional entre EN e FFCL/FCFC que se configurará o enredo deste texto.

O problema que trata dos católicos já foi objeto de muitos estudiosos. Em nível nacional, destacamos Sérgio Miceli (1974), Roberto Romano (1991), Romualdo Dias (1993), Ivan Manoel (1996), Marta Carvalho (1998), Marcus Bencostta (1999), Bernadete Strang (2008). Em relação à história do Paraná fazemos referência aos estudos que contribuem para entender o confronto entre católicos e defensores da escola laica: Carlos Balhana (1981), Etelvina Trindade (1996), Maria Lúcia de Andrade (2007), Bona Junior (2007), Jean Moreno (2003), Carlos Eduardo Vieira e Caroline Marach (2007), Elyane Padial (2008), Névio de Campos (2008; 2010a, 2010b).

As pesquisas indicadas acima evidenciam, dentre outros aspectos, a existência de uma camada social (intelectuais) que assumia publicamente: 1) o papel de liderança política e cultural; 2) a pretensão desses grupos sociais de anunciarem-se portadores de uma missão cívica, cuja proposta expressava uma visão autoritária de sociedade, pois enunciavam que apenas eles poderiam conduzir o país em direção à modernização; 3) uma parcela significativa da intelectualidade brasileira reconhecia a educação como uma das principais mediadoras do processo de modernização e renovação cultural; 4) a disputa entre diferentes grupos pelo controle de projetos societários e educativos no Brasil.

Pela exposição é possível observar que em muitos aspectos os intelectuais brasileiros convergiam. Entretanto, existiam divergências, particularmente ao indagar a respeito das teorias e correntes filosóficas que conformavam seus projetos societários e educativos. A primeira referência que materializava o confronto entre católicos e defensores da escola laica consistia no que Rodrigues da Silva (2003, p. 19) denomina de “os paradigmas intelectuais, os epistémé, as correntes filosóficas que interferem, direta ou indiretamente, nas representações, nas visões de mundo, condicionando sistemas de percepção, de apreciação e de classificação”. Por outro lado, o confronto entre tais grupos guarda suas razões peculiares que estão associadas aos contextos particulares, às práticas, aos modos de ser, às regras de legitimação, estratégias, aos habitus que conformam apropriações e recepções plurais, isto é, às “características de um momento histórico e conjuntural que impõem formas de percepção e de apreciação” (SILVA, p. 16).

Em síntese, sob o pano de fundo do conflito entre defensores da Escola Nova e do projeto educativo católico, esta análise busca evidenciar alguns aspectos da posição católica nas terras paranaenses. À luz do corpus documental, constituído por pronunciamentos de formatura, aula inaugural, artigos e homenagens, este texto sustenta que a FFCL e FCFC foram os principais espaços de catalisação dos intelectuais católicos, assim como se constituíram em lócus de divulgação da filosofia tomista e contraposição aos “adversários” e “inimigos” da Igreja Católica no decorrer das décadas de 1940 e 1950. É nesse contexto histórico, marcado pela disputa entre projetos societários e educativos que os intelectuais católicos paranaenses, na precisa denominação de José Loureiro Fernandes1, afirmavam-se confidentes do criador, ministros do progresso e sacerdotes da verdade.
Ensino Superior: espaço de intervenção dos intelectuais católicos

A presença da Igreja Católica na história da educação brasileira foi marcante em todos os graus de ensino. Ela recebeu da Corte portuguesa a concessão para coordenar o projeto educativo durante a colônia, embora a metrópole tenha impedido a criação de faculdades e universidades ao longo daquele período.

No decorrer do Império as relações entre poder civil e poder eclesiástico eram oficiais. O sistema do padroado expressava a relação indissociável entre Igreja e Império. Por um lado, a igreja usufruiu dos benefícios de ser a religião oficial do Estado ao acumular significativo capital econômico, capital político e capital simbólico. Por outro, esteve controlada pelo poder civil. Apesar disso, houve ao longo da segunda metade do século XIX, diversos confrontos entre esses dois poderes.

A República, do ponto de vista formal, consubstanciou a ruptura entre Igreja e Estado. Com a nova conjuntura política a igreja sofreu algumas perdas, entre as quais destacamos o fim do privilégio de ser a religião oficial do Estado. Em decorrência disso, as esferas públicas deveriam excluir os símbolos do catolicismo, como por exemplo, a retirada do ensino religioso das escolas públicas. Entrementes, a igreja não precisava de autorização do poder civil para organizar dioceses, para criar seminários e trazer congregações religiosas para o Brasil. Outra vantagem foi a manutenção do capital econômico, pois os bens da Igreja não foram incorporados pelo Estado.

No final do século XIX, a Igreja Católica assumiu, no Brasil, as orientações emanadas de Roma – movimento denominado romanização – que consistia em forte disciplinarização do clero e criação de inúmeras estratégias político-pastorais. Uma dessas estratégias foi estimular a organização do laicato católico, a qual se consolidou com o processo de criação de centros culturais para aglutinar e formar uma elite intelectual e política do país, comprometida com o ideário católico romanizador. Nesse aspecto, a diocese deveria fomentar a vinda de ordens religiosas, criação de escolas, de hospitais, de projetos sócio-assistenciais, bem como de jornais, revistas e espaços de estudos e de formação moral, filosófica e teológica dos grupos com potencialidade a ocuparem cargos políticos de destaque nos cenários regionais, assim como no nacional.

A estratégia de criação do laicato católico consistia em uma ação direcionada a uma pequena parcela da população brasileira, ou seja, aglutinar e formar um grupo de intelectuais e políticos comprometidos com o ideário católico. A ação “pelo alto” visava formar a juventude com base nos fundamentos filosóficos e teológicos da Igreja Católica, cuja missão foi atribuída aos centros superiores de cultura. No Brasil, esse projeto esteve sob a coordenação do episcopado brasileiro, particularmente sob a orientação de Dom Sebastião Leme. Na capital da República, esse arcebispo formou um grupo de intelectuais em torno do Centro Dom Vital e da Revista A Ordem. No Paraná, a organização do laicato católico esteve sob a responsabilidade da Diocese de Curitiba, criada em 1892. Os diferentes projetos que contaram com presença significativa do laicato eram dirigidos por representantes do clero. Em 1926, foram criadas a União de Moços Católicos de Curitiba e a Revista A Cruzada, sob a coordenação do Padre Antônio Mazzarotto2. Em 1929, foi estabelecido o Círculo de Estudos Bandeirantes, composto majoritariamente por leigos, não obstante, sob a coordenação do Padre Luiz Gonzaga Miele3.

A elite intelectual católica teve uma atuação significativa na elaboração de projetos formativos na década de 1920 e 1930. A sua trajetória se estruturou de maneira clara com a liderança de D. Leme. Na mesma direção da Arquidiocese do Rio de Janeiro, a Diocese de Curitiba estruturou o seu clero e estabeleceu as diretrizes para a formação dos intelectuais católicos leigos. Foi a partir do final da década de 1920 que o grupo católico passou a lutar efetivamente pelo controle do ensino superior no Brasil. Naquele momento, “segundo o ideário católico, a reforma na consciência das elites só se operacionalizaria, basicamente, através do sistema de ensino superior. Ou seja, a cosmovisão católica percebe a universidade como centro nevrálgico de toda a estrutura social” (SALEM, 1982, p. 128). Os católicos se aproximavam do Estado a fim de manter a presença de sua visão de mundo e, ao mesmo tempo, já expressavam o desejo de implantar o sistema particular de ensino superior. Ou seja, não dispensavam a boa relação com o Estado, mas também não acreditavam absolutamente na aliança com o poder civil. No Paraná, no governo de Caetano Munhoz da Rocha (1920-1928) foi estreita a relação entre Igreja Católica e Estado4. Nos anos de 1930 e 1940, as relações entre Estado e Igreja continuaram amistosas, principalmente pelas aproximações existentes entre Loureiro Fernandes e Manoel Ribas5. Nas décadas de 1950, a Igreja Católica manteve, também, significativo vínculo com o poder civil, particularmente no governo de Bento Munhoz da Rocha Neto6.

A constituição de faculdades católicas era orientada pelos documentos oficiais da igreja. Em 1934, no Rio de Janeiro, os católicos organizaram o Primeiro Congresso Católico de Educação, no qual Alceu Amoroso Lima reiterava o papel do laicato no processo de organização de projetos formativos, sobretudo ao fundar instituições de ensino superior. Esse congresso foi promovido pela Coligação Católica Brasileira, quando foi declarada a necessidade de criar uma universidade subordinada à Santa Sé e ao episcopado brasileiro. Em 1939, foi realizado o Primeiro Concílio Plenário Brasileiro, na Bahia, no qual se expressou a última grande manifestação para criação da universidade católica no Brasil.

A instituição do ensino superior católico fez parte do projeto político da Igreja Católica. No Brasil, a organização católica se consubstanciou no Centro Dom Vital (1921), na Revista A Ordem (1922), na Associação dos Universitários Católicos (1929), no Instituto Católico de Estudos Superiores (1932), na Confederação Nacional dos Operários Católicos, em Equipes Sociais, na Confederação da Imprensa Católica e Associação de Livrarias Católicas, criadas entre 1930 e 1935. Esses organismos constituíam a Coligação Católica Brasileira, criada em 1929. Mais tarde, em 1935, foi substituída pela Ação Católica Brasileira. A ação da igreja foi representada por outras instituições que não estavam vinculadas à Ação Católica Brasileira, tais como Congregação Mariana, Círculos Operários, Associação dos Professores Católicos, Liga Eleitoral Católica, Confederação Católica Brasileira de Educação. Para Tânia Salem (1982, p. 120), “com a pulverização do Centro Dom Vital em diferentes frentes de trabalho de leigos, subordinadas à Coligação Católica Brasileira, a educação e, em especial, a educação superior se converteu em um domínio especializado do movimento”.

O Instituto Católico de Estudos Superiores e a Associação dos Universitários Católicos são considerados os embriões do projeto universitário católico no Brasil. Essas duas instituições, segundo Salem (1982, p. 120),


...embora com sentidos bastante distintos, foram as entidades geradas para uma atuação da Igreja do domínio universitário. Essas são, em suma, as instâncias mediadoras que remontam o trajeto entre a eclosão do movimento católico, em 1922, e a fundação das Faculdades Católicas, em 1941.
O Instituto Católico de Estudos Superiores representava fundamentalmente o germe da futura universidade católica. Até 1932, o Centro Dom Vital promovia cursos e palestras para grupos externos.

No Estado do Paraná, é possível sustentar que o movimento dominante em defesa do ensino superior preconizava a criação de faculdades ou escolas de formação profissionalizante. Para esse grupo, os profissionais das engenharias, da medicina e do direito deveriam ocupar as esferas estratégicas do estado a fim de conduzi-lo ao progresso e à modernização. Nesse aspecto, a contribuição do projeto universitário de 1912 foi fundamental, pois colocou a serviço da capital e do estado um corpo de especialistas com capacidade de sistematizar projetos e programas para as diferentes esferas, particularmente às de economia, infra-estrutura, educação e saúde pública. Por outro lado, apenas no início da década de 1940 o ensino superior estabeleceu as Faculdades de Filosofia, Ciências e Letras no Paraná. Até então, a formação de professor foi de responsabilidade da Escola Normal/Instituto de Educação do Paraná. No Paraná, diferentes intelectuais discutiram a respeito dos desafios brasileiros e elegeram a educação como o problema por excelência, dentre os quais destacamos a iniciativa quase solitária de Rocha Pombo que no final do século XIX defendeu a criação da Universidade do Paraná, ao propor a fundação dos cursos de medicina, engenharias, de direito, de artes e ciências; a ação bem sucedida de criação da Universidade do Paraná (1912), coordenada por Victor Ferreira do Amaral e Nilo Cairo da Silva; e a intervenção do grupo católico que estabeleceu a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (1938), Faculdade Católica de Filosofia de Curitiba (1950) e a Universidade Católica do Paraná (1959).

Nos anos de 1940 ocorreu o processo de consolidação da universidade no Estado do Paraná. Essa nova situação resultou da ação dos grupos envolvidos com o Ensino Superior nesse estado, bem como das políticas públicas federais para esse grau de ensino que estabeleceu a possibilidade de transformar as faculdades particulares e confessionais em universidades públicas federais. Em 1946, a Universidade do Paraná foi oficializada com a aglutinação das Faculdades de Medicina, de Engenharia, de Direito e Filosofia, Ciências e Letras. Em 1950, essa Universidade foi transformada em Universidade Federal do Paraná. Nesse sentido, o período entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX constituiu o processo de efetivação da Universidade na capital do Paraná. Já no final da década de 1940, entre os professores da Universidade do Paraná e os dirigentes políticos desse estado houve discussão a respeito da necessidade de expansão do ensino superior nas terras paranaenses, o que resultou na criação de diversas faculdades, como por exemplo, a Faculdade Católica de Filosofia de Curitiba (1950) e a Universidade Católica do Paraná (1959).
FFCL e FCFC: templos do pensamento católico no Paraná
O Ensino Superior constitui-se em um dos principais espaços de formação intelectual e moral das sociedades modernas. No Paraná do contexto das décadas de 1940 e 1950, atendia a um público bastante reduzido, destinando-se a um grupo social que ocuparia as funções de destaque nas esferas públicas e particulares. Tal característica prevalecia nos cursos das faculdades de Medicina, Direito e Engenharia. É possível dizer que as Faculdades de Filosofia, formadoras de bacharéis e licenciados, estavam direcionadas a um grupo intermediário (classe média). A rigor, nem todos aqueles que acessavam as Faculdades de Filosofia pretendiam exercer o magistério. Conforme pesquisa realizada por Herley Mehl e publicada na Revista Humanitas (1960), “[...] o Curso de Filosofia não é, exclusivamente, para professores, havendo outros interesses em jogo [...]” (MEHL, 1960, p. 39).

Em termos precisos, o ingresso no Curso de Filosofia dava-se por diversos motivos (entrevistas com discentes do primeiro ano do curso):




Motivos

FFCL (UFPR)

FCFC (UCP)

No conjunto

Conhecer melhor a filosofia

14 (48,2%)

10 (52,6%)

24 (50%)

Ser professor secundário

6 (20,6%)

4 (21%)

10 (20,8%)

Resolver seus problemas existenciais

2 (6,9%)

4 (21%)

6 (12,5%)

Ser psicólogo

5 (17,2%)

-

5 (10,4%)

Completar conhecimentos adquiridos no Curso de Direito

2 (6,9%)

1 (5,2%)

3 (6,5%)

Total

29

19

48

QUADRO 1 – Motivo do ingresso no Curso de Filosofia das FFCL e FCFC – 1960.

Fonte: MEHL, Herley. Dados estatísticos e a opção: curso de filosofia. In: Revista Humanitas, ano 5, n. 5, p. 33-44, 1960.


Por outro lado, em termos comparativos os discentes do primeiro ano do Curso de Pedagogia apresentavam os seguintes motivos (apenas estudantes da FFCL foram entrevistados):


Motivos

FFCL (UFPR)

Ser professor secundário

17 (68%)

Estudar psicologia

4 (16%)

Compreender melhor as crianças

3 (12%)

Ter mais cultura

1 (4%)

Total

25

QUADRO 2 – Motivo do ingresso no Curso de Pedagogia da FFCL – 1960.

Fonte: MEHL, Herley. Dados estatísticos e a opção: curso de filosofia. In: Revista Humanitas, ano 5, n. 5, p. 33-44, 1960.


Além de formar bacharéis e licenciados, as Faculdades de Filosofia pretendiam conformar o próprio espírito universitário ao postular a prevalência da formação humanista (educação geral) sobre a formação profissional. É nesse sentido que buscamos argumentar em defesa da hipótese de que tais Faculdades pretendiam, além de formar professores, assumir o controle das humanidades (filosofia, letras e ciências humanas) e a própria direção do espírito universitário no Paraná.

A discussão dessa hipótese poderá ser feita a partir da posição dos católicos que estavam envolvidos no ensino superior paranaense. Seria, por exemplo, bastante elucidativo analisar o caráter confessional da formação dos bacharéis e licenciados a partir do conjunto de disciplinas. No entanto, nesta narrativa privilegiam-se os discursos de paraninfo e aulas inaugurais proferidos no interior da FFCL e da FCFC, pois enfatizam a posição institucional do grupo que controlava tais instituições.

As situações das duas faculdades precisam ser compreendidas de modos distintos, pois a FFCL, embora estivesse sob a direção dos Maristas desde 1939, não era denominada confessional. Já a FCFC nasceu com a denominação confessional. Tais particularidades evidenciam a presença marcante da alta hierarquia eclesiástica na FCFC e do laicato católico e de alguns integrantes do baixo clero na FFCL. Não obstante, o pensamento católico conformava as duas faculdades.

O projeto da FFCL estava sob a coordenação dos Maristas, sem subordinação direta à Arquidiocese de Curitiba, pois conforme seu estatuto não era confessional. A FCFC também era dirigida pelos Maristas, porém, a Arquidiocese de Curitiba, por meio da Sociedade Paranaense de Cultura, criada em 31 de dezembro de 1950, passou a coordenar o processo de implantação do ensino superior católico no Paraná, cujo resultado foi a fundação da Universidade Católica, em 1959. As duas instituições mantinham publicações periódicas. A FFCL publicizava no Anuário discursos de paraninfos, aulas inaugurais e relatórios. A FCFC publicava na Revista Humanitas orações de paraninfos, aulas inaugurais, relatórios e artigos de docentes e discentes. Em ambas, o pensamento filosófico católico ganhava centralidade. No entanto, na Revista Humanitas a ênfase na tradição católica dava contornos mais precisos. Em nossa avaliação, o caráter confessional oficial – portanto, a relação institucional com a Arquidiocese de Curitiba, conformou uma posição mais unitária à FCFC. Já na FFCL prevalecia a visão católica, no entanto, outras visões de mundo se faziam presentes, como por exemplo, a posição de Wilson Martins que dialogava com o pensamento de Ortega y Gasset7.



Em termos gerais, destacamos algumas produções e reflexões dos docentes e discentes envolvidos com as Faculdades de Filosofia, a fim de evidenciar a tendência corrente dos discursos de paraninfos, das aulas inaugurais e publicações nos anuários e revistas das instituições.



AUTOR

FUNÇÃO

ORIGEM DO TEXTO

ANO

Brasil P. Machado

Bacharel em Direito e Professor catedrático de História do Brasil da FFCL

Oração de paraninfo

1940

Pe. Jesus Ballarin

Filósofo, Teólogo e Professor catedrático de Filosofia da FFCL

Oração de paraninfo

1941

Liguarú E. Santo

Eng. Agrônomo e Prof. catedrático de História e Filosofia da educação da FFCL

Publicação Anuário

1941

Bento M. da R. Neto

Engenheiro Civil e Prof. catedrático de História da América e de Sociologia da FFCL

Aula inaugural

1942

Liguarú E. Santo

-

Oração de paraninfo

1942

Alceu Amoroso Lima

Bacharel em Direito e Prof. da Universidade Católica do RJ

Oração de paraninfo

1943

José L. Fernandes

Médico e Prof. catedrático de Antropologia, Etnografia Geral e do Brasil da FFCL

Oração de paraninfo

1943

Homero B. de Barros

Bacharel em Direito e Prof. catedrático de História Antiga e Medieval da FFCL

Homenagem póstuma

1943

Homero B. de Barros

-

Aula inaugural

1946

Homero de M. Braga

Médico e Prof. catedrático de Biologia da FFCL

Aula inaugural

1947

Manoel L. Pinto

Bacharel em Direito e Professor catedrático de Política da FFCL

Aula inaugural

1949

Homero B. de Barros

-

Assembleia Universitária

1949

Wilson Martins

Bacharel em Direito e Professor de Literatura francesa da FFCL

Aula inaugural

1951

QUADRO 3 – Alguns discursos do corpo docente da FFCL – 1940-1951

Fonte: Anuário da FFCL e da UP.



Nota: o autor.



AUTOR

FUNÇÃO

ORIGEM DO TEXTO

ANO

Dom Manuel D´Elboux

Arcebispo de Curitiba

Oração de paraninfo

1955

Irmão Eulálio Geraldo

Professor Faculdade de Filosofia São Tomás de Aquino de Uberaba

Publicação Revista

1956

Pe. João Monteiro

Professor da FCFC

Publicação Revista

1956

José N. dos Santos

Professor UP e FCFC

Aula inaugural

1956

Ney A. de B. Braga

Prefeito de Curitiba

Oração de paraninfo

1956

Bento M. da R. Neto

Professor das FFCL e FCFC

Publicação Revista

1957

Irmão Eulálio Geraldo

Marista

Publicação Revista

1958

Irmão João de Deus

Provincial Marista do Brasil Central

Publicação Revista

1958

Raul Moreira Léllis

Professor da Universidade Católica do Rio de Janeiro

Aula inaugural

1958

Liguarú Espírito Santo

Professor das FFCL e FCFC

Publicação Revista

1960

Lauro Esmanhoto

Diploma de professor normalista; Professor de Administração escolar e educação comparada da FFCL e FCFC

Publicação Revista

1960

Herley Mehl

Professor FFCL e FCFC

Publicação Revista

1960

QUADRO 4 – Alguns discursos acadêmicos da FCFC – 1955-1960

Fonte: Revista Humanitas.

Nota: o autor.
Os dados dos quadros 3 e 4 indicam que na FFCL predominava a presença do laicato católico. Já na FCFC estavam envolvidos laicato, irmãos maristas e o próprio Arcebispo de Curitiba. Tais características evidenciam que nas duas instituições a Igreja Católica contava com a colaboração do laicato católico, porém na FCFC o clero mantinha maior controle sobre as atividades acadêmicas, por conseqüência dos intelectuais católicos leigos. O caráter confessional da FCFC é um aspecto importante para explicar essa particularidade em relação à FFCL. A própria criação da FCFC em agosto de 1950, seis meses antes da federalização da UP, expressa que o grupo católico paranaense dirigiu sua ação em defesa da Universidade Católica. Por outro lado, a ênfase na criação da Universidade Católica não representou o cancelamento dos esforços para manter o pensamento católico na FFCL, mesmo após a federalização da Universidade do Paraná.

Outro aspecto importante diz respeito à vinculação dos personagens que proferiam aulas inaugurais e orações de paraninfos. De todos os nomes presentes no quadro 3, apenas Wilson Martins não estava associado à Igreja Católica. Os demais faziam parte do laicato católico, responsável pela criação do Círculo de Estudos Bandeirantes (1929), de inúmeros periódicos, da FFCL (1938), FCFC (1950) e da Universidade Católica do Paraná (1959). A inclusão da aula inaugural proferida por Wilson Martins tem a pretensão de indicar a existência de posições divergentes na FFCL, embora com menor força. No entanto, com a federalização da UP abriu-se espaço para o avanço de outras concepções de universidade, assim como de outras visões de filosofia. Tal hipótese não é discutida neste texto, mas novas pesquisas poderão recortar períodos posteriores (décadas de 1960/1970/1980) para avaliar o confronto entre a tradição filosófica católica e outras tendências da filosofia contemporânea (por exemplo, existencialismo, marxismo). Por outro lado, na FCFC todos os autores indicados no quadro 4 estavam vinculados à Igreja Católica.

Nos quadros seguintes são associados autores e temáticas tratadas nos textos proferidos e publicados nas FFCL e FCFC.


AUTOR

TEMÁTICA DO TEXTO

ANO

Brasil Pinheiro Machado

Função da Faculdade de Filosofia

1940

Pe. Jesus Ballarin

Filosofia, ciência e magistério

1941

Liguarú Espírito Santo

Marcelino Champagnat

1941

Bento M. da R. Neto

Sociologia católica

1942

Liguarú Espírito Santo

Filosofia, catolicismo e magistério

1942

Alceu Amoroso Lima

Filosofia, catolicismo e magistério

1943

José Loureiro Fernandes

Missão do laicato católico

1943

Manoel Lacerda Pinto

Pe. Jesus Ballarin

1943

Homero B. de Barros

Prof. José F. M. Guérios

1943

Homero B. de Barros

Formação humanística

1946

Homero de Melo Braga

Formação médica e formação filosófica

1947

Manoel Lacerda Pinto

Rui Barbosa e catolicismo

1949

Homero B. de Barros

Caráter humanístico da universidade

1949

Wilson Martins

Missão da universidade

1951

QUADRO 5 – Temáticas dos discursos da FFCL – 1940-1951

Fonte: Anuário da FFCL e da UP.

Nota: o autor.


AUTOR

TEMÁTICA DO TEXTO

ANO

D. Manuel D´Elboux

Missão do docente

1955

Irmão Eulálio Geraldo

Natureza da sociedade

1956

Pe. João Monteiro

Tomás de Aquino

1956

José N. dos Santos

Igreja, escola e imprensa

1956

Ney A. de B. Braga

Igreja, ensino superior e nação

1956

Bento M. da R. Neto

Universidade e Igreja Católica

1957

Irmão Eulálio Geraldo

Tomás de Aquino e Filosofia da Educação

1958

Irmão João de Deus

Mentalidade espiritual do Brasil e educação

1958

Raul Moreira Léllis

Educação comparada

1958

Liguarú Espírito Santo

Santo Agostinho e educação

1960

Lauro Esmanhoto

Magistério e ética

1960

Herley Mehl

Cursos de Filosofia/Pedagogia: dados estatísticos

1960

QUADRO 6 – Temáticas dos discursos da FCFC – 1955-1960

Fonte: Revista Humanitas.

Nota: o autor.
Em termos gerais, as orações de paraninfos, aulas inaugurais e artigos publicados se referiam à missão das Faculdades de Filosofia e ao papel dos intelectuais. Brasil Pinheiro Machado, ao dirigir-se à primeira turma de bacharéis formada na FFCL, sustentava: “somos todos combatentes da mesma batalha, perseguidores da mesma finalidade que é a criação de um clima propício ao desabrochar de uma verdadeira liderança intelectual, dentro do desordenado ambiente da cultura nacional” (MACHADO, 1940, p. 42). Atrelado ao papel de liderança deveria estar, na definição de Pe. Jesus Ballarin, o “ressoar em vosso ouvido e ecoar em vossa alma como um estímulo criador de intensa vida intelectual, o imperativo agostiniano: amar a inteligência; amá-la intensamente. Intellectum valde ama” (BALLARIN, 1940, p. 48-49). A direção intelectual propalada por Pinheiro Machado perpassava por profunda formação científica e filosófica, isto é, a possibilidade de intervenção cultural e política, na acepção de Ballarin (1940, p. 52), estava vinculada à máxima “amai a ‘ciência’ e a ‘harmonia das ciências’ e acima da ciência amai ‘a sabedoria’ e a ‘harmonia das Sabedorias’”. A noção de missão intelectual propugnada pelo grupo das Faculdades de Filosofia consistia no “entendimento norteado pela verdade; [n]a verdade sujeita à moral; [n]as paixões controladas pelo entendimento e pela vontade: tudo iluminado, dirigido, elevado pela Religião: eis o homem completo, o homem ideal. Nele a razão ilumina, a imaginação enleva, o coração vivifica, a Religião diviniza” (BALLARIN, 1940, p. 54).

A formação intelectual estava atrelada à missão do ensino superior. Tal relação é atestada por Loureiro Fernandes ao indicar que em decorrência da crescente desorganização da sociedade após a Primeira Guerra, “não cessavam de clamar por auxílios mais eficientes às Instituições Universitárias como um dos supremos recursos para a salvação das elites” (FERNANDES, 1943, p. 66). Em seguida, asseverava Fernandes (1943, p. 66), “a formação das elites é o dever precípuo que às organizações universitárias incumbe e de modo preponderante às Faculdades de Filosofia, por serem estas as orientadoras da verdadeira instrução e educação [...]”. Na avaliação de Brasil Machado (1940, p. 42), “ao par da necessidade da formação de técnicos, cresce, no Brasil, a necessidade da formação dessas ‘elites’ intelectuais [...]”. Por outro lado, Machado (1940, p. 42) denunciava que “não exerceram as escolas superiores [...] a função de recriar e disciplinar a cultura nacional, e, no entanto, só pelas escolas superiores é possível tal função”. Indagava-se sobre quais modelos de escolas atingiria tal tarefa? Não seria nas escolas de formação profissional. Entretanto, enunciava: “somente as Faculdades de Filosofia, como núcleos irradiadores dentro de uma organização universitária, podem desempenhar tal missão, porque só elas têm contextura própria, o tratamento desinteressado de aplicação imediata [...]” (MACHADO, 1940, p. 43). Em direção semelhante apregoava Loureiro Fernandes (1943, p. 67), “no justo desempenho de nobre função educadora [...], as Faculdades de Filosofia tornar-se-ão [...] poderosos agentes da nossa unidade ‘ao promover o instinto comum de brasilidade e a universalização do sentimento nacional’”.

As Faculdades de Filosofia deveriam formar professores, humanistas, historiadores, geógrafos, físicos, matemáticos, biólogos, filósofos. Nesse aspecto, uma das tarefas tinha “caráter utilitário, digamos a exclusiva feição prática [...] destinada ao professorado secundário e à alta técnica científica aplicada” (FERNANDES, 1943, p. 67-68). Outra tarefa seriam os estudos “básicos para a grandeza futura do povo brasileiro” (p. 68). Na denominação de Fernandes (1943, p. 68), “a finalidade desses estudos é muito mais alta e, [...] sempre haverá e é mister que haja para a verdadeira grandeza de um povo, muito mais que a burguesia comerciante [...], - uma elite, numerosas elites de pensadores, de sonhadores idealistas, a serviço do bem comum”. Na conclusão da oração de paraninfo, Brasil Pinheiro Machado (1940, p. 44, sem grifo no original), rememorou a sentença proferida à primeira turma de bacharéis da Faculdade de Filosofia de São Paulo: “encerrastes definitivamente um ciclo de nossa existência para dar início a outro: o da nossa maioridade intelectual!”.

Ao dirigir-se aos formandos, enfatizava Fernandes (1943, p. 70), “a perseverança no estudo consolidará a vossa personalidade [...]. Títulos nobiliárquicos, que para os cultores da Ciência, consistem em ser “Confidentes do Criador, Ministros do Progresso e Sacerdotes da Verdade’”. O sentido de confidente do criador sustenta-se porque “só o verdadeiro cientista pode compreender algo dessa linguagem misteriosa que Deus escreveu na natureza [...]. A ciência, afinal, não é mais do que a procura, pelos homens, do nome que Deus deu às coisas do universo” (FERNANDES, 1943, p. 70-71). Tal sentido também estava presente no discurso de Jesus Ballarin (1940, p. 53): “o pensamento humano [...] deve encontrar-se em todas suas pesquisas, em todas as avenidas com a idéia e a realidade divina. Deve necessariamente encontrar-se com o Deus do Cristianismo [...], verdade infinita, inteligência subsistente”. Em outros termos, confidente do Criador toma por princípio que “deve reinar harmonia absoluta entre o Pensamento, Autor da Realidade, - e o pensamento – reflexo dos entes que forma e produz a verdade criada” (BALLARIN, 1940, p. 53).

A tarefa intelectual do grupo católico perpassava também pelo ministério do progresso. Essa assertiva objetivava confrontar-se com os materialistas que defendiam o progresso, porém sem vinculação aos princípios metafísicos da Igreja Católica. Desse modo, um confidente do Criador deveria ser um ministro do progresso da sociedade. Havia associação, na avaliação dos católicos, entre progresso material e progresso moral. Sobre tal aspecto manifestava-se Loureiro Fernandes (1943, p. 71): “medir a importância de uma Ciência apenas pela sua utilidade prática é um crime contra a inteligência, e consequentemente contra o progresso humano”. O sentido de ministro do progresso consistia no controle a ser exercido pela filosofia sobre a ciência aplicada. A esse respeito pronunciava-se Fernandes (p. 71): “sobram-lhes [...] razões aos que, persuadidos da errônea distinção entre ciência teórica e ciência prática, não admitem nem toleram o excessivo culto prestado a esta, com detrimento e até desprezo daquela”. As passagens acima podem ser aproximadas do enunciado de Jesus Ballarin (1940, p. 51): “amai a ciência, mas evitai ainda o ‘fetichismo’ da ciência que professou o cientismo. [...] sabeis não ser a ciência valor único, nem mesmo valor absoluto e supremo. A ciência é apenas a ‘escola primaria do espírito”. Em seguida, apregoa que “o pensamento humano, a razão humana é uma força viva que busca seu ponto de apoio e o seu fim; o princípio e o fim da inteligência é Deus [...]” (BALLARIN, 1940, p. 52).

O intelectual católico deveria ser confidente do Criador, ministro do progresso, mas também apóstolo da Verdade. O principal sentido estabelecido ao ato lingüístico “apóstolo da verdade” consistiu na afirmação de que “assumis o nobre compromisso de contribuir com o vosso saber e talento para preservar da desagregação a nossa cultura, a luso-brasileira cujas raízes se vão prender à unidade filosófica helênico-cristã” (FERNANDES, 1943, p. 72). Em termos precisos, a responsabilidade com a verdade seria substituir a concepção de ciência, segundo a qual “só há um objeto de observação, os fatos, e uma só noção deduzida da observação, as leis, por aquela que compreende a ciência como conhecimento tanto dos fenômenos (ciências positivas) como da substância (ciência metafísica)” (FERNANDES, p. 73, grifo do autor).

Por fim, arrematava Fernandes (p. 74):
O Sacerdócio da Verdade, sagrado ministério, é que dá a esta Faculdade alta expressão intelectual ao traduzir um sentimento coletivo, uma corrente de opinião um roteiro de atividades cujo objetivo é o de constituir uma verdadeira escola. Escola na elevada “função de criar, recriar e disciplinar os altos atributos da cultura humana e de perpetuar seus elementos constitutivos”. Escola, no sentido de vigoroso núcleo irradiador de cultura, a despertar inteligências adestrando-as para os futuros trabalhos de investigação científica, sem o ônus tremendo de um exclusivo e laborioso autodidatismo.
As Faculdades de Filosofia deveriam cumprir, na avaliação do laicato católico, a missão de articular o ensino superior paranaense. Confidente do Criador, ministro do progresso e apóstolo da verdade era o que se esperava dos intelectuais católicos. Tais atividades consistiam na principal atribuição das Faculdades de Filosofia. Em aula inaugural de 1946, Homero de Barros professou que a FFCL “[...] bem merece as preferências com que a distingue a juventude universitária porque desempenha função social e cristã de inatingida relevância nos destinos nacionais” (BARROS, 1946, p. 40).

O projeto das Faculdades de Filosofia deveria promover a formação humanista do jovem paranaense, no entanto, tratava-se do humanismo cristão, pois é assim que o compreendia Barros (1946, p. 40): “Maritain frisa o caráter teocêntrico do humanismo, para que este [...] não [se] confunda com o humanismo do Renascimento ou com o da Reforma, que foram antropocêntricos por excelência”. Homero de Barros asseverava que o “interesse fundamental deve consistir em que todo o desenvolvimento, que vai da educação inicial até à cultura superior, seja dirigido pelo mesmo princípio de formação humanística conveniente para formar o verdadeiro cristão [...]” (BARROS, 1946, p. 45). A rigor, para Barros (p. 46), “a formação humanística não se concilia com o ensino leigo [laico] [...]. E nem com o ensino religioso facultativo, que é fórmula desfavorável ao exercício do apostolado intelectual, tão urgente na escola quanto nos colégios e nas universidades”.



O espírito irradiador do ensino superior do Paraná deveria nascer das Faculdades de Filosofia, pois “o grandioso empreendimento só atingirá seu objetivo se não se limitar apenas à obra de erudição e cultura, mas se desempenhar realmente a grande missão de orientação espiritual, acumulando as reservas de resistência das novas gerações” (BARROS, 1946, p. 46). Em direção contrária ao exposto acima, ponderava Barros (p. 46), “a Universidade não virá senão fabricar técnicos para a condenável ‘civilização da máquina’, uma das causas mais decisivas da ‘indignidade do mundo moderno’”. Por fim, conclamava Barros (p. 46):
[...] fica o apelo à mocidade da Faculdade de Filosofia para que contribua, a todo poder, na formação do espírito universitário pelos ideais do humanismo integral, buscando na cultura superior um instrumento de restauração dos valores eternos, um sentido cristão e intangível da vida, meio de contribuir para que a sociedade não se distancie de Deus.
A formação do bacharel e licenciado, nas Faculdades de Filosofia do Paraná, estava conformada pela tradição católica, cuja principal preocupação era conciliar os progressos da ciência moderna com a filosofia tomista. Nesse sentido, durante as décadas de 1940 e 1950, o caráter acadêmico do estudante que se preparava para exercer uma atividade de liderança na sociedade, seja na condição de professor ou profissional liberal, ganhava forte contorno do pensamento católico. Desse modo, é possível sustentar que a FFCL e FCFC constituíram-se em lócus de promoção da filosofia católica, bem como contraposição ao projeto educacional (Escola Nova) organizado por Erasmo Pilotto na Escola Normal do Paraná.
Considerações finais
O objetivo deste texto foi problematizar a ação dos intelectuais católicos em defesa do Ensino Superior no Paraná das décadas de 1940 e 1950. Sob o pano de fundo do movimento da Igreja Católica que visava manter-se presente na sociedade contemporânea, assim como lançar-se contra seus adversários, este texto discutiu os sentidos da educação superior na cruzada intelectual dessa instituição religiosa. A criação de instituições de ensino superior foi uma das estratégias políticas e culturais da Igreja Católica, na qual contou com a colaboração contínua de lideranças intelectuais de diferentes cidades do Brasil. No Paraná, desde o final da década de 1920, os católicos estiveram comprometidos com o projeto de romanização ou cristianização da sociedade paranaense. Nos final dos anos de 1930 foi estabelecida a FFCL, a qual permitiu que o grupo católico circulasse e divulgasse a filosofia tomista entre parcela significativa dos acadêmicos paranaenses, pois com a criação da Universidade do Paraná (1946) houve investimento na tentativa de expansão da visão de mundo católica a todos os ambientes das instituições de ensino superior. Na década de 1950, os católicos controlavam a FFCL e a FCFC. A federalização da UP não representou a retirada ideológica dessa instituição, pois é possível afirmar que até o início da década de 1970 o pensamento católico se manteve presente, uma vez que por aproximadamente duas décadas a reitoria da Universidade e a direção da FFCL estavam sob a direção de Flavio de Lacerda e Homero de Barros, ambos atrelados ao grupo católico. Já a criação da FCFC representou o início do processo de consolidação do ensino superior confessional que culminou na Universidade Católica do Paraná (1959).

Ao discutir o problema do ensino superior católico no Paraná, este texto fez referência aos paradigmas intelectuais, epistémé, as correntes filosóficas que interferiram nas representações, nas visões de mundo do grupo católico, assim como às razões particulares do contexto paranaense que estavam associadas ao processo de organização da FFCL e FCFC. O primeiro aspecto diz respeito à pretensão do grupo em articular ciência moderna e filosofia católica. O segundo se refere ao processo de organização do laicato católico no Paraná que resultou na criação das duas Faculdades de Filosofia, nas quais buscou-se conformar um projeto de formação de bacharéis e licenciados orientado pela ciência moderna e pela metafísica católica. A partir das aulas inaugurais e orações de paraninfos foi possível observar que o grupo católico manteve o controle das principais atividades acadêmicas da FFCL e FCFC, evidenciando que a doutrina católica conformou a direção ideológica dos cursos de humanidades existentes no Paraná durante as décadas de 1940 e 1950. Portanto, a hipótese de que o laicato católico exerceu o papel de organizador da cultura ao estabelecer a FFCL e FCFC mostra-se útil para explicar a ação dos intelectuais paranaenses que estavam envolvidos com o Ensino Superior, particularmente à medida que esse grupo apregoava a si mesmo as funções de confidente do Criador, ministro do progresso e sacerdote da verdade, caracterizando uma visão autoritária de sociedade ao enunciarem que apenas ele poderia conduzir o país em direção ao progresso material e moral.


Referências
ANDRADE, M. L. de. Dario Vellozo e a escola moderna: a renovação do pensamento educacional no Paraná. In: VIEIRA, C. E. (Org.). Intelectuais, educação e modernidade no Paraná (1886-1964). Curitiba: UFPR, 2007, p. 191-215.
ANUÁRIO da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná. Curitiba, 1940-1943.
ANUÁRIO da Universidade do Paraná. Curitiba, 1946-1951.
BALHANA, C. A. Idéias em confronto. Curitiba: Grafipar, 1981.
BALLARIN, J. Oração de paraninfado da turma de 1941. In: Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná. Curitiba, 1940, p. 45-54.
BARROS, H. B. de. Preleção inaugural do ano letivo de 1946, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná: formação humanística. In: Anuário da Universidade do Paraná. Curitiba, 1946, p. 40-46.
BENCOSTTA, M. L. A. Igreja e poder em São Paulo: D. João Batista Corrêa Nery e a romanização do catolicismo brasileiro (1908-1920). Tese (Doutorado) – USP, São Paulo, 1999.
BONA JR, A.; VIEIRA, C. E. O discurso da modernidade nas conferências educacionais na década de 1920 no Paraná. In: VIEIRA, C. E. (Org.). Intelectuais, educação e modernidade no Paraná (1886-1964). Curitiba: UFPR, 2007, p. 13-40.
CAMPOS, N. de. Intelectuais e igreja católica no Paraná (1926-1938). Ponta Grossa: UEPG, 2010a.
_____. Intelectuais paranaenses e as concepções de universidade (1892-1950). Curitiba: UFPR, 2008.
_____. O papel do clero e do laicato católico no processo de constituição da Universidade Católica do Paraná (1959). Cadernos de História da Educação. Uberlândia, v. 9, n. 1, p. 187-205, jan./jun. 2010b.
CARVALHO, M. M. C. de. Molde nacional e fôrma cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Bragança Paulista: EUSF, 1998.
DIAS, R. A doutrina católica sobre a autoridade no Brasil (1922-1935). Tese (Doutorado) – UNICAMP, Campinas, 1993.
FERNANDES, J. L. Discurso aos bacharéis de 1943. In: Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná. Curitiba, 1943, p. 65-75.
GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 2.
MACHADO, B. P. Oração de paraninfo da turma de 1940. In: Anuário da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná. Curitiba, 1940, p. 41-44
MANOEL, I. A. Igreja e educação feminina (1859-1919): uma face do conservadorismo. São Paulo: UNESP, 1996.
MEHL, H. Dados estatísticos e a opção: curso de filosofia. In: Revista Humanitas. Curitiba, ano 5, n. 5, p. 33-44, 1960.
MICELI, S. A elite eclesiástica brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1974.
MORENO, J. C. Inventando a escola, inventando a nação: discursos e práticas em torno da escolarização paranaense (1920-1928). 2003. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.
PADIAL, E. M. As propostas de Lysimaco Ferreira da Costa para a instrução pública paranaense no período de 1920-1928. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2008.
REVISA HUMANITAS. Curitiba, 1956-1960. Faculdade Católica de Filosofia de Curitiba.
ROMANO, R. Brasil: igreja contra estado (crítica ao populismo católico). São Paulo: Koirós, 1991.
SALEM, T. Do Centro Dom Vital a universidade católica. In: SCHWARTZMAN, S. (Org.). Universidades e instituições científicas no Rio de Janeiro. Brasília: CNPq, 1982, p. 97-134.
SILVA, H. R. da. A história intelectual em questão. In: LOPES, M. A. (Org.). Grandes nomes da história intelectual. São Paulo: Contexto, 2003, p. 15-25.
STRANG, B. de L. S. O saber e o credo: os intelectuais católicos e a doutrina da Escola Nova. 2008. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
TRINDADE, E. M. de C. Clotildes ou marias: mulheres de Curitiba na Primeira República. Curitiba: Fundação Cultural, 1996.
VIEIRA, C. E.; MARACH, C. B. Escola de mestre único e escola serena: realidade e idealidade no pensamento de Erasmo Pilotto. In: VIEIRA, C. E. (Org.). Intelectuais, educação e modernidade no Paraná (1886-1964). Curitiba: UFPR, 2007, p. 269-289.


1 Loureiro Fernandes nasceu em Lisboa no dia 12 de maio de 1903 e faleceu em Curitiba no dia 16 de fevereiro de 1977. Formado em Medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro. Ele participou na criação de várias instituições do Paraná, como por exemplo, do Círculo de Estudos Bandeirantes, da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Paraná (1938), da Faculdade Católica de Filosofia de Curitiba (1950), da Universidade Federal do Paraná (1950) e da Universidade Católica do Paraná (1959).

2 Antônio Mazzarotto nasceu em Curitiba em 1 de dezembro de 1890 e faleceu em Ponta Grossa em 15 de julho de 1980. Foi bispo de Ponta Grossa entre 1929 e 1965.

3 Luiz Gonzaga Miele nasceu em São Bernardo do Campo no dia 31 de maio de 1893. Concluiu sua formação filosófica e teológica em Paris. Em 1924, foi nomeado professor do Ginásio Paranaense, na seção internato, professor de lógica, psicologia e história da filosofia, o que evidencia a estreita relação entre Igreja e Estado no governo de Caetano Munhoz da Rocha. Padre Miele dirigiu o CEB até dezembro de 1932, quando se transferiu para São Paulo.

4 Caetano Munhoz da Rocha nasceu em Antonina no dia 14 de maio de 1879 e faleceu em Curitiba no dia 23 de abril de 1944.

5 Manoel Ribas nasceu em Ponta Grossa no dia 8 de março de 1873 e faleceu em Curitiba no dia 28 de janeiro de 1946. Esteve a frente do Governo do Paraná no período de 1932 a 1945 (interventor de 1932 a 1934 e 1937 a 1945; governador de 1935 a 1937).

6 Bento Munhoz da Rocha Neto nasceu em Paranaguá no dia 17 de dezembro de 1905 e faleceu em Curitiba no dia 12 de novembro de 1978. Em 1929, fez parte do grupo católico que fundou o Círculo de Estudos Bandeirantes. Entre 1951 e 1955 foi governador do Paraná.

7 Em 1951, a aula inaugural da FFCL foi proferida por Wilson Martins – autor que tinha posição divergente do grupo católico. Em nossa avaliação, essa aula anuncia a relativização do poder da Igreja Católica na FFCL, embora a reitoria da UP e a direção da FFCL estivessem sob a direção de Flavio S. de Lacerda e Homero de Barros, respectivamente, ambos pertencentes ao grupo católico.





©livred.info 2017
enviar mensagem

    Página principal